segunda-feira, dezembro 05, 2016

Opinião

O pesadelo de Fidel

Luiz Felipe Pondé
A esquerda tem duas fases. A primeira, cujo último representante, Fidel Castro, acabou de morrer, podemos chamar de clássica ou romântica, ainda filha direta de Marx (aquele que pregava fuzilamentos sumários para frouxos e primitivos) e da moçada bolchevique, que também era chegada a métodos administrativos de fuzilamento.

Fidel comia todas, além de vesti-las de soldadas. Um sujeito que merecia respeito. Fumava charutos, algo que fala bem do caráter de um homem, apesar de ditador e cruel. Pelo menos era sincero.

A segunda, que podemos dividir em alguns subtipos, é mais acadêmica e bem-comportada. Prefere a cultura do "fitness" aos charutos. Quanto a comer todas, nem pensar! Considera isso coisa de "hétero machista". Combina com restaurante vegano e bike. Nada de gente sem doutorado, ou pelo menos mestrado. Ou que não tenha feito um curso de teatro ou dança. Se for "trans" em alguma coisa, melhor ainda. Suporta o povo apenas como "ideia" e sem nenhum cheiro de ônibus. Cultiva as rede sociais como o "lugar do indivíduo kantiano" se manifestar e sonha com um curso de cinema em Havana.

Esta segunda fase é mais múltipla, como tudo numa sociedade de mercado avançada. Ser de esquerda hoje é mais um estilo entre outros. Logo terão seu próprio menu gourmet.

A rigor, a esquerda não passa de um fetiche sofisticadíssimo de uma burguesia entediada com o próprio mundo vazio de sentido que criou, mas que é insuportavelmente confortável. Como todo fetiche, mais atrapalha do que realiza o gozo. O grande trunfo da esquerda, historicamente, é ser abstrata nas ideias e imprecisa nos fatos. Logo, não serve para nada, mas serve para masturbação vaidosa acerca da própria bondade.

Essa fase contemporânea tem alguns totens. Foucault, um sujeito muito preocupado com a própria roupa, mais dado a estilos do que a atitudes, adora bandidos e combina com seminários universitários e "coffee breaks".

Os frankfurtianos Benjamim, Adorno e Horkheimer, os melancólicos da esquerda, são de mais difícil consumo porque "negativos" e não creem na revolução vegana e de gênero.

Kant (coitado!) virou guru dos crentes e fiéis no indivíduo racional emancipado que um dia votará no PSOL como "necessidade da razão prática" (estou falando dialeto kantiano em homenagem a essa facção da esquerda contemporânea) e que, no futuro, usarão as redes sociais de forma "consciente". Essa combinação de Kant com Facebook me parece, de todas as formas de esquerda, a mais risível.

Todo mundo sabe que Kant deve ter morrido virgem para de fato crer que pessoas reais podem viver de modo tal que cada ato praticado na vida seja erguido em norma universal de comportamento (seu "imperativo categórico"). A ética kantiana é coisa séria, mas na esquerda vira #revolucionesecomkantnoface. O sujeito kantiano está morto no free shop há muito tempo.

Os deleuzianos passaram um pouco do ponto e da moda. Já que seu ícone, Maio de 68, já se sabe, era claramente uma revolução de mimados. Mas ainda dará umas teses de doutorado aqui e ali.

Tem também a moçada Badiou-Zizek, mais recente no mercado de opções, com terminologia incompreensível (lacanês), que fala que, se você for de esquerda, você gozará fazendo a revolução (a "vida verdadeira") e, por isso mesmo, não precisará de ninguém de carne e osso nas suas mãos para amar. Assimilaram um dos maiores erros do cristianismo: o amor universal à humanidade como possibilidade de afeto real.

E tem a esquerda de gênero, aquela que pensa que se você tem questões com sua identidade sexual, por consequência não existe mais mulher e homem na espécie humana. E a esquerda das bikes e dos coletivos? Pura purpurina.

Apesar de todo o mimimi com Cuba e a morte de Fidel, essa moçadinha do PSOL faria xixi nas calças se tivesse que encarar gente como Fidel e Che. Para essa moçadinha, os dois só servem como personagens ou fetiches em camisetas e canecas. Para Fidel seria um verdadeiro pesadelo ter um desses combatentes veganos em seu Exército. #revolucionesecomkantnoface é o futuro da esquerda.

Original aqui

Nenhum comentário:

 
Free counter and web stats