segunda-feira, abril 13, 2015

Pitacos do Zé

Insatisfação moral

José Ronaldo Santos
Todos se sentem inconformados com os grandes escândalos divulgados nas mídias, mas poucos se atém aos pequenos deslizes e corrupções que preenchem o nosso cotidiano. 

Os infratores até chegam ao cúmulo de se fazerem de vítimas de se acharem nos seus direitos.

Um exemplo: há algum tempo, já tem mais de um ano,  escutei  seguidamente um canto de passarinho que vinha da minha calçada. Sei que não é normal isso, sobretudo onde tem sempre gente circulando. Saí para ver e constatei a minha desconfiança: o vizinho se achou no direito de pendurar a gaiola no meu canteiro, no galho de resedá. 

Imediatamente eu pedi que a retirasse. “Eu não admito isso. Vai fazer o que você quiser no seu espaço”.

Nesta semana que passou, depois de muito tempo, novamente a coisa se repetiu. De novo eu chamei o fulano e pedi que retirasse a gaiola. Agora, preste atenção à sua fala: “Ó, me desculpe, eu não sabia que estava atrapalhando”.

É lógico que está! Está porque sou eu quem cuida  e quem paga pelo espaço da calçada. Está porque foi reincidência; já sabia que eu não compactuo com pássaros engaiolados. Está porque nem sequer imaginou que precisava solicitar o uso de espaço que não é dele. Na verdade, as árvores que mantenho na calçada, são símbolos de resistência após tantos passantes que as maltratam no cotidiano.

São essas “pequenas corrupções” que me causam maior insatisfação moral. Então está certo o Walcyr Carrasco ao dizer que “a corrupção maior é apenas a expressão de um tipo de vida que achamos até normal”.

Twitter

Nenhum comentário:

 
Free counter and web stats