sábado, março 21, 2009

Pára com isso zifio...

Abandonem a feitiçaria, diz papa aos católicos angolanos

O Globo‎
LUANDA (Reuters) - O papa Bento 16 fez neste sábado um chamado aos católicos de Angola - onde a crença em espíritos feiticeiros levou muitos a trocarem a Igreja por seitas - para que abandonem a feitiçaria e também chamou de volta aqueles que deixaram o catolicismo.

Leia mais

Sinais gráficos



Comma Sútra: vírgulas são sexys

Livros e Afins (Clique aqui e leia o original)
“Coma” é vírgula em inglês. Sútra, palavra em sânscrito, é um muito conhecimento vasto condensado em poucas palavras. Embora remeta no imaginário popular ao Kama Sútra, existem outros sútras, como o Yôga Sútra.

Como o Kama Sútra muitas vezes é confundido com uma coleção de ilustrações de posições sexuais (não é), alguém aproveitou isso para fazer um divertido trocadilho em uma camiseta.

Embora sejam os pontos que costumem aparecer juntos em grupos de dois (dois pontos) ou três (reticências), as vírgulas é que são as mais safadas…

Um dia um gato...

Últimas da Barbara

Pelos jornais???

Barbara Gancia (Clique aqui e leia o original)
Acabo de receber do gabinete do senador Eduardo Suplicy a transcrição de seu discurso de hoje em plenário.

Veja só como ele abriu a fala:

“Há algum tempo venho tomando conhecimento da estrutura administrativa do Senado Federal através dos jornais. Nessa segunda-feira soube, com surpresa e espanto, assim como a população brasileira, que a Casa contava com 136 diretores”.

Há quantos anos Suplicy é senador, mesmo?

Alguém precisa mandar interditar esse maluco - com urgência!

Internacional

Espanha responde ao papa Ratzinger: um milhão de preservativos para a África. No Le Mond vinheta Polêmica

Wálter Fanganiello Maierovitch (Clique aqui e leia o original)
Na viagem à África, o papa Ratzinger tem demonstrado a sua obscurantista inclinação lefebvriana com relação ao Concílio Vaticano II e a sua extraordinária capacidade de criar polêmicas, em especial quando nega comprovações científicas.

As suas declarações contrárias à distribuição de preservativos gerou reações duras de governos como da França, Alemanha e Espanha. O premier Zapatero, por exemplo, anunciou que o governo espanhol enviará à África um milhão de preservativos como contribuição na luta contra a Aids.

Para Alain Juppé, ex-ministro francês e assessor em privado o presidente Sarkozy, “ esse papa começa a ser um grande problema, pois vive numa situação de total autismo”.

A posição de Juppé, sobre o “autismo” de ratzinger decorre de um incontestável quadro fático. Ou seja, das 33 milhões de pessoas infectadas pelo vírus “Hiv”, sendo que cerca de 22 milhões delas vivem na África.

Até a Coca-cola, em alguns países da África, já ofereceu em campanha uma camisinha, como brinde aos compradores do refrigerante: pena não ter distribuído graciosamente aos que não podem comprar ou não apreciam a Coca-cola.

Mais ainda, a Comissão européia sediada em Bruxelas (Bélgica), que há tempo recomenda a distribuição de preservativos, já concluiu, por unanimidade, sobre os benefícios decorrentes do uso de preservativos, “por estar cientificamente comprovadas”.

Hoje, os jornais franceses destacam a repercussão da vinheta publicada no dia anterior pelo jornal Le Monde.

A vinheta é do consagrado desenhista Platu, brilhante como os nossos Chico e Paulo Caruso.

Na vinheta aparece, na proa de um barco, Jesus a jogar camisinhas a milhares de pessoas. No canto, o abatido Ratzinger a julgar o ato de Jesus como “ fanfarroinice”. Na popa do barco encontra-se o negacionista bispo Williamson, a dizer: “a Aids nunca existiu”.

Não bastasse, o site do Vaticano corrigiu o papa Bento XVI. Tira da sua manifestação o termo “ preservativo” e coloca na sua boca “ profilático”.

O assessor de imprensa do Vaticano, padre Lombardi, lembrou que o papa Woytyla tinha a mesma posição. Só esqueceu de dizer da sua habilidade, de modo, nas viagens, a promover uniões e não polêmicas.

O ministro das relações exteriores deu a resposta de uma França laica ao concluir que a posição do papa Ratzinger, sobre preservativos a causar danos, “revela pouca compreensão da real situação da África”.

A réplica do papa Ratzinger não surpreendeu: - “ A resposta está na Igreja”, ao se referir ao preservativo como “estímulo a um comportamento sexual irresponsável”. O papa acrescentou: - “Acho que a Igreja católica com as suas estruturas, comunidades e movimentos, representa o caminho mais forte e eficiente na luta contra a Aids”.

A organização não governamental Médicos do Mundo alertou que o papa coloca em dúvida conclusões definitivas e representadas por anos de pesquisas científicas e de trabalho em campo. A agência da ONU sobre o fenômeno da Aids reafirmou que o uso de camisinhas representa uma resposta de peso na estratégia preventiva.

Por outro lado, o lado lefebvriano do papa Ratzinger está em não concordar com o excesso de sincretismo africano nos ritos da missa católica. O concílio Vaticano II recomendava a adequação para uma melhor aproximação com a comunidade, daí o afastamento do latim. Os lefbvrianos, sobre a liturgia, entendem que o concílio Vaticano II conduzia à apostasia. Pelo jeito, Ratzinger também acha e o levantamento da excomunhãos aos bispos lefebvrianos parece, cada vez mais, ter sido de caso bem pensado.

Pano Rápido. A próxima viagem do papa Ratzinger à Jordânia e Israel promete mais abalos do que os provocado pelos foguetes “qassan” (nome em homenagem a um líder palestino) disparados pelo Hamas contra território israelita. Quem viver, verá.

Santos Dumont Documentary

A contribuição de Santos Dumont ao desenvolvimento da aviação é tema deste documentário feito por gringos para gringos. Ao contrário de alguns idiotas tupiniquins que só sabem denegrir, eles elogiam a genialidade desse notável brasileiro.

Espertices

Obama e os bandidos de Wall Street

Aos primeiros sinais da crise que se espalhou pelo mundo, lembrei, e escrevi, que tinha entrevistado Carlo Ponzi. O ítalo- americano, maior vigarista do século passado, vivia então de caridade anônima em um asilo de velhos, no Rio de Janeiro, onde viria a morrer. Sei que depois da minha visita, registrada em um texto publicado em “O Globo”, onde eu trabalhava como repórter, ele concederia longa entrevista a um colega de um jornal de Boston. Então, sua localização e sua situação se espalharam pelo mundo.

Nahum Sirotsky, correspondente iG em Israel
Ponzi foi o inventor do Golpe da Pirâmide, até hoje empregado, com ligeiras diferenças. A Pirâmide consiste em se obter depósitos que são devolvidos ao fim de pequeno prazo com altos juros. Respeita-se o compromisso até se reduzir o número de otários. Ponzi não aplicava um centavo - apenas se utilizava do dinheiro dos novos investidores para pagar os anteriores. Chama-se Pirâmide porque o número de depositantes vai diminuindo.

Lembro vagamente de ele me dizer, em um inglês com forte sotaque italiano, que não fosse pela desconfiança e pela denúncia de um cliente, ele teria se aposentado multimilionário. Pegou prisão. A mesma jogada foi aplicada pelo homem que deu prejuízo de US$ 50 bilhões por se fazer conhecido como aquele que aplicava com os mais altos resultados. Um gênio. Outros menos audazes vão surgindo, como o falso lorde que vivia no Texas e levou US$ 8 bilhões.

Existe a fórmula dos Nigerianos, que consiste, de forma geral, em um apelo que enviam por e-mail com a história de que altas autoridades mortas deixaram grandes depósitos que só podem ser movimentados com identidade estrangeira. Quem se associar, prometem, receberá altíssimo percentual. Mas precisa ajudar nos custos de advogado ou de corrupção de alguém. A vítima entra com poucos mil dólares que nunca são suficientes. Há casos de gente que vende a casa e viaja até a Nigéria, onde é recebido com honras, hospedado em hotel pré-pago, até acordar descobrindo que os nomes são falsos, não existem. Praticam este golpe há anos e sempre encontram otários. Um grande negócio.
Leia mais

A costela do bispo

Deus e o Diabo em 2010

Diogo Mainardi
Deus: Edir Macedo. Diabo: Zeca Diabo. Edir Macedo é dono da Rede Record. Zeca Diabo é dono de Dilma Rousseff, segundo um relatório armazenado no computador do delegado Protógenes Queiroz. Quem é Zeca Diabo? Isso mesmo: José Dirceu.

O dono da Rede Record, Edir Macedo, e o dono de Dilma Rousseff, José Dirceu, aliaram-se abertamente na última semana. O colunista Daniel Castro, da Folha de S.Paulo, informou que uma das costelas da Rede Record, a Record News – ou CNN do dízimo –, é um completo fracasso. Na TV aberta, dá zero de audiência. Na TV a pagamento, dá zero de audiência. Pior ainda: a Record News tinha uma meta de faturamento de 100 milhões de reais. No ano passado, pelas contas de Daniel Castro, o resultado foi um décimo disso. A Igreja Universal do Reino de Deus é conhecida por seu desprendimento material. Por seu desinteresse por dinheiro. Mesmo assim, é duro imaginar que algum pastor tenha festejado o rombo.

O Jornal da Record reagiu furiosamente ao artigo de Daniel Castro. Depois de atacar a Folha de S.Paulo por mais de sete minutos, acusando-a de ter perdido "qualidade editorial" e de passar por uma séria "crise de credibilidade", a emissora prometeu usar seus telejornais para constranger todos aqueles que a importunassem. Um dos gerentes da Rede Record, Celso Teixeira, mandou uma circular aos jornalistas, reiterando a mensagem intimidadora: "A partir de agora, a empresa vai se posicionar publicamente e judicialmente contra os ataques que recebeu nos últimos tempos". Isso quer dizer o seguinte: se alguém publicar um comentário que desagrade à Record, terá de enfrentar um bombardeio na TV e uma dezena de processos no Acre.

O dono de Dilma Rousseff, José Dirceu, imediatamente apoiou o dono da Record, Edir Macedo, denunciando a tendenciosidade da Folha de S.Paulo. Em 2010, ocorrerá o oposto: a Record, que pertence a Edir Macedo, apoiará Dilma Rousseff, que pertence a José Dirceu. Quando a Record News foi inaugurada, em 2007, Lula declamou ridiculamente: "Liberdade! Liberdade! Abre as asas sobre nós". O plano do PT era estimular o surgimento de uma imprensa plenamente domesticada, que ocupasse o lugar de quem ainda insistia em fazer jornalismo, noticiando os abusos do lulismo. Em particular: VEJA, Globo, Folha de S.Paulo. O plano deu errado. VEJA, Globo e Folha de S.Paulo continuam aí. A Record News, por outro lado, com zero de audiência na TV aberta, com zero de audiência na TV a pagamento, está tomada por comerciais da Polishop. Em 2010, em vez de Dilma Rousseff, o eleitor acabará comprando uma grelha. Um modelador de cabelo. Um fatiador de pepino. (Fonte: Trem Azul)

Brasil

A ira e o rei

Os EUA estão indignados, há muito tempo que o gigante não se agitava desta maneira. O caso Watergate, no inicio dos anos 70, mexeu com a sociedade, tocou a consciência pública. O caso dos bônus milionários oferecidos aos executivos das instituições financeiras falidas vai além dos brios cívicos, multiplica a indignação pessoal por milhões. A sociedade de massas, geralmente amorfa e ponderada, de repente individua-se. Através da ira.

Alberto Dines no IG
O cidadão sente-se roubado. O contribuinte - desempregado ou não, quebrado ou não, mais ou menos informado - sabe que o tremendo abalo naquela estrutura que lhe oferecia tanta segurança e orgulho foi causado pela incompetência e ganância de altos funcionários de empresas salvas pelo Tesouro e, não obstante, agraciados com generosos prêmios em dinheiro.

Os americanos ultrajados pelos abusos praticados no mercado financeiro não se tornaram esquerdistas, ao contrário, estão furiosos com estes traidores do capitalismo, duplamente fracassados como depositários da poupança e da confiança popular. Congressistas republicanos de direita chegaram a propor que os responsáveis pela quebradeira fossem obrigados a cometer haraquiri.

A legislação aprovada nesta quinta feira em Washington é extremamente rigorosa com aqueles que até recentemente simbolizavam a ousadia pessoal e o sucesso rápido. Inusitadamente casuísta, sob medida, tudo nela tem endereço certo: taxa em 90% os ganhos com bônus em empresas que receberam mais de cinco milhões de dólares em ajuda e, além disso, é retroativa, inclui os ganhos de 2008 quando a crise escancarou-se.

Acostumado a engolir gigantescas mentiras, altas doses de cinismo e imensas bandalheiras semi-abertas, o cidadão brasileiro começou o ano sem oferecer qualquer sinal de mudança. Nada indicava que a recondução de velhas raposas para presidir a Câmara e o Senado seria capaz de produzir algum tipo de comoção numa república dominada pela modorra estival e a inapetência para questões morais.

Um deputado-castelão, esquecido da sua função de corregedor, proclamou as virtudes da impunidade e o vício da amizade. A recondução de José Sarney à presidência da Câmara Alta atravessou fronteiras e foi repudiada pela imprensa internacional. O ex-presidente Fernando Collor, desmoralizado pelas fraudes que praticou no passado, foi escolhido pelos pares para chefiar importante comissão parlamentar.

A sucessão de escândalos, principalmente no âmbito do Senado, somada à percepção de que a sociedade já não dispõe de uma agremiação política capaz de empunhar a bandeira da decência e da dignidade, acionaram iniciativas individuais desesperadas - quase suicidas, como a do senador Jarbas Vasconcelos – que, por milagre, produziram alguma ressonância.

Enquanto nos EUA a indignação alimenta-se nos milhões de dólares em prêmios indevidos, nossa numerologia é mais modesta e nem por isso menos absurda: para 81 parlamentares, o Senado dispunha de 181 diretorias administrativas e, mesmo que diante da grita tenham sido sumariamente cortados cinqüenta marajás, cada senador continua com pouco menos de um diretor e meio (alguns com direito a carro oficial). Isto sem falar no séquito de assessores, aspones e no número assustador de senadores-suplentes, eleitos sem votos, por osmose.

Por força de sua biografia e dos atributos que faz questão de ostentar, o ex-presidente da República José Sarney tornou-se símbolo das pequenas, médias e grandes mazelas que deslustram nosso panteão político. Intoxicado pelas próprias façanhas tornou-se menos cuidadoso, não se importa em deixar as impressões digitais em episódios pouco edificantes.

Senhor absoluto do Maranhão foi visitar seu segundo feudo, o Amapá, que o escolheu como senador. Recebido no aeroporto como “nosso Rei” aceitou o agrado sorridente, certo de que o merece.

Está evidente que nossa ira, ao contrário da americana, ainda é precária, difusa, insuficiente. A sociedade brasileira ainda não se sente violentada nem roubada como acontece agora com a história dos bônus nos EUA. A ignorância, a distância, os conchavos e cumplicidades impedem que a indignação chegue ao Amapá. Todos sabem que o rei Sarney está nu. Só falta mostrar. (Enviado por Ronaldo Dias)

Tango no Mercosul

Dos pra cá, dos pra lá...

Deu na Veja

A vantagem de Alckmin

De Felipe Patury:
Uma pesquisa do PSDB mostra o acachapante favoritismo que o tucano Geraldo Alckmin pode ter na eleição para governador de São Paulo em 2010. Ele foi testado contra os petistas Marta Suplicy, Aloizio Mercadante, Antonio Palocci e Fernando Haddad. No pior cenário, Alckmin tem 48% das intenções de voto. No melhor, bate em 53%. De acordo com a apuração do instituto Pesquisa e Opinião, 39% dos paulistas querem que o PSDB continue a governar São Paulo e 44% acreditam que Alckmin merece o posto.


Nota do Editor - O interior de São Paulo é tucano, e, de certa forma, anti-petista. Com exceção do senador Suplicy, que em outras épocas foi bem votado, os candidatos do Partido dos Trabalhadores ao governo do Estado, ou à presidência da República, acumulam derrotas. Quando digo o interior falo da totalidade, há exceções, caso das grandes cidades como Campinas, Ribeirão Preto e região do ABC, onde o PT vai bem. Quero ver as pesquisas do Datafolha e do Ibope. O candidato a candidato do PT, Antonio Palocci, tende a crescer. É o mais tucano dos petistas. Marta não tem chance mas vai tentar de tudo para ser candidata. Lula finge que liga, na verdade nem se preocupa. Nosso Guia vai orientar seus miquinhos amestrados a votar contra a reeleição. Ele quer voltar nos braços do povo, como Getúlio. Meanwhile (enquanto isso na gringolândia) o Serra ganha e a reeleição volta. E nesse caso restará a Lula vir a Ubatuba ver navios. Ubatuba é cheia de navios.(Sidney Borges)

Opinião

Em ação, a fábrica de dólares

Editorial do Estadão
A produção de dinheiro será a primeira atividade a funcionar a plena carga nos Estados Unidos neste ano. Se der certo, a Casa da Moeda poderá puxar outras indústrias, mas por enquanto é só uma aposta do Federal Reserve (Fed), empenhado em desatolar a economia. O Fed anunciou na quarta-feira a disposição de lançar no mercado mais US$ 1,15 trilhão para facilitar a expansão do crédito e, ao mesmo tempo, aliviar a situação do setor imobiliário. Serão US$ 300 bilhões para recomprar títulos do Tesouro nos próximos 6 meses, US$ 750 bilhões para absorver títulos podres baseados em hipotecas e mais US$ 100 bilhões para sustentar débitos das agências oficiais de crédito imobiliário. As decisões foram anunciadas depois da reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (o Copom americano), acompanhadas de uma nota com três informações: não se espera melhora da economia a curto prazo, o juro básico permanece na faixa de 0% a 0,25% e a máquina de fazer dinheiro vai rodar mais velozmente.

A decisão de aumentar a oferta de moeda já era esperada. A política de juros, o principal instrumento usado pelo Fed nos últimos 20 anos, está esgotada. Não se pode levar a taxa nominal para baixo de zero e é preciso, portanto, usar outra ferramenta para combater a recessão. Na Inglaterra, na semana passada, na reunião de ministros do Grupo dos 20 (G-20), formado pelas maiores economias avançadas e emergentes, falou-se no uso de políticas monetárias não-convencionais. Na entrevista coletiva depois do encontro, ninguém quis definir essas políticas, mas a decisão do Fed provavelmente contém pelo menos parte da reposta. A ação direta sobre a quantidade de dinheiro deixou de ser habitual há algumas décadas, quando o manejo da taxa de juros se tornou a linha de ação preferida.

Mas a emissão de moeda pelo Fed, neste ano, vai muito além dos valores indicados na quarta-feira. Com os novos US$ 750 bilhões, só as compras de papéis lastreados em hipotecas imobiliárias (sem contar, portanto, os títulos do Tesouro) devem chegar a US$ 1,25 trilhão.

Segundo a nota do Fed, não há risco de novas pressões inflacionárias a curto prazo. Ao contrário: a inflação corrente, de acordo com o Fed, está abaixo do nível necessário para a combinação de crescimento econômico e a estabilidade de preços a longo prazo. Se essa avaliação for correta, haverá espaço bastante, por algum tempo, para o banco central americano se concentrar no esforço de estimular a economia com fortes injeções de moeda. Essas injeções se acrescentam aos enormes estímulos fiscais concedidos pelo Tesouro, até agora sem efeito visível. Segundo críticos, a economia só se moverá com algum vigor e certa segurança quando se completar a limpeza dos balanços dos bancos, ainda sobrecarregados de créditos podres.

Pressões inflacionárias são muito improváveis a curto prazo, mas poderão manifestar-se quando a economia voltar a crescer, talvez no próximo ano. A advertência tem sido feita mais abertamente por economistas europeus. Para combater a recessão, muitos governos têm aumentado seus gastos vigorosamente e os bancos centrais têm emitido moeda, com destaque para o caso americano. Na ata de sua última reunião, distribuída nessa quinta-feira, o Copom menciona as políticas de expansão monetária adotadas no mundo rico, mas não aponta o perigo de recrudescimento da inflação no mercado internacional.
Leia mais

Manchetes do dia

Sábado, 21 / 03 / 2009

Folha de São Paulo
"Avaliação do Congresso piora após escândalo"

Reprovação chega a 37%, seis pontos a mais que em novembro

Em meio a seguidos escândalos políticos, a reprovação do Congresso atingiu 37% no país, diz o Datafolha. A má avaliação (soma do ruim e péssimo) subiu seis pontos em relação à pesquisa anterior, de novembro. Já a aprovação (soma de ótimo e bom) foi de 19% para 16%. A atual rejeição ainda é oito pontos inferior ao ápice negativo desta legislatura, de novembro de 2007, na crise que levaria Renan Calheiros (PMDB-AL) a deixar a presidência do Senado.

A avaliação dos 594 congressistas vinham melhorando desde então. Vários escândalos em seqüência, porém, abalaram a imagem do Congresso – como a eleição do corregedor da Câmara do deputado Edmar Moreira (sem partido-MG), que renunciou sob suspeita de omitir a posse de um castelo, e a notícia de que o então diretor-geral do Senado escondera da Justiça uma casa de R$ 5 milhões. Nesta semana, o Senado “descobriu” ter 181 diretores.

O Globo
"Desemprego faz saque de FGTS subir 35% no mês"

Aumento das demissões deve levar a rombo nas contas do Fundo em março

O aumento do desemprego já se reflete no volume de pagamentos do FGTS. Os desembolsos cresceram 20%, em janeiro e 35% em fevereiro, na comparação com o mesmo período de 2008. Em fevereiro, foram gastos R$ 2,623 bilhões para atender um contingente de 1,459 milhão de desempregados. Apesar disso, o saldo de arrecadação ainda foi positivo, o que não deve mais acontecer em março, calculam técnicos da Caixa Econômica. A previsão é que este mês registre déficit - ou seja, saques superando depósitos - nas contas. Além das demissões, a decisão do governo de elevar de R$ 350 mil para R$ 500 mil o valor de imóveis financiados pelo FGTS- medida que deve constar do pacote habitacional - aumentaria a pressão sobre o FGTS.

O Estado de São Paulo
"STF reage e vai antecipar debate sobre extradições"

Gilmar Mendes quer mudar jurisprudência para obrigar Lula a seguir as decisões do Supremo nesses processos

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, antecipou para quinta-feira o debate sobre o papel do Planalto nos processos de extradição.
A ideia é aproveitar o julgamento de seis pedidos de extradição para definir se o Planalto continuará com a última palavra nesses processos. Trata-se de uma reação à movimentação do governo no caso do ativista político Cesare Battisti, cuja extradição foi pedida pela Itália e negada pelo ministro da Justiça, Tarso Genro. Conforme revelou o Estado, oPlanalto fez chegar ao STF um recado: se a decisão final ficar com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Battisti não será extraditado. Pelas regras em vigor, o Supremo avalia apenas a legalidade e a procedência dos pedidos de extradição. Em julgamento ocorrido em junho, foi aprovado por unanimidade voto segundo o qual "a entrega do súdito ao Estado requerente fica a critério discricionário do presidente da República". Agora, Gilmar Mendes quer mudar essa jurisprudência, para obrigar Lula a seguir as determinações do STF.

Jornal do Brasil
"Azul pousa sob fogo de Cabral"

- Governo do Rio usa licenciamento ambiental e multa Infraero

- Passagem entre Santos Dumont e Campinas fica em R$ 39

Devido ao pouso do primeiro voo Azul de Campinas (SP) para o Santos Dumont, ontem, o governo do Rio cobrou da Infraero novo licenciamento ambiental para o aeroporto, sob ameaça de multa e interdição da pista. Apesar da irritação do governador Sérgio Cabral, o presidente da Azul, Pedro Janot, anunciou que, até o fim do mês, a passagem custará R$ 39. Em abril, R$ 79, com 14 voos diários e conexão, por ônibus, de Viracopos até shoppings na capital paulista.

sexta-feira, março 20, 2009

Bancos brasileiros ganham espaço e chegam ao 'top 5' do lucro nas Américas

BB, Itaú e Bradesco subiram no ranking e estão em 3º, 4º e 5º lugares. Cálculo exclui Canadá e mostra queda no lucro de bancos americanos.

Do G1, em São Paulo
Um cálculo divulgado nesta sexta-feira (20) pela consultoria Economatica põe os três principais bancos brasileiros - Itaú, Banco do Brasil e Bradesco - entre os cinco maiores lucros do setor em 2008 nas Américas, excluindo as instituições cananadenses.

Os bancos brasileiros mais bem colocados são o Banco do Brasil, que aparece em terceiro lugar, com lucro de US$ 3,76 bilhões, seguido imediatamente pelo Itaú, com US$ 3,34 bilhões, e pelo Bradesco, com US$ 3,26 bilhões.

As três instituições ganharam espaço em relação ao ano passado, quando nenhuma delas aparecia nas cinco primeiras posições do ranking: em 2007, o Itaú aparecia na 6ª posição, o Bradesco estava na 7ª e o Banco do Brasil, na 12ª. Isso mostra que, comparativamente, a crise afetou de forma positiva a posição dessas instituições no ranking.

Em 2007, a lista do "top 20" das Américas tinha 16 bancos americanos. No ano passado, entre os 20 bancos mais lucrativos do continente, estavam quatro bancos brasileiros, um mexicano e um chileno, além de 14 instituições americanas.

Leia mais

Nota do Editor - Ser banqueiro é bom. Ser banqueiro no Brasil é melhor, tri-legal como se diz em Pelotas. Criança, ama com fé e orgulho a terra em que nasceste. Jamais encontrarás um país como este. (Sidney Borges)

Clique sobre a imagem e saiba mais

Recursos naturais

Água, comece a economisar

Denise Juliani (Clique aqui e leia o original)
Estamos na semana da água, que antecede o Dia Mundial da Água, no domingo (dia 22) celebrado em todo o mundo como um dia de reflexão sobre este recurso natural tão importante para a vida. Muita gente ainda não se deu conta de que a água é um recurso finito. Como assim, a água acaba?

E como acaba! A água potável representa menos de 3% de toda a água do planeta e com o atual ritmo com que é poluída, logo vai sobrar menos ainda para consumo de pessoas e animais, além da agricultura e produção da indústria. A água é parte importante de inúmeros processos industriais.

Há quase 15 anos , em 1995, um relatório do Banco Mundial já alertava para o fato de que "as guerras do próximo século ocorrerão por causa de água, não por causa do petróleo ou política". O perigo é maior entre nações que vivem escassez e compartilham o uso de rios e lagos.

Segundo Bruno Riesen, chefe de campanha da seção suíça da Anistia Internacional, "a água teve um papel determinante em 37 guerras nos últimos 60 anos. Até 2025, faltará água para dois terços da população mundial. Não há dúvida de que os conflitos do século 21 serão sobre as matérias-primas, a começar pela água que será rara em toda parte".

Apesar de 75% da superfície do planeta ser coberta por água, a água doce representa menos que 3% desse total. Apenas um terço da água doce de rios, lagos, lençóis freáticos superficiais e atmosfera é acessível. O restante está concentrado em geleiras, calotas polares e lençóis freáticos profundos.

Além disso, custa caro tratar essa água para que possa ser usada.

Mas porque estou dizendo tudo isso? Porque a água é um bem público, ou seja, de todo mundo, mas o cuidado com esse recurso finito deve ser de cada um.

Além disso, economizar água faz bem ao bolso.
Para saber mais: http://www.pura.poli.usp.br/dicas.htm

O lance é seu...

Brasil

Engodo

Sidney Borges
A Petrobras obtém 60% de sua receita com a venda de gasolina e diesel no mercado interno.

Os consumidores desses produtos estão subsidiando a empresa, pagando a gasolina 26% e o diesel 64% mais caros do que no mercado internacional.

Enquanto isso o governo alardeia descobertas e fala em investimentos com recursos milionários, embora não mencione a origem.

Na hora de abastecer lembre-se: alguém está mentindo. E você está pagando.

Dando um tempo


Charlotte Square Gardens

Literatura

Por que você escreve?

Sérgio Rodrigues (Clique aqui e leia na fonte)
Ele perguntou a ela por que ela escrevia e ela respondeu que escrevia porque tinha vontade, e ele falou, muita gente tem vontade, vontade não basta, e ela disse mas então você está me perguntando como eu consigo escrever, é isso?, e ele ficou em dúvida e ela, eu achei que você tinha perguntado por que eu escrevo e não como eu faço para escrever o que eu escrevo, aí ele ficou um tempo em silêncio e depois riu e disse tá certo, touché, então ela olhou para baixo e notou que ele estava se assanhando outra vez, ah, a juventude, tocou nele e disse, como se fosse um eco na caverna, touché, e pronto, começaram tudo de novo, e só bem mais tarde, de madrugada, o apartamento já quase sem provisões, quando estavam bebendo o vinho velho que ela tinha separado para cozinhar e sorvendo por um buraco na lata o leite condensado encontrado por milagre no fundo da despensa, aquela mistura sensacional de caldo ultradoce e vinho avinagrado, mas um bom vinho avinagrado, chileno, só então ela disse, com os olhos bem encaixados nos dele, eu escrevo porque isso faz homens bonitos e gostosos que nem você gostarem de mim, quererem me comer, aí cruzou os olhos, língua roxa, e falou me come, e ele até que tentou, tentou bastante, mas tinha acabado a pilha.

* * *

O repórter, um garoto espigado, um Clark Kent mais moreno, quase mulato, óculos redondos, beiços fartos, perguntou de gravador estendido por que ele escrevia. Era a mais tolinha das perguntas do manual, mas o velho escritor famoso olhou para o garoto em silêncio, e continuou olhando até ele desviar os olhos e começar a suar no buço. Então pegou o gravador da mão dele, desligou-o e, após devolvê-lo, disse:

― Eu escrevo porque tenho um monstro dentro de mim que, se eu não escrever, vai pular em cima de todos os meninos tesudos feito você que cruzarem o meu caminho, e aí já viu. Para acalmar a fera só tem duas coisas: escribir y joder, ou melhor, ser jodido.

E o jovem repórter ficou respirando forte e olhando para o escritor um tempão. Aí guardou o gravador na bolsa e disse:

― Vamos?

* * *

Em Parati:

― Escrevo porque sou testemunha. Escrevo para dar voz a quem não tem voz. Escrevo porque meu país está aprendendo a ler ― respondeu um baixinho grisalho, provavelmente comunista.

― Escrevo porque não sei tocar saxofone ― disse o quarentão barrigudo que estava ficando careca, mas ainda tentava disfarçar. Provavelmente brocha.

― Não tenho the slightest fucking idea! ― gritou a jovem paulistana de roupa fashion e cabelos picotados. Provavelmente idiota.

― Engraçado, nunca ninguém me fez essa pergunta ― rosnou o gringo entediado. ― Acho que escrevo porque sou muito bom nisso. ― Certamente babaca.

― Escrevo porque escrevo porque escrevo porque escrevo ― mas isso ela já nem lembra quem falou, porque a essa altura desistiu de impressionar seu novo namorado intelectual e partiu sozinha para Trindade numa traineira que tinha o seu nome, Anna O., até a inicial era a mesma, e por dois ou três meses não teve vontade de escrever nem bilhetinho para colar na geladeira.

Arquitetura


Fachada com reflexos

Gramática e gramáticos

Saiu o livro da reforma inútil. Custa R$ 120

Paulo Moreira Leite (Clique aqui e leia o original)

Este blogue tem orgulho de perguntar, desde o primeiro dia: para que vai servir a reforma ortográfica? Ninguém explica.

Ela não vai facilitar a escrita de nossa lingua nem vai contribuir para enriquecê-la. Irá suprimir acentos, numa medida que até poderá torná-la mais pobre e confusa. A reforma não estabeleceu regras novas, que poderiam ajudar o aprendizado. Sua maior questão é o hífen — um sinal tão especial que o próprio presidente da Academia Brasileira de Letras, que é a madrinha da reforma, já disse que vai continuar usando o hífen como sempre o fez.

A reforma é isso: o Brasil vai parar por causa do hífen.

Hoje, saiu o livro Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. É um calhamaço de 887 páginas, com 349.737 vocábulos. Custa R$ 120. Se já era difícil imaginar que alguém fosse comprar um livro desse tamanho, o preço levará todo mundo a desistir. Resultado: as pessoas que escreviam errado antes vão continuar escrevendo ainda mais errado agora. E quem escrevia certo, a partir de agora vai começar a errar.

Para que? Descontando as razões ruins — verba para os amigos, gastos públicos, etc — não se conhecem boas razões para essa novidade. Imagine que o Ministério da Educação só garante a distribuição de um (1) exemplar do livro por cada escola pública. Supondo que cada escola tenha 1 000 alunos, e cada um tenha direito de consultar o Volp (esse é o nome do livro entre os mais íntimos da reforma) uma vez na vida, a primeira rodada irá levar três anos. Quem sabe até tenhamos outra reforma em estudos. Por que não?

A utilidade confirmada do livro é ajudar a diminuir um problema que a própria reforma criou.

A confusão era tão grande entre as autoridades dos países de língua portuguesa que nem os estudiosos mais cultos eram capazes de explicar o que mudou e o que não mudou na língua portuguesa. Poderiam fazer um livrinho, na base do: era assim; ficou assim. Teria menos de 3000 palavras e algumas dezenas de páginas. Mas não. Lançaram um livro de R$ 120.

Para imprimir e colorir

Comissário faz aniversário

Terror na DisneyLula

Guilherme Fiuza (Clique aqui e leia o original)
Nove ministros de Estado e o vice-presidente da República foram beijar a mão do ex-ministro e deputado cassado José Dirceu, em seu aniversário de 63 anos.

Acusado de mentor do mensalão, José Dirceu foi denunciado pela Procuradoria Geral da República por formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, evasão ilegal de divisas e peculato.

Nove ministros de Estado, incluindo a candidata à sucessão do presidente da República, sentaram-se silenciosos como colegiais para ouvir José Dirceu discursar. E aplaudiram no final.

O Brasil acabou. A opinião pública morreu. A vergonha na cara sumiu do mapa. Vale tudo.

Este pobre país vai seguir seu destino, vai superar a crise financeira, vai eleger democraticamente seu próximo presidente, seja ele quem for. Mas a dignidade ficou para trás, copulada num beco escuro. E mal paga.

Se o alto escalão da República pode se ajoelhar diante de um investigado por corrupção, de um símbolo do tráfico de influência, você amanhã pode aproveitar o calor e ir trabalhar pelado. Se alguém vier lhe falar de pudor, cite a jurisprudência do aniversário de José Dirceu.

Depois dê uma passadinha no Banco do Brasil e cobre o que é seu. Explique ao gerente que, daquele dinheiro distribuído por Delúbio e Valério, a sua parte ainda não chegou. E que você pode não ser filiado ao PT, mas também é brasileiro.

Ciência



Pesquisadores tentam salvar o mais ameaçado dos micos-leões

Estudos tentam explicar por que macaco é tão 'exigente' ambientalmente. Cientistas não sabem se ele sempre foi raro ou recuou diante do desmate.

Reinaldo José Lopes Do G1, em São Paulo
Os holofotes do público e dos conservacionistas estão quase sempre voltados para o mico-leão-dourado, mas quem mais precisa de atenção talvez seja um primo menos famoso, mas tão belo quanto ele, o mico-leão-da-cara-preta (Leontopithecus caissara). Com apenas 400 exemplares remanescentes em São Paulo e no Paraná, o pequeno primata é o mais ameaçado dos micos-leões, e um dos macacos brasileiros mais próximos da extinção. Para tentar salvar o bicho desse destino, pesquisadores estão tentando entender por que ele parece ser tão exigente em relação ao seu habitat e determinar se a espécie sempre teve uma população restrita.
Leia mais

Pesquisas

Datafolha

José Serra 41%

Ciro Gomes 16%

Heloisa Helena 11%

Dilma Vânia Roussef 11%

Lula em novembro de 2008: 70%
Lula hoje: 65%.

100 anos de perdão...

Ladrões são assaltados após roubo de joias nos EUA

da BBC Brasil (Clique aqui e leia o original)
Dois homens foram roubados logo após assaltar uma joalheria de Milwaukee, no Estado americano do Wisconsin, segundo informações da polícia americana.


Os ladrões foram roubados logo depois de sair da loja por um grupo de pelo menos quatro homens, segundo declarações da polícia ao jornal local "Milawukee Journal Sentinel".

O novo roubo provocou uma briga no meio da rua, seguida por uma perseguição de carros.A polícia interceptou os carros e prendeu quatro pessoas --os dois ladrões que assaltaram a joalheria e dois homens do outro grupo-- afirma o jornal.

Mas os oficiais não encontraram as joias nem o dinheiro roubado e continuam procurando outros suspeitos, segundo informações do tenente Thomas Welch ao jornal.

A polícia também investiga se os membros das duas gangues se conheciam. Não foi divulgado o valor estimado do roubo.

Coluna da Sexta-feira

Introspecção

Celso de Almeida Jr.
Pois é...

Procuro traçar mais linhas sobre a morte de Clodovil Hernandes. Acompanhei os comentários na imprensa local e não encontro algo para acrescentar. Registro, claro, o meu lamento. Aquela tristeza padrão, que invade a gente em momentos assim.

Para quem assume o compromisso de escrever periodicamente, nem sempre a inspiração é das melhores.


Hoje, encontro-me nessa circunstância.

Queria um tema vibrante, algo que contribuísse para a reflexão, mas estou na marcha lenta.

Talvez, para o anônimo e fiel leitor, isso seja ilustrativo.

Mostra que, aquele que escreve, não tem nada de especial. É um ser humano comum. Às vezes criativo; muitas vezes preguiçoso. Às vezes contundente; muitas vezes insosso.

Lembro-me quando o Sidney Borges convidou-me para assinar a coluna de sexta-feira, do Ubatuba Víbora, advertindo-me: “O leitor é exigente. Ele está atento ao compromisso do colunista.”

Concordei. Por isso, não posso frustrar ninguém, né?

Por essas e outras vejo com admiração a criatividade do Borges no dia-a-dia de seu blog.

Ubatuba é fantástica, não é mesmo?

Temos cidadãos brilhantes, perseverantes, corajosos, realmente interessantes. Homens e mulheres que chamam a atenção pela criatividade e inteligência.

Certamente aí está um patrimônio que a cidade deveria valorizar. Somar as belezas naturais às inteligências locais e promover uma onda de desenvolvimento. Para tanto é preciso desprendimento. Compreensão com as diferenças. Valorização dos talentos. Espíritos abertos. Mentes arejadas. Diálogos civilizados.

Será que não foi justamente aí que falhamos com o Clodovil?

Este mundo é dos loucos

Abaixo vai a carta do delegado Protógenes Queiroz ao presidente dos Estados Unidos. Não pense que é alucinação, é a pura verdade. Até Lula é acusado, ainda que de forma oblíqua, de estar na folha de pagamento do banqueiro Daniel Dantas. Este país está virando um imenso sanatório, um Juqueri sem fronteiras, um Pinel ensolarado sem loucos, apenas brasileiros... (Sidney Borges)

Estimado Presidente Barack Obama

Como é amplamente reconhecido, a sua eleição ao cargo supremo dos EUA reafirma e fortalece a luta pela democracia e pela justiça travada por cidadãos honrados em nações do mundo inteiro. Acreditamos que existe, de fato, "uma luta em andamento que vai além do oceano" dizendo respeito ao bem-estar de toda a coletividade humana. É nesse espírito que estamos enviando essa comunicação à sua atenção.

O Brasil vive momentos de fragilidade, pois evidências de esquemas de corrupção que ameaçam a soberania de nosso país estão presentemente sendo avaliadas nos EUA. Precisamos, portanto, do seu apoio. Sabemos, afinal, que o crime organizado internacional não tem qualquer comprometimento com o valor público das nações do planeta, mas apenas com a sua dizimação, fato que perpetua o flagelo e o sofrimento de centenas de milhões de seres humanos em todos os países.

A luta brasileira contra a corrupção tem se tornado mais intensificada nesses últimos meses conforme a operação Satiagraha da Polícia Federal tem evidenciado ao povo brasileiro o envolvimento dos três poderes da república em esquemas de corrupção. Isso se tornou público a partir da apreensão e condenação do banqueiro-bandido Daniel Dantas, o agente financeiro de inúmeras fraudes e atos criminosos realizados nos últimos 15 anos em conjunto com os mais altos representantes públicos dos poderes executivo, legislativo e judiciário do Brasil.

Como resultado desse quadro lamentável, os poderes da república brasileira têm agido de forma patentemente arbitrária e antidemocrática, visando obstruir os processos da lei e da ordem, dessa forma traindo os interesses 190 milhões de cidadãos brasileiros ao favorecer bandidos já condenados pelas leis do país.

O fato é que os 2 bilhões de dólares já bloqueados com a ajuda de governos estrangeiros – do total de U$ 16 bilhões desviados pelo banqueiro-bandido Daniel Dantas – mostram a veracidade dos crimes e provam que a luta vai, sim, além dos oceanos. Mesmo assim e apesar de ter sido condenado a dez anos de prisão bem como ao pagamento de multa de R$ 12 milhões por tentar subornar um delegado da Policia Federal, o banqueiro-bandido condenado responde a sentença em liberdade após receber dois Hábeas Corpus sucessivos contrariando todo o histórico de julgamentos e súmulas da Suprema Corte brasileira.

Infelizmente, não é apenas o judiciário que está no payroll do banqueiro-bandido Daniel Dantas. O próprio presidente da república, o Lula, acaba de colocar los amigos para assumir controle do Sistema Brasileiro de Inteligência (Sisbin) com um decreto no dia 19 de fevereiro de 2009, visando obstruir processos relativos à soberania da nação – aliás, uma jogada não muito distante do Patriot Act do presidente G.W. Bush que custou aos EUA um atraso que o senhor pode mensurar melhor do que ninguém. No caso em questão, 11 entidades autônomas, incluindo as forças armadas brasileiras, formavam um conselho consultivo que coordenava a Sisbin. Esse conselho foi agora substituído por um comitê de seis indivíduos amigos de Lula, todos com um passado ético extremamente questionável.

Como é de conhecimento público, as informações da investigação Satiagraha contendo provas irrefutáveis dos crimes mencionados acima se encontram em 12 discos rígidos, encontrados dentro de uma parede oca na residência do banqueiro-bandido Daniel Dantas, os quais estão presentemente nas mãos da CIA nos EUA para serem analisados e revelados os esquemas de corrupção no Brasil com reflexos no seu país. Não é difícil imaginar as razões que levaram essas evidências para longe do Brasil ao considerarmos a seriedade dos crimes cometidos e o poder dos criminosos envolvidos, cuja lista abrange expoentes do sistema financeiro internacional, alguns já bem conhecidos do público estadunidense.

Assim como o senhor, o senador Russ Feingold e milhões de homens e mulheres honrados em seu país, a grande maioria dos brasileiros acredita que a lei deve valer para todos equitativamente, caso contrário a democracia se torna uma mentira e colocamos em risco o futuro da liberdade e da cidadania no mundo. Temos que lutar juntos pela transparência e pela justiça dia e noite para que as forças corruptas não se imponham sobre as forças do bem e por isso acreditamos vigorosamente que não pode haver protelações quanto à justiça clamada pelo povo brasileiro em face da crise moral que assola o Brasil.Finalmente, lutamos pela justiça HOJE.

Como escreveu Martin Luther King Jr., "Justiça atrasada é justiça negada". Então, contamos com a sua vigilância e o seu apoio para que os processos de avaliação e divulgação dos dados contidos nos 12 discos rígidos em poder da CIA não sejam obstruídos. Queremos apenas a verdade, pois sabemos que basta a verdade para que a soberania do nosso povo seja garantida.

Deus abençoe o senhor, sua família, o povo americano e todas as suas iniciativas visando o aprimoramento social da humanidade.

Atenciosamente,

Protógenes Queiroz

Meus sais!

Cinco vereadores são presos por corrupção

O Globo (Clique aqui e leia o original)
Cinco vereadores de Igarapava, cidade de 25 mil habitantes a 446 quilômetros de São Paulo, foram presos sob suspeita de exigir dinheiro do prefeito para facilitar a aprovação do Orçamento e de projetos na Câmara. Quatro foram presos anteontem à tarde e o quinto, justamente o presidente da Câmara, só ontem, depois de passar a madrugada escondido atrás de um armário numa das salas da prefeitura. Na véspera, ele conseguiu fugir enquanto os colegas eram presos.

Todos foram indiciados por corrupção e formação de quadrilha. Na casa de um deles, a polícia apreendeu armas, munição, um computador e cheques no valor de R$ 800 mil. O Ministério Público vai investigar a origem do dinheiro.

Anteontem, a população se reuniu em frente à delegacia para gravar imagens dos presos e protestar, chamando-os de ladrões. Há 15 dias, o Ministério Público investigava a denúncia de que os vereadores pediam dinheiro para aprovar projetos do prefeito. Escutas autorizadas pela Justiça revelaram que o grupo pedia R$ 5 mil para cada parlamentar nos primeiros dois meses. Depois, as parcelas subiriam para R$ 7 mil.

Como a Câmara tem nove vereadores, os cinco garantiriam a maioria para aprovar qualquer projeto de interesse do prefeito e as contas da prefeitura.

Nota do Editor - Que coisa feia! Vereadores pegando dinheiro para aprovar projetos. Aqui em Coaquira isso nunca aconteceu, dizem que aconteceu, mas acho que é mentira pois se fosse verdade alguém teria ido preso. Fico tranqüilo e feliz por viver em uma cidade onde os vereadores são honestos. Ubatuba é bonita e por isso atrai turistas e navios. Viva Ubatuba! (Sidney Borges)

As águas vão rolar

Esquerda petista promete resistir à volta de Delúbio

Clarissa Oliveira
Apesar de já ter angariado apoio em vários grupos no PT, o ex-tesoureiro Delúbio Soares terá de enfrentar resistências na esquerda petista em seu esforço para voltar aos quadros do partido. Se depender de alguns setores da legenda, o pedido de refiliação apresentado por ele nem sequer será incluído na pauta da próxima reunião do Diretório Nacional, em maio. A promessa de levar o assunto a debate foi feita pelo presidente nacional do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP). Anteontem, ele recebeu de Delúbio uma carta em que o ex-petista avalia que a pena de expulsão imposta após o escândalo do mensalão foi dura demais diante dos erros cometidos.


Representante da corrente Democracia Socialista, o secretário de Formação Política do partido, Joaquim Soriano, avisa que pretende se posicionar contra a análise do pedido. "Este é um assunto que não deve sequer ser discutido. Vou propor que não entre na pauta."A posição será seguida pela corrente Articulação de Esquerda, afirma Angélica Fernandes, também membro do Diretório Nacional. "Isso não deveria voltar à pauta do PT. É um assunto esgotado, que não agrega mais nada."

Delúbio, entretanto, terá ajuda em várias alas do PT. Desde o ano passado, ele começou a angariar apoio dentro da corrente Construindo um Novo Brasil, antes conhecida como Campo Majoritário, que o tinha como um de seus integrantes. O grupo tem 42% dos 81 votos no Diretório Nacional. Mas dirigentes reconhecem que nem mesmo nesse grupo a refiliação é consenso.
Leia mais

Nota do Editor - O Ubatuba Víbora apóia a esquerda petista, também apóia o centro petista e não deixa de ter simpatia pela direita petista. Delúbio já carrega um fardo pesado por se chamar Delúbio. Na escola primária os coleguinhas gritavam o tempo todo delúúúbiooooooo... Essas coisas abatem a auto-estima. (Sidney Borges)

Opinião

A vulnerabilidade de nossas cidades

Washington Novaes
A queda, no pátio de um estacionamento, de um avião monomotor que um suicida tentava atirar contra o maior shopping center de Goiânia, na hora em que circulavam no seu interior milhares de pessoas, mais uma vez evidencia vulnerabilidades muito preocupantes de grandes aglomerados urbanos - já às voltas com momentos até de ingovernabilidade e domínio territorial por bandos criminosos ou grupos sociais inconformados (perueiros, motoqueiros, comerciantes irregulares etc.). Nem por isso, entretanto, ouve-se um início de discussão no setor público sobre a necessidade urgente de macropolíticas para esses aglomerados, que crescem e se verticalizam continuamente, quase sem nenhuma disciplina ou orientação, ao sabor apenas das chamadas "forças do mercado", mas com progressiva perda da qualidade de vida pelas populações, insegurança crescente, inundações e até, em certos setores econômico-sociais, inviabilização gradual.


A sequência de fatos é impressionante: uma pessoa já acusada de quatro delitos consegue, sem ser piloto habilitado e quase só com conhecimentos adquiridos na internet, apoderar-se de um monomotor numa cidade de quase 200 mil habitantes, bem próxima de Brasília. Voa em direção a Goiânia e começa por dar voos rasantes sobre o aeroporto dessa capital e passa a poucos metros de um Boeing. Embora seguido por um Mirage e um Tucano da Força Aérea, faz vários outros voos rasantes à beira de arranha-céus e de outro shopping e, sem ser impedido, arremete contra o shopping, onde caiu a dez metros da entrada principal. Quantas vulnerabilidades em terra e no ar, próximas à capital do País e à de um Estado, região metropolitana com quase dois milhões de pessoas!

É inevitável que a memória recue ao tempo em que Mao Tsé-tung tentava impor na China uma política de desconcentração populacional absoluta, mas por estratégia militar. Entendia ele que a concentração humana e/ou econômica criava alvos para o inimigo e abria caminho para a dominação militar. Sem concentração, esse eventual inimigo teria de ocupar todo o país - tarefa impossível. Pela mesma razão, tentava impor com a desconcentração uma política que levasse cada pessoa ao mais próximo possível da autossuficiência na produção de alimentos e outros itens de que necessitasse. Uma de suas radicalidades que o levaram à perda do poder.

Não precisamos, porém, tornar-nos maoístas dépassés para enxergar que precisamos introduzir rapidamente a discussão sobre macropolíticas nos nossos grandes aglomerados urbanos, antes que outras tragédias passem a frequentar nosso cotidiano. Mesmo com a atual crise global, não se consegue vislumbrar nenhuma estratégia que, ao lado de enfrentar as grandes questões econômico-financeiras, nos faça caminhar em direção a ambientes urbanos mais viáveis. Mesmo quando se discute, por exemplo, a oportunidade de introduzir veículos menos poluentes, que reduzam emissões e ajudem a enfrentar o drama do clima, em nenhum momento se agrega à discussão o drama já insuportável dos congestionamentos; ao contrário, segue-se debatendo apenas como retomar a alta produção, as vendas e os empregos no setor. Sem perguntar, por exemplo, o que vai acontecer numa cidade como São Paulo, já com mais de seis milhões de veículos, que ocupam mais de 50% do espaço urbano (incluindo o sistema viário, estacionamentos e garagens), para abrigar carros que consomem cerca de 90% da energia para transportar a si mesmos (e não passageiros), consomem 30 vezes mais energia para deslocar uma pessoa que o metrô (determinando um desperdício de R$ 1 trilhão em algumas décadas, como lembra o ex-secretário de Transportes Adriano Murgel Branco). E ainda permanecem ociosos a maior parte do tempo, porém gerando problemas gigantescos.
Leia mais

Manchetes do dia

Sexta-feira, 20 / 03 / 2009

Folha de São Paulo
"Com crise, cai aprovação de Lula"

Popularidade do presidente permanece recorde, mas apresenta primeira queda no segundo mandato

Com a piora da crise econômica, o governo Lula teve a primeira queda na avaliação desde o início do segundo mandato. A taxa de aprovação caiu de 70% para 65% em pesquisa concluída ontem pelo Datafolha. A região Nordeste, que concentra a maioria dos beneficiados pelo Bolsa Família, continua sendo a principal área de apoio a Lula, com 77% de aprovação – quatro a menos que no levantamento anterior. A pesquisa reflete o aprofundamento da crise e de sua percepção no Brasil. O Datafolha revela que, desde a pesquisa anterior, o percentual de brasileiros que tomaram conhecimento da crise foi de 72% para 81%.

Para 59% o desemprego vai aumentar – o maior percentual no governo Lula. O governador de SP, José Serra (PSDB), mantém ampla liderança em todos os cenários em que aparece na disputa à Presidência. A ministra Dilma Rousseff (PT) cresceu de três a quatro pontos. De modo espontâneo, Serra é o mais lembrado dos que podem concorrer em 2010, com 6%. Dilma e o governador de MG, Aécio Neves (PSDB), têm 3%.

O Globo
"Receita cai, governo corta R$ 21 bi e adia concursos"

Reajuste de servidores foram mantidos: para este ano e o próximo

A crise econômica reduzirá a arrecadação de impostos federais em cerca de R$ 48 bilhões este ano. Por isso, o governo anunciou que vai cortar R$ 21,6 bilhões no Orçamento de 2009 e adiar todos os concursos públicos programados para este ano e ainda não autorizados. Quem já foi aprovado mas não nomeado também terá de esperar para entrar no serviço público.

O Orçamento, no entanto, autoriza que 50 mil vagas no Executivo sejam preenchidas. O governo chegou a pensar em adiar ou suspender os reajustes de servidores programados, mas, temendo desgaste político, decidiu manter os aumentos previstos para julho deste ano e de 2010. "É evidente que se houver uma piora muito expressiva da receita vamos ter que rediscutir isso", disse o ministro Paulo Bernardo, do Planejamento.

O Estado de São Paulo
"Lula avisa Supremo que não vai extraditar Battisti"

Emissário do presidente ainda sugere saída jurídica para evitar confronto com STF

o presidente Lula fez chegar ao Supremo Tribunal Federal (STF) um recado: se a última palavra ficar com o Planalto, o ativista político Cesare Battisti não será extraditado para a Itália. O tribunal ainda vai analisar o caso de Batiisti, condenado à prisão perpétua pela Justiça italiana. Tende a autorizar a extradição, pedida pela Itália e negada pelo ministro da Justiça, Tarso Genro. Lula está convencido de que não pode contrariar Tarso, mas quer evitar um confronto com o STF. Por isso, junto com o recado, sugeriu que o Supremo mude a jurisprudência, informam os repórteres Felipe Recondo e Christine Samarco. Pelas regras em vigor, o tribunal analisa pedidos de extradição, mas cabe ao presidente a decisão final. A sugestão de Lula é que os julgamentos do Supremo passem a ter caráter obrigatório. Na visão do Planalto, a mudança possibilitaria uma saída honrosa para o governo.

Jornal do Brasil
"Governo aperta o cinto"

- Estão suspensos todos os concursos para cargos públicos federais e adiadas as posses

- PAC e programas sociais são preservados, mas Orçamento tem corte de R$ 21 bilhões

O governo anunciou ontem o corte de R$ 21,6 bilhões no Orçamento da União de 2009 para fazer frente à crise econômica. A meta de superávit primário sofrerá desconto e ficará em 3,3% do Produto Interno Bruto. O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, anunciou que serão adiadas as posses dos concursados públicos. Mas ficam asseguradas os subsídios programados para a área de habitação popular, a serem anunciados na próxima semana.

Isca

quinta-feira, março 19, 2009

Coisas da vida

Números

Sidney Borges
Roberto Carlos queria um milhão de amigos enquanto Obama quer um milhão de carros elétricos nas ruas dos EUA até 2015. Lula fala em um milhão de casas. Um milhão, número que exerce fascínio. Acho que não vão conseguir e, sinceramente, não é pensamento de desejo. Até torço para que dê certo, mas torcida e moinhos de orações nem sempre funcionam.

Livros

Um cadáver incômodo

Sérgio Rodrigues resgata a história de Elza, a garota executada pelo PCB após o fracasso da Intentona Comunista

Postado por Luciano Trigo (Clique aqui e leia o original)
Elvira Cupelo Colônio, codinome Elza Fernandes, tinha 16 anos quando foi presa, em janeiro de 1936, com seu companheiro, o dirigente do PCB Antonio Maciel Bonfim, o “Miranda”, na onda repressora que o Governo Vargas desencadeou após o fracasso da Intentona Comunista.

Libertada poucos dias depois, foi barbaramente assassinada: estrangulada, teve seu corpo mutilado e enterrado no quintal de uma casa no subúrbio do Rio. Cumpria-se assim a sentença do “tribunal vermelho” formado para julgá-la por uma suposta delação.

Os poucos historiadores que abordaram o episódio garantem que a ordem para a execução partiu de Luis Carlos Prestes, o Cavaleiro da Esperança, num bilhete escrito de próprio punho. Por ironia da História, poucos anos mais tarde a companheira de prestes, Olga Benário, seria vítima de outro crime hediondo, este bem mais conhecido e divulgado.

Ao decidir desenterrar o cadáver de Elvira em seu novo livro, Elza, a Garota (Nova Fronteira, 240 pgs.R$29,90) o jornalista e escritor Sérgio Rodrigues sabia que estava mexendo num vespeiro - e que correria o risco de desagradar boa parte da esquerda.

Misturando ficção e pesquisa histórica, Sérgio escreveu uma obra que vai muito além da denúncia política. Mesmo assim, uma mensagem fica clara para os leitores: a estupidez ignora ideologias.

G1: Houve um pacto de silêncio para abafar a história de Elvira? A que você atribui o quase-desconhecimento desse epidódio? Como essas coisas funcionam no Brasil? E e o que você, pessoalmente, acha disso?

SÉRGIO RODRIGUES: Entender esse desconhecimento foi minha maior motivação ao escrever o romance. O assassinato de Elza Fernandes rendeu tantas manchetes na época que sondar o silêncio que desabou mais tarde sobre ele não é uma tarefa simples. Por um lado, é compreensível que a história fosse um incômodo para a esquerda, que não tinha interesse em contá-la. Mas também a direita contribuiu para apagar o quadro-negro, na medida em que os discursos que ela alimentou sobre a Intentona eram tão pouco confiáveis - a lenda de que os revoltosos assassinaram a facadas companheiros de farda que dormiam, por exemplo - que acabaram jogando o pacote inteiro no descrédito. E a história é sensacional. Mesmo que a gente deixasse de lado por um momento o que existe de importante e necessário para a cultura de um país na atividade de arejar a memória, de não deixar esqueletos no armário, mesmo assim restaria uma história apaixonante de amor, traição e idealismo, contra um pano de fundo histórico dos mais fascinantes e terríveis que é o período imediatamente anterior à Segunda Guerra. Não fazia o menor sentido isso continuar no esquecimento.

G1: Que comparação é possível fazer entre Olga e Elza? As duas mortes se equivalem? Os dois lados estavam errados ou, ao contrário, é preciso explicitar suas diferenças, evitar que os crimes cometidos, por assim dizer, se anulem?

SÉRGIO: Acho que seria revoltante tentar estabelecer qualquer tipo de equivalência entre dois assassinatos. Qual seria a base moral para julgar algo assim? Existe sim uma simetria curiosa entre os dois personagens, agravada até, curiosamente, pelo fato de os nomes soarem semelhantes. É claro que os dois lados agiram de forma criminosa com essas mulheres, cada um a seu modo. No limite, num arroubo de historicização da coisa, pode-se dizer que Olga foi vítima de Hitler e Elza, de Stalin. Daí a imaginar que uma morte anule a outra ou que uma delas, ao contrário, seja mais grave e importante, vai uma enorme distância. Fugi tanto dessa comparação no livro que a Olga acabou ganhando apenas duas breves menções.

G1: Fale sobre a sua pesquisa. Recorreu a que fontes? O que descobriu de novo a respeito da execução de Elvira? Ainda existem dúvidas sobre o que aconteceu?

SÉRGIO: Foram seis meses intensivos de pesquisa, com a ajuda de uma pesquisadora profissional, a Cristina Zarur. Além da bibliografia que aparece no livro e da consulta aos autos do processo do Tribunal de Segurança Nacional que em 1940 condenou Prestes e os outros companheiros pelo assassinato de Elvira, as principais minas de documentos foram a Biblioteca Nacional, o Arquivo Edgard Leuenroth, a Unicamp, e a Fundação Getúlio Vargas. Houve também as entrevistas que eu fiz, e que foram incorporadas ao romance. O que me parece haver de mais novo é o avanço que o livro faz na questão da suposta traição do Miranda ao PCB. A carta que ele teria escrito a Filinto Müller, chefe de polícia que estava à frente da repressão aos comunistas, é um documento que, até onde sei, jamais tinha sido publicado em livro. Quanto aos indícios de que ela pode ter sido forjada, nem se fala.

G1: Por que acrescentar a parte ficcional à história, por si só tão dramática? Qual era seu objetivo?

SÉRGIO: Muito cedo na pesquisa eu descobri que tinha que fazer um romance. Não só porque a ficção me permitiria dar uma vida e um pulso a personagens que a não-ficção, por definição, tende a esfriar. A razão principal era que eu precisava de liberdade para trazer a história até nossos dias, falar menos do episódio em si e mais de uma longa história que viesse a dar, no fim das contas, no Brasil de hoje, um produto daquele. Não duvido que fosse possível fazer isso num longo ensaio, mas ele consumiria 1.200 páginas e ficaria ilegível. Um romance de 240 páginas pareceu uma idéia melhor.

G1: Você não teme que seu livro seja “apropriado” pela direita? Acredita que haverá reações negativas por parte da esquerda? Isso causa preocupação?

SÉRGIO: Qualquer pessoa que leia o livro vai perceber logo nas primeiras páginas que ele não pode ser apropriado pela direita. A direita brasileira sai muito mal disso tudo. Isso não quer dizer que a esquerda saia bem. Acredito mesmo que essas categorias, pelo menos em termos tão absolutos, estejam virando relíquias da Guerra Fria, o papo hoje é um pouco diferente. Mas, mesmo quando elas faziam todo o sentido, julgar uma obra de literatura por esses parâmetros sempre foi má idéia. E espero que o Elza seja julgado como literatura, porque é o que ele é. Dito isso, claro que me preocupa um pouco o uso político que possam tentar fazer do livro. Principalmente porque muita gente, claro, não vai se dar ao trabalho de ler nem a orelha do Zuenir Ventura antes de formar uma opinião acachapante. A irresponsabilidade intelectual é grande, e as paixões que o tema desperta são intensas. Mas considerar meu romance um livro “de direita” é como dizer que Memórias póstumas de Brás Cubas é um livro espírita, isto é, coisa de gente muito desinformada. De todo modo, seria ingenuidade mexer num vespeiro desse tamanho e esperar unanimidade. A quem se sentir incomodado só de ouvir falar do livro, faço um único pedido: leia-o primeiro.

G1: Mas esse epísódio era lembrado basicamente por defensores ardorosos do regime militar pós-64, como o general Brilhante Ustra, no seu site A verdade sufocada, e o general Agnaldo Del Nero Augsto, no livro A grande mentira, que denunciam diversas outras vítimas de justiçamentos comunistas, na época…

SÉRGIO: Não é verdade que o caso Elza só fosse lembrado até hoje por torturadores e/ou defensores da ditadura militar. Ele está contado em livros de historiadores sérios - e de esquerda - como Jacob Gorender e Marly Vianna. Aparece com riqueza de detalhes no bom Camaradas, de William Waack, e é mencionado de passagem até no Olga. Tratar desse assunto de forma adulta e à luz do dia me parece interessante inclusive, e talvez até principalmente, para a esquerda. Os sites a que você se refere, aliás, são citados por um personagem do meu livro como “sitezinhos horríveis” produzidos pela “extrema direita mais hidrófoba”. Repudio com veemência a companhia dessa gente.

Software

Versão oficial do IE8 estará disponível para download hoje

Acelerador é uma das novidades no navegador

Tecnologia (Clique aqui e leia o original)
A versão oficial do navegador Internet Explorer 8 (IE8) finalmente estará disponível nesta quinta, à tarde, para download no site da Microsoft. O browser rodará tanto no Windows Vista quanto no XP e já faz parte do próximo sistema operacional a ser lançado, o Windows 7.– Consumidores já deixaram claro o que eles querem de um browser: segurança, velocidade e e facilidade de uso. Com o IE8, nós entregaremos um navegador que dá às pessoas a informação que elas precisam rapidamente e provemos a porteção que nenhum outro brwoser pode dar - declarou o CEO da Microsoft, Steve Ballmer. O IE8 entra no mercado com a missão de manter a hegemonia que o IE7 detém (72,2%, contra 17,2% do Firefox, o segundo colocado, segundo pesquisa recente da Janco Associates.

Funcionalidades

O novo navegador incorpora uma funcionalidade de apagar históricos, de modo que se apaga o rastro de sites visitados em últimas sessões. Com a ativação do modo InPrivate, se pode navegar sem deixar pegadas - sem registros de sites, senhas ou nomes de usuários.

Duas grandes novidades do IE8 são os slices e aceleradores. Os primeiros são pequenos pedaços de conteúdos dinâmicos, o que permitirá ver e receber atualizações de notícas, ou ver novidades de uma rede social sem ter que trocar de tela (algo como o um widget).

Os aceleradores são programas que tornam mais fácil compartilhar conteúdos: um clique no botão direito do browser em uma imagem, link ou texto dá a opção de postar num blog, traduzir, definir um tempo, enviar por email, mapear um endereço. Essa facilidade vem com alguns serviços pré-programados, mas é possível instalar outras opções, como o Google ou Yahoo Maps, ou o Blogger.

Faça o download no Baixatudo:

Internet Explorer 8 para Windows XP (em português)
Internet Explorer 8 para Windows XP (em inglês)

Internet Explorer 8 para Windows Vista (em português)
Internet Explorer 8 para Windows Vista (em inglês)

Retrato da estupidez em forma humana



Polícia divulga foto recente de Charles Manson

Redação Terra (Clique aqui e leia o original)
Funcionários do sistema prisional da Califórnia liberaram ontem uma fotografia de Charles Manson tirada recentemente. A imagem faz parte dos procedimentos de atualização regular das fotografias dos detentos na Prisão Estadual da Califórnia, em Corcoran, informa a rede de TV CNN.

A divulgação da imagem coincide com a proximidade do 40º aniversário dos assassinatos cometidos pela "família Manson", em agosto de 1969. Manson e outras quatro pessoas - Susan Atkins, Patricia Krenwinkel, Charles "Tex" Watson e Leslie Van Houten - foram condenados pela morte da atriz Sharon Tate, que estava grávida de oito meses, e de outras sete pessoas.

A "família" fundada por Charles Manson era formada por jovens hippies vindos de várias partes dos Estados Unidos para viver em comunidade numa pequena fazenda chamada Spahn Ranch, no sul da Califórnia, e seguir os princípios do líder.

Todos os membros da "família Manson" pediram liberdade condicional diversas vezes ao longo das últimas décadas, mas o benefício nunca foi concedido. Atkins, considerada doente em estado terminal, teve o pedido negado em julho de 2008. Acredita-se que ela esteja entre os que esfaquearam Sharon e escreveram a palavra "porco" com sangue na porta da casa que ela dividia com o diretor Roman Polanski.

Em maio de 2008, a polícia realizou escavações na fazenda onde Manson e seus seguidores viviam atrás de indícios de que restos humanos estariam enterrados lá, mas nada foi encontrado.
 
Free counter and web stats