sexta-feira, outubro 30, 2015

Coluna do Celsinho


Expressinho & Cia.

Celso de Almeida Jr.

Atendendo a um pedido do ex-aluno Gustavo Medina Venâncio (Formando da Turma de 1996 - Colégio Dominique), eis uma breve história da frotinha de ônibus que fez sucesso com nossos alunos, na década de 90.

Tudo começou com o Expressinho Dominique.

Com ele, fizemos passeios ao Planetário; Playcenter; Museus, além das atividades locais.

Nossa fanfarra ensaiava no Terminal Turístico do Perequê-Açu.

Os instrumentos e nossos músicos mirins iam de Expressinho...

Também tinham as Oficinas de Eletricidade no Rancho do Pica-Pau, na Casanga...Expressinho em ação!

Numa de nossas Feiras de Ciências, o Expressinho ia buscar alunos das escolas públicas para assistir aos trabalhos de nossa garotada.

Tentativa prática de estimular a integração da rede pública com a particular.

Adquirimos, em seguida, um micro-ônibus para agilizar as atividades externas com apenas uma classe.

Era o Papaléguas!!!

Vale lembrar que estes dois veículos foram comprados usados, baratinhos - eram bem velhinhos - e, na sequência, totalmente restaurados pelo Celsão.

Mecânico dos bons, caprichoso e dedicado aos assuntos do Colégio Dominique, o Celso Pai garantiu a alegria da garotada com suas máquinas incrementadas.

Mas, tanto o Expressinho como o Papaléguas eram muito antigos e, para viagens mais distantes, decidimos adquirir um ônibus rodoviário mais novo.

Um leasing garantiu a aquisição do Expressão.

Para concretizar o negócio, garantindo o pagamento das prestações sem aumentar as mensalidades escolares, fizemos um convênio com a Associação dos Estudantes Universitários de Ubatuba que viabilizava o repasse de um pagamento mensal (com recursos exclusivamente dos estudantes - não públicos).

O contrato permitia à associação utilizar a estrutura da escola, incluindo o ônibus, que passou a levar os estudantes à faculdade em Caraguatatuba.

Quando isso ocorreu, uma reação desproporcional da prefeitura da época proibiu a circulação do Expressão.

Coisas da política...

O município pagava um outro ônibus de uma empresa de transportes para levar um segundo grupo de universitários (neste caso, através de repasse à associação - com recursos públicos, portanto).

Até derrubarmos na Justiça aquela decisão arbitrária, ficamos impossibilitados de cumprir o convênio e gerar recursos, o que nos obrigou a vender o Expressão.

Com este episódio, decidimos que seria melhor deixar o projeto da frotinha para o futuro, na esperança de que mais gente compreendesse melhor as nossas intenções.

Precisariam acreditar que não aspirávamos montar uma "empresa de transporte", mas viabilizar, sem onerar as mensalidades escolares, as atividades lúdicas e educativas "extra-muros", com independência e gestão própria.

Os alunos que viveram aquela experiência certamente guardam as melhores lembranças.

Nesse sentido, é legítimo garantir boas recordações no amanhã das presentes gerações.

Pensando assim, pode acreditar: em algum dia, uma frotinha bem animada voltará a rodar por aí...

Visite: www.letrasdocelso.blogspot.com

Nenhum comentário:

 
Free counter and web stats