sábado, maio 31, 2008

Foto do dia


Leitão com maçã

Panoramix

Eu acredito em duendes

Sidney Borges
Tem coisas que me intrigam por serem de fato intrigantes, vejam se não tenho razão. Vocês todos conhecem o druida Panoramix, criador da poção mágica que dá força aos habitantes da aldeia da Gália. Aquela que desafia a poderosa Roma de Júlio César. É obvio que sim, meus leitores são cultos. Pois saibam que Panoramix tem um lado ecológico da maior importância. Faz sementes mágicas que seriam muito úteis na Amazônia do Minc. Sempre que uma árvore é derrubada basta jogar uma das tais sementes e, presto, surge outra árvore trincando de nova. Uma verdadeira maravilha. Aqui perto de casa tem um terreno cheio de mato. O dono passa o dia carpindo. Todos os dias. E o mato continua lá. Forte e verde como costuma ser o mato. Dá para imaginar que durante a noite algum duende faça uma duendice e o mato que foi cortado durante o dia se autodescorta, isto é volta a ficar do mesmo tamanho. Esse não é um problema meu e eu não estaria escrevendo estas linhas se a duendice não estivesse me afetando diretamente. Costumo dormir de lado, do lado esquerdo, e assim minha orelha direita fica solta no ar. Há muito tempo venho notando o crescimento anormal de pelos no extradorso da mesma. Não quaisquer pelos, mas pelos especiais, de espessura muito superior a dos pelos comuns. Quando um deles surge pontudo e eu percebo, lá se vai o sossego. Enquanto não encontro uma pinça e o arranco não consigo concatenar as idéias. Felizmente tenho uma pinça especial para ocasiões transcendentais. É espanhola, foi comprada nas Ramblas de Barcelona de uma cigana do Egito. Por cortesia ela leu a minha mão e não parou mais de rir. Acabei de arrancar três pelos, amanhã eles estarão lá novamente, grandes, fortes e rijos. Preciso encontrar Dom Jafet que vende armadilhas para capturar duendes. Vou encher o quintal de ratoeiras. Esses verdinhos vão ver o que é bom pra tosse.

Tecnologia

Câmeras de celulares podem ficar mais poderosas

Geek
A fabricante Omnivision, que se dedica ao desenvolvimento de sensores CMOS de imagem, que equipam as câmeras digitais de celulares, criou um novo design de chip que pode elevar a qualidade presente nos telefones para até 8 megapixels.
Segundo o
site Gizmodo, o sensor batizado de OmniBSI utiliza uma técnica já conhecida de retroiluminação que permite que mais luz chegue a cada pixel, ao contrário dos sensores normais CMOS, que utilizam iluminação frontal, provocando perda de qualidade no processo.
A fabricante está testando os sensores e pretende demonstrar os primeiros produtos antes do fim de junho de 2008, conforme declarou a companhia em anúncio oficial.
O número de megapixels define a resolução final da imagem. Quanto mais megapixels uma câmera tiver, maior poderá ser a ampliação ("revelação" ou impressão) da fotografia. Para a web ou para ampliações no tamanho normal de fotos, 10 x 12 cm, uma quantidade muito grande de megapixels não ajudaria. Especialistas como o fotógrafo Ken Rockwell chamam a atenção para o fato de que, apesar de os fabricantes estarem numa espécie de "corrida armamentista" em busca da maior densidade de pixels, outros fatores são mais importantes para a qualidade da imagem. Um desses fatores, por exemplo, é a qualidade e o tamanho das lentes. Um sensor de muitos megapixels em conjunto com lentes ruins pode degradar uma fotografia em vez de melhorá-la. Lentes de telefones móveis costumam ser, pela própria miniaturização dos telefones, muito pequenas.

THESE FOOLISH THINGS

BRYAN FERRY (1973)

Literatura



Carta ao Jovem Dostoiévski do Jardim Casqueiro

Marcelo Mirisola*

São Paulo, 1º de junho de 2008

Caro amigo,

Aquela tarde no Jardim Casqueiro realmente não foi um constrangimento apenas para você. Além de quase ter sido linchado por conta da falta de senso de humor dos manos locais, eu tive que dar um balão no motorista da Viação Ultra, e ainda por cima perdi meu DVD das Brasileirinhas. O DVD da Leila Lopes!


Meu caro Dostoiévski do Jardim Casqueiro:

Não existem autores em questão. Nem livros. Apenas o show. O Pavonear. A agenda, os contatos. As oficinas, workshops e piqueniques. Paraty, Passo Fundo, Jabuti. As planilhas e os editais. Funarte, Petrobras, Lei Rouanet. Os amigos nas redações e nas editoras. O próximo livro do Chico. O timing certo para agradar o sujeito que lhe deve favores. O vice-versa e os rapapés e canapés correspondentes. Hoje em dia os amores são expressos e a vida é passageira, e todo mundo é escritor: com exceção do cobrador e do motorista ... e da Leila Lopes. Lembra dela? A professorinha da novela “Renascer”. Lembrou, né?

Pois então, meu caro Dostoiévski , aqui vai um aviso: o Jardim Casqueiro é apenas o prenúncio de um mundinho do qual eu queria me excluir. Infelizmente não consegui. Desejo melhor sorte para você, mas acho difícil. Pelo que conheço dos seus livros, e de suas necessidades, creio que vai fracassar.

Você é um sujeito amargo, doente e desagradável. Deve sofrer do fígado. Por que insiste nessa bobagem? Ah, meu caro. Você sabe que os manos aí do Casqueiro jamais entenderão os seus personagens inventados. Eles não entendem uma piada! Tudo o que é diferente da realidade lacrimosa e sanguinolenta deles não existe: para a “facção do bermudões”, o real é o fantástico, e não o contrário. Se liga!

Claro, o acostamento é o seu mundo, eu compreendo. Você teria de convencê-los. O problema é que você não quer negociar nem com os playboys, e nem com os seus irmãozinhos. Aí fica difícil, né? Como é que você vai sobreviver se não sabe fazer trocadilhos, e é um fiasco com as rimas? Em que mundo pensa que vive, rapaz?

Quer saber? Pois eu lhe digo. Um mundinho feito de conchavos, e acordos. Quando você escreve não pensa num filme? Assim não dá. Em vez de insistir com essa bobagem de Irmãos Karamazov, devia pensar em algo mais elaborado, tipo... o Rap do Teletubie.

Para mim é muito difícil dizer isso, mas não tem jeito. Vamos lá, prepare a bílis. Você tem que “dialogar” com as outras artes. In-te-ra-gir, compreende? Aqui as famílias são unidas. Quer um conselho? Enfia os Karamazov no rabo, não mostra para ninguém. O talento é imperdoável. Ou você tem vocação para costureiro, relações públicas, releases, resumos e tapinhas nas costas... ou você está morto. A liberdade consiste em ser escolhido, jamais em escolher.

O prejuízo, portanto, é todo seu, meu caro.

Esqueça a literatura, e pense nas viagens e nas palestras remuneradas. Sexo. Negócios, frugalidade. Os amigos existem para isso. Um monte de amigos, e um monte de editais. Bolsas, prêmios à mancheia. Em vez de ficar remoendo esse rancor, você poderia se dar muito bem. Mas você prefere o Jardim Casqueiro a uma história de amor em Paris... O que eu posso fazer? Amigos, um milhão deles, e puxa-sacos dos mais variados matizes e arrebites, porém todos redundantes, e iguais. Qual o problema?

Um mundo abjeto sim, e escroto. Contudo, não dá simplesmente para dizer “não é o seu mundo”. Muito pelo contrário. Você nem sequer poderia descartá-lo. Não é a lama sua matéria-prima? Eu sei que é.

Desculpe a brincadeira, mas a parte que lhe cabe nessa lama... é um cesto. De caranguejos!

Onde você foi parar? Deve ser difícil ter de vender caranguejos no acostamento da Imigrantes para sobreviver. Deve ser nojento. Eu tô ligado, mano. E é por causa dessa lama, desconfio, que compartilhamos alguma afinidade. Portanto, me escuta. O que é minúsculo, sórdido, mesquinho e humano me interessa. E, creio, deva lhe interessar, acho que sim.

Para sua informação, existe um Aleph nesse esgoto. A confluência de todas as pequenezas numa só. Vamos imaginar um ser genérico. Bíblico. Que existe, existiu e existirá em todas as épocas. Pois bem, em 1949 Jorge Luis Borges (já ouviu falar desse argentino?) o descobriu no vão de uma escada, num porão da calle Garay. Antes de Borges, o Aleph tinha lá seu encanto e austeridade. Vivia sua vidinha reclusa, e grandiosa.

O problema é que foi nomeado. Como era o infinito em um só, e era muitos e todos de uma só vez, aproveitou-se da suposta cegueira do argentino, e deu o pinote. Perdeu o pudor, e ganhou as ruas. Caiu na gandaia. E, claro, degenerou-se.

Virou arroz-de-festa, ostenta o ir e o vir. Tem nome e sobrenome, dá workshops, e arrumou um namorado que é garçom de uma pizzaria na Vila Madalena. Inverteu a própria equação. O Aleph virou Carmem Miranda.

A fim de facilitar as coisas, meu caro Dodô do Jardim Casqueiro, desconsideraremos o Plural. Creio que é conveniente darmos um novo nome ao Aleph. Vamos tropicalizá-lo, simplificar a coisa. A partir desse momento, o Aleph do esgoto passa a se chamar Pavão Cabeçudo.

Tá bom assim? Ele é um avanço tecnológico da canalha, da abjeção. Mais do que um sintoma, ele é uma continuidade. Ele é o Chalaça pós-moderno e o eterno conselheiro Acácio, o professor Unrat (tradução: lixo), o traficante colombiano, o gigolô que assoprava nos ouvidos da meretriz apaixonada “só casando, Herculano”, ele é o resumo da escória, o diabo em estado de degenerescência, e o pior: não exige prática nem habilidade. É simplório, encantador e divertido, não, não, ele não é um filho da puta.

Um filho da puta não tem nuances. Não tem o charme do Pavão Cabeçudo, nem o magnetismo. Não vou dizer que ele é admirável. Quase. Tem lá sua graça, e as platéias que lhe convém. Eu mesmo já lhe servi de orelha e claque – inúmeras vezes. Não reconhecê-lo em seu pavonear seria um erro mortal. Ele é o gênio da agenda.

Afável, ele (que é todos em um só) sabe localizar e chamar para si a qualidade do(s) outro(s). Por conta disso, sempre arruma um caráter para sair à noite... ou ir à feirinha da USP. Sempre dá um jeito – como se combinasse a roupa - para que esse “caráter” não desagrade aos interesses da companhia de ocasião, ou a platéia da vez.

Ele é premeditado, e jamais se mete em encrencas, estuda o terreno e sempre tem uma palavra de conforto a quem lhe pede socorro. Uma antologia no bolso do colete. O escaninho certo na hora adequada. O Pavão cabeçudo é o senhor das facilidades e o mestre do improviso, e “os eventos” acontecem aparentemente na base da casualidade. Mas não se engane, não existe “casualidade” nem gratuidade nesse jogo. A rinha é violenta, e a disputa não é para amadores. Atente para essa palavra: “casualidade”. O dia que você deixar essa carranca de lado, e for comigo à Vila Madalena, vai entender o que eu falo. A decoração nos barzinhos que ele freqüenta é assim, “casual” – porém só na aparência. Tudo é decoração. Tudo é premeditado para que as pregas afrouxem e a fatura seja devidamente cobrada na hora da saída, entende?

Como é que é? Um livro chamado “Crime e Castigo”? Não, acho que não: ninguém vai se interessar. Esse negócio de claustrofobia,de autismo cristão está meio fora de moda. Me escuta,cretino! Tô falando do Pavão Cabeçudo, quem é você? Se liga, cara!

Presta atenção.

Imagino que segunda-feira de manhã – por conta das várias ressacas & compromissos acumulados – seja o único dia da semana que não sirva (ou caiba) caráter algum no figurino do Pavão. Mas aí a secretária eletrônica, ou o Chocotone, quebram o galho dele. Quem é Chocotone? Você parece um ingênuo, meu caro. Não lhe falei que ele tinha um namorado que trabalhava de garçom numa pizzaria? Pois então! Trata-se do Chocotone: o namorado invisível do Pavão Cabeçudo. Um subsídio. Aliás, tudo é subsídio e todo subsídio tem seus desdobramentos e contrapartidas. Aprenda. Já ouviu falar em capitalização, joint venture?

Digamos que o Chocotone é um investimento. Ou algo que dá uma aura de diversão e descompromisso. Não, seu mané, o que conta é que ele de fato existe, e não o contrário. O que conta é o verniz.

Quem é você?

Pensa bem. Você, meu caro, antecipou o niilismo e o anarquismo e várias revoluções que não deram em absolutamente nada. Antecipou Freud. Atacou ferozmente a mentalidade positivista, voltou-se contra o racionalismo ocidental, encantou Nietzsche e acabou aí no acostamento da Imigrantes, vendendo caranguejo. Portanto, cala a boca e me escuta.

Qual livro? “Recordação da casa dos mortos”? Tá me tirando, mano? Como você vai lançar um livro desses... na Livraria da Vila? Já passou da hora de você amadurecer, meu caro. Ninguém quer saber de situações extremas. Seja adulto, pense nos grandes vultos que o antecederam. Escreva sobre lancheiras e papel alumínio. O Pavão Cabeçudo vai adorar, e decerto vai citá-lo no blogue dele. Pense em King Kongs, e engradados de cerveja. Nunca ouviu falar em samba de raiz? Não freqüenta o Odoborogodó?

Informe-se. O que você faz é uma quimera, cocô de galinha perto da “oralidade” do Pavão Cabeçudo. Isso mesmo, “oralidade”. Não, não. Ele não é um cantor, e não é ator – ou talvez seja. Sei lá. Por favor, não me interrompa mais. Ouça!

Nosso encantador Pavão Cabeçudo é herdeiro dos morros, das vielas e das lavadeiras do São Francisco, ele é abençoado pelos Orixás e feio pela própria natureza. É feio, mas é bonito. O pavão sempre dá um jeito! Ele é pior do que Deus! Em primeiro lugar, porque ele existe e está em todos os lugares – e sempre está sempre bem acompanhado. Aliás, muito bem acompanhado.


Esqueça os abismos, os desvãos tonitruantes da alma... a desolação, e esqueça o frio da eternidade. Puta cara chato, parece que vive na Rússia! Presta atenção! Não é que ele seja “pior” que Deus, digamos que é mais eficiente. Sim, porque ele tem uma agenda e não brinca em serviço, nosso Pavão Cabeçudo usa os contatos e as paixões para conduzir sua vida minúscula, e se deixa prazerosamente levar pelas idiossincrasias alheias: porque sabe exatamente qual o seu tamanho. Isso é mais do que intuição. Sabe de onde veio, e para onde vai. Inveja, eu?

Confesso: tenho inveja de você, queria ter escrito “Memórias do Subsolo”. Qual o sentimento que eu tenho por ele? Bem, mais ou menos o sentimento de alguém que foi roubado, e que cometeu o crime de ter seus bens subtraídos, entende?

Não entendeu? Nem eu. Ele surrupiou minha razão também. Sobrou-me apenas a mesquinharia, e o isolamento. Da mesma forma que você não consegue acompanhar os carros que passam em alta velocidade na Imigrantes, e se volta desconsolado para o cesto de caranguejos, eu vejo (aliás, vi) meus dias de fartura e reconhecimento serem subtraídos por ele. A diferença é que carrego escorpiões no meu cesto. O que eu tinha de mais torpe, humano e trivial, ele levou.

Você bem sabe o que é ter a lama por companhia. A festa – infelizmente – é no outro apartamento, como diria a lésbica mais talentosa da MPB, depois da Ângela Rô Rô.

Ah, meu caro. Eu peço que tenha mais um pouco de paciência. Sei que perdi o crédito, e que os meus adversários me tomam por ranzinza, rancoroso e maluco. Concordo com as duas primeiras acusações. Agora, não aceito que me desqualifiquem dizendo que sou maluco, isso é golpe baixo. Posso ter perdido a razão, mas não enlouqueci. Eu sei exatamente o que perdi. Maluco, não. De jeito nenhum!

Me escuta, apenas isso. Depois conclua da forma que melhor lhe convier. Escuta, escuta. Ninguém nasce em Garanhuns ou em Sertânia por acaso. Buenos Aires era apenas um esconderijo. Se o Pavão quisesse, poderia transformar água em vinho. Ou ter negado o amigo três vezes, mil vezes. Tanto faz. Quem é tudo também é coisa nenhuma (desculpe a obviedade). Quero dizer: ele poderia ser o que bem entendesse, porque é refratário, vazio. As únicas coisas que realmente possui são instinto de sobrevivência e prazo de validade.

Mas pode ter a certeza de uma coisa, meu caro amigo: vamos apodrecer antes dele. O presente pode durar muito tempo.

O Pavão é a síntese de nossa época. Uma época sem talento. Não foi coincidência a libertação dele. O argentino que o libertou sabia o que estava fazendo. Inventou a chave do conhecimento e jogou fora.

Agora as luzes se apagaram. Ele está de volta. E trouxe a corrupção consigo, e junto trouxe vários cúmplices e testemunhas – que preferiram permanecer em silêncio. Ninguém quer perder a boquinha, né? O Pavão Cabeçudo encurralou a barbárie e deu um xeque-mate na civilização. Foi absolvido pela imagem e pela semelhança. Usa roupas largas e folgadas, e chinelos de couro.

Isso tudo foi arquitetado por Borges, para se vingar da cegueira e da aversão que sentia pelas mulheres: leia-se erudição. Não por acaso, as maiores influências do Pavão Cabeçudo são as canções que ouvia da mãe lavadeira. Tudo é improvisação e repertório: “sou filho de lavadeira, vixe, ôba-ôba”.
As platéias se identificam. Um pouco com o deboche. Outro tanto com a miséria festejada. Mas sobretudo com a boçalidade e a falta de alternativas. Ele é o Rei dos esgotos. O Rei das conscienciazinhas pesadas.

O argentino deve estar se contorcendo às cambalhotas na eternidade. Tirou da cara de todos. Ele sabia que o Aleph ia virar Carmem Miranda, e depois Pavão Cabeçudo. Barbárie e civilização, as duas faces da mesma moeda, lembra?

Tá difícil, meu caro Dostoiévski . E eu desconfio que a minha situação é mais comprometedora do que a sua. Porque nasci do ventre da patroa da mãe do Pavão Cabeçudo – isso sim é imperdoável.

E o pior de tudo é que também não sei fazer rimas, nem trocadilhos. A propósito: quanto está a dúzia do caranguejo aí? Tem um lugar para mim no acostamento?

Onde o conheci? Foi em 2001, no Franz Café da rua Fradique Coutinho.

Aqui faço uma pausa.

Quer saber mais? Quer saber as histórias sórdidas do Franz Café? Já ouviu falar de uma tal de Geração 90? Pois foi lá que tudo começou...

*Marcelo Mirisola, 42, é paulistano, autor de Proibidão (Editora Demônio Negro), O herói devolvido, Bangalô, O azul do filho morto (os três pela Editora 34), Joana a contragosto (Record), entre outros. Publica em revistas, sites e jornais de todo país. Mora na Praça Roosevelt, é vizinho do Polé e amigo do Bactéria a quem chama coloquialmente de Bac. Quando esteve recentemente em Ubatuba Mirisola fez ressoar as cordas da sensibilidade do coração de uma gata. Paixão fulminante. Como é de conhecimento geral, as pequenas ausências aumentam o amor, as grandes matam-no. Com a falta de notícias a gata ontem flertou com o editor deste Blog. Voltaremos ao tema.

Frases

"Quem vigia o vigia?"

Juvenal

A-320 sai da pista. Mais um...



Acidente em Honduras

A embaixatriz Janet Chantal Neele, esposa do embaixador do Brasil em Honduras, Brian Michael Fraser Neele, morreu no acidente com um avião Airbus A-320 que transportava 135 passageiros, nesta sexta-feira (30), em Honduras, informou o Itamaraty.
Há mais quatro mortes confirmadas. Fraser Neele, de acordo com o Itamaraty, sofreu fraturas e está hospitalizado. Seu estado de saúde é estável.
A aeronave tentava aterrissar quando saiu da pista do aeroporto de Tegucigalpa, e invadiu uma rodovia. O avião da linha aérea Taca, de El Salvador, atingiu alguns carros quando saiu em zigue-zague em direção à rodovia. Com o acidente, partiu-se em três e vazou combustível.

Leia mais

Vereadores

Eleições - Municípios ainda estão despreparados

De Izabelle Torres
O lobby e a confiança dos vereadores em torno da aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 333/04, que cria mais 7,5 mil vagas nas câmaras municipais, foi tão intenso nos últimos anos que 55% das cidades brasileiras sequer se deu ao trabalho de adequar suas leis orgânicas ao número de cargos determinado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2004, que regulamentou entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o assunto.
A inércia dos legisladores municipais tem preocupado o presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski. Isso porque, segundo ele, se a PEC não for aprovada no Senado antes de 30 de junho, os partidos políticos terão de realizar as convenções com base na interpretação do STF e, para isso, precisam das leis orgânicas atualizadas e condizentes com a interpretação do Judiciário. “A falta de regulamentação das leis municipais pode causar transtornos na hora de homologar candidaturas e empossar vereadores”, opinou o presidente da CNM. (Do Blog do Noblat)

Merenda escolar

Fraude da merenda: CPI indicia 17 em Sapucaia

Direto da fonte
CPI instalada pela Câmara de Sapucaia do Sul sobre fraudes em contratos para compra de merenda escolar pela prefeitura municipal pediu o indiciamento de 15 pessoas e de duas empresas, a Verdurama e a SP Alimentação. O relatório foi aprovado pelos membros da comissão ontem. Agora, precisa ser votado em plenário.
Entre os indiciados, estão secretários municipais, o prefeito Marcelo Machado (PMDB), que teria sido o "mentor" do esquema, bem como integrantes da comissão de licitações. A CPI ainda quer a devolução de mais de R$ 11 milhões aos cofres públicos.
Vergonhosamente, os vereadores de Canoas não moveram uma palha para apurar as fraudes na administração do prefeito Marcos Ronchetti (PSDB), que está sendo processado na Justiça por suposto envolvimento no esquema com as mesmas empresas.
Tudo começou a ser desvendado com uma
reportagem que levamos ao ar no RBS Notícias e Jornal Nacional, em setembro do ano passado.
Leia o relatório da CPI em Sapucaia do Sul

Opinião

O sentido da decisão do Supremo

Editorial do Estadão
A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de considerar constitucionais as pesquisas com células-tronco embrionárias para fins terapêuticos, nos restritivos limites da Lei de Biossegurança de 2005, consagra o caráter laico do Estado nacional. Embora os principais opositores da liberação dessas pesquisas tivessem tido o cuidado de remeter invariavelmente as suas objeções à esfera jurídica, invocando a inviolabilidade da vida e da dignidade humana, assegurada pela Constituição, desde a primeira hora - quando a matéria ainda era debatida no Congresso - as motivações religiosas ficaram patentes.
O texto afinal aprovado já foi um compromisso para tentar contornar as resistências das chamadas bancadas da fé. E o então procurador-geral da República, Claudio Fonteles, que entrou no STF com a ação direta de inconstitucionalidade contra o artigo 5º da Lei que trata do assunto, jamais escondeu a sua condição de católico fervoroso. É também o caso do ministro do Supremo Carlos Alberto Menezes Direito, o primeiro dos seus pares a se manifestar desfavoravelmente às pesquisas, nos termos estabelecidos na legislação. Ele retardou o veredicto da Corte em cerca de três meses, ao pedir vistas do processo quando começou a ser examinado, no início de março. Enfim, na quarta-feira, ao cabo de três sessões, o STF manteve, por 6 votos a 5, a integridade do dispositivo legal.
Significativamente, o veto aos estudos com células-tronco extraídas de embriões descartados ou congelados ao menos por três anos em clínicas de fertilidade assistida, com o consentimento dos genitores - como estipula a Lei de Biossegurança -, nem sequer se explicitou.
Leia mais

Manchetes do dia

Sábado, 31 / 05 / 2008

Folha de São Paulo
"Governo eleva meta de aperto fiscal para combater inflação"
O governo decidiu elevar a meta de superávit primário (economia feita para o pagamento de juros) de 3,8% do PIB ao ano para 4,3%. Segundo o ministro Guido Mantega (Fazenda), a meta oficial do superávit continua em 3,8%. A economia adicional, de cerca de R$13 bilhões, alimentará o chamado Fundo Soberano do Brasil, que, de acordo com Mantega, tem como objetivo principal deter a inflação. Neste ano, até abril, o governo teve superávit nominal (após o pagamento dos juros da dívida) de 0,76% do PIB, feito inédito no país. Além de ajudar no controle da inflação, o fundo soberano poderá, segundo Mantega, ser usado para impedir retração forte da economia. O presidente Lula disse que fará "qualquer sacrifício, mesmo que seja um remédio amargo", para a inflação não voltar.


O Globo
"Deputados revogam prisão e libertam colega Álvaro Lins"
Por 40 votos a 15, os deputados da Assembléia Legislativa do Rio revogaram a prisão do também deputado Álvaro Lins (PMDB). O ex-chefe da Polícia Civil, preso anteontem pela PF, fora denunciado pelo Ministério Público como chefe operacional de uma quadrilha armada que vendia proteção a criminosos e exigia cotas em dinheiro de delegacias. O chefe político seria o ex-governador Antony Garotinho. A maioria dos deputados entendeu que a prisão em flagrante foi arbitrária. Segundo eles, Lins não oferece risco para o andamento do processo e tem endereço fixo.


O Estado de São Paulo
"Governo vai poupar R$ 13 bi para conter alta da inflação"
O governo fará neste ano uma economia extra de 0,5% do produto interno bruto (PIB), anunciou ontem o ministro da Fazenda, Guido Mantega. O esforço corresponderá a R$ 13 bilhões, dinheiro que será usado para compor o Fundo Soberano do Brasil e funcionará como uma espécie de poupança. Foi abandonada a idéia de usar esse fundo para fazer investimentos no exterior. "O governo vai colocar esses recursos à parte e não os gastará'', disse Mantega. Embora a meta oficial de superávit primário vá continuar em 3,8% do PIB, na prática a medida representa uma elevação informal da meta para 4,3%. O ministro lembrou que o governo já está economizando e que o superávit acumulado nos quatro primeiros meses de 2008 foi de 6,82%. A poupança extra tem como objetivo final conter a alta da inflação - quando o governo deixa de gastar, esfria a atividade econômica e reduz os níveis de consumo.


Jornal do Brasil
"Células-tronco: Saúde libera R$ 25 milhões"
O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou a liberação de R$ 25 milhões para financiar uma rede de estudos das células-tronco embrionárias, que deve começar a funcionar já no mês que vem. Segundo o ministro, a liberação só foi possível graças ao fato de o Supremo Tribunal Federal ter autorizado as pesquisas. "O importante é que esses recursos finalmente estão saindo'', comemorou o presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Marco Antonio Raupp.

sexta-feira, maio 30, 2008

Foto do dia


Leitão com laranja

Hoje iniciamos uma nova seção no Ubatuba Víbora. A "Foto do dia", que mostrará fotografias de autoria do editor, diagramador, fotógrafo, repórter, contínuo e faxineiro deste prestigioso Blog, Sidney Borges.

Vida, essa coisa divertida...


Você faria essa troca?

Amor, que loucura!

Sidney Borges
O povo fala em amor cego. Quando o povo fala sobre comportamento é o caso de se prestar atenção. O amor não é uma entidade viva, é um sentimento que se apossa das pessoas e as enche de ilusões e sonhos, mas é também, sem dúvida, a mola mestra da vida. Sem tesão não há solução. No entanto, voltando ao tema inicial da cegueira, ontem eu e minha mulher comentávamos sobre o que teria levado o príncipe Charles a trocar a bela Diana pela não tão bela Camilla. Lembrei-me do todo poderoso Assis Chateaubriand, dono do maior império jornalístico que o Brasil já conheceu e que saía com a faxineira do prédio fronteiriço aos Diários Associados. E que não era nenhuma menina, tinha perto de quarenta anos e estava além do peso considerado ideal. Ou seja, um pouco gorda. Um funcionário dos diários um dia perguntou ao chefe:
- Doutor Assis, o que o senhor que pode ter a mulher que quiser vê nessa mulher do povo?
A resposta dá uma pista sobre a verdadeira natureza do amor.
- Não é o que eu vejo meu amigo. É o que ela faz na cama.
É o caso de se perguntar; o que Camilla tem que Lady Di não tinha? Ou o que Camilla faz que Lady Di não fazia? Temo não encontrar resposta que me satisfaça. São os tais mistérios insondáveis da alma humana. A cama é, porém, uma boa pista. É o amor que fica...

Que pena...

À toa na vida

Sidney Borges
Estava acordado à noite pensando que isso que me aconteceu é uma grande complicação. Antes era só o trabalho de escrever. Agora é o trabalho e a volta de uma história tão antiga e recorrente como são antigas as cinzas do Vesúvio. Aquelas que soterraram Pompéia. Eu sempre quis tocar em uma banda de mariachis. Desde que a revelação se deu por completo os acontecimentos à minha volta tomaram rumos inesperados. Não devo pensar nisso nem me preocupar, mas minha vida mudou. O mundo é belo e vale à pena lutar por ele e sinto muito um dia ter de deixá-lo. Mas eu não faria isso sem ter tocado em uma banda de mariachis. Tenho predileção pela banda de Pancho, cujo avô lutou ao Lado de Pancho Villa e ficou surdo do ouvido esquerdo ao cair da mula ao cair da tarde. Piano. Vou tocar piano. Banda de mariachis com piano. Novidade. Gosto de novidades, ainda que sejam velhas novidades. Tequila. Hombre de Dios, tequila! Cojones! Soy loco por ti América, soy loco por ti de amores...

Políticos



Ajuda dispensada

Cláudio Humberto
Figura muito popular em Teixeira, município paraibano, Zé da Onça certa vez abordou João Agripino, que visitava a cidade:

- Preciso da sua proteção, governador.
- Ande direito e pode contar comigo - garantiu Agripino.
Zé da Onça dispensou:
- Precisa mais, não. Andando direito, não preciso da ajuda e ninguém.

Onde Andarás?

Política

Os três vetores fundamentais de uma campanha eleitoral majoritária!

1. Quem coloca a AGENDA que ganha a hegemonia no debate público. Um tema será o mais forte. No máximo dois. As demais sub-agendas se dirigem a públicos específicos. Biografia: procure Pippa Norris no Google.

2. PESQUISAS! As pesquisas não são feitas para saber quem está na frente. Estas você pode ler nos jornais. Elas são feitas para descobrir através de perguntas adequadamente feitas, sobre valores, sobre propostas... e através de cruzamentos, os seus e os dos demais candidatos competitivos, pontos fortes e fracos. Biografia: Samuel Popkin: O Eleitor Racional (Não traduzido. Só disponível em português em consultores).

3. COMUNICAÇÃO. É definir agenda e sub-agendas e convencer os eleitores delas. Seus instrumentos básicos são: pesquisa no diagnóstico e propaganda na divulgação. Biografia: Kathleen Jamieson (A comunicação na era eletrônica e O que você pensa saber de eleições e porque você está errado. Nenhum dos dois livros foi publicado em português. As traduções existentes são feitas por consultores). (Do ex-Blog do Cesar Maia)

Conjuntura

De polícia e futebol

Sidney Borges
O mundo está mesmo de pernas pro ar. Prenderam o chefe da polícia do Rio de Janeiro. Que se cuide o Donga, não haverá mais avisos pelo telefone. O preso é ex-chefe, o que abre um vasto leque de possibilidades, inclusive a de ventos modernizadores. E-mails. Sempre resta uma esperança Donga, não desanime, a mensagem virá, sempre vem, ainda que mude o veículo. Na carioca tem uma roleta para se jogar, mas no Maracanã o que se tem visto são as esperanças de um povo varonil indo pelo ralo. Depois do vexame do Flamengo agora é esperar que o Tricolor não repita a dose. Haverá algum tipo de maldição no estádio de Obdulio Varela, Schiafino e Gighia? Quem teria dado a ordem teje preso? Era assim que Garrincha arrestava o professor Carvalhaes, psicólogo da seleção de 1958 durante as sessões de aferição de QI. Felizmente ao terminar o encontro ele proferia: teje solto e assim o bom homem pôde terminar seus preciosos relatórios. Com base neles a seleção mostrou ao mundo o que é sambar com a bola no pé. Aleguá, guá, guá, hurra, hurra, Brasil! E vai aqui um recadinho para o Mino Carta. O Brasil é melhor do que a Itália. Muito melhor. Muitíssimo melhor.

Ricardão tá uma fera!

Japonesa é presa após viver um ano em armário de estranho

Proprietário desconfiou ao perceber que comida sumia da geladeira; mulher diz que não tinha onde morar

TÓQUIO - Uma mulher foi presa no Japão porque vivia dentro de um despensa na casa de um homem sem ele saber. A polícia japonesa disse ter encontrado Tatsuko Horikawa, de 58 anos, dentro de uma pequena área de despensa da casa com um colchão.
Tatsuko disse que não tinha outro lugar para viver. Segundo a polícia japonesa, ela teria vivido na despensa por cerca de um ano, mas não o tempo todo. O dono da casa, de 57 anos, disse ter ficado suspeito quando comida começou a desaparecer de sua geladeira. Ele instalou uma câmera na casa e chamou a polícia depois de ter visto imagens da mulher andando pelo local.

Leia mais

Nota do Editor - O adensamento populacional de certas regiões do planeta provoca esses fenômenos que atentam contra a ordem estabelecida. O sindicato dos amantes, (SIA), filiado à CUT, vai entrar com ação no STF de Tóquio contra o que considera um ultraje. Armário é lugar de amante. Lugar de "sem teto" é caixa de papelão. De preferência embaixo de um viaduto. (Sidney Borges)

Opinião

Para retornar à lógica da vida

Washington Novaes
Embora haja poucos assuntos tão importantes para o futuro da humanidade, não se esperam avanços decisivos na reunião dos representantes de 191 países que participam da Convenção da Diversidade Biológica, que termina hoje na Alemanha, após duas semanas de discussões. É preocupante, porque, como disse na abertura o ministro alemão do Meio Ambiente, Sigmar Gabriel, "clima e perdas da biodiversidade são os desafios mais assustadores da agenda global". Na Cúpula da Terra em 2000 se estabeleceu como meta chegar a 2010 com um processo já consolidado de reversão das perdas da biodiversidade, pelo menos 10% do planeta em áreas protegidas. Mas se está longe disso. Ahmed Djoghlaf, secretário-executivo da convenção, diz que "não é construindo cercas nos parques nacionais, para manter as pessoas do lado de fora", que se vai reverter o processo; será preciso assegurar "a interação de todas as espécies e seus ecossistemas naturais". Se isso não for conseguido, vai-se afetar toda a vida humana, entre outras razões, porque "dois terços das colheitas de grãos dependem de polinização por insetos ou de outros animais". E para ficar num só exemplo, a população de abelhas, um dos polinizadores mais importantes, já decresceu 25% na Alemanha e 70% no leste dos Estados Unidos.

Os representantes da sociedade na reunião explicitaram alguns objetivos prioritários a serem perseguidos. Entre eles, produção diversificada de alimentos na agricultura em pequena escala, essencial para a manutenção da biodiversidade agrícola e para resolver a "crise de alimentos" (no Brasil, a agricultura familiar ainda responde por mais de 60% da produção de alimentos para o mercado interno); medidas para evitar a competição entre produção industrial de agrocombustíveis e essa agricultura; respeitar direitos de povos indígenas e comunidades locais e repartir com eles benefícios advindos do conhecimento da biodiversidade; respeito ao princípio da precaução; evitar incentivos e subsídios a desmatamentos e monoculturas.
Leia mais

Manchetes do dia

Sexta-feira, 30 / 05 / 2008

Folha de São Paulo
"STF mantém pesquisa com embriões"
No terceiro dia de julgamento e após mais de 15 horas de discussão, o Supremo Tribunal Federal decidiu, por 6 votos a 5, pela constitucionalidade do artigo 5º da lei de Biossegurança, que permite as pesquisas com células-tronco embrionárias humanas no país. Prevaleceu a tese do relator do caso, ministro Carlos Ayres Britto, que votou pela liberação das pesquisas, sem a criação de novas restrições ou regulamentações. Os cinco ministros que discordaram da posição propuseram "correções" a alguma "deficiência" encontrada na lei. O julgamento fora retomado na quarta-feira. Ontem votaram Marco Aurélio Mello, Celso de Mello e o presidente do STF, Gilmar Mendes. Os dois primeiros decidiram seguir o relator. A sessão foi marcada por bate-bocas, como entre Celso de Mello e Cezar Peluso, que quis esclarecer que, ao contrário do que foi noticiado, seu voto, dado na véspera, não continha nenhuma ressalva à lei. Horas mais tarde, Peluso defendeu que figurasse na decisão final do STF que as pesquisas devem ser fiscalizadas, o que foi refutado por Mello.


O Globo
"PF diz que Garotinho chefiava quadrilha e prende Álvaro Lins"
O ex-governador Anthony Garotinho, atual presidente regional do PMDB, foi denunciado ontem pela Procuradoria Regional da República no Rio por formação de quadrilha armada. Ele é acusado de garantir politicamente a manutenção de uma organização criminosa que tinha o delegado Álvaro Lins, então chefe da Polícia Civil e atual deputado estadual (PMDB), como chefe operacional. O grupo usava a estrutura do estado para cometer crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e facilitação de contrabando, o que envolvia a máfia dos caça-níqueis e cotas em dinheiro a serem repassadas por delegacias. Álvaro foi preso em flagrante pela Polícia Federal, sob a acusação de usar parentes próximos como "laranjas" para esconder patrimônio ilícito. Houve ainda buscas em duas casas de Garotinho. Sete policiais civis, entre eles o delegado Ricardo Hallak, que substituiu Álvaro Lins na Chefia de Polícia, também foram denunciados. Escutas telefônicas comprovariam o envolvimento dessas autoridades.


O Estado de São Paulo
"STF libera pesquisa com embrião"
O Supremo Tribunal Federal (STF) liberou ontem a realização de pesquisas com células-tronco de embriões humanos. Por margem apertada, 6 votos a 5, o STF considerou que não fere a Constituição o artigo 5º da Lei de Biossegurança, que permite esse tipo de experimento para fins terapêuticos. A partir de células-tronco embrionárias, é possível reproduzir em laboratório qualquer tecido de corpo humano,o que representa esperança de cura para vítimas de doenças hoje sem tratamento. A decisão do STF pôs fim a três anos de embate judicial entre cientistas e religiosos que vêem nos experimentos uma agressão à vida. Os cinco ministros do Supremo vencidos na votação liberavam as pesquisas, mas sugeriram restrições capazes de comprometê-las. O julgamento do caso consumiu três dias de debates no STF e teve momentos de tensão. Os ministros Cezar Peluso e Celso de Mello chegaram a bater boca.


Jornal do Brasil
"Preso o ex-chefe da Polícia"
A polícia Federal prendeu o deputado estadual e ex-chefe de Polícia Civil delegado Álvaro Lins. Com outras 15 pessoas, entre elas o ex-governador Antony Garotinho. Lins é acusado de integrar uma quadrilha que teria usado a corporação para levar dinheiro, facilitar o contrabando e praticar corrupção. A prisão pode ser revista pela Assembléia Legislativa, já que o delegado tem imunidade. Outros seis policiais civis, entre eles Ricardo Hallack, sucessor de Lins, tiveram prisão decretada.

quinta-feira, maio 29, 2008

Mosca

Brasil

STF aprova realização de pesquisas com células-tronco embrionárias

da Folha Online
O STF (Supremo Tribunal Federal) aprovou nesta quinta-feira (29) as pesquisas com células-tronco embrionárias no país. O Supremo rejeitou uma ação direta de inconstitucionalidade contra o artigo 5º artigo da Lei de Biossegurança que permite a utilização, em pesquisas, dessas células fertilizadas in vitro e não utilizadas.
A ação foi proposta em 2005 pelo então procurador-geral da República, Cláudio Fonteles, que defende que o embrião pode ser considerado vida humana. O STF não chegou a proibir as pesquisas com células-tronco embrionárias, mas muitos pesquisadores ficaram receosos em continuar com os estudos, em razão do impasse jurídico.
As células-tronco embrionárias são consideradas esperança de cura para algumas das doenças mais mortais, porque podem se converter em praticamente todos os tecidos do corpo humano. Entretanto, o método de sua obtenção é polêmico, porque a maioria das técnicas implementadas nessa área exigem a destruição do embrião.

Leia mais

Composição

Imprensa

Lembrando Carlos Castello Branco

O ambiente dos grandes jornais é conservador?

As instituições são todas conservadoras, a Igreja era conservadora, agora deixou de ser; a universidade era conservadora, agora deixou de ser, está num processo de renovação muito grande; e a imprensa também era conservadora. A imprensa hoje é uma indústria, em que o lado empresarial é mais importante que o lado jornalístico, e o lado boêmio da imprensa praticamente desapareceu. O jornalista dissociou-se muito da empresa, antigamente o jornal era feito por um jornalista que queria influir nos acontecimentos, na vida do país, então havia muita identidade até entre a redação que se formava e a empresa do jornal, havia muita solidariedade. Hoje não há nenhuma solidariedade entre o jornal e os jornalistas, os repórteres e redatores, o sujeito trabalha para aquela empresa, mas não tem nada a ver com aquela empresa, Eu trabalho para o jornal do Nascimento Brito há 26 anos e não tenho nada a ver com ele. Trato muito bem, temos boa relação pessoal, mas eu não penso como ele pensa, ele tem os compromissos dele.

Alguma vez você foi convidado pelo Roberto Marinho para ir para O Globo?

Fui convidado, em condições desagradáveis, que não aceitei; foi no dia da renúncia do Jânio Quadros. Eu ia entrando no Palácio, saltei na garagem, ia para o meu Gabinete, já que era Secretário de Imprensa do Presidente, e ia anunciar a renúncia do Jânio. Então, encontrei o Roberto Marinho, na garagem. Ele tinha uma audiência marcada com Jânio para as três horas da tarde, aí eu falei: ‘Dr. Roberto, o senhor não precisa subir. Vou lhe contar aqui confidencialmente. O presidente renunciou. Eu vou anunciar daqui a pouco a renúncia dele.’ Ele disse: ‘Eu tenho que passar isso para o jornal.’ Aí eu contestei: ‘Eu lhe falei agora, confidencialmente.’ Aí ele disse: ‘Faltam só dez minutos.’ Eu disse: ‘Só às três horas, o senhor vai esperar.’ Aí ele me perguntou, ‘Você não quer trabalhar no Globo?’ Falei: ‘Não.’ Foi à única vez que ele me convidou.

Em Brasília os jornalistas acabam tendo uma intimidade grande com o poder, o que até complica um pouco, não? O Rio era assim também?

Não, o Rio era muito diferente, a gente se encontrava com os políticos na Câmara e no Senado, e isso acabou. A gente falava por telefone, mas não ia na casa um do outro. Era um fato excepcional a gente ir à casa de um político. Aqui não, aqui a gente vive na casa deles. Mas eu me retraí muito, raramente você vê um político na minha casa.

A Coluna do Castello, publicada diariamente no falecido Jornal do Brasil, foi provavelmente a coluna política mais influente que o Brasil jamais teve. Castellinho, como era conhecido, escrevia bem e conhecia a política e seus meandros como poucos. Nesses tempos em que aqueles que fazem análise política à esquerda e à direita, por essas bandas da Internet, costumam ter muito pouca informação e opinião de sobra ditada muitas vezes por alguns quilos de rancores pessoais, não custa lembrar como foi que se exerceu um dia este ofício. (Do Blog do Pedro Doria)
Pois que agora Carlos Castello Branco está online

Quem lê?

Uma visão dos acessos do Ubatuba Víbora

01. 29 May 13:31 Telemar Norte Leste S.A., Passos, Minas Gerais, Brazil
02. 29 May 13:32 Embratel, Prado, Bahia, Brazil
03. 29 May 13:33 Telemar Norte Leste S.A., Passos, Minas Gerais, Brazil
04. 29 May 13:38 Taubaté, Sao Paulo, Brazil
05. 29 May 13:42 Road Runner, New York, United States
06. 29 May 13:43 Brasil Telecom S/A - Filial Distrito Federal, Cidade Gaúcha, Parana, Brazil
07. 29 May 13:44 TELECOMUNICACOES DE SAO PAULO S.A. - TELESP, Caraguatatuba, Sao Paulo, Brazil
08. 29 May 13:45 TELECOMUNICACOES DE SAO PAULO S.A. - TELESP, São Paulo, Sao Paulo, Brazil
09. 29 May 13:48 COMPANHIA DE INFORMATICA DO PARANA - CELEPAR, Curitiba, Parana, Brazil
10. 29 May 13:49
Vivax S/A, Americana, Sao Paulo, Brazil

Resultado da porfia




O que restou de um par de óculos

Sidney Borges
Ontem meu fiel cão Brasil teve uma desavença canina com um canzarrão metido a besta. A história está contada em um post logo abaixo. No calor da pugna perdi os óculos de leitura e hoje o Gabriel, velho amigo da casa encontrou parte deles. Vou fazer um monóculo. Viver na Mata Atlântica em contato com a natureza tem seus percalços.

@ mas faz

Maluf diz que vai construir laje sobre rios Tietê e Pinheiros

da Folha de S.Paulo, em Brasília
O deputado Paulo Maluf (PP-SP) reuniu ontem em Brasília cerca de cem congressistas e dois ministros para uma feijoada em seu apartamento, na Asa Sul. Antes do evento, disse que, assim como Marta Suplicy (PT), centrará sua campanha à Prefeitura de São Paulo na questão do trânsito.
"Vou construir uma laje sobre os rios Tietê e Pinheiros, com oito pistas para o trânsito. Entrego a obra em quatro anos", afirmou Maluf, que depois refez a expectativa para a obra.
"Entrego em três anos. Se eu não resolver o problema do trânsito, nenhum deles [os outros candidatos] vai resolver."

Leia mais

Crônica

As delongas

Luiz Fernando Veríssimo
O cinema americano nos acostumou mal. Bastou a primeira briga no pátio da escola para descobrirmos que soco de verdade não era como soco em filme. Não produzia o mesmo ruído e a mão de quem batia sofria tanto quanto a cara de quem apanhava. Das brigas a soco do cinema, aquelas de demolir saloon, ninguém saía com mais do que alguns hematomas, que duas cenas depois já tinham desaparecido, e os punhos ficavam intactos. Nunca se viu uma luxação em filme americano.
Outra convenção do cinema desmentida pela realidade era que um golpe atrás da cabeça nocauteava qualquer um. Não falhava. Pop, e o cara ficava inconsciente pelo tempo necessário. Todo o mundo sabia exatamente onde, e com que grau de força, bater para obter o resultado desejado, em vez de matar ou apenas enfurecer.
Mas a expectativa mais irreal que o cinema americano nos legou foi a da justiça rápida. Não nos conformamos com a idéia de que o julgamento e a sentença não sigam o crime com a rapidez que se vê nos filmes, e atribuímos a demora à nossa condição de povo atrasado, dado a formalismos anacrônicos da diferença entre um paramentado tribunal brasileiro e um despojado tribunal americano — ou pelo menos um tribunal americano de cinema — só acentua.

Leia mais

Quase!

Na perna do vento

Sidney Borges
Decolamos de Marte no início da tarde com destino a Campinas. Quatro a bordo do acanhado Mooney. Na esquerda o dono do avião, Sauer, na direita eu e atrás o Souzinha e o Caló. Quando estávamos cruzando o Pico do Jaraguá o motor perdeu rotação e tossiu. Sauer checou os magnetos, imaginou que pudessem ter entrado em pane. Os indicadores de temperatura de cabeça de cilindro foram para o vermelho, começamos a perder altura. Por sorte ao lado havia a pista de Santana do Parnaíba. Quando já estávamos fazendo o circuito para pousar o motor encheu novamente, passou a funcionar redondo. Seguindo instruções da torre Marte subimos a 10 mil pés e retornamos em segurança. Sem saber de nada Kurt, sócio de Sauer no CGE decolou rumo à Ilhabela momentos depois. Na semana seguinte Sauer perdeu potência na decolagem e pousou de barriga na própria pista. Ele não tinha o hábito de drenar o tanque e como o avião ficava estacionado sob o Sol a água provocou as panes. Escapei por pouco. Anos depois meu amigo Pedrão me convidou para buscar o seu Mooney em Atibaia onde estava fazendo revisão. Pegamos carona no Arrow do Alemão e chegamos até a fazer o cheque de cabeceira para decolar. Nem é preciso dizer que eu próprio drenei o tanque duas vezes. Na cabeceira Pedrão, educadíssimo e encabulado me perguntou se eu ficaria chateado se deixássemos o avião em Atibaia para trocar a coifa do ar quente. Ele tinha trazido uma nova dos Estados Unidos. Retornamos de ônibus e combinamos que no dia seguinte iríamos buscar o avião e almoçar em Itú. Não foi possível, logo cedo fui chamado para substituir um professor doente no cursinho Universitário de Santo Amaro e não pude fazer companhia ao meu amigo. Ficou acertado que voaríamos de planador no final de semana. Ao chegar em casa à noite liguei a televisão. O jornal do SBT exibia um final de matéria, na tela a imagem de uma asa de avião fumegante ao lado de destroços calcinados. Deu para ler o prefixo. Era o Pedrão. Ninguém sabe o que aconteceu.

Frases

"Eu poderia viver recluso numa casca de noz e me considerar rei do espaço infinito..."

Shakespeare
Hamlet, Ato 2, Cena 2

Cyd Charisse

Cyd Charisse!

Sidney Borges
Certa manhã Deus passeava pelo Jardim do Éden contemplando as belezas da criação e em certo momento de enlevo, extasiado com a maravilhosa paisagem teve um insight. Tá tudo muito bom, tudo muito bem, mas eu preferia que você estivesse nuuuuuaaaaa... Peço desculpas aos leitores, a trilha sonora da cena bucólica não deveria ser essa. As árvores verdejantes, a grama verdejante, as borboletas esvoaçantes e colibris dando rasantes nos levam a cometer desatinos líricos. Vou colocar um pouco de pimenta no pudim desses caras, Deus pensou e obviamente por ser Deus ele sabia que no futuro haveria muitos desses caras. No momento decisivo o Éden tinha apenas um humano pronto e outro(a) em construção a partir de uma costela. Vou projetar a mulher perfeita. Depois de quase cinco mil anos de estudos, reuniões, protótipos e maquetes o século XX conheceu o par de pernas. Em toda a Galiléia de Galileu e até na Sonéia de Morfeu(?) não houve quem não comentasse. Melhor parar por aqui, excesso de criatividade matinal pode dar tilt. Com vocês: Cyd Charisse. Como sou um homem justo desejo que se um dia o considerado leitor naufragar em um desses Titanics da vida, que consiga nadar e atingir terra firme. E na manhã seguinte, ao explorar a pequena e ensolarada ilha do Pacífico descubra que durante a noite tempestuosa chegou mais alguém. Ela! Você não soube me amar... Você não soube me amar...

Dormindo venceremos


Eis o mané e a fera empalhada que o atacou

Jovem sonâmbulo leva 'mordida' de tubarão dentro do quarto

Garoto de 14 anos teve pele rasgada por cabeça de animal empalhada. 'Ele ficou com o tubarão grudado em sua cara por uns 15 minutos', disse a mãe

Um jovem morador da cidade de Dudley, na Inglaterra, foi vítima de um "ataque" inusitado de tubarão. Sam Hawthorne, de 14 anos, conseguiu a proeza de ser mordido por uma cabeça de tubarão empalhada, enquanto andava, sonâmbulo, em seu próprio quarto. Hawthorne trombou com a mandíbula exposta do animal, parte da decoração "náutica" do aposento do garoto. Alguns dentes rasgaram sua pele. "Parecia um filme de terror", disse a mãe do garoto, Susan, em entrevista ao jornal britânico "Metro". "Acho que ele ficou com o tubarão grudado em sua cara por uns 15 minutos", afirmou a mãe. Sam escapou do "ataque" com apenas uma pequena cicatriz no rosto. "Foi a experiência mais traumática da minha vida", disse. (Do G1, em São Paulo)

Opinião

A hora e a vez dos ideólogos

Demétrio Magnoli
O Conselho Sul-Americano de Defesa pode aspirar a um lugar de honra nos manuais de relações internacionais, como caso exemplar para estudo de uma política externa emparedada entre o imperativo do interesse nacional e os delírios ideológicos de uma esquerda que não aprende nada. Numa declaração contaminada pelo cinismo, Lula registrou que, ''dos 12 países, apenas a Colômbia colocou objeção''. Não seria porque, em seu esforço para derrotar as Farc, o Estado colombiano conta com o apoio dos EUA, mas enfrenta a hostilidade explícita da Venezuela e do Equador?

O interesse nacional brasileiro consiste em promover a estabilidade no entorno sul-americano. A Organização dos Estados Americanos (OEA), atravessada pela disparidade de poder entre os EUA e os demais Estados, não deveria ser um obstáculo à constituição de um órgão de segurança regional na América do Sul. Mas um órgão assim só pode existir com base no respeito à soberania dos Estados democráticos da região. Como pretender que a Colômbia se incorpore a um Conselho de Defesa incapaz de pronunciar uma condenação incondicional das Farc?
Politicamente, as Farc morreram quando, numa seqüência de ações terroristas, destruíram o processo de paz impulsionado pelo ex-presidente Andrés Pastrana entre 1998 e 2002. A eleição de Álvaro Uribe, sobre a plataforma de derrotar militarmente a guerrilha, representou uma decisão nacional. O governo Uribe prometeu desmantelar os grupos paramilitares de direita e está cumprindo o compromisso. Os golpes assestados pelo Exército eliminaram a capacidade de combate da guerrilha e a promessa de liberdade para os guerrilheiros que renunciarem às armas provoca fraturas generalizadas entre os insurgentes. As Farc só podem ser salvas pela interferência externa.
Leia mais

Manchetes do dia

Quinta-feira, 29 / 05 / 2008

Folha de São Paulo
"Brasil vai limitar terra para estrangeiro"
O governo prepara medida jurídica pra dificultar a compra de terras por empresas controladas por capital estrangeiro, relata Fernanda Odilla. Parecer da Advocacia Geral da União fixará limites às aquisições. As regras valerão para todo o país, mas o alvo principal é a Amazônia, onde estão 55% da área das terras em nome de estrangeiros. Na região, os estrangeiros detêm 3,1 milhões. De hectares - no país, 5,5 milhões.
"É preciso estabelecer regras urgentes porque há uma disputa mundial pelas terras brasileiras", diz o presidente do Incra, Rolf Hackbart, para quem as medidas são necessárias "por questão de soberania". Segundo ele, o interesse pelas terras no país cresceu diante da necessidade de produzir alimentos e buscar matrizes energéticas. Desde 2007, AGU revê o próprio parecer assinado em 1998 sobre o assunto.
O parecer extinguiu a necessidade de autorização para empresas estrangeiras sediadas no país comprarem terras. O consultor-geral da AGU, Ronaldo Jorge, disse no Senado em março não haver controle disso. Segundo ele explicou aos senadores, "as empresas estrangeiras se associam a empresas brasileiras e adquirem grandes extensões de terras sem que se possa estabelecer qualquer tipo de restrição".


O Globo
"Voto dúbio no STF põe em risco uso de células-tronco"
As exigências de ministros, como a garantia de manter a integridade dos embriões usados em pesquisas (processo considerado inviável por cientistas), alteraram a previsão de que a decisão sobre a constitucionalidade da Lei de Biossegurança seria tomada ontem, com resultado favorável aos que defendem o estudo de células-tronco. Após 11 horas de sessão, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), divididos, não conseguiram terminar o julgamento. A votação, foi interrompida e será retomada hoje.
Três ministros precisam votar e definir a situação. Quatro votaram a favor das pesquisas (Joaquim Barbosa, Ellen Gracie, Carmen Lucia e Carlos Ayres Britto). Mas os votos de outros quatro (Carlos Alberto Menezes Direito, Ricardo Lewandowski, Eros Grau e Cesar Peluso) foram considerados dúbios, pelas ressalvas que podem inviabilizar a lei.


O Estado de São Paulo
"Política industrial privilegia automóveis"
O Setor Automobilístico vai receber mais da metade dos incentivos fiscais concedidos pelo governo por meio da nova política industrial, informa repórter Marcelo Render. No total, as desonerações previstas para diversos setores da indústria, vão somar R$ 6,1 Bilhões até 2011. As montadoras de carros e os fabricantes de autopeças ficarão com R$ 3,2 bilhões, segundo cálculos do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). "Não é justificável uma concentração tão significativa dos incentivos em um único setor", diz o economista Júlio Sérgio Gomes de Almeida, coordenador do levantamento e ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda. Os incentivos vêm no momento em que o setor automobilístico bate recordes de produção e faturamento. Até agora, já foram, vendidos 1,1 milhão de carros em 2008, o que representa alta de 31% na comparação com o mesmo período de 2007.


Jornal do Brasil
"Congresso discute cota para rede pública na universidade"
Um projeto de lei em discussão no Congresso prevê a reserva de metade das vagas de instituições federais e estaduais de ensino superior para alunos da rede pública. A proposta virou tema de debate ontem na Câmara. O ministro da Educação, Fernando Haddad, saiu otimista: acha que pode ser aprovada na próxima semana. Com o novo modelo, negros e índios terão uma cota proporcional dentro dos 50% das vagas destinadas às escolas públicas.

quarta-feira, maio 28, 2008

Naqueles dias em que nada dá certo...

Dá tudo errado...

Sidney Borges
Encontro um amigo no meio da tarde. A pergunta não me pegou de surpresa, mais dia menos dia alguém iria fazê-la:
- Você não escreve mais sobre a política de Ubatuba?
- Escrever o quê? Respondi enquanto exibia um sorriso colgate. Não há nada de novo acontecendo. Posso falar das pretensões de alguns, das manobras de outros e dos boatos que circulam com a velocidade típica das notícias ruins. Mas nada há que seja comprovável, se a política é movediça, a política de Ubatuba é mais do que isso. Com um agravante, aqui os políticos não falam com a Imprensa.
Ontem fiz um apanhado dos acessos por volta das nove da noite. Naquele momento havia 10 internautas visitando o Blog. Somente dois eram de Ubatuba. A cada dia que passa cresce o número de acessos. A maioria dos novos visitantes é de fora do município. Com as convenções definindo quem é quem em junho voltarei a cobrir os acontecimentos da terra.
Hoje foi um dia daqueles, logo cedo tive contratempos para enviar contratos para São Paulo. Só depois de muita luta acabei conseguindo, mas perdi preciosas horas no ir e vir entre a redação e o correio.
Após o almoço saí para caminhar com o meu melhor amigo e este foi atacado por um canzarrão metido a valente. Por mais que eu me esforçasse para evitar o conflito não consegui. Como o meu amigo estava preso pela coleira, inicialmente levou desvantagem. Tive de soltá-lo e aí o valentão conheceu o que é bom. Fugiu com o rabo entre as pernas depois de levar uma boa coça. No alvoroço da contenda perdi os óculos de leitura. Sumiram. Talvez tenham sido abduzidos por algum extraterrestre presbíope.
Com essas e com outras, maio vai chegando ao fim. O momento da verdade se aproxima e como em Ubatuba tudo é deixado para a última hora, só na véspera da campanha ir para as ruas é que os candidatos vão pensar em se organizar. Com isso vamos assistir a mais alguns deprimentes espetáculos de amadorismo explícito. Quase eu ia me esquecendo: um dos computadores da redação pifou, o monitor do outro está flicando e o gravador de dvd não lê nada, então estamos funcionando pela metade, por isso estou acordando antes do nascer do Sol.
E tem gente que diz que é fácil!

Eleições 2008

Sr. Candidato, você já formou sua equipe?

Duda Mendonça
A eleição de Prefeito é a mais concorrida do país. São mais de 200 disputas e mais de mil candidatos. E, aqui pra nós, não tem nem gente ruim para fazer todas as campanhas. Quanto mais gente mais ou menos. Ou seja: Senhor candidato, procure formar a sua equipe o mais rápido possível, senão vai pagar mais caro e vai pegar a sobra das sobras.
p.s. - Veja, não tou querendo vender meu peixe, não. Garanto a você que não vou poder atender todos os que estão me procurando. É apenas um conselho com a melhor das intenções.

Brasil

Abram o microfone, aí vem o cantor!

Sidney Borges
Eu tenho apreço pelos humanos que caíram nas graças dos deuses e têm dons. Melhor ainda quando não imaginam ser eles próprios deuses. Costuma acontecer com freqüência. Obra e autor são coisas distintas, dou um exemplo: Edmund Wilson tinha o dom de escrever bem. E tinha como um de seus temas preferenciais as correntes políticas de esquerda nas quais incluía anarquistas e utópicos em geral que se posicionavam contra o establishment. Ninguém retratou tão bem a saga dos movimentos libertários, as derrotas, os sacrifícios, o idealismo e o sofrimento de tantos abnegados que deram a vida pela causa antes que Lênin descesse na Estação Finlândia para tomar o poder. No entanto eu não sugeriria a um comunista que convidasse Wilson para a sua mesa, apesar de tratar bem do tema esquerdas ele as odiava, era conservador, reacionário, um autêntico direitista. Edmund Wilson é um exemplo a ser observado, como eu disse antes nunca se deve confundir a obra com o autor. Nem sempre dançam no mesmo compasso. Por falar em Wilson, logo abaixo está postada uma música que fez muito sucesso na voz de Wilson Simonal. Digam o que quiserem dele, que foi dedo-duro, amigo de policiais do DOPS, que entregou colegas, para mim nada disso tem importância. Eu gostava do balanço, do swing, da malemolência e da técnica apurada de uma das mais belas vozes da música brasileira. Um cantor fenomenal que teve o azar de nascer em época errada. Wilson Simonal.

Wilson Simonal - Sa Marina

Frases

"Se o demônio com seus cascos e chifres chegar e disser: "Posso dar uma mão?" Eu respondo: "Entra em forma aí e vai ajudando". Ao mesmo tempo, direi a ele que não tente nos levar para o mau caminho."

Leonel Brizola (No contexto de alianças políticas)

Ubatuba

Políticas públicas em debate

Henrique Luís de Almeida
Nos dias 2, 3 e 4 de junho acontecerá a III edição do Seminário ’Políticas Públicas, Alternativas Sustentáveis para o Desenvolvimento e Participação Social do Litoral Norte Paulista’, que será realizado no Auditório da Universidade de Taubaté / Campus Ubatuba, das 18 às 22 horas.
O Seminário busca propiciar a democratização ao acesso à informações referentes ao desenvolvimento do Litoral Norte do Estado de São Paulo, envolvendo questões relacionadas ao planejamento e políticas públicas existentes, à propostas sustentáveis para o desenvolvimento da região e à participação da sociedade.
Neste ano o Seminário enfocará o saneamento básico, o uso sustentável e a gestão do ambiente marinho, bem como a participação social em Associações, Entidades Ambientalistas, Movimentos Sociais e Conselhos do Litoral Norte.
Segundo Alexander Turra, do Instituto Oceanográfico da USP, um dos organizadores do evento ’a compreensão dos impactos ambientais que um paradigma desenvolvimentista causou na região nas últimas décadas e das iniciativas governamentais e não governamentais de gestão costeira é fundamental para que a comunidade compreenda a situação atual em que o Litoral Norte se encontra e possa se mobilizar para promover as mudanças necessárias para o desenvolvimento econômico, social e ambiental’.
Ainda segundo Turra ’os caminhos e as instâncias de participação popular e as alternativas sustentáveis de desenvolvimento devem ser divulgados para que boas práticas ambientais e de cidadania possam ser replicadas’.
O Seminário é uma realização conjunta do Instituto Oceanográfico-USP, da Universidade de Taubaté / Campus Ubatuba, da Agenda 21 de Ubatuba, do Comitê de Bacias Hidrográficas do Litoral Norte de São Paulo, do Instituto Costa Brasilis – Desenvolvimento Sócio-Ambiental e da Associação Socioambientalista Somos Ubatuba – ASSU.

E conta com o apoio das secretarias municipais de Meio Ambiente e Educação, da CETESB e da Fundação Florestal.

Local: Auditório da Universidade de Taubaté
Av. Castro Alves, 392, ItaguáUbatuba - SP
Data e horário: Dias 02 à 04 de junho, das 18 às 22 horas


Programação

2 de junho
Políticas Públicas
Tema: Saneamento·
18h00 - Inscrições·
18h30 - Abertura do evento·
19h00 – Planos Municipais de Saneamento e Perspectiva de Investimentos Denise Maria E. Formaggia – CT San·
19h30 – Movimento de indivíduos não governamentais de alerta a poluição das praias– Regina Teixeira·
20h00 – Programa de Microbacias – Antonio Marchiori - CATI·
20h30 – Atribuições e Competências - Drª Elaine Taborda·
21h00 – Mesa Redonda.

3 de junho
Estratégias sustentáveis de desenvolvimento para o Litoral Norte
Tema: Uso Sustentável do Mar·
18h00 - Inscrição·
18h30 – Turismo Náutico - Eduardo Cardoso·
19h00 – Maricultura / Pesca - SMAPA·
19h30 – GT Marinas - João Carlos de Carvalho Milaneli·
20h00 – Gestão Participativa da APA de Guaraqueçaba - ICMBio Geraldo Ottoni
20h30 – Mesa Redonda

4 de junho
Participação Social e Educação Ambiental
Tema: Participação Social, Conselhos e Comitês do Litoral Norte·
18h00 - Inscrição·
18h30 – Diagnóstico dos conselhos participativos do Litoral Norte – Gestora Ambiental Caroline Ykuta - Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo·
19h00 – Diagnóstico das entidades sócio-ambientalistas do Litoral Norte – Bióloga Milena Pinto Rodrigues de Sousa - Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo·
20h00 – Diagnóstico das associações de moradores de bairro do Litoral Norte – Oceanóloga Priscilla Bosa - Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo·
20h30 – Educação Ambiental formal e as parcerias com a sociedade civil - Secretaria Municipal de Educação – Projeto Cuidágua na Escola - Henrique Luís de Almeida (ASSU)·
21h00 – Mesa Redonda·
22h00 - Encerramento do evento

Maiores informações

Por telefone: 3832-4066 (UNITAU), (11) 3091-6594 (Instituto Oceanográfico / USP)
Por e-mail: instituto@costabrasilis.org.br
Henrique Luís de Almeida
Programa de Gestão Costeira
ASSU-Ubatuba - www.assu.org.br

O que é o amor? Desordem química?

Ame e dê vexame!

Roberto Freire*
Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco, você levou para conhecer a sua mãe e ela foi de blusa transparente. Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina o Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no ódio vocês combinam. Então? Então que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.
Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai ligar e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário, ele escuta Sivuca. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem a menor vocação para príncipe encantado, e ainda assim você não consegue despachá-lo. Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Por que você ama este cara ? Não pergunte pra mim.

Você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes de Woody Allen, dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem o seu valor. É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura por computador e seu fettuccine ao pesto é imbatível. Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desses, criatura, por que diabo está sem um amor?
Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados. Não funciona assim. Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não-fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo à porta. O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão.

O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar. Costuma ser despertado mais pelas flechas do cupido que por uma ficha limpa. Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referências.
Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca. Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera. Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o amor tem de indefinível. Honestos existem aos milhares, generosos tem às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó.
Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é.
*Texto extraído do livro "Ame e dê Vexame", Editora Novo Paradigma

Nota do Editor - Esta crônica deliciosa tem como objetivo homenagear Roberto Freire, homem sensivel que morreu há poucos dias. (Sidney Borges)

Ubatuba em foco

Publicidade enganosa

Corsino Aliste Mezquita
Observamos alguns painéis de propaganda, elaborados pelos homens no poder, e espalhados por todo o município de Ubatuba. Tivemos a impressão de alguém ter pedido o juízo, o senso de análise crítica e o respeito à inteligência da população.
Ficamos surpresos ao tomar conhecimento do parecer favorável do DD. Promotor de Justiça, Dr. Percy José Cleve Küster. Imaginamos tenha sido enganado pelos ocupantes do poder e, após análise, a posteriori, venha a reconsiderar seu parecer.
Os painéis são publicidade indevida, neste momento, e agridem a verdade dos fatos e da realidade vivida pelo município de Ubatuba.
Neste comentário nos ateremos, apenas, aquele que leva o título de: “Congelamento e regularização de núcleos habitacionais”. Painel retratado, no “DE OLHO EM UBATUBA”, da revista virtual, “O GUARUÇÁ”, dia 26 –05-08.
Áreas foram congeladas. São de todos conhecidos os problemas causados pelos processos de congelamento e a gritaria e protestos de setores da população. Já a regularização de núcleos habitacionais está deixando a desejar. Tanto que, a DD. Promotora Pública do Meio Ambiente, Dra. Elaine Taborda D´Ávila, que não pode ser considerada opositora ao Sr. Eduardo de Souza César, assim se manifestou: “A Prefeitura precisa, com urgência, de uma melhor política habitacional e de um corpo maior e mais eficaz de fiscais deste setor. Não adianta nada dizer que congelou diversas áreas, se não dá seqüência ao processo de regularização destas comunidades e ainda se omite quanto à expansão imobiliária irregular nestes locais”. (SIC) (Correio Ubatubense. Ano I. N° 03. pg. 05).
As frases constantes, no painel, são de uma inverdade gritante. Assim consta:
“GARANTIA DE MORADIAS DIGNAS E DIREITO À TERRA REGULARIZADA”.
“CONSTRUÇÃO DE 48 MORADIAS PARA AS FAMÍLIAS QUE MORAM HOJE NA ÁREA DE RISCO”.
Quem recebeu moradias dignas e direito a terra regularizada?. Onde se encontram esses felizardos?. Onde se encontram as “48 moradias para as famílias que moram HOJE na área de risco”?.
Em reunião com vinte funcionários municipais efetivos, de diversas secretarias e da Câmara, perguntei se alguém conhecia as 48 moradias do painel. Ninguém sabia. “Isso é mais uma mentira de Eduardo!”. “Nestes três anos e cinco meses nenhuma casa foi construída ou entregue!” “As últimas foram entregues, no Taquaral-Vila Suré-, por Paulo Ramos”.
A conclusão a que podemos chegar é: “Famílias que moram hoje nas áreas de risco” vão continuar lá por muito tempo se dependerem das “dignas moradias” do Sr. Eduardo de Souza César. Isso se não derrubarem as que atualmente ocupam e os colocarem na rua da amargura. O burgomestre gosta construir casas localizadas “NA RUA DOS BOBOS, NÚMERO ZERO”, como poetizou o grande Vinícius de Moraes.
VIVA UBATUBA!. Sem dengue e sem caluniadores.
Hoje poderíamos acrescentar: Sem enganadores e mentirosos.
 
Free counter and web stats