sábado, novembro 08, 2008

Oportunidade...

Chinês de 105 anos procura namorada na internet

da Efe, em Pequim
Um chinês de 105 anos começou a procurar uma namorada na internet, e pede que sua companheira tenha no máximo a metade de sua idade, informou hoje a imprensa estatal.
A história de Gong Duoruo ocupa as páginas de muitos jornais, entre eles o governista "China Daily", que hoje publicou fotos do idoso conversando em uma sala de bate-papo na internet e com fones de ouvido.
Gong, natural da região autônoma da Mongólia Interior (norte), mas, que atualmente mora na cidade de Chengdu (sudoeste do país), recebeu a ajuda de jornalistas locais para participar de um popular serviço de contatos através da internet, em que os interessados podem conversar por vídeo-conferência.
Através do serviço, Gong entrou em contato com uma enfermeira que tem o apelido de Zhang, e mora em Xian (centro do país) que realiza seu sonho, já que tem apenas 50 anos.
Zhang, também perseguida pelos repórteres, disse estar "comovida" pelos esforços de Gong e "sua visão otimista da vida".
Leia mais

Palavras

Palavra do Dia: PANDEMIA

Recentemente, a ONU declarou estar preocupada com o fato de muitos países não estarem testando estratégias para uma eventual pandemia de gripe aviária, tornando-os extremamente vulneráveis a ela. A palavra “pandemia” vem da junção do prefixo grego ‘pan’, que significa “tudo, todos” e de “demia”, que se refere a “povo, população”. O termo “pandemia” designa uma epidemia (propagação de uma doença infecciosa e transitória por uma alta parcela da população de determinado local) de grandes proporções, atingindo toda uma região, um país ou até mesmo o mundo todo.

Definição do “iDicionário Aulete”:

PANDEMIA (pan.de.mi.a)
Substantivo feminino.
1 Med. Epidemia que atinge toda uma região.
[Formação: Do grego ‘pandemías, as’.]

Racistas e racismo = ignorância...


Fora do tempo

Sidney Borges
A vitória de Barack Obama coincidiu com a conclusão do mapeamento genético de africanos e asiáticos. O que já era mais ou menos óbvio aos pensantes dotados de sensibilidade, agora é verdade incontestável. Não há raças, somos todos iguais do ponto de vista genético. O que nos tornou claros, escuros ou amarelos foram características decorrentes do ambiente evolutivo. Se você não sabia e nem desconfiava, tenha agora plena certeza: Hitler era um ignorante preconceituoso. Como são seus seguidores da foto acima.

Dura lex

SENTENÇA JUDICIAL EM 1833

'Ipsis litteris, ipsis verbis' - TRATA-SE DE LINGUA PORTUGUESA ARCAICA

PROVÍNCIA DE SERGIPE

O adjunto de promotor público, representando contra o cabra Manoel Duda, porque no dia 11 do mês de Nossa Senhora Sant'Ana quando a mulher do Xico Bento ia para a fonte, já perto dela, o supracitado cabra que estava de em uma moita de mato, sahiu della de supetão e fez proposta a dita mulher, por quem queria para coisa que não se pode trazer a lume, e como ella se recuzasse, o dito cabra abrafolou-se dela, deitou-a no chão, deixando as encomendas della de fora e ao Deus dará. Elle não conseguiu matrimonio porque ella gritou e veio em amparo della Nocreto Correia e Norberto Barbosa, que prenderam o cujo em flagrante. Dizem as leises que duas testemunhas que assistam a qualquer naufrágio do sucesso faz prova.

CONSIDERO:

QUE o cabra Manoel Duda agrediu a mulher de Xico Bento para conxambrar com ela e fazer chumbregâncias, coisas que só marido della competia conxambrar, porque casados pelo regime da Santa Igreja Cathólica Romana;
QUE o cabra Manoel Duda é um suplicante deboxado que nunca soube respeitar as famílias de suas vizinhas, tanto que quiz também fazer conxambranas com a Quitéria e Clarinha, moças donzellas;
QUE Manoel Duda é um sujeito perigoso e que não tiver uma cousa que atenue a perigança dele, amanhan está metendo medo até nos homens.

CONDENO:

O cabra Manoel Duda, pelo malifício que fez à mulher do Xico Bento, a ser CAPADO, capadura que deverá ser feita a MACETE. A execução desta peça deverá ser feita na cadeia desta Villa.
Nomeio carrasco o carcereiro.
Cumpra-se e apregue-se editais nos lugares públicos.


Manoel Fernandes dos Santos

Juiz de Direito da Vila de Porto da Folha
Sergipe, 15 de Outubro de 1833.
Fonte: Instituto Histórico de Alagoas
(Enviado por Renato Nunes)

Do jardim...

Ludopédio

Corinthians joga em Criciúma para confirmar título inédito e "único"

da Folha Online
Com vaga assegurada na Série A do Brasileiro-2009, o Corinthians vai até Criciúma neste sábado, às 16h20, no estádio Heriberto Hulse, em sua primeira chance para assegurar o título inédito da Série B, cuja edição de 2008 foi dominada pelo clube paulistano desde seu início.
Apesar de querer confirmar, com a conquista da segunda divisão, a recuperação na temporada de 2008 após o rebaixamento no ano passado, o time --com quatro títulos da Série A em sua história-- também busca concluir sua participação na Série B e nunca mais disputá-la.
Restando cinco jogos, e com 73 pontos, o clube do Parque São Jorge já pode assegurar matematicamente o título se vencer o Criciúma no Heriberto Hulse --feito inédito na história do Corinthians, segundo o site oficial do clube-- e torcer para que o segundo colocado, o Avaí (62 pontos), não vença o CRB em Maceió, também às 16h20.
Apesar da grande vantagem de 11 pontos para o Avaí, com apenas cinco rodadas para o final, os corintianos reconhecem a vontade em definir logo a conquista.
"Existe uma ansiedadezinha para conquistar logo esse título", declarou o lateral-esquerdo André Santos, que também se disse aliviado por não ter de agüentar mais as provocações dos rivais com a volta do time à Série A. "Piadinhas não vamos ouvir mais."

Leia mais

Nota do Editor - A brilhante campanha do Corinthians na "segundona" deveria ser motivo de reflexão dos torcedores. Ganhar um campeonato com tanta superioridade sugere que o "Timão" encontrou o seu lugar. Na primeira divisão a coisa poderá ser diferente. Com derrotas, lágrimas e sofrimento. Não seria melhor ficar onde o sucesso é garantido? Imagino a letra do novo hino, mantendo a melodia atual:
Salve o Corinthians,
Um verdadeiro campeão
Não dá moleza,
Na segunda divisão... (Sidney Borges)

Beijo Roubado

Falso pudor

Beijo roubado gera ação que ocupa Justiça por dois anos

Três delegados de Polícia, oito médicos, nove defensores, cinco procuradores de Justiça, oito promotores de Justiça e 10 juízes. Esse foi o pessoal usado em uma ação movida por uma moça contra um rapaz que tentou dar “uma bicotinha” em seu rosto. A sentença, assinada pelo juiz Fábio Martins de Lima, da 1ª Vara de Entorpecentes e Contravenções Penais de Brasília, absolveu o garoto da acusação de crime de atentado contra o pudor. A decisão foi publicada na segunda-feira (3/11).
Segundo a sentença, no dia 20 de fevereiro de 2006, dentro do ônibus, “a moçoila foi surpreendida pelo inopinado beijoqueiro que, de supetão, não tendo resistido aos encantos da donzela, direcionou-lhe a beiçola, tendo como objetivo certo a face alva da passageira que se encontrava a seu lado”. O juiz chamou o caso de “insólito episódio” e classificou a acusação como “pitoresca”.
Relata a sentença que a vítima “é uma moçona forte, que teria reagido e rechaçado a inesperada demonstração de intimidade não existente”. Em depoimento, ela afirmou que “deu um tapa no rosto do sujeito e depois o esmurrou por diversas vezes”. Na delegacia, ela cravou as unhas no pescoço do rapaz e o sacudiu.
Na audiência processual, a moça relatou o ocorrido gesticulando e mostrando como havia tentado esgoelar o beijoqueiro. Segundo o juiz, “todos os presentes acompanharam entre estupefatos e incrédulos o minucioso relato ilustrado com um toque de sadismo; ouvindo tais pormenores todos se puseram a pensar em quem teria sido a verdadeira vítima no episódio”.
Ao final dos depoimentos, o juiz não resistiu e, informalmente, perguntou para a vítima se o réu era bonito. “Doutor, se ele fosse um Reinaldo Gianecchini, a reação teria sido outra”, respondeu a moça.
No final da instrução, o Ministério Público pediu a absolvição do acusado. A reportagem é do site Espaço Vital.

Leia mais

Nota do Editor - Apesar deste Blog ter grande apreço pelos ofídeos, essa moça teve um ataque de overreaction e agiu como uma jararaca. Jararaca mal-educada, que fique claro. Ela poderia ter dito ao rapaz:
- Omeu, senuntavendu qui eu num tôafim. Siainda fossi u janequini...
Sem encher o cara de porrada. (Sidney Borges)

Estados Unidos

Barney e Miss Beazley

Diogo Mainardi
Nova York. Barack Obama acaba de ser eleito. Dou uma espiada no que acontece na rua. Uma mulher extasiada berra de uma janela. Ela berra como o bode que os parentes quenianos de Barack Obama sacrificaram para comemorar sua vitória. Uma picape passa buzinando. Outra picape passa buzinando ainda mais alto, com uma bandeira do lado de fora. Os americanos se parecem com a torcida do Vila Nova. No bairro dominicano, algumas quadras adiante, os moradores soltam fogos de artifício exatamente como no Morro do Vidigal, quando chega um novo carregamento de drogas.
Volto para meu apartamento. Na TV, Barack Obama está discursando para milhares de fiéis reunidos no Grant Park, em Chicago. Ele anuncia sua primeira medida como comandante-em-chefe dos Estados Unidos: comprar um cachorro para suas filhas, que tomará o lugar de Barney e Miss Beazley, os dois scottish terriers de George W. Bush. Como afirma Barack Obama em seu discurso, chegou a hora de mudar a Casa Branca. Barney e Miss Beazley: adeus. Muita gente chora. Muita gente reza. Mais do que uma festa, trata-se de uma missa campal. Barack Obama é o sacerdote que pode perdoar os americanos de todos os seus pecados, da escravatura à guerra no Iraque. "Um momento épico", exaltam os comentaristas. "Um evento histórico", repetem continuamente. Se de fato é um evento histórico, eu, do lado de cá da tela, de pijama, comendo um prato de Rice Krispies, me sinto como Fabrizio del Dongo, que passa pela Batalha de Waterloo sem se dar conta de seu real significado, no romance A Cartuxa de Parma, de Stendhal. Barack Obama é Nelson Mandela? Os Estados Unidos acabam de sair do apartheid? Nada disso. Ele é só um presidente. Mais um.
Barack Obama atraiu os eleitores de 18 a 29 anos. Votar é menos excitante do que amarrar os sapatos. Mesmo assim, eles registraram o momento do voto com seus telefones celulares, descarregaram as imagens no YouTube e as divulgaram pelo Twitter. Os comentaristas elogiam sem parar o empenho dos eleitores de 18 a 29 anos na campanha de Barack Obama. Eu jamais confiaria neles para escolher uma marca de cotonetes, menos ainda para escolher um presidente dos Estados Unidos. Chega. Desligo a TV.
Um blogueiro informa que se trata do maior comparecimento às urnas desde 1908. É mesmo. Eu vi. Numa igreja aqui perto, os eleitores passaram o dia inteiro na fila, mandando mensagens SMS e tomando café de canudinho. Os americanos sempre manifestaram um salutar desinteresse por seus governantes. Agora isso mudou. Eles se tornaram mais bananeiros, mais caudilhescos. O eleitorado de Barack Obama quer ser amparado por ele, quer ser protegido por ele, quer ser mimado por ele.
A mulher continua a berrar da janela. Os motoristas continuam a buzinar. Muito barulho por nada. Vou sentir falta de Barney e Miss Beazley. (Trem Azul)

Clique sobre a imagem e saiba mais

Saia justa

Piloto britânico que ficou cego em pleno vôo aterrissa avião

Homem de 65 anos sofreu derrame a 4 mil metros de altitude e foi orientado por outro avião da Força Aérea

LONDRES - Um piloto britânico que perdeu a visão em pleno vôo, a mais de 4 mil metros de altitude, conseguiu aterrissar seu avião com orientação de outra aeronave, da Força Aérea britânica (RAF, na sigla em inglês). O incidente ocorreu na sexta-feira da semana passada. Jim O'Neill partiu do aeroporto de Prestwick, na Escócia, para Chochester, na Inglaterra. O piloto de 65 anos voava com um avião Cessna, quando sofreu um derrame e perdeu a visão. O'Neill tem 18 anos de experiência com aviões. Ele passou um alerta de socorro para a base da RAF em Linton-on-Ouse. Um avião partiu da base de RAF para ajudar O'Neill a aterrissar, com instruções passadas por rádio. "No começo, pensamos que ele tinha sido cegado pela luz do sol, porque ele tinha dificuldades para ler os instrumentos e fez um alerta de segurança", disse o comandante de operações da RAF em Linton-on-Ouse, Andy Hynd. Hynd conta que O'Neill não conseguiu ver a pista e que a RAF despachou um avião para ajudá-lo. O comandante Paul Gerrard, que trabalha como instrutor de vôo, seguiu O'Neill com um Tucano T1 a uma distância de 50 metros.

Leia mais

Opinião

A piora do quadro mundial

Editorial do Estadão
A maior fábrica de automóveis do mundo, a General Motors, perdeu US$ 2,54 bilhões no terceiro trimestre e está quase sem dinheiro para continuar operando, segundo relatório divulgado ontem. Os números vieram bem piores do que o mercado previa, mas bem ajustados ao cenário geral da economia. Em outubro, o desemprego nos Estados Unidos chegou a 6,5% da força de trabalho, o nível mais alto em 14 anos, de acordo com informação oficial distribuída horas antes. Mais demissões vêm por aí. Na quinta-feira, a Ford havia revelado o plano de cortar 2.260 empregos. Do outro lado do Atlântico Norte a situação não é muito diferente. Também na sexta-feira o governo da Alemanha, a maior economia da Europa e a terceira do mundo, informou a produção industrial de setembro, 3,6% menor que a de agosto. Há apenas um mês, em 9 de outubro, o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, havia declarado: "Estamos à beira de uma recessão global." Depois disso, o mundo parece haver dado um passo adiante. Foi o tempo necessário para o FMI rever - para baixo - suas estimativas econômicas para este ano e para 2009.

Raras vezes na história as condições da economia mundial devem ter-se deteriorado com tanta rapidez. Há um mês, o FMI calculava um crescimento de 1,5% para as economias avançadas neste ano, e de 1,1% no próximo. As estimativas foram reduzidas para 1,4% em 2008 e -0,3% em 2009. A economia americana deverá encolher 0,7% no próximo ano; a da zona do euro, 0,5%; e a japonesa, 0,2%. As economias emergentes e em desenvolvimento ainda poderão crescer em média 5,1% em 2009, mas esse número é 1 ponto menor que o divulgado no começo de outubro.

Os governos e bancos centrais do mundo rico trabalham para conter o declínio da economia. Nesta semana, o Banco da Inglaterra cortou 1,5 ponto porcentual da taxa básica de juros. O Banco Central Europeu podou mais 0,5 ponto, assim como o da Suíça, prolongando o movimento iniciado há um mês. Na Coréia do Sul, a nova redução de 0,25 ponto porcentual, anunciada nesta semana, foi a terceira em apenas quatro semanas.
Leia mais

Manchetes do dia

Sábado, 08 / 11 / 2008

Folha de São Paulo
"Obama defende ajuda à classe média"
No dia do anúncio do maior desemprego nos EUA desde 1994, o presidente eleito, Barack Obama, defendeu a aprovação rápida de pacote de ajuda à classe média, relata Sérgio Dávila. “Precisamos de um plano para a classe média que invista em esforços imediatos para criar emprego e dê alívio às famílias que vêem seus contracheques encolherem”, declarou. Ele disse que revisará a implantação do plano de resgate financeiro de US$ 700 bilhões. “Algumas das escolhas que teremos de fazer serão difíceis, e não será rápido nem fácil sairmos do buraco em que estamos”, disse. O desemprego nos EUA pulou para 6,5% no mês passado, com saldo de 240 mil demitidos no período, relata Fernando Canzian. O total de desempregados no país é o maior em 25 anos. A GM, com perdas de US$ 4,2 bilhões no terceiro trimestre, não descarta pedir concordata.


O Globo
"Sem anunciar equipe, Obama cobra ação rápida de Bush"
No dia em que os EUA conheceram a maior taxa desemprego em 14 anos, o presidente eleito, Barack Obama, disse que a economia do país está no buraco e cobrou uma ação rápida para a aprovação, no Congresso, de medidas complementares ao pacote, ainda no governo Bush. "Se ele não fizer isso, será a primeira coisa que farei como presidente." Obama, que propôs um plano de ajuda à classe média, não anunciou nomes pará a equipe econômica, deixando claro que não montará governo paralelo. "Os EUA têm apenas um governo e um presidente."


O Estado de São Paulo
"Banco do Brasil negocia compra de três bancos"
Uma semana após o anúncio da união do Itaú com o Unibanco, o Banco do Brasil (BB) está perto de fechar a compra de três instituições financeiras: a Nossa Caixa, o Banco do Piauí e cerca da metade do capital do Banco Votorantim. No caso desse banco, o BB deverá assumir o controle da BV Financeira, centrada na área de crédito pessoal e financiamento de veículos. O comando da área de investimentos e da tesouraria ficaria com a família Ermírio de Moraes. O anúncio das aquisições deverá ser feito na segunda-feira, durante reunião do Conselho de Administração do BB. Se os negócios se confirmarem, o Banco do Brasil vai se aproximar do novo líder do mercado. De acordo com fontes envolvidas nas negociações, o BB também estaria interessado no Banrisul e estuda a aquisição de bancos privados de pequeno e médio porte.


Jornal do Brasil
"Obama: "Não vai ser fácil nem rápido sair do buraco""
Na primeira entrevista coletiva após as eleições, Barack 0bama a1ertou para as dificuldades de achar a saída da crise e pediu a aprovação de um novo plano de estímulo econômico. O pacote, a ser aprovado ainda este mês, inclui até USS 100 bilhões injetados na economia. Numa segunda fase, em janeiro, os congressistas americanos votariam projeto de corte permanente de impostos.

sexta-feira, novembro 07, 2008

Patos


Levo ou Deixo?

Diz a lenda que Rui Barbosa, ao chegar em casa, ouviu um barulho estranho vindo do seu quintal. Chegando lá, constatou haver um ladrão tentando levar seus patos de criação. Aproximou-se vagarosamente do indivíduo e, surpreendendo-o ao tentar pular o muro com seus amados patos, disse-lhe:
- Oh, bucéfalo anácrono! Não o interpelo pelo valor intrínseco dos bípedes palmípedes, mas sim pelo ato vil e sorrateiro de profanares o recôndito da minha habitação, levando meus ovíparos à sorrelfa e à socapa.
Se fazes isso por necessidade, transijo; mas se é para zombares da minha elevada prosopopéia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e o farei com tal ímpeto que te reduzirei à qüinqüagésima potência que o vulgo denomina nada. E o ladrão, confuso, diz:

- Dotô, resumindo, eu levo ou deixo os pato? (Enviado por Renato Nunes)

Acontece em Ubatuba


Ensaio Aberto
A Officina Artaud apresenta "Ensaio Aberto" nos próximos dias 05, 07 e 10 de novembro, as 20:30hs, no Auditório do Passeio Santa Fé.
O espetáculo de esquetes teatrais com textos adaptados de crônicas e contos de escritores brasileiros, mistura a improvisação e a comédia.
Sob direção de Vittorio Colacchio e Marilena Cabral.
Ingressos: R$ 2,00
Escolas públicas e entidades assistenciais previamente agendadas só pagam R$ 1,00
REALIZAÇÃO: OSC CELEBREIROS UBATUBA
Passeio Santa Fé, Rua Conceição 180 - Centro - Ubatuba
Patrícia Cabral - Produtora Cultural
OSC Celebreiros Ubatuba
12 - 91788452 / 12 - 38326335
SKYPE - patricia.christino.cabral

Palavras

Palavra do Dia: DISCURSO

Após ter sido apontado por várias projeções como o candidato eleito presidente do Estados Unidos, o senador Barack Obama fez um discurso de comemoração e agradecimento diante de aproximadamente um milhão de pessoas em Chicago, na região central do país. A palavra “discurso” originou-se no latim, de ‘discursus’, e designa, entre outros significados, uma exposição oral feita ou preparada para ser feita em público .

Definição do “Dicionário Aulete”:

DISCURSO (dis.cur.so) Substantivo masculino.
1 Exposição oral feita em público ou preparada para ser lida em público, pelo próprio orador ou não: Preparou um discurso especial para a cerimônia.
2 Ação ou modo de expressar oralmente pensamentos, opiniões: Tinha um discurso convincente.
3 Conjunto de sentenças que constituem uma disciplina, teoria etc. (discurso psicanalítico)
4 Ling. Unidade da língua maior do que a frase; ENUNCIADO.
5 Ling. Qualquer instância autêntica de uso da língua em todas as suas manifestações, nas modalidades escrita ou falada, incluindo o contexto de sua produção.
6 Ling. Qualquer enunciado, oral ou escrito, que estabelece uma comunicação entre seu emissor (locutor) e seu receptor (interlocutor)
7 FIl. Encadeamento lógico de enunciados, um levando seqüencialmente ao outro
8 Depr. Pop. Fala longa e entediante, visando dar lição de moral: Não me venha com esse discurso, pois já corrigi meu erro.
[Formação: Do latim ‘discursus’. Hom./Par.: discurso (fl. de discursar)]

Coluna da Sexta-feira

Tempo ligeiro

Celso de Almeida Jr.
A Atma é ótima. Ou melhor, foi. Nas caixas de seus brinquedos, um policialzinho inglês vinha de capacete com as iniciais RC, de Rígido Controle. Revelava a preocupação dessa indústria com o controle de qualidade, há 40 anos.
Para as empresas, monitorar a qualidade é tarefa permanente. Para tanto, diversos indicadores são adotados. O empresário sabe que um descuido no sistema de avaliação da qualidade pode prejudicar a comercialização de seus produtos.
Na esfera pública, uma série de indicadores também contribui para medir os serviços. Ao medir, conseguimos avaliar o grau de qualidade. E, como não se gerencia o que não se controla, é fundamental usar os indicadores, procurando traduzi-los de forma simples e clara, permitindo ao governo e a sociedade um retrato fiel da situação.
Com tais avaliações, tomam-se as decisões para corrigir os rumos.
Daí a importância de que tais medições sejam muito bem feitas, pautadas em dados confiáveis, transparentes.
Creio que Ubatuba tem, nesse instante, uma ótima oportunidade para valorizar essas ferramentas governamentais.
Imagino, por exemplo, a discussão sobre um indicador, a cada quinzena. Valendo-se da internet, os interessados e especialistas opinariam, explicariam, orientariam. Passada a discussão, faríamos um documento sintético, com uma análise crítica, para encaminhar ao prefeito e vereadores.
Talvez tivéssemos o embrião do fórum de debates, tão cobrado pelas forças da oposição. Quem sabe, até, uma vez por mês, pudéssemos promover um encontro dos interessados, para um balanço das avaliações.
A presença de representantes do governo, com real respaldo do prefeito, além da ampla cobertura da imprensa local, daria visibilidade a esta iniciativa, revelando um viés democrático que Ubatuba precisa agregar ao seu cotidiano.
Não podemos mais perder tempo com discursos personalistas. Não nos interessa saber quem é o bom, quem teve mais ou menos votos. Posturas que só prestigiam o ego, reportam alguns políticos ao jardim da infância e seus brinquedinhos deliciosos.
Ao utilizar os indicadores sociais e econômicos para medir a ação governamental estamos trabalhando sobre a verdade científica. Sobre ela devemos nos debruçar, buscando as soluções que a cidade espera, de forma criteriosa, compartilhada, realmente democrática.
A Atma passou.
Os governos passam, também.
É preciso que fiquem as boas lembranças e, no caso de Ubatuba, um campo fértil, duradouro, para nós e para as novas gerações.
Afinal, o futuro de uma cidade chega rápido. E não é brinquedo.

Opinião

O tempo é curto na área do clima

Washington Novaes
Avivou muito as discussões a presença em São Paulo, esta semana, do afável e cordial - mas não menos contundente - sir Nicholas Stern, ex-economista-chefe do Banco Mundial e coordenador do relatório sobre mudanças climáticas pedido pelo governo britânico em 2006. Nesse documento, que mudou o rumo das discussões, Stern afirmara que tínhamos dez anos para enfrentar a questão do clima, aplicando em soluções pelo menos 1% do produto bruto mundial (cerca de US$ 600 bilhões) a cada ano; se não o fizermos, corremos o risco da "mais grave recessão econômica da História", que pode significar a perda de 20% do produto mundial.


Há poucas semanas, Stern corrigiu - e agora reiterou em São Paulo: "Em 2006 eu fui muito otimista, não temos dez anos." As emissões cresceram muito no mundo e os custos já seriam de 2% do produto ao ano. E será preciso estabilizar a concentração de carbono na atmosfera em nível mais baixo (450 partes por milhão) do que fora imaginado (500 a 550). No ritmo atual, a temperatura do planeta subirá de 2 a 3 graus Celsius até 2050 e 5 graus até 2100 (a média é de meio grau por década). A média de emissões por pessoa precisará baixar das atuais 7 toneladas anuais (nos países industrializados varia de 10 a 24 toneladas per capita; no Brasil é superior a 2 toneladas) para que se consiga uma redução de pelo menos 50% nas emissões totais até 2050, o que implica 80% para os países industrializados. Mas a crise financeira está agravando tudo. Porque o custo da redução inclui de US$ 20 bilhões a US$ 75 bilhões no comércio de carbono, que empresas de países industrializados já estão contendo. E mesmo na Europa - mais empenhada em reduções que outras áreas - países como Itália, Polônia e outros estão pedindo que seja adiado o compromisso de reduzir as emissões em 20% até 2020.

Na televisão e em outros lugares, Stern fez uma advertência oportuna para o Brasil: a questão do clima não se pode confinar no Ministério do Meio Ambiente, "precisa da participação da Casa Civil, dos Ministérios da Agricultura, do Desenvolvimento, da Fazenda" - isto é, das áreas governamentais hoje mais empenhadas num crescimento econômico quase a qualquer preço do que em esforços para conter o desmatamento, mudar matrizes energéticas e do transporte, reduzir as emissões industriais. Também colocou condicionantes claras para a exploração do petróleo da camada pré-sal: vai depender da cotação do petróleo (que, aos preços atuais, pode inviabilizá-la); de mudanças nos transportes (para veículos menos poluidores); e da viabilidade da tecnologia de capturar as emissões na sua fonte (usinas de energia, indústrias e outras) e sepultá-las debaixo da terra ou no fundo mar - é uma tecnologia que o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas avaliou como tecnicamente possível, mas dependendo do que acontecerá na terra, em termos geológicos e de recursos hídricos, e no mar, com a biodiversidade marinha.
Leia mais

Manchetes do dia

Sexta-feira, 07 / 11 / 2008

Folha de São Paulo
"Sem ordem judicial, PF quebra sigilo telefônico"
Ao investigar o vazamento da Satiagraha, a PF quebrou, sem autorização judicial, o sigilo de aparelhos Nextel de jornalista e outras pessoas no dia do inicio da operação, que prendeu Daniel Dantas. A PF queria descobrir se o delegado Protógenes Queiroz que liderou a Satiagraha, avisou a TV sobre a operação. Para isso, enviou oficio à Nextel pedindo a relação completa dos celulares e antenas usados próximo à sede paulista da PF e em três locais alvos de buscas. Nos quatro lugares havia equipes da Globo, Em nota , a Nextel diz que, “neste e em outros casos, tem seguido estritamente as determinações judiciais”. As informações da Nextel à PF embasaram ordens de busca e apreensão autorizadas pela justiça contra Queiroz. O procurador Roberto Dassié, que atua no caso, se opôs à quebra do sigilo dos jornalistas. Para ele, só os celulares do delegado deveriam ter o sigilo quebrado. Sem se referir ao caso de SP, a PF disse que só obtém dado sigiloso com autorização da justiça.


O Globo
"Bush acelera medidas contra a crise para ajudar Obama"
O presidente George W. Bush decidiu apressar a aplicação das medidas do pacote de US$850 bilhões de socorro à economia, para evitar o agravamento da crise financeira até a posse do presidente eleito, Barack Obama, em 20 de janeiro. O Tesouro deve pôr à disposição do mercado US$550 bilhões para empréstimos, além de vender bônus. O objetivo é estimular a retomada do crédito no país. Ao falar aos funcionários da Casa Branca, Bush alertou Obama de que as dificuldades provocadas pela crise global não darão trégua. Hoje à tarde, Obama concederá a sua primeira entrevista, após reunião com assessores. A expectativa é que ele anuncie os nomes de sua equipe econômica, para que ela possa acompanhar o encontro de cúpula do G-20 em Washington, no próximo dia 15.


O Estado de São Paulo
"Empresas têm mais prazo para pagar impostos"
O governo anunciou ontem uma série de medidas para estimular a atividade econômica e reduzir o impacto da crise financeira internacional. A principal iniciativa foi ampliar o prazo para que as empresas paguem determinados impostos, o que deverá injetar R$ 21 bilhões na economia. Além disso, as linhas de empréstimo oficiais serão reforçadas, com a oferta de mais R$ 24 bilhões em crédito às empresas de grande e pequeno porte. As medidas foram anunciadas durante reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. "Tomamos a decisão de não permitir que a crise tenha no Brasil os efeitos que alguns querem que ela tenha", disse o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Quem está apostando em crescimento muito baixo em 2009 pode quebrar a cara." O objetivo é garantir expansão econômica de 4% no ano que vem.


Jornal do Brasil
"Mais R$ 19 bi para empresas"
O governo divulgou novas medidas contra a crise. Serão injetados mais R$ 15 bilhões em crédito para empresas e liberados R$ 4 bilhões para os bancos das montadoras - que registraram queda nas vendas em outubro. Foram 2% a menos em relação ao mesmo período do ano passado e 11% se comparadas a setembro. Ainda será estendido o prazo para pagamento de impostos. O presidente Lula anunciou um gabinete de crise, destinado a acelerar as ações de estímulo à economia.

quinta-feira, novembro 06, 2008

Lobão rides again

‘Chico Buarque é um chato’

Luciano Trigo
Eu acho o Chico Buarque um horror, um equívoco, um chato, um parnasiano. O Olavo Bilac é muito mais moderno que ele. Ele faz uma música anêmica, sem energia, sem vivacidade, parece que precisa tomar soro. A Bossa Nova é a mesma coisa, uma música easy listening, que toca em loja de departamento quando a gente vai comprar uma meia.”

Esta é apenas uma pequena amostra do que foi a participação de Lobão na mesa de abertura do Fórum das Letras de Ouro Preto (Flop). Acelerados, ele e Nelson Motta mal pararam para respirar: foram duas horas de uma conversa intensa, à qual não faltaram declarações polêmicas, mesmo da parte do geralmente conciliador Nelsinho, que nessa hora concordou:
“Tirando Tom, Vinicius e João Gilberto, tudo que veio depois na Bossa Nova foi diluição. A gente sabe que Roberto Menescal, Carlos Lyra etc são músicos de segundo time.”

Lobão contou então que, quando João Gilberto gravou sua música “Me chama”, pediram uma declaração sua:
“Todo mundo daria a ***** para ter uma música gravada pelo João Gilberto, mas eu respondi: ‘Quero que ele se ****, acho ele um chato de galocha’. Depois eu soube que ele ficou ofendidíssimo, mas odeio essa sacralização da Bossa Nova, acho isso uma *****, uma coisa jeca, sem tesão.”

Os dois voltaram a criticar a “culpa católica”, que faz os brasileiros odiarem o sucesso e o dinheiro.

“No Brasil quem faz sucesso fica deprimido porque não é pobre”, disparou Lobão. “O Tom Jobim foi chamado de lacaio do capitalismo porque fez sucesso nos Estados Unidos. No Brasil se cultua o voto de pobreza.”

Nelson Motta foi além:
“É uma mentalidade pobrista. Ninguém assume responsabilidade por nada. Se um cara mata, a culpa é da sociedade. Ora, existem fracassos e escolhas individuais. Temos que mudar essa atitude e passar a celebrar a vitória.”

Nelson falou também sobre sua experiência como escritor, atribuindo parte do sucesso de seus livros - especialmente Noites tropicais e a biografia de Tim Maia, Vale tudo - às sugestões de sua editora de texto, que interferiu diretamente no conteúdo das obras:
“Se eu não aceitasse as sugestões seria burro. Um dos problemas do brasileiro é o excesso de não-me-toques: ‘No meu texto ninguém mexe!’ Para mim, o que interessa é o resultado.”

Mas logo voltou para a música, agora para exaltar os músicos bregas dos anos 70:
“As pessoas acham que quem fazia sucesso na década de 70 era Chico Buarque e Caetano Veloso. Errado, eles só eram ouvidos pela classe média alta. Quem vendia e fazia shows eram Waldick Soriano, Odair José, Antonio Marcos… E eram músicos muito corajosos. Em plena ditadura, o Agnaldo Timóteo teve a coragem de gravar uma música chamada Galeria do amor, sobre a Galeria Alaska, em Copacabana, um ponto de encontro gay.
[intervenção de Lobão: “Uma tremenda bichona…”]

“Isso foi mais subversivo que 10 discos de Geraldo Vandré”, continuou Nelson. “E Odair José foi censurado porque lançou a música Pare de tomar a pílula em plena campanha de controle da natalidade.”

O primeiro contato entre os dois palestrantes foi em 1976, quando Nelson foi tutor legal de Lobão - para ele poder, aos 16 anos, participar como baterista de um show musical produzido por Marilia Pera, então mulher de Nelsinho. A sintonia entre os dois continua: ambos reclamam da falta de ambição de muitos músicos jovens e independentes:

“Hoje um laptop dentro de um banheiro tem mais recursos de gravação do que o estúdio de 1 milhão de dólares em que eu produzi um disco da Elis Regina nos anos 70. Ficou muito fácil gravar, então as pessoas têm obrigaação de apresentar um trabalho bom. Por outro lado, divulgar o trabalho ficou mais difícil. É por isso que as apresentações ao vivo ficaram mais caras, enquanto a música gravada está se desvalorizando.”
(Máquina de escrever)

Pintura



Blue Poles, de Jackson Pollock

Jackson Pollock e Blue Poles - 1952 : dispensando o uso do pincel e do cavalete para produzir o maior jorro criativo desde o cubismo de Picasso.
Está exposta no National Gallery of Australia, Canberra.
Nunca houve um pintor como o americano Paul Jackson Pollock (1912-1956). Ao morrer, bêbado, jogando seu carro contra uma árvore, ele se tornou uma espécie de James Dean das tintas. Só que esse rebelde teve causa em sua curta e intensíssima vida — a de alforriar a arte americana de um doloroso complexo de inferioridade em relação à pintura européia.
(Fonte e mais informações:
Veja) (Do Blog do Noblat com colaboração de Catharina Mafra)

Coluna da Quinta-feira

Globalização ou canibalização?

Sergio Caribé
É, realmente sem a gente perceber o mundo está caminhando para uma grande unificação. Exemplo atual disso é a fusão do Unibanco com o Itaú, que deixaram de ser concorrentes para se tornar o maior banco deste país.

É a tendência!
Em breve nós teremos duas montadoras de automóveis, dois grandes bancos, duas siderúrgicas e assim por diante. Os grandes vão comendo os pequenos, uma espécie de canibalismo globalizado.
E ao mesmo tempo Barak Obama vence as eleições americanas.

Uma nova esperança, um novo líder num país preconceituoso e imperialista.
É sinal de novos tempos, tempos de mudanças.
Vamos ser otimistas e participativos, construir espaços e gerar novas oportunidades para que também na nossa Ubatuba as mudanças aconteçam para muito melhor.

Daily Míllor

Tempos sintáticos

Millôr Fernandes
Já que não estamos vivendo em tempos éticos nem estéticos, é fundamental, pelo menos, não abandonarmos os tempos sintáticos. E, como ouço sempre em bocas de jovens, e nem tanto, expressões como "Ela estava de topless" e até "Ela estava sem topless" (esta uma óbvia contradição em termos), esclareço que o verbo estar, na permissiva frase, não é regido por preposição.
Deve-se portanto, dizer apenas "Ela estava topless", isto sim é, estava sem a parte de cima (top) do maiô ou lá como se chama aquele esparadrapo que elas compram na Johnson & Johnson. Dizer "Ela estava de topless" é apenas uma esdruxularia semântica, mas "Ela estava sem topless" é uma burragem total. Pois sem (que quer dizer less) e less (que quer dizer sem) são duas negativas e duas negativas se anulam, como até o Lula sabe.
Dizendo "Ela estava sem topless" a pessoa acaba por afirmar o avesso do que pretende e quando pensa estar indicando alguém prafrentex, está dando a entender o exato contrário: alguém muito caretex.
A jovem está de top e é, pois, uma pessoa pundonorosa, quadrada, conseqüentemente partidária e defensora do topismo. Uma utópica, jamais uma topelada.
(Leia mais do DailyMillor)

Surfe


Suelen Naraisa foi a melhor nas duas últimas etapas / Foto:Renato Boulos

Competindo em casa, atletas da Nicoboco marcam presença no Circuito Ubatubense

Suelen Naraisa vence mais uma e Marco Aurélio faz bonito na Profissional

Por Lucas Conejero

No último domingo, dia 2 de novembro, foi encerrado o 31° Circuito Ubatuba de Surf 2008. A praia Vermelha do Centro foi o palco das disputas da terceira etapa e abrigou diversos atletas divididos em 14 categorias. Na Profissional, Suelen Naraisa arrancou mais uma vitória e Marco Aurélio foi destaque no primeiro dia de competição. A integrante da elite feminina do surf brasileiro, apesar de ter vencido duas das três etapas do Circuito, não ficou com o título. O motivo foi a falta de resultado na etapa de abertura. "Não me lembro bem, mas na primeira etapa, na praia Grande, acho que estava com o joelho contundido e não consegui correr. Infelizmente isso prejudicou meu desempenho no ranking final", lamentou Suelen, terceira colocada. Mesmo assim, ela ficou satisfeita com os resultados nas etapas. "Tinham boas ondas, o clima era de amizade, peguei as melhores e acabei vencendo". Agora, seu foco será a etapa do WQS no Hawaii. "Vou correr o campeonato de Haleiwa e espero me dar bem". O mais novo contrato da equipe da Nicoboco, Marco Aurélio, foi destaque no primeiro dia de competição. Estreando na categoria Junior, para atletas com até 18 anos, ele barrou o líder e campeão do Circuito Saulo Junior. A briga acirrada e vencida por uma pequena diferença, classificou o atleta para a semifinal, chegando em terceiro na etapa. Mas não foi só na Profissional que ele se destacou. Na Open, o jovem talento fez mais uma final e foi o vice-campeão, competindo ao lado do experiente e bicampeão brasileiro, Ricardo Toledo, vencedor da etapa. Já na Junior, o atleta assumiu a vice-liderança no ranking final em sua categoria. Os resultados animam Marco Aurélio que promete dar muito trabalho para os próximos anos. Para conhecer a Nicoboco e saber quem são os atletas que a marca patrocina, basta acessar: www.nicoboco.com.br

Clique sobre a imagem e saiba mais

Uma tese a ser conferida

Se não fosse o Brasil jamais Barack Obama teria nascido

Fernando Jorge
Na noite do dia 25 de setembro de 1956, estreou no Teatro Municipal do Rio de Janeiro a peça Orfeu da Conceição, do poeta brasileiro Vinícius de Morais (1913-1980). Esta peça é uma adaptação do mito grego do lendário cantor Orfeu, cuja lira, dotada de sons melodiosos, amansava as feras que vinham deitar-se-lhe aos pés. Filho da musa Calíope, ele resgatou a sua esposa Eurídice do Inferno, após ela ter sido picada por serpente. A história de Vinícius decorre numa favela carioca, durante os três dias de carnaval.
Em 1959, o diretor francês MarceI Camus transpôs a peça para o cinema. Daí surgiu o filme Orfeu Negro, com músicas de Luiz Bonfá e Tom Jobim, a negra atriz americana Marpessa Dawn, os negros brasileiros Breno Mello, Lourdes de Oliveira e Adhemar da Silva. Cheio de belas imagens, como a do romper do sol na favela, a do aparecimento da Morte numa central elétrica, e ainda com o som dos sambas empolgantes, a película baseada na obra do letrista de "Garota de Ipanema", além de alcançar grande sucesso comercial, ganhou a Palma de Ouro do Festival de Cinema de Cannes e o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em Hollywood.
Pois bem, nesse ano de 1959, uma jovem americana de dezesseis anos, extremamente branca, sem um pingo de sangue negro, chamada Stanley Ann Dunham, nascida no Kansas, resolveu assistir em Chicago ao primeiro filme estrangeiro de sua existência. Foi ver o Orfeu Negro, só com atores negros, paisagens brasileiras, música brasileira, história brasileira.
Ela saiu do cinema em estado de êxtase, maravilhada. Adorou aqueles negros encantadores de um país tropical e logo admitiu: "Nunca vi coisa mais linda, em toda a minha vida."
Depois de tal arrebatamento, a jovem Stanley embarcou para o Havaí. E ali, aos dezoito anos, ela se tornou colega, numa aula de russo, de um jovem negro de vinte e três anos, Barack Hussein Obama, nascido no Quênia. A moça branca do Kansas, influenciada pelo filme Orfeu Negro, entregou-se a ele e dessa união inter-racial, nasceu em 4 de agosto de 1961 um menino, a quem ela deu o mesmo nome do pai e que é agora, aos quarenta e seis anos, o primeiro candidato negro à presidência dos Estados Unidos.
Eis um detalhe perturbador: comparando duas fotografias, descobri enorme semelhança física entre o brasileiro Breno Mello, o Orfeu do filme Orfeu Negro, e o queniano Barack Hussein Obama, pai do filho da americana Stanley Ann Dunham.
No começo da década de 1980, ao visitar o seu filho em Nova York, a senhora Stanley o convidou para ver o filme Orfeu Negro. Segundo o depoimento do próprio Barack, no meio do filme ele se sentiu entediado, quis ir embora. Disposto a fazer isto, desistiu do seu propósito, no momento em que olhou o rosto da mãe, iluminado pela tela. A fisionomia da senhora Stanley mostrava deslumbramento. Então o filho pôde entender, como se deduz da sua autobiografia, porque ela, tão branca, tão anglo-saxônica, uniu-se ao seu pai, tão negro, tão africano...
Não há dúvida, a sexualidade às vezes percorre caminhos misteriosos, que alteram de modo decisivo os rumos da história universal.
Se não fosse o fascínio da branca mãe de Barack Obama pelo filme Orfeu Negro, ela não se entregaria ao rapaz queniano, um preto retinto.
A rigor, sem o Brasil, sem a história do poeta brasileiro Vinícius de Morais, o filme Orfeu Negro não existiria. Portanto, se não fosse o Brasil, jamais Barack Obama teria nascido.
Apresenta uma lógica perfeita, a nossa conclusão. E avanço mais: se ele for eleito, o meu país, a pátria de Lula, será a causa da mudança da historia dos Estados Unidos. Aliás, o Brasil já mudou essa história... (Veja aqui o Blog do autor)

Escritor e jornalista, Fernando Jorge é autor do livro “Vida, obra e época de Paulo Setúbal, um homem de alma ardente”, cuja 2ª edição foi lançada pela Geração Editorial.

Região



Cidadão Caraguatatubense

Sidney Borges
Tente repetir o título acima. Rapidamente. Cidadão caraguatatubense. Dificil não é mesmo? A segunda palavra é cheia de vogais abertas, trava a língua. Pode ser que na progressista cidade vizinha digam cidadão caraguatatubano, a história do ubatubense tem a ver com a pinga e o pecado ao sul do Equador dos jesuítas. É possível imaginar que em uma cidade que tem avançado tanto a opção pelo simples tenha prevalecido e digam apenas Cidadão de Caraguatatuba. Less is more. Na última terça-feira o prefeito de Ubatuba, Eduardo Cesar, em votação unânime dos vereadores da Cãmara Municipal de Caraguatatuba, recebeu o título do título desta matéria. Agora ele além de Cidadão Ubatubense é também Cidadão Caraguatatubense ou Caraguatatubano ou Cidadão de Caraguatatuba. Tenho dito.

Dança das cadeiras

Prefeito de Ubatuba inicia troca de secretários antes de 2° mandato

Imprensa Livre
O prefeito Eduardo César já começou uma reestruturação no secretariado do executivo ubatubense, que deverá atuar nos próximos quatro anos. O político do Democratas, reeleito no último dia 5 de outubro, não esperou passar sequer um mês das eleições, para iniciar as mudanças em algumas pastas da administração municipal. A primeira alteração oficial ficou por conta das secretarias de turismo e esporte da cidade. O secretário Luis Felipe Bacellar saiu da pasta de turismo e assumiu a ouvidoria geral do município. Em sua vaga, ficará o ex-secretário de Esportes, José Luiz Bittencourt Jr, em outro remanejamento interno determinado por Eduardo César. A segunda modificação oficial do governo ubatubense fica por conta da alteração no comando da Secretaria Municipal de Administração. O chefe da pasta, Silvio Bonfiglioli Neto, deixará o executivo, para assumir a Endurb, empresa construtora ligada à prefeitura. Quem assume sua vaga é o atual secretario interino de cidadania, Dênio Veloso. O Jornal Imprensa Livre entrou em contato com os principais envolvidos nas mudanças já ocorridas no secretariado municipal. O ex de esportes e atualmente no turismo, José Bittencourt, considera a nomeação um salto para sua carreira. “Quando assumi os esportes, aos 26 anos, muita gente questionou minha falta de experiência, mas, meu trabalho mostrou que sou capaz. Comandar a secretaria de turismo agora é um novo desafio, já que é um setor fundamental para o desenvolvimento da cidade”, ressaltou Bittencourt Jr., revelando que um dos principais focos de sua gestão será o combate à sazonalidade do turismo. “A minha intenção é concentrar esforços, para trabalhar a baixa temporada. Sendo assim, já estive reunido com os empresários da cidade, com o objetivo de estreitar as idéias e parcerias do setor privado com o poder público. A Secretaria de Turismo vai servir para prestar apoio incondicional aos nossos comerciantes”, completa José Luiz Bittencourt. O ex-secretário de turismo, Luis Felipe Bacellar, assumiu oficialmente, nesta semana, a ouvidoria geral de Ubatuba, no entanto, continuará a frente dos projetos maiores, em andamento, iniciados na antiga pasta. Bacellar permanecerá no comando das conversas sobre a chegada dos navios de cruzeiro e também em relação aos primeiros projetos de construção do centro de convenções. Além disso, o novo chefe do turismo já avisou: “O Felipe tem carta branca para participar da secretaria de turismo, afinal, ele entende muito do assunto e temos uma ótima relação pessoal”, elogiou o substituto. A secretaria de esportes, deixada por Bittencourt, fica sob responsabilidade do antigo coordenador de esportes do município, Luis Roberto Sant´anna. Apesar de nenhuma informação oficial sobre novas alterações, tudo indica que outras mudanças devam ocorrer no secretariado ubatubense, até o final deste ano.

Opinião

Desafios para o governo

Editorial do Estadão
O governo começa, enfim, a preparar-se para um 2009 menos próspero do que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e alguns de seus ministros vinham prognosticando. O Ministério do Planejamento está avaliando que, por causa da crise, o governo federal deve arrecadar no próximo ano R$ 15 bilhões a menos do que o valor previsto na proposta de lei orçamentária. A má notícia foi discutida no Palácio do Planalto em reunião do grupo de coordenação política, na segunda-feira. Para se ajustar, o governo deverá adiar aumentos salariais ainda não convertidos em lei e cortar investimentos não incluídos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), segundo informação extra-oficial. Para as novas estimativas, substituiu-se a expectativa de um crescimento econômico de 4,5% e adotou-se, como base de cálculo, uma expansão na faixa de 3,8% a 4%. Se confirmada, essa redução deverá custar R$ 10 bilhões. Outros R$ 5 bilhões corresponderão a royalties perdidos com a diminuição do preço do petróleo.

Por enquanto, pelo menos as projeções de crescimento econômico podem parecer razoáveis, se o futuro for avaliado com base nos excelentes resultados da atividade industrial até setembro, ontem confirmados pelo IBGE e pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Já há, no entanto, sinais de arrefecimento das encomendas, de acordo com os dados de outubro do Índice de Gerentes de Compras elaborado pelo Banco Real. Em outubro, as montadoras venderam 289,2 mil veículos, 2,1% menos que um ano antes e 10,9% menos que em setembro. Pela primeira vez em dois anos a quantidade vendida foi menor do que no mesmo mês do ano anterior.

Outros indicadores também mostram uma tendência de esfriamento da economia. Novos projetos de investimentos industriais têm sido suspensos desde outubro, segundo informação das respectivas entidades empresariais, e projetos de obras públicas vêm sendo prejudicados pela escassez de crédito. Obras avaliadas em R$ 34,2 bilhões estão em andamento, enquanto outras, estimadas em R$ 56,8 bilhões, foram contratadas, mas não iniciadas, de acordo com levantamento da Associação Brasileira das Indústria de Base e da Infra-estrutura (Abdib). A paralisação dos dois tipos de investimentos prejudicará o crescimento econômico no próximo ano, mas, em prazo mais longo, o atraso dos projetos de infra-estrutura será mais danoso, porque limitará severamente a eficiência de todo o sistema produtivo.
Leia mais

Manchetes do dia

Quinta-feira, 06 / 11 / 2008

Folha de São Paulo
"Vitória histórica de Obama afasta conservadores e derrota racismo"
A pior crise econômica em década nos EUA, aliada a uma nova coalizão de eleitores inflada pela maior mudança demográfica na história recente, elegeu anteontem o democrata Barack Obama, 47, o 44º presidente do pais. È o primeiro negro a chegar ao cargo. O resultado abalou anos de hegemonia conservadora, cujo auge foi a eleição de Ronald Reagan, em 1980. Obama, que obteve mais que o dobro do número de delegados do republicano John Mccain no Colégio Eleitoral, herdará de George W. Bush um país á beira da recessão e duas guerras em andamento, no Iraque e no Afeganistão. Terá, ainda. De lidar com a ascensão econômica da China e com o renascimento da Rússia como potência, dois não-aliados. Contará, porem com maioria nas duas Casas do Congresso. Primeiro senador do norte liberal, eleito desde John Kennedy, em 1960, Obama apresenta-se como conciliador e promete um governo de centro, um meio-termo entre o que fez no Congresso e o que pregou na campanha. No seu discurso de vitória, ele retomou o tema da colaboração entre os partidos: ''vamos resistir á tentação de votar ao partidarismo, á pequeneze á imaturidade que envenenaram nossa pólitica''. O democrata passou o primeiro dia como presidente eleito em reuniões fechadas no seu QG de Chicago, para começar a compor seu gabinete. ''Os nomes do secretário do Tesouro e do secretário de Estado devem sair até o fim deste mês. O congressista Rahm Emanuel, amigo de Obama, foi convidado para ser chefe-de-gabinete. A 75 dias de deixar o cargo, Bush disse que o EUA ''fizeram hiistória'' ao eleger Obama e prometeu ''completa cooperação'' com o seu sucessor.


O Globo
"Mundo celebra a nova cara dos EUA"
O mundo recebeu com uma onda de entusiasmo a impressionante vitória de Barack Obama, eleito primeiro presidente negro dos Estados Unidos com mais de 63 milhões de votos de cidadãos americanos negros, brancos, hispânicos e asiáticos. "A mudança chegou à América", anunciou Obama, no discurso da vitória, no qual reforçou seu apelo pela união do país. Obama se dirigiu também à platéia internacional, anunciando um "novo amanhecer da liderança americana" aos que o ouviam "em palácios ou nos cantos esquecidos do mundo". A resposta foi imediata: em todos os continentes houve festa. No Quênia, terra do pai de Obama, foi feriado nacional. Da África do Sul, Nelson Mandela mandou carta dizendo que "a vitória demonstrou que nenhuma pessoa, em nenhum lugar do mundo, deve ser impedida de sonhar para transformar o mundo num lugar melhor". Na Europa e no Oriente Médio, líderes expressaram otimismo na retomada da diplomacia. O presidente Lula disse esperar o fim do embargo a Cuba.

O Estado de São Paulo
"Obama começa a escolher equipe para enfrentar a crise"
No dia seguinte à sua vitória histórica, o presidente eleito dos EUA, Barack Obama, começou a trabalhar na transição. Como coordenadores das decisões sobre a montagem de seu gabinete e do diálogo com a atual administração, Obama escolheu dois antigos colaboradores do ex-presidente Bill Clinton. Há especulações sobre alguns dos principais cargos do governo. Para o Tesouro, fala-se em Paul Volcker, titular do Fed entre 1979 e 1987, Lawrence Summers, que trabalhou com Clinton, e o megainvestidor Warren Buffett; para a Defesa, o atual secretário, Robert Gates, pode ser mantido; e para a chefia da diplomacia circula, entre outros, o nome de John Kerry, derrotado por George W. Bush em 2004. No discurso da vitória, Obama disse que quer trabalhar com a oposição, mas analistas acreditam que os republicanos, minoritários no Congresso, deverão criar dificuldades. Pela manhã, antes de falar com assessores, Obama foi a uma academia para se exercitar. Bem humorado, disse que não dormiu "tanto quanto gostaria".

Jornal do Brasil
"Presidente eleito vai atacar a crise econômica ainda antes da posse"
Mal encerrada a contagem dos votos que lhe garantiram resultado histórico, o presidente eleito dos EUA, Barack Obama, já prepara medidas contra a crise financeira. Ontem abandonou as comemorações para trabalhar na transição de um governo republicano desgastado para uma administração democrata, que começará em janeiro como salvadora. Líderes mundiais parabenizaram o eleito mas pediram medidas urgentes para evitar urna recessão global. Obama deve anunciar, nos próximos dias, ações contra a crise, entre as quais o tratamento que dará a um pacote de até US$ 300 bilhões para obras de infra-estrutura e alívio a mutuários inadimplentes.
- Maioria no Congresso aumenta chance de reformas;
- Lula pede política "mais ativa" para a América Latina;
- À espera de saída das tropas, Iraque comemora resultado.

quarta-feira, novembro 05, 2008

Utilidade Pública

Câncer de Pele

PMU
Ubatuba participará, no próximo sábado, 8, da Campanha Nacional de Prevenção do Câncer de Pele. As pessoas interessadas, principalmente aquelas que tenham suspeita ou propensão para adquirir a doença, devem comparecer à Unidade de Saúde do Centro, situada na Avenida Rio Grande do Sul, das 9 às 13h. Neste período, dermatologistas e outros profissionais de saúde estarão fazendo avaliações, prestando informações e fazendo encaminhamentos, quando necessário.
A campanha é uma iniciativa da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Apesar do aumento significativo do nível de informação da população sobre os riscos do câncer de pele, ainda é grande o número de pessoas que não utilizam protetor solar, principalmente entre os jovens. Dados do Instituto Nacional do Câncer revelam aumento do número de casos de câncer de pele em todo país. Alguns especialistas da SBCD alertam para o grande número de casos diagnosticados, mesmo em pacientes mais jovens.

Seja romântico, assine papéis...


Contrato de namoro

Com o novo Código Civil, fica oportuno que namorados também definam as regras financeiras do relacionamento. O que se chama Contrato de Namoro vem sendo firmado com a ajuda de advogados, visando evitar problemas futuros. Os parceiros ajustam os termos da relação patrimonial e afirmam as vontades individuais de cada parte do casal, a fim de garantir a tranqüilidade futura. Contrato simples, firmado num cartório de títulos e documentos.
O documento, que se chama "pacto declaratório de relacionamento pessoal", embora aparentemente constrangedor, é de boa valia especialmente para casais que namoram e passam a morar juntos. Porque acabam criando uma situação que não está prevista na lei, mas que agora pelo novo Código Civil tem implicações. Que podem ser prevenidas pelo acordo. (Trem Azul)

Estados Unidos


O peso da Internet

Da Folha Online
Foi com o uso em parâmetros inéditos da internet que a campanha de Obama conseguiu obter recorde de arrecadação.
"Obama buscou novas fontes e formas de financiamento. Ele aliou os tradicionais grandes doadores com as vantagens e inovações da internet", disse Marie Gottschalk, professora de ciência política da Universidade da Pensilvânia e especialista em campanhas políticas, em entrevista à Folha Online, por telefone.
O segredo do sucesso do senador, aponta Gottschalk, foi criar um entusiasmo inédito entre os jovens que se mobilizaram não só para votar, mas para arrecadar doações e incentivar mais pessoas a participarem do processo político. Na internet, Obama montou 700 centros de jovens pró-Obama e, no Facebook, site de relacionamentos, tem dois milhões de "amigos" contra 500 mil de McCain.
No discurso de vitória, Obama agradeceu "aos jovens que rejeitaram o mito de apatia de sua geração". (Na foto: Barack Obama e Joseph Biden, vice-presidente eleito dos Estados Unidos)

Leia na íntegra
Saiba mais sobre Joseph Biden

Mortinho da Silva


O milionário americano desapareceu há um ano
Testes de ADN confirmam morte de Steve Fossett

Agências
Testes genéticos de ADN realizados aos dois ossos encontrados perto dos destroços do avião em que Steve Fosset seguia quando se despenhou nas montanhas da Califórnia perto do Nevada, confirmam que o milionário americano está morto. O anúncio foi feito ontem pelas autoridades locais e põe fim ao mistério do desaparecimento do aventureiro Fossett, que se prolongava há mais de um ano.“Um laboratório forense do Departamento de Justiça da Califórnia determinou que os itens descobertos na semana passada contêm ADN que corresponde ao ADN de James Stephen Fosset”, podia ler-se no comunicado revelado por um oficial de justiça da Califórnia. Um porta-voz da polícia local disse que os ossos foram encontrados a mais de 800 metros do aparelho na passada quarta-feira. Fossett, de 63 anos, desapareceu a 3 de Setembro de 2007 depois de levantar voo de um rancho no Nevada num aparelho Bellanca 8KCAB (N240R).No princípio do mês passado as autoridades locais descobriram os destroços do avião depois de um montanhista ter encontrado perto do Parque Natural de Yosemite cartões de identificação que pertenciam a Fossett.

Clique sobra a imagem e saiba mais

Coluna da Quarta-feira

Carta de Mobilização

Esta semana estive no Seminário Comemorativo dos 20 anos do SUS no Hospital Sírio Libanês e peço licença ao editor deste blog para utilizar o espaço desta semana para publicizar a Carta de Mobilização – SUS 20 anos. A saúde do tamanho do Brasil.

Cinthia Sampaio Cristo

O Sistema Único de Saúde (SUS) – maior política de inclusão social do Brasil – nasceu com a redemocratização do País e comemora, no ano de 2008, 20 anos de importantes conquistas para a população. Nesse momento, gestores, trabalhadores, usuários, conselheiros, prestadores de serviços, entidades e movimentos sociais unem esforços diante da missão de fazer cada brasileiro reconhecer a força de um sistema universal, que tem o desafio de atendê-lo, de forma integral e equânime, em todas as suas necessidades de saúde.
A Constituição Federal de 1988 trouxe cidadania à população ao estabelecer o direito universal à saúde como dever do Estado, permitindo que mais de 70 milhões de brasileiros que não tinham emprego formal e carteira assinada, ou sem condições de pagar por serviços privados, passassem a ter acesso aos cuidados à saúde, pois estavam restritos à caridade e à filantropia, por falta de atendimento e assistência adequados.
O Brasil partiu de um sistema centralizado, privatizado e focado na atenção médico-hospitalar, para o Sistema Único de Saúde: um sistema universal, descentralizado, participativo, com controle social, baseado em um conceito ampliado de saúde, que propõe tratar da qualidade de vida com promoção, prevenção e atenção (e não somente da doença) e que atende a todos os brasileiros sem distinção. Temos, hoje, um modelo construído coletivamente, com responsabilidade nas três esferas de governo e com a participação dos diversos setores da sociedade representados pelos conselhos de saúde municipais, estaduais e o nacional. O SUS modificou o paradigma da inclusão social, agregando em seu arcabouço os atributos de qualificação e humanização; iniciou uma profunda reforma do Estado brasileiro e é referência para outras políticas públicas.
Os indicadores de saúde atuais, sob qualquer ponto de vista, demonstram avanços significativos. O SUS está presente em todo o território nacional. Temos mais de 27 mil equipes de Saúde da Família acompanhando quase 100 milhões de brasileiros. A taxa de mortalidade infantil caiu para 21,2 por mil nascidos vivos em 2005: uma redução de 60% desde 1990. A expectativa de vida cresceu de 69,7 anos, em 1998, para 72,3 anos,em 2006. O SUS tem uma rede de mais de 63 mil unidades ambulatoriais e cerca de 6 mil unidades hospitalares, com mais de 440 mil leitos (próprios e conveniados). Por ano, são realizados cerca de 2 milhões de partos; 12 milhões de internações hospitalares; 132 milhões de atendimentos de alta complexidade; e 150 milhões de consultas médicas. O Brasil ocupa posição de liderança em financiamento público de transplantes de órgãos (14 mil transplantes por ano).
É reconhecido internacionalmente pela excelência de seus programas de imunização – que distribui anualmente 130 milhões de doses de vacinas – e de DST/Aids – que atende a 184 mil pacientes soropositivos com distribuição de medicamentos sem custo adicional. O SUS atua intensamente com ações de vigilância sanitária, de promoção e educação em saúde e de regulação de um complexo sistema de saúde suplementar.
Contudo, 20 anos de avanços não escondem que o SUS precisa ser ainda mais qualificado e eficiente. Superar o problema do sub-financiamento é um importante desafio a ser enfrentado, que envolve a regulamentação da Emenda Constitucional nº 29 e a participação adequada e estável da receita pública no financiamento da saúde. Além disso, diminuir a dependência que tem do setor privado/contratado por meio do fortalecimento da rede pública e estatal, profissionalizar a gestão e gerência dos serviços a partir dos seus próprios quadros, estabelecer uma política de valorização dos trabalhadores com reais perspectivas de carreira e investir fortemente na estruturação e valorização da atenção primária e multiprofissional, fortalecendo-se concomitantemente a participação social, que tem sido a sustentação do SUS, são mudanças que exigem a atuação efetiva de cada segmento envolvido no sistema e um intenso controle social. Mudanças que estão na agenda de quem ajudou a criar o Sistema Único de Saúde e de quem tem lutado por ele nesses 20 anos.
Destaca-se, nesse contexto, o Pacto pela Saúde, em suas três dimensões – Pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão – por trazer marcos históricos na gestão do SUS, dentre os quais vale ressaltar: a regionalização solidária e cooperativa como eixo do processo de descentralização, e a integração das várias formas de repasse dos recursos da saúde com o estabelecimento de metas e resultados, com a conseqüente superação da lógica de pagamentos por procedimentos. Diante dessa trajetória, convidamos a todos para que participem dessa história de justiça social e se unam à celebração de valorização do SUS. Façam solenidades e debates em seus municípios e estados. Toda a programação estará no sítio do SUS 20 anos http://www.sus20anos.saude.gov.br – um espaço de convergência e integração a esse movimento.
Este é o momento de contribuir para o crescimento do SUS e para a plenitude do direito à saúde. O comprometimento e o apoio de toda a sociedade são fundamentais para assegurar a superação dos desafios e para garantir o êxito deste que é o sistema de saúde de todos os brasileiros.
SUS – Patrimônio da sociedade brasileira
A carta é assinada pelas seguintes instituições: Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde, Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Saúde, Conselho Nacional dos Secretários Municipais de Saúde, Fundação Osvaldo Cruz, Fundação Nacional de Saúde, Agência Nacional de Saúde Suplementar, Agência Nacional de Vigilância Sanitária e Hemobras.

É isso pessoal...o assunto está pautado! A construção do SUS que queremos é um processo coletivo, não pode e não deve ficar somente nas instâncias gestoras.
Até semana que vem!

FRASE

“Não concordo com uma só palavra do que dizeis, mas defenderei até a morte o vosso direito de dizê-lo”.


Voltaire (1694-1778)

Pensata

A vida e o professor Cauby

Guttemberg Guarabyra
A mídia martela em minha cabeça que o mundo anda cada vez pior. Afirmado, provado, visto, comentado, flagrado e analisado pelos diligentes jornalistas, não há como discordar da insistente afirmação. Entretanto, há um passarinho inocente, melhor dizendo, desavisado, que cisma em cantar num galho em flor na varanda do meu apartamento, como se tudo estivesse muito bem e o mundo, apesar de maravilhoso hoje, ontem tivesse sido ainda melhor — pois é todo dia que este Cauby Peixoto miúdo vem emitir trinados cheios de felicidade aqui em casa, faça frio, faça calor.

Digo que é um Cauby porque, o verdadeiro Cauby, quando o encontro, está sempre nesse mesmo estado de felicidade perene e à prova de climas. Não deve assistir televisão. Algumas décadas atrás, talvez visse um pouco. Deveria curtir os musicais. Hoje, porém, há pouquíssimas atrações desse tipo. Se ainda assistisse tanto quanto antigamente, viveria preocupado. Atualmente, não há mais um lugar que se salve no Brasil nem no mundo. Afirmado, provado, visto, flagrado e comentado, cada pedaço do planeta ou está poluído, ou em constante conflito, ou passa por crises econômicas ou morais. E, apesar disso tudo, Cauby continua recepcionando a todos de braços muito abertos enquanto capricha na exclusiva e já folclórica saudação: “Professor!”.

Por isso, duvido que assista televisão ou abra os primeiros cadernos dos jornais. Tem isso: a televisão pega a gente de surpresa. No meio da Jornada nas Estrelas, cortam inesperadamente para o motoqueiro sendo atendido no meio da rua, ou para os biguás morrendo debaixo do óleo da Petrobrás. Sem falar nas vezes em que nos serve, sem que tenhamos como não engolir, um prato principal de seqüestro acompanhado de mortes na sobremesa. Ao ler jornais, pelo menos você tem o direito de abrir apenas os cadernos que lhe interessam, e estes podem ser exclusivamente os de esporte e variedade. Não que, com isso, você vá se livrar do mundo visto pelos olhos da mídia. Não. Por mais que você fuja, de uma maneira ou de outra vai acabar sabendo que os melhores artistas, grandes modelos e, enfim, qualquer pessoa importante, geralmente é ou já foi desonesta, ou tarada, ou deprimida, ou drogada, ou simplesmente está estranha. No mínimo Angélica seria imensamente feliz se não fosse a Globo, e Xuxa seria muito mais correta se não tivesse seios de silicone.

Fazemos todos parte deste mundo sinistro, queiramos ou não. Portanto, cuidado ao sair de casa. Aquele céu lá em cima é uma ameaça. Por trás daquele sol brilhante e cheio de vida, daquele azul infinito e plácido, há um mar de azeite fervente prestes a ser derramado em nossas cabeças.

Queimaremos já. Nem pense naquela mulher bonita, pois o destino dela já está traçado. Muito antes dos quarenta será assassinada, ou terá celulite, ou câncer no útero, ou, desesperada de tudo, assaltará à mão armada. No fim de tudo, o óleo que vai despencar do céu talvez nem represente uma tragédia. Quem sabe até sirva para cauterizar a Paulista, que está sangrando de sangue capitalista. Muito embora isso seja apenas uma rima que em nada combina com solução.

Sendo assim, não sei se o arremesso contra o candidato ou se aproveito o ovo. Não sei se ligo o computador ou compro um colete à prova de balas. Não sei se choro ou se rio. Não sei se vou à luta ou me suicido agora mesmo. Ou quem sabe denuncio o vizinho, que nunca foi criminoso.

Chego à conclusão de que, o melhor a fazer, é pôr mais um mamão papaia lá fora, aos pés da roseira da varanda, pois que é a única maneira de calar o passarinho que continua cantando com uma potência bem maior do que se poderia crer ao calcularmos o tamanhinho daqueles pulmões. “Conceição, eu me lembro muito bem...”, parece que entoa, e eu, no embalo, fico pensando se não devo trinar também. Ou seja, em resumo, muita vez, nos dias de hoje, não sei se ligo a tevê ou se, sorrindo acima do mundo, estendo um imenso abraço e trato apenas de imitar Cauby Peixoto.

Obama em 4 momentos







Barack Obama
Sidney Borges
Antes das lágrimas emocionadas do Presidente eleito dos Estados Unidos, um longo caminho foi percorrido. Barack Obama nasceu do amor de uma mulher branca e um homem negro, amor verdadeiro, sincero, que frutificou e produziu um mestiço síntese das raças. Nesse aspecto ele se parece conosco, somos uma nação mestiça, temos todos os sangues em nosso sangue, toda a história da humanidade em nossas veias. Obama surge como a esperança de dias melhores para os Estados Unidos e pelo peso que esta nação tem no mundo, como esperança de todos os homens do planeta. Mas antes de tudo é preciso deixar claro que Obama não é branco nem negro nem tampouco mulato. É um ser humano. Boa sorte Obama. Sucesso!
Nas fotos do Blog do Noblat:
De cima para baixo: Obama emocionado; Obama professor; Na praia com o avô paterno e Obaminha nos braços da mãe.
 
Free counter and web stats