domingo, dezembro 04, 2016

Opinião

A lei segundo os bandidos

Gabeira
Há sempre um momento para travar a batalha decisiva. O Brasil está diante dele. Durante o luto nacional, quando ainda se chorava a morte das vítimas do acidente com o avião da Chapecoense, os investigados decidiram criar uma lei para controlar juízes e procuradores.

Seria o único país do mundo a tolerar essa afronta. No meio da semana, a equipe da Lava-Jato ameaçou renunciar se a lei da intimidação for sancionada. Mas é hora de resistir. Mais cedo ou mais tarde, viria a mãe de todas as batalhas. As tardes de domingo talvez não sejam mais as mesmas. Será preciso gritar e muito. Mas a resistência aos bondes de investigados, que redigem leis e defendem a corrupção, não deve se limitar apenas à presença nas ruas.

A Justiça brasileira foi atingida em cheio. Ela pode, simplesmente, declarar inconstitucional a lei da intimidação, porque os deputados legislaram em causa própria pois são investigados. Isso também não basta. Enquanto não se julgarem os processos de todos os políticos no Supremo, vão tentar criar leis que lhes dê a blindagem necessária para sobreviver. Também para eles é uma questão de vida e morte.

Por isso a batalha é interessante. Se Renan Calheiros e sua tese de controlar as investigações prevalecerem, então terão matado não só a Lava-Jato, mas a própria esperança de decência na vida pública. O país entraria numa estranha ditadura. Os bandidos teriam vencido e ditariam as leis. Só nos restaria a resistência. Para alguns de nós não é novidade ser jogado numa luta de vida ou morte.

A novidade é que agora são milhões de pessoas a resistir. Eles não darão trégua nem esquecerão em 2018 quem são os deputados que trabalham contra elas. Se não fosse a profunda crise econômica até que seria divertido derrotá-los, continuadamente, até que fossem varridos do mapa político.

Mas a crise não dá tréguas, o presidente é fraco, todo o governo pode ser levado de cambulhada nessa aventura final de sua base parlamentar junto com a oposição: nesse caso, lutam por uma causa comum. Sempre de madrugada, quando o nível de estupidez é mais alto, eles simplesmente se voltam para o país e dizem: vamos fazer as regras do jogo para nos blindar da Justiça. Enquanto todos choravam a morte dos jogadores, eles resolveram não apenas desrespeitar o luto mas se aproveitar dele para dizer: de agora em diante quem manda somos nós.

Certamente, deve ter havido alguém para lembrar que o momento econômico é difícil, que havia um luto nacional, mas ainda assim partiram para o ataque contra as pessoas que se cansaram de ser roubadas. O que passa na cabeça de Renan Calheiros para ser o general desse exército? Por baixo de todos os cálculos, há um desespero, o medo da hora que chega.

Só o desespero em alguns e a profunda ignorância política podem aproveitar o momento de luto para golpear a Justiça, as pessoas que esperam um país melhor. Que tipo de expectativa têm neste momento? Que tipo de simpatia pode trazer a defesa da corrupção? Sempre achei que havia uma tendência suicida no Congresso. Desta vez, ela foi longe demais: eles querem se suicidar e não nos deixam outro caminho a não ser ajudá-los. É um gesto de compaixão bani-los da vida pública.

A insensatez chegou a um ponto que eles podem se machucar muito e machucar os outros, jogar o país numa situação desesperadora. Será preciso muito esforço para evitar a violência. As ruas vão se tornar um inferno permanente para eles. Será que não passou pela cabeça deles que teriam de prestar contas, circular, falar com os vizinhos, enfim, ter uma vida normal?

Eles escolheram confronto e lançaram um desafio a cada um de nós. De uma certa maneira, depois de tantos roubos, tentam nos roubar uma ideia do Brasil, arrasar com a autoestima nacional. Pelo menos nos deram uma nova oportunidade de estarmos juntos, protestar, mostrar para eles, entre panelaços e manifestações, que o Brasil não se curva.

Assim que o luto se abrandar e todos se derem conta da traição que sofreram na madrugada, estaremos em condições de dar a batalha decisiva. O primeiro front essencial seria este: julgar todos os inquéritos sobre os deputados e senadores que votaram pela lei da intimidação. Legislaram em causa própria.

Assim como Eduardo Cunha, Renan está lutando sua última batalha enlouquecido. Ele precisa perdê-la logo. Mesmo na sua loucura, talvez saibam que foram longe demais. Vão se encontrar no Olimpo das celas de Curitiba. Ali outros delírios de poder e fortuna também acharam seu espaço.

A equipe da Lava-Jato não pode se demitir. A História não é uma repartição, o impacto do trabalho deles é um patrimônio da sociedade. É só ter um pouco de paciência que a própria sociedade vai se mover. Não ficará pedra sobre pedra, embora seja precisa tirá-las com cuidado para evitar grandes desmoronamentos.

Original aqui

Nenhum comentário:

 
Free counter and web stats