quinta-feira, fevereiro 05, 2015

Opinião

'Isso não está provado'

O ESTADO DE S.PAULO
Entrevista recente de José Sérgio Gabrielli ao jornal Valor revela a extensão da impostura petista quando se trata de explicar o maior escândalo de corrupção da história do Brasil. A versão apresentada pelo ex-presidente da Petrobrás para comentar a hemorragia de dinheiro público dos cofres da estatal é tão cândida quanto estupefaciente. Para Gabrielli, a corrupção na Petrobrás não tem a dimensão que se lhe atribui - logo, o escândalo serve somente àqueles que têm interesse em enfraquecer a Petrobrás.

Se há alguém que sabe, ou deveria saber, exatamente o que aconteceu na última década nos porões da Petrobrás, que já foi um orgulho nacional e que hoje frequenta as páginas policiais e os relatórios depreciativos das agências de classificação de risco, esse alguém é Gabrielli. Petista histórico, ele chegou à estatal no mesmo ano em que o PT assumiu o poder, em 2003, instante em que se deflagrou o formidável aparelhamento da máquina pública que, agora se sabe, ensejou imperdível oportunidade para a rapinagem em escala nunca vista.

Sem experiência no setor de petróleo, Gabrielli ganhou de seus padrinhos políticos, logo de cara, a função de diretor financeiro. Dois anos depois, já era presidente da estatal, cargo do qual saiu somente em 2012. Portanto, Gabrielli tem todo o interesse em fazer pouco do escândalo, ainda mais porque a Justiça começa a rondá-lo perigosamente - ele acaba de ter o sigilo fiscal e bancário quebrado em um caso de superfaturamento de uma obra da Petrobrás no Rio. O problema é que sua versão é um insulto à inteligência alheia - e prova que a especialidade do cacicado petista é a transformação da história em empulhação.

"Isso não está provado", disse Gabrielli, por exemplo, ao comentar na entrevista a acusação de que empreiteiras pagaram comissão de 3% a diretores da Petrobrás ligados ao PT, ao PP e ao PMDB. Para ele, a alegada dimensão da propina - que pode chegar a R$ 4 bilhões - é suficiente para classificar a denúncia como inconsistente.

Gabrielli considera que tudo não passou de uma simples "relação entre um doleiro e um fornecedor", algo que não foi detectado pelos rigorosos "procedimentos internos" da Petrobrás. Já o grande pivô do escândalo, o ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa, atuou "fora da Petrobrás", razão pela qual, disse Gabrielli, "não tem como descobrir". E o petista ainda se mostrou indignado - chamou Costa de "dissimulado, uma pessoa extremamente fria", porque "fazia isso e ninguém sabia".

Quando confrontado com o fato de que um mero gerente, Pedro Barusco, admitiu ter recebido cerca de US$ 100 milhões em propinas, Gabrielli teve o desplante de dizer que se trata de um valor "pequeno" perto do volume de transações da Petrobrás.

Em seguida, disse que Barusco e Costa eram apenas dois corruptos "em uma empresa que tem 3 mil gerentes de primeira linha". É claro que não se pode atribuir o comportamento imoral da quadrilha que se instalou na Petrobrás a todo o quadro de gerentes, mas o que Gabrielli está tentando fazer é minimizar os valores envolvidos e vincular todo o escândalo a um punhado de indivíduos que teriam agido por conta própria - isentando tanto os funcionários quanto, principalmente, a direção da empresa.

Gabrielli sugere, portanto, que a dimensão do caso é exagerada e que é graças a isso que a capacidade de investimento da Petrobrás está agora seriamente ameaçada, inclusive na exploração do pré-sal - que, na narrativa petista, é cobiçado por petroleiras estrangeiras. Na fantástica versão de Gabrielli, a depauperação da Petrobrás não resultou da política suicida de preços nem dos gastos bilionários em refinarias que não saíram do papel ou que não valiam o investimento, como a de Pasadena. Tudo parece se resumir a uma conspiração da oposição para "dizer que a Petrobrás é uma empresa corrupta".

O esforço retórico de Gabrielli mostra que a Petrobrás que ele e seus companheiros se esforçam em defender não é a empresa que está a serviço do País, mas sim aquela que durante anos serviu aos interesses do PT e de seus associados.

Original aqui

Twitter

Nenhum comentário:

 
Free counter and web stats