sábado, março 08, 2008


Brasil

Evasão escolar cresce entre beneficiados do Bolsa-Família

Abandono de estudo aumenta na maioria das 200 cidades dependentes do programa

Lisandra Paraguassú, de O Estado de S. Paulo
LAGOA DOS GATOS (PE) - O mais importante programa social do governo Lula, o
Bolsa-Família, atende hoje quase um quarto da população do País (45,8 milhões), mas não está conseguindo cumprir um de seus principais objetivos: fazer com que as crianças completem ao menos os oito anos do ensino fundamental. Cruzamento de informações feito pelo Estado, com dados dos Ministérios do Desenvolvimento Social e da Educação, revela que nos 200 municípios onde há mais famílias dependentes do Bolsa-Família a evasão escolar, contando os abandonos da 1ª a 8ª séries, cresceu entre 2002 e 2005. Em alguns casos, o número de crianças que deixam a escola mais do que dobrou. Em todas as cidades mais da metade é atendida pelo programa.
Leia mais

Nota do Editor - Os programas sociais constituem um avanço e devem ser mantidos e até ampliados. Algumas distorções sempre haverá, no entanto, o cômputo final é positivo. É um grande passo na direção da diminuição das desigualdades, o grande desafio de qualquer governo. Os programas foram criados na gestão de FHC, eram diversos, o governo Lula os unificou. Lula merece o crédito e os aplausos por ter dado a muitos habitantes deste país um pouco de esperança. A vida também é constituída de esperança e sonho. (Sidney Borges)

Packard Caribbean


Aviação

Gigante dos ares

Sidney Borges
O link abaixo é para quem gosta de avição, se você faz parte desse seleto clube divirta-se, caso contrário, divirta-se também apreciando a tecnologia digital e o que é possível fazer com ela.

http://www.gillesvidal.com/blogpano/cockpit1.htm

Homenagem

Mulher

Marcio Barbosa Gonçalves
A mulher e seus encantos
Cada uma, uma surpresa,
Faz do homem, um menino
Seduzido por seus dengos.
O tempo, é o tempero
preparando a natureza,
Destacando os traços da beleza,
De forma singular.
Tens sutilezas e matizes,
Que se revelam no contato,
Sabes conquistar a atenção,
Com meiguice e amor.
Não escondes a simpatia,
Te desnudas na intimidade,
Despertando paixões,
Com teu jeito pessoal.
A todas as mães, amigas, colegas de trabalho, mulheres batalhadoras e corajosas de Ubatuba que completam nossas vidas, parabéns por este dia 08 de março dia da mulher, mas nosso respeito por essa figura tão importante em nossas vidas seja lembrado todos os dias do ano.

Motocicletas verdes

Caros Jornalistas e Radialistas:

Paulo Polé

Sou um velho motociclista curioso na evolução deste veículo e observador de sua utilização.
Já são mais de 50 anos montado em motos e ainda hoje pratico meu motociclismo de maneira “quase responsável” pelas ruas de São Paulo.
Curioso pela evolução mecânica, observei que as motos tidas como “brasileiras” (Honda,Yamaha, Sundown e Kasinsky) têm montado um dispositivo agregado ao motor que me causou estranheza. Pesquisar entre conhecedores do assunto, só serviu para aumentar a estranheza, e olha que estes especialistas não são bobinhos não. Para que serve este troço?… Funcionar, funciona, mas para que serve?
Vamos aos fatos:
Uma pequena bomba/diafragma movida pelo vácuo gerado no coletor de admissão do motor, bombeia ar puro para a área de escapamento. Para que serve este troço?…, para que bombear ar puro ao escapamento da motocicleta?…
Não estou totalmente a par da legislação ambiental, mas é notória e fundamental a preocupação em reduzir a emissão de poluentes na atmosfera.
Catalizadores, injetores de combustível, ajudam muito no propósito de poluir menos. Só que são caros. Para uma moto popular, as que mais vendem, é praticamente inviável a adoção destes recursos no momento.
A medição da emissão em veículos automotores, no mundo todo, é feita via leitura dos gases emitidos pelo escapamento. Bombeando ar fresco para o escapamento, teremos uma leitura “falsificada” dos gases emitidos, talvez ganhando com esta manobra um selo do Inmetro ou qualquer outra estampilha carimbada, com direito ao uso de slogans tipo “a moto menos poluidora do mundo” ou “a motoverde chegou!”.
Pode ser que perguntados a respeito, os “fabricantes” digam que tal sistema é um dispositivo fruto de décadas de estudo voltado para economia de carburante etc e tal… e que tudo mais é fruto da paranóia ambientalista.
Eu não acredito.
Na minha opinião é um dispositivo voltado para maquiar uma medição, motivo de sobra para uma ação do Ministério Público. Acho que estão botando água na cachaça. Afinal não é a primeira vez que isto acontece aquí no BBB (BigBazarBrazil), onde tudo parece que está a venda, aos poucos, em suaves prestações.
É água no leite, é solvente na gasolina, é óleo de soja no azeite e agora ar puro misturado ao gás carbônico.
Que beleza!


Muito obrigado pela atenção e divulgação.


Paulo Orlando Lafer de Jesus (Paulo Polé)
011-32576758 / 75121770
poleh@uol.com.br
ps/ …Será que essa não é uma boa idéia para a indústria automobilística também…

"8 de Março"

Dia Internacional da Mulher

Mauricio Moromizato – Presidente do PT de Ubatuba
No dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos da cidade de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e para reivindicar melhores condições de trabalho. Elas lutavam pela redução da jornada diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho. A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas. Por ocasião da greve, no setor de tinturaria da fábrica, tecidos eram coloridos com a cor lilás e esta passou a ser a cor que simboliza o movimento de mulheres. Em 1910, a data foi estabelecida na primeira conferência internacional de mulheres da Internacional Socialista. Oficialmente, o 8 de março é comemorado como o Dia Internacional da Mulher desde 1975, quando a Organização das Nações Unidas, o instituiu, por decreto. Desde o início do século XX, as mulheres já realizavam manifestações públicas nessa data para relembrar os fatos ocorridos em Nova Iorque e para reforçar a luta pelas mesmas reivindicações da greve da fábrica de tecidos de Nova Iorque, algumas delas atuais até os dias de hoje. O governo Lula criou a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, que vem atuando no sentido de ampliar as políticas públicas que possam, ao mesmo tempo, combater a desigualdade entre mulheres e homens existente na sociedade brasileira e enfrentar as dificuldades que atingem as mulheres no seu dia a dia. Durante as comemorações do Dia Internacional da Mulher, a ministra Nilcéia Freire anunciou programas que visam a consolidação da Lei Maria da Penha em âmbito nacional; a garantia dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres; o combate à exploração sexual e ao tráfico de mulheres; e a promoção dos direitos humanos das mulheres que vivem encarceradas. A Lei Maria da Penha (Lei da Violência Doméstica contra as Mulheres) está em vigor desde 2006 e, desde o início de sua vigência, ficou mais simples a denúncia da violência praticada contra a mulher dentro de sua própria casa. Mas ainda falta estrutura para que as denúncias possam ser formuladas, a punição possa ser rápida e a vítima possa estar protegida. Na cidade de São Paulo, desde 1990 funciona a Casa Eliane de Grammont, um abrigo para mulheres vítimas da violência doméstica que, assim podem fazer a denúncia e, se for o caso, reiniciar suas vidas sem ter que conviver no mesmo teto com o seu agressor. Criada a partir de projeto de Lei do vereador Arselino Tatto, é fruto da mobilização do movimento de mulheres da cidade de São Paulo e inspirou a criação de instituições semelhantes em várias outras cidades. O PT, desde a sua fundação, sempre teve, em seus quadros, importantes militantes do movimento de mulheres. A destacada atuação das mulheres petistas incorporou ao programa do nosso Partido as bandeiras históricas do movimento de mulheres e conquistou espaços importantes na administração pública e nos legislativos. Essa atuação é importante também pelo combate constante às desigualdades e pela luta do dia a dia pelas reivindicações mais importantes para as mulheres. As companheiras militantes do PT fazem parte dessa história. Em Ubatuba, a luta das mulheres dentro do PT está simbolizada em nomes como o de Esther Bueno, fundadora do PT na década de 80. E nesse ano de 2008, para enfrentar o descalabro, a mentira e a incompetência que governam nosso município e para apontar um caminho que efetivamente construa um futuro melhor para Ubatuba e não que nos leve ao passado, a participação das mulheres será de fundamental importância na decisão dos destinos de nossa querida Ubatuba.
O PT de Ubatuba deixa aqui o “Parabéns” a todas as mulheres, pelas lutas e pelas conquistas e faz um chamado para que estejam preparadas, conscientizadas e presentes nas próximas eleições, concorrendo aos cargos em disputa ou apoiando candidatas (os) que efetivamente defendam a justiça e a melhoria das condições de vida de toda a população.
PARABÉNS A TODAS AS MULHERES DE UBATUBA E DO BRASIL!

Angra 3. Sim ou Não?



Perigos dos reatores nucleares. Riscos na operação da tecnologia nuclear no século XXI

Helmut Hirsch; Oda Becker; Mycle Schneider; Antony Froggatt

Relatório preparado para o Greenpeace Internacional (abril 2005)

Sumário executivo

Este relatório fornece uma avaliação ampla dos perigos dos reatores nucleares em operação, dos novos projetos "evolucionários" e dos conceitos de futuros reatores nucleares. Também trata dos riscos associados ao manejo do combustível nuclear utilizado. A primeira parte do relatório descreve os problemas característicos e inerentes aos projetos dos principais reatores em operação atualmente; a segunda parte avalia os riscos associados a novos projetos; a terceira parte, o "envelhecimento" dos reatores em operação; a quarta parte, a ameaça terrorista à energia nuclear; e a quinta, os riscos associados aos impactos das mudanças climáticas - como enchentes - sobre a energia nuclear.

As principais conclusões são:

Todos os reatores em operação possuem falhas de segurança inerentes muito graves, que não podem ser eliminadas com atualizações tecnológicas no sistema de segurança.

Um grande acidente em um reator de água "leve" (a grande maioria dos reatores em operação no mundo utiliza essa tecnologia) pode levar à liberação de radioatividade equivalente a centenas de vezes o que foi liberado em Chernobyl, e cerca de mil vezes o que é liberado por uma arma de fissão nuclear. A remoção da população pode se tornar necessária para grandes áreas (de até 100.000 km2). O número de mortes por câncer poderia exceder um milhão de casos.

Novas linhas de reatores são concebidas e anunciadas como fundamentalmente seguras. No entanto, além de possuírem problemas específicos de segurança, esses novos reatores exigiriam grandes investimentos para serem desenvolvidos, com um resultado incerto.

A idade média dos reatores do mundo é de 21 anos, e muitos países estão planejando estender sua vida útil para além daquela prevista em seu projeto original. Essa prática poderá levar à degradação de componentes críticos e a um aumento nos incidentes de operação, podendo culminar num grave acidente. Os mecanismos de degradação relacionados à sua duração não são bem conhecidos e são difíceis de prever.

A desregulamentação (liberalização) dos mercados de eletricidade levou as operadoras de usinas nucleares a reduzirem os investimentos em segurança e a limitarem seu quadro de funcionários. As empresas também estão alterando seus reatores para funcionarem sob pressão e temperatura mais altas, o que eleva a queima do combustível. Isso acelera o envelhecimento do reator e diminui sua margem de segurança. Agências reguladoras não são sempre capazes de administrar esse novo regime de operação.

O combustível descartado, altamente radioativo, geralmente é armazenado com resfriamento contínuo. Se o resfriamento falhar, poderia haver um grande vazamento de radioatividade, bem mais grave do que o do acidente em Chernobyl, em 1986.

Os reatores não podem ser suficientemente protegidos contra uma ameaça terrorista. Há diversos cenários - como a colisão de um avião com o reator - que poderiam causar um acidente grave.

Impactos das mudanças climáticas, como enchentes, elevação do nível do mar e estiagem extrema, aumentam seriamente os riscos de um acidente nuclear.

Envelhecimento

Existe um consenso de que a extensão da vida dos reatores é hoje uma das principais questões para a indústria nuclear. A Agencia Internacional de Energia Atômica (AIEA) sugestivamente faz a seguinte afirmação: "Se não houver mudanças na política relativa à energia nuclear, a vida das usinas é a única questão mais importante da produção de eletricidade nuclear na próxima década".
Por todo o mundo, durante as últimas duas décadas houve uma tendência geral contra a construção de novos reatores. Como conseqüência, sua idade média em todo o planeta cresceu ano a ano, e agora está em 21 anos.
Na época de sua construção, presumiu-se que esses reatores não seriam operados durante mais de quarenta anos. Porém, a extensão de sua vida útil oferece uma proposta atraente para os operadores de usinas nucleares, a fim de maximizarem os lucros.
Processos de envelhecimento são de difícil detecção porque geralmente ocorrem no nível microscópico da estrutura interna dos materiais. Eles freqüentemente se tornam aparentes somente depois da falha de um componente, por exemplo, quando ocorre o rompimento de uma tubulação.
As conseqüências do envelhecimento podem ser descritas com base em dois ângulos distintos. Primeiramente, o número de incidentes e eventos reportáveis em uma usina de energia atômica aumentará - pequenos vazamentos, rachaduras, curtos-circuitos por falhas em cabos etc. Em segundo lugar, o processo de envelhecimento está levando ao enfraquecimento gradual de materiais que poderiam causar falhas catastróficas de certos componentes, com subseqüentes liberações radioativas severas. O mais notável é a fragilização do vaso de pressão do reator, que eleva o risco de que simplesmente haja uma explosão. A eventual falha do vaso de pressão de um PWR ou BWR constitui um acidente que ultrapassa o alcance do projeto original, para o qual não há nenhum sistema de segurança capaz de evitar uma conseqüente liberação catastrófica de material radioativo no meio ambiente. Enquanto as usinas nucleares do mundo tornam-se velhas, há esforços para minimizar o papel desse processo de envelhecimento. Esses esforços incluem convenientes reduções da definição de envelhecimento. Além disso, a falha mais básica e mais grave das normas regulatórias internacionais reside no fato de que nenhum país possui um conjunto de critérios técnicos abrangente para decidir quando a operação de uma usina nuclear não deve mais ser permitida. Está claro que o risco de acidentes nucleares cresce significativamente a cada ano, uma vez que uma usina nuclear esteja em operação por cerca de duas décadas.


Ameaças terroristas para usinas de energia nuclear

Mesmo antes dos ataques em Nova York e Washington em 2001, havia preocupações sobre o risco de atentados terroristas a usinas nucleares. Instalações nucleares já foram destruídas no passado, como no ataque de Israel ao reator Osirak, no Iraque. As ameaças de ataques terroristas e atos de guerra contra usinas de energia nuclear podem ser resumidas da seguinte forma:
Em razão da sua importância para o sistema de fornecimento de eletricidade, das severas conseqüências da liberação de radioatividade e do seu caráter simbólico, as usinas de energia nuclear são "atrativas" para ataques tanto terroristas como militares.
Um ataque a uma usina de energia nuclear pode levar à liberação de radioatividade equivalente a várias vezes o que foi liberado em Chernobyl. A realocação da população pode ser necessária para grandes áreas (de até 100.000 km2). O número de mortes por câncer poderia ultrapassar um milhão.
Usinas de energia nuclear poderiam ser alvos em caso de guerra, havendo suspeita de que existe uso militar dessa energia.
O espectro de modos possíveis de ataques é muito diverso. Ataques poderiam ser levados a cabo por ar, terra ou água. Diferentes meios ou armas podem ser usados.
Medidas de proteção contra atentados são muito limitadas. Além disso, uma série de medidas concebíveis não pode ser implementada em uma sociedade democrática.


Usinas de reprocessamento e áreas de armazenamento de combustível usado

A quantidade de plutônio armazenado está crescendo sem parar. Enquanto os Estados Unidos e a Rússia concordaram em desfazer-se, cada um, do "excesso" de 34 toneladas de plutônio com especificação para armamentos, as reservas "civis" de plutônio ultrapassam 230 toneladas. No fim de 2002, o maior detentor de reservas de plutônio era o Reino Unido, com mais de noventa toneladas; seguido pela França, com oitenta toneladas; e a Rússia, com mais de 37 toneladas. O plutônio tem duas características particulares: é de alto valor estratégico como ingrediente primário para armamentos e é altamente radiotóxico. Poucos quilogramas desse material são suficientes para fabricar uma arma nuclear simples, e apenas poucos microgramas inalados são suficientes para desenvolver câncer.

Mudanças climáticas e tecnologia nuclear

Cerca de setecentos eventos naturais perigosos foram registrados no mundo todo em 2003. Desses, trezentos foram tempestades e eventos climáticos severos, e aproximadamente duzentos deles foram grandes inundações. Esses eventos climáticos severos não-usuais afetam a operação das instalações nucleares ao causarem inundações ou secas, afetando o sistema de resfriamento ou outros sistemas de segurança. Soma-se a isso o fato de que as tempestades podem afetar direta ou indiretamente a operação da usina nuclear, danificando a rede elétrica. Fortes tempestades podem levar a múltiplos danos às linhas de transmissão e, assim, à perda de eletricidade via rede.
Toda usina nuclear possui suprimento de eletricidade de emergência, que geralmente funciona a óleo diesel. Entretanto, sistemas de energia emergenciais movidos por geradores a diesel são notoriamente propensos a problemas. Se os geradores de emergência falham, a situação na usina torna-se crítica (blackout na usina). Um blackout em uma usina de energia nuclear pode colaborar fortemente para o agravamento de danos no núcleo do reator. Sem eletricidade, o operador perde a instrumentação e a capacidade de controle, levando à impossibilidade de resfriar o núcleo do reator. Um desastre natural que atinja as linhas que levam eletricidade para uma usina nuclear, aliado a falha dos geradores de emergência locais, pode resultar em um acidente grave.


Envelhecimento, extensão da vida útil de uma usina (Plex) e segurança

Com poucas exceções, os programas de extensão da vida útil de uma usina (Plex) priorizam os aspectos econômicos em detrimento da segurança. A situação é particularmente grave, já que tal programa geralmente só faz sentido econômico para proprietários de usina se esta é operada durante uma ou duas décadas mais, depois de sua implementação.
Assim, os programas de extensão (Plex) criam uma forte pressão para manter as usinas nucleares na rede elétrica, para garantir um retorno de investimento adequado e para ignorar ou minimizar os perigos do envelhecimento. Existe ainda uma grande pressão para investimento no aumento do potencial de geração de energia, aliado à manutenção dos gastos com os Plex mais baixos possíveis.
Tudo isso está ocorrendo em um contexto econômico de liberalização do mercado de energia, uma pressão generalizada de custos e uma concorrência crescente, o que está gerando diminuição das margens de segurança, redução de pessoal e redução de esforços para a realização de inspeção e manutenção - enquanto o curso em direção ao envelhecimento das usinas nucleares requereria exatamente o oposto.
Ao mesmo tempo, o aumento da capacidade de geração leva a uma redução das margens de segurança e a um aumento do consumo de combustível nuclear.


Helmut Hirsch é consultor científico, Hannover, Alemanha. @ - cervus@onlinehome
Oda Becker é consultora científica, Hannover, Alemanha. @ - oda.becker@web
Mycle Schneider é consultora científica, Paris, França @ - mycle@wannado.fr
Antony Froggatt é coordenador do projeto encomendado pelo Greenpeace Internacional. London, Reino Unido. @ - a.froggatt@btinternet.com

Dia da mulher



Valor da Mulher

Jairo dos Santos –vereador
“...A mulher foi feita da costela do homem,

não dos pés para ser pisoteada,
nem da cabeça para ser superior
mas, sim, do lado para ser igual....
debaixo do braço para ser protegida
e do lado do coração para ser amada".
Minha homenagem a minha mulher, às mulheres de meu círculo de trabalho, de minha amizade e a todas as outras do Planeta.

Angra 3. Sim ou Não?



O Brasil fez um acordo nuclear com a Alemanha nos anos 70, dentro do qual foi construída Angra 2. Houve transferência de tecnologia? Ou o país ficou dependente dos alemães?

O acordo Brasil-Alemanha ficou no meio do caminho. A transferência de tecnologia seria completada ao término da oitava usina, mas só uma foi construída. No entanto, devido à paralisação das obras de Angra 2, vários itens que seriam transferidos somente na construção das usinas seguintes foram antecipados e muitos especialistas treinados na Alemanha voltaram para trabalhar em projetos desenvolvidos lá. Isso representou uma capacitação a mais dos profissionais brasileiros. Como conseqüência, do total de horas de engenharia gastas na construção de Angra 2, cerca de 70% foi executado por brasileiros. A montagem eletromecânica foi feita por um consórcio nacional.
O maior legado do acordo nuclear foi a implantação pioneira do sistema de garantia de qualidade em indústrias nacionais, com um controle de qualidade da apurada indústria nuclear alemã. Ainda existem alguns itens do projeto que o Brasil não domina, mas o conhecimento total da tecnologia ocorrerá se for dada continuidade ao programa nuclear, e isto será viabilizado se novas usinas forem construídas. Vários componentes da usina Angra 3 já foram fabricados pela Nuclep, que está produzindo os novos geradores de vapor de Angra 1. A previsão da participação da indústria nacional na construção da nova usina é de 70%. (ABEN)

Segue: A usina Angra 1, nos anos 80, era conhecida como vagalume, porque funcionava e parava. Não se trata de uma usina com pouca utilidade?

Cinedebate

Semana da Mulher

Rui Alves Grilo
O Sindicato dos Bancários e a Ong Cidade & Cidadão, com apoio da Foco Vídeo Locadora, convidam a todos, e especialmente às mulheres para assistir ao filme: “ZUZU ANGEL”.


Data: domingo, 09/03 às 18 horas

LOCAL: Rua Cel. Domiciano, 286 – sala 5

” “Quem é essa mulher que canta sempre esse estribilho. Só queria embalar seu filho, que mora na escuridão do mar”, diz a belíssima
música “Angélica”, que Chico Buarque fez para a estilista Zuzu Angel anos após a sua morte. Zuzu agora é homenageada pelo cineasta Sérgio Rezende, que se aproveita da bela canção, para contar essa história que não pode ser esquecida.No início dos anos 70, Zuleika Angel Jones, a Zuzu Angel (Patrícia Pillar), foi uma das primeiras estilistas brasileiras a se destacar no exterior. Enquanto tudo ia de vento em polpa na vida profissional, na pessoal, nem tanto. Seu filho Stuart (Daniel de Oliveira) era um militante de esquerda que desapareceu, depois de ser preso e torturado pelo exército. Zuzu percebeu que aquele mundo de tranqüilidade em que vivia era fictício e passou a lutar para encontrar o filho, para que ao menos pudesse enterrá-lo.

O diretor, Sérgio Rezende, também dirigiu “Lamarca”, “Guerra de Canudos” e “Mauá: o Imperador e o Rei”.

Opinião

As prévias da discórdia democrata

Editorial do Estadão
As prévias e assembléias eleitorais (caucuses) nos Estados Unidos, com as suas regras muitas vezes obscuras, que podem variar de lugar para lugar e de partido para partido, exprimem a admirável tradição nacional da democracia pela base - grassroots democracy - que tanto fascinava, há 170 anos, o historiador francês Alexis de Tocqueville, autor do clássico A democracia na América. Na sucessão presidencial deste ano, esse intrincado sistema entrou ele próprio na ordem do dia, adicionando um componente perturbador ao que tem sido o maior espetáculo político da Terra, pela singularidade dos presidenciáveis do Partido Democrata e pelo andamento surpreendente do confronto entre eles. A complexidade do processo permite a Barack Obama e a Hillary Clinton interpretar cada qual a seu modo os resultados das 44 votações completadas até aqui (faltam 12), com um total sem precedentes de 26 milhões de sufrágios. Além disso, o resultado ainda incerto das prévias na Flórida e em Michigan, que o partido invalidou porque foram realizadas fora dos prazos estabelecidos, acrescenta uma questão espinhosa ao agora ácido contencioso entre ambos - a que o já definido candidato do Partido Republicano, John McCain, assiste de camarote. Os argumentos que a mulher do ex-presidente Bill Clinton e o primeiro negro com chances reais de disputar a Casa Branca extraem dos números que amealharam refletem visões antagônicas da enovelada lógica do sistema. Nas primárias, como são também chamadas, escolhem-se os delegados estaduais às convenções partidárias que indicarão os aspirantes à presidência dos EUA. Os eleitores votam nos nomes que se identificam com os diferentes presidenciáveis. Para a distribuição das vagas, os democratas adotam uma regra pela qual a margem de vitória nas urnas não dá necessariamente ao vitorioso um total proporcionalmente equivalente de delegados.

Leia mais

Ubatuba em foco

Desobediência

Corsino Aliste Mezquita
Sobre o posto de gasolina que pretendia ser construído nas proximidades da rotatória que dá acesso à rua Prof. Thomaz Galhardo nos manifestamos em: “POSTOS E POSTURAS” e “ACONTECENDO O ÓBVIO”. Registramos absurdos como: mudanças na legislação local para permitir aquele obstáculo à circulação do transito na entrada do centro da cidade, procurações do dono do posto a secretário municipal para aplainar os caminhos na Prefeitura, funcionária autora do projeto e os prejuízos que ocasionaria à cidade e aos vizinhos do local. Prejuízos ocasionados, justamente, por sete vereadores, pelo Prefeito e alguns secretários que, pelos cargos que ocupam, deveriam defender os interesses da CIDADE e dos CIDADÃOS. Preferiram trair, cidade e cidadãos, na defesa de interesses particulares e de supostas e propaladas benesses circunstanciais.
Acionado o Poder Judiciário proibiu a continuidade das obras e a construção do posto, naquele local, por ser inadequado, interceptar a ciclovia, poluir o ambiente em área residencial e ocasionar graves e irreparáveis prejuízos econômicos aos moradores da vizinhança. A Justiça teve que corrigir imbróglio que Prefeitura e Câmara (sete vereadores) criaram.
Entre as decisões da Justiça está a retirada imediata dos tanques que seriam instalados. Lamentavelmente, à trapalhada que envolveu o fato, temos que acrescentar a DESOBEDIÊNCIA à Justiça. Os tanques lá se encontram sofrendo a ação do tempo e desafiando a Justiça, a cidadania e o bom senso. Supostamente, as autoridades municipais nada fazem para exigir o concerto da ciclovia e colaborar com a Justiça.
A gravidade dos fatos praticados por essas autoridades deve ser considerada por todos os munícipes. Não podemos ser representados por agentes políticos que desrespeitam a lei e apóiam interesses particulares em detrimento do município e de seus munícipes. Cuidado com os traidores.
VIVA UBATUBA! Sem dengue e sem caluniadores.

Manchetes do dia

Sábado, 08 / 03 / 2008

Folha de São Paulo
"Lula autoriza PF a barrar espanhóis como retaliação"
A decisão de repatriar sete espanhóis que desembarcaram anteontem à noite em Salvador foi articulada pelo embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, secretário-geral do Itamaraty, e avalizada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, como retaliação ao tratamento dado aos brasileiros em Madri. A execução foi da Polícia Federal. Apesar disso, o governo insiste em dizer que não se tratou de retaliação, classificando o veto à entrada dos espanhóis como "uma boa coincidência", como disse à Folha o subsecretário-geral para as comunidades brasileiras no exterior do Itamaraty, embaixador Otto Maia. No sentido de evitar um confronto assumido com a Espanha, Itamaraty, Planalto e PF fecharam a mesma versão: a operação foi resultado de uma decisão do Planalto de que a PF deveria ser "mais rigorosa" na fiscalização da entrada de estrangeiros no país, especialmente os oriundos da Espanha.


O Globo
"No Rio, Lula lança obras e Dilma como "mãe do PAC""
No dia da comemoração dos 200 anos da chegada da família real do Rio, a República se transferiu para a cidade e quem reinou, em três das maiores favelas, foi o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Apesar de negar caráter eleitoral nas obras lançadas, Lula, entre discursos políticos, fez questão de anunciar que a ministra Dilma Rousseff, uma das mais fortes candidatas internas à sua sucessão, é a verdadeira "mãe do PAC". O público teve que passar por detectores de metais e, em uma das comunidades, houve lei seca. Para o presidente, as obras, que devem beneficiar 260 mil moradores, devolverão o status de Cidade Maravilhosa ao Rio.


O Estado de São Paulo
"Após insultos, líderes latinos fecham acordo"
Encontro encerra crise provocada pela invasão do Equador pela Colômbia - Os presidentes da Colômbia, Equador e Venezuela concordaram ontem em encerrar a crise provocada pela incursão militar colombiana em território equatoriano, depois de um intenso debate na cúpula do Grupo do Rio, na República Dominicana, durante o qual trocaram pesadas acusações e queixas. Atendendo ao pedido do anfitrião da cúpula, o presidente dominicano, Leonel Fernández, Álvaro Uribe, Rafael Correa e Hugo Chávez selaram o acordo com abraços e apertos de mãos. No fim do encontro, Correa disse que seu país dava como superado o "gravíssimo incidente que tanto dano causou", mas momentos depois tomou de novo o microfone e declarou que "o problema continua latente".


Jornal do Brasil
"Lula ataca violência policial"
Protegido por forte esquema de segurança nas solenidades de início das obras de urbanização dos complexos do Alemão, da Rocinha e de Manguinhos, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva condenou incursões violentas de policiais em favelas. "Para cada bandido, você tem 20 mil honestos. Não dá para entrar batendo em todo mundo", declarou. Seis mil pessoas no Alemão, 800 em Manguinhos e 500 na Rocinha assistiram ao anúncio de que em dois anos serão aplicados R$ 1,4 bilhão em melhorias nas três áreas.

sexta-feira, março 07, 2008

Angra 3. Sim ou Não?



Debate Sobre Angra 3 em Ubatuba revela riscos da Usina Nuclear

Henrique Luís de Almeida

O debate promovido pela Câmara dos Vereadores de Ubatuba, no dia 05/03, onde técnicos da Eletronuclear apresentaram o Projeto da Usina Nuclear de Angra 3 revela riscos da geração de Energia Nuclear em Angra dos Reis.

Participaram do debate, pouco mais de 30 pessoas, das quais cerca de 15 eram funcionárias da Eletronuclear, o que indica falhas na divulgação do evento e falta de conhecimento da população sobre as ameaças da instalação de mais uma Usina Nuclear em Angra dos Reis.

Apesar do projeto ainda não ter seu Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA – RIMA) aprovado pelo IBAMA o Brasil já comprou os equipamentos para a Usina de Angra 3 da Alemanha, país que, a exemplo de outros países desenvolvidos, decidiu fechar TODAS AS SUAS USINAS NUCLEARES em 20 anos.

Alguns dos presentes saíram do debate com a sensação de que este é mais um projeto rolo compressor, onde a população só é consultada para dizer amém, não se respeitando o interesse do povo em decidir o futuro do país. Ao mesmo tempo, ficou evidente a importância de mobilização popular para a participação na Audiência Pública que deverá ocorrer no dia 28 de março, às 18 hs no Cine Passeio em Ubatuba.

Quais são os riscos:

O transporte do Urânio já enriquecido (radioativo) se dá por caminhão do Porto de Santos ou do Rio de Janeiro até Resende e depois desce serra até Angra dos Reis. Imaginem o resultado de um acidente rodoviário...

O lixo radioativo segundo técnicos da Eletronuclear apresenta riscos de contaminação por mais de 300 anos (estudos divulgados em matéria do jornal 'o Globo', de novembro de 1999, contradizem esta informação afirmando ameaça por 30 MIL ANOS). Atualmente todos os rejeitos de Angra 1 e 2 são armazenados nas próprias usinas que tem vida útil estimada em cerca de 60 anos. O Brasil NÃO SABE QUAL SOLUÇÃO DEFINITIVA DAR AO LIXO NUCLEAR, nem onde armazena-lo para sempre (cuidado pode ser na sua cidade!).

Segundo foi informado, em caso de acidente grave (improvável mas não impossível) a maior parte dos contaminantes radioativos liberados seriam gasosos e se dispersariam na atmosfera. Para onde vão estes gases? E se estiver chovendo?

O plano de emergência está restrito a um raio de 5 km das usinas. Será que em caso de acidente grave só haverá impacto nestes 5 km? Qual o impacto sócio-econômico de uma ameaça nuclear em Angra? Será que afetará o Turismo na região? Será que afetará a pesca? Quem irar comer peixe se houver desconfiança de contaminação radioativa? Já ouvi mais de um Caiçara especular que os mais velhos têm adoecido de câncer do esôfago ou estômago mais frequentemente, atribuindo com desconfiança ao fato de haver duas Usinas Nucleares em Angra.

Estudos revelam a presença de uma região de sensibilidade sísmica em Cunha, próximo a Angra. Nos últimos anos foram detectados diversos eventos sísmicos (tremores) em Angra, 3 deles com intensidade superior à 3 pontos na escala richter. Vale lembrar que as usinas estão localizadas na beira da praia de Itaorna (em tupi: pedra mole).

No debate foi revelado ainda que apesar das Usinas de Angra 1 e 2 já operarem há bastante tempo, nenhuma das 2 possuem Licença de Operação.

Além disso, curiosamente, na apresentação da Eletronuclear, quando apresentado a necessidade de ampliação da geração de energia no país em consonância com o Desenvolvimento Sustentável, mostrou-se uma imagem de Geradores Eólicos, embora os técnicos nem se quer tenham mencionado esta outra possibilidade de Geração de Energia, muito mais econômica segundo alguns estudos e INFINITAMENTE mais ecológica e segura do que a energia nuclear.

No final do debate ficou claro também que a população deverá se organizar para contrapor não só a construção de mais uma Usina Nuclear em Angra dos Reis, mas a Geração de Energia Nuclear no Brasil, que prevê a construção de mais usinas no sudeste e no nordeste. O Brasil NÃO PRECISA DE ENERGIA NUCLEAR, temos diversas outras fontes muito mais econômicas e menos impactantes, além disso, um programa eficiente de racionalização do consumo e economia de energia pode proporcionar um acréscimo significativo na disponibilidade de energia para o desenvolvimento do país. Segundo matéria do jornal 'O Globo' de 1999, os EUA conseguiram em 12 anos aumentar 60% da disponibilidade de energia sem investir em mais geração, apenas racionalizando seu uso.
Henrique Luís de Almeida

Programa de Gestão Costeira
ASSU-Ubatuba - www.assu.org.br

Sociais

Gente fina é outra coisa

Sidney Borges
Encontrei hoje alguns correligionários do pré-candidato tucano ao posto de Imperador de Ubatuba, Sérgio Caribé. Sim, Imperador, em Ubatuba os prefeitos têm tanto poder e exercem tanto fascínio que não são meros agentes democráticos no exercício do poder, são autênticos imperadores. Caribé está em Salvador, na Bahia, em reunião com o governador. Depois irá a Minas almoçar com Aécio Neves. Caribé é tão chique que cogita realizar as próximas reuniões dos tucanos caiçaras na Sociedade Harmonia de Tênis, em São Paulo, clube tão fechado que jamais aceitou Silvio Santos como sócio. Nada mais justo, dou total apoio, quem sabe os amigos bilionários de Miami participem e colaborem na campanha que promete ser milionária. Já antevejo a galera adentrando aos belíssimos salões concebidos por Fábio Penteado. Vai ser um sucesso.

Sociais


Litoral paulista

Tributo a menos

TJ paulista derruba taxa de bombeiros no Guarujá

por Fernando Porfírio
Os moradores do Guarujá, no litoral paulista, estão livres de pagar a chamada taxa de bombeiros. O tributo foi criado pela Lei Municipal nº 96, de iniciativa da Câmara de Vereadores e promulgada pelo chefe do Executivo. O Tribunal de Justiça de São Paulo declarou a norma inconstitucional.
O fundamento foi o de que os serviços de prevenção e extinção de incêndio e de defesa civil, atribuídos ao Corpo de Bombeiros, são de competência do Estado. Assim, as atividades escapam da esfera de atuação do município.
O Órgão Especial do TJ paulista, por unanimidade, julgou procedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada pela Procuradoria-Geral de Justiça. O chefe do Ministério Público, Rodrigo Pinho, alegou que a lei é inconstitucional por invadir a competência tributária estadual.

Leia mais

Packard 55


O mundo dá risadas.

Un niño de 8 años aprueba el ingreso en Derecho en una Universidad de Brasil

El menor considera "fácil" la prueba.- Las alertas se han disparado entre las autoridades educativas por el bajo nivel exigido

EFE - Río de Janeiro - 07/03/2008
Un niño brasileño de 8 años ha aprobado el examen de ingreso para la carrera de Derecho en la Universidad Paulista (Unip) de Goiás (centro del país), lo que ha provocado las protestas de los abogados de Brasil por la baja calidad de la enseñanza. Según informó hoy la Orden de Abogados de Brasil (OAB), el niño Joao Víctor Portelinha de Oliveira, estudiante del cuarto grado de educación primaria, participó con éxito en el proceso de selección de la Unip.
(El País)
Leia mais

Nota do Editor - Para quem não entende a língua de Cervantes, traduzo o título: " Menino de 8 anos aprovado em Direito em uma "Universidade do Brasil". Das duas uma, ou o menino é gênio, ou a prova foi fácil, ou nem uma coisa nem outra, são tantas as vagas que os inscritos são automaticamente aprovados. Quero ver daqui a cinco anos, se o menino, então menino-moço, for bom de verdade, será aprovado no exame da Ordem dos Advogados e o Brasil mais uma vez mostrará ao mundo a razão do pentacampeonato e porque temos um presidente tão brilhante. Brasil, estrela única na constelação das nações. Jovem, acredite: jamais verás terra tão "bestial" como esta descoberta por Cabral. (Sidney Borges)

Você decide

Foro de discussão 2

Sidney Borges
A Prefeitura diz que é Camburi, o vereador Jairo escreve Cambury. Vamos estabelecer um novo foro de discussão, quem sabe este funcione, pois o de Angra está sendo olimpicamente ignorado. Ubatuba Víbora em busca da grafia correta. Quem está certo, Dudu ou Jairo? Envie a sua opinião e não concorra a nenhum prêmio, chega de cacarecos que só ocupam espaço e contribuem para poluir o planeta.

Camburi 1



Prefeitura constrói nova ponte no Camburi

Assessoria de Comunicação – PMU

Atendendo a uma antiga reivindicação dos moradores do bairro Camburi, no extremo norte de Ubatuba, a prefeitura, por meio da Administração Regional Norte, construiu uma ponte na trilha que dá acesso ao bairro. A trilha é comumente utilizada pelos moradores do local, já que é bem mais curta que o acesso tradicional, por onde passam os carros.
“Todos os moradores do Camburi usam esta trilha para encurtar o trajeto. Antes eles tinham que passar sobre uma árvore para atravessar o caminho, agora construímos uma ponte de eucalipto, muito mais segura”, explica José Roberto Junior, administrador da Regional Norte. De acordo com Junior, houve um acidente no local, quando uma pessoa atravessava a árvore e caiu, aumentando a urgência da nova ponte.
Ainda segundo o administrador da Regional Norte, está sendo comprado material para a reforma de uma outra ponte, também no Camburi, no Jambeiro, próximo ao quilombo ali existente.

Cambury 2


Jairo dos Santos e Domingos da Associação de Quilombo do Cambury

Problemas no Cambury, zona Norte de Ubatuba

Foi o que o vereador Jairo dos Santos (PSB) verificou ao dar seqüência às suas visitas aos bairros da cidade

Assessoria Jairo dos Santos
O vereador Jairo dos Santos, à exemplo do que ocorreu em outros bairros, como Maranduba, Sertão da Quina e Poruba, constatou também, uma série de problemas no Cambury, zona Norte da cidade, nesta quarta-feira, dia 05 de março. Junto com os moradores, o vereador percorreu o bairro e encontrou o que já é uma constante na cidade: ruas esburacadas, mato muito alto, falta de limpeza e até uma ponte prestes a cair. Trata-se da ponte pênsil do Jambeiro, sobre o Rio do Cedro. De acordo com o vereador, o cabo de aço está completamente enferrujado e as madeiras apodrecendo, sem manutenção, deixando à mostra todo o descaso das autoridades públicas. Jairo, junto com Domingos, presidente da Associação de Quilombo do Cambury, constatou que as cabeceiras da ponte, que sustentam o cabo de aço, estão estouradas. “Isso pode acarretar a queda da ponte, a qualquer momento, sem contar com o perigo iminente de um acidente grave envolvendo moradores, inclusive crianças, no local”, concluiu o vereador, que garantiu enviar ao Executivo, indicação determinando solução urgente para os problemas.

Tecnologia

Antivírus mortal!

Álvaro Gonçalves
Existe um sistema antivírus mais simples que todos. Se ninguém clicar em toda e qualquer besteira que aparece na caixa postal, dificilmente seremos infectados! Mas a curiosidade não deixa, né? Aparece uma mensagem de: "Cristina" assunto: "Amo você demais!"... Ou então de: "Maria Fernanda" assunto: "Quanto tempo, hein?" Ou ainda, para as mulheres: "José Ronaldo" assunto: "Quer emagrecer até amanhã?" O lerdo vai e clica! Depois reclama que entraram na conta do banco dele, que o computador tá lento, que esses vírus são terríveis... Quando vem de um endereço de um amigo conhecido, é mais difícil de desconfiar... Você entra no seu e-mail e tem um link: "What do you think about my underwear?" Cacete! O que o cara vai ficar curioso para ver o amigo de cueca (ou de calcinha)??? O lerdo vai e clica de novo! Outra que é fácil de cair: "TSE" assunto: "Seu título foi cancelado". Meu, o cara não votou em alguma eleição e não justificou? Vá ao Cartório Eleitoral! Ou quando ele fez seu cadastro na Justiça Eleitoral alguém perguntou qual o e-mail dele? Como eles descobriram? Mas não! Clica no link e lá vai de novo o sujeito infectar seu computador e reclamar da vida depois: "Por que eu não paguei a multa de R$4,00 no Cartório?" Resposta: Porque vacilou! Outra forma boa de infectar seu computador é deixar a mulher ver seus e-mails. Aparece lá todo dia: "Ana Maria" assunto: "Lembra-se de mim?". O cara sempre resiste à tentação (porque 98,9% dos homens já conheceram uma Ana Maria em algum tempo no passado. Os outros 1,1%, se perguntam: "Quem era mesmo essa Ana Maria?"), mas o cara aprendeu, depois de 827 infecções no seu computador, que não é para clicar. O mouse passa ao lado do link e até desvia a rota em direção à tentação, como cavalo de bêbado... O cara resiste... Mas a mulher do cara não! Sob hipótese alguma! Pensa: "quem é essa piranha?". Clica e entra, indignada! O assunto é genérico para se encaixar na história de qualquer homem mediano: "Oi, tudo bem? Eu sou a loira que sentava na sua frente na carteira da quarta série. Lembra? Tenho cabelos longos, lisos e olhos azuis... Clica aqui para ver minhas fotos sensuais". Pronto! Mais um computador infectado, mais um usuário infeliz e uma esposa aliviada (pelo menos isso!)! Só falta o cara ter sido mesmo apaixonado por uma Ana Maria loira na quarta série e ter comentado com a mulher dele... Ela nunca vai acreditar que era um vírus... Aí, além de ter seu computador infectado, ele vai ter de agüentar ela repetindo essa história toda oportunidade: "É, mas você e aquela Ana Maria... sei não..." E assim vai... "Você foi contemplado!", "Enlarge your penis", "As fotos do Acidente dos Mamonas"... E o impressionante é que os vírus não acabam! Mesmo todo mundo sabendo disso tudo!

Nota do Editor - Quando aparece um e-mail como o título "Enlarge your penis", fica pairando no ar a dúvida: quem deu com a língua nos dentes? Como é de conhecimento geral, a curiosidade matou o gato, o cara abre a mensagem clica onde não deve e os vírus invadem a máquina destruindo tudo. Eu perguntaria: Enlarge? What for? The actual size is enough. Rssss (Sidney Borges)

Angra 3. Sim ou Não?



Brasil deve resolver destinação dos resíduos nucleares antes de pensar em Angra 3, diz pesquisador da USP

Célio Berman, pesquisador do Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo (USP), considera fundamental que o Brasil resolva a questão da destinação dos resíduos nucleares, antes que se comece a pensar na construção de Angra 3.
O pesquisador disse que o país deve levar em conta os riscos que a produção desse tipo de energia pode causar. Ele lembrou que o armazenamento dos resíduos, no Brasil, é feito de forma provisória. “Os resíduos são depositados em piscinas. É um provisório que está se tornando definitivo”, avaliou.
Berman, que participou no dia 29 do Congresso Nacional Popular de Agroenergia, em Curitiba (PR), fez um diagnóstico da situação energética brasileira. Segundo ele, 75% da energia consumida no país é oriunda de hidrelétricas. O pesquisador contou que esse tipo de produção de energia é considerada limpa, renovável e ainda é barata. Mas, em sua opinião, o governo brasileiro deve levar em conta que terá de pagar mais caro pela produção desse tipo de energia. “O Movimento de Atingidos por Barragens está aí para cobrar uma desapropriação descente das terras”, lembrou.
A idéia, segundo pesquisador, é que o país comece a pensar em outras formas de se produzir energia. “Mas que não ingresse no mercado das comodities”, alertou. O governo brasileiro vem atuando na promoção da produção de agroenergia, ou seja, a energia produzida a partir da agricultura.
Berman contou que, na década de 1980, a produção de cana-de-açúcar era de 2,6 milhões de hectares. Em 2000, passou para 5 milhões de hectares e, no ano passado, chegou a 7 milhões. Dados apresentados pelo pesquisador mostram que 63% da produção de cana-de-açúcar do país está localizada no Estado de São Paulo.
“Nos últimos cinco anos houve ainda uma expansão da área agrícola destinada a produção de cana em São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Paraná. Áreas que são sensíveis do ponto de vista ambiental, pois compreendem o Cerrado e o Pantanal”, disse.
Ele lembrou ainda que o Brasil não tem uma política séria voltada para a exterminação do trabalho escravo na produção da cana. Pesquisas realizadas por Berman no interior de São Paulo mostraram que o trabalhador que colhe a cana-de-açúcar é supervisionado para cortar de 10 a 12 toneladas de cana por dia.
Segundo ele, nem mesmo a mecanização da colheita pode resolver o problema. Isso porque, de acordo com o pesquisador, uma máquina retira do campo mais de 60 trabalhadores. “Além disso, um trabalho feito pela USP mostrou que os produtores de cana para aumentarem a velocidade de colheita da planta fazem a queima da ponta da palha, o que vai contra o meio ambiente.”


Selo social

Outro problema apontado pelo pesquisador diz respeito ao Programa Selo Combustível Social. A iniciativa, desenvolvida pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário, destina um selo aos produtores que compram matéria-prima de pequenos agricultores. “O programa transforma o agricultor em mero produtor de grãos, além de não permitir que ele escolha os melhores compradores, pois os agricultores são obrigados a vender para um determinado produtor”, salientou.
Segundo Berman, uma alternativa seria criar mecanismos para que os pequenos agricultores não sejam apenas vendedores de matérias-primas, mas sim, tenham o controle de toda a cadeia de produção de biodiesel. “O selo deveria promover a adequação dos produtores aos padrões da cadeia do pequeno agricultor e não legitimar uma forma de ação que é extremamente excludente”, disse. (Tatiana Fiuza, de Curitiba, para o Gestão C&T online) (
www.ecodebate.com.br) matéria publicada pelo Gestão C&T Online - Brasília, 30 de outubro de 2007— Nº 665 — Ano 8

Angra 3. Sim ou Não?



Estudos científicos vêm a possibilidade da elevação do nível do mar, como conseqüência do aquecimento global. Como a central nuclear de Angra dos Reis fica à beira-mar, não há risco futuro para a operação das usinas?

O projeto da central nuclear não permite que as salas essenciais para a operação sejam atingidas pela água, caso o nível ultrapasse os obstáculos construídos para proteger as instalações na ocorrência de ondas gigantes. Quando do desenvolvimento do projeto de Angra 1, verificou-se que, há mais de 200 anos, uma onda gigante atingiu a costa e, por isso, foi afundado um navio na entrada da baía, para servir de quebra-onda. Os estudos mostram que a elevação do nível do mar vai ser lenta – estima-se um prazo em torno de cem anos – e é monitorada pela Eletronuclear em tempo real, para possibilitar a construção de barreiras de proteção, caso as usinas ainda estejam em operação.

Segue: O Brasil fez um acordo nuclear com a Alemanha nos anos 70, dentro do qual foi construída Angra 2. Houve transferência de tecnologia? Ou o país ficou dependente
dos alemães?

Olho por olho

Oito espanhóis são impedidos de entrar no Brasil

Polícia Federal repatriou estrangeiros por eles não cumprirem exigências para imigração. Agentes negaram retaliação ao veto espanhol feito a 30 brasileiros na quarta-feira (5).

Daniel Haidar Do G1, em São Paulo
Oito turistas espanhóis - cinco homens e três mulheres - foram impedidos de entrar no Brasil no final da noite desta quinta-feira (6). Eles chegaram ao Aeroporto Internacional de Salvador, na Bahia, por volta das 21h30, mas foram barrados por não apresentarem condições financeiras mínimas exigidas por lei para imigração, segundo a Polícia Federal (PF).
Leia mais

A ponderar...

“O Genocídio Caiçara”

Miguel Angel
Cheguei a Ubatuba com 25 anos de idade. Hoje, estou com 65 anos, o que me dá autoridade para falar desta cidade onde moro há mais tempo que 75 por cento da população residente.
Sou uruguaio, mas não fui eu que fiz as fronteiras. Elas já existiam quando nasci. Escolhi esta terra para morar e criar minhas filhas e tenho imenso carinho por ela.
Só que, de 25 anos para cá, tenho visto a cidade ser levada a desintegração a cada administração que passa. O prefeito eleito por minorias não tem uma leitura correta do futuro. Sem uma perspectiva de futuro para o povo, sem ética, sem respeito, sem autoridade, favorecendo maior agressão contra a cidadania, formando quadrilhas de conveniência, sem partidos políticos, que não passam de legendas de ocasião, usadas poucos meses antes das eleições, castrando os princípios ideológicos que os norteiam, sem o mínimo respeito pelo pensamento que os originou.
O circo eleitoral está montado. Começam a pintar os palhaços (os eleitores), nas cores mais tristes que um povo tem a oferecer. É desta forma que se ditam as regras da convivência econômica e social. Hoje chegamos a um descalabro econômico. A única fonte de renda que o município tem vem da administração pública. Fonte esta, cercada por um grupo de financeiros e grupos comerciais, sempre à espreita. Não aplicam nenhum centavo no município e não pagam impostos porque são recolhidos nas fontes, fora da cidade, uma vez que são filiais. Somando a esta fuga do único recurso que o município ostenta o dízimo de mais de cem igrejas, jogos, loterias e outros operativos mais, que também enviam para suas matrizes.
Estou com saudade da época em que o município produzia. Ubatuba era um dos grandes fornecedores do Ceagesp. Carretas e mais carretas carregadas de banana que saíam desde o Saco das Bananas até Ubatumirim, o maior produtor do Estado. Centenas e centenas de pequenos comerciantes em todos os bairros da cidade que a cada ano conseguiam comprar um terreno, ou construir uma casa para a família. O povo era festeiro. Tinha alegria. O carnaval tinha duas ou três Escolas de Samba e vários blocos. Temporadas com mais de um milhão de turistas, circulando e gastando. Éramos felizes e não sabíamos e continuamos não sabendo. Hoje, rezamos ou oramos demais, enquanto nossos jovens sem futuro e sem perspectiva, mergulham na marginalidade. A Escola formava seres humanos, não “cidadãos”. Tínhamos vizinhos, hoje, não queremos ter vizinhos. A desconfiança cresce e nenhum candidato a “rei” (porque não entendem que prefeito é um mero gerente por 4 anos) fala claro a seu povo. Será que eles pertencem ao povo,
ou são partícipes, mais uma vez, da continuidade do genocídio caiçara? O prefeito ao invés de dar o exemplo, aplicando no município,os dinheiros dados ao município pelo Estado, mandam estes dinheiros voando, carregados pelas empreiteiras de fora acompanhando o saque das financeiras.
Senhores candidatos! Este povo de Ubatuba não composto só por trouxas. É bom começar a ficar atentos.
Miguel Angel
Ubatuba

Opinião

As voltas que o clima dá

Washington Novaes
No momento em que estas linhas são escritas, realiza-se mais uma reunião do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC), para que representantes dos governos federal e estaduais, ONGs e instituições científicas definam "as contribuições ao projeto de lei que institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima, a ser encaminhado ao Comitê Interministerial sobre Mudanças do Clima". Estranho - 15 anos depois de haver assinado a convenção do clima - o governo federal ter criado apenas no ano passado um comitê para definir essa política, quase ao mesmo tempo que, só então, instituiu também uma Secretaria de Mudanças Climáticas no Ministério do Meio Ambiente. Mas já há um projeto de política nacional, que, entretanto, mereceu muitos reparos na reunião do FBMC, no dia 21 de fevereiro.

Nessa discussão, a secretária de Mudanças Climáticas, Thelma Krug, explicou as dificuldades em avançar na redução do desmatamento em florestas e respectivas emissões. A proposta brasileira de um fundo para que os países industrializados compensem financeiramente as reduções, apresentada na reunião de Bali, em dezembro, foi questionada nos debates. Segundo a ata da reunião, "a avaliação feita aponta que os países ricos não aportarão recursos para um fundo que, de fato, venha a fazer diferença". Quanto ao texto para uma política nacional do clima, que deverá ser transformado em projeto de lei, se considerou que a base científica "é muito incipiente" e sua ampliação precisará ser exatamente um dos objetivos do plano. Entendeu-se também que o anteprojeto, excessivamente sintético, "não é eficaz", precisa ser ampliado para incluir a educação ambiental, ser mais claro quanto aos impactos sobre a saúde pública, entre outros pontos.
Na verdade, é um projeto ainda ambíguo em certos pontos, principalmente no crucial: definir se o País aceita ou não metas obrigatórias de redução das emissões. Ele menciona apenas a necessidade de "adotar ações de mitigação da mudança do clima no contexto do desenvolvimento sustentável que sejam, sempre que possível, mensuráveis, passíveis de serem informadas e verificáveis". E inclui um parágrafo que traduz a antiga visão de setores da segurança nacional e da diplomacia, contrários à aceitação de pagamento pela conservação da floresta, por entenderem que fere "o direito soberano do Brasil de utilizar seus recursos naturais segundo políticas ambientais e de desenvolvimento".
Leia mais

Manchetes do dia

Sexta-feira, 07 / 03 / 2008

Folha de São Paulo
"Colômbia e Equador trocam ameaças depois de acordo"
Mesmo após a resolução de conciliação aprovada na última quarta-feira na Organização dos Estados Americanos (OEA, em Washington), Quito e Bogotá mantiveram ontem o tom de confronto, indicando um longo caminho para a diminuição da tensão regional. O presidente colombiano, Álvaro Uribe, autorizou a divulgação do conteúdo de uma conversa que teve na quarta-feira à noite com jornalistas. Na conversa, relatou a Associated Press, ele se recusou a garantir que suas tropas não entrarão novamente no Equador ou na Venezuela - disse que precisaria antes de garantias de que os governos desses países não abrigam integrantes das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia). Uribe afirmou que a operação que desencadeou a crise -o ataque no Equador que resultou na morte do número dois das Farc, Raúl Reyes, no último sábado foi justificada, dada a suposta "inação" de Quito quanto à presença do grupo. Ele disse ainda que não avisou o presidente do Equador, Rafael Correa, antes do ataque porque tem certeza de que a operação "teria falhado".


O Globo
"Expulsão de brasileiros abre crise com Espanha"
A detenção e a expulsão de brasileiros no aeroporto de Madri geraram protestos do governo Lula, que expressou "profundo desagrado" em nota do ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. O Itamaraty convocou o embaixador espanhol em Brasília e ameaçou aplicar o mesmo tratamento a espanhóis que venham ao Brasil. Um grupo de brasileiros ficou detido numa sala do aeroporto e terá de voltar ao Brasil. Entre eles há dois alunos de mestrado do Iuperj que estavam em trânsito para Lisboa, onde participariam de congresso científico. Há duas semanas, Amorim havia se queixado diretamente às autoridades espanholas sobre o tratamento dispensado aos brasileiros. Só em fevereiro, 452 brasileiros foram barrados no aeroporto de Madri e repatriados.


O Estado de São Paulo
"Espanha deporta 20 e Brasil ameaça retaliar"
A Espanha deportou ontem 20 brasileiros retidos na véspera ao desembarcarem no aeroporto de Madri. O grupo inclui dois estudantes de pós-graduação que estavam a caminho de Lisboa, onde participariam de um congresso de ciência política. Os pais de Pedro Luiz Lima, um dos universitários deportados, disseram que, segundo relato do filho por telefone, os brasileiros foram submetidos a maus-tratos e chamados de "cachorros" por um policial espanhol. O Itamaraty reagiu ameaçando deportar cidadãos espanhóis que chegarem ao Brasil. Em nota oficial, afirmou que a Espanha teria dispensado aos brasileiros tratamento "incompatível com o bom nível de relacionamento entre os dois países". O embaixador da Espanha, Ricardo Peidró, foi convocado a dar explicações e disse que não há preconceito contra brasileiros. Alegou que seu país está só aplicando diretrizes definidas pela União Européia para a chegada de estrangeiros.


Jornal do Brasil
"Proteção máxima para Lula na favela"
A visita do presidente Lula às três maiores favelas do Rio, no lançamento do mais ambicioso programa do país de intervenção urbana em áreas carentes, exigiu um verdadeiro aparato de guerra. Lula será acompanhado por 1.200 militares reforçando a segurança no Complexo do Alemão, na Rocinha e em Manguinhos. O general Jorge Félix, chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, esteve por duas horas no Alemão. Na Cidade de Deus, que não será beneficiada pelas obras do PAC, moradores queimaram carros em protesto pela morte de Michele da Solca Lima, baleada quando lavava roupas em casa. A PM é responsabilizada.

quinta-feira, março 06, 2008

Vida

Depoimento de pai

Diogo Mainardi
‘A paralisia cerebral é uma anomalia motora. Meu filho anda errado, pega errado, fala errado. Quando é para soltar um músculo, ele contrai. Quando é para contrair, ele solta. O cérebro dá uma ordem, o corpo desobedece. É o motim do corpo contra o cérebro’. ‘Meu filho nunca se interessou por trens elétricos. Mas ele tem um Grande Botão Vermelho conectado em mim. Ele me liga e desliga quando quer. E me faz mudar de trilho, soltar fumaça, apitar’ (revista “Veja”, editora Abril, 7 de março.”)

Nota do editor - Esse texto me emocionou profundamente, Diogo Mainardi é um ser humano. Fez crescer em mim a esperança na humanidade. (Sidney Borges)

A ponderar...

Ao mestre com carinho

Miguel Angel
Em artigo “ensino público de qualidade “ (Folha de São Paulo, 18 de fevereiro de 2008) os mestres Haddad e Mangabeira Unger destacam, “ o primeiro é consertar o elo fraco de nosso sistema escolar: o ensino médio”, “ objetivo é aproveitar a escola média como lugar privilegiado para mudar o paradigma pedagógico dominante no ensinoBrasileiro”.
Com todo o respeito a meus caros mestres discordo que este, “ensino médio” seja “o elo fraco de nosso sistema escolar”.
Estou cansado de ouvir aos meios falar que a escola tem que formar o “cidadão”. O elo fraco da nossa educação é o ensino primário que formam o ser Social e Humano. Quando uma criança sai por primeira vez a participar do convívio social, onde os bancos escolares duplos usados por mais de uma geração, no qual ficavam gravadas nossas passagens pela escola. No primeiro ano e assim sucessivamente durante todos os anos de nossa escola primaria passávamos a compartir em uma célula de formação Social e Humana o vinculo entre duas crianças de lares diferentes e passavam elas a formar a célula de comportamento humano. A escola primaria através do mestre os preparava dos 7 anos aos 12 para ser seres racionais e solidários.
A tal revolução tecnológica, jogou fora essas marcas que constituíam uma inserção indelével da sociedade com seus valores.
As crianças perderam a perspectiva humana e passaram a ser como caixas à serem preenchidas e quando se enchem os programas se dão por concluídos.
As crianças passam a ser indivíduos e recebem na educação códigos funcionais de conduta. Assim a sociedade produz indivíduos capazes de funcionar na vida social e no trabalho como se fossem automatas sociais, mais desprovidos dos valores que dão sentido a este tipo de funcionamento. Esse indivíduo possui uma máscara que em seu interior está vazia, carece de sentido, de sentimentos ou de uma interpretação errada do mundo.
O individuo sem raízes, que já não encontra raízes morais em seu lar nem na sociedade que o rodeia, costuma buscar refugio em paraísos artificiais, como as drogas ou em grupos que procuram uma identidade ao margens das coordenadas e tentam inutilmente lhe transmitir a sociedade.
Por esse motivo, se não existe uma educação humana antes que “ cidadã” não será possível daqui para frente conceber uma sociedade medianamente harmoniosa.
O Mestre (o pedagogo) tem que ser portador de um conceito filosófico de humanismo.
O professor é um título ligado a alguém que verte informações sobre uma matéria específica. O mestre é o verdadeiro pedagogo.
Aos 40 anos de idade, atingia o mestre, o ápice de sua cultura educacional, hoje, justamente nesta fase, quando a Pátria precisaria dele, com mais razão, ele se aposenta.
Miguel Angel
Ubatuba

Grecin 2000


O bravo vereador Edilson Félix, PR, atento aos trabalhos da sessão da Câmara, na última terça-feira. Notem o semblante concentrado e o brilho dos cabelos, cujo negrume azulado lembra a asa da graúna. Cabelos com essa tonalidade são raros, antes só o tycoon da imprensa local, Benedito Góis, os exibia. Estou começando a avaliar a possibilidade... (Sidney Borges)

Angra 3. Sim ou Não?



A decisão sobre a construção de Angra 3 foi tomada pelo Conselho nacional de Política Energética (CNPE) em uma única reunião. Não foi um processo rápido demais para a complexidade do tema?

O Conselho Nacional de meio Ambiente, (Conama), um colegiado que representa órgãos federais, estaduais e municipais, setores empresariais e a sociedade civil, presidido pelo Ministério do meio Ambiente, analisou o empreendimento e, em 2001, aprovou a retomada de Angra 3, desde que fossem cumpridas algumas exigências. Essa decisão foi encaminhada em 2002 ao CNPE, que monitorou o cumprimento, por parte da Eletronuclear, daquelas exigências estabelecidas pelo Conama. Estudos e relatórios foram elaborados pelos ministérios que participam do CNPE, inclusive os referentes ao planejamento energético nacional e às questões ambientais, e discutidos em diversas reuniões do conselho ao longo dos últimos cinco anos. A decisão foi tomada no momento em que foram supridas todas as informações necessárias. (ABEN)

Segue: Estudos científicos vêm a possibilidade da elevação do nível do mar, como conseqüência do aquecimento global. Como a central nuclear de Angra dos Reis fica à beira-mar, não há risco futuro para a operação das usinas?

Jeca Tatu



Fórum na Câmara, quase um fiasco

Sidney Borges
Ontem, na Câmara Municipal de Ubatuba aconteceu um fórum de debates sobre a usina nuclear Angra 3. Os técnicos da Eletronuclear vieram com disposição de esclarecer. Aguardavam polêmicas, provocações, questionamentos. Acabaram fazendo o que em boxe chamamos de luta exibição, o adversário não deu o ar da graça. Teria amarelado? Os ilustres e ilustrados palestrantes da Eletronuclear fizeram a apresentação para si próprios, eles que conhem o script de cor. Meu tio inglês diria "boring". Poucos e bravissimos ubatubenses estiveram lá, caberiam em um Ford Ka com folga. Destaco alguns jovens interessados em questões ambientais, atentos. No entanto, faltou "massa crítica", a reação não prosperou. No dia 28, teremos a Audiência Pública sobre o licenciamento ambiental da usina. Essa vai dar mídia, quem sabe venha até a Rede Globo. Nesse dia as autoridades darão o ar da graça, com Rede Globo todos dizem " cheese", até eu que não sou bobo.

Justiça lenta, lenta, lenta...

Julgamentos intermináveis, com direito a recursos de longo prazo...

Sidney Borges
O processo que envolve notáveis da cidade e que se arrasta na Justiça há anos acabou sendo motivo de reflexão e boas risadas ontem. Encontrei no Fórum um correligionário do Prefeito, réu no processo que ontem ouviu apenas testemunhas. Fiz uma brincadeira, o interlocutor tem senso de humor, coisa rara entre seus pares. Afirmei:
- Seu garoto vai ser condenado.
Ele me pegou no braço e caminhamos rumo ao bebedouro, fazia um calor senegalesco, quase insuportável. A resposta ao pé do ouvido:
- É provável, mas você há de concordar que não podemos julgar, um dia na vida todos fizemos alguma coisa errada, o motivo do processo pode ser creditado à inexperiência da juventude, fase em que agimos sem medir conseqüências.
Em tese está correto, aproveitando o momento em que meu amigo se auto-aplaudia pela frase feliz, fiz uma provocação:
- O problema é que um erro primário pode acarretar perda de direitos políticos.
A resposta veio pronta e perfeita:
- Certamente, mas daqui a quinze ou vinte anos, quando parte dos envolvidos terá morrido e outros estarão aposentados e alguns com demência senil, coisa que já apresentam hoje. Como perder o que não temos ou usamos pode ser uma punição? Combinamos um café para qualquer dia desses. Em segredo, em Ubatuba as fofocas voam...

Chávez

Ainda a América do Sul

Sidney Borges
Os fatos são claros, as interpretações ficam por conta de quem as faz. Há inclusive quem diga que só existem interpretações sendo os fatos apenas e tão somente justificativas. O imbróglio bélico que envolve a Colômbia e o Equador, com participação da Venezuela, é claro e não deixa dúvidas quanto às intenções.

Chávez está com problemas internos, a Venezuela vive uma séria crise de desabastecimento e recentemente ele viu sua pretensão de se perpetuar no poder rejeitada. Chávez parece acreditar, por suas atitudes, ser Napoleão. Uribe, da Colômbia, é belicoso, foi eleito com a bandeira de endurecer com as Farc e está cumprindo a promessa. O Equador, de Rafael Correia, parece ter entrado de gaiato no navio, está se sujeitando ao papel de satélite de Chávez, assim como fez Evo Morales, da Bolívia.
Em meio a presidentes eleitos inserem-se as Farc. Um grupo que merece o epíteto lulista de metamorfose ambulante. Ex-guerrilheiros marxistas, depois seqüestradores e comerciantes de “coca da boa”, hoje vivem o triste papel de escada das pretensões políticas de Chávez.
A Colômbia tem armas, soldados e experiência para enfrentar Venezuela, Equador e Bolivia juntos e conta com apoio logístico dos Estados Unidos.
Chávez mais uma vez mostrou falta de preparo político, tentou usar os neobandoleiros como base de suas ambições e fez com que Uribe sentisse o gostinho de sangue. Uribe que é um predador vestiu com prazer o papel de Israel da América do Sul. Sem entrar nas questões políticas que motivam Israel, a referência é sobre as ações militares. Quando ameaçado Israel ataca e depois negocia.

O Brasil tem agido com sabedoria, a invasão do Equador foi um erro estratégico no contexto da diplomacia, por outro lado foi uma vitória política de Uribe, que tem hoje o apoio maciço do povo da Colômbia.
Mais uma derrota do bufão das Américas, que poderia seguir o bom exemplo dos Emirados Árabes que usam o dinheiro do petróleo para o desenvolvimento. Quando acabar o “ouro negro”, o alto patamar atingido será irreversível. Os Emirados árabes são, infelizmente, um oásis de sensatez em meio a um mundo insensato.
Chávez joga dinheiro fora financiando quimeras e utopias. Enquanto isso o povo venezuelano não encontra papel higiênico nas prateleiras dos supermercados. O uso de jornais com a foto do ditador tem produzido irritação em área de grande sensibilidade.

Crise

Economia da Venezuela em risco

Na exata medida em que cresce a tensão diplomática entre Colômbia e Venezuela - desde a operação colombiana contra as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em território equatoriano - paralisa-se uma das relações econômicas mais dinâmicas da região: o comércio bilateral entre os países foi de US$ 6 bilhões em 2007.
Apesar da guerra retórica ser insuflada pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez, seu país é o maior perdedor com a crise andina. A Venezuela obtém 30% de seus produtos da Colômbia, cujo mercado acompanha o ritmo de 17 meses de crescimento. Em meio à crise de desabastecimento venezuelana, o corte das relações é um risco assumido por Chávez, que testará sua capacidade de sobrevivência no isolamento. Mas a prova não durará muito tempo, avaliam analistas.
Entre janeiro e novembro do ano passado, as exportações a Venezuela somaram US$ 4.562 milhões - cifra que se traduz em um salto de 87,2% em comparação ao ano anterior, informou o Departamento Administrativo Nacional de Estatística (Dane) da Colômbia.
O cientista político Humberto Njaim, da Universidad Metropolitana, explica que a Colômbia é um fornecedor de produtos básicos muito importante devido à facilidade do transporte terrestre:
- Escassos nos supermercados venezuelanos, leite, carne, café e papel higiênico são produtos de primeira necessidade que compramos do outro lado da fronteira.
Do lado venezuelano da fronteira, onde muitos vivem do comércio destes produtos, o fechamento da passagem já é sentido pela população local, que reclama de desemprego. Do lado colombiano, se afeta o crescimento impulsionado pelo consumo na Venezuela.

Leia mais
 
Free counter and web stats