Postagens

Mostrando postagens de Maio 31, 2015

Dominique

Imagem

Opinião

O preço da gestão desastrosa

Estadão
Ainda que consiga atenuar as perdas financeiras e de credibilidade causadas pelo esquema de rapinagem apurado pela Operação Lava Jato, a Petrobrás continuará tendo sérias dificuldades para executar seus programas de prospecção, produção, refino e distribuição, como ela própria reconhece oficialmente.

Os preços dos derivados de petróleo, bem como seu programa de investimentos, continuarão sujeitos a decisões de seu controlador, o governo federal, razão pela qual a estatal poderá ser forçada a colocar em segundo plano a busca de seus objetivos para atender aos interesses do Palácio do Planalto. Isso afeta suas projeções financeiras. A primeira consequência é que ela não conseguirá executar seu ambicioso programa de investimentos contando apenas com o fluxo operacional de caixa. Precisará de dinheiro de outras fontes, como aportes de seu controlador – o Tesouro Nacional – ou financiamentos internacionais.

Também em crise financeira, o Tesouro precisa cort…

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Sábado 6 / 06 / 2015

O Globo
"CNJ faz mutirão para esvaziar cadeias do país"

Iniciativa, com apoio das Defensorias, prevê liberação de usuários de drogas

Autoridades serão obrigadas a levar acusados à presença de um juiz em até 24 horas após prisão

Contrariando o clamor por penas mais duras, o Conselho Nacional de Justiça e as Defensorias Públicas fazem uma ofensiva para tentar esvaziar as cadeias, que sofrem com a superlotação. A iniciativa mais polêmica foi da Defensoria do Rio, que orientou sua equipe a alegar que todas as prisões de usuários de droga no estado são inconstitucionais, informa CHICO OTAVIO. Para isso, considera que o consumo é decisão de foro íntimo. O CNJ lançou projeto que obriga autoridades a levar um acusado ao juiz em até 24 horas. Em oito anos, a população carcerária no país cresceu 87,7%. 

Folha de S.Paulo
"Dívidas de fornecedores da Petrobras crescem 1.400%"

Em quatro meses, débitos de construtoras e estaleiros subiram para R$ 412 mi 

As dívidas da…

Electra II

Imagem

Coluna do Celsinho

Berço esplêndido

Celso de Almeida Jr.

Estados soberanos e autônomos.
Poder central limitado.
Respeito aos direitos do indivíduo.
Blindagem contra a tirania.
Nada de impostos sem a anuência do povo.
Cidadãos governados por quem tem legitimidade para tal.
Proteção de direitos e liberdades contra ações do próprio governo.
Defender o povo quando tais direitos são ameaçados.
Constituição para governar o governo, não para governar as pessoas.
Constituição limitadora de poderes do governo federal.
Respeito à autonomia dos estados membros.
Descentralização do poder para os estados membros.
Estados membros livres, competindo uns com os outros.
Competição econômica, cultural e social, estimulando e definindo competências.
Competição entre empresas, estados e cidades aumentando o nível de excelência.
Economia sofisticada.
Cidades líderes mundiais em setores diversos.
Diversificação de iniciativas.
Pois é...
Acima, frases que sintetizam o berço norte americano.
Esplêndido, saudável, promissor.

Visite: www.letrasdocelso…

Dominique

Imagem

Opinião

A agonia de um segredo

Gabeira
Quando surgiu, achei grave e um pouco subestimado o veto de Dilma ao projeto de transparência nos negócios do BNDES. Ela entrou em conflito com o Congresso. Dias depois, o próprio Supremo autorizou o Tribunal de Contas a ter acesso aos empréstimos à Friboi, empresa que financia generosamente as campanhas do PT.

Em qualquer país onde o governo entre em choque com o Congresso e o Supremo o tema é visto como uma crise institucional. Como se não bastasse, Dilma entrou numa terceira contradição, desta vez consigo mesma: partiu dela a lei que libera o acesso aos dados públicos.

O ministro Luiz Fux (STF) sintetizou seu voto numa entrevista: num banco que move dinheiro público, o segredo não é a arma do negócio.

O PT tem razão para temer a transparência. Súbitos jatos de luz, como a denúncia do mensalão e, agora, do petrolão, abalaram seus alicerces. No caso do BNDES, não se trata da possibilidade de escândalos. É uma oportunidade para conhecer melhor a história rece…

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Sexta-feira 5 / 06 / 2015

O Globo
"Varejo tenta segurar reajustes da indústria"

Supermercados pressionam fornecedores para barrar aumento de até 15%

Pressão é maior em produtos afetados diretamente pelo dólar, como importados, higiene e limpeza

Com inflação e dólar em alta e vendas em baixa, supermercados pressionam fornecedores para barrar novos aumentos. A estratégia para não perder clientes num cenário de economia fraca inclui repasses escalonados e compras em volume maior. Indústrias de alimentos e produtos de limpeza tentam impor alta de até 15%. Para Aylton Fornari, presidente da Associação de Supermercados do Estado do Rio, momento é de "negociação acirrada”. 

Folha de S.Paulo
"Empreiteiras da Lava Jato querem pagar por perdão"

Empresas oferecem pagamento de indenização integral desde que se livrem de culpa

Empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras tentam convencer o governo a perdoá-las da culpa pelos danos à estatal em troca do pagamento int…

Dominique

Imagem

Opinião

Lições do Haiti

Estadão
Chegará ao fim no ano que vem a missão de paz da ONU no Haiti, chefiada pelo Brasil e cercada de ambiguidades ao longo de seus 11 anos. Vista desde o governo de Luiz Inácio Lula da Silva como uma oportunidade para demonstrar a capacidade do Brasil de atuar em importantes questões internacionais, a operação naquela nação caribenha acabou servindo como um foco de desgaste para o País, sem que isso aumentasse o cacife brasileiro para se apresentar, de fato, como protagonista geopolítico regional.

A iniciativa, chamada de Minustah (Missão para a Estabilização do Haiti), começou sua operação em julho de 2004, com duração prevista de seis meses. Seria o prazo ideal, pois a permanência de forças estrangeiras por tempo além do necessário tende a gerar na população ressentimentos difíceis de superar. Mas já se vai mais de uma década, com óbvios prejuízos para a imagem do Brasil.

Embora esteja apenas exercendo um mandato da ONU, o Brasil, além de ter o maior contingente de s…

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Quinta-feira 4 / 06 / 2015

O Globo
"Número de presos subiu 87% em oito anos no país"

Déficit de vagas nas penitenciárias cresceu 139% entre 2005 e 2013

Quatro em cada dez detentos não estão condenados, o que agrava a superlotação

Enquanto o Congresso debate o endurecimento de penas, a superlotação nos presídios se agrava. Dados divulgados ontem pelo governo, sobre pesquisa feita em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, mostram que a população carcerária no Brasil cresceu 87,7% em oito anos. No mesmo período, o déficit de vagas aumentou 139%. A pior situação é a de Alagoas, onde há 3,7 presos para cada vaga.

No Rio, há dois detentos por vaga. Minas Gerais foi o estado em que o aumento do número de presos foi maior no país: 729%. No país, 40% das vagas são ocupadas por presos que ainda não foram condenados. 

Folha de S.Paulo
"Com taxa de desemprego em alta, BC eleva juros"

Selic sobe 0,5 ponto e vai a 13,75% ao ano; cresce parcela de desempregados

A…

Dominique

Imagem

Opinião

Aritmética

Delfim Netto
O grande problema da sociedade brasileira é a sua indisposição com as restrições impostas pelo mundo físico em que vive.

Não aceita que seja impossível violar as identidades da contabilidade nacional e que todas as tentativas de fazê-lo sempre terminarão numa dramática combinação: 1º) redução do crescimento econômico; 2º) dificuldade de prosseguir na necessária política de igualdade de oportunidades; 3º) aceleração da taxa de inflação e 4º) deficits exagerados do balanço em conta corrente. Tudo temperado por um bom desequilíbrio fiscal!

As consequências sempre chegam depois. Mais cedo ou mais tarde, uma correção será imposta por motivos internos (quando a visibilidade do desastre for incontornável) ou externos (quando a perda de confiança dos credores estancar o financiamento).

O grave é que ela começa com o pagamento do seu custo mais trágico: o aumento do desemprego do cidadão que confiou no poder incumbente e ganhava honestamente o seu sustento e o da sua família…

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Quarta-feira 3 / 06 / 2015

O Globo
"Odebrecht obteve 70% do crédito à exportação"

Divulgação de dados mostra concentração para a empreiteira

Pressionado, banco detalha US$ 11,9 bilhões em operações no exterior e R$ 320 bilhões no Brasil

O BNDES tornou público, ontem, detalhes de 153 empréstimos à exportação de serviços de engenharia, ou seja, crédito subsidiado para empreiteiras brasileiras executarem obras públicas no exterior. O grupo Odebrecht concentra 70% dos valores contratados desde 2007. No total, o banco emprestou US$ 11,9 bilhões, sendo 99,4% para cinco grandes empreiteiras: além da Odebrecht, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão, OAS e Camargo Corrêa. O BNDES divulgou ainda dados de R$ 320 bilhões em créditos no Brasil. A iniciativa veio após pressão por transparência. Recentemente, o STF determinou que o banco detalhasse uma operação ao TCU. 

Folha de S.Paulo
"Escândalo derruba presidente da Fifa"

No cargo desde 1998, Blatter renuncia 4 dias após se reeleger e em …

Dominique

Imagem

Opinião

A Batalha de Um Homem Só

Mário Vargas Llosa
“Nos anos setenta teve lugar um extraordinário fenômeno de confusão política e delírio intelectual que levou um setor importante da inteligência francesa a apoiar e mitificar Mao e a sua “revolução cultural”, ao mesmo tempo que, na China, os guardas vermelhos faziam passar pelas forcas caudinas professores, pesquisadores, cientistas, artistas, jornalistas, escritores, promotores culturais, dos quais um bom número, depois de autocríticas arrancadas sob tortura, se suicidou ou foi assassinado. No clima de exacerbação histérica que, alentada por Mao, percorreu a China, destruíram-se obras de arte e monumentos históricos, cometeram-se abusos iníquos contra supostos traidores e contrarrevolucionários, e a milenar sociedade experimentou uma orgia de violência e histeria coletiva que resultou em cerca de 20 milhões de mortos.

Em um livro que acaba de publicar, Le Parapluie de Simon Leys (o guarda-chuva de Simon Leys), Pierre Boncenne descreve como, en…

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Terça-feira 2 / 06 / 2015

O Globo
"Congresso quer reduzir poder do Planalto sobre estatais"

Presidentes de empresas e bancos públicos poderão precisar do aval do Senado

Sem participação do governo, a proposta foi apresentada por Renan Calheiros e Eduardo Cunha, que anunciaram a intenção de tentar aprovar o texto nas duas Casas antes do recesso de julho

Os presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara, Eduardo Cunha, ambos do PMDB, apresentaram projeto que torna mais rígidas as regras sobre as estatais, tirando poder da Presidência da República. O texto prevê, entre outras medidas, que indicados a presidir empresas e bancos públicos sejam submetidos a sabatina no Senado e proíbe ministros de integrarem conselhos de administração de estatais. A proposta também impede que dirigentes tomem decisões contrárias aos acionistas minoritários e exige de indicados para integrar conselhos e diretorias experiência prévia em gestão empresarial de pelo menos cinco anos em companhias do me…

Dominique

Imagem

Opinião

Imagem
Podridão

A edição internacional do “New York Times” publicou uma foto patética dos empregados do hotel estendendo lençóis para tapar os executivos sendo levados para a prisão

Luis Fernando Veríssimo
“Pourriture”, era o título do editorial de primeira página do “L’Equipe”, jornal de esportes francês, sobre esse escândalo da Fifa. “Porcaria” seria a tradução mais correta; “podridão”, a mais adequada. Da porcaria algo ainda pode ser resgatado: a história da Fifa está cheia de porcaria perdoada ou esquecida. Da podridão nada se salva.

O Blatter não esteve diretamente envolvido na ação policial que prendeu o Marin e os outros capos e subcapos da Fifa em Zurique e é possível que, como aconteceu em porcarias passadas, ele escape de novo. Mas em quase todos os jornais da França e da Inglaterra que vi, era sua a foto maior que ilustrava a matéria. É difícil que a investigação da pourriture generalizada não o atinja.

A edição internacional do “New York Times” publicou uma foto patética dos empregado…

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Segunda-feira 1 / 06 / 2015

O Globo
"Cunha propõe consulta popular sobre redução de maioridade"

Se emenda constitucional for aprovada no Congresso, questão deve ir a referendo em 2016

Ministro da Secretaria dos Direitos Humanos, Pepe Vargas é contra ideia do presidente da Câmara e defende penas maiores para adultos que usem adolescentes na prática de crimes

Depois da queda de braço em torno da re forma política e do ajuste fiscal, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, antecipou ontem o próximo embate que terá com o Planalto: colocará em pauta, este mês, a redução da maioridade penal. A proposta de emenda constitucional terá, segundo ele , a previsão de realização de consulta popular, já em 2016, sobre o tema. “O PT não quer a redução da maioridade e acha que todos têm de concordar com eles”, disse Cunha, via Twitter. O ministro da Secretaria de Direitos Humanos, Pepe Vargas, afirmou que a bandeira não é só do PT e defendeu punição maior para “adultos que têm utilizado adolescent…

Dominique

Imagem

Opinião

A lâmina cruel

Assim como uma faca/que sem bolso ou bainha/se transformasse em parte/de vossa anatomia;/qual uma faca íntima/ou faca de uso interno,/habitando num corpo/como o próprio esqueleto

Gabeira
Os versos de João Cabral podem ser lidos a qualquer momento. Mas agora, no Rio, com a sucessão de assaltos a facadas, soam como uma verdade mais profunda. A faca íntima, a faca de uso interno, é também um símbolo de como se arrasta a questão da segurança no Rio.

Compro bicicleta, perco bicicleta, caras e baratas se perdem, elas são levadas no caminho. Isso é de menos. O difícil é ver a situação se deteriorando, como se fosse esse o curso natural. A crise de segurança é tão grande que motivou pesquisadores, criou um grupo de especialistas altamente capazes, entre eles o próprio Beltrame.

Desde quando surgiram as UPPs como alternativa, formulei algumas críticas, embora achasse a experiência importante, depois do que vi em Bidonville e Cité Soleil, ocupadas pelas forças brasileiras no Haiti. No…

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Domingo 31 / 05 / 2015

O Globo
"Pobreza extrema no Rio é a maior do Sul-Sudeste"

Estado tem 565 mil pessoas, 3,77% de sua população, vivendo na penúria

Renda per capita das famílias é inferior a R$ 140. Muitas não contam com programas sociais

O Estado do Rio tem 565.135 pessoas (3,77% da população) abaixo da linha da miséria, segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O percentual é o maior entre todos os estados do Sul e do Sudeste, superando apenas os do Norte-Nordeste e Mato Grosso no Centro-Oeste, relatam Maria Elisa Alves e Rafael Galdo. Com renda per capita inferior a R$ 140, essas famílias são marcadas pelo desemprego e pela fome. Sem documentos, uma legião de invisíveis tem acesso a programas sociais. Para especialistas, uma das explicações é o baixo desenvolvimento econômico do interior. 

Folha de S.Paulo
"Temer reconhece erros do governo e pede paciência"

Para vice-presidente e articulador do Planalto, 2015 deve ser um ano de ‘compreensão&#…