sábado, junho 07, 2008

Barbaridade...

Vexame nacional

Sidney Borges
Do jeito que a coisa vai vou passar a torcer pela Argentina. Preciso dar uma explicação rápida, bastou eu escrever isso e os objetos começaram a se movimentar sobre a mesa. Deve ser o meu avô se mexendo no túmulo. Calma lá meu caro avô eu sei que na vida não devemos tomar atitudes precipitadas, mas o senhor há de convir que perder da Venezuela passou dos limites. Dunga deveria voltar à vida de seteanão e deixar a seleção para alguém menos afeito a dar vexame. Que horror. Perder da Venezuela. Sou contra isso...

Ubatuba

Amores recentes...

Sidney Borges
Estava eu tomando uma Coca-Cola Zero na padaria, em companhia de um amigo, quando tivemos a honra de receber em nossa mesa um secretário de governo. Ele foi logo me perguntando:
- Quem ganha a eleição?
Não sei, respondi. Está tudo embolado.
- E o PSDB, como está?
- Eu sei tanto do PSDB quanto você, tornei a responder.
Ele fez cara de espanto:
- Não foi o que me passaram, pelas conversas que tenho escutado você é um dos comandantes do partido.
Desta vez o espantado foi o degas aqui. Eu comandante? Acabei de ser escorraçado de uma reunião tucana e há quem ainda me imagine membro da troupe. Digo mais, escorraçado com a conivência e o silêncio cúmplice dos membros do diretório.
O que eu sei, disse a ele é o que todos sabem na cidade. Vão bater chapa na convenção. Há dois oponentes. Caribé, e o outro, que quer tirá-lo do caminho. Suponho que para facilitar a vida de Eduardo Cesar. Se você me perguntar quem vencerá a convenção eu te responderei que não sei. Sei que o lado que apoia o Prefeito está forte.
Ele me olhou e disse:
- É verdade, estão conversando diariamente.

Que pena...

Nara Leão

Sidney Borges
Ontem fez um dia especialmente bonito, céu azul e Sol a brilhar, embora a temperatura permanecesse agradável, sem muito calor. Foi um dia movimentado, um vai e vem entre a redação, a oficina de computadores e as lan houses, fui, voltei, fui novamente, voltei outra vez, acredito que tenha gastado mais de um mícron de espessura da sola do docksides, tão velho quando pode ser um docksides. Quando vivia em São Paulo eu tinha mania de comprar sapatos. Tenho muitos, uso sempre os mesmos, apenas dois ou três. Outro dia jantando na casa de um amigo ele olhou o meu relógio e perguntou há quanto tempo eu o tinha. Fiz as contas, entrou em um negócio que envolveu uma asa delta, acho que foi em 1981. Vinte e sete anos, o relógio tem 27 anos. Meu amigo fez cara de espanto. Sou conservador em relação a roupas e objetos pessoais, não em política, gosto de idéias novas e sou chegado a acreditar em utopias. No final da tarde fiz outra coisa que gosto muito, preparei uma trilha sonora para acompanhar a conversa da varanda. Dick Farney, José Feliciano, Madeleine Peyroux, Luiz Bonfá e Nara Leão. No céu ainda claro a Lua exibia sutilmente uma nesga misteriosa de contorno enquanto Nara cantava as penas do tiê, música que tange as cordas de minha sensibilidade e me emociona profundamente. Hoje ao abrir a Internet vi a notícia, Nara Leão morreu no dia 07 de junho de 1989. Coincidência eu ter pensado nela ontem, como também deve ser coincidência um fato que notei. Quando ela canta os passarinhos ficam mudos...

Energia

Terremoto reafirma preocupação de ambientalistas com as Usinas Nucleares de Angra dos Reis

Henrique Luís de Almeida

O terremoto ocorrido no último dia 22 de abril, no leito submarino na região de São Vicente reafirma preocupação de Ambientalistas com a segurança das Usinas Nucleares de Angra 1 e 2.
Segundo o professor George Sand França (Observatório de Sismologia da Universidade de Brasília), o terremoto, que atingiu 5,2 graus na escala Richter, está entre os sete maiores já registrados no Brasil (notícia Uol - 23/04/2008).
O fenômeno ocorrido, justamente no dia Internacional da Terra, pode ser encarado como um alerta para o modelo de desenvolvimento insustentável que o Brasil vem adotando, especialmente quanto a sua matriz energética.
As Usinas Nucleares de Angra 1 e 2 estão assentadas na praia de Itaorna (em Tupi = pedra mole), poucos metros acima do nível do mar. A imprevisibilidade e a magnitude do evento sísmico revelam os riscos que a geração de energia nuclear pode trazer à população e ao meio ambiente.
Segundo especialistas o tremor foi registrado em uma região incomum, onde não há falhas geológicas ou bordas de placas tectônicas (notícia ig: 23/04/2008). Tal fato, indica que o imprevisível pode acontecer e a chance mínima atribuída a um acidente nuclear em Angra dos Reis também pode se tornar realidade.
Além disso, estudos revelam a presença de uma região de sensibilidade sísmica em Cunha, próximo a Angra. Nos últimos anos foram detectados diversos eventos sísmicos (tremores) em Angra, 3 deles com intensidade superior à 3 pontos na escala richter.
Embora técnicos da Eletronuclear afirmem que as Usinas são resistentes a qualquer tremor de terra, você gostaria de estar de férias em Angra caso um Terremo como este ocorra?
Outras fontes de energia são mais seguras, menos impactantes e mais econômicas que a energia nuclear.
Ambientalistas do Litoral Norte de São Paulo, em manifesto entregue as autoridades competentes na Audiência Pública de Angra 3, ocorrida em Ubatuba no dia 28 de março, destacaram a resolução da 1° Conferência Nacional de Meio Ambiente, quando a população se manifestou contrária a construção de Angra 3 e solicitou o fechamento de Angra 1 e 2. Solicitaram também um Plebiscito Nacional sobre a Geração de Energia Nuclear.
Na audiência foi entregue ainda um documento contendo 171 questionamentos sobre o Relatório de Impacto Ambiental da Usina, com cópia para o MP/SP e MPF, que ainda não foi respondido.
Mesmo com todo risco envolvido com a Geração de Energia Nuclear e com as falhas apontadas no Estudo de Impacto Ambiental da Usina de Angra 3, o Governo anuncia justamente no dia mundial do Meio Ambiente que a licença de Angra 3 deve sair em agosto deste ano.
Parece que neste governo o povo brasileiro não terá a oportunidade de decidir se quer correr o risco da Geração de Energia Nuclear.
Triste notícia para recebermos nesta data, quando no mundo todo milhões de pessoas comprometidas com o meio ambiente buscam alertar governos e a população em geral para a importância e urgência de uma sociedade sustentável.

Henrique Luís de Almeida
Programa de Gestão Costeira
ASSU-Ubatuba - www.assu.org.br

TV Víbora: Amores do passado

FRANÇOISE HARDY - TOUS LES GARÇONS ET LES FILLES

Varig

Planalto vê potencial explosivo

Por Vera Rosa e Tânia Monteiro, no Estadão:

O governo avalia que as denúncias sobre a venda da Varig feitas pela ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) Denise Abreu têm potencial para provocar uma crise maior do que o escândalo do dossiê preparado na Casa Civil com gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Apesar das declarações de ministros que tentam jogar água na fervura, o clima no Palácio do Planalto é de preocupação.
Todo o esforço do governo é para blindar a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff - a favorita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para sua própria sucessão, em 2010 -, que, mais uma vez, está na linha de tiro.
Depois de conseguir escapar ilesa da CPI dos Cartões Corporativos, enterrada pelo Congresso, Dilma agora se prepara para a batalha com Denise Abreu. O Planalto procura carimbar a ex-diretora da Anac como uma pessoa "ressentida" e evitar que as acusações atinjam o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Além de apontar a metralhadora para Dilma, Denise provocou a ira de Lula, ao afirmar que o advogado Roberto Teixeira pressionou os diretores da Anac para aprovar a venda da VarigLog ao fundo americano Matlin Patterson e três sócios brasileiros.
Teixeira é amigo e compadre de Lula. Sempre que é citado como homem que faz tráfico de influência, o presidente demonstra profunda contrariedade."Não podemos acusar quem entra no Palácio de estar fazendo tráfico de influência", rebateu o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo.
Lula foi informado sobre o teor explosivo das denúncias em reuniões realizadas desde quarta-feira. A partir de então, os ministros da coordenação política do governo foram orientados a destacar, em entrevistas, a importância das declarações do juiz Luiz Roberto Ayoub, coordenador do processo de recuperação judicial da Varig. Motivo: Ayoub qualificou as negociações para a venda da Varig e da VarigLog como "atos jurídicos perfeitos e acabados". (Do Blog do Reinaldo Azevedo)

Brasil

Porta escancarada

Diogo Mainardi
"Olhe Lula. Ele comemora a compra da Varig pela Gol. Olhe os donos da Gol. Eles também comemoram. Olhe essa figura de terno cinza. Quem é ele? Roberto Teixeira? O representante da Varig é Roberto Teixeira? Lula aceita ser visto ao seu lado, sem o menor constrangimento?" Fiz esse comentário numa coluna do ano passado. A figura de terno cinza, Roberto Teixeira, acabou me processando. Eu sou o homem dos processos. Falo mais com a Dra. Wardi, minha advogada, do que com minha mulher. Nesta semana, os desembargadores do Rio de Janeiro julgaram outro processo contra mim: o de Franklin Martins. Ele perdeu. Eu ganhei. Por unanimidade: 3 a 0.
Dez anos atrás, um relatório do Conselho de Ética do PT acusou Roberto Teixeira de fazer negócios nebulosos com prefeituras petistas, abusando "de sua amizade com Lula". Na última quarta-feira, Denise Abreu mostrou que nada mudou de lá para cá. De acordo com ela, Dilma Rousseff pressionou a Anac a fim de facilitar a compra da Varig pelos empresários representados por Roberto Teixeira. Outros membros da Anac confirmaram seu relato. Leur Lomanto declarou: "Os advogados da Varig informavam algo ao Palácio do Planalto, mas a realidade era outra". Quais eram esses advogados com acesso direto ao Palácio do Planalto? Roberto Teixeira e sua filha Valeska.
Quando foi leiloada, a Varig tinha um buraco de 7,9 bilhões de reais. A pergunta era: quem herdaria o passivo? Alguns dos maiores escritórios de advocacia do Brasil foram consultados sobre o assunto e responderam que a própria Varig teria de arcar com a dívida. Só os empresários reunidos em torno de Roberto Teixeira se sentiram suficientemente amparados para apostar no contrário. Um deles, Marco Antonio Audi, afirmou que Roberto Teixeira tinha o poder de escancarar as portas do governo. Mais do que isso: ele fazia chover. Os maiores credores da Varig eram estatais, como a Infraero e o INSS. Roberto Teixeira, segundo Marco Antonio Audi, simplesmente escancarou as portas dos gabinetes dos ministros encarregados dessas áreas, conduzindo-o ao encontro de Waldir Pires, da Defesa, e de Luiz Marinho, do Trabalho. Em julho de 2006, os empresários representados por Roberto Teixeira finalmente conseguiram arrematar a Varig. Pelo preço mínimo. Lula os recebeu no dia seguinte, escancarando as portas do Palácio do Planalto, sem o menor constrangimento. Roberto Teixeira compareceu com as duas filhas, Larissa e Valeska, e com o genro, Cristiano. Ele fez chover? Que sei lá eu. Só sei que, algumas semanas depois, seria dada a largada da campanha presidencial. E, nessas horas, é sempre bom ter gente cheia de dinheiro por perto, comemorando o fechamento de um negócio. (Trem Azul)

Opinião

A ministra diante da Justiça

Editorial do Estadão
De nada adiantou a ministra Dilma Rousseff negar sete vezes que tenha pressionado a diretoria da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para aprovar a venda da Varig à sua antiga subsidiária, a VarigLog, sem que os compradores tivessem condições legais para efetuar a transação. Ruiu rapidamente a tentativa de abafar o escândalo, como se as denúncias feitas pela ex-diretora da Anac Denise Abreu não passassem de uma desforra de uma antiga funcionária, que na Casa Civil tinha um comportamento "razoável". Já não se trata, como se pretendeu fazer crer, da palavra de Denise Abreu contra a palavra de Dilma Rousseff.
O juiz José Paulo Magano, da 17ª Vara Cível de São Paulo, depois de estudar os autos do processo de dissolução societária da Volo do Brasil - a empresa proprietária da VarigLog - e de ler a entrevista de Denise Abreu e as declarações de outros três ex-diretores da Anac, oficiou ao procurador-geral da República determinando que se investigue a interferência da chefe da Casa Civil no episódio da aprovação da estrutura societária da empresa pela Anac. "A situação caracteriza, a princípio, a prática de ilícito penal envolvendo ministro do Estado." O juiz foi peremptório: "Essa concessão, a meu ver, foi concedida de forma irregular, mas eu não vou capitular os crimes, pois não é função do juiz. É preciso apurar. Mas posso dizer que não é função de um administrador público pressionar ou favorecer alguém."
O juiz José Paulo Magano está julgando uma ação de dissolução de sociedade movida pelos sócios brasileiros da Volo, Marco Audi, Luiz Gallo e Marcos Haftel, contra o sócio americano, o fundo Matlin Patterson. Os sócios brasileiros acabaram sendo afastados judicialmente da empresa por gestão temerária e desvio de recursos da VarigLog. Como a empresa é uma concessionária de transporte aéreo e não pode ser controlada por estrangeiros, o juiz deu prazo de 60 dias para o fundo regularizar sua situação, encontrando sócios majoritários brasileiros. Por fim, o juiz Magano afastou também o chinês Lap Chan, representante da Matlin Patterson, suspeito de desviar recursos de uma conta da empresa na Suíça. O prazo dado para a regularização da empresa termina agora e esse fato, que precipitaria a revelação das irregularidades praticadas na Anac, pode ter levado a ex-diretora da agência Denise Abreu a se antecipar, revelando ao Estado o papel decisivo da ministra Dilma Rousseff na efetivação de um negócio ilegal.
Leia mais

Manchetes do dia

Sábado, 07 / 06 / 2008

Folha de São Paulo
"Petróleo tem alta recorde, e Bolsas caem no mundo"
A alta recorde do petróleo, a maior em um único dia, foi acompanhada ontem por quedas nas principais Bolsas do mundo. Em Nova York, o combustível fechou negociado a US$ 138,54 o barril (aumento de 8,41%). Especialistas apontam as preocupações com a economia americana e as tensões no Oriente Médio como fatores que influíram no resultado.A Bolsa nova-iorquina teve segundo pior dia desde 2003, quando os EUA saíam de um período recessivo. Influenciado pelos dados sobre o desemprego, que apontam em maio o maior avanço em 22 anos, o Dow Jones fechou em baixa de 3,13%, a maior desde fevereiro de 2007; o Nasdaq, índice das empresas de alta tecnologia, recuou 2,96%. As Bolsas européias também registraram perdas: elas foram de 2,28% em Paris, 1,99% em Frankfurt e 1,48% em Londres. No Brasil, a Bovespa caiu, mas o bom desempenho das ações da Petrobras fez com que o recuo fosse menor que o dos EUA - a baixa na Bolsa paulista fio de 2%. O dólar subiu 0,43% e terminou negociado a R$ 1,634.


O Globo
"Petróleo tem a maior alta da História"
O preço do barril do petróleo subiu ontem 8%, a maior alta da sua história num único dia. A cotação chegou a US$ 139,12 em Nova York após a declaração do ministro dos Transportes israelense, Shaul Mofaz, de que seu país poderia atacar o Irã se este prosseguisse com seu programa nuclear. Também puxaram os preços a forte desvalorização do dólar e o anúncio de um desemprego recorde nos EUA. No fechamento, a cotação ficou em US$ 138,54. Durante o dia, as negociações chegaram a ser interrompidas pelo mecanismo de proteção da Bolsa de Mercadorias de NY. Nos EUA e no resto do mundo, as bolsas desabaram. O índice Dow Jones recuou 3,1%. A Bolsa de São Paulo caiu 2%.


O Estado de São Paulo
"Casa Civil livrou comprador da Varig das dívidas antigas"
Funcionários que participaram das negociações do caso Varig relatam a Sônia Filgueiras e Leonencio Nossa que a secretária-executiva da Casa Civil, Erenice Guerra, coordenou reuniões sobre o assunto no Palácio do Planalto. A auxiliar de Dilma Rousseff lutou para contornar impasse criado pelo então procurador-geral da Fazenda, Manoel Felipe Brandão. Parecer dele determinava que dívidas de R$ 2 bilhões da Varig fossem herdadas por quem comprasse a empresa. A Casa Civil alegava que isso tornava o negócio inviável. Dilma chegou a telefonar para dirigentes de órgãos federais. Brandão foi substituído e o parecer, alterado. Em e-mail dirigido a Dilma, o então presidente da Anac, Milton Zuanazzi, se queixava de pressões do governo na venda da empresa; ele alega que o e-mail divulgado foi adulterado.


Jornal do Brasil
"Justiça libera cartões para cobrar juros sobre juros"
O Superior Tribunal de Justiça decidiu que é legal a incidência de juros sobre juros em contratos de cartões de crédito. A decisão foi tomada em processo envolvendo um banco e um cliente do Rio Grande do Sul. O caso pode servir de referência para outros processos. Surpresos com a decisão, especialistas recomendam cautela aos consumidores: é melhor fugir dos cartões de crédito e endividar-se no crédito pessoal.

sexta-feira, junho 06, 2008

Família

Fotografias

Sidney Borges
Neste momento estou conversando, via messenger, com o meu sobrinho Ricardo que puxou o tio e estudou Arquitetura. A família da minha irmã é unida, Ricardo foi para a Europa em viagem de estudos e os pais e a irmã foram junto para dar apoio. Gosto disso, estou envelhecendo e me tornando familiar, na juventude eu era mais individualista, hoje sinto prazer em visitar tias velhas. Estão acabando. Ricardo me disse que tirou muitas fotos e as armazenou em dois pendrives de quatro gigas cada. Eu também fotografo bastante, mas acabo me esquecendo. Não adianta catalogar, colocar nomes, sou ruim para guardar nomes, esqueço dos nomes e das fotos. Ontem remexendo gavetas encontrei algumas tiradas em um campeonato brasileiro de vôo a vela que participei. Fiquei triste, vi amigos que já deixaram o planeta. Estou escrevendo e ouvindo músicas no tocador de mp3, acabei de ouvir Ângela Rô Rô dizendo que a vida é bela. Agora é a vez Rita Lee pedir para que eu a deixe de quatro no ato. Eu teria imenso prazer cara Rita, trocar uns fluidos com você não seria mau, o problema é que sou apaixonado pela Françoise Hardy e não costumo traír as mulheres que amo. Fica pra outra...

Pensata

Caça ao gordo

João Pereira Coutinho
Pobres gordos. Numa cultura que elevou a saúde, a juventude e a beleza a patamares verdadeiramente insanos, a espécie já não tinha vida fácil. Mas uma coisa é a estética; outra, bem mais grave, são os imperativos da ética. Agora, a ciência resolveu dar uma ajuda para empurrar os gordos rumo ao abismo moral.
Segundo leio na imprensa do dia, a London School of Hygiene and Tropical Medicine estabeleceu uma ligação séria, e alarmante, entre os gordos e o inevitável aquecimento global. Dizem os cientistas que os primeiros são diretamente responsáveis pelo segundo. Como?
Para começar, porque comem. Muito. Demais. Diariamente, um gordo consome 1.680 calorias só para sair da cama (sem grua); e mais 1.280 só para efetuar as tarefas mais banais. É incomparavelmente mais do que uma pessoa decente, ou seja, com peso "normal". Resultado: a energia dispendida para produzir cada vez mais comida contribui decisivamente para o efeito de estufa (uns 20% do problema global). No mundo, existem 400 milhões de gordos. Mas a Organização Mundial de Saúde afirma que em 2015 existirão 700 milhões. Como será possível alimentar a gula dessa gente toda sem arruinar definitivamente o planeta?
O apocalipse não termina aqui. Porque os gordos não se limitam a comer. Eles também andam por aí, transportados em carros ou aviões. E o peso dos gordos exige quantidades crescentes de combustível.
Por outras palavras: os gordos arruinam o ambiente e põem a perigo a sobrevivência da Humanidade. Mas não apenas o ambiente. Ao comerem como não devem e ao pesarem o que não podem, os gordos contribuem para outros problemas "menores", como a falta de alimentos no mundo e a insuportável subida dos preços do barril de petróleo. Soluções?

Leia mais

Editorial

Falando de política

Sidney Borges
Eu havia decidido esperar a definição do quadro de candidatos para opinar sobre o panorama político. Mas hoje pensando melhor resolvi dar alguns palpites. Não são palpites empíricos, têm fundamento em pesquisas recentes que por vias transversas acabaram chegando às minhas mãos.
A eleição será decidida na campanha, quem trabalhar melhor leva, os três pré-candidatos com chance de vitória são, pela ordem de favoritismo, Eduardo Cesar, Paulo Ramos e Sérgio Caribé. Sobre este último pesa a ameaça do partido que tem entre seus membros quem prefira entregar a possibilidade de vitória em troca de favores pessoais.
Caso a convenção do PSDB decida pelo nome de Caribé, a luta pela cadeira de prefeito terá como fator de maior relevância o índice de rejeição. Se Ubatuba tivesse campanha televisiva Eduardo Cesar seria o maior beneficiado, é o que melhor fotografa e o que tem maior desenvoltura verbal. Infelizmente para ele um de seus principais assessores não deu ouvidos a um jovem e competente radialista que mostrou o caminho das pedras. Sem televisão e sem boca de urna "esperta" Caribé leva alguma vantagem. É o que apresenta os menores índices negativos. Vejam bem, esta análise vale para o momento, política muda com os ventos e mesmo na ausência deles. Se alguém me propuser uma aposta neste ou naquele nome eu recuso. Está tudo indefinido.

Precaução

Gato escaldado

Sidney Borges
Eis-me aqui mais uma vez postando direto de uma Lan House. Aproveitei o fim da manhã e fui fazer exame médico. Preventivo, estou com vontade de voltar a voar e para tanto é necessário renovar a carteira de saúde. Fora o fato de estar com menos cabelos, o médico me achou em boas condições, até sugeriu fazer aquele exame de subir no banquinho. Não concordei, a fase não está para peixe, vai que dá um azar e o aparelho cai...

Panes

Quebrou um. Depois quebrou o outro...

Sidney Borges
Peço paciência aos leitores, a redação do Ubatuba Víbora está temporariamente inoperante. Dois computadores pifaram, o que me faz acreditar no aforismo que afirma que as desgraças são como os seios, andam aos pares. Com milhões de trovões, estou calmo, muito calmo...

Opinião

A intromissão confirmada

Editorial do Estadão
Sete vezes a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou anteontem serem falsas as acusações da ex-diretora da Agência Nacional de Aviação (Anac) Civil Denise Abreu, de que ela a pressionara para não criar obstáculos à venda da Varig à antiga subsidiária VarigLog. Numa entrevista ao Estado, Denise contou que, à época, a ministra "se insurgiu" contra a sua idéia de exigir provas de que pelo menos 80% do capital da empresa compradora pertencia efetivamente a brasileiros, como determina a lei quando se trata de companhias aéreas nacionais. Denise queria ter certeza de que eram efetivamente deles, e não de estrangeiros, os recursos que aportaram à joint venture. Do contrário o negócio não poderia ser autorizado pela Anac. (Cercada de fundadas suspeitas, a operação se consumou em julho de 2006, em um leilão de que só a VarigLog participou.)

Os desmentidos em série da ministra, numa sessão com a imprensa originalmente convocada para que ela pudesse celebrar as realizações do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), foram pontuadas por um curioso adendo. Além de garantir que o governo não participou da venda da Varig - "não decidimos isso enquanto ministérios", declarou, no seu melhor burocratês -, disse que "estranhou" as denúncias. Afinal, comentou, a denunciante era vista com "consideração razoável" no governo, por ter trabalhado na própria Casa Civil, na gestão do ministro José Dirceu. Em outras palavras, dado o retrospecto, não era de esperar que Denise revelasse o envolvimento do governo em favor dos interessados em ficar com a Varig - clientes do advogado Roberto Teixeira, compadre do presidente Lula. Um deles, Marco Antônio Audi, informou ao Estado ter pago US$ 5 milhões por seus serviços. "Sua influência foi cem por cento decisiva", assinalou.
Leia mais

Manchetes do dia

Sexta-feira, o6 / 06 / 2008

Folha de São Paulo
"Reunião da ONU sobre a fome acaba em fracasso"
A Cúpula sobre Segurança Alimentar da FAO, braço das Nações Unidas para alimentação e agricultura, terminou sem ação alguma e quase sem palavras, contrariando o discurso do diretor-geral Jacques Diouf, que dissera ser hora de agir. O comunicado final do encontro, sucessivamente adiado, saiu no início da noite romana. No documento, considerado decepcionante, o que ficou foi um pedido de "ação coordenada e urgente" contra o impacto da alta dos alimentos e a cobrança de mais investimento na agricultura. O texto não toma partido sobre os biocombustíveis. Após três dias de debate e discursos, foram anunciadas verbas de US$ 3 bilhões para a emergência contra a fome, um décimo do que a FAO considera necessário.


O Globo
"Documentos comprovam que venda da Varig atropelou Anac"
Documentos da Anac sobre a venda da VarigLog em 2006 revelam que foram acelerados pareceres para aprovar o negócio. Em sete dias, o órgão passou a tratar como legais obstáculos que antes considerava capazes de paralisar a operação. Esta mudança, segundo denúncia da ex-diretora da Anac Denise Abreu, foi conseqüência de pressão da ministra Dilma Rousseff. O juiz José Paulo Magano, de São Paulo, a princípio, viu no caso "ilícito penal" e enviou sua investigação à Procuradoria. A VarigLog pode perder a concessão se, em 30 dias, não provar que seu capital é nacional. Para evitar CPI, o governo concordou com a ida de Denise ao Senado.


O Estado de São Paulo
"Dilma impediu contestação da Infraero no caso Varig"
A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, operou para impedir a Infraero contestasse a venda da VarigLog para o fundo americano Matlin Patterson e três sócios brasileiros. Pessoas que acompanharam o negócio revelam ao repórter Leonêncio Nossa que, em 25 de junho de 2006, dois dias após a Anac ter aprovado o negócio, Dilma telefonou para o então presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira.Ele dera entrevistas lembrando que a lei limita em 20% a participação de capital estrangeiro em empresas aéreas e criticando a Anac por ter liberado a venda sem exigir comprovação da origem do dinheiro dos compradores. "Você não tem que se meter nisso, você exorbitou na sua função" disse Dilma ao brigadeiro. O ex-presidente da Infraero confirma ter recebido o telefonema da ministra, mas prefere não dar detalhes da conversa.


Jornal do Brasil
"Brasileiro é predador do meio ambiente"
Em matéria de educação ambiental, o brasileiro só é aprovado quando sente no bolso, revela pesquisa da organização WWF Brasil. Os números informam que, se o mundo inteiro adotasse o comportamento de 45% da população brasileira, seriam necessários três planetas para recompor os recursos naturais. O uso racional de alimentos e transportes se deva mais a questões econômicas do que à conscientização. "O consumo já é insustentável entre as classes A e B", sugere a secretária executiva da ONG, Denise Ham.

quinta-feira, junho 05, 2008

Energia

Nordeste e Sul terão mais quatro usinas nucleares, diz Lobão

Dos alertas do Google
O ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, disse que o governo “vai construir mais quatro usinas nucleares no Nordeste e no Sul do país”, além de retomar as obras de Angra 3 ainda neste ano.
Segundo Lobão, já há uma predefinição do governo pela construção das novas usinas nucleares e muito provavelmente “serão duas no Nordeste e duas no Sul”. “Estamos na fase final do processo de estudos para definir detalhes, como a localização das novas usinas”, revelou o ministro, que defende a energia nuclear como fonte segura para o país.
A escolha do Sul e do Nordeste se deve ao fato de que as regiões enfrentam atualmente dificuldades no abastecimento de energia e dependem das usinas situadas no Sudeste.
O governo decidiu optar pela construção de usinas nucleares para evitar falta de energia no país a partir de 2011 e 2012, gargalo que deve surgir no cenário brasileiro caso sejam mantidas as taxas de crescimento na casa de 5% nos próximos anos.
Lobão acredita que hoje o uso da energia nuclear sofre menos resistências do que no passado, principalmente depois que a França desenvolveu um processo de reaproveitamento do lixo atômico. “Havia muito preconceito em relação à energia nuclear, mas ela é supersegura e o problema do lixo foi equacionado”, afirmou.
Questionado se a decisão seria criticada pelo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, que é contrário a esse tipo de energia, Lobão afirmou que “ele é um sujeito muito sensato, vai fazer o que é bom para o país, e isso (a energia nuclear) é bom para o país”.
Quanto à retomada das obras de Angra 3, o ministro avalia que dentro de “dois a três meses” o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) concederá a licença para o reinício da construção.
Angra 3 deve entrar em operação em 2013, com investimentos de R$ 7,2 bilhões e potência para gerar 1.350 megawatts. As obras, paralisadas há mais de 20 anos, serão tocadas pela construtora Andrade Gutierrez, vencedora da licitação ainda no governo militar.

Baixo investimento

Ao defender as usinas nucleares, Lobão lembrou que, apesar de esse tipo de energia custar o dobro da gerada por hidrelétricas, há a compensação por conta do baixo investimento nas linhas de transmissão.
“Uma coisa compensa a outra. Como as usinas são localizadas perto dos centros consumidores, você nem precisa investir em linhas de transmissão para fazer chegar a energia às empresas e às residências”.
A ex-ministra Marina Silva era contra a retomada de Angra 3, defendida pela ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. Antes de assumir, Minc disse que respeitaria a decisão do governo.

Nota do Editor - Quando o Ministro diz que o problema do lixo atômico foi equacionado, há duas possibilidades. Ou ele está cometendo um equívoco ou tem informações que a comunidade científica mundial ainda não recebeu. Ou então está parodiando o chefe Lula, que fala o que lhe dá na telha e recebe aplausos. (Sidney Borges)

Love story

Dia dos namorados

Sidney Borges
Acaba de chegar à minha caixa de e-mails o spam de uma fábrica de jeans do Brás oferecendo a última moda a preços de ocasião. Gosto disso. É dedicado ao dia dos namorados. O título é sugestivo: O que darei a ele no dia dos namorados? O que será que ele gostaria que você desse? Pense nisso! E depois dê.

Música

Sá e Guarabyra - "Sobradinho"

Sobradinho (Sá e Guarabyra) - Sá e Guarabyra; do cd "O Melhor de Sá & Guarabyra". Ouça aqui
Dupla formada em 1973 pelos compositores e cantores Luís Carlos Pereira de Sá (nascido no Rio de Janeiro em outubro de 1945) e Gutemberg Nery Guarabyra Filho (Barra, na Bahia, em novembro de 1947). Dois anos antes, eles fizeram parte do trio Sá, Rodrix e Guarabyra. Sá desde jovem interessou-se por música. Começou a compor aos 17 anos. Guarabyra cresceu ouvindo Luiz Gonzaga no rádio. No Rio de Janeiro, cantou ao lado de Sá e Sidney Miller na inauguração do Teatro Casa Grande, em 1967. Leia mais sobre Sá e Guarabyra. E confira a letra da música no site "Letras". (Do Blog do Noblat)

Nota do Editor - Sou fã do Guarabira desde o aparecimento da Margarida, que veio ao mundo cantando olê, olê, olá. Quando num futuro distante eu fizer a trilha sonora da minha vida ele terá presença garantida. Um dia irei ao restaurante da praia da Fortaleza para um papo de muitas horas. (Sidney Borges)

Farol da Barra!

Nada a ver

Sidney Borges
O Ubatuba Víbora tem recebido continuados protestos contra o Sr. Natalino, coordenador do curso de Medicina da Universidade Federal da Bahia - UFBA que atribuiu ao baixo QI dos alunos a responsabilidade pela nota baixa do curso no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) de 2007.
Quando tal cidadão afirma haver escassez de inteligência no seio do povo da Boa Terra, apenas demonstra ignorância. Qualquer criança da Abissínia sabe que pau que nasce torto não tem jeito, morre torto e baiano burro é garantido: nasce morto.

Datas

O que comemorar no Dia Mundial do Meio Ambiente

Fernando Gabeira
Uma vez, Drummond escreveu este verso: “o teu aniversário, no escuro, não se comemora.” Os movimentos sociais de causas não resolvidas recorrem constantemente à fórmula: nada a comemorar.
No entanto, a questão ambiental, no planeta, não é uma sucessão de fracassos. O Protocolo de Quioto foi um esforço considerável da humanidade para buscar um denominador comum. Como todos os países existentes, de certa forma, estavam envolvidos, o consenso foi precário.
Apesar da desistência dos Estados Unidos e dos resultados modestos que alcançou na sua primeira etapa, o pós-Quioto, em 2012, continua sendo um marco de esperança.
Em primeiro lugar, porque foi a experiência de acordo universal mais próxima do êxito. Em segundo lugar, porque alguns dos seus fundamentos foram cumpridos. Refiro-me ao crescimento econômico com redução de emissões de gases de efeito estufa. Tanto a Inglaterra como a Alemanha e a Suécia estão alcançando esses objetivos.
Visto como parte decisiva no planeta, o Brasil tem pela frente grandes desafios. O primeiro é reduzir emissões, concentradas hoje, cerca de 70 por cento, nas queimadas e no desmatamento. O segundo é aceitar objetivos de redução universalmente controláveis. Metas, quero dizer. O Brasil não aceita esta palavra, mas objetivos verificáveis já bastam para tranquilizar o mundo. Faltaria apenas ter uma posição construtiva no sentido de levar China e a Índia às mesmas responsabilidades. (Artigo escrito especialmente para o Blog do Noblat)

Leia mais

Ubatuba em foco

Ficar em cima do muro é fácil

Antenor Ricardo Benetti
A cada dia que lemos os jornais, os blogs, e outros veículos de comunicação, principalmente os escritos, nos assustamos com a forma truculenta e egocêntrica que alguns usam para impor seus desejos e opiniões. Alguns têm se manifestado mais intensamente, obviamente pela proximidade das eleições e quando alguém, quem quer que seja, demonstra visão diferenciada da sua sobre a política, é criticado cruelmente como se não existisse democracia e como se toda a unanimidade não fosse burra, como se o “crítico” fosse o dono da verdade e porrete do mundo. Outro dia me peguei rindo sozinho em meu quarto quando li as seguintes frases “A Justiça, ao nosso entender, deveria tirar os direitos políticos” ou ainda “Senhor Promotor, ao meu entender, o senhor deveria agir da forma que a sociedade espera do senhor, revendo urgentemente seus conceitos e seu entendimento”. O crítico, sozinho, “ao seu entender” concentra em si o que a sociedade espera. Seria cômico se não fosse trágico. Insisto que o crescimento está em propostas exeqüíveis e não em frases soltas, fora de um contexto, de maneira aloprada, de clara vingança barata. Criticam a imposição dos políticos nas suas decisões, mais fazem as mesmas coisas quando impõem, enfiando goela abaixo seus desejos e opiniões.
Se não é ódio, e assim vontade de trazer dias melhores para o nosso município, façam propostas, apresentem suas idéias, proponham correções viáveis. Lembro que alguns dos que criticam, já estiveram no poder e não sei se podem afirmar que agiram rigorosamente nos ditames da lei, ou se pelo menos foram “úteis” ou fizeram o possível para fazer o melhor para o povo, pois é para este que devemos trabalhar, é para este que devemos demonstrar de maneira clara que existem soluções viáveis (e dentro dos orçamentos) para solução dos problemas. Ficar em cima do muro é fácil, criticar também e até chamar pessoas de “cabos eleitorais”. Se o que fazem “os críticos” não é tentar favorecer alguém (como cabos eleitorais), o que é então. Não subestimem o povo.
Antenor Ricardo Benetti – Funcionário público Municipal (Ubatuba) há 20 anos e aluno do curso de Gestão Pública e um apaixonado por Ubatuba.


Nota do Editor - Com a devida "Data Venia", ouso discordar do autor. Ficar em cima do muro não é nada fácil, eu próprio tive uma amarga experiência na infância quando caí, bati a cabeça e comecei a falar ao contrário, mal que durou uma semana. Em Ubatuba muitos dizem que querem o bem da cidade, temo que tenham caído de algum muro, pois o que eles querem é apenas resolver problemas pessoais, ou seja, o contrário. "ocuol ed asioC". (Sidney Borges)

Opinião

A ação decisiva na venda da Varig

Editorial do Estadão
Mesmo para os padrões éticos do lulismo - que submetem a moralidade política e administrativa às conveniências da patota no poder, sendo imoral o que as contrarie -, são estarrecedoras as revelações sobre o engajamento espúrio do governo para facilitar a venda da Varig, com a participação direta - e decisiva - do advogado Roberto Teixeira, velho amigo, benfeitor e compadre do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na história escabrosa relatada com exclusividade a este jornal pela ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) Denise Abreu, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e a secretária-executiva da Pasta, Erenice Guerra, aparecem aplastando sumariamente as tentativas do órgão regulador de verificar, como lhe competia, a legalidade do negócio.
De seu lado, um dos sócios brasileiros da interessada na compra da Varig, a VarigLog, Marco Antônio Audi, informou ter pago ao compadre de Lula US$ 5 milhões para ''trazer resultados''. Disse, textualmente: ''Não sei o que o Roberto Teixeira negociou. Só sei que investi nele, ele tinha que trazer resultados e trouxe. Sua influência foi 100% decisiva.''
O caso remonta a 2006, quando a endividada Varig foi adquirida por US$ 24 milhões pela sua antiga transportadora de cargas, a VarigLog. (Em março do ano seguinte, esta revenderia a empresa para a Gol por US$ 320 milhões.) Para a Anac, o problema a ser esclarecido antes da transação dizia respeito aos controladores da VarigLog, que à época pertencia a um fundo americano de investimentos, Matlin Patterson, em sociedade com três empresários brasileiros, Marcos Haftel, Luiz Gallo e o citado Audi. Como a lei proíbe que estrangeiros detenham mais de 20% do capital de uma companhia aérea nacional, a diretora Denise Abreu expediu ofício exigindo a entrega de documentos que demonstrassem a origem dos recursos dos sócios brasileiros, incluindo as suas declarações de renda. Foi quando as conexões de Roberto Teixeira começaram a se tornar ''decisivas''. Primeiro, por intermédio de sua filha, Valeska, que procurou Denise para protestar contra a decisão - invocando a sua amizade próxima com o antecessor de Dilma, José Dirceu, e a condição de afilhada do presidente da República.
Leia mais

Manchetes do dia

Quinta-feira, 04 / 06 / 2008

Folha de São Paulo
"BC aumenta juros pela 2ª vez seguida"
O Banco Central elevou os juros básicos pela segunda vez em 2008, em 0,5 ponto percentual, e fixou a taxa Selic em 12,25% ao ano. A decisão do Copom (Comitê de Políticas Monetária), formado por sete diretores do Banco Central mais o presidente da instituição, Henrique Meirelles, foi unânime. A taxa básica do BC é só uma referência; na prática, os juros são bem maiores. Entidades sindicais e do setor produtivo protestaram contra o aumento. Em mensagem, o Copom disse apenas que ele é parte de uma sequëncia iniciada na reunião anterior. Parte dos analistas acreditava numa alta ainda maior, devido às pressões inflacionárias; relatórios do BC com projeções do mercado mostra que a expectativa de inflação em 2009 subiu para 4,6%, além do centro da meta (4,5%). Na cidade de São Paulo, o índice de preços medido pela Fipe fechou em 1,23% em maio, ante 0,54% em abril. A alta, puxada pelo aumento dos alimentos, foi a maior em cinco anos.


O Globo
"Rio avança em Olimpíadas; falta agora o dever de casa"
Após duas tentativas, o Rio chegou ontem mais próximo do que nunca de sediar uma edição dos Jogos Olímpicos: a de 2016. A cidade está entre as quatro finalistas e tem até fevereiro de 2009 para entregar um dossiê detalhado do projeto, que será julgado em outubro do mesmo ano. O relatório apresentado pelo Comitê Olímpico Brasileiro recebeu a nota mais baixa entre os finalistas; 6,8. Em primeiro lugar, ficou Tóquio, com 8,6, seguida de Madri (8,4) e Chicago (7,4). O Rio, na verdade, foi o quinto colocado; Doha (Catar) teve 7,4 mas foi eliminada porque queria mudar a data do evento. O Rio teve notas ruins em segurança, transportes, hotéis e meio ambiente. O projeto prevê dez novas instalações, vilas residenciais e centros na Barra, a despoluição de lagoas e três corredores exclusivos de ônibus.


O Estado de São Paulo
"Anac considera ilegal controle de estrangeiros na VarigLog"
A presidente da Agência nacional de Aviação (Anac), Solange Vieira, informou, em depoimento na Câmara, ter advertido a Variglog de que seu controle acionário não poderá permanecer nas mãos do fundo de investimento americano Matlin Patterson. Em entrevista publicada ontem pelo Estado, a ex-diretora da Anac Denise Abreu afirmou ter sido pressionada pela ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, para facilitar a venda da Variglog - subsidiária dedicada ao transporte de cargas. A lei brasileira impede que companhias aéreas sejam controladas por estrangeiros, mas no final de 2005 a Variglog foi comprada pelo fundo americano e três sócios brasileiros. Em 2006, a Anac, sem exigir a comprovação da origem do capital, autorizou a Variglog a comprar a própria Varig. Em 2007, a Variglog revendeu a Varig para a Gol. Solange não pertencia à Anac no tempo dessas negociações. Hoje o fundo Matlin Patterson briga na Justiça contra sócios brasileiros e tem seus interesses defendidos pelo advogado Roberto Teixeira, amigo do presidente Lula.


Jornal do Brasil
"Dilma volta à berlinda"
A oposição quer convocar a chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, para depor sobre suposta negociação suspeita da Varing e a Varinglog, que envolve fraude e trafico de influencia. A denuncia foi feita por Denise Abreu, ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil. No caso, aparece como lobista o Advogado Roberto Texeira, compadre do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Convite

IIº FORUM DE SANEAMENTO BÁSICO DE UBATUBA

CONVITE À POPULAÇÃO

Empenhado na busca de soluções para os problemas ambientais que dificultam o desenvolvimento sustentável do nosso Município; sabedor de que os serviços de saneamento básico são essenciais para o bem-estar físico da população e de importância vital para o desenvolvimento humano, econômico e financeiro, venho a público convidar a população a prestigiar e participar do II Fórum de Saneamento Básico DE UBATUBA que estaremos promovendo no sábado, dia 07 de junho, às 9:30 horas, no salão do Plenário da Câmara Municipal de Ubatuba. Contamos com a sua presença.


VEREADOR CHARLES MEDEIROS - PSDB
Presidente da Comissão de Saneamento

quarta-feira, junho 04, 2008

Anote aí!

Propaganda irregular

Procuradoria Eleitoral recebe reclamações pela internet

O site da Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo tem uma área destinada para que internautas façam acusações de propaganda eleitoral irregular. Para ajudar a provar a irregularidade, o acusador pode anexar fotografias (mesmo aquelas tiradas pelo celular) e arquivos.
Este ano, a procuradoria já recebeu 106 acusações. Dessas, 95 foram encaminhadas para providências e 11, arquivadas.
Como publica o advogado Alexandre Atheniense em sua newsletter, além de propaganda irregular, o Ministério Público Eleitoral também recebe acusações de corrupção eleitoral e abuso de poder político e econômico.
Clique
aqui para acessar o formulário de acusação.
Revista Consultor Jurídico, 4 de junho de 2008

Matilda

Harry Belafonte

Foto do dia


Mosquito

Ponto de vista

A arte de cultivar inimigos na política

Murillo de Aragão
A escolha dos nossos inimigos deve ser tão criteriosa quanto a escolha dos amigos. Amigos e inimigos não devem ser eleitos ao bel prazer ou desprazer do momento quando se trata de política. Aliás, em política não devemos ter amigos e inimigos. Devemos ter aliados e adversários. Algumas vezes, adversários se tornam amigos, como foi o caso de Luiz Eduardo Magalhães com José Genoíno e Miro Teixeira.
Às vezes, os amigos de sempre – como, por exemplo, José Serra e Luiz Eduardo Greenhalgh – tornam-se adversários políticos, militando em lados opostos. Mais recentemente, há o exemplo da aliança entre tucanos e petistas na disputa pela prefeitura que tem tudo para tornar-se um clássico. A associação entre duas jovens lideranças, já aprovada pelo eleitor (pois, informalmente eles já trabalham juntos há anos), resultou num software administrativo de boa qualidade. Mas até o que dá certo em política acaba prejudicando os interesses de alguém, que usa seu poder para destruí-lo.
A escolha de amigos e inimigos, aliados e adversários é a chave do sucesso na política. Lula sempre escolheu bem. Ao mesmo tempo que atacava as elites e o FMI, sempre conversou bem com o sistema financeiro e nunca deixou de ser alguém confiável para eles. Ao atacar as elites, ia contra algo que é disforme, sem rosto, incompreensível para as massas. Ao investir contra o FMI, agredia o inimigo externo. Aquele que sempre é o responsável pelas nossas mazelas, já que em países como o nosso, a autocrítica é algo praticamente inexistente.
O fato é que o descolamento da amizade da prática política tem a ver com os eixos centrais da prática política moderna. Alguns deles são óbvios: a necessidade de vencer sempre ou de, pelo menos, transformar uma derrota em algum ganho político. Assim, vale tudo. Desde trair amigos e fazer alianças com adversários. Política figadal é barbárie. Política racional também. Uma e outra são absolutamente nocivas. Ainda que indispensáveis nesta altura da vida.

Leia mais

Roteiro

Filme de amor

Sidney Borges
Manuelzinho era filho único, paparicado e acariciado pelos pais que o tiveram depois dos quarenta. O menino era inteligente em todas as formas de inteligência possíveis, tirava notas altas na escola, era craque no futebol e tocava acordeon, piano e violão. Fazia um sucesso danado com as garotas, sua mãe tinha um enorme trabalho para atender os telefonemas que não paravam o dia inteiro. O menino estudava muito e para orgulho dos pais passou no concorrido vestibular de Medicina.
A vida caminhava bem até aquele fatídico sábado em Santos quando o jovem resolveu ir ao circo armado na divisa com São Vicente.
O espetáculo teve de tudo, engolidor de fogo, palhaço, cães dançarinos, urso ciclista, globo da morte e terminou apoteoticamente com o grande Calixto, o maior trapezista do mundo.
Quando o artista e sua troupe se dirigiram ao centro do picadeiro para cumprimentar o público começou o tormento de Manuelzinho. A assistente do trapezista tinha alguma coisa diferente no andar que pegou o jovem desprevenido. É difícil explicar, mas aquele balanço, aquela cadência, Manuelzinho nem prestou atenção ao salto triplo, tudo parecia desfocado, só havia luz em um ponto do circo, exatamente onde ela estava.
No final do espetáculo ele caminhou para casa atônito. Na verdade flutuou, levava cravada no peito a flecha certeira, uma daquelas que Cupido dispara contra mortais escolhidos. Há diversos tipos de setas, algumas ferem temporariamente e são absorvidas, outras apenas causam mal-estar, mas há também as definitivas. São poucas, mas quando ele escolhe alguém e lhe crava uma delas é para esta vida e outras mais que possam existir. Aquele balanço, aquele andar! Manuelzinho nem tomou o toddy que a mãe lhe preparava todas as noites. O sono demorou a chegar e na manhã seguinte embora o Sol estivesse bem humorado ele não foi à praia, correu para o circo. Surpresa! A lona estava no chão, o circo estava deixando a cidade. Conversando com o tratador dos macacos ele soube que os artistas tinham partido na madrugada e que o próximo destino seria Uberaba, em Minas Gerais.
Dona Clotilde chorou muito, mas não adiantou. O jovem trancou matrícula e resolveu seguir o circo, embora não tenha contado a verdade aos pais, disse que era uma viagem de estudos de moléstias tropicais.
E assim foi, mas como é sabido, o destino escreve histórias que não coincidem com os enredos das novelas, isto é, nem sempre as coisas caminham bem.
Depois de uma semana de estradas de terra o velho Land Rover 1954 estacionou na porta do circo, exatamente na hora em que as luzes se acendiam para o espetáculo daquela noite. Manuelzinho comprou uma cadeira especial, bem na frente do picadeiro. A emoção foi grande quando o espetáculo chegou ao ponto culminante. Lá estava ela com seu andar característico. Que andar! Que balanço!
Desta vez ela notou o guapo mancebo que não lhe tirava os olhos e no final sorriu para Manuelzinho, o que quase provocou um infarto no miocárdio do enamorado jovem. Ela sorriu para mim ele pensava, ela percebeu que eu existo, preciso falar com ela, preciso dizer que...
Bem caros leitores, volto a afirmar que nem tudo neste mundo é perfeito. Manuelzinho era bom filho, bom atleta, bom estudante, bom músico, muito educado, mas não conseguiu imaginar o que dizer à moça do andar enfeitiçante. Ele que escrevia tão bem e era elogiado pelos professores de português, ele que tirava as melhores notas nas chamadas orais, que sempre era escolhido como orador da turma, ficou subitamente mudo. O que dizer? E se ela não gostar de mim? A seta certeira de cupido começava a espalhar a peçonha da incerteza pelos canais invisíveis da alma, justamente onde as emoções são processadas.
O circo ficou oito dias em Uberaba e seguiu para Araguari, também em Minas Gerais. Durante quinze dias a cena se repetiu, ele na frente do picadeiro e ela sorrindo ao fim dos trabalhos.
Depois continuaram as viagens. Ipameri, Goiânia, Palma, Peixe, Porto Nacional , Pedro Afonso e Imperatriz, em Goiás. Carolina, no Maranhão e Marabá, Cametá e Belém, no Pará.
Já fazia um ano que Manuelzinho tinha posto o pé na estrada. Ele sempre escrevia para os pais dizendo que logo estaria de volta, que os estudos estavam no fim e que ele os amava muito.
No último dia do circo em Belém choveu muito, só três pessoas compraram ingresso, Manuelzinho e um casal de belgas. Na hora do trapézio a mulher belga que estava grávida enjoou e o casal se retirou.
O pessoal do circo já tinha notado o clima entre os dois, sutilmente sairam de cena e quando Manuelzinho, com o coração saltando qual canguru ensandecido deu pela coisa só havia eles no mundo.
Foi quando ele ficou sabendo que ela estava noiva de um rico industrial de Gênova e se casaria no mês seguinte. Manuelzinho vendeu o jipe embarcou em um 727 da Cruzeiro e retornou a São Paulo, onde continuou os estudos e se tornou plantonista do HC. Obviamente com o coração partido em zilhões de minúsculos fragmentos em frangalhos.
Aquele andar, ele jamais poderia esquecer o balanço daquele andar...
Dez anos depois, em uma noite no plantão chegou uma ambulância com uma mulher acidentada. O helicóptero havia caído e só ela sobreviveu. Manuelzinho, agora o respeitado doutor Manuel atendeu a mulher com a perna direita quase esmagada.
Os leitores podem imaginar o que ele sentiu enquanto fazia a cirurgia. Era ela! A mesma! Estava no Brasil acompanhando o marido a negócios.
A recuperação foi lenta e romântica, embora a timidez ainda o impedisse de falar dos tempos do circo. Não tinha a menor importância, eles tinham todo o tempo do mundo para conversar, ele a visitava diariamente até ela ter condições de ser removida. A família cuidou de enviá-la ao melhor hospital da Itália, em Milão.
Um ano depois doutor Manuel recebeu um inesperado convite. Cercado de pompas e circunstâncias e passagem de primeira classe. Era para visitar a ex-trapezista e ex-paciente que queria agradecer pessoalmente os cuidados que recebera. Os médicos italianos tinham sido unânimes em afirmar que a cirurgia tinha sido perfeita e salvado a perna acidentada.
O nome dela era Rita, já estava na hora das apresentações formais. Manuelzinho, digo doutor Manuel finalmente se viu frente a frente com a mulher que tanto o impressionara e que tantos transtornos trouxera à sua vida, embora de forma involuntária.
Depois de alguns dias de hesitação aconteceu o que costuma acontecer quando um homem e uma mulher se encontram. Foram para a cama onde passaram uma tarde inteira entre juras de amor e ação. Muita ação. Ação à beça! Depois do entrevero doutor Manuel, digo Mané, somos íntimos, posso tratá-lo assim, dormiu o sono dos justos, sentiu que havia cumprido uma obrigação para consigo mesmo, obrigação essa nascida naquele circo em Santos há muitos e muitos anos.
Quando finalmente acordou viu Rita caminhando em direção ao quarto de vestir. E pela primeira vez notou que ela caminhava sem nenhum balanço. Sem os trejeitos dos tempos do circo. Sem a graça que tanto o encantou.
Nos dias posteriores ela se tornou mais e mais carinhosa e ele mais e mais distante, pensativo, como que procurando a pista do Santo Graal perdido. O andar dela era agora semelhante ao de um granadeiro do sexto regimento de Napoleão. Decididamente ali não estava a mesma mulher pela qual Mané tinha movido montanhas e arrastado locomotivas. Era chegada a hora de colocar um ponto final na história, ele saiu para postar cartões no correio e retornou ao Brasil sem se despedir.
Rita ficou atônita, telefonou, enviou telegramas, emissários, sinais de fumaça, comprou um tambor e batucou mensagens em código Morse, mas nada adiantou, ele se fez de morto, ficou calado imaginando onde teria ido parar aquele andar que o enfeitiçou e que se perdeu de forma inexplicável.
Hoje eles são vizinhos. Ele tem 67 anos e ela 62. Todos os dias quando ele sai para o trabalho uma mulher misteriosa o cumprimenta, sempre usando véu. Quando ele volta à tarde ela está na janela. Ele tem a sensação que ela o espreita através das persianas. Um dia ele a viu saindo para a feira e a seguiu a uma distância prudente. É uma mulher de boa constituição, deve ter sido atlética, pensou. Conserva bom porte, mas o andar estraga tudo, faz lembrar um granadeiro do sexto regimento de Napoleão.
O amor é feito de encontros e desencontros, esta é uma história do segundo tipo. O culpado foi Cupido, que ao tirar a flecha do alforje deixou que tocasse na barra de couro. A eficácia foi perdida, ele se apaixonou apenas por um detalhe. Até os deuses erram, são deuses, mas foram criados pelos humanos.

Frases

"Se quiser que o mundo saiba de uma determinada história, escolha a pessoa certa, conte e peça segredo absoluto."

Danuza Leão

Saia justa

‘Meu marido garante que votou em mim’, diz vereadora que teve um voto

Carmem Lúcia foi empossada após cassação do vereador Miguel Abreu do Nascimento. Ela disse que 'tinha objetivo de ser eleita'. 'Eu só entro para ganhar', afirmou ao G1

André Luís Nery Do G1, em São Paulo
A vereadora Carmem Lúcia Portela Santos (PSB), que foi empossada na Câmara de Vereadores do município de Pau D' Arco do Piauí, afirmou nesta quarta-feira (4), em entrevista ao G1, que achou "estranho" o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ter computado apenas um voto para ela nas eleições municipais de 2004, pois, segundo ela, seu marido garantiu que votou nela.
"Ele me assegura que votou em mim. Meu marido é um homem que já tem até mestrado em medicina veterinária pela Universidade Federal do Piauí, é um homem culto, e não consigo entender porque não saíram, pelo menos, a certeza desses dois votos, o meu e o dele", disse a vereadora ao G1.

Leia mais

Nota do Editor - Tem boi na linha. Ela teve um voto e o marido diz que votou nela. Analisando as possibilidades podemos constatar que pode ter havido erro na apuração. É o caso de se pedir a recontagem dos votos. Por outro lado ela própria pode ter votado em outro candidato por uma questão de modéstia, sabe como é, não fica bem legislar em causa própria. Uma terceira hipótese é que o marido é um sem-vergonha que anda arrastando a asa para uma zinha da oposição e votou nela. Quando digo nela quero dizer na outra. Em Ubatuba aconteceu de um candidato ter tido votação nula. Dormiu no dia da eleição e quando acordou era tarde, o placar ficou em branco. Assim é a vida ao sul do Equador. (Sidney Borges)

Alento...

Efeito colateral

Com cassação de infiel, vereadora com um voto toma posse

A vereadora Carmem Lúcia Portela Santos (PSB) tomou posse na Câmara de Pau D’Arco, no Piauí, na segunda-feira (2/6). Nas eleições de 2004, ela teve apenas um voto. Segundo o site G1, ela foi empossada depois que o Tribunal Regional Eleitoral do Piauí cassou o mandato do Miguel Abreu do Nascimento por infidelidade partidária. Eleito pelo PSDB, o vereador se mudou para o PCdoB.
O suplente que deveria assumir a vaga era Reginaldo Sousa Santos, que morreu em um acidente de carro em abril. A segunda suplente era Carmen Lúcia. Segundo a Justiça Eleitoral, a cidade tinha 2.972 eleitores nas eleições municipais de 2004.
“Infelizmente, temos que seguir a resolução do TSE e ninguém poder fazer nada. A resolução diz que temos que empossar”, afirmou o presidente da Câmara de Pau D' Arco, Josenildo de Sousa Rodrigues Bacelar (PT).
No Piauí, 61 vereadores já perderam o mandato por infidelidade partidária. Até agora, o tribunal apreciou 255 processos. Ao todo foram ajuizados, no TRE-PI, 985 processos por infidelidade.
Revista Consultor Jurídico, 3 de junho de 2008

Varig, Varig, Varig. Av. São Luiz, perto da TAP

'Dilma disse que era muito difícil provar origem do dinheiro'

Ex-diretora da Anac diz que a ministra a pressionou para que não exigisse o Imposto de Renda dos sócios da VarigLog

De Mariana Barbosa e Ricardo Grinbaum:
A ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) Denise Abreu diz que a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e sua secretária-executiva, Erenice Guerra, pressionaram a Anac para aprovar a venda da empresa de cargas da Varig, a VarigLog, para o fundo de investimentos americano Matlin Patterson e três sócios brasileiros. Ela afirma ainda que Dilma pediu a ela para não exigir declaração de Imposto de Renda dos sócios brasileiros da VarigLog - o que seria uma tentativa de averiguar se eram "laranjas" dos investidores estrangeiros - porque no Brasil "é comum sonegar imposto". (Do Blog do Noblat)

Leia a entrevista completa

Opinião

O governo não quer deter o desmatamento

Editorial do Estadão
Não provocou a menor surpresa a notícia de que só em abril último se desmataram na Amazônia 1.123 km², praticamente a área do Rio de Janeiro. Também não surpreendeu ninguém a informação de que o desmatamento acumulado na região, nos nove meses a contar de agosto do ano passado, destruiu a cobertura vegetal de 5.850 km² - quase o quádruplo da cidade de São Paulo. Isso representa um acréscimo de 15% em relação ao período de 12 meses terminado em julho de 2007 e reverte a tendência de queda dos três anos precedentes - ao mesmo tempo que mostra que essa oscilação de tendências não é conseqüência de qualquer ação do governo. Em duas décadas, a motosserra abateu algo como 17% dos 4 milhões de km² da maior floresta tropical do globo. Ou, como prefere o engenheiro Gilberto Câmara, diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), cujos dados provêm de dois sistemas de monitoramento por satélite, "é um campo de futebol arrasado a cada 10 segundos".
O Inpe estima que o balanço final de 2008 confirmará a piora, voltando-se a alcançar, quem sabe, a marca assombrosa de 20 mil km² desmatados (ante 11,2 mil km² no ano passado). Isso porque o desflorestamento costuma se intensificar entre maio e julho, quando a diminuição das chuvas facilita a circulação no interior da floresta . "Colhe-se o que se plantou", avalia o ambientalista Roberto Smeraldi, diretor da organização Amigos da Terra. "Você aumenta a exportação de ferro-gusa com carvão da floresta nativa, triplica os frigoríficos, titula ocupações de até 1.500 hectares, licencia obras ilegais e não cobra as multas: depois espera o quê?" A conclusão escancara o abismo entre os fatos evidenciados e a rósea retórica do presidente Lula, para quem "o Brasil, mais que todos os outros países, dá um exemplo de preservação para o mundo".
Leia mais

Manchetes do dia

Quarta-feira, 04 / 06 / 2008

Folha de São Paulo
"Obama vence disputa democrata"
O senador Barack Obama 46, venceu a ex-primeira dama Hilary Clinton na disputa pela candidatura democrata à Casa Branca, segundo projeções de emissoras e agências de notícias. Os cálculos baseiam-se nos apoios de última hora dos superdelegados, membros do partido que podem votar sem compromisso com o resultado das urnas e na previsão de vitória em Montana, um dos Estados onde houve prévias ontem (o outro foi Dakota do Sul). Obama ainda precisa ser referendado, em agosto, pela convenção democrata. Em discurso em St. Paul (Minesota), o senador se declarou vencedor das primárias. "Por sua causa eu me levanto diante de vocês e digo que serei o indicado democrata à Presidência dos EUA", afirmou à platéia. Já Hillary negou ter desistido e conclamou os eleitores a mandar sugestões de como proceder; "Não tomarei nenhuma decisão nesta noite". Se confirmado, Obama será o primeiro negro a disputar a Casa Branca com chances reais de vencer. John McCain, virtual candidato republicano, atacou o democrata em discurso.


O Globo
"Governo dá a estados poder de autorizar crédito verde"
Apesar de estar envolvido numa queda-de-braço com o governador Blairo Maggi (MT), o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, assinou portaria que fortalece Maggi, ao repassar aos estados o poder de emitir declarações atestando as propriedades que estão em áreas de cerrado e, por isso não precisam de licença ambiental para financiamentos públicos. Minc admitiu que o novo sistema pode abrir espaço para fraudes, mas disse que o Ibama não teria condições de se responsabilizar pelos atestados. Ele prometeu que o órgão fará fiscalização rigorosa mas por amostragem. Tanto o Greenpeace com a Sociedade Rural Brasileira criticaram a idéia de Minc de tentar caçar bois piratas na Amazônia. A terceira maior floresta tropical do mundo, a de Papua Nova Guiné, na Oceania, também sofre os efeitos do desmatamento acelerado: cientistas estiam que metade de suas árvores estará perdida em 2021.


O Estado de São Paulo
"Casa Civil favoreceu comprador da Varig, diz ex-diretora da Anac"
Nove meses após deixar o cargo, a ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) Denise Abreu decidiu finalmente falar sobre um negócio controverso: a venda da Varig. Em entrevista a Mariana Barbosa e Ricardo Grinbaum, ela conta ter sido pressionada pela ministra Dilma Rousseff e pela secretária-executiva da Casa Civil, Erenice Guerra, para tomar decisões favoráveis à venda. O negócio teve duas etapas. Em julho de 2006, a Varig, atolada em dívidas, foi comprado por US$24 milhões pela VarigLog, sua antiga transportadora de cargas. Em março de 2007, a VarigLog repassou a Varig para a Gol por US$320 milhões. Na época, a VarigLog pertencia ao fundo de investimentos americano Matlin Petterson e três sócios brasileiros. Como a lei proíbe que estrangeiros tenham mais de 20% de empresas aéreas, Denise queria documentos comprovando a origem do dinheiro dos sócios brasileiros. "A ministra não queria que eu exigisse os documentos", afirma. "Dizia que era da alçada do Banco Central e da Receita." Quem representava os sócios da VarigLog era o advogado Roberto Teixeira, amigo do presidente Lula. Um dos sócios da companhia, o empresário Marco Antônio Audi diz que a influência do advogado foi decisiva. "Paguei US$5 milhões para o Roberto Teixeira", conta. "Não sei o que ele negociou, mas trouxe resultados." Procurados com insistência pelo Estado, Dilma, Erenice e Teixeira preferiram não se pronunciar.


Jornal do Brasil
"Milícias: 10 denúncias por dia"
O número de ligações feitas desde janeiro para o Disque-Denúncia, 1550- média de 10 por dia - indica o repúdio da população aos milicianos que exploram 2 milhões de moradores em 63 comunidades carentes. No caso dos jornalistas torturados, já foram 18 chamadas com informações, incluindo nomes e endereços de suspeitos. O secretário de Segurança José Mariano Beltrame já fala em "limpeza da PM".

terça-feira, junho 03, 2008

Divagações ao cair da tarde



Fotografia

Sidney Borges
Ela pediu para me fotografar. Eu deixei, tive o cuidado de encolher a barriga e sorrir cheese. Ela disse obrigado e foi-se embora. Têm razão os índios que não se deixam fotografar com medo de ter a alma roubada, a minha o foi. O retrato ela levou e também levou meus planos, meus desenganos, meus vinte anos e o meu coração. Só ficou a poesia...

Samba Saravah

Frases

"O melhor profeta do futuro é o passado"

Sorte de hoje do Orkut

Esperançosas, uni-vos!

Solteiras do Ceará já fazem promessa a Santo Antônio

Em Barbalha, mulheres enfrentam maratona de rituais e simpatias. Dia do 'santo casamenteiro' é comemorado em 13 de junho

Do G1, com informações do Bom Dia Brasil
As solteiras do Ceará já começaram a fazer promessa a Santo Antônio para encontrar marido. Nessa época do ano, mesmo quem não acredita participa da festa do "santo casamenteiro" em Barbalha. Além das orações, as mulheres juram por Santo Antônio que o chá, as orações e a maratona de rituais e simpatias funcionam.
Leia mais

Nota do Editor - Ser solteira já não é tão tormentoso, os costumes mudaram. Houve época recente em que a vida das não casadas era bastante complicada. Lembro-me da maledicência contra a costureira que morava no quarteirão de minha casa. As comadres diziam que ela namorava o padre e o dono da fábrica de bombons ao mesmo tempo. O padre tudo bem, a mulherada até que aprovava, era bonitão e solteiro, mas o outro suposto amante era casado. Audácia! Fêmeas sem um homem pra chamar de seu eram vistas como perigo, não podiam freqüentar ambientes sociais. Enquanto os homens imaginavam coisas as mulheres tramavam venenos e pragas para acabar com a sirigaitice. Conta-se que em Portugal, onde reinava absoluto Salazar, com as bençãos do Vaticano, havia uma solteira famosa. A filha desabonitada do austero governante. Tão carente de beleza e graça que não raro era confundida com os canhões que guarneciam a Torre de Belém. Aquele cordão famoso, o dos puxa-sacos, armou um encontro da rapariga com um tenente da Armada, parecido com Rodolfo Valentino, uma espécie de Brad Pitt daqueles tempos. Enquanto passeavam, ela saltitante e cheia de não me toques, ele permanecia calado como a esfinge. Em certo momento o dever foi mais forte. Com a bolas quase a explodir de indignação, mas ciente da missão militar, o guapo tenente quebrou o gelo de acordo com o protocolo:
- Linda flor aquela. Sabes o nome?
- Sim. Vinha virgem! Disse a belezoca com um sorrisinho malicioso...
Ciente dos problemas que teria na carreira, ainda assim o jovem não conseguiu evitar:
- Pois vais voltar virgem... (Sidney Borges)

Arte



A amizade entre Verger e Carybé

Baianos por adoção, o francês e o argentino retrataram, com precisão, a alma da Bahia

Ubiratan Brasil
O francês Pierre Verger era um homem tímido, contemplativo, afeito a pesquisas. Já o argentino Hector Bernabó, mais conhecido pelo pseudônimo Carybé, era impulsivo, participativo, decidido a viver emoções. Eles já eram homens adultos quando se conheceram em Salvador, nos anos 1940, e a Bahia logo se tornou, ao lado do novo amigo Jorge Amado, o ponto de referência básica na vida de ambos.

Com Verger na fotografia e Carybé na pintura e escultura, a amizade os tornou baianos fundamentais, como dizia Amado, 'pois o baiano verdadeiro não é o que nasce, mas o que renasce na Bahia'. Juntos, eles retrataram a cultura africana dos baianos em todo seu colorido e religiosidade. Um bom exemplo está no livro Carybé & Verger - Gente da Bahia, (Solisluna Design e Editora, 168 páginas, R$ 90), o primeiro livro da trilogia Entre Amigos e que marca a comemoração dos 20 anos da Fundação Pierre Verger.
Trata-se de um conjunto de imagens em preto-e-branco clicadas por Verger que receberam um tratamento com o traço colorido de Carybé, resultando em um novo trabalho. Do contraste entre o preto-e-branco e a cor resulta uma visão rica e multifacetada da Bahia ao longo de 50 anos, período em que durou a amizade entre os artistas.

Eleições 2008

Campanha pela internet

Candidato é multado por propaganda antecipada no Orkut

O pré-candidato a vereador Antônio Helvécio Mateus, de Belo Horizonte, foi multado em R$ 21.282 por fazer propaganda eleitoral antecipada no site de relacionamento Orkut. A decisão foi do juiz Adriano de Mesquita Carneiro, que integra a Comissão de Fiscalização da Propaganda Eleitoral da capital de Minas Gerais.
Segundo denúncia do Ministério Público Eleitoral, Mateus criou comunidades no Orkut para divulgar seu nome e suas propostas. O juiz entendeu que a propaganda antecipada fica explícita por frases como “disputei eleição para deputado federal e fiquei com 1.852 votos e agora vou tentar vereador em Belo Horizonte em 2008 e desde já peço que todos me ajudem. Vamos lá que a vida continua”.

Leia mais

A doença dos doentes



Fetiche

Thomaz Magalhães no Trem Azul
Adriane Galisteu está sendo processada por "incentivo ao fetichismo" pelo Conselho Regional de Enfermagem do Rio.
É que no ano passado ela interpretou no espetáculo "Alternativa" uma mulher usando fantasia erótica de enfermeira... O conselho dos enfermeiros não liga nadinha de fazer papel de bobo.

Nota do Editor - Na tarde de ontem o Sindicato dos Doentes fez veementes protestos contra o conselho das enfermeiras. Queremos a Galisteu, diziam os cartazes da passeata. O Ubatuba Víbora apoia os doentes. Queremos a Galisteu. Faz todo o sentido... (Sidney Borges)

Ao pé da letra

Prova de Vestibular no RJ (Universidade Gama Filho)

Questão: Faça uma análise sobre a importância do Vale do Paraíba.

Resposta do candidato: "O Vale do Paraíba é de suma importância, pois não podemos discriminar esses importantes cidadãos. Já que existem o vale-transporte e o vale do idoso, por que não existir também o Vale do Paraíba??!! Além disso, sabemos que os paraíbas, de um modo geral, trabalham em obras ou portarias de edifícios e ganham pouco. Então o dinheiro que entra no meio do Mês - que é o vale - é muito importante para ele equilibrar sua economia familiar.
Dica de Carlos Rizzo

Opinião

Lula fala muito e não convence

Editorial do Estadão
Na sexta-feira passada, em Belém, e domingo, em Roma, um exaltado presidente Lula voltou a bater na tecla de que os críticos das falhas da política do governo brasileiro de proteção da Amazônia contra o desmatamento não têm autoridade moral para se manifestar porque são cidadãos de países onde, em eras priscas, a destruição da natureza foi maior. ''Não vamos admitir que quem mais desmatou venha a dar palpite sobre o Brasil'', advertiu em discurso, andando de um lado para o outro, no lançamento de uma obra do PAC no Pará (o último evento do gênero de que participará numa capital até as eleições municipais, avisou). Já na Itália, onde falará hoje na abertura da Cúpula de Chefes de Estado da FAO, diante de 60 outros líderes nacionais, insistiu no argumento, numa entrevista informal com jornalistas que o acompanham. ''A União Européia só tem 0,3% de sua mata original'', comparou. ''Então, quando falar com o Brasil'', disse como se estivesse se dirigindo a um crítico imaginário, ''primeiro olhe o seu mapa.''
Perguntado sobre as denúncias da Anistia Internacional de que as condições de trabalho nos canaviais brasileiros lembram as da escravidão, Lula enveredou por outras analogias igualmente defensivas. Primeiro, fez uma equiparação absurda entre a faina dos cortadores de cana e a ''de um balconista que fica atendendo a gente, correndo dentro de um balcãozinho das 6 da manhã à meia-noite (sic)''. Em seguida, ocorreu-lhe aproveitar a deixa para mais uma estocada nos europeus. ''Agora (o trabalho no canavial) não é mais duro do que o trabalho em uma mina de carvão, que foi a base do desenvolvimento da Europa. Pegue um facãozinho e passe um dia cortando cana e desça numa mina a 90 metros de profundidade para explodir dinamite para ver o que é melhor'', sugeriu, como se não houvesse minas de carvão no Brasil ou não estivessem sujeitas a acidentes (no começo de maio, uma explosão matou dois mineiros em Santa Catarina).
Leia mais
 
Free counter and web stats