sábado, abril 18, 2009

Justiça americana

Fama a qualquer custo

Sidney Borges
A vida imita a arte, os mafiosos começaram a se comportar do jeito que a gente viu no cinema em "O poderoso chefão" depois do filme. Mario Puzzo usou a imaginação e a realidade se encarregou de copiar a ficção.

Parece que as séries de TV inspiraram os promotores de Justiça de Miami. Os maganos saíram em busca de um peixe gordo para ganhar alguns minutos de fama em rede nacional.

Hélio Castroneves foi o escolhido. Preso, humilhado, algemado nas mãos e nos pés, acabou submetido à execração pública por meses. No final foi absolvido por unanimidade, o que quer dizer que as acusações eram inconsistentes e os acusadores não tinham provas.

Hélio Castroneves é um homem público que depende da imagem para ganhar a vida. Sua reputação foi arranhada por alguns "pernas de pau" do Direito. Como ele é piloto é melhor dizer: por alguns "braços duros".

Conheço um cidadão que teve mais de 15 processos movidos contra ele pelo mesmo advogado. Ganhou todos. Para mim esse advogado é um autêntico perna de pau, além de ter o braço duro.

Coisa de louco...

Igreja Jedi vira moda entre policiais escoceses

Dez pessoas confessaram seguir esta seita criada a partir da saga cinematográfica de 'Guerra nas Estrelas'

Efe
LONDRES - O culto à religião Jedi virou moda na Strathclyde Police, o mais importante corpo policial da Escócia, no qual dez pessoas confessaram seguir esta seita criada a partir da saga cinematográfica de
Guerra nas Estrelas.

Segundo informou nesta sexta-feira, 17, a emissora pública de TV BBC, oito policiais e dois funcionários da Strathclyde confessaram ser devotos da "fé Jedi" ao responderem suas crenças religiosas em um formulário.

Apesar de ser um número ainda pequeno em meio a 8.200 agentes e 2.800 funcionários, já é um marco, já que é a primeira vez em que a Polícia local permite seguidores deste culto.

Calcula-se que na Inglaterra, Escócia e País de Gales haja cerca de 400 mil seguidores desta fé, que se inspira em religiões como o budismo, o taoísmo, o xintoísmo, além de crenças de origem celta.

A Igreja Jedi nasceu no ano passado pelas mãos de dois irmãos ingleses, Barney e Daniel Jones, e dá sermões sobre "A Força", o sabre de luz, e as técnicas de meditação de um bom cavalheiro jedi.

A Força é, no universo da ficção de George Lucas, a energia gerada por todas as coisas que habitam o cosmos, que pode ser controlada pelos jedis e os siths, respectivamente o lado iluminado e o lado escuro da Força.

Enquanto os primeiros defendem os ideais do bem e a justiça e vivem em harmonia com o mundo que lhes rodeia, o lado escuro se alinha ao mal e ao ódio.

No entanto, e apesar dos esforços de seus seguidores, A Força, a Ordem Jedi e os ideais defendidos por esta religião não foram, até o momento, reconhecidos oficialmente.

Leia mais

Nota do Editor - Anote aí, não demora muito e veremos a placa anunciando o primeiro templo Jedi de Ubatuba. Para os cem clientes iniciais o terreno estelar terá preço de ocasião e o dízimo será meramente simbólico, o mais barato do mercado. Dizem que os jedis são craques em tirar espíritos siths, que se apossam do indivíduo e o introduzem no mundo do vício, trazendo desgraça e deixando o Bolsa-família escapar. É a última fase da degradação pois a mulher os filhos e o cachorro partiram há muito tempo. (Sidney Borges)

Ponto de vista

Estamos com fome de amor

Arnaldo Jabor (original aqui)
Uma vez Renato Russo disse com uma sabedoria ímpar: "Digam o que disserem, o mal do século é a solidão". Pretensiosamente digo que assino embaixo sem dúvida alguma. Parem pra notar, os sinais estão batendo em nossa cara todos os dias.

Baladas recheadas de garotas lindas, com roupas cada vez mais micros e transparentes, danças e poses em closes ginecológicos, chegam sozinhas. E saem sozinhas. Empresários, advogados, engenheiros que estudaram, trabalharam, alcançaram sucesso profissional e, sozinhos.

Tem mulher contratando homem para dançar com elas em bailes, os novíssimos "personal dance", incrível. E não é só sexo não, se fosse, era resolvido fácil, alguém duvida?

Estamos é com carência de passear de mãos dadas, dar e receber carinho sem necessariamente ter que depois mostrar performances dignas de um atleta olímpico, fazer um jantar pra quem você gosta e depois saber que vão "apenas" dormir abraçados, sabe, essas coisas simples que perdemos nessa marcha de uma evolução cega.

Pode fazer tudo, desde que não interrompa a carreira, a produção. Tornamos-nos máquinas e agora estamos desesperados por não saber como voltar a "sentir", só isso, algo tão simples que a cada dia fica tão distante de nós.

Quem duvida do que estou dizendo, dá uma olhada no site de relacionamentos Orkut, o número que comunidades como: "Quero um amor pra vida toda!", "Eu sou pra casar!" até a desesperançada "Nasci pra ser sozinho!".

Unindo milhares, ou melhor, milhões de solitários em meio a uma multidão de rostos cada vez mais estranhos, plásticos, quase etéreos e inacessíveis.

Vivemos cada vez mais tempo, retardamos o envelhecimento e estamos a cada dia mais belos e mais sozinhos. Sei que estou parecendo o solteirão infeliz, mas pelo contrário, pra chegar a escrever essas bobagens (mais que verdadeiras) é preciso encarar os fantasmas de frente e aceitar essa verdade de cara limpa. Todo mundo quer ter alguém ao seu lado, mas hoje em dia é feio, démodé, brega.

Alô gente! Felicidade, amor, todas essas emoções nos fazem parecer ridículos, abobalhados, e daí? Seja ridículo, não seja frustrado, "pague mico", saia gritando e falando bobagens, você vai descobrir mais cedo ou mais tarde que o tempo pra ser feliz é curto, e cada instante que vai embora não volta.

Mais (estou muito brega!), aquela pessoa que passou hoje por você na rua, talvez nunca mais volte a vê-la, quem sabe ali estivesse a oportunidade de um sorriso a dois.

Quem disse que ser adulto é ser ranzinza? Um ditado tibetano diz que se um problema é grande demais, não pense nele e se ele é pequeno demais, pra quê pensar nele. Dá pra ser um homem de negócios e tomar iogurte com o dedo ou uma advogada de sucesso que adora rir de si mesma por ser estabanada; o que realmente não dá é continuarmos achando que viver é out, que o vento não pode desmanchar o nosso cabelo ou que eu não posso me aventurar a dizer pra alguém: "vamos ter bons e maus momentos e uma hora ou outra, um dos dois ou quem sabe os dois, vão querer pular fora, mas se eu não pedir que fique comigo, tenho certeza de que vou me arrepender pelo resto da vida".

Antes idiota que infeliz!

Salários

Informe publicitário
Pouco a comemorar

Sindtapu

Noite nervosa, na Câmara Municipal de Ubatuba, dia 14-04-09. Auditório lotado por funcionários e cidadãos. Sindicato e funcionários, apreensivos com a administração e suas atitudes de possível desrespeito aos mais elementares direitos dos funcionários e às leis, por eles mesmos elaboradas e sancionadas, recorreram aos Senhores Vereadores para tentar algum tipo de acordo, aprovar com emendas o projeto de lei que concede o reajuste dos vencimentos e rejeitar as alterações, ao Estatuto, constantes da pauta da sessão.

As negociações com sete, dos dez vereadores, foram produtivas e acordos prévios à sessão sacramentados. Já em plenário, os Senhores Vereadores, honraram, com seus votos e com seus discursos, o que tinha sido acordado.

Até o minuto final, a administração procurou impor sua vontade, destacando para falar da Tribuna Livre o secretário de Assuntos Jurídicos, Dr. Marcelo Santos Mourão que, através de uma postura fria citou possíveis vetos, medidas jurídicas, ações de inconstitucionalidade, etc. Seu discurso mereceu a contestação veemente de seis vereadores e o repúdio, com vaias, apupos e gritos, do plenário lotado.

Ato seguido, ocupou a Tribuna Livre, a Sra. Presidente do Sindicato, Profª Elisabeth T. L. Isnard Santos. Com simpatia, inteligência e respeito expôs a precária situação econômica vivida pelo funcionalismo municipal, rebateu os argumentos do emissário do Sr. Prefeito e disse: “O funcionalismo não pode sofrer as conseqüências da incompetência administrativa da Prefeitura para arrecadar recursos”. Deixando para os Senhores Vereadores a decisão final foi saudada com demorada salva de palmas.

Procedendo às votações o projeto que tratava do reajuste de 5% (cinco por cento) foi aprovado por unanimidade dos dez vereadores, retroativo a fevereiro/09 e com emenda concedendo mais 3% (três por cento) a partir de julho/09.

As alterações do Estatuto (Lei 2.995/ 07) foram rejeitadas com um voto contrário.

A pobreza e insignificância do reajuste, (5% cinco por cento), não permitem comemorações. A defasagem salarial dos Funcionários Públicos Municipais de Ubatuba, em relação aos aumentos do IPTU e da Taxa de Lixo, supera os 50% (cinqüenta por cento). O piso salarial, da Prefeitura de Ubatuba, está próximo do salário mínimo federal e inferior ao estadual. É uma triste realidade que não permite alegrias ou festas.

Contrastando com a miséria concedida ao funcionalismo em geral, a Prefeitura de Ubatuba concedeu, aos agentes políticos (Prefeito, Vice-Prefeito, Secretários e Assessores), a partir de primeiro de janeiro de 2009, aumento superior a 50% (cinqüenta por cento). A eles podemos acrescentar gratificações e serviços extraordinários. A administração de recursos humanos está caótica, necessitando urgentemente de mudanças que prestigiem a qualidade mínima no serviço público, assim como as prioridades existentes no município.

Contudo, Sindicato e funcionários não podem ainda comemorar no que diz respeito ao reajuste dos vencimentos e ao tratamento recebido por parte da administração e equipe, devido à falta de diálogo - exceção feita ao vice-prefeito Sr. Rui Teixeira Leite, que se mostrou aberto e interessado nas conversas iniciadas, entendendo a busca deste sindicato por uma relação respeitosa e até possíveis parcerias, por ser este é o caminho mais saudável e civilizado na construção de qualquer negociação.

Já, com relação à Câmara recebemos com grande satisfação e esperança de dias melhores a abertura para o diálogo sério, adulto e democrático. Os Senhores Vereadores colocaram seus gabinetes a disposição do Sindicato e dos funcionários e sugeriram “Comissão Plural” composta por representantes do Legislativo, Executivo, Sindicato e Funcionários para analisar a problemática funcional, criar plano de carreira e organizar concursos para o provimento de cargos efetivos.

Esperamos que as atitudes da Câmara sejam secundadas pelo Sr. Prefeito e Equipe, e o diálogo democrático, aberto, sério, honesto e adulto passe a ser realidade. Insistentemente temos procurado isso e permanecemos a sua espera.

Agradecemos todos que colaboraram para costurar acordos, realizar negociações e ouvir as partes, em ambiente democrático, respeitoso e construtivo.

Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública de Ubatuba
sindtapu@terra.com.br

Opinião

A Petrobrás como motor da indústria

Editorial do Estadão
A decisão do governo de excluir a Petrobrás do compromisso de contribuir para o superávit primário tem a vantagem de permitir que a empresa defina mais desembaraçadamente o seu programa de investimentos. O governo considera agora que a empresa, que tem o maior programa de investimentos do País, deve dar prioridade a encomendas à indústria nacional e, deste modo, ajudar na luta contra a recessão.

De fato, trata-se da empresa nacional que deve apresentar o maior lucro, em razão da queda nos preços do petróleo, e cujas necessidades de investimentos são de dimensões muito superiores às de qualquer outra empresa brasileira.

Essa política não deve ser confundida com a de substituição das importações, que, como mostraram várias tentativas, malogrou e permitiu à indústria brasileira impor preços muito acima dos observados no mercado internacional. O objetivo agora é animar investidores estrangeiros a se implantarem no Brasil, trazendo aporte tecnológico, know-how e capitais, atraídos pelo vulto das encomendas da Petrobrás por diversos anos.

A indústria nacional, estimulada também por essa perspectiva, poderá ela mesma adquirir tecnologia no exterior ou realizar joint ventures, oferecendo preços competitivos. O papel da Petrobrás, nesse caso, seria oferecer ou avalizar financiamentos que uma empresa privada teria mais dificuldades para conseguir, enquanto a estatal, dado o seu patrimônio presente e futuro, teria portas abertas.

Segundo a Petrobrás, a indústria nacional já oferece 65% do conteúdo de equipamentos de que ela necessita. A experiência recente comprovou, todavia, que os preços nem sempre são competitivos. Levando em conta que a Petrobrás é uma sociedade de capital aberto e que em muitos campos tem sócios, não pode aceitar pagar equipamentos a um preço muito superior ao do mercado internacional, especialmente para extrair um petróleo cujo custo já será elevado.

Se levarmos em conta que a Petrobrás prevê investimentos da ordem de US$ 93 bilhões até 2013, parece que não será difícil formar joint ventures para oferecer, a um preço competitivo, equipamentos de última geração num momento em que a crise reduziu muito a produção na indústria mundial.
Leia mais

Manchetes do dia

Sábado, 18 / 04 / 2009

Folha de São Paulo
"Lago resiste a entregar cargo a Roseana"

Governadora toma posse no Maranhão; cassado, ex-governador diz que só deixa palácio ‘arrastado’ e apela ao STF

Roseana Sarney (PMDB), 55, tomou posse como governadora do Maranhão enquanto Jackson Lago (PDT), 74, dizia que só sairia “arrastado” do palácio do governo. A cassação de Lago, acusado de abuso de poder político, foi confirmada anteontem pelo Tribunal Superior Eleitoral. Roseana assumiu por ter ficado em segundo no pleito de 2006. Ontem, o Supremo julgou e negou recurso de Lago pedindo suspensão da sentença do TSE, que ele chamou de “golpe”. O ex-governador manteve a decisão de não sair do palácio, mas deve discuti-la com aliados. Sua defesa entrou com novo recurso no Supremo na noite de ontem. Roseana disse ter apoio do Planalto e elogiou a “isenção” da Justiça, que a recoloca na função para a qual já fora eleita em 1994 e 1998. Segundo seu vice, João Alberto Souza, o governo não cogita mandar tropas para forçar a saída de Lago: “Ele quer ser a vítima. Não faremos sua vontade”.

O Globo
"Governo reduz IPI e preços de eletrodomésticos caem"

Medida vale por três meses para geladeira, fogão e máquina de lavar

Em nova medida para amenizar os efeitos da crise, o governo anunciou o corte do Imposto sobre Produtos Industrializados para geladeira, fogão e máquina de lavar. Com isso, os preços dos eletrodomésticos vão cair até 15% nas lojas, já a partir de hoje. No caso das geladeiras, o IPI passou de 15% para 5% e, nos fogões, de 5% para zero. O corte do imposto não está condicionado à manutenção dos empregos, mas o ministro Mantega disse que comércio e indústria se esforçarão para não demitir. O governo também ampliou a isenção de IPI para itens da construção, como ladrilhos e telhas. Desde o fim de 2008, quando a crise se agravou, o governo fez dez cortes de tributos, abrindo mão de R$ 12 bilhões.

O Estado de São Paulo
"Obama pede ‘novo começo’ nas relações com Cuba"

Em mais um gesto de aproximação, presidente fala em contato direto

O presidente Barack Obama afirmou que os EUA querem “um novo começo” em relação a Cuba. Obama fez a declaração ao chegar a Trinidad e Tobago, para participar da Cúpula das Américas. “Precisamos superar décadas de desconfiança. Gostaríamos de falar com os líderes cubanos sobre direitos humanos, reforma democrática e questões econômicas”, disse Obama. Havana e Washington vêm trocando gestos de aproximação. A Casa Branca se disse “impressionada” com a declaração do presidente cubano, Raúl Castro, que se dispôs a discutir “tudo” com os EUA. Mas afirmou esperar atos concretos, como a soltura de presos políticos. Apesar dos progressos, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ameaça boicotar a declaração da cúpula por causa de Cuba.

Jornal do Brasil
"Governo derruba imposto de eletros"
Em nova medida para estimular as vendas e aquecer a economia brasileira em plena crise internacional, o governo anunciou a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para a chamada linha branca: geladeiras, fogões, máquinas de lavar e tanquinhos. É um setor que, segundo sindicatos, demitiu 2 mil trabalhadores entre outubro e fevereiro. As mudanças, que significam uma renúncia fiscal de R$ 261 milhões, valerão por três meses. O presidente Lula pediu mais celeridade na concessão de crédito pelos bancos federais.

Clique sobre a imagem e saiba mais

sexta-feira, abril 17, 2009

Merenda escolar

MP ameaça processar gestão Kassab por improbidade

AE - Agencia Estado
SÃO PAULO - O Ministério Público Estadual (MPE) ameaça processar por improbidade administrativa o gestor público municipal que assinar novos contratos para o fornecimento de merenda para a rede escolar da capital paulista. O promotor Silvio Antonio Marques, da Promotoria de Justiça da Cidadania, disse ontem estar convencido de que a terceirização do serviço é prejudicial aos cofres municipais e à saúde dos alunos. Marques também quer saber do prefeito Gilberto Kassab (DEM) se os contratos com as empresas investigadas sob suspeita de fraude em licitações, formação de cartel e corrupção serão ou não rescindidos.


O prazo de 45 dias estipulado pelo MPE venceu na semana passada. O pedido para que a Prefeitura reassumisse a preparação da merenda foi feito em fevereiro, após denúncias de que as prestadoras de serviços teriam montado um esquema fraudulento para vencer as licitações. Também foram constatadas diversas irregularidades. Num dos casos levados ao conhecimento dos promotores, uma única salsicha era dividida entre três alunos. "Esse modelo de terceirização é equivocado e causou superfaturamento de preço e pagamento de propina para funcionários públicos", afirmou Marques.
Leia mais

Tá limpo!

Castroneves é absolvido em julgamento de sonegação fiscal

Brasileiro deve voltar logo às pistas da F-Indy, mas ele e a irmã Katiucia ainda responderão por conspiração

AE-AP - Agência Estado
MIAMI - O piloto brasileiro Hélio Castroneves foi absolvido de seis das sete acusações a que respondia na Justiça norte-americana. Nesta sexta-feira, em Miami, ele foi considerado inocente nos casos de sonegação fiscal - o júri ainda não se pronunciou sobre a acusação de conspiração fraudulenta, a que Helinho também responde.


"Eu só quero agradecer a Deus, e aos meus fãs, e a todas as pessoas que rezaram por mim", disse o piloto, que segurava um rosário nas mãos na saída do tribunal. "Foi um período muito difícil para mim", emendou. Com a absolvição, ele já deve pensar no retorno às pistas, que deve acontecer nas 500 milhas de Indianápolis, em 25 de maio, quando a equipe Penske colocaria três carros na pista.
Leia mais

Ubatuba em foco

Regras do jogo

Sidney Borges
Ron Dennis durante muitos anos foi o "todo poderoso" da McLaren e fez o que quis na maior categoria do automobilismo, deitou e rolou, nem sempre respeitando as regras do jogo.

Antipático, arrogante, e por que não dizer, desonesto, enquanto esteve à testa da equipe inglesa, conseguiu vitórias nas pistas e colecionou um milhão de inimigos fora delas.

Em certa época a FIA permitia dois jogos de pneus por treino. Para garantir que as equipes não burlassem a norma um carimbo especial era aplicado.

Enquanto um jogo rodava na pista, no box da McLaren artistas gráficos copiavam o carimbo e aplicavam em quantos pneus fosse necessário. Vencer ou vencer, esse era o lema, valia tudo.

Foi assim até a casa cair. A mentirosa tentativa de enganar os fiscais no GP da Malásia acabou descoberta. No dia 29 a FIA vai deliberar sobre a punição cabível, que pode ser o banimento da McLaren do campeonato atual.

Isso em teoria, pois um acordão de cavalheiros foi feito. Ron Dennis sai definitivamente da Fórmula 1 e a equipe pega apenas alguns GPs de suspensão. A esperteza acabou custando a cabeça do espertalhão.

Em Ubatuba está rolando uma situação de ânimos esquentados envolvendo um poderoso local, não tão astucioso ou inteligente quanto Ron Dennis, mas igualmente capaz de qualquer coisa para que seu ponto de vista prevaleça.

Vamos ver o que vai resultar do acordão de cavalheiros inevitável, se é que os envolvidos fazem juz a tal tratamento. Nosso espertalhão vai ou fica?

Ciência

Geleira antártica abriga ecossistema "alienígena"

da Folha de S.Paulo
Cientistas dos Estados Unidos e do Reino Unido descobriram na Antártida um ecossistema isolado num lugar onde até então achava-se que nada pudesse viver: um lago de água supersalgada encerrado sob 400 metros de gelo num dos piores desertos do mundo.

Ali, debaixo da geleira Taylor, uma estranha comunidade de bactérias evolui em total isolamento e sem nenhum oxigênio há pelo menos 1,5 milhão de anos. A dieta desses microrganismos consiste unicamente de compostos de ferro e enxofre.

Leia mais

Nota do Editor - A evolução fará com que as bactérias que comem ferro um dia se tornem homens. Homens de ferro, não confundir com homens de aço de coração puro. Esses são os nossos políticos, tudo gente fina. (Sidney Borges)

Coluna da Sexta-feira

Caixa preta

Celso de Almeida Jr.
Hoje, bato um papo com os empresários.

Caso você não seja, querido leitor, só deixo seguir adiante se me prometer que vai ponderar sobre o assunto neste feriado de Tiradentes. Afinal, o que escrevo tem tudo a ver com libertação.

Então, vamos lá...

Sem chororô, creio que administrar uma empresa em Ubatuba deveria ser pré-requisito para a conversão em monge tibetano.

Quanta paciência, né, amigo?

Tudo bem, a cidade é linda, o potencial é enorme, mas convenhamos: entra ano, sai ano e o roteiro é o mesmo.

Temos os meses de fartura e os meses de aperto.

Nunca descuide dessa regra.

Seguindo essa cartilha, você sobrevive e ainda sobra algum no bolso.

Caso contrário continue comprando bilhete de loteria.

Não é preciso ter calculadora. Nem um supercomputador.

Basta um lápis - daqueles de grafite bom - e um papel. Pode ser de embrulhar pão.

Você relaciona as contas, os compromissos, credores, devedores e dá os passos para sobreviver.

Claro que deve estudar e se capacitar sempre, mas, para quem gosta de números, tudo fica mais fácil. Para quem não gosta, não é o fim do mundo.

Procure alguém confiável que faça isso por você.

Isso funciona direitinho na iniciativa privada.

O proprietário sabe quanto tem e quanto pode, ou não, gastar.

E no serviço público, onde os donos somos nós?

Não dá para controlar com papel de pão, afinal, o cuidado com o trato do dinheiro precisa ser multiplicado por 90 mil, número aproximado de habitantes do município, os legítimos titulares desse capital.

Em plena era da tecnologia da informação, eu, você, a vovó, o sobrinho curioso, todos deveriam acessar a internet e saber o quanto a prefeitura tem em caixa, onde o dinheiro está sendo aplicado, porque haverá aumento salarial num determinado patamar, enfim, números confiáveis, claros, transparentes, que justifiquem, de forma lógica e didática, as atitudes do executivo municipal.

Então, responda rápido:

Temos tecnologia para isso?

Temos vontade política para que isso aconteça?

Temos boas intenções?

Podemos confiar nos nossos dirigentes, cegamente?

Devemos confiar nos nossos dirigentes, cegamente?

Nossos dirigentes são infalíveis?

Temos segurança nos números que dispomos para o planejamento?

São questões simples que mereceriam respostas verdadeiras, tirando a nebulosidade que tanto ofusca a nossa visão cidadã.

Opinião

Na contramão da História

Washington Novaes
Está claramente configurado no Brasil um confronto que pode não apenas ser muito prejudicial neste momento, como inviabilizar a prazo maior o que poderia ser uma estratégia adequada para o País. Por um dos ângulos, o conflito se evidencia no embate entre ruralistas (principalmente suas bancadas no Congresso e sua representação no Executivo) e ONGs que se opõem à modificação da legislação sobre reservas de vegetação em cada propriedade, assim como nas leis que protegem as áreas de preservação permanente (APPs). Por um segundo ângulo, entre defensores de uma matriz energética que vai privilegiando usinas termoelétricas e nucleares e os que propõem uma matriz "limpa" e renovável, com ênfase em energias "alternativas", além de programas de conservação e eficiência. Um terceiro ângulo opõe defensores de projetos de desenvolvimento econômico acelerado - do qual o PAC seria um emblema, mas englobando a construção/asfaltamento de rodovias na Amazônia, a transposição de águas do Rio São Francisco, entre outros - aos propositores de um desenvolvimento mais sustentável, que não comprometa nem esgote recursos e serviços naturais. Os que se alinham em defesa desta última posição costumam lembrar entrevista a este jornal (2/1) em que o ex-secretário-geral do Ministério do Meio Ambiente na gestão Marina Silva, João Paulo Capobianco, afirmou que "o governo Lula não tem visão ambiental estratégica".


O embate está todos os dias nos jornais, com o atual ministro do Meio Ambiente ora de um lado, ora de outro. Como no episódio em que afirmou (Agência Brasil, 9/2) que os cortes que têm sido feitos no orçamento de sua pasta "podem afetar o combate ao desmatamento e o licenciamento de obras do PAC". Ou se situando do outro lado, ao apoiar a medida provisória que dá 30 anos para 140 mil produtores rurais recuperarem áreas desmatadas ou degradadas, inclusive comprando outras terras fora de suas propriedades (Estado, 2/4). Uma situação delicada principalmente na Amazônia, onde, segundo o Imazon, os imóveis com cadastro validado pelo Incra são apenas 4% da área total do bioma e as propriedades privadas sem cadastro que as valide compõem 32% da área - as terras supostamente públicas simplesmente não são reguladas. Mas as propostas de alteração do Código Florestal, apoiadas pelo ministro da Agricultura e pelas bancadas ruralistas, são de que a reserva legal em áreas de floresta primária na Amazônia baixe de 80% para 50%; defendem que as áreas às margens dos rios sejam consideradas parte da reserva legal; que seja permitido o uso pela agricultura de várzeas, topos de morros e encostas já desmatadas; que seja permitida recomposição de reservas obrigatórias com a compra de áreas em outras propriedades.

E não bastassem os conflitos amazônicos, a Assembleia Legislativa de Santa Catarina aprovou uma redução de 30 metros para 5 metros nas áreas das margens de rios que não podem ser ocupadas, desmatadas ou degradadas - esquecendo-se da contribuição decisiva dessa ocupação irregular das antigas planícies naturais de inundação para os recentes desastres ambientais naquele Estado. Para completar, o governo federal (inclusive o Ministério do Meio Ambiente) vem aí com um plano para o Vale do Araguaia, que privilegie a famigerada (e absurda, por várias razões) hidrovia, a implantação de grandes hidrelétricas em lugares inadequados e um desenvolvimento intensivo da agropecuária em região com outras vocações.

A radicalização ruralista não parece bem pensada, no momento em que mudanças climáticas e consumo de recursos naturais além da capacidade de reposição do planeta constituem os dramas centrais do nosso tempo, que "ameaçam a sobrevivência da espécie humana", nas palavras do ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan - como tem sido citado aqui. A agricultura brasileira já sofre com os dois problemas. Na área do clima, elevação de temperaturas, secas e inundações, principalmente, já afetam gravemente a produção e poderão prejudicar mais, segundo os diagnósticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Também o consumo de recursos aqui já está acima da média mundial disponível por habitante, segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. E a pressão excessiva pode levar à desertificação, a crises mais acentuadas nos recursos hídricos e ao esgotamento de certos recursos.
Leia mais

Manchetes do dia

Sexta-feira, 17 / 04 / 2009

Folha de São Paulo
"Lula confirma que poupança mudará, mas não diz como"

Governo estuda implantar faixas diferenciadas de rendimento ou cobrar IR dos grandes poupadores

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou que o governo mudará o cálculo da poupança, o que poderá reduzir os rendimentos dos poupadores, mas não disse como. "Daqui a pouco, as grandes multinacionais vão querer colocar o dinheiro na poupança. Vamos discutir tudo com muita cautela. Precisamos proteger o pequeno poupador", afirmou.

O governo estuda a mudança em razão da queda nos juros. Se a taxa fixada pelo Banco Central cair para menos de 9% ao ano, a poupança pode render mais que os fundos de investimentos.

O Globo
"Arrecadação do governo já é a menor em seis anos"

Apesar disso, Fazenda anuncia ajuda à agricultura e prepara socorro a estados

A crise econômica mundial derrubou a arrecadação de impostos do governo, no primeiro trimestre, para o menor nível desde 2003. Até março, o recolhimento de tributos somou R$ 159,8 bilhões, uma queda real (descontada a inflação) de 6,6% em relação a 2008. Apesar disso, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou ontem que o Conselho Monetário Nacional aprovou um pacote emergencial de R$ 12,6 bilhões para o agronegócio. O governo também prepara novas medidas para ajudar os estados: a antecipação de parcelas do Fundeb e uma linha de financiamento junto a bancos oficiais que pode chegar a R$ 4 bilhões.

O Estado de São Paulo
"Congresso oficializa 'farra das passagens'"

Verba sofre corte de 20%, mas deputado não precisa prestar contas

Em meio à série de suspeitas de irregularidades cometidas por deputados e senadores, a cúpula do Congresso baixou ontem normas que oficializam a utilização de passagens aéreas por qualquer pessoa indicada pelos parlamentares. Embora mostradas como moralizadoras, as medidas favorecem a continuidade das viagens a Passeio, no País ou no exterior. As novas regras permitem ao parlamentar, ainda, acumular créditos para usar em viagens para onde e quando quiser. No Senado, o ato da Mesa permite que os senadores distribuam as passagens aéreas para seus cônjuges, dependentes como filhos, ou pessoas por eles indicadas. Na Câmara, os privilégios são semelhantes e incluem viagens de assessores. Para reduzir o efeito negativo da oficialização da farra com os bilhetes, a Câmara anunciou corte de 20% nos valores a que cada parlamentar tem direito.

Valor Econômico
"Petrobras vai ter papel ativo na política industrial"
Nenhuma outra pessoa no Brasil e poucas no mundo em crise têm nas mãos um orçamento de investimentos tão grande quanto o do geólogo Guilherme Estrella, diretor de exploração e produção da Petrobras. Até 2013, a estatal vai investir US$ 92 bilhões. E Estrella tem uma missão especial no direcionamento desses gastos: incentivar a participação de empresas nacionais no negócio do petróleo e atrair novos fornecedores estrangeiros para o país. Com o volume enorme de produção garantido nos campos da área de Tupi, na Bacia de Santos, as encomendas vão ganhar escala. E o conteúdo nacional, hoje de 65%, terá de aumentar, disse Estrella ao Valor. "O pré-sal veio dar escala para substituirmos importações".

A Petrobras será responsável por uma parte importante da política industrial, que vai promover a entrada do empresário brasileiro no segmento. A intenção é estabelecer um índice de nacionalização crescente, caminhando para o que Estrella chama de "parcerias estratégicas" com os fornecedores de equipamentos. "Vamos combinar que se encomendarmos 200 turbinas, a vigésima primeira seja produzida 50% no Brasil e assim por diante, até que a duocentésima seja nacional", explicou o geólogo, em um exemplo hipotético.

quinta-feira, abril 16, 2009

Susto



Sempre me perguntam se aviões podem ser atingidos por raios e em caso afirmativo o que acontece. As fotos respondem por mim, nesse caso tudo não passou de um grande susto, embora os estragos tenham sido grandes. Penso que é melhor desviar de CBs, se for possível, caso contrário resta ter fé e rezar. (Sidney Borges com fotos enviadas por Tiago Rizzi)

A crise aqui, lá e acolá

O enterro de 2009

Fernando Canzian na Folha Online
DE NOVA YORK - O FMI (Fundo Monetário Internacional) enterrou de vez hoje qualquer expectativa de saída da atual recessão global ainda neste ano. Na melhor das hipóteses, acredita o Fundo, o mundo sairá do buraco apenas em meados de 2010.


Em um trabalho interessantíssimo, o FMI olhou com lupa todos os ciclos recessivos em 21 países avançados que ocorreram no mundo desde 1960. No total, houve 122 recessões, sendo apenas 15 acopladas a crises financeiras.
Mas apenas três recessões (excluindo a atual) tiveram muitos países envolvidos e sincronizados com uma crise financeira mundial, como ocorre hoje: em 1975, 1980 e 1992.

A análise do Fundo mostra que no caso das recessões "normais" (não sincronizadas entre vários países e sem crise financeira conjunta), o período de baixa dura menos de um ano. E a recuperação posterior pode se dar por um longo período, de até cinco anos.

Mais interessante é que quanto mais nos aproximamos do presente, as recessões "normais" são cada vez mais raras e curtas. Mas isso, infelizmente, não vale para a atual, sincronizada entre vários países e combinada a uma crise financeira também em escala global.

Nesse caso, como ocorreu em 1975, 1980 e 1992, a recuperação pode demandar uma vez e meia mais tempo do que nas recessões não sincronizadas.
Outra característica das três recessões anteriores parecidas com atual é que elas foram provocadas por "boom" na oferta de crédito e nos preços dos ativos (como ações e imóveis), antes de explodir.

Nesse cenário, a recuperação demora mais, pois as famílias e empresas têm de guardar dinheiro posteriormente para recuperar seus níveis de poupança.

No caso atual, a conta é salgada: estima-se que as famílias norte-americanas deviam cerca de US$ 14,3 trilhões até meados de 2007. Hoje, os papagaios seriam equivalentes a quase 150% do PIB norte-americano --ao mesmo tempo em que todos empobreceram com a queda das Bolsas e dos preços dos imóveis.


Pior: no caso da crise atual, o FMI a qualifica como "não usual, severa e duradoura". "Trata-se de uma combinação muito rara", diz Alasdair Scott, economista do FMI que apresentou o estudo ontem.

A boa notícia é que, numa comparação com a chamada "Grande Depressão" dos anos 1930, a atual "Grande Recessão" teria poucas chances de repetir aquele que foi o pior ciclo econômico do século 20.

Segundo o Fundo, a resposta também sincronizada de vários países (com cortes agressivos de juros e adoção gastos trilionários de dinheiro público) é um bom indicativo de que o mundo não entrará em depressão.

Leia mais

Hóspede



Não sei se é ela ou ele, batizei de Duda em homenagem à bela Duda Cavalcante, mas se for macho a homenagem fica transferida para Duda Mendonça, que não elegeu Maluf, não tem contas no exterior e gosta de briga de galo. Pois é, Duda escolheu morar no vaso da mesa do escritório. Vai continuar lá até decidir que é tempo de mudar para outro sítio, quem sabe para estudar, trabalhar ou constituir família, o que pode acontecer com casamento ou não. (Sidney Borges)

Praias

Assembleia Legislativa aprova projeto que combate contaminação da areia de praias

Assessoria do deputado Carlinhos Almeida
A Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou em sessão extraordinária realizada na noite desta quarta-feira, 15/04, o Projeto de Lei nº 130/2008, do 1º secretário da Casa, deputado Carlinhos Almeida, que determina a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental - CETESB realizar análise da areia de praias litorâneas, de rios e represas do Estado de São Paulo.

As análises da areia serão incluídas no Programa de Monitoramento das Praias, já realizado pela CETESB quanto à qualidade das águas. Carlinhos Almeida informa que os dados da qualidade da areia das praias obtidos a partir das análises serão divulgados em boletins e em relatórios anuais publicados na página da Internet da CETESB. A Companhia também terá que sinalizar as praias ou trechos indicando a condição da areia, a exemplo do que já faz hoje para informar se a água está própria para banho.

A inspiração para elaborar o Projeto de Lei, segundo Carlinhos, surgiu após tomar conhecimento da análise da areia das praias do Rio de Janeiro, elaborada pela Escola de Ciência Tecnológica da Universidade do Grande Rio. “A análise indicou que em muitos trechos, principalmente os mais distantes da linha d’água e próximos as calçadas, a areia estava contaminada e apresentava riscos de transmissão de doenças a quem estivesse em contato direto com ela”, acrescentou.

Com a análise da areia das praias, concomitante com a da água, os órgãos ambientais do Estado poderão limpar as áreas contaminadas em parceria com as prefeituras. “Os usuários das praias ficarão menos expostos a doença causadas por bactérias, fungos e parasitas patogênicos, causadores de irritações na pela e mucosas, micoses e infecções intestinais”, observou. Para entrar em vigor como uma nova Lei Estadual, o Projeto de Carlinhos aguarda agora a sanção do governador.

Nota do Editor - Carlinhos Almeida é um político a ser observado. Nas vezes em que o ouvi falar e na única vez em que conversamos tive a melhor das impressões. É da maior importância manter as praias limpas, não só as areias, mas também as águas. Para tanto é preciso evitar o lançamento de esgotos nos rios. Sinto estar fazendo discurso aos ventos, desde que comecei a vir a Ubatuba, há muitos anos, só vejo o problema se agravar. Sou otimista, um dia melhora, espero estar vivo para ver. Parabéns Carlinhos, boa iniciativa. (Sidney Borges)

Opinião

Liminar contra a pilantropia

Editorial do Estadão
É muito oportuna e republicana (para usar expressão da moda) a decisão liminar proferida pela juíza Isa Tânia Cantão, da 13ª Vara Federal de Brasília, suspendendo a anistia concedida a mais de 7 mil entidades filantrópicas pela Medida Provisória 446 - a MP das Filantrópicas, de novembro de 2008. Todas as entidades beneficiadas com a generalizada isenção tributária concedida por aquela MP - entre elas as que estão sob investigação e as que aguardam renovação de certificados - terão o valor das isenções obtidas durante a vigência da medida inscrito na dívida ativa do INSS e cobrado pela Receita Federal. Essa decisão atende a pedido do Ministério Público Federal que, em dezembro do ano passado, contestou a legalidade da MP por meio de ação civil pública.

Como se recorda, a polêmica MP das Filantrópicas, que muitos chamam de "MP da pilantropia", beneficiou organizações não-governamentais (ONGs) sob investigação em razão de suspeitas de irregularidades. Dois meses depois de editada a MP, a União concedeu a renovação de "certificados filantrópicos" a 4,1 mil instituições, e quase a metade delas estava sob investigação do Ministério Público, da Polícia Federal e de auditorias fiscais. A polêmica estava na aplicação do artigo 37 da MP, pelo qual os pedidos de certificação protocolados antes da edição da medida (7 de novembro), mas que ainda não haviam sido submetidos ao Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), seriam assim mesmo deferidos. Tratava-se, pois, de uma anistia concedida a entidades suspeitas e com processos ainda não concluídos.

Essa foi a MP que, no dia 19 de novembro do ano passado, o então presidente do Senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) devolveu ao Poder Executivo, porque ela não se enquadrava nos requisitos de urgência e relevância que a Constituição exige para as medidas provisórias. É claro que a formalidade constitucional era apenas um pretexto para rechaçar uma proposta gritantemente imoral - e isso a juíza de Brasília detectou bem em seu despacho liminar: "A rejeição da MP, sob o argumento de ausência de requisitos fixados na Constituição, não disfarça a repulsa a um ato que se configura lesivo aos cofres públicos, o que o torna ainda mais censurável por ocorrer neste momento, em que milhares de brasileiros são penalizados com o desemprego e a desesperança." E a magistrada critica o governo que deu um "cheque em branco" às entidades, ao autorizar, com a MP, a renovação dos certificados sem a devida avaliação do CNAS.

As ONGs têm proliferado nos últimos anos, na mesma proporção em que boa parte delas se mostra de alguma forma atrelada aos governos, deles recebendo subsídios e isenções. E, se algumas se dispõem a fiscalizar e controlar atos da gestão pública, como uma forma de participação dos cidadãos na condução da coisa pública, não se dá a recíproca - vale dizer, não são elas, que recebem dinheiro público, fiscalizadas, nem mesmo com o mínimo de rigor que exigiria sua inserção no espaço da coisa pública. Recebem benesses e generosas verbas do poder público - e já foram tantas as denúncias de irregularidades contra ONGs que no ano passado se instalou no Congresso uma CPI para investigá-las.
Leia mais

Manchetes do dia

Quinta-feira, 16 / 04 / 2009

Folha de São Paulo
"Governo terá R$ 23,2 bi a mais para gasto neste ano"

Meta do superávit cai para 2,5% do PIB; mínimo deve ir a R$ 506 em 2010

Ante a queda repentina da arrecadação, devido à crise econômica, o governo anunciou que reduzirá a meta de superávit fiscal deste ano de 3,8% para 2,5% do PIB. Com as brechas existentes na lei, a meta pode cair a até 1,5%.

Superávit fiscal é a economia que União, estatais, Estados e municípios fazem para abater a dívida pública. Com a nova meta, o aperto será o menor em dez anos.

A medida abrirá uma folga de ao menos R$ 23,2 bilhões no Orçamento -equivalente a metade do gasto federal anual com educação -, que pode ser usada em novas despesas, benefícios tributários ou para absorver queda não prevista na receita.

O Globo
"Governo reduz a economia com juros para gastar mais"

Superávit cai de 3,8% para 2,5% do PIB, mesmo com despesas em alta

Diante da queda na arrecadação causada pela crise e do aumento das despesas, o governo anunciou forte redução da economia para pagar juros da dívida este ano. A meta do superávit fiscal caiu de 3,8% para 2,5% do PIB,o que libera R$ 40,25 bilhões para gastos de custeio e investimentos de União, estados, municípios e Petrobras. Só a estatal, principal investidora do PAC, terá R$ 15 bilhões a mais para os projetos. Já o governo federal está liberado para gastar mais R$ 23,2 bilhões. O projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) prevê que, entre 2010 e 2012, o superávit será de 3,3%. Para o ministro Mantega, a medida não representa risco de descontrole das contas. Em debate no Fórum Econômico Mundial, o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga disse que "há cheiro de populismo no ar" nas medidas que vêm sendo tomadas contra a crise na América Latina.

O Estado de São Paulo
"Governo afrouxa meta fiscal e terá mais R$ 40 bi para gastar"

Redução do superávit para 2,5% do PIB vale para 2009 e 2010, ano eleitoral

O governo federal anunciou ontem medidas para acelerar os gastos públicos em 2009 e no ano eleitoral de 2010. Ao reduzir a meta de superávit primário (economia para pagar juros da dívida), de 3,8% para 2,5% do PIB, abriu uma folga de mais de R$ 40 bilhões para usar ainda neste ano. Será o menor esforço fiscal desde 1999. O governo ainda tem uma margem de manobra para afrouxar em mais de R$ 30 bilhões o esforço fiscal de 2009, reduzindo a meta para 1,5%. O ministro Guido Mantega (Fazenda) disse que as mudanças respeitam uma política anticíclica - de crescimento econômico - em ano de queda na arrecadação. Ele negou que o compromisso com a solidez fiscal seja afetado. A ideia, segundo Paulo Bernardo (Planejamento), é garantir a manutenção das despesas do PAC e da área social.

Jornal do Brasil
""Brasil está bem para a crise", elogia FHC"

Tucanos alinhados com avaliação do governo sobre a economia brasileira

Integrantes do governo tucano, como Fernando Henrique Cardoso, Armínio Fraga e Joaquim Levy, expuseram a condição privilegiada do Brasil diante da crise financeira internacional. "O país está bem posicionado em relação a outras economias", reconheceu FHC, durante o Fórum Econômico Mundial da América Latina, no Rio, embora tenha feito críticas ao atual governo. “Estamos com ótima saúde", completou o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga. O presidente Lula foi aplaudido ao afirmar que o FMI deve emprestar dinheiro sem as condições impostas no passado.

quarta-feira, abril 15, 2009

Andanças

Vendo o tempo passar

Sidney Borges
Sorvete tem que ser de iogurte com amora da sorveteria perto do Casarão do Porto. Peço no copinho, tem daquela casquinha que parece papelão fininho e que pode ser comida, prefiro o copinho. Casquinha engorda.

Enquanto dura o sorvete permaneço sentado em uma das cadeiras de alumínio da calçada, é uma forma de observar o fluxo do tempo, inexorável, sempre cumprindo a tarefa primordial de cavar canyons em faces humanas e guardar instantâneos na pasta das saudades para acesso posterior.

Também aproveito o folguedo gelado para saber o que há. Na caixa converso com Michel, que além de fazer ótimos sorvetes é um arguto observador dos fatos políticos. Eu o incentivo a se candidatar, terá o meu voto.

Há, no entanto, certos dias em que não me apetece sorvete. Ontem foi assim, preferi caminhar na Praia Grande. Ao voltar trouxe comigo um grão de areia para observar ao microscópio.

Gosto de contar partículas elementares, conhecidas informalmente e formalmente como "quarks". Primeiro separo os mínúsculos em "up" e "down", há outros que não me interessam, apesar de coloridos.

Depois conto elétrons e prótons que são feitos de "quarks", que são feitos de alguma coisa que eu não sei o que é, mas que é.

Passei a manhã contando. Há muitos quarks em um grão de areia. Depois experimentei contar os grãos de areia da Praia Grande, todos sabemos que lá está cheio de areia.

A gente até acaba levando um pouco pra casa no calção, na sandália e nos dedos do pé, mesmo assim com toda aquele povaréu que aparece nas férias e vai embora levando areia, nem dá pra notar, parece até que nasce mais areia.

Contei os grãos de areia de uma faixa de 5 metros de largura, cujo comprimento ia até o mar e considerei areia até três metros de profundidade. Depois multipliquei pelos muitos cinco metros que constituem o comprimento da praia.

Pasmem caros amigos, contei tudo de novo para ter certeza, há muito mais partículas elementares em um único grão de areia do que grãos de areia na Praia inteirinha, contando até a areia que fica nas varandas dos quiosques.

Não tenho certeza se é uma peculiaridade da Praia Grande, vou repetir a operação nas Toninhas, mas só na semana que vem.

Preciso saber o que o Michel achou da derrota do Prefeito. Será que foi derrota mesmo? Ficou no ar um cheiro de acordão por baixo dos panos. Para ter certeza vou ver o tempo passar na sorveteria. Iogurte com amora, incomparável.

Navios indo e navios chegando...


Calúnia

Mônica Bergamo: Valor movimentado por Maluf no exterior chega a US$ 230 milhões

da Folha Online
A Prefeitura de São Paulo e o Ministério Público chegaram a um valor considerado seguro sobre o total movimentado no exterior em contas bancárias que seriam de empresas de familiares de Paulo Maluf: US$ 230 milhões, informa a coluna de Mônica Bergamo, publicada nesta quarta-feira pela Folha.


Segundo a coluna, o número foi fechado com a finalização de laudos oficiais e a chegada de documentos da Suíça, da Inglaterra, dos EUA e de Jersey.

O ex-prefeito nega ter conta no exterior.

Nota do Editor - Maluf não mente, o dinheiro depositado em nome dele e de seus impolutos familiares não passa de manobra da direita. Maluf será candidato ao governo de São Paulo e sendo eleito promete construir centenas de viadutos e jacus-pêssegos. Em Ubatuba há eternos malufistas que jamais abandonarão o mestre e mentor. (Sidney Borges)

Brasil em foco


Aumento dos militares

Thomaz Magalhães (original aqui)
O ministro da Defesa, Nelson Jobim, falou que os reajustes previstos para os militares estão garantidos. Entre janeiro deste ano e julho de 2010, os oficiais de quatro estrelas terão reajuste médio de 36% a 40%; os recrutas serão reajustados em 130%.

Os reajustes começaram a ser dados em janeiro e prosseguem em julho. Novas parcelas serão pagas em janeiro e julho do ano que vem. A lei autorizando os aumentos já está aprovada, e não haverá mudanças mesmo com a crise, disse o ministro. E que a medida faz parte do Plano Estratégico de Defesa.

Ubatuba em foco

Funcionários terão 8%. Será?

Sidney Borges
A Câmara Municipal de Ubatuba votou ontem o reajuste do funcionalismo. O Executivo propôs 5%, os vereadores acrescentaram uma emenda ao projeto concedendo mais 3%, perfazendo um total de 8%.

Agora resta esperar a manifestação do Executivo. Há três possibilidades:

1) A decisão é acatada e o assunto é encerrado.

2) Os 5% propostos pelo Executivo entram em vigor e os 3% da emenda são rejeitados. O Sindicato entra na Justiça.

3) O projeto é rejeitado na íntegra. A novela avança para o próximo capítulo.

Cada um arrisque o seu palpite.

Fórmula 1



FIA confirma: difusores traseiros de Brawn, Williams e Toyota são legais

Corte de Apelações não aceitou protesto, e equipes vão poder manter equipamento ao longo da temporada

Brawn elogia decisão da FIA e diz que assunto está encerrado
Direção da Toyota comemora resultado de julgamento

Warm Up (original aqui)
Acabou a polêmica. A Corte de Apelações da FIA definiu no início desta quarta-feira (15) que os difusores traseiros duplos, adotados por Brawn, Williams e Toyota, estão dentro das regras. Com isso, os resultados dos GPs da Austrália e Malásia foram confirmados, e os três times podem manter o equipamento nos seus carros.

A decisão da FIA foi, de certa maneira, esperada. Os comissários da entidade já haviam garantido a legalidade dos difusores em quatro ocasiões, antes das duas primeiras etapas da temporada — quando BMW Sauber, Red Bull, Ferrari e Renault entraram com protestos contra o uso da peça.

A federação ainda não emitiu um comunicado oficial, mas revelou o resultado do julgamento com uma breve nota logo após o veredito: "Baseado nos argumentos ouvidos e nas evidências obtidas antes disso, a Corte concluiu que os comissários estavam certos ao indicar que os carros em questão seguem as regras."

O resultado deve provocar um frenesi nas fábricas das outras sete escuderias do Mundial. A Renault já confirmou que pretende usar uma versão inicial do difusor duplo no GP da China, e os outros times devem seguir pelo mesmo caminho em breve.

Coluna da Quarta-feira

Parque Estadual da Serra do Mar necessita ser rediscutido junto com toda a questão ambiental

Mauricio Moromizato
Há alguns dias atrás ficamos sabendo da invasão e ocupação da sede administrativa do núcleo Picinguaba do Parque Estadual da Serra do Mar, promovida por moradores insatisfeitos com as condições de vida que levam e desejosos de discutir seriamente o modelo de preservação que está sendo posto há 30 anos através do Parque Estadual da Serra do Mar e do governo do estado de São Paulo.


Existe grande insatisfação pela falta de acesso à luz elétrica para os moradores de algumas regiões do Parque, necessidade de ampliar a área de exploração sustentável e o uso das terras pela população local e a vontade de lutar por melhores condições de vida para a população. Há um cansaço visível com a forma de fiscalização e repressão por parte dos controladores do Parque.

Foi uma grande vitória da população, que soube se mobilizar e fez um movimento organizado, pacífico e socialmente exemplar.

A situação local do Parque Estadual da Serra do Mar é uma das partes que nos cabe nessa discussão ampla que envolve num mesmo viés “ambiental” as licenças para exploração de petróleo e gás na nossa costa, a construção de mais usinas nucleares, hidrelétricas no norte do País, preservação da Amazônia, da Mata Atlântica e do Cerrado, despoluição de rios e represas, aquecimento global, elevação do nível dos oceanos, etc.

Nessa semana também, a rede Bandeirantes de televisão veicula uma chamada para discussão das leis ambientais, aparentemente defendendo o agronegócio, unindo assim mais um interesse nessa questão.

A meu ver, temos que realmente rediscutir essa questão, e trazer os interesses locais para o centro dos debates, pois não haverá justiça se a discussão vier “de cima para baixo”, como foi a implantação do Parque e a recente criação das APA’s Marinhas.

Dentro das questões locais, devemos lutar pelos interesses municipais e dos moradores que habitam dentro e ao redor do território do parque estadual. É possível estimular a produção agrícola sustentável, ampliar a área de cultivo, desenvolver produtos que agreguem valor para melhorar a renda dos moradores e produtores locais, incentivar o aumento da produção com melhoria das técnicas, com estímulo à agricultura familiar e garantia de compra dos produtos pela Merenda Escolar ou pela prefeitura para distribuição à população necessitada. Já há medida provisória da Presidência da República determinando que trinta por cento dos recursos federais enviados para a merenda escolar sejam gastos adquirindo produção de alimentos localmente.

Temos também que discutir a posse das terras, garantindo por lei que haja possibilidade de exploração, mas impedimento de especulação imobiliária, dando caráter social à questão do uso e posse da terra.

É a partir das necessidades e possibilidades locais que devemos inserir nosso território dentro de um modelo nacional de preservação ambiental, que leve em conta a questão social local com o mesmo peso da contribuição que podemos dar à questão ambiental nacional e global.
Queremos o mesmo ímpeto preservacionista nas áreas já devastadas para agronegócio, com luta para replantio, reflorestamento e recuperação da degradação. Não podemos pagar sozinhos uma conta que é de todos.


Essa luta deve ser entendida por todos como política. Política como todas as lutas que envolvem interesses públicos e coletivos. Daí, que desde o nível local é importante que os políticos estejam envolvidos na questão ambiental e principalmente que os moradores e os ambientalistas estejam envolvidos na questão política, tomando posição na época de eleições, participando dos partidos políticos, concorrendo a cargos eletivos e educando a população para a necessidade de se envolver nessa disputa, que é sim, política ao extremo.

Precisamos, local e nacionalmente, saber quem são os políticos e partidos que estão ao lado dos caiçaras, dos moradores do parque, dos investidores imobiliários, do agronegócio, dos agricultores familiares, dos madeireiros, dos seringueiros e dos povos da floresta, dos índios, da preservação como questão ética para elevar a condição social do povo ou da preservação como questão estética para manter a situação social como se encontra hoje.

Parabéns aos moradores que estão participando desse movimento e aos políticos que estão acompanhando a questão, pois a mobilização plantou e está fazendo germinar a semente de uma nova realidade ambiental, necessária para Ubatuba e seus moradores.

E muita força para manter o movimento ativo e independente. Esse exemplo de mobilização mostra a importância e o poder que tem a participação direta do povo e da sociedade nos assuntos do município.

Opinião

O salário do professor e o celular do senador

José Nêumanne
A carta do professor Marco Antônio Nunes, de Pindamonhangaba, publicada em 9 de abril no Fórum dos Leitores, nesta página A2, sob o título O povo paga, resume os males do Brasil de hoje como no passado resumia o slogan de Jeca Tatu: "Muita saúva e pouca saúde os males do Brasil são." Ele escreveu: "A filha do senador gastou em ligações de celular, durante alguns dias de passeio pelo México, R$ 14,7 mil, a mesma importância que ganhei durante todo o ano de 2008 como professor aposentado do Estado de São Paulo, após 30 anos de magistério."


Difícil encontrar exemplo melhor do contraste fatídico de nossa história nacional da infâmia: de um lado, a modéstia (melhor dizer miséria) com que o Estado brasileiro remunera os profissionais responsáveis pelo maior patrimônio de uma comunidade na sociedade da informação: a educação. Do outro, os privilégios com que se refestela a casta política dirigente, em especial a que participa das decisões do Poder tido como popular por excelência, o Legislativo, que reúne os representantes da cidadania.

Esta é a curta e grossa história de uma injustiça que se encerra aí, do ponto de vista do signatário da carta e de seus colegas de ofício. Professores são fruto da precariedade da educação neste país desde a própria infância, durante a qual são vitimados pelos defeitos sistêmicos de uma escolaridade deficiente: quase nada aprenderam nas escolas que frequentaram e ganham uma ninharia para ensinar o pouco que sabem nos estabelecimentos em que são empregados. No meio do caminho, não são treinados nem estimulados.

Do lado abastado, contudo, o episódio tem desdobramentos. Tião Viana não é um qualquer, mas um senador. A palavra que lhe define o ofício vem da latina senior, que significa mais velho. Não conota idade provecta, mas condição respeitável. Os mais velhos mereciam respeito nas tribos primitivas por causa de sua experiência, o que os tornava capazes de aconselhar os mais jovens - seu dever era evitar que as gerações inexperientes repetissem os erros deles. O Senado romano reunia os patrícios mais respeitáveis para conduzir os negócios republicanos, ou seja, da coisa pública. Nas democracias de poder tripartite e representação bicameral, como pretende ser a nossa, os senadores são representantes das unidades federativas, os Estados. Misturam-se, no modelo imitado do sistema bicameral adotado pelos Pais Fundadores da Revolução Americana por nossos constitucionalistas de antanho, o mando romano e a estirpe nobre dos barões britânicos. Pode-se argumentar que, já entre os romanos, nem sempre a respeitabilidade era sinônimo de superioridade, como o demonstram conspirações, caso da que terminou por abater Júlio César sob a estátua de Pompeu, à entrada do edifício onde se reuniam os senadores, frequentado por serpentes afiadoras de punhais. E que o sangue azul dos lordes ingleses não garante sua nobreza de atitudes, não sendo a Câmara de Lordes, assim como o Senado americano, um convento habitado por freirinhas virtuosas, como lembrou anteontem o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, referindo-se à nossa República cá.

Isso não quer dizer, contudo, que a lenda segundo a qual não existe pecado no lado de baixo da linha do Equador, corrente desde a Renascença, permita um acréscimo de letras capaz de transformar o que não é convento num conventículo, sinônimo pouco empregado de prostíbulo. A imagem é pesada demais, é certo, mas a verdade é que, como Catilina, o senador romano, seus colegas de ofício no Brasil contemporâneo têm abusado demais da paciência dos cidadãos que lhes sustentam os luxos e caprichos sem receber em troca o exemplo de decência e austeridade que de todos eles é lícito esperar. O senador Tião Vianna (PT-AC), por exemplo, não tem o couro cabeludo ornado por cãs que permitam classificá-lo como sênior (mais velho), mas é um senador tido como respeitável. Quando enfrentou José Sarney, a velha raposa do Maranhão, Amapá e adjacências, aparentava representar as forças do Bem contra as hordas do Mal. Não hesitou, contudo, em emprestar o telefone móvel com conta paga pelo contribuinte à filha, em seu passeio turístico pelo México.
Leia mais

Manchetes do dia

Quarta-feira, 17 / 04 / 2009

Folha de São Paulo
"Imobiliária banca vereador que atua pelo setor em SP"

Doação é legal, diz entidade; parlamentares negam interferência em votação

Vereadores que receberam doações da Associação Imobiliária Brasileira atuam em áreas de interesse do setor na Câmara Municipal de São Paulo. Além disso, das 41 propostas para alterar o zoneamento apresentadas desde 2005, 28 (68%) são de parlamentares a que a entidade fez doações em 2008.

A Folha revelou ontem que o Secovi-SP (sindicato do setor imobiliário de São Paulo) usou uma associação para doar dinheiro a políticos, já que a lei proíbe sindicatos ou entidades de classe de fazê-lo.A AIB foi a segunda maior financiadora individual na eleição paulistana do ano passado.

O Globo
"Vereadores do Rio criam a "bolsa-invasão""
Na contramão do esforço de proteger as matas nas encostas do Rio, a Câmara dos Vereadores aprovou ontem, por 25 votos a um, projeto de lei da vereadora Lucinha (PSDB) que dá auxílio financeiro a moradores de favelas em áreas de risco ou de preservação ambiental que mantenham o ecossistema dessas locais. A criação do benefício premia justamente os invasores que vivem nos lugares em que a Lei Orgânica do município prevê remoção. 'É uma bolsa-invasão que vai estimular novas ocupações", afirmou a líder comunitária Regina Chiarardia, do Conselho Municipal de Políticas Urbanas.


O Estado de São Paulo
"Governo decide baixar diesel"

Preço cobrado hoje pela Petrobrás está 50% acima do valor do óleo nos EUA

O governo vai reduzir o preço do diesel. A medida, que ainda não tem data para vigorar, é considerada muito importante pelo Planalto para ajudar a movimentar a economia contra a crise. Caminhoneiros que se encontraram com a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) pediram redução de 30% e disseram que ela reagiu de maneira positiva. É possível que o governo diminua tributo embutido no preço, mas não se descarta alterar as partes relativas à realização de lucros da Petrobrás e ao custo do refino, responsáveis por 60% do valor final. O diesel vendido pela Petrobrás está hoje cerca de 50% acima do valor cobrado no mercado americano, segundo especialistas ouvidos pelo Estado. A diferença reflete a queda das cotações do petróleo - de US$ 110 o barril em maio de 2008 para US$ 51,96 ontem - sem o respectivo repasse ao mercado interno.

Jornal do Brasil
"Derrame de remédios falsos"

Mil por cento a mais de medicamentos piratas. Maior parte para câncer, diabetes e ereção

Resultado de 15 operações do Ministério da Justiça e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária em 25 cidades de diferentes regiões do país: 170 toneladas de medicamentos apreendidos, quase mil por cento a mais do que o confiscado em todo o ano passado. Cerca de 90% têm origem no roubo de grandes cargas operado por quadrilhas especializadas; 5% foram produzidos em países da Ásia e chegaram pela Colômbia, Bolívia e Paraguai; os outros 5% foram falsificados aqui no Brasil. Das 85 farmácias fiscalizadas, 39 foram interditadas, e seus proprietários presos por comércio ilegal. Pesquisa em hospitais do Rio e de Porto Alegre mostra que o número de óbitos envolvendo pessoas ludibriadas por falsos remédios triplicou entre os pacientes que estavam sendo tratados de câncer.

terça-feira, abril 14, 2009

Imperador

O problema de Adriano é um vídeo

Xico Vargas no Ponte Aérea (original aqui)
As primeiras informações chegaram por amigos do jogador. Sabe como é, todo melhor amigo tem um melhor amigo. As demais foram fornecidas por policiais mesmo. Todos com aquela convesa de canto de boca, tipo “não espalha, mas…”, o problema do Adriano é um vídeo gravado durante uma das festas que ele promoveu.

A gravação registra imagens do jogador consumindo droga.

Há uma divergência nas informações, mas pouco importante. Uns dizem que a festa foi na favela da Chatuba, na Vila Cruzeiro, outros que foi na casa que Adriano havia comprado, na Barra, na qual, segundo os jornais, houve uma festa que teve, entre os convidados, três prostitutas e um travesti.

A tal festa que motivou a separação entre Adriano e a namorada. Todas as informações, porém, coincidem no seguinte: o vídeo foi parar nas mãos de integrantes da banda podre (e bota podre nisso) da polícia que exigiram (e receberam) um milhão de reais.

O período no qual se desenvolveram as negociações entre os chantagistas e representantes de Adriano teria sido o mesmo em que ele, tenso e sem condições de aparecer em público, refugiou-se na favela. Estava com a cabeça no pé, conta quem o viu naqueles dias. Pagamento feito e passado o primeiro embate com as emoções, o jogador deu entrevista intermediada pela CBF. Justificou a fuga para a favela como a busca pelo lugar onde se sente em casa etc.

Logo depois, veio o segundo tranco nessa história. Os escroques da polícia teriam entregue não o original, mas uma cópia do vídeo e estariam exigindo mais dinheiro. Os negociadores agora seriam outros e alegam que as imagens foram copiadas apenas por segurança, mas acabaram indo parar em outras mãos e podem ganhar as ruas.

Os mesmos policiais que conhecem esta história sabem também que integrantes da banda limpa da corporação receberam instruções para saírem discretamente à caça das cópias e das mãos que as detêm.

F-Indy

Após pedido de explicações, caso Hélio segue sem sentença

Téo José (original aqui)
Mais uma vez os jurados do caso Hélio Castroneves adiaram a decisão sobre o futuro do piloto. Depois de pedir as transcrições de dois depoimentos contra o brasileiro, os responsáveis pela sentença pediram mais informações sobre o caso.

As deliberações finais sobre a acusação de sonegação fiscal e evasão de divisas começou na sexta-feira passada após mais de seis semanas de julgamento, mas até o momento os 12 jurados não chegaram a um acordo unânime, o que faz a audiência seguir sem um veredicto.

Tanto Castroneves, quanto sua irmã Katiuscia e seu ex-advogada Allan Miller são acusados de sonegar impostos do fisco norte-americano entre 1999 e 2004. Caso sejam considerados culpados, eles podem pegar até 35 anos de prisão.

Como a sentença ainda não foi divulgada, o brasileiro terá que comparecer novamente amanhã na sede do Tribunal de Miami, onde ocorre a audiência para aguardar a decisão dos jurados e o veredicto pronunciado pelo juiz Donald Graham.
 
Free counter and web stats