Postagens

Mostrando postagens de Outubro 19, 2014

Dominique

Imagem

Opinião

Quatro anos num domingo

Fernando Gabeira
A campanha chega ao fim com o grande debate de hoje. Alguns temas ficaram de fora. Do Rio Piracicaba à nascente do São Francisco, na Serra da Canastra, encontrei vestígios da grande seca, talvez a maior dos últimos 50 anos no Sudeste. Ignoro o que os candidatos pretendem fazer a respeito. Não falam em recuperação de rios, fortalecimento dos comitês de bacia, nada que lembre uma política de recursos hídricos. Apenas se culpam.

Não sei se todos têm a sensação de que há uma distância entre o País dos debates e o da vida real. Creio que a distância às vezes é ampliada pelo próprio debate, que deveria encurtá-la.

Jean Piaget escreveu muito sobre inteligência infantil. Ele descrevia um tipo de linguagem que prevalece numa faixa de idade: a linguagem egocêntrica. Nela não importa necessariamente fazer sentido, muito menos comunicar-se com o outro.

Apesar dos debates sem mediação, foi impossível estabelecer um fio da meada. Dilma comportou-se como se fosse …

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Sábado, 25 / 10 / 2014

O Globo
"Rio e SP chegam à reta final em lados opostos"

Aécio lidera entre paulistas, e Dilma tem preferência dos fluminenses

Tucano conseguiu 22 pontos de vantagem no eleitorado de São Paulo, mas entre os do Rio é a petista que abriu distância de 18 pontos, puxada por eleitores de meia-idade, com ensino fundamental e renda de até 2 mínimos

A um dia da eleição presidencial mais disputada dos últimos 25 anos, Rio e Sào Paulo têm comportamentos opostos: enquanto Aécio Neves (PSDB) abriu 22 pontos de vantagem em relação à presidente Dilma Rousseff (PT) no eleitorado paulista (o maior do país), a petista saiu de um empate técnico e tem 18 pontos à frente do tucano entre os eleitores fluminenses. Em Minas, segundo colégio eleitoral do Brasil (à frente do Rio), há empate técnico. Já na Região Sul, os institutos divergem: o Ibope aponta empato técnico, enquanto o Datafolha dá 14 pontos de vantagem para Aécio. No Rio, segundo o Ibope, a subida de Dilma foi puxado p…

Va-ga-lu-me

Imagem

Coluna do Celsinho

26ª Feira das Nações

Celso de Almeida Jr.

A 26ª edição da Feira das Nações começa hoje, 24 de outubro de 2014.

Será na Praça de Eventos da Avenida Iperoig e tem programação até 2 de novembro.

As barracas funcionarão a partir das 19h.

Nos dias 28 de outubro e 1 de novembro abrirão no horário de almoço.

Dia 29 será recesso, portanto, sem atividades.

A Feira das Nações consolidou-se, nestas mais de duas décadas, como o maior evento gastronômico exclusivamente beneficente da região.

Organizada pelo Rotary Club, em parceria com a prefeitura, representa a vitória da união de forças por uma nobre causa.

O vigésimo sexto ano comprova o sucesso de um modelo que deu certo e que merece apoio cada vez maior.

Convido o amigo leitor para comparecer, prestigiando e consumindo.

Experimente comidas típicas do Japão, Espanha, Brasil, Alemanha, Estados Unidos, México, Arábia, China, Portugal e Itália, num ambiente agradável, a beira mar.

Entrada gratuita, marca também a semana do aniversário de Ubatuba, comemorado …

Dominique

Imagem

Opinião

O que vem por aí é um plebiscito

A teoria da pancadaria é curta para explicar o que parecem ser as oscilações do eleitorado

Elio Gaspari em O Globo
Quando Marina Silva não conseguiu chegar ao segundo turno, atribuiu-se seu declínio à pancadaria que sofreu. Talvez nunca se saiba por que o balão esvaziou, mas, mesmo olhando-se para os golpes que levou, essa teoria é curta. Foi de sua equipe que partiu a plataforma da independência do Banco Central. Admita-se que a ideia pode ser boa. Ainda assim, ela foi exposta pela educadora Neca Setubal, herdeira da família que controla o banco Itaú. Precisava? Se isso fosse pouco, dias depois, Roberto, irmão de Neca e presidente da casa bancária, disse que via “com naturalidade” uma possível eleição de Marina. Precisava? Marina falou em “atualizar” a legislação trabalhista, mas não detalhou seu projeto. Juntando-se gim e vermute, tem-se um Martini. Juntando-se banqueiro com atualização das leis trabalhistas, produz-se agrotóxico. Precisava?

Uma campanha…

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Sexta-feira, 24 / 09 / 2014

O Globo
"Dilma descola de Aécio"

Datafolha e Ibope mostram petista de 6 a 8 pontos à frente de tucano

Na disputa pelo governo do Rio, Pezão lidera com 8 a 9 pontos de vantagem sobre Crivella, segundo os dois institutos; considerando só os votos válidos, diferença chega a dez pontos

Pesquisas Ibope e Datafolha divulgadas ontem confirmaram a tendência de crescimento de Dilma Rousseff (PT). Pela primeira vez no 2º turno, os dois institutos a mostram com uma vantagem sobre Aécio Neves (PSDB) superior à margem de erro de dois pontos. No Ibope, a petista tem 49% das intenções de voto, contra 42% do tucano. Considerando só votos válidos, o placar fica em 54% a 46%. No Datafolha, Dilma chegou a 48% e Aécio, a 42% (53% a 47% dos válidos). Na disputa pelo governo do Rio, Pezão (PMDB) lidera com 46% tanto no Ibope como no Datafolha. Já Crivella (PRB) aparece com 37% num instituto e 38% no outro. Considerando-se só os votos válidos, Pezão hoje venceria por 55% a 4…

Em marcha!

Imagem

Pitacos do Zé

Quem vencerá?

José Ronaldo dos Santos
A mídia pertence a uma classe social elevada. Pobre não tem como possuir os meios de comunicação. O que move esse poder da comunicação é o consumo. Portanto, todas as mensagens, salvo alguns modelos alternativos, devem ter uma confluência: a dependência consumista.

Quem oferece produtos de consumo não está na linha de pobreza. Quem consome também não pode ser miserável. Então, um governo que busca coerência com a lógica consumista, fará investimentos para aumentar o poder econômico da classe que pode consumir esses produtos. Aí vale tudo, desde o Programa de Renda Mínima até os de moradias populares. É o que se denomina redistribuição de renda. Nos últimos anos, nessa direção, as pesquisas sociológicas atestam: a Classe C é a maioria da população brasileira. É a nova classe média, que ganha entre R$ 1.700,00 a R$7.500,00  por mês.

O Brasil é, atualmente, o País da Classe C. Na verdade, ela é fruto da recuperação de uma grande dívida social. Inegavelme…

Dominique

Imagem

Opinião

Um virus batendo na trave

Fernando Gabeira
Na semana passada, levamos um susto: ebola. Um homem que veio da Guiné foi considerado, em Cascavel, suspeito de trazer o vírus do ebola. Felizmente, não houve nada. E sobretudo nossos mecanismos de segurança funcionaram bem. O governo cumpriu o protocolo da OMS, fez tudo corretamente. Lembro-me da chegada do vírus da Aids. Como foi difícil reagir. Os pacientes visitaram Nova York, e parece que o vírus veio de lá, via Haiti.

Cheguei a contatar o ministro da Saúde e enfatizar o perigo de epidemia. Naquele momento, Aids era uma doença minoritária, e ele estava concentrado nos males que dizimavam nossa população mais pobre. Mas o vírus se propagava rapidamente. E acabamos superando o tempo perdido, aprovando inclusive um projeto que garantia o coquetel de drogas gratuito.

Desta vez, já começamos de forma organizada, e creio que temos muitas chances de evitar algo grave no Brasil, embora casos esporádicos sejam previsíveis. Apesar de ter surgido na Á…

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Quinta-feira, 23 / 09 / 2014

O Globo
"CVM investiga Petrobras em meio a escândalos"

Órgão vai apurar corrupção descoberta na Operação Lava-Jato

Advogado de Youssef diz que doleiro nega ter feito qualquer negócio com o PSDB e pede acareação com testa de ferro

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) abriu processo administrativo para investigar a Petrobras por causa das denúncias de corrupção surgidas com a Operação Lava-Jato, da PF. O processo foi iniciado após ser noticiado que a estatal já é alvo de investigação semelhante nos Estados Unidos. De acordo com uma fonte da Petrobras, a CVM quer tomar conhecimento de tudo o que ocorreu desde que Paulo Roberto Costa, ex-diretor da estatal, iniciou delação premiada e contou que havia esquema de pagamento de propina para políticos de PT, PMDB e PP. Caso a CVM comprove as irregularidades, será aberta nova fase da investigação que poderá resultar em punições para a companhia. A estatal não se manifestou. Ontem, o advogado do doleiro Alber…

Dominique

Imagem

Opinião

Encarece, atrasa e dificulta

O ESTADO DE S.PAULO
O agronegócio no Brasil cresceu e vem sustentando a balança comercial brasileira. Mas o setor ainda enfrenta sérias dificuldades. Uma delas é a falta de infraestrutura adequada para escoar a produção. Um exemplo pode ser visto no Vale do Araguaia, cujas precárias condições logísticas atrasam o desenvolvimento de uma região altamente promissora na produção de grãos e na pecuária.

A rota de escoamento do Vale do Araguaia atravessa o nordeste de Mato Grosso e o sul do Pará. Neste ano, essa região deverá colher aproximadamente 1,5 milhão de toneladas de grãos e, segundo estimativas, tem potencial para produzir até 18 milhões de toneladas por ano: 10 milhões no lado de Mato Grosso e 8 milhões na parte do Pará. A região conta também com 1,3 milhão de cabeças de gado. No entanto, conforme revelou reportagem do Estado, que percorreu de Água Boa (MT) até Marabá (PA) pelas Rodovias BR-155 e BR-158, a situação dessas estradas é um sério entrave para …

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Quarta-feira, 22 / 09 / 2014

O Globo
"TSE diz que campanha virou a do ‘vote no menos pior’"

Segundo Toffoli, agressividade de candidatos já provocou reflexos entre eleitores

Presidente do tribunal lamenta que Dilma e Aécio tenham se empenhado em destruir o adversário

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Dias Toffoli, disse que a campanha presidencial chegou a nível tão baixo que já está provocando episódios de intolerância entre eleitores. Ele citou casos de agressões entre pessoas que discutiam política dentro de transporte coletivo. No segundo turno, de acordo com Toffoli, Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) se empenharam mais em destruir o adversário do que em defender suas próprias ideias, o que obrigou o TSE a impor “um freio de arrumação”, proibindo ataques nos programas eleitorais. “Virou uma campanha do vote no menos pior”, criticou o ministro. 

Folha de S. Paulo
"Otimismo com economia dispara e beneficia Dilma"

Para maioria, preços vã…

Dominique

Imagem

Opinião

O preço da dependência

O ESTADO DE S.PAULO
A decisão do governo do PT de tornar a economia brasileira cada vez mais dependente da argentina está impondo um alto preço justamente para o setor industrial mais privilegiado por Brasília desde 2003: a indústria automobilística. A crise da Argentina fez cair bruscamente as exportações brasileiras de veículos e de componentes e já afeta o nível de emprego em toda a cadeia produtiva de automóveis e de caminhões. Por ironia, este é o setor em que, há mais de 30 anos, as lutas sindicais propiciaram o surgimento do PT e de algumas de suas maiores lideranças e, por essa razão, tem merecido atenção especial das administrações petistas.

A indústria automobilística, como os demais segmentos industriais, está sendo mais afetada pela crise da economia brasileira do que outros setores. Nos nove primeiros meses deste ano, foram produzidos 481,5 mil veículos menos do que no período janeiro-setembro de 2013. O nível de emprego nas montadoras registrou sete q…

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Terça-feira, 21 / 09 / 2014

O Globo
"Dilma passa Aécio, mas empate técnico continua"

Datafolha mostra petista pela primeira vez à frente do tucano no 2º turno

Cientistas políticos atribuem mudança no quadro eleitoral à tática de desconstruir o adversário adotada pela presidente e pelo PT , com críticas à gestão dele no governo de Minas

Pela primeira vez no segundo turno, Dilma Rousseff (PT) apareceu à frente de Aécio Neves (PSDB) na pesquisa Datafolha divulgada ontem, embora os dois continuem em empate técnico . Dilma subiu de 43% para 46% em relação à pesquisa de 15 de outubro, enquanto Aécio caiu de 45% para 43%. Nos votos válidos, Dilma tem 52% e Aécio, 48%, também dentro da margem de erro. Na pesquisa anterior, Aécio liderava por 51% a 49%. Para cientistas políticos, a subida da petista pode ser consequência da tática de desconstrução do adversário que ela adota, incluindo críticas à gestão do tucano em Minas. Para eles, porém, o quadro ainda não está consolidado. 

Folha de S.…

Dominique

Imagem

Opinião

Um fardo regional

O ESTADO DE S.PAULO
Mais uma das consequências negativas da política econômica do governo Dilma Rousseff, o mau desempenho do comércio exterior brasileiro está arrastando para baixo as estatísticas de exportação e de importação dos países da América do Sul e da América Central. No mais recente relatório sobre o desempenho do comércio internacional, a Organização Mundial do Comércio (OMC) previu que, em 2014, as exportações desses países serão apenas 0,4% maiores do que as de 2013 e as importações cairão 0,7%. Serão resultados bem piores do que o previsto para todo o comércio mundial. Embora tenha sido reduzida em relação à feita em abril, a nova projeção da OMC é de aumento de 3,1% do comércio mundial (a anterior era de crescimento de 4,7%).

Como maior economia da região, o Brasil tem peso decisivo nessas projeções. No primeiro semestre de 2014, as exportações brasileiras alcançaram US$ 110,5 bilhões, valor 2,6% menor do que as vendas externas da primeira metade de 2013…

U.V.

Imagem

Manchetes do dia

Segunda-feira, 20 / 09 / 2014

O Globo
"Eleito deverá negociar com 262 deputados para ter maioria"

Câmara tem 18 partidos que podem se alinhar a Dilma ou Aécio

Base fiel vai ser de 99 parlamentares ligados ao PT ou de 147, aos tucanos

Para conseguir aprovar qualquer projeto de lei na próxima legislatura, Dilma Rousseff (PT) ou Aécio Neves (PSDB) terá que negociar com um bloco de 18 partidos que, juntos, somam 262 deputados federais, mais da metade da Câmara, informa Simone Iglesias. São legendas como PMDB, PSD, PP, PR ou PTB. Elas compõem o chamado “centrão parlamentar” e, mesmo coligadas com alguma das duas candidaturas, não são umbilicalmente ligadas nem ao PT nem ao PSDB.

Folha de S. Paulo
"Maioria sofre falta d’água em SP e já planeja estocar"

Pesquisa Datafolha mostra que cortes atingiram 60% dos paulistanos

Em pesquisa Datafolha feita na última sexta (17), 60% dos paulistanos dizem ter ficado sem água em algum momento nos últimos 30 dias. Com medo do desabastecimento…