sábado, setembro 06, 2008

Pensamento...

"Não julgue as pessoas pelas amizades. Judas por exemplo, tinha amigos exemplares..."

Deputado Clodovil

Clodovil Hernandes se recupera em hospital em SP

Deputado do PR-SP foi internado na noite de quinta com embolia pulmonar.Ele já saiu da UTI e deve ficar no hospital por cinco dias.

Do G1, em São Paulo
O deputado Clodovil Hernandes (PR-SP) segue
internado neste sábado (6) no Hospital Oswaldo Cruz, em São Paulo, recuperando-se de uma embolia pulmonar. Clodovil chegou ao hospital na quinta-feira (4), quando passou a noite na UTI. Na tarde desta sexta-feira (5), ele foi transferido para um quarto, segundo sua assessoria de imprensa.
De acordo com a assessoria de imprensa do Hospital Oswaldo Cruz, o deputado encontra-se em tratamento clínico e apresenta ótimo estado de recuperação. Após avaliações, não foram detectados outros problemas além da embolia. De acordo com o hospital, Clodovil apresenta uma rápida recuperação. Na semana passada, Clodovil se submeteu a uma cirurgia na uretra. O deputado descansava em sua casa em Ubatuba, a 226 km de São Paulo, quando se sentiu mal e voltou à capital paulista, onde se submeteu a exames na Clínica Santé. Os exames teriam detectado alterações no estado de saúde e o deputado voltou ao hospital, onde foi internado com quadro de embolia pulmonar. Segundo a assessoria, Clodovil já se queixava de fraqueza e dificuldades em respirar antes de se submeter à cirurgia. O deputado deve permanecer no hospital por cinco dias. Após a alta, ele deve ficar cerca de um mês em São Paulo, em processo de recuperação, de acordo com sua assessoria.

Ubatuba

Cetesb confirma fechamento do lixão municipal

Saulo Gil- Imprensa Livre
Agora é oficial. Os técnicos da Agência da Cetesb do Litoral Norte já encaminharam um documento à diretoria da Companhia, pedindo que se tome providências quanto a continuidade do lançamento de lixo, no aterro sanitário de Ubatuba. Segundo o gerente da Agência Ambiental do Governo do Estado no Litoral Norte, João Carlos Milanelli, o parecer, da última vistoria feita no local, solicita o encerramento imediato do aterro sanitário ubatubense, em cumprimento ao termo de ajustamento de conduta assinado pelas autoridades locais, que deu prazo limite de uso do espaço, até o dia 1 de setembro de 2008. O prazo estabelecido já expirou e, caso a diretoria da Cetesb acate o parecer regional, em poucos dias o lixão será fechado e o lançamento de resíduos suspenso.
A decisão dos agentes locais foi questionada pela prefeitura que pediu uma reconsideração do parecer, tendo em vista as melhorias realizadas no espaço e a paralisação da poluição no Rio Grande. Mesmo com o apelo, o gerente da Cetesb, João Milanelli ressalta que o termo básico para o acordo judicial foi o fechamento do local e tal determinação não pode ser dispensada. “Temos que reconhecer o bom trabalho da prefeitura no que diz respeito ao plano de encerramento do local.
O lixo está coberto, existe dreno de gás e as obras de estrutura do transbordo estão acontecendo. Porém, essas medidas são necessárias para que o local seja fechado causando o mínimo de dano ambiental possível. Portanto, o TAC prevê melhorias para o encerramento do local e não para a continuidade do despejo de lixo”, explica o gerente da Agência Ambiental do Governo Paulista no Litoral Norte, João Milanelli, acrescentando que não existe uma previsão para a resposta da diretoria da CETESB, em São Paulo, para o caso do aterro sanitário de Ubatuba.
João Milanelli apenas revela que o documento foi enviado com solicitação de urgência de análise. Sendo assim, ainda neste mês o futuro do Lixão deverá ser definido pelo Estado. No debate da TV Band Vale, nesta quinta feira, o prefeito Eduardo César admitiu que o espaço será inutilizado e que a opção adotada pela prefeitura, após o encerramento do lixão, será a do transbordo do lixo.

Clique sobre a imagem para saber mais

Pensata

Um aborto é igual ao outro

Diogo Mainardi
Sarah Palin, no congresso do Partido Republicano, prometeu que, se eleita, assumirá o papel de patrona das pessoas com necessidades especiais. Um Santo Egídio na Casa Branca. Um Santo Egídio de batom. O recém-nascido de Sarah Palin é Down. Seu nome é Trig. Trig rapidamente se tornou uma das principais bandeiras da campanha presidencial americana. Ele é agitado de um lado para o outro, passando de colo em colo, de palco em palco. Sarah Palin descobriu que Trig era portador de síndrome de Down durante a gravidez. Em vez de abortá-lo, foi adiante com a gravidez mesmo assim. Sarah Palin é contrária ao aborto. Me incomoda um tantinho que seus partidários e opositores sempre associem Trig a esse fato. Ter a síndrome de Down parece qualificá-lo automaticamente para um aborto. Os partidários de Sarah Palin interpretam a escolha de ter parido Trig como um sinal de grandeza. Seus opositores a interpretam como um sinal de obtusidade religiosa. Mas abortar Trig teria sido igual a abortar Track, ou Bristol, ou Piper, ou Willow. Um aborto é igual ao outro. Eu entendo do assunto. Tenho dois filhos. Como Sarah Palin, agito-os de um lado para o outro, de artigo em artigo. Ela tem Track e Trig, eu tenho Tito e Nico. Tito passou por todos os testes pré-natais. Naquele tempo, eu era um palerma, e o teria abortado até mesmo se seu ultra-som mostrasse algo simples como um pé chato. Na hora do parto, devido a uma barbeiragem médica, Tito sofreu uma paralisia cerebral. Isso mudou tudo. Eu mudei. Quando decidimos ter outro filho – Nico –, perguntei-me se o abortaria caso os testes pré-natais indicassem alguma anomalia, por mais séria que fosse. A resposta: jamais. Jamais? Jamais. Do Alasca para a Inglaterra. David Cameron, líder do Partido Conservador, tem um filho com paralisia cerebral. Seu nome é Ivan. Como Sarah Palin e eu, David Cameron agita Ivan de um lado para o outro, de reportagem em reportagem. Ele argumenta que seu caso pessoal pode ajudar a esclarecer algumas de suas idéias políticas. Ao contrário da maioria de seus correligionários, ele defende a liberdade de abortar até a 39ª semana de gravidez, em caso de fetos defeituosos, e só até a vigésima semana, em caso de fetos sem defeitos. Ele está disposto a estabelecer – por lei – uma disparidade hedionda. O nazismo matou mais de 70 000 deficientes físicos e mentais nas câmaras de gás. Os princípios da SS vingaram. Agora os testes pré-natais permitem determinar quem pode viver e quem pode morrer. É um Aktion 14F13 intra-uterino. O aborto é uma escolha puramente pessoal. Todos deveriam ser livres para fazer o que bem entendem. É uma estupidez legislar demais sobre o tema. O STF, em meio aos grampos, julga os casos de aborto de anencéfalos, mas o fato é que, no Brasil, qualquer um que queira abortar, aborta, na vigésima ou na 39ª semana de gravidez. O que é moralmente repugnante é o conceito de que alguns merecem ser abortados mais do que outros. Trig. Tito. Ivan. (Trem Azul)

Espaço do leitor


Placa em desacordo com a legislação

Desrespeito à legislação em Ubatuba

Marcos Leopoldo Guerra
Art. 37. Nos bens cujo uso dependa de cessão ou permissão do Poder Público, ou que a ele pertençam, e nos de uso comum, inclusive postes de iluminação pública e sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e outros equipamentos urbanos, é vedada a veiculação de propaganda de qualquer natureza, inclusive pichação, inscrição a tinta, fixação de placas, estandartes, faixas e assemelhados. (Redação dada pela Lei nº 11.300, de 2006)
§ 1º A veiculação de propaganda em desacordo com o disposto no caput deste artigo sujeita o responsável, após a notificação e comprovação, à restauração do bem e, caso não cumprida no prazo, a multa no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais) a R$ 8.000,00 (oito mil reais). (Redação dada pela Lei nº 11.300, de 2006) (grifo nosso)


O artigo 37, acima apresentado, pertence à Lei 9504 de 1997, a qual estabelece normas para as eleições em nosso país.

Ao andar pela cidade notamos que o desrespeito pelas Leis vigentes impera, por parte daqueles que deveriam servir de exemplo à população.
Como uma pessoa que pretende ser representante de um grupo de cidadãos, pretende legislar em prol de uma comunidade, desrespeita de forma contumaz as leis em vigor?

Devemos ensinar a esses que se intitulam professores que nós cidadãos não aceitamos ser representados por aqueles que emporcalham as vias públicas com suas fotografias e propagandas ilegais.

Pessoas que se julgam acima de qualquer Lei não podem representar a população. Mais importante do que saber em quem votar é saber em quem não votar!
Marcos Leopoldo Guerra

ac.tributaria@uol.com.br

Editorial

O debate da Band Vale

Sidney Borges
Ontem recebi muitos telefonemas e e-mails comentando o debate. Em sua maioria davam como certo um vencedor, como se estivéssemos frente a uma competição esportiva. Não é esse o espírito da coisa. A função do debate é mais significativa, serve para desnudar a alma dos candidatos. A telinha tem o condão de mostrar quem é sincero, quem é capaz de olhar nos olhos dos telespectadores e convencê-los de que suas propostas fazem sentido. Obviamente o marketing político exige ações. Mesmo que um candidato tenha ido mal, tenha sido relutante, pouco convincente, seus estrategistas farão tudo para mostrar ao povo que o que foi ao ar não corresponde à verdade. Eu considero tais medidas como puro desperdício de dinheiro. O que a televisão mostrou está guardado no coração do povo. A resposta será dada nas urnas. O debate serviu também para acabar com certos boatos de compra de partido. Depois do que foi visto na tela da Band, retornar ao tema só pode ser classificado como burrice. Ou uma forma de justificar falta de habilidade política. A “raposa e as uvas”, alguém se lembra? O PSDB vai à luta. E não vai apenas para fazer número, mas sim para vencer. Ou não me chamo Sidney Borges.

Televisão

Morre o jornalista Fernando Barbosa Lima, pioneiro da TV brasileira

Segundo hospital, ele morreu de falência múltipla dos órgãos. Corpo deverá ser cremado neste sábado (6), no Memorial do Carmo

Do G1, no Rio
Jornalista, publicitário e produtor de TV, Fernando Barbosa Lima morreu na noite desta sexta-feira (5), aos 74 anos, de falência múltipla dos órgãos. Ele estava internado há 11 dias no Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Atualmente, Fernando ocupava o cargo de presidente do conselho deliberativo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI).
Segundo familiares, o corpo do jornalista deverá ser cremado neste sábado (6) no Memorial do Carmo, no Caju, na Zona Portuária do Rio de Janeiro.
Filho do jornalista e ex-presidente da ABI, Barbosa Lima Sobrinho, o carioca Fernando Barbosa Lima foi um homem de televisão. Sua estréia foi na extinta TV Rio, onde criou diversos programas como “Sem Censura”, numa época em que as transmissões ainda eram em preto e branco.

Leia mais

Nota do Editor - Fernando Barbosa Lima mantinha um Blog no portal Comunique-se no qual contava passagens de sua vida pela televisão. Na telinha ele foi um farol, um abridor de caminhos. Homem culto, fez televisão sem fazer concessões, provando a tese dos que acreditam que o povo gosta de qualidade. O Ubatuba Víbora lamenta a perda do grande homem de Imprensa. (Sidney Borges)

Ubatuba em foco

Merenda escolar
Educação 2001 – 2004

Corsino Aliste Mezquita
“A SEÇÃO DE MERENDA ESCOLAR teve tratamento diferenciado desde o primeiro dia de mandato.
Recebemos com herança, da administração anterior, uma Seção completamente desestruturada, com estoques zero e um contrato draconiano que consumiria toda a verba de investimentos da Prefeitura, no exercício de 2001. O contrato, cheio de irregularidades, tinha sido assinado, aos 12 de setembro de 2000, com a “Empresa Santa Helena-Comércio de Alimentos Ltda”, da cidade de Jacareí. A primeira providência foi rescindir o contrato, sem ônus para a Prefeitura, e providenciar outros caminhos legais, à compra de alimentos necessários ao fornecimento da merenda às crianças. Os dois primeiros meses foram difíceis, mas a merenda foi servida todos os dias em todas as escolas.
A partir de abril de 2001, o cardápio foi divulgado, todos os dias, na Rádio Costa Azul, reorganizado o Conselho de Alimentação Escolar, abertos canais de reclamação através da rádio e dos telefones da Secretaria Municipal de Educação e de todas as escolas. Essas providências permitiram a toda a sociedade estar informada do funcionamento da distribuição de merenda, de sua qualidade e da idoneidade e competência das pessoas responsáveis por todo o processo.
A merenda foi e continua (dezembro de 2004) a ser servida, diariamente, em todas as escolas municipais, nas escolas estaduais (exceção feita da EE CAP. Deolindo de Oliveira Santos que só possui Ensino Médio e não tem direito ao fornecimento de merenda) e nas entidades conveniadas que atendem crianças e adolescentes. Ao todo distribuída em 65 (sessenta e cinco) pontos diferentes, do Camburi ao Araribá e da Praia ao Horto Florestal. Nas escolas estaduais que atendem Ensino Médio e na EM Tancredo de Almeida Neves é servida para todos os alunos, quaisquer que seja seu nível de ensino.
Para atender a crescente demanda por merenda e a qualidade, foram tomadas todas as providências necessárias. Informatizamos o estoque, reformamos o almoxarifado, compramos veículos novos e de fácil carga e descarga, equipamentos, utensílios, treinamos funcionários e merendeiras e facilitamos seu trabalho quanto foi possível. As crianças podem repetir quantas vezes desejem. Em algumas escolas foi implantado o auto-serviço. São distribuídas 23.000 (vinte e três mil) merendas dia.
Para coordenar com eficiência e qualidade essa imensa rede de pequenos, médios e grandes restaurantes, facilitamos a participação dos responsáveis em congressos de alimentação escolar, feiras de alimentos e programas de orientação organizados pelos governos estaduais e federais. A Secretaria esteve sempre aberta e atenta à participação de tudo o que poderia contribuir para melhorar a qualidade da merenda.
Nesse espírito aberto a conseguir o melhor para nossas crianças participamos do “Prêmio Gestor Eficiente da Merenda Escolar” e recebemos certificado de “Apoio à Fome Zero do Governo Federal” que foi entregue pelo Exmo. Sr. Presidente, Luis Ignácio Lula da Silva, ao Exmo. Sr. Prefeito de Ubatuba,.....................aos 16 de setembro de 2004.
Crianças e adultos elogiam a qualidade e quantidade da merenda. (Estamos falando de 2004). Na campanha eleitoral quando um ou outro candidato criticou a merenda teve crianças gritando: “Dr. pára com isso, não fala mentira, hoje comenos nhoque”. Outros falaram em “Risoto de camarão”, “carne com batatas”, dependendo do dia da crítica.
A preocupação da equipe da Seção de Merenda foi, constantemente, com a qualidade e para que nada faltasse em nenhum dos pontos de distribuição. Merecem nossos parabéns, nossos agradecimentos e de toda a sociedade”. (sic)

NOTA: Após transcrever este relatório, para termos memória histórica e registrar a qualidade da merenda e o ambiente de cordialidade e eficiência entre os funcionários, causa tristeza ouvir do Prefeito atual que eram servidas bolachas com suco. Esquece o Exmo. Que, a última vez que ele teve contrato indevido em escola municipal foi, em janeiro de 2000, quando pediu demissão por estar em desacordo com a Lei Orgânica do Município de Ubatuba e medo.....
Quanto ao preço da merenda, ontem e hoje, não se discute. É só verificar as importâncias gastas com a rubrica: “Merenda Escolar” na administração 2001 – 2004, (inclusos os R$ 158.000,00 da famosa acerola) com os gastos de 2005 e os repasses feitos mensalmente à Empresa Verdurama, nos exercícios de 2006, 2007 e 2008. Os leitores encontrarão valores astronômicos e qualidade da merenda duvidosa. Como dito acima, todos os dias, publicávamos o cardápio e, todos os meses, as contas. Quais as razões de não faze-lo agora?
VIVA UBATUBA!. Sem dengue e sem caluniadores.

Opinião

Serra critica o Mercosul

Editorial do Estadão
A diplomacia econômica brasileira deveria eleger novas prioridades e mudar de rumo, segundo o governador de São Paulo, José Serra. Ele defende maior empenho na busca de acordos bilaterais e maior independência em relação ao Mercosul. Não vale a pena, sustenta o governador, insistir em manter o bloco regional como união aduaneira. A união funciona mal e, por suas normas, impede o Brasil de negociar por sua conta acordos de livre-comércio com os parceiros de sua escolha. Melhor seria, portanto, rebaixar o Mercosul ao status de área de livre-comércio, com preferências comerciais entre os sócios e liberdade para cada um assinar os pactos de seu interesse. Ele já havia proposto essa mudança bem antes do recente impasse da Rodada Doha de negociações comerciais. Na quarta-feira, aproveitou um seminário especial do Fórum Nacional, no Rio de Janeiro, para reafirmar suas críticas à atual orientação diplomática. O ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, contestou as críticas. Acordos multilaterais, afirmou, são os mais adequados aos grandes objetivos comerciais do País. Quanto ao Mercosul, é um fator de fortalecimento internacional do Brasil, disse o chanceler. Ambos estão parcialmente certos. Serra mostrou maior realismo quanto à política regional.

Está certo o governador paulista em suas críticas ao Mercosul. O bloco é um fracasso como união aduaneira. Há uma porção de exceções à Tarifa Externa Comum (TEC). Além disso, a tarifa é usada de forma aberrante: incide quando um produto é recebido em qualquer porto do bloco e é de novo cobrada quando esse bem é transferido a outro membro da associação. Um dos objetivos do governo brasileiro, no exercício da presidência rotativa do Mercosul, neste semestre, é eliminar essa cobrança múltipla. Não há garantia de êxito.
Mas isso é apenas parte dos problemas. O bloco não funciona direito nem como zona de livre-comércio. O intercâmbio do setor automotivo é ainda sujeito a restrições, definidas por acordo, e a liberalização setorial só deverá ocorrer dentro de vários anos - se ocorrer. Além disso, há várias barreiras comerciais entre os sócios, aplicadas, na maior parte dos casos, pelo governo argentino contra produtos brasileiros. A Venezuela, ainda sem participação plena no Mercosul, também mantém barreiras importantes e as tem aumentado. No primeiro semestre deste ano, as exportações brasileiras de carros para o mercado venezuelano foram 83% menores que as de um ano antes por causa de cotas em vigor desde janeiro.
Leia mais

Manchetes do dia

Sábado, 06 / 09 / 2008

Folha de São Paulo
"Uso do transporte público cresce em SP após 40 anos"
Pesquisa feita pelo Metrô de São Paulo revela que, pela primeira vez em 40 anos, o uso do transporte coletivo inverteu a tendência de queda na região metropolitana. Segundo o estudo, feito em 2007 em 30 mil domicílios, 55% das viagens motorizadas são por ônibus, trem ou metrô, e 45% por carro, moto ou táxi. Em 1967, na primeira pesquisa, 68% desses deslocamentos eram por meio de transporte coletivo. Em 1997, a taxa caiu para 50% e em 2002, ano do último dado anterior disponível, o transporte individual passou a ser majoritário, com 53% das viagens. A Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos dá duas explicações para a inversão de tendência: o aumento do poder aquisitivo, que levou quem andava a pé a usar transporte público; e o crescimento da oferta do transporte coletivo.


O Globo
"Alimento deixa de ser vilão dos preços e faz inflação cair"
A queda internacional nos preços de grãos e o aumento da safra foram decisivos para derrubar o custo dos alimentos e fazer com que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) recuasse de 0,53% em julho para 0,28% em agosto. Houve deflação (queda generalizada de preços) de 0,18% na comida, o que não acontecia desde junho de 2006. Com isso, em 12 meses, o IPCA acumula 6,17% e cada vez mais analistas acreditam que será possível manter o índice dentro da meta do governo - o limite, de 6,5%, estava ameaçado. Entre os produtos que mais baixaram de preço estão feijão, arroz, batata e tomate. Em compensação, o IPCA foi puxado por tarifas, como a de telefone fixo (+ 2,27%) e a de energia elétrica (+ 1,03%).


O Estado de São Paulo
"Oposição vai à Justiça contra ajuda eleitoral de Dilma ao PT"
A participação da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, nas campanhas eleitorais de São Paulo e São Bernardo do Campo provocou reação da oposição. Em São Paulo, Dilma apareceu na propaganda de rádio de Marta Suplicy garantindo investimentos federais no transporte público da cidade, prioridade da candidata do PT, que promete construir 47,4 Km de linhas de metrô. “Como nós não trataríamos de um dos problemas mais graves?”, disse a ministra no programa. O presidente nacional do PMDB, senador Sérgio Guerra (PE), protestou: “Isso é uso escancarado da máquina.” Ele vai recomendar ao PSDB paulista que acione o PT na Justiça. Em São Bernardo, Dilma participou, na Universidade Metodista, de ato da campanha do também petista Luiz Marinho. O candidato do PSDB na cidade, Orlando Morando, já recorreu ao TRE contra a ministra, alegando que a lei proíbe o uso de bens comuns – como auditórios de universidades – para fins eleitorais.


Jornal do Brasil
"Lula e Seleção batem boca"
Além de estar distante da torcida pelas últimas más atuações, a Seleção Brasileira se isolou também do presidente da República. Irritado com os comentários de Luiz Inácio Lula da Silva, que criticou o time e elogiou a Argentina, o goleiro Júlio César bateu forte: “Ele devia renunciar e ir morar na Argentina”. O treinador foi mais sutil e lembrou que o governador de Minas Gerais, Aécio Neves, do PSDB, ligou para desejar boa sorte ao time no jogo de amanhã, em Santiago, contra o Chile. Na Copa de 2006, Lula já havia feito críticas à gordura de Ronaldo – e o Fenômeno insinuou que o presidente bebia.

sexta-feira, setembro 05, 2008

Palavras

Palavra do dia: GRAMPO (gram.po)

Nos últimos dias, foram divulgados pela mídia casos de uso de grampo nos telefonemas de autoridades feitos por órgãos federais, o que veio a causar o afastamento de alguns funcionários.
De origem etimológica incerta, provavelmente oriundo da palavra “grampa”, o termo “grampo” possui um vasto leque de significados. No texto acima, ele designa a ação de gravar ligações telefônicas (oriundo do antigo sistema em que se aplicavam fisicamente grampos nos terminais dos fios telefônicos, na caixa de entrada), assim como designa também a gravação que foi feita.
Em outros significados, mais antigos e comuns, “grampo” pode ainda ser a haste metálica dobrada utilizada para prender os cabelos, a peça de metal que se crava em pedras para se auxiliar na escalada de montanhas e o instrumento de madeira ou metal que tem a função de manter firme a peça no qual se trabalha.


Definição do dicionário Aulete Digital

GRAMPO (gram.po)
Substantivo masculino.
1. Instrumento metálico ou de madeira que serve para manter firme a peça na qual se trabalha.

2. Cons. Em construção, peça metálica que liga dois blocos de pedra ou peças partidas.
3. Art.gr. Peça de metal muito fina, com as extremidades dobradas, para grampear folhas de papel em um só conjunto.
4. Esp. Em montanhismo, peça de metal que se crava na pedra para auxiliar a escalada dos montanhistas.
5. Haste metálica dobrada para prender cabelos femininos: "...Iaiá lembrou-se de traçar com um grampo no musgo que reveste o aqueduto, o nome de Jorge..." (Machado de Assis, Iaiá Garcia)
6. Bras. Fig. Dispositivo de escuta telefônica secreta.
7. Bras. Pop. Essa forma de escuta.
[Formação: Provavelmente de "grampa". Hom./Par.: grampo (flex. de grampar).]

Ubatuba em foco

Construções novas
Educação 2001 – 2004

Corsino Aliste Mezquita
Neste item gostaríamos esclarecer que, graças ao bom relacionamento entre a Prefeitura Municipal e o Governo do Estado, conseguimos algumas facilidades para o município que os nossos vizinhos, do Litoral Norte, já tinham conseguido nos quatro anos anteriores. Foi assim com a cobertura de Quadras Esportivas, nas escolas estaduais, reforma de algumas escolas, ampliação de outras e o convênio PAC, para novas escolas, com verba repassada pelo Estado e complementada pela Prefeitura com a participação desta com terreno, elaboração dos projetos e contratação, elaboração e execução de obras.
a) Quadras escolares:
Com a solicitação do Sr. Prefeito,...................foram liberadas verbas para as Associações de Pais e Mestres cobrirem as quadras das Escolas Estaduais:
Áurea Moreira Rachou. Sertão da Quina.
Florentina Martins Sanches. Perequê Mirim.
Aurelina Ferreira. Estufa II.
Dionísia Bueno Velloso. Perequê Açu.
Deolindo de Oliveira Santos. Centro.
Suely Ap. Figueira dos Santos. Estufa I. (Esta foi autorizada a verba recentemente e todavia não foi coberta).
b) Reformas de Escolas de Estado:
Ampliação em três salas de aula da EE Áurea Moreira Rachou.
Reforma da EE Suely Ap. Figueira dos Santos. Esta escola também foi ampliada em duas salas de aula com a coordenação direta do Estado.
Reforma da EE. Dr. Esteves da Silva. Centro.
Reforma da EE. Florentina Martins Sanches. Perequê Mirim.
Reforma da EE. Dionísia Bueno Velloso. Perequê Açu.
Reforma e ampliação em duas salas de aula e instalação de rede elétrica na escola indígena Boa Vista.
Ampliação em duas salas de aula da EM Madre Maria da Glória com verba repassada pelo Estado para a APM da escola estadual Dionísia Bueno Velloso.
c) Convênio PAC ou Estado de S. Paulo - Secretaria de Estado da Educação e Prefeitura Municipal de Ubatuba – Secretaria Municipal de Educação.
Este convênio permitiu a construção das seguintes escolas:
EM Sebastiana Luiza de Oliveira Prado. Araribá. Três salas de aula.
EM Nativa Fernandes Faria. Sertão da Quina. Seis salas de aula.
EM. Maria da Cruz Barreto. Perequê Mirim. Oito salas de aula.
EM Semíramis Prado de Oliveira. Saco da Ribeira. Seis salas de aula.
EM Maria Josefina Giglio Silva. Estufa II. Seis salas de aula.
EM José de Souza Simeão. Taquaral – Vila Suré. Quatro salas de aula.
EM do Perequê Açu (Hoje EM Marina Salete Nepomuceno do Amaral). Doze salas de aula.
EM Bela Vista – Marafunda (Hoje EM Silvino Teixeira Leite) Dez salas de aula.
Estão também com verba dotada pelo Estado, projetos elaborados pelos engenheiros da Secretaria Municipal de Educação e aprovados pela FDE e prontos para licitação as escolas:
EM do Ipiranguinha. Já com área desapropriada, murada e urbanizada.( Esta escola foi construída pela atual administração e só inaugurada em 2008 usurpando o nome da anteriormente denominada por lei, Gov. Mário Covas Júnior, à rua dos AÇAIS).
EM do Horto – Figueira. (Hoje Maestro Pedrinho) Também com área desapropriada e liberada para construção.
Contrariamente, ao que alguns tem afirmado, em todas estas obras conveniadas, além do terreno e a urbanização, a participação da Prefeitura acaba sendo de aproximadamente 50% (cinqüenta por cento). O Estado e a FDE costumam orçar apenas o prédio da escola, deixando para a Prefeitura, urbanização, aterro, acabamentos diferenciados, jardinagem e outros detalhes. Na EM do Perequê Açu a verba do Estado financiará apenas 25% (vinte e cinco por cento) da obra, já excluída a área do terreno.
d) Construções com recursos próprios.
A EMEI anexada à EM Nativa Fernandes Faria. Sertão da Quina. Quatro salas de aula.
A Quadra coberta e quatro salas de aula anexadas à EM Maria Josefina Giglio Silva.
A Quadra coberta anexada à EM José de Souza Simeão. Taquaral – Vila Suré.
A EM Gov. Mário Covas Júnior. Ipiranguinha. Oito salas de aula. ( situada na rua dos Açaís).
A EMEI Helena Maria Mendes Alves. Ipiranguinha. Situada à rua da Cascata, n° 1.478.
Com cinco salas de aula.
A EM do Saco da Ribeira – Lázaro. Saco da Ribeira.
A Quadra coberta da EM Altimira Silva Abirached. Itaguá.
Murar, aterrar e acabar em seus últimos detalhes a EM Sr. João Alexandre, na Sesmaria.
e) Outras realizações.
Foi desapropriado o prédio e o terreno da ELEKTRO e para ele elaborado um projeto de uma super creche que já está pronto para licitação.
Na área do Horto – Figueira, além do projeto para a Escola de Ensino Fundamental do Convênio PAC, existe outro projeto de creche aproveitando, o prédio da antiga salga, existente no local.
Na rua Mário Gomes dos Santos (Centro) a Secretaria Municipal de Educação possui terreno que está murado e pronto para a construção de escola.
Frente à EMEI Helena Maria Mendes Alves (rua da Cascata 1.478) a Secretaria possui lote de 360 m² para construção de parque ou ampliação da EMEI.
Encerrando este relatório de obras podemos afirmar que foram construídas, na atual administração (2001 – 2004), 130 (cento e trinta) salas de aula e realizadas ampliações e reformas nunca antes imaginadas. Estamos entregando 05 (cinco) escolas municipais com quadras cobertas e todas com amplos refeitórios e pátios cobertos. As obras e sua qualidade são públicas e podem ser por todos visitadas, fiscalizadas e, quem sabe, admiradas. É de espíritos pobres e sem grandeza negar ou desmerecer aquilo que foi feito com qualidade. Não pensem esses espíritos que as obras da educação estão acabadas e devem parar. A Educação é um processo em desenvolvimento e crescimento em nosso município e terá que ser acompanhado com bastante atenção e cuidado até, como previsto no Plano Decenal Municipal de Educação de Ubatuba, todas as crianças de seis meses a dezesseis anos estarem matriculadas e freqüentando uma escola de qualidade. Não existirá educação de qualidade sem prédios, móveis confortáveis, material escolar, equipamentos pedagógicos e funcionários, professores, e dirigentes dedicados, carinhosos, distribuidores de cuidados e afetos a todos seus alunos. A Secretaria Municipal de Educação, nestes quatro anos, (2001 – 2004), tem trabalhado e envidado esforços para que a Educação Municipal desse um salto de qualidade.
Nota: A posteriori, podemos afirmar que algumas palavras acima foram proféticas.
VIVA UBATUBA! Sem dengue e sem caluniadores.

Mudanças Climáticas

Os riscos do clima para cada setor

Washington Novaes
Enquanto em Acra (Gana), na África, se discutia, em mais uma reunião da Convenção do Clima, como chegar a um acordo que permita reduzir em pelo menos 50% as emissões de gases que intensificam o efeito estufa - principalmente no uso de combustíveis como o petróleo, o carvão mineral e o gás -, no Brasil ocupavam páginas e páginas dos jornais os debates sobre quem terá direito às vultosas receitas que se espera obter com a exploração do petróleo descoberto na camada pré-sal, como é chamada. Sem nenhuma palavra sobre os cenários para o petróleo nos próximos anos e décadas, em função do seu papel nas mudanças climáticas. E com grande parte das opiniões dando como favas contadas que o Brasil se tornará grande exportador de petróleo - sem levar em conta possíveis restrições globais.

Na África, o secretário-geral da convenção, Yvo De Boer, pediu ajuda à comunicação mundial, de modo a criar pressão política sobre os governos, já que vários relatórios indicam prazos cada vez mais curtos para se chegar a reduções efetivas nas emissões de gases. Tanto o presidente do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), Rajendra Pashauri, como o ex-economista-chefe do Banco Mundial sir Nicholas Stern pensam que temos poucos anos para começar a reverter o quadro das emissões, sob pena de conseqüências muito graves.
Outro relatório, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, pede que todos os países deixem de subsidiar o uso de energia, porque esse caminho, além de não ajudar os pobres, desperdiça recursos e é ruim para o cenário do clima. Em alguns países, os subsídios à energia são maiores que os recursos destinados à educação e à saúde. Quem mais subsidia é a Rússia (US$ 40 bilhões anuais), seguida do Irã e do Afeganistão. Mas o Brasil não está fora, principalmente em setores como o dos eletrointensivos (alumínio, ferro gusa), que consome quase 30% da energia total no País, em grande parte na produção de bens exportados. Se todos os subsídios à energia fossem eliminados, diz o relatório, as emissões de gases cairiam 6% - o que não é pouco, em 2007 elas cresceram 2,8%. De Boer sugeriu também que os países comecem a inventariar suas emissões nas áreas da produção do cimento, do aço e do alumínio. Mas os países produtores protestaram, alegando que esse caminho dará margem a que os importadores imponham taxas na entrada desses produtos.
Leia mais

Opinião

As instituições reagem

Editorial do Estadão
A afronta da interceptação ilegal de uma conversa telefônica do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, com o senador Demóstenes Torres, do DEM, revelada no último fim de semana, começa a ter um desdobramento positivo: a aliança das instituições no combate à endemia nacional do grampo. A constatação uníssona e concomitante de que se passou da conta em matéria de violação da privacidade dos brasileiros parece infundir nos Três Poderes um senso compartilhado de urgência da adoção de medidas de controle e repressão à bisbilhotagem. É fato que ainda agora o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Jorge Felix, receitou "não abrir a boca" como única defesa contra a intrusão presumivelmente inevitável nos telefonemas de cada qual. É fato também que, há poucas semanas, o titular da Justiça, Tarso Genro, abriu o coro dos resignados, aconselhando "falar ao telefone com a presunção de que alguém está escutando".
Apesar disso, ganha corpo a idéia de que se está longe de ter feito o possível para enfrentar a praga das escutas - clandestinas ou autorizadas. Estas últimas - mais de 400 mil no ano passado - constituem uma aberração que enfim começa a ser reconhecida como tal na cúpula do Judiciário. "Devemos fazer mea culpa", diz o novo presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Cesar Asfor Rocha, sobre a "banalização" das quebras de sigilo telefônico determinadas por juízes em todo o País. Criou-se uma rotina perversa pela qual elas são solicitadas - e concedidas com naturalidade -, não para confirmar suspeitas robustas no curso de investigações policiais, mas para ver no que dá. Duas iniciativas contra os arrastões telefônicos entraram na ordem do dia, configurando um pacto entre o Judiciário e o Legislativo em defesa do que, nas palavras irrefutáveis do ministro Asfor, há de mais sagrado para qualquer cidadão, "o resguardo de sua intimidade".
Leia mais

Manchetes do dia

Sexta-feira, 05 / 09 / 2008

Folha de São Paulo
"Bolsa cai ao menor nível em 1 ano"
Uma queda de 3,96% levou a Bovespa a 51.408 pontos, menor nível desde agosto de 2007. Já o dólar subiu 2,68% e foi de R$1,722, maior cotação desde 2 de abril. O desconforto com o enfraquecimento da economia européia se aprofundou, dando impulso ao dólar e derrubando commodities. Nos EUA, o pessimismo com a Europa se somou a dados ruins sobre emprego no país. O índice Dow Jones recuou 2,99% a Nasdaq teve desvalorização de 3,20%. O barril de petróleo caiu a US$ 107,89 em Nova York, com baixa de 1,34%. Há cerca de dois meses, o produto rondava os US$ 145. Esse movimento tem afetado o desempenho das ações da Petrobras, que passam por período desfavorável devido às dúvidas sobre a exploração do pré-sal. Como são as mais negociadas e de maior peso do mercado acionário brasileiro, a queda das ações da Petrobras prejudica o resultado final da Bovespa.


O Globo
"Lula aceita idéia de Cabral e decide privatizar Galeão"
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu passar a administração do Aeroporto Internacional Tom Jobim , atualmente com a Infraero, para uma empresa privada. Viracopos, em Campinas, terá o mesmo destino. O governador Sérgio Cabral, um dos maiores defensores da privatização e que já chamou o Galeão de "rodoviária de quinta", além de afirmar que a Infraero tinha que "largar o osso", foi quem divulgou a notícia, de Londres. "O presidente me informou que se reuniu nesta semana com o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e que nas próximas semanas o modelo da concessão será finalizado", disse o governador, em nota, cujo teor foi confirmado pelo Palácio do Planalto e o Ministério da Defesa. Para Cabral, a decisão ajuda a candidatura do Rio para as Olimpíadas de 2016 e para a Copa de 2014.


O Estado de São Paulo
"Lula autoriza plano para privatizar Galeão e Viracopos"
O governo decidiu acelerar os planos de reformulação do sistema de aeroportos do País. Por ordem do presidente Lula, o Ministério da Defesa e o BNDES estudam a possibilidade de privatização dos aeroportos do Galeão e de Viracopos, que serviriam como laboratório para toda a reforma. O governador do Rio, Sérgio Cabral(PMDB), pressiona pela privatização do Galeão, mas parte do governo avalia que a melhor solução para o setor seja a abertura do capital da Infraero - o que deixaria a empresa com mais dinheiro para investir. A estatal resiste à privatização do Galeão e de Viracopos porque os dois aeroportos estão entre os mais rentáveis do Brasil. Juntos respondem por 20% das receitas da Infraero. A preocupação do governo com os aeroportos está ligada à necessidade de melhorar a infra-estrutura para a Copa do Mundo de 2014.


Jornal do Brasil
"As tropas vêm aí"
O ministro da Defesa, Nelson Jobim, confirmou o envio de soldados das Forças Armadas ao Rio para ajudar na segurança no processo eleitoral. De acordo com Jobim, o Exército destinará, em no máximo uma semana, entre 450 e 900 homens por dia que se revezarão por 17 comunidades da cidade escolhidas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ). Mais de 38 municípios do país aguardam decisão de apoio federal e podem engrossar a lista nos próximos dias.

quinta-feira, setembro 04, 2008

Cazuza - Faz parte do meu show

Angra 3

Exigências injustificadas

Edson Kuramoto
A obtenção pela Eletronuclear da licença prévia de Angra 3 é um grande avanço para o país e um fato a ser comemorado como um atestado à segurança da geração nuclear e à seriedade do setor na preservação do meio ambiente. Entretanto, algumas das exigências impostas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) ao licenciamento são inusitadas, como a que requer a construção de um depósito final de rejeitos de alta atividade nos próximos quatro anos. Essa atividade é de competência da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen), que, de acordo com a Lei no. 10.308, de 2001, é responsável pelo licenciamento nuclear. A sobreposição de atribuições causa atraso na concessão do licenciamento ambiental e nuclear e, conseqüentemente, no início da construção de Angra 3, e implica aumento desnecessário do custo do empreendimento.
Além disso, essa exigência não se justifica do ponto de vista técnico, econômico, estratégico e regulatório. O combustível queimado nos reatores nucleares deve permanecer no mínimo dez anos em tanques especialmente projetados para armazená-los de forma segura – não seria possível o transporte antes desse período, por causa do nível de radiação. Trata-se de uma prática adotada em usinas nucleares do mundo inteiro, de acordo com as diretrizes da Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea), e que, no Brasil, é regulada pela Cnen.
Já existem soluções disponíveis que envolvem o armazenamento dos rejeitos em repositórios construídos em formações geológicas estáveis por milhares de anos, como minas de sal e depósitos de granito. Suécia e Finlândia já operam depósitos finais. Os Estados Unidos têm o projeto de Yucca Mountain, que deve entrar em operação em 2017 e permite o reaproveitamento do combustível.
Essa é outra questão que precisa ser debatida antes de se decidir a destinação final dos resíduos. O combustível usado nos reatores nucleares ainda pode produzir mais energia. Países como França, Inglaterra e Japão reprocessam esse material e utilizam o novo combustível em reatores específicos.
Antes de construir o depósito final, o Brasil deve decidir se vai reprocessar seu combustível queimado. Também deve definir qual será a dimensão de seu programa nuclear, pois o tamanho do depósito final dependerá do volume de resíduos que será armazenado. A França tem um parque nuclear com 55 usinas, todas em operação há mais de 20 anos, e, mesmo assim, planeja construir seu repositório final a partir de 2025. Mas o Brasil não está parado em relação a isso: a Cnen tem projeto de depósito capaz de armazenar os rejeitos das usinas de Angra por até 500 anos.
Mais premente é a construção de um depósito para rejeitos de baixa e média atividade – materiais como resinas, filtros e vestimentas e utensílios usados pelos trabalhadores das usinas. A Cnen pretende ter o projeto detalhado e o local que abrigará o repositório definido até 2010. Os municípios que abrigarem rejeitos radioativos, por lei, terão direito a compensação financeira, o que estimulará as prefeituras a receber os depósitos. Estes, por sua vez, serão construídos fora de áreas urbanas e não apresentarão nenhum risco à população e ao meio ambiente.
Outra exigência incongruente feita pelo Ibama é a de que o monitoramento ambiental em torno da central nuclear de Angra seja realizado por órgãos independentes, como universidade ou empresa privada. Ora, esse monitoramento é de competência da Cnen, que delega a atividade ao Instituto de Radioproteção e Dosimetria (IRD), no Rio de Janeiro, órgão capacitado e qualificado para exercer essa tarefa. Não existe empresa “independente” no mercado com essa qualificação.
O mesmo vale para as exigências de análise de risco, que são parte do licenciamento nuclear. A Cnen tem normas específicas para a construção de usinas nucleares que incluem esse requisito, com profissionais capacitados para isso.
Entende-se a preocupação do Ibama em ser rigoroso no licenciamento de Angra 3, pois sofre pressões de todos os lados, inclusive de ONGs ambientalistas contrárias à construção da usina. Mas o instituto não se pode deixar influenciar a ponto de extrapolar os limites de suas atribuições, cometendo excessos em suas exigências. (Fonte Nuclear)

*Artigo publicado em O Estado de São Paulo no dia 03/09/2008
Edson Kuramoto
Diretor de Comunicação da Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN)*

É hoje que a cobra vai fumar...

Angra 3

AF-Colenco é personagem de polêmica nuclear no Brasil

A empresa suíça é considerada uma das mais especializadas empresas do mundo na área de tecnologia para empreendimentos energéticos e de infra-estrutura que trazem grande impacto ambiental.


AF-Colenco encontra-se involuntariamente envolvida em uma das maiores polêmicas do momento no Brasil: a retomada do programa nuclear.
A AF-Colenco foi contratada em 2007 pelo governo brasileiro para fazer os cálculos dos custos de construção da usina nucelar Angra 3, localizada na cidade de Angra dos Reis, no Litoral Sul do Rio de Janeiro.
De acordo com a análise realizada pela empresa suíça, o custo total do empreendimento ficaria em torno de R$ 7,3 bilhões, mas este valor é contestado publicamente pelos adversários da opção nuclear e por algumas organizações do movimento socioambientalista brasileiro.
Na liderança dessa contestação, o Greenpeace Brasil apresentou um estudo - intitulado "Elefante Branco, Os Verdadeiros Custos da Energia Nuclear" - no qual contesta o empreendimento como um todo e os custos estipulados pela AF-Colenco em particular. De acordo com a organização ambientalista, o custo real da construção de Angra 3 será pelo menos R$ 2,3 bilhões mais elevado do que o estimado pela empresa suíça.
No estudo divulgado, o Greenpeace afirma que "o total de capital necessário para finalizar Angra 3 no prazo previsto é de R$ 9,57 bilhões, incluídos os juros do período de construção". A organização contesta também o prazo de 66 meses estipulado pelo Ministério das Minas e Energia (MME) para a entrada em operação da usina: "O governo faz uma estimativa de 30% de progresso já existente na construção de Angra 3. Ainda assim, os 70% restantes consumiriam em média pelo menos mais oito anos", diz o documento.
Segundo o representante da Campanha Antinuclear do Greenpeace Brasil, Jorge Cordeiro, a organização, que já move três ações na Justiça contra o projeto de retomada da construção de Angra 3, vai dar entrada em uma nova ação, desta vez no Tribunal de Contas da União (TCU), para contestar os custos estipulados para o empreendimento: "A retomada de Angra 3 é inconstitucional, pois o governo deveria ter submetido essa decisão ao Congresso Nacional", diz.


Eletronuclear reage

Empresa estatal subordinada ao MME e responsável pela contratação da AF-Colenco para realizar o levantamento de custos de Angra 3, a Eletronuclear defende o trabalho da empresa suíça. Em nota assinada pelo gerente de Planejamento e Orçamento, Roberto de Andrade Travassos, e pelo assistente da presidência Leonam Guimarães, a empresa contesta o estudo apresentado pelo Greenpeace.
A Eletronuclear acusa a organização ambientalista de "tratar com malícia" os dados sobre a retomada de Angra 3 apresentados pelo governo: "Grande parte das interpretações e extrapolações dos dados técnicos feitas pelo Greenpeace não guarda nenhuma relação com os resultados apresentados pelo grupo de pesquisadores contratados para elaborar o estudo", diz a empresa.
Na nota, Guimarães e Travassos afirmam ainda que, mesmo antes da análise realizada pela AF-Colenco, que foi concluída em dezembro do ano passado, os custos estipulados para Angra 3 "vem sofrendo ao longo dos últimos anos confirmações por diversas entidades independentes".
Entre as empresas citadas estão a espanhola Iberdrola, a francesa Electricité de France (EDF) e a norte-americana EPRI/ORNL, além das brasileiras Coppetec (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Fundação da Universidade de São Paulo (Fusp).

Leia mais

Ubatuba

Morte de criança

Laura Monteiro
Lamentável o posicionamento do secretário da saúde, Clingel Frota, em relação ao caso do menino Luan. Precisava ele ter chamado a mãe da criança de mentirosa e negligente? É bem provável que ele nunca tenha precisado levar um filho à Santa Casa, muito menos a um posto de saúde, para poder fazer uma afirmação dessas num momento tão delicado, tão difícil, tão doloroso, sobretudo para uma mãe. Se algum dia ele tivesse procurado o nosso sistema de saúde, poderia facilmente constatar que a negligência está lá. Que outra palavra poderia ser usada para classificar aquele tipo de atendimento em que o médico pergunta à mãe qual é a queixa da criança que está prostrada à sua frente, ardendo de febre, e lhe prescreve um medicamento sem nem sequer olhar sua garganta? Relatos assim existem aos montes, basta ouvir a população. Já soube de uma gestante que foi fazer ultra-sonografia, com um pedido de Raio X. Quem não tem um plano de saúde decente ou não pode correr para São José dos Campos ou São Paulo corre o risco de perder um ente querido, como no caso dessa mãe, e ainda ter de engolir um descalabro desses. Essa declaração é uma afronta a todos nós, munícipes, que vira e mexe precisamos dos serviços da saúde pública. Que falta de sensibilidade! Que falta de humanismo! Vamos respeitar a dor dessa mãe. Vamos parar de atribuir tudo às eleições. (Fonte: Litoral Virtual)
Laura Monteiro
Ubatuba, SP

Palavras

Palavra do Dia: FILA (fi.la)

Mesmo com o evento agendado apenas para meados de dezembro, os fãs fizeram filas gigantescas para garantir ingressos para a apresentação da cantara norte-americana Madonna nas cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo. Motivo de irritação para muitas pessoas, as filas têm regulamentação, e existem leis que determinam o tempo máximo de espera em determinados estabelecimentos.
A palavra “fila” formou-se a partir da palavra francesa ‘file’.
O termo designa o alinhamento de pessoas, uma atrás da outra e em ordem de chegada como forma de ordenar o acesso a determinado serviço. Posteriormente, surgiu a expressão “furar fila”, que corresponde à ação de desrespeitar a ordem de chegada e entrar na frente de quem já estava na fila. Em Portugal a palavra mais usada para designar uma fila é “bicha”, que no Brasil tem um significado totalmente diferente.


Definição do dicionário “Aulete Digital”:

FILA (fi.la)
Substantivo feminino.

1 Alinhamento, série de pessoas ou coisas em linha; FILEIRA; ALA.
2 Seqüência alinhada de pessoas que se vão colocando uma atrás da outra, na ordem de chegada, em determinado lugar e para determinado objetivo (fila de ônibus, fila na bilheteria).
[Formação: Do francês ‘file’. Hom./Par.: fila (sf.), fila (fl. de filar).]

Ubatuba em foco

Soluções definitivas
Educação, 2001 – 2004.

Corsino Aliste Mezquita

“A partir desse momento (acomodados os 1200 alunos sem teto) fomos providenciando, já com maior planejamento, os atendimentos de emergência que todos os dias aparecem nos 50 (cinqüenta) prédios de responsabilidade da Secretaria Municipal de Educação e outras ações que exigiam mais tempo, maiores recursos e processos demorados.
Todos os prédios escolares receberam manutenção permanente e estiveram e estão em boas condições de uso para atender os alunos, professores e funcionários.. Alguns deles, além da manutenção, foram reformados, ampliados, trocados seus telhados e adaptados às novas realidades. Na data que escrevemos estas linhas (dezembro de 2004) os prédios escolares estão em condições satisfatórias de uso e isso poderá ser verificado por quem duvidar de nossa afirmativa.
Os prédios que tiveram reformas e ampliações mais amplas são os a seguir relacionados:
1 – EM Virgínia Melle da Silva Lefreve – Maranduba – Reforma geral e ampliação da cozinha, do refeitório e construção da Diretoria e Secretaria.
2 – EM Thereza dos Santos – Sertão da Quina – Reforma e adaptação do prédio superior. Reforma geral com troca do telhado do prédio inferior. A escola foi denominada na atual administração com o nome indicado pela comunidade.
3 – EMEI do Rio Escuro. Pequena reforma para dar-lhe condições de funcionamento. Construção do poço artesiano para abastecimento d´agua. Está prevista, no orçamento, a construção de prédio novo. O atual não aceita reformas que permitam atender nossos conceitos qualitativos e espaciais.
4 – EM do Corcovado. Foi murado o terreno, construída mais uma sala de aula, novos banheiros e reformada a cozinha.
5 – EM Ernesmar de Oliveira. Praia Dura. Construída uma sala de aula, novos banheiros e ampliada a cozinha e a despensa. Foi desapropriado o terreno do lado esquerdo de quem olha para a escola para amplia-la e criar instalações esportivas.
6 – EM Maria das Dores Santos Carpinetti. Rio Escuro. Totalmente reformada e melhorada, ampliada em duas salas de aula, duas baterias de sanitários, nova Secretaria, novo pátio interno revestido de piso cerâmico PI-5 e poço artesiano para o abastecimento d´agua.
7 – EM Maria da Cruz de Oliveira. Sertão do Perequê Mirim. Reforma geral da escola, novas janelas, no berçário, piso cerâmico no pátio interno e reforma completa da cozinha. Na inauguração foi denominada com o nome atual.
8 – EM Judith Cabral dos Santos. Perequê Mirim. Ampliação em quatro salas de aula, duas baterias de banheiros, refeitório, sala dos professores e ambientes externos. Na inauguração foi denominada com o nome atual.
9 – EMEI da Estufa II. Desapropriação da casa onde está instalada e reforma total para adapta-la à nova realidade. A área coberta da casa foi duplicada. Atende 50 (cinqüenta) crianças de quatro meses a três anos.
10 – EMEI Bessie Ferreira Osório de Oliveira. Itaguá. Foi cercada com muro de alvenaria, totalmente reformada, teve a cozinha e as áreas de serviço ampliadas e todas suas salas de aula dotadas de solário. Parque e jardins também foram reformados. Na inauguração foi denominada.
11 – EM Pe José de Anchieta. Centro. Foi totalmente reformada interna e externamente e teve seus telhados trocados. Foi criado espaço para horta escolar.
12 – EM Olga Ribas de Andrade Gil. Centro. Foi totalmente reformada interna e externamente e construída nova cozinha e novo pátio coberto.
13 – EM Prof Joaquim Luis Barbosa. Bela Vista. Totalmente reformada e ampliada em duas salas de aula e sala de diretoria. Na inauguração foi colocado o nome do Prof. Joaquim Luis Barbosa.
14 – EM Maria Alice Alves Pereira. Marafunda. Além de pequenas reformas e da manutenção constante foi ampliada em duas salas de aula. Nesta escola convivemos com a escola estadual do mesmo nome em direção compartilhada. O prédio é de propriedade da Prefeitura Municipal. (Em 2005, com a inauguração da EM Silvino Teixeira Leite, ficou a serviço da educação estadual).
15 – EMEI-CRECHE Irmã Sofia Rodrigues de Lima. Ipiranguinha. Além da manutenção constante recebeu ampla reforma que bastante melhorou suas instalações.
16 – EM José Celestino Aranha. Horto Florestal. Ampliada em uma sala de aula e constante manutenção do prédio. É um prédio velho, bastante precário e necessita ampla reforma. Também neste prédio convivemos com a escola de Estado do mesmo nome e essa convivência terá que continuar no próximo ano.
17 – EM Richard Juarez Gobbi. Taquaral. A escola foi murada e teve ampliado seu pátio coberto, reformado o telhado e trocados seus forros por material PVC mais higiênico e resistente.
18 – EM José Belarmino Sobrinho. Poruba. Foi denominada na atual administração e ampliada em três salas de aula e totalmente reformada e murada. Também sua quadra de esportes foi reformada.
19 – ECOI do Ipiranguinha. Com repasse de verba da Prefeitura e apoio técnico da Equipe de Manutenção foi reformada e ampliada a casa onde funciona a ECOI do Ipiranguinha.
20 – EMEI Terezinha Fernandes Rossi. Pedreira. Construído muro de arrimo, urbanizada, construídas duas novas salas de aula , diretoria, nova cozinha e reforma do prédio velho. Na inauguração foi registrado o nome da patrona.
21 – Outras pequenas reformas foram realizadas em quase todos os prédios para mantê-los em condições de atender bem às crianças. Poços artesianos foram furados nas escolas: Iberê Ananias Pimentel. Picinguaba e Fortaleza, no bairro do mesmo nome. O grave problema do abastecimento d´agua naqueles bairros, assim como no Rio Escuro, ficou resolvido em definitivo.
Deixamos claro que todos os projetos de implantação e executivos destas reformas foram realizados pelos Engenheiros: Virgílio José Guatura e Sebastião Ferreira de Carvalho Júnior (Romão) e os recursos para sua execução retirados da verba da Educação da Prefeitura Municipal de Ubatuba. Os recursos bem administrados, rendem bastante e geram obras, compras e serviços. Prédios confortáveis são um primeiro passo para a educação de qualidade”.
VIVA UBATUBA!. Sem dengue e sem caluniadores.

Waldick Soriano

Eu não fui cachorro não...

Morre Waldick Soriano aos 75 anos no Rio

Cantor romântico lutava contra câncer de próstata desde 2006; ele estava internado desde o fim de agosto

Lauro Lisboa Garcia, de O Estado de S.Paulo
SÃO PAULO - Waldick Soriano, um dos maiores ídolos da canção romântica brasileira, morreu nesta quinta-feira, 4, no Rio, aos 75 anos, em conseqüência de câncer de próstata. O cantor e compositor descobriu ser portador da doença em 2006. No início deste mês, seu estado de saúde se agravou, com o câncer já atingindo outras partes do corpo, segundo os médicos. Autor de canções de enorme sucesso nacional a partir dos anos 70, como Paixão de um Homem, A Carta, Tortura de Amor, A Dama de Vermelho e Eu Não Sou Cachorro Não, Waldick recebeu recentemente uma terna homenagem em vida da atriz Patrícia Pillar, que dirigiu e escreveu o roteiro (em parceria com Fausto Nilo e Quito Ribeiro) do documentário Waldick - Sempre no Meu Coração.

Leia mais

Opinião

A imagem da perfeição

Demétrio Magnoli
A China foi perfeita durante duas semanas. Bem antes da inauguração da curta era da perfeição, o governo chinês alertou a imprensa internacional contra a "politização" dos Jogos Olímpicos. Na linguagem em código compartilhada por todas as ditaduras, o alerta era uma conclamação à imprensa para que praticasse a autocensura. Com raras exceções, por amor aos patrocinadores ou sinceramente comovidos pela eficiência técnica do Estado totalitário, jornais e jornalistas do mundo inteiro se curvaram. Por um tempo fugaz a crítica cessou, abrindo passagem à perfeição.

Ela chegou na cerimônia de abertura, quando a graciosa Lin Miaoke, de 9 anos, com marias-chiquinhas e um vestido vermelho, supostamente cantou Ode à Pátria. O evento era uma fraude, como logo depois se soube por uma inconfidência de Chang Qigang, o diretor musical da cerimônia. A voz oculta atrás da imagem da perfeição pertencia a Yang Peiyi, de 7 anos e com um dentinho torto.
"A razão por trás disso é que precisamos colocar os interesses do país em primeiro lugar", justificou Qigang. Os "interesses do país" foram definidos na hora derradeira por um integrante do Politburo do Partido Comunista Chinês (PCC), que assistiu ao ensaio final e concluiu que a garotinha imperfeita não devia representar a pátria perante a audiência do planeta. A imprensa relevou o ato do poderoso dirigente anônimo, qualificando-o, no máximo, como um episódio de ocultação de informação. Mas o nome disso é eugenismo e o gesto expressou uma dupla lealdade: às origens do moderno movimento olímpico e à tradição identitária do Estado chinês.
O educador Zhang Boling (1876-1951) fundou, em 1904, o Colégio Tianjin Nankai, um centro preparatório da elite chinesa por onde passaram, entre outros, os primeiros-ministros Chou En-lai e Wen Jiabao. Sob a influência das public schools da Inglaterra vitoriana, ele instituiu a educação física na sua "Família de Escolas Nankai", lançou as bases do Comitê Olímpico Chinês e delineou um programa nacional: "Uma grande nação deve primeiro fortalecer a raça, uma grande raça deve primeiro fortalecer o corpo."
Leia mais

Manchetes do dia

Quinta-feira, 04 / 09 / 2008

Folha de São Paulo
"Lula defende fumo, acende sua cigarrilha e desafia decreto"
Indagado sobre projeto Federal que proibe o fumo em lugar fechados, o presidente Lula disse defender "o uso do fumo em qualquer lugar". Ao responder, Lula fumava uma cigarrilha. Questionado sobre decreto que que proíbe o fumo no Planato, o presidente respondeu: "Na minha (sala), sou eu que mando.


O Globo
"Judiciário faz mea culpa sobre farra de grampos"
Em meio à crise dos grampos, o novo presidente do Superior Tribunal de Justiça, Cesar Asfor Rocha, assumiu ontem o cargo fazendo mea culpa sobre a responsabilidade do Judiciário no excesso de escutas telefônicas. “Devemos fazer mea culpa. Em regra, a quebra do sigilo telefônico é determinada pelo juiz”, disse. A CPI dos Grampos aprovou a convocação do ministro Nelson Jobim (Defesa) para que ele esclareça se de fato a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) comprou equipamentos capazes de fazer escutas ilegais – o que teria motivado o afastamento da cúpula da agência pelo presidente Lula. Dois funcionários da Abin disseram na CPI que o equipamento faz escutas ambientais, não telefônicas. A oposição pressiona pela saída do general Jorge Félix (Segurança Institucional).


O Estado de São Paulo
"Governo esvazia novo leilão de áreas de petróleo"
Numa tentativa de sinalizar que o governo quer continuar trabalhando com concessões para exploração de petróleo, o Conselho Nacional de Política Energética decidiu lançar duas novas rodadas de licitação até o final do ano. Pela primeira vez, porém, os blocos se localizam apenas em terra. Estão vetadas concessões no mar, mesmo fora da camada de pré-sal. O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, tentou abrandar o impacto negativo, alegando que as petrolíferas não estão tendo capacidade de plena nem nas áreas já concedidas. Para Lobão, a produção de petróleo em terra é atraente principalmente para empresas de menor porte. O bloqueio das licitações se deve à possibilidade de o governo manter sob sua propriedade direta uma parcela de cada bloco de exploração.


Jornal do Brasil
"Indústria do Rio ganha 12 mil novos empregos"
Levantamento da Firjan mostra que o empresário fluminense ainda não se deixou abater pelos sucessivos aumentos da taxa de juros pelo Banco Central. Com isso foram abertas 12 mil novas vagas de emprego no Estado. A renda dos trabalhadores também subiu 9,09%. O estudo atribui o crescimento de 7,71% nas vendas aos setores de alimentos e bebidas, de borracha e automotivo e de edição e impressão – às eleições.

quarta-feira, setembro 03, 2008

Amanhã, não perca!

Debate Ubatuba / TV Band Vale

Marcela Camargo

O Grupo Bandeirantes de Comunicação – Vale do Paraíba realiza nesta quinta-feira, dia 04, o debate entre os candidatos a prefeito de Ubatuba. O encontro faz parte da série iniciada no dia 17 de julho. A TV Band Vale está promovendo ao todo doze debates, com políticos de dez cidades da região.
Os candidatos, que disputam o cargo em Ubatuba, Eduardo de Souza César (DEM), Pedro Tuzino (PSDB), Paulo Ramos (PDT) e Maurício Maromizato (PT) já confirmaram presença. Apenas cinco assessores e os candidatos a vice-prefeito poderão acompanhar o debate nas dependências da emissora. Uma sala especial será destinada à imprensa.
O debate será transmitido ao vivo a partir das 22:00 e terá duas horas de duração, com transmissão simultânea pelas rádios Band Vale102,9 FM e a Bandeirantes AM (1120). O espaço, aberto pela TV Band Vale, é uma oportunidade para os candidatos apresentarem suas propostas para administrar o município de Ubatuba. Além disso, eles vão responder perguntas da população, dos jornalistas convidados e questionar os opositores. O encontro terá como mediador o jornalista e apresentador Cláudio Nicolini.
Como nos três debates anteriores, este terá cinco blocos. No primeiro, os candidatos responderão perguntas formuladas pelo mediador e pela população. No segundo e quarto blocos, os candidatos farão perguntas entre si. Na terceira e quarta partes do programa, os candidatos respondem as perguntas preparadas pelos jornalistas. E o último bloco é reservado para as considerações finais.
Marcela Camargo
TV Band Vale
(12) 3621-9141
(12) 9182-0635

Música

Stacey Kent - "Samba Saravah"

Samba Saravah - Stacey Kent; do cd: Breakfast On The Morning Tram. Ouça aqui.
A nova-iorquina Stacey Kent começou sua carreira musical em Oxford e hoje é considerada uma das melhores vocalistas de jazz da atualidade. Já ganhou o British Jazz Award, em 2001, e o BBC Jazz Award, em 2002. Leia mais sobre Stacey Kent aqui. E veja a letra da música traduzida no site "Vagalume".

Clique sobre a imagem para saber mais

Região

Juan traz para São Sebastião a primeira Fatec do Litoral Norte

Faculdade de Tecnologia de São Paulo já estará em funcionamento a partir de 2008, com cursos na área de petróleo e gás

São Sebastião - O prefeito de São Sebastião, Dr. Juan Garcia, conseguiu nesta quarta-feira (20/6) a liberação da primeira Fatec (Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo) para o Litoral Norte. “É uma grande conquista, pois trata-se da primeira faculdade pública da nossa região”, comemorou Dr. Juan. Ele recebeu a informação da diretora-superintentende do Centro Paula Souza, Laura Laganá. A decisão foi confirmada em reunião do deputado estadual Roberto Moraes, líder do PPS na Assembléia Legislativa, com o vice-governador Alberto Goldman. A previsão é que a Fatec já esteja em funcionamento na cidade a partir de 2008. Com isso, a região terá a formação de mão-de-obra especializada de nível superior na área de petróleo e gás. “Temos o maior terminal marítimo de petróleo do hemisfério sul. Até 2008 teremos o álcoolduto. Temos ainda a ampliação do Porto anunciada pelo Governo do Estado e a exploração do gás. Desta maneira, a formação de profissionais nesta área é fundamental”, enfatizou o prefeito Dr. Juan.
O próximo passo será uma vistoria de técnicos do Fatec ao prédio que deverá abrigar a instituição. Trata-se do imóvel onde hoje funciona a Secretaria Municipal de Educação, na Vila Amélia, região central da cidade. O curso de petróleo e gás deverá ter a parceria da Transpetro/Petrobras. No ano passado, o prefeito Dr. Juan Garcia já havia conseguido a vinda de três cursos técnicos do Centro Paula Souza: “Monitor em Turismo Ecológico”, “Recreacionista” e “Logística”. Em março deste ano, 45 pessoas se formaram nos dois primeiros cursos. O curso de “Logística” continua em andamento na escola municipal “Profª Iraydes Lobo Viana do Rego”, no Itatinga. A duração é de 1.500 horas/aula, distribuídas em três semestres. São Sebastião vem se destacando na realização de cursos profissionalizantes. Além destes, a Prefeitura dispõe de cursos variados no CIP (Centro Integrado Profissionalizante). Também oferece cursos itinerantes, como “Eletricidade Veicular” que foi encerrado recentemente, e o “Instalação de Alarmes e Som Automotivo” em andamento, ambos com a parceria do Senai. Atualmente, a Secretaria Municipal de Trabalho e Desenvolvimento Humano também viabiliza uma parceria com Senai e Transpetro/Petrobras para cursos técnicos de manutenção industrial. O Centro Paula Souza administra 108 Escolas Técnicas Estaduais (ETEs) e 20 Faculdades de Tecnologia (Fatecs) no Estado de São Paulo. As ETEs atendem mais de 90 mil estudantes nos níveis de ensino médio e técnico, para os setores industrial, agropecuário e de serviços, em cerca de 50 habilitações. Nas Fatecs, mais de 15 mil alunos estão distribuídos em 20 cursos superiores de graduação. (PMSS)

Nota do Editor - Enquanto isso a Unitau sai de Ubatuba. (Sidney Borges)

Eleições 2008

Candidatos e população se preparam para debate na Band na próxima quinta

Imprensa Livre
Os quatro candidatos à Prefeitura de Ubatuba e a população da cidade estão com grande expectativa para o debate programado para a próxima quinta-feira e que será transmitido ao vivo pela TV Band Vale, a partir das 22hs.
O mestre de obras Felício Galvão traduziu a ansiedade de boa parte dos ubatubenses. "Eu vou acompanhar com certeza o debate, até porque os candidatos ainda estão muito quietos e esta será uma das poucas oportunidades em que eles falarão na TV", ressalta o trabalhador e morador de Ubatuba. Durante o debate, os próprios candidatos terão de fazer e responder as perguntas dos concorrentes. "Aí não vai ter mais reclamação sobre a imprensa ou qualquer outra coisa, todos poderão abordar diversos temas", completa Galvão.
Sem os debates que a Associação Comercial e a Igreja promoveriam na cidade, esta será a única oportunidade que o eleitor de Ubatuba terá para acompanhar o desempenho dos candidatos nesse tipo de evento. Eduardo Cesar, Maurício Moromizato, Paulo Ramos e Pedro Tuzino já confirmaram presença no debate, que acontece nos estúdios da emissora, em Taubaté. O Imprensa Livre traz a cobertura completa do evento na edição de sábado. (Enviado por Rui Alves Grilo)

Ilhabela

Palco cede e deixa 17 feridos em show

da Agência Folha
Dezessete pessoas ficaram feridas na noite desta terça-feira (2) depois que o palco onde ocorria um show de música gospel cedeu. O evento ocorria em um campo de futebol no bairro Barra Velha, em Ilhabela (217 km de SP).
As vítimas --todas com ferimentos leves-- foram levadas ao pronto-socorro do hospital Mário Covas e já foram liberadas.
Segundo a polícia, um pastor que comandava a festa --parte das comemorações de aniversário da cidade-- convidou pessoas da platéia para subir ao palanque.
Após cerca de 50 pessoas subirem, o palco --formado por uma estrutura metálica-- cedeu. A polícia investigará as causas do acidente.
Cerca de duas mil pessoas estavam na platéia.

Palavras

Palavra do Dia: TRIBUTO (tri.bu.to)

Dados do Governo revelaram que a proposta de orçamento para o próximo ano prevê uma arrecadação maior com tributos.
A palavra “tributo” origina-se das palavras latinas ‘tributum’ e ‘tributus, i’, e é usada tanto para designar um imposto – taxa exigida pelo poder público – quanto para designar uma homenagem, uma consagração, um louvor, como na frase “Os alunos prestaram um tributo ao professores durante a formatura”.


Definição do Dicionário “Aulete Digital”:

TRIBUTO (tri.bu.to)
Substantivo masculino.

1 Imposto devido ao poder público; CONTRIBUIÇÃO; ENCARGO; TAXA.
2 Homenagem, louvor, consagração: Prestou tributo ao mestre.
3 Fig. Aquilo que se sofre ou concede por obrigação, dever, necessidade etc.; COMPENSAÇÃO; PREÇO: Todos pagam seu tributo à mocidade.
4 Ant. Imposto que um Estado ou província subjugada é obrigada a pagar ao dominador [Formção: Do lat. tributum e tributus,i Hom./Par.: tributo (fl de tributar)]

Ubatuba em foco

Manutenção e ampliação da rede física escolar
Educação 2001 – 2004

Corsino Aliste Mezquita
O item que desenvolveremos a seguir é bastante amplo e exigirá vários artigos. Neste primeiro artigo falaremos de: “Manutenção e pequenas reformas”.
“Recebemos a rede física de prédios escolares bastante deteriorada, carente de ambientes adequados e com 1.200 alunos matriculados e sem teto escolar, sem carteiras, materiais escolares ou equipamentos. Partindo da realidade que encontramos propusemos uma agenda positiva e dois tipos de soluções: a) Soluções emergentes e b) Soluções definitivas e de longo alcance”.
a) Soluções emergentes.
“Para atender os 1.200 alunos sem teto recorremos a todos aqueles que nos podiam ajudar e nos propusemos a fazer nossa parte. Neste ponto foi de grande importância a colaboração da Diretoria Regional de Caraguatatuba que disponibilizou salas de aula, nas escolas estaduais, para atender alunos municipais. Foi assim que com habilitação de novas classes e o fornecimento de móveis por parte da Prefeitura, em 2001, atendemos alunos municipais nas escolas estaduais:
Florentina Martins Sanches, no Perequê Mirim.
Aurelina Ferreira, na Estufa II”.
Colocamos em três períodos diurnos a Escola Municipal Madre Maria da Glória, no Parque dos Ministérios.
Alugamos e adaptamos dois prédios, na Estufa II. Estes foram mobiliados e equipados com todos os materiais necessários ao atendimento dos alunos e ao serviço da merenda escolar.
Concluímos com urgência a EM João Alexandre, na Sesmaria, que tinha deixado inacabada a administração anterior. Também esta teve que ser mobiliada e equipada.
Adaptamos o Terminal Turístico, do Perequê Açu, para atender as necessidades emergentes de 2001. Este, posteriormente, seria ampliado, modificado em toda sua estrutura interna e denominado como: EM Marina Salete Nepomuceno do Amaral que tão bons serviços tem prestado à educação do bairro, nestes quatro anos e deverá prestar, no futuro”.
Este processo estava encerrado em 15 de março de 2001 com a chegada de um grande lote de cadeiras, carteiras e equipamentos escolares.
Com essas providências além de atendermos todas as crianças de 1ª a 4ª séries de Ensino Fundamental, naquele momento responsabilidade da Prefeitura, conseguimos aumentar o número de crianças matriculadas em Educação Infantil em mais de 250 (duzentas e cinqüenta)”.
Nota: A EM Marina Salete Nepomuceno do Amaral foi transferida, em 2006, para novo prédio, na rua Raposo Tavares, no Perequê Açu. O ambiente dedicado à escola, no Terminal Turístico, é ocupado, hoje, pela Guarda Municipal.
VIVA UBATUBA!. Sem dengue e sem caluniadores.

Economia

Serra vê armadilha na situação econômica do país

REUTERS
SÃO PAULO - O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), convidado a discursar em evento como um dos cotados para a sucessão de 2010, afirmou nesta terça-feira que a economia brasileira vive uma situação desfavorável ao investimento.

"Há uma armadilha na economia com juros elevados excessivamente, câmbio excessivamente sobrevalorizado, déficit em conta corrente crescente e despesas governamentais aumentando vertiginosamente", disse o governador a jornalistas após participar de seminário comemorativo dos 40 anos da revista Veja.
Na tentativa de consertar parte da situação, diz Serra, o governo criou uma política industrial. "O que entra com uma mão sai com a outra. Isso conspira contra o investimento elevado." Ele afirmou ainda que o Brasil tem investido menos que outros países da América Latina, como Chile, Argentina e Colômbia.
Antes da entrevista, durante sua palestra, Serra brincou com uma das frases prediletas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ao relatar que na época do milagre econômico brasileiro, nos anos 1970, houve crescimento de 8 por cento ao ano per capita, disse tratar-se de "uma performance nunca antes vista neste país. Nem depois."
Leia mais

Opinião

A farra dos grampos na República da fofoca

José Nêumanne
É natural que o extinto Serviço Nacional de Informações (SNI) tenha uma imagem negativa a ponto de o próprio criador, o general Golbery do Couto e Silva, haver dado a seu respeito um veredicto duro e definitivo: "Eu gerei um monstro." Por mais necessário que seja, nenhum serviço de inteligência goza de boa reputação no mundo todo. Nos relatos escritos sobre a Agência Central de Inteligência, a CIA americana, por exemplo, nada é destacado de positivo para ser citado: só vêm à tona exemplos de trapalhadas e de erros grotescos, como a malograda invasão da Baía dos Porcos, em Cuba, na gestão Kennedy. No caso da agência brasileira, a má imagem é piorada pela péssima catadura: seus préstimos foram utilizados para monitorar movimentos e ações dos órgãos da repressão da ditadura militar contra a resistência dos grupos da esquerda armada. O SNI sujou as mãos com o sangue dos mártires do socialismo e dos sobreviventes da guerra suja, atualmente no poder.

A extinção do serviço foi mais uma bravata do primeiro presidente eleito pelo voto popular após Jânio Quadros, Fernando Collor de Mello, que não deve propriamente ser definido como um estadista. E, por isso, não teve tirocínio para, depois de jogar o entulho autoritário no lixão, criar um sucedâneo para não deixar a Presidência da República a pé em informação estratégica. A Agência Brasileira de Inteligência (Abin), criada para suprir essa lacuna, nunca conseguiu cumprir tal papel e tem funcionado apenas como um ninho de "arapongas", ave brasileira de canto estridente a que a gíria recorreu para definir os agentes secretos nacionais. Este, na certa, não é um elogio à sua discrição, condição sine qua non para a eficiência no ofício deles.
A generalizada quebra de sigilo telefônico, vinda à tona com a tal Operação Satiagraha da Polícia Federal, denuncia a existência entre nós de uma República de comadres fofoqueiras, com graves conseqüências para a vida de alguns cidadãos. E, sobretudo, com riscos para o bom funcionamento do Estado Democrático de Direito. A mera invocação do SNI, morto e enterrado no século passado, já é por si só uma demonstração da incapacidade crônica das autoridades encarregadas de gerir a coisa pública e de sua vocação para a chanchada.
Leia mais

Manchetes do dia

Quarta-feira, 03 / 09 / 2008

Folha de São Paulo
"Abin tem maleta de gampo, diz Jobim"
A informação de que a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) adquiriu ilegalmente maletas de interceptação telefônica, segundo afirmou o ministro Nelson Jobim (Defesa) em reunião de coordenação política do governo, foi decisiva para o afastamento do diretor da agência, Paulo Lacerda. Por lei, a Abin é proibida de fazer escutas telefônicas. A agência negou ter equipamento de escuta. Disse ter adquirido aparelhos para identificar grampos. A maleta executa ambas as funções. A aquisição, segundo a Defesa, foi feita pelo sistema de compras do governo. Na CPI dos Grampos da Câmara, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Jorge Amando Felix, negou que a Abin, como instituição, tenha grampeado o telefone do presidente do STF, Gilmar Mendes, mas não descartou a hipótese de o grampo ter sido feito por agentes. Félix disse ter determinado perícia para saber se o equipamento pode fazer interceptações.


O Globo
"General admite que grampo pode ter sido feito na Abin"
O chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Jorge Félix, admitiu que servidores da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) podem ter participado do grampo nos telefones do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes. Ao depor na CPI dos Grampos, o general defendeu o ex-diretor da Abin Paulo Lacerda, afastado pelo presidente Lula, mas disse que funcionários da agência podem ter feito a escuta clandestina à revelia da cúpula do órgão. E que quem teme ser grampeado deveria evitar usar o telefone: “Tecnologia antigrampo, a única efetivamente eficaz, seria não abrir a boca”. Os delegados da Polícia Federal encarregados do inquérito sobre o grampo foram apresentados ao presidente do STF – que será ouvido como testemunha no caso. Em Vitória, o presidente Lula disse que afastou a direção da Abin para mostrar que a investigação será transparente. O substituto de Lacerda será Wilson Roberto Trezza, funcionário de carreira da agência.


O Estado de São Paulo
"Grampo acirra crise entre PF e Abin"
A crise das escutas clandestinas acirrou a divisão interna no governo Lula, opondo os defensores da Polícia Federal e os da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). O ministro da Justiça, Tarso Genro, admitiu que o grampo nos telefones do presidente do STF, Gilmar Mendes, possa ter sido obra de integrantes da Abin no rastro da Operação Satiagraha. Disse que a agência “não poderá sonegar informação” no inquérito aberto para investigar o caso, sob risco de ficar com a pecha de praticar espionagem. Auxiliares do Planalto suspeitam que Mendes tenha sido alvo de gravações ilegais por ter mandado soltar duas vezes o banqueiro Daniel Dantas. Já o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Jorge Félix, saiu em defesa da Abin. “Não aceitamos a hipótese de a Abin ter feito institucionalmente a escuta”, afirmou, ao depor na CPI dos Grampos, na Câmara. Ele disse ser muito difícil que as escutas tenham sido realizadas por conta própria por algum membro da agência e elogiou o diretor afastado Paulo Lacerda: “Ele é um homem honrado, sério.”


Jornal do Brasil
"Abin diz que grampos não partiram de suas máquinas"
Levantamento da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) descarta o uso de equipamento do órgão para gravação da conversa telefônica entre o presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, e o senador Demóstenes Torres. Com isso, ganha força no governo a hipótese de que o grampo teve origem no sistema de telefonia do Senado e não na Abin. Diretor afastado da agência, Paulo Lacerda, disse a assessores suspeitar de espionagem a serviço do banqueiro Daniel Dantas.
 
Free counter and web stats