Postagens

Mostrando postagens de Junho 19, 2016

Física

Imagem

Opinião

A grande vitória do atraso

Clóvis Rossi
É só olhar para quem está festejando o resultado do plebiscito no Reino Unido para constatar que se trata da vitória do pior ranço, o do populismo xenófobo.

"A Grã-Bretanha mostrou à Europa o caminho para o futuro e a liberação", gritou, por exemplo, o PVV, o partido xenófobo e, como tal, antieuropeu da Holanda.

Marine le Pen, sua homóloga na França, defendeu que também os franceses votem para decidir se ficam ou saem da União Europeia.

No outro canto do ringue em que se transformou a questão, Norbert Röttgen, presidente do Comitê de Assuntos Exteriores do Parlamento alemão, diz, com razão, que o resultado britânico "é a maior catástrofe na história da integração da Europa".

De fato, com a saída do Reino Unido, a UE perde o segundo país que mais gasta em defesa, perde um assento no Conselho de Segurança da ONU, o coração do sistema internacional, e um dos mais firmes campeões do comércio mundial e da economia liberal, como lembrou …

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Sábado 25 / 06 / 2016

O Globo
"Para evitar incertezas, UE quer apressar saída do Reino Unido"

Bolsas desabam e analistas temem freio no crescimento global

Vitória do Brexit leva premier conservador David Cameron a apresentar renúncia e ameaça também liderança do opositor Partido Trabalhista. Decisão afeta as negociações do Mercosul

O terremoto causado pelo referendo em que os britânicos decidiram tirar o Reino Unido da União Europeia (UE), após 43 anos, provocou a renúncia do premier David Cameron, que apoiava a permanência no bloco. Ele vai ficar no cargo até outubro e anunciou que não haverá mudanças imediatas na relação com a UE. Líderes do bloco, porém, pediram que a saída britânica seja acelerada para diminuir as incertezas. (...) No Brasil, a alta do dólar, com a instabilidade nos mercados, pode adiar queda dos juros. E as negociações entre Mercosul e UE devem ser afetadas.

Folha de S.Paulo "Saída britânica da UE derruba Cameron e espalha incertezas"

Reino Unido perd…

Ercoupe

Imagem

Coluna do Celsinho

Estratégia

Celso de Almeida Jr.

No jornal, confiro a prisão de mais um.

Observador, estudo a reação dos políticos.

Estou procurando o perspicaz.

Há muitos homens e mulheres inteligentes no Congresso Nacional, nos Governos e Assembleias Estaduais.

Não identifiquei, porém, o estrategista.

Onde se esconde?

Será que existe?

Caso esteja preparado, certamente avalia a hora de entrar em cena.

O ambiente está propício.

Um discurso ético, equilibrado, sensato, positivo e firme convenceria muita gente.

Temperado com boa dose de sensibilidade e talento para unir o país, seria irresistível.

Torcendo para que esta novela não tenha um final padrão - atento aos próximos capítulos - aguardo a revelação.

Esperançoso de que, ao menos um ficha limpa, esteja a disposição.

Visite: www.letrasdocelso.blogspot.com

Física

Imagem

Opinião

O Rio e o mito do governo de eventos

Elio Gaspari
O decreto que colocou o Rio de Janeiro num regime de calamidade é mais uma pirueta do estilo de administração que arruinou o Estado. Havendo um problema, cria-se um evento. O problema era a falência, assinou-se um decreto, criou-se um evento e transferiu-se o problema para Brasília. Lá, um governo fraco e fiscalmente combalido capitulou, concedendo uma moratória a Estados administrados por perdulários.

O governo do Rio faliu pelo mais elementar dos motivos: gastou o que não tinha e pôs dinheiro onde não devia. O mesmo núcleo do PMDB controla o Estado desde 2007. Não é um núcleo qualquer. Seus caciques são Sérgio Cabral, Luiz Fernando Pezão, Eduardo Cunha e Jorge Picciani. Uns, como Cabral e também o prefeito Eduardo Paes, são políticos com tino para o espetáculo. Outros, como Pezão, Cunha e Picciani, costuram por dentro.

A atividade espetacular cavalgou a Copa do Mundo, reformou o Maracanã e deu à cidade uma eventual sensação de segurança …

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Sexta-feira 24 / 06 / 2016

O Globo
"Dinheiro de consignado irrigava caixa do PT"

PF prende Paulo Bernardo, ex-ministro dos governos Lula e Dilma

Petista é acusado de receber R$ 7 milhões desviados de taxas cobradas de servidores que contraíam empréstimos; esquema, que arrecadou R$ 100 milhões, abastecia o partido, alvo de buscas em SP

A Operação Custo Brasil, derivada da Lava-Jato, prendeu Paulo Bernardo, ex-ministro dos governos Lula e Dilma, por envolvimento em esquema que desviava taxas pagas por servidores em empréstimos consignados. Em cinco anos, R$ 100 milhões irrigaram o caixa do PT e de políticos. A fraude usava empresas de fachada. Também são investigados o ex-ministro Carlos Gabas e o jornalista Leonardo Attuch, do blog Brasil 247. No Planalto, a avaliação é que a prisão representa uma “pá de cal” nas pretensões de volta ao poder de Dilma.
Folha de S.Paulo "PF prende Paulo Bernardo em desdobramento da Lava Jato"

Investigadores suspeitam de desvios de R$ 7 mi; de…

Física

Imagem

Opinião

Repressão e cultura do estupro

Contardo Calligaris
Na coluna da semana passada, tentando explicar o massacre de Orlando, lembrei-me desta regra: sempre (ou quase), quando a gente quer muito disciplinar a vida dos outros, é porque, de fato, a gente quer disciplinar a si mesmo e mal consegue. Por exemplo, o assassino de Orlando tentou matar (cem vezes) sua própria homossexualidade reprimida.

Essa regra vale especialmente nos casos em que a repressão parece desproporcional porque o comportamento que se quer reprimir não tem consequência para o repressor.

Exemplo: "A homossexualidade deve ser proibida"; por quê? Talvez, se ela não for proibida, alguém tenha medo de se sentir compelido a ser homossexual. Mas a "permissividade" não faz o monge: ele seria "compelido" só pelo seu próprio desejo.

Bom, alguns leitores me perguntaram se essa regra valeria a cada vez que queremos reprimir os outros ou a cada vez que os odiamos. A resposta não é fácil.

Nem todo assassino es…

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Quinta-feira 23 / 06 / 2016

O Globo
"Decisão do STF aumenta chance de cassação de Cunha"

Por 11 a 0, ministros aceitam denúncia por ocultação de contas na Suíça
Com resultado, deputado dificilmente salvará mandato na Câmara, que analisa se ele mentiu ao negar ser dono do dinheiro; no Supremo, ele responderá por corrupção, lavagem, evasão e fraude eleitoral
Por 11 votos a 0, o STF tornou réu pela segunda vez o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha, por manter contas não declaradas na Suíça. Os ministros rejeitaram a tese da defesa, de que Cunha era apenas beneficiário de trusts (instrumentos para a gestão de bens), e concordaram que as provas colhidas revelam que o deputado é dono dos valores. A decisão reduz suas chances de evitar a cassação na Câmara, que analisa se ele mentiu ao dizer que não possui as contas.
Folha de S.Paulo "Pela 2ª vez, Cunha se torna réu na Lava Jato"

Decisão do Supremo agrava situação do deputado, que diz confiar na absolvição
O Supremo Tribu…

Raios...

Imagem

Ubatuba em foco

Eleição é sempre bão.

Sidney Borges
Começa a ganhar força a campanha pelo trono ubatubense. 

Digo trono por que o prefeito desta bela cidade praiana lembra um príncipe medieval, com privilégios e poderes semelhantes. 

Um dado da maior importância, quase milagroso, uma vez eleito o iluminado vê seu patrimônio crescer exponencialmente. 

Posso escrever isso sem medo de ferir suscetibilidades, nesta terra abençoada poucos sabem o que significa crescimento exponencial. 

Os ex-prefeitos de Ubatuba estão bem de vida, alguns trabalham, outros desfrutam das delícias de ser ex-prefeito. Viagens, Rolex, Lacoste...

A maioria da população acha natural, enquanto parte da mesma adere a um dos postulantes em troca de favores. São os chamados cabos eleitorais. 

São muitos, como só um candidato será eleito a maioria vai ficar na saudade, sonhando com uma boquinha na Câmara. Se não der certo terão de esperar a próxima eleição. E adotar um candidato para oferecer apoio.

Vamos acompanhar as várias campanhas e cont…

Física

Imagem

Opinião

Cego em tiroteio

Ferreira Gullar
Tenho assistido pela televisão ao processo de impeachment de Dilma Rousseff no Senado Federal. Confesso que me falta paciência para ouvir tanto falatório, leitura da peça de acusação e, pior ainda, a intervenção de certas figuras que ostentam a condição de senadores da República, para nosso constrangimento.

Mal conseguem formular o que pensam e, quando o conseguem, é num português digno de um mau aluno do curso primário. Mas isso é o de menos, porque falar errado tanto é comum a eles como aos apresentadores do programa, com raras exceções.

Não quero aborrecer vocês com minhas gramatiquices, mas é duro ouvir o cara dizer "eram várias milhões de pessoas".

E já observaram que quase todos os verbos agora têm como regência o advérbio "sobre"? Em vez de "comentou o problema", dizem "comentou sobre o problema"; em vez de "tratou do assunto", dizem "tratou sobre o assunto". As palavras "este" e &…

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Quarta-feira 22 / 06 / 2016

O Globo
"Vice de CPI diz que deputado tentou achacar empresário"

Parlamentar teria exigido dinheiro para não convocar executivo a depor
Hildo Rocha, vice-presidente da comissão, que apura denúncias de pagamento de propina em troca de extinção de multas da Receita, afirma que não revela nomes porque suposta vítima teme represálias
O vice-presidente da CPI do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) na Câmara, Hildo Rocha (PMDB-MA), afirmou em entrevista a GABRIELA VALENTE que um empresário lhe contou ter sofrido tentativa de achaque por parte de deputado que integra a comissão de inquérito. Rocha manteve os nomes em sigilo, a pedido do executivo. “Ele está com medo”, justificou. De acordo com o vice da CPI, o deputado em questão teria pedido dinheiro ao empresário para que não fosse convocado a depor. Numa sessão da comissão, em maio, Rocha questionou a convocação do banqueiro Joseph Safra pelo deputado Altineu Côrtes (PMDB-RJ), que, por sua v…