sábado, fevereiro 02, 2008

Amazônia brasileira

O Globo global

Cristovam Buarque
Em outubro de 2000, publiquei em O Globo um artigo com o título “A Internacionalização da Amazônia”. Nele, repetia minha resposta a uma pergunta feita por um estudante norte-americano, em setembro daquele ano, em Nova York, durante um evento promovido pelo State of the World Forum. Ele estava sentado no chão, em frente à mesa que eu ocupava, levantou e fez sua pergunta. Não se sentou, esperou que eu me levantasse e quando comecei dizendo que era contrário, ele continuou: “não quero sua resposta como brasileiro, mas sim como humanista”.
Reorientei minha resposta, e disse que como ser humano era a favor da internacionalização da Amazônia, mas desde que internacionalizássemos também tudo o que fosse importante para a humanidade. As reservas de petróleo deveriam ser internacionalizadas, porque são tão importantes hoje como a floresta será amanhã. Os arsenais nucleares não deveriam ficar nas mãos dos Estados Unidos e de outros poucos países, deveriam ser internacionalizadas. A própria cidade de Nova York, onde está a sede das Nações Unidas, não deveria pertencer apenas aos Estados Unidos. O capital financeiro especulativo, que provoca fome, desemprego, destrói países inteiros com prejuízos maiores do que as queimadas da Amazônia, tampouco deveria ser de um particular. Defendi até que os principais museus do mundo fossem internacionais. Afinal, eles são os guardiões do patrimônio cultural da humanidade, tanto quanto a Amazônia é seu patrimônio natural.
Até as crianças do mundo deveriam ser internacionalizadas, o que evitaria que algumas morressem ou trabalhassem por terem nascido em um país pobre. E concluí dizendo que, como humanista, defendia a internacionalização do mundo, mas enquanto o mundo nos tratasse como brasileiros, a Amazônia deveria nossa. E só nossa.
Por alguma razão que não consigo explicar, o artigo caiu nas graças dos leitores e passou a circular na Internet. Foi traduzido espontaneamente em diversos idiomas, chegou a entrar na antologia dos “Cem Discursos Históricos Brasileiros”, preparada pelo Professor Carlos Figueiredo.
Porém, as versões da Internet contêm alguns equívocos: de que o evento aconteceu em uma universidade, quando na verdade foi em uma sala do Hotel Hilton de Nova York, na 6ª Avenida (só em novembro de 2007 fui convidado a falar sobre o assunto, na Universidade do Texas - Panamericana); de que o fato foi publicado em jornais norte-americanos, depois de ter sido ignorado por jornais brasileiros, quando na verdade, foi O Globo que o publicou, nesta coluna; até de que o autor seria o Chico Buarque – eu ficaria muito contente se pudesse trocar a autoria de todos meus artigos por qualquer uma das belíssimas músicas que ele compôs.
É comum que em minhas viagens, no Brasil e no exterior, pessoas me perguntem se eu sou, de fato, o autor desse discurso.
Há poucas semanas, fui visitar a base brasileira na Antártica. Durante escala em Punta Arenas – na margem do Estreito de Magalhães, no extremo sul do continente –, o Major Brigadeiro da Diretoria de Intendência do Comando da Aeronáutica, Eliseu Mendes Barbosa, chamou-me à portaria do hotel, para me mostrar o porteiro, que estava falando sobre o artigo, sem ter a menor idéia de que o autor era um dos hóspedes. Assim que regressei, uma rádio da França me colocou no ar, ao vivo, para debater o artigo com o locutor e pessoas que comentavam pela Internet.
A apresentadora Ana Maria Braga leu o artigo no início de seu programa, no Dia Nacional do Meio Ambiente. O ator Antônio Abujamra também o lê, no meio da sua peça “A Voz do Provocador”.
O fato é que um artigo publicado um certo dia em O Globo ganhou o mundo, graças à Internet e a alguns leitores que decidiram tomar seu tempo para reparti-lo com outras pessoas, criando um processo de sucessivas reproduções, como uma reação em cadeia.
Esse poder da Internet só faz mostrar que o mundo realmente precisa ser internacionalizado. Mas, enquanto não for, a Amazônia é nossa! Só nossa! (Do Blog do Noblat)
Cristovam Buarque é senador (PDT-DF)

Cidadania

A cultura infratora dos governantes

Ruy Fabiano no Blog do Noblat
A legislação eleitoral brasileira proíbe que o Estado promova, em ano eleitoral, “distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios (...), exceto nos casos de calamidade pública, de estado de emergência ou de programas sociais autorizados em lei e já em execução orçamentária no exercício anterior (Lei 9.504/97, artigo 73, parágrafo 10)”.
Não obstante a clareza do texto legal, que preserva programas em curso como o Bolsa-Família, mas proíbe a criação de similares em ano de eleição, o governo federal ignorou-o.
Editou, no final do ano passado, medida provisória que institui o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), que distribui bolsas com ajuda pecuniária.
O Pronasci, que começa a ser aplicado agora, abrange segmentos da população de 15 a 24 anos, envolvidos ou expostos à criminalidade urbana – mais especificamente, nos termos do que diz o inciso II, do artigo 4º da MP, “jovens e adolescentes egressos do sistema prisional, famílias expostas à violência urbana, vítimas da criminalidade e mulheres em situação de violência”.
Trata-se de imenso contingente que habita as periferias das cidades brasileiras – milhões e milhões de eleitores, que, em outubro próximo, vão escolher os novos prefeitos e vereadores.

Leia mais

TV Víbora: Discoteca do Editor

Bebel Gilberto. So Nice.

Pista

Pescador pode ter encontrado peça de helicóptero desaparecido que levava empresário

Plantão CBN
SÃO PAULO - Um pescador de Ubatuba, no litoral norte de São Paulo, pode ter encontrado destroços do helicóptero que levava o empresário João Verdi, presidente da Avibrás, indústria bélica, e sua mulher. O helicóptero está desaparecido há mais de uma semana, depois de ter levantado vôo de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, em direção à cidade de São José dos Campos, onde o empresário morava. O pescador encontrou uma peça que pode ser da aeronave.
A informação foi confirmada pela Divisão de Busca e Salvamento do Departamento do Controle do espaço Aéreo. A peça é apenas um indício de queda do helicóptero e ainda depende de uma avaliação mais minuciosa por parte de autoridades da Força Aérea Brasileira. Caso se confirme ser do aparelho que caiu, as buscas serão retomadas. Nas operações anteriores, foram usados helicópteros do Exército, da Polícia Militar e de amigos do empresário. Também foram usados barcos.
Leia mais

Brasil

Fantasioso? Sordido?

Diogo Mainardi em Veja
No Natal de 2005, recebi documentos sobre um pagamento de 3,25 milhões de reais da Telecom Italia a Naji Nahas. Tudo ali era suspeito. Um: o pagamento fora efetuado em dinheiro vivo. Dois: o carro-forte entregara o dinheiro na sede da Telecom Italia, em vez de entregá-lo diretamente a Naji Nahas. Três: Naji Nahas faturara 263.000 reais a mais do que o previsto em seu contrato de consultoria.
Passei toda a papelada a VEJA, que publicou uma reportagem sobre o assunto, seguindo o rastro daqueles 3,25 milhões de reais. A reportagem, baseada em fontes da própria Telecom Italia, dizia que o dinheiro fora entregue a um diretor da empresa, Ludgero Pattaro. Ele o enfiara numa maleta e, acompanhado por guarda-costas, encaminhara-se ao hotel Renaissance, onde o repassara a um destinatário de identidade desconhecida. Numa coluna publicada ao lado da reportagem, contei os bastidores do acordo secreto entre a Telecom Italia e o lulismo, sugerindo que aquele dinheiro teria sido usado para azeitar o relacionamento da empresa com o poder político.
O presidente da Telecom Italia, Giorgio Della Seta, classificou as denúncias de VEJA como "absurdas, fantasiosas e sórdidas". Ele afirmou ignorar o que Ludgero Pattaro fazia no hotel Renaissance com uma maleta cheia de dinheiro. Naji Nahas também contestou a reportagem, declarando ter recebido regularmente em seu escritório o valor de 3,25 milhões de reais. O caso parecia morto. Eu parecia absurdo, fantasioso e sórdido.
No Natal de 2007, ocorreu uma reviravolta. Recebi de presente mais um documento. Ele consta do inquérito da magistratura milanesa contra a Telecom Italia e confirma integralmente o que VEJA publicou dois anos atrás. Trata-se de um depoimento de Marco Girardi, diretor financeiro da Telecom Italia no Brasil, realizado no dia 11 de novembro passado. Ele confessou o seguinte:

• Giorgio Della Seta, aquele das denúncias "absurdas, fantasiosas e sórdidas", amigo de Lula e de Marta Suplicy, mandou-o preparar um pacote com 1,3 milhão de dólares em dinheiro vivo.

• Um carro-forte fez a entrega de 3,25 milhões de reais na sede da Telecom Italia. Ali mesmo, um cambista trocou os reais por dólares.

• Os dólares foram entregues a Ludgero Pattaro, assessor direto de Giorgio Della Seta. Ele acondicionou o dinheiro em pacotes de diferentes valores, enfiou-o numa maleta e dirigiu-se ao hotel Renaissance, repassando-o a algumas pessoas que Marco Girardi nunca vira.

• Alguns dias depois, Giorgio Della Seta mandou o diretor financeiro entregar mais 406.000 reais a Ludgero Pattaro, para um pagamento análogo.

Mas a história é ainda mais enlameada. Outro diretor da Telecom Italia, Marco Bonera, admitiu em juízo ter transportado 300.000 dólares a Brasília, para recompensar um grupo de deputados federais. A leitura da confissão de Marco Girardi mostra que aqueles 300 000 dólares, adiantados pela Pirelli como "despesas de viagem", fazem parte da transação com Naji Nahas.
Até 2006, a Telecom Italia foi a grande aliada do lulismo na batalha pelo espólio da Brasil Telecom. Um espólio que está para ser cedido à Telemar, por meio de um decreto presidencial. Ludgero Pattaro, o homem da maleta cheia de dólares, é candidato a uma das vagas no conselho consultivo da Anatel, que analisará o negócio. Absurdo? Fantasioso? Sórdido? Sim, tudo isso. (Trem Azul)

Opinião

Mostrem-se as caras

Mauro Chaves
Estamos criando uma sociedade de escondidos e covardes, em que a proteção é a máscara, a segurança é o disfarce e a garantia de integridade é a dissimulação. A juventude brasileira está aprendendo que para não se ser molestado ou para poder agir impunemente o melhor é não mostrar-se como é - ou mostrar-se como não é -, fugir da identificação e encobrir de todas as formas o próprio ato, a autoria. Na demolição geral de valores em curso, em que as avaliações se falsificam, os critérios se distorcem e o mérito é substituído por cotas, chegamos ao primado do esconso, ao apogeu da camuflagem, à glória da moita - em que feio não é roubar, mas ser visto ao carregar. A mais alta autoridade da República joga um papelzinho de bombom no chão, disfarçado, para ninguém ver - assim como, ninguém vendo, se depredam cabines telefônicas, se picham muros, se saca dinheiro público de cartões corporativos, se usa caixa 2, se ganham mensalões e mensalinhos, se leva dinheiro na cueca.

Em toda a celeuma levantada em torno da "guerra urbana" causada pelos motoboys, em que houve até tentativa (felizmente, frustrada) de se ofertar faixas privilegiadas para o transporte individual, em afronta à prioridade óbvia do transporte coletivo, falou-se de tudo - embora pouco do desastrado veto (de FHC) ao artigo 56 do Código de Trânsito Brasileiro, que proibia (como em qualquer país civilizado) as temerárias e mortíferas "costuras" das motos nas cidades -, mas nem se tocou no fator de maior incentivo à impunidade (quando não à criminalidade) no meio motociclista: o tipo de capacete que é uma máscara perfeita, verdadeiro salvo-conduto para os infratores, de todas as espécies, sobre duas rodas. A resolução do Contran que estabeleceu dispositivos de segurança para os capacetes dos motociclistas (faixas refletivas, selos de certificação do Inmetro, etc.) em nenhum momento cuidou da segurança pública, que depende da identificação dos que usam o espaço público. Em países civilizados se usa o open face helmet - capacetes que permitem "ver a cara" de seu portador, não se tornando um elmo mais escondedor e inexpugnável do que os medievais, maravilha para os bandidos.
Leia mais

Jogo limpo

TSE não permitirá drible à legislação nas eleições

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Marco Aurélio Mello, alertou os candidatos nas eleições municipais deste ano para que cumpram as regras da campanha. O ministro reafirmou que a Justiça Eleitoral continuará atenta aos casos de corrupção. “Disse na minha posse que não haveria tergiversação, que estaria excluído do cenário o famoso drible à legislação de regência. E assim nós prosseguiremos neste ano de 2008”, afirmou.
As declarações do ministro foram dadas em entrevista logo após o encerramento da sessão que abriu o ano judiciário de 2008, feita no Plenário da Corte. Ele citou um caso julgado nesta sexta-feira (1º/2), no qual os ministros do TSE rejeitaram liminar para manter no cargo um deputado estadual alagoano condenado por compra de votos.
Marco Aurélio também apelou aos eleitores para que votem de maneira consciente, já que são os responsáveis pelos respectivos representantes no Executivo e nas Casas Legislativas. Para o ministro, a obediência às regras é um “preço módico para se viver em um Estado democrático de Direito”.
Ele disse, ainda, que o tribunal vai dar prioridade ao julgamento dos 16 pedidos de decretação de perda de mandato eletivo com base na regra da fidelidade partidária. “Vão ter prioridade porque nós preconizamos na Resolução o encerramento desses processos em 60 dias. E o exemplo vem de cima, muito embora não pareça”, afirmou.


Prova do crime

No julgamento mais importante da primeira sessão judiciária do ano, o Plenário do TSE confirmou a decisão do ministro Ari Pargendler e rejeitou a Medida Cautelar ajuizada pelo deputado estadual Antônio Holanda Costa Júnior (PTdoB-AL). O parlamentar pediu a suspensão da decisão da segunda instância alagoana que cassou seu mandato e determinou a posse imediata do segundo suplente.

Leia mais

Nota do Editor - Assim como falhou a Linha Maginot, que deveria proteger os franceses das investidas alemãs, vão dar com os burros n'água as estratégias de compra de votos empregadas na última eleição. É dificil explicar aos "espertos" que houve mudanças e que a tentativa de "esperteza" vai resultar em impugnação, os velhos métodos estão aí, só não vê quem não quer. Samba de uma nota só, eis a melhor definição para a política ubatubense, acéfala, sem criatividade. Os resultados adversos começam a aparecer, muitos outros virão, é mera questão de tempo... (Sidney Borges)

(des)Educação

Alunos de 2ª série não sabem o que lêem

De Fábio Takahashi e Ricardo Sangiovanni na Folha de São Paulo
Uma prova aplicada nas escolas municipais de São Paulo em novembro apontou que cerca de 29% dos alunos da segunda série do ensino fundamental estão com um nível de aprendizado crítico. Não conseguiram nem responder às questões de português e matemática.
Na prática, segundo relatório da própria Secretaria de Educação, ao ler um documento, esses alunos não são capazes de identificar, por exemplo, que se trata de uma conta de água. Têm também dificuldades para entender o contexto de uma história em quadrinhos.
Os resultados da Prova São Paulo mostram também que boa parte dos alunos da quarta série (26,9%) também está muito abaixo do esperado para sua etapa de ensino.

Inquérito

Mensalão
Marcos Valério afirma que Silvinho disse a ele que Dirceu sabia dos empréstimos feitos ao PT

O Globo Online; Globonews TV; e Ricardo Galhardo - O Globo RIO, BELO HORIZONTE E SÃO PAULO
O empresário Marcos Valério afirmou nesta sexta-feira, em depoimento à Justiça Federal, em Belo Horizonte, que o ex-secretário-geral do PT Sílvio Pereira disse a ele que o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu sabia dos empréstimos feitos ao PT. Afirmou ainda ter ouvido do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares que toda a cúpula do PT sabia dos empréstimos, e que o dinheiro teria sido usado para o pagamento de dívidas de campanha. Em depoimento à Justiça Federal em São Paulo no mês passado, Dirceu disse que nunca soube dos empréstimos.
Leia mais

Manchetes do dia

Sábado, 02 / 02 / 2008

Folha de São Paulo
"Escândalo dos cartões de crédito derruba ministra"
O uso irregular do cartão corporativo derrubou a ministra Matilde Ribeiro (Igualdade Racial). Pressionada pela cúpula do Planalto a pedir demissão, ela não resistiu e entregou o cargo ao presidente Lula durante audiência no palácio. Logo após a conversa com o presidente, a ministra divulgou em entrevista sua decisão de pedir demissão, admitindo ter errado no uso do seu cartão corporativo -que utilizou inclusive durante período de férias, o que foi considerado no Planalto como a gota d'água para sua queda. Matilde tentou justificar seus erros alegando que sua secretaria, que tem status de ministério, não dispõe de estrutura adequada. "Erro, foi erro e aconteceu comigo", disse. A ministra vinha resistindo ao pedido de demissão. Mas foi atropelada pela divulgação sobre o uso do cartão num free shop (R$ 461,16), no aluguel sistemático de carros (mais de R$ 110 mil, sem licitação) e em seu período de férias (R$ 2.969,01), como revelou ontem a Folha. Matilde gastou R$ 171 mil com o cartão em 2007, a recordista entre os ministros.


O Globo
"Gastos com cartão derrubam ministra"
Sob pressão do Palácio do Planalto após o escândalo dos gastos de R$ 171 mil reais com cartão corporativo, a ministra da Promoção da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro, pediu demissão ontem, sem demonstrar arrependimento. Ela admitiu ter cometido "erro administrativo" e culpou a má orientação dada por assessores que demitira na véspera. Após a demissão, o PT emitiu nota de solidariedade à ex-ministra. Por carta, o presidente lamentou a saída e disse que se mantém intacta sua confiança em Matilde. Um assessor especial do gabinete do presidente gastou, com o cartão corporativo, R$ 114 mil em compras como vinhos e carnes.


O Estado de São Paulo
"Farra dos cartões derruba ministra"
A ministra da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro, pediu demissão ontem - desgastada pela revelação, feita pelo Estado há 19 dias, de que ela efetuou despesas de R$ 175 mil com cartão corporativo do governo. O Planalto divulgou carta na qual o presidente Lula diz ter aceito o pedido "com pesar". Na entrevista que anunciou sua saída, Matilde afirmou ter sido inábil no controle de gastos e classificou o deslize como "um erro administrativo". Ela culpou dois auxiliares por terem recomendado o uso do cartão para pagar hospedagens, refeições e aluguel de carros. "Não estou arrependida", declarou. Ativistas do movimento negro avaliam que a ministra errou, mas afirmam que sua queda está relacionada ao fato de ela ser negra e mulher. "Ela foi usada como bode expiatório", disse Dogival Vieira, do Movimento Brasil Afirmativo. O mais cotado para o lugar de Matilde é o deputado Édson Santos (PT-RJ), também ligado ao movimento negro. Reportagem da revista Veja revela que três servidores encarregados das compras para o Palácio da Alvorada e a Granja do Torto gastaram R$ 205 mil em 2007 com cartões corporativos. A cifra inclui despesas em supermercados, açougues e lojas de bebidas.


Jornal do Brasil
"Bebida dribla lei seca nas estradas"
A norma criada pelo governo federal para reduzir o índice de acidentes nas estradas nasceu morta. Ontem, no primeiro dia de vigência, ambulantes aproveitavam o engarrafamento na saída para o carnaval, em plena Via Dutra, e vendiam bebidas alcoólicas livremente, a despeito da presença de agentes da Polícia Rodoviária Federal. Os patrulheiros estiveram em postos de gasolina, restaurantes, shoppings e lanchonetes para checar o cumprimento da medida, mas não reprimiram o comércio clandestino. Ao desafio de vendedores e motoristas - havia quem dirigisse bebendo cerveja - somou-se a decisão da Justiça de Brasília, que concedeu liminar derrubando a proibição no Distrito Federal.

sexta-feira, fevereiro 01, 2008

TV Víbora: Carmem Miranda

"Chica Chica Boom Chic"

Aquecimento global

Deputado Mendes Thame em Ubatuba

No último dia 27, nas dependências da Câmara Municipal, aconteceu importante palestra sobre Aquecimento Global, proferida pelo professor e deputado federal Antonio Carlos Mendes Thame. Os temas de suma importância e as questões atuais chamaram a atenção do público. Mendes Thame é considerado um palestrante inovador, pois alguns temas polêmicos que envolvem a questão do aquecimento global não costumam ser abordados por especialistas e o deputado, profundo conhecedor da matéria, coloca com propriedade as diversas formas de diminuir a catástrofe anunciada. Mendes Thame discorreu sobre temas como escassez de água, derretimento das geleiras, sistemas de consumo, prejuízos ambientais, alimentos, desertificação entre outros.
Engenheiro Agrônomo pela ESALQ (USP), com mestrado em Economia Rural, Advogado e Professor, Thame é o representante da Câmara dos Deputados, da Conferência sobre Mudanças Climáticas, a COP-13 (13ª Conferência das Partes da Convenção do Clima da ONU), em Bali, na Indonésia. O deputado é ainda o presidente estadual do PSDB e tem realizado palestras em quase todo o País.

Charles Medeiros
Veredador

Ponto final

Após denúncias, ministra de Lula pede demissão

Ministra da Igualdade Racial é a campeã dos gastos com cartão corporativo do governo

Leonencio Nossa, de O Estado de S.Paulo
A ministra da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro, telefonou nesta sexta-feira, 1, para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para lhe pedir uma audiência e anunciou, em entrevista coletiva, sua demissão.
Na avaliação de assessores da Presidência, a situação de Matilde no governo é insustentável, depois de apontada como a recordista de gastos com o cartão de crédito corporativo, no ano passado.
Campeã dos gastos com cartão corporativo, a ministra prestou contas sobre suas despesas na quinta ao presidente.
Matilde foi sabatinada pelos ministros Dilma Rousseff (Casa Civil), Paulo Bernardo (Planejamento), Franklin Martins (Comunicação Social) e Jorge Hage (CGU). No diagnóstico do governo, ela cometeu "grave irregularidade" porque, além de tudo, contrariou a Lei de Licitações ao fazer compras num free shop.
O secretário-especial da Pesca, Altemir Gregolin, também foi chamado a dar explicações logo depois que Matilde deixou o Planalto. A situação dele, no entanto, é considerada aceitável pelo governo, já que seus gastos com cartão corporativo (R$ 21,6 mil em 58 roteiros de viagens realizadas em 2007) envolveram agendas de trabalho e técnicos da CGU não encontraram irregularidades.

Leia mais

TV Víbora: Vida Silvestre

Tucano bom de bola

Volta ao trabalho

Ano Judiciário começa oficialmente nesta sexta-feira

O Supremo Tribunal Federal e os tribunais superiores voltam a funcionar normalmente nesta sexta-feira (1/2), quando começa oficialmente o Ano Judiciário de 2008. Turmas, seções e o plenário do STF, STJ e TSE voltam a travar discussões para decidir as grandes questões judiciais do país — as que devem surgir neste ano e aquelas que ficaram pendentes do ano passado.
O Supremo Tribunal Federal começa o ano com milionárias disputas tributárias travadas entre contribuinte e fisco, pendentes de julgamento. Uma delas, iniciada no tribunal em 2003, trata do fim da isenção da Cofins para sociedades civis de profissões regulamentadas.
A questão já está praticamente definida: oito ministros entendem que a isenção não vale mais e um entende que vale. A angústia agora, principalmente nos escritórios de advocacia, reside em saber se a decisão do Supremo vai valer a partir de agora ou se vai ter caráter retroativo. Neste caso, quem deixou de pagar a Cofins nos últimos anos poderá ter de desembolsar altas quantias.

Leia mais

Nota do Editor - Excelente voltar hoje, sexta-feira, o melhor dia da semana. Tão bom que os ingleses costumam dizer: "Thank Good It's Friday". Amanhã por ser sábado é dia de descanso, bom para a varanda, os amigos, conversas sem fim e reflexões sobre as férias e a finitude da existência. E aposentadoria... (Sidney Borges)

Brasil

A caixa preta do cartão corporativo

José Negreiros no Blog do Noblat
A oposição, o TCU, a CGU e a CPI (que vai acabar resultando desse pântano dos cartões de crédito corporativos) podiam aproveitar a oportunidade e descobrir por que a Visa, via Banco do Brasil, opera sozinha nessa área. Vão acabar concluindo que é mais escandaloso do que a farra de Matilde.
Em 2006, outra empresa tentou vender aqui o sistema deles de cartão de crédito corporativo. Por pressão do BB levou um “não”. Nunca se esclareceu como a Visa ganhou de presente esse mercado sem licitação, nem sequer consulta à concorrência.
Há quem diga que foi por excesso de qualidade do produto concorrente. O outro software era mais detalhado, mais burocrático (no bom sentido), mais exigente, criterioso enfim. Por exemplo: não teria deixado Matilde pagar free shop, porque isso é obviamente um absurdo. O programa deveria fazer com que o cartão travasse a maquininha da loja.
Por que uma empresa de economia mista como Banco do Brasil pode morder sozinha um mercado tão expressivo quanto esse? Por que um sistema feito para dar maior transparência e controlar o gasto público se transformou no contrário?
Conta-se que o BB foi escolhido sem licitação porque é governo, tem integração com o SIAF e permite o saque a descoberto. Mas se não impede uma matildagem é pouco.
Apesar de o presidente Lula adorar uma pergunta sem resposta e a arenga marqueteira, nunca neste país uma explicação foi tão necessária. Em 2004, houve as primeiras denúncias de irregularidades, o senador Arthur Virgílio pediu explicações ao governo Zé Dirceu e nada aconteceu, como de hábito.
Agora que o presidente é Lula, é hora não apenas de mudar as regras para impedir o pagamento de chope com corporativo. É preciso achar os autores desse mesadão e cobrar o reembolso dos cofres públicos.
José Negreiros é jornalista

josenegreiros@terra.com.br

Grana da pesada

Microsoft quer comprar o Yahoo por US$ 44,6 bilhões

A proposta de US$ 31 por ação representa um prêmio de 62% em relação ao preço atual. Microsoft já tem plano para integrar os funcionários das duas empresas.

Do G1, com agências
A Microsoft fez uma proposta de compra do Yahoo nesta sexta-feira (1º) no valor de US$ 44,6 bilhões. O objetivo da empresa é aumentar sua competitividade no mercado de serviços on-line, e, principalmente, das ferramentas de busca.

A proposta de US$ 31 por ação representa um prêmio de 62% em relação ao fechamento de ontem da ação do Yahoo na Bolsa de Nova York, a US$ 19,18. Com a notícia, por volta das 10h (de Brasília), as ações do Yahoo! disparavam 54% no pré-mercado em Wall Street, cotada em US$ 29,70, enquanto a Microsoft recuava 2%, a US$ 31,95. Em comunicado, a gigante do setor de software informou que o acordo iria criar uma empresa mais eficiente, com uma sinergia total de US$ 1 bilhão por ano, com a geração de mais valor para os anunciantes e eficiências operacionais. A Microsoft também revelou que já tem desenvolvido um plano para integrar os funcionários das duas empresas.

Leia mais

Nota do Editor - Caso Bill Gates faça proposta semelhante ao Ubatuba Víbora, bato o martelo. Podemos até pensar em parcelamento. (Sidney Borges)

Ponto de vista

Mudanças no Tabuleiro Político em Ubatuba

Marcelo Mungioli
A temporada chega ao final e a temperatura, na política local, tende a subir.
Quem tem as pesquisas nas mãos não mostra os resultados, mas o boca a boca e as fontes mais confiáveis apontavam para o seguinte retrato do posicionamento entre os pré-candidatos em meados do mês de janeiro: Paulo Ramos (PDT) e Eduardo Cesar (DEM) em empate técnico, com Charles Medeiros (PSDB) em terceiro lugar.
Os dados mais importantes desta leitura seriam que o pré-candidato do DEM teria avançado primordialmente sobre o eleitorado de Ramos, que estaria desta forma, em curva descendente e aproximação de Charles Medeiros (PSDB), viabilizando o nome do vereador para a disputa pelo comando do Paço Anchieta.


A atual polarização vai explodir

O que transparece hoje, quando se conversa com várias lideranças, é que vários “arranjos eleitorais” estão prestes a ruir. O que se ouve de alguns partidos que estão alinhados com Eduardo, mesmo com membros de suas executivas empregados em cargos comissionados, é um sentimento de insatisfação com a falta de espaço para mostrar trabalho. Do lado de Ramos, o fato que parecia manter o grupo unido era idéia da “polarização”, que vem desmoronando com o avanço de Eduardo sobre os eleitores dele. A idéia latente em todos estes descontentes é a da construção de uma terceira via, que pode viabilizar-se na consulta do PSDB, uma vez que o nome de Charles Medeiros aparece incomodamente colado aos pré-candidatos declarados, sem que o partido tenha - oficialmente - avalizado o nome do vereador.

Fiel da Balança

No próximo dia 17, o PSDB realiza um consulta entre seus correligionários, decisiva para os rumos da próxima eleição. Mas, mesmo tendo conhecimento da “fotografia eleitoral” narrada no tópico anterior, os correligionários da Social Democracia ainda estão divididos, e em três posicionamentos distinto, a saber:
1) uma candidatura independente, posição defendida pelo vereador Charles Medeiros;
2) uma aliança com o PDT ou
3) até mesmo uma coligação com o DEM.

O PSDB anda para frente ou para os lados?

Diante do bom desempenho e da cristalização do nome de Charles Medeiros nas últimas medições, criou-se uma terceira via para as eleições de outubro. Só que uma terceira via que não interessa nem a Pedro Tuzino, nem a Sergio Caribé, que preferem investir em uma luta de bastidores, que pode levar o partido para alianças com o PDT ou com o DEM.
A aposta de Tuzino e de Caribé é na não realização da prévia do partido, para ganhar tempo, à espera de um fato político que lhes permita algum poder de negociação.
Do outro lado, apostando nas prévias, na lucidez do partido na leitura do momento histórico que se apresenta, Medeiros continua na luta, articulando um grande arco de alianças - políticas e empresariais - em torno de seu nome.

Barbeiragem




Colisão no taxiway de Abuja, Congo

Alguém dormiu ou recebeu uma ordem muito errada. Olhem como ficou o estado dos dois jatos, o 727 de uma empresa canadense e um Antonov 12 de carga de uma companhia congolesa. Pelo estado das duas aeronaves, acredito que o caminho para ambas é o desmonte para o aproveitamento do alumínio e outros metais. Mas como é a África, até isso é complicado. (Glide Slope)

Trânsito

Pacote propõe criminalização de motorista embriagado

Limite seria equivalente a uma lata de cerveja. Proposta vai à consulta pública

Lisandra Paraguassú
BRASÍLIA - Não será preciso provocar acidente ou cometer infração. Se depender das medidas que o governo federal pretende adotar, bastará o motorista ser pego dirigindo sob efeito de bebida alcoólica para ter cometido um crime. E não precisa beber muito para virar criminoso: pouco mais que uma lata de cerveja já deixa o motorista fora da lei. As novas regras de trânsito que o Ministério da Justiça vai pôr em consulta pública nos próximos 30 dias pretendem aumentar muito os valores das multas e tornar mais duras as penas. Os alvos principais são álcool e excesso de velocidade.
Depois da consulta, o pacote do governo seguirá para o Congresso, em regime de urgência. Se aprovado, o limite de álcool no sangue cai pela metade: do atual 0,6 grama por litro de sangue para 0,3. Pode haver variação de uma pessoa para outra, mas, em média, isso significa autorização para beber mais ou menos uma lata de cerveja.
Será mantida a possibilidade de o motorista se recusar a fazer o teste do bafômetro, mas sinais evidentes de embriaguez, com testemunhas, serão suficientes para pegar até 3 anos de detenção e ter a carteira de habilitação suspensa.

Leia mais

Mensalão

A corrupção esmiuçada

O mensalão, como se diz, não morre mais. Uma semana depois de o escândalo ser revivido, com as primeiras audiências judiciais dos integrantes da "sofisticada organização criminosa" de que falava o procurador-geral da República, considerados réus em memorável decisão do Supremo Tribunal Federal, os jornais se voltaram, na quinta-feira, para a ponta desse iceberg com o qual o Partido dos Trabalhadores (PT) colidiu, pondo irremediavelmente a pique a lenda do partido diferente-de-todos-os-que-estão-aí. O motivo do renovado interesse pelo episódio que representaria o começo do fim do esquema petista de compra de políticos - o flagrante de um suborno de terceira categoria nos Correios, em maio de 2005 - foi a notícia de que Polícia Federal (PF) havia concluído o seu relatório sobre o festival de lambanças na estatal. Por outra coincidência ainda, o mensalão não morre mais. O ex-secretário-geral do PT Sílvio Pereira reapareceu na mídia ao fechar um confortável acordo com a juíza Sílvia Maria Rocha, da 2ª Vara Criminal Federal de São Paulo. O acordo, como faculta a lei, suspendeu por três anos o processo contra ele por formação de quadrilha. (Para obter o acordo ele tacitamente confessou o crime.) Agora, porém, ele teve o desconforto de se ver novamente lembrado pela imprensa. Não poderia ser de outro modo. A investigação da PF, além de reconstituir o sistema de drenagem de recursos ilícitos para o PTB do então deputado Roberto Jefferson, chegou ao que o relatório final de 130 páginas se refere como "possível atuação de uma quadrilha comandada por pessoas ligadas ao Partido dos Trabalhadores, por intermédio de Eduardo Medeiros".
Leia mais

Manchetes do dia

Sexta-feira, 01 / 02 / 2008

Folha de São Paulo
"Pacote do governo propõe endurecer as leis de trânsito"
O governo federal anunciou um pacote de sugestões de mudanças no Código de Trânsito Brasileiro, com reajuste do valor das multas e punições mais rigorosas principalmente para quem dirige embriagado ou acima da velocidade permitida. Ele eleva, em geral, em 64,5% a quantia cobrada dos infratores -mas, em alguns casos, a multa poderá subir mais de 1.000% por conta do reenquadramento da sua gravidade. As propostas ficarão expostas no site do Ministério da Justiça (
www.mj.gov.br/sal) por 30 dias, desde ontem, para receber sugestões. O ministro Tarso Genro disse esperar que, após recebê-las, enviará as medidas dentro de 45 a 60 dias ao Congresso sob a forma de projeto de lei. Se aprovadas, serão a principal reformulação do trânsito no país desde a vigência do atual código, que completou dez anos. A justificativa do governo Lula para elevar as punições é frear as mortes no trânsito.

O Globo
"BC aperta crédito e avisa que os juros podem subir"
O Banco Central avisou, por meio da ata da última reunião do Copom, que pode subir os juros, hoje em 11,25% ao ano, caso a inflação não desacelere. Desde maio de 2005, a taxa não sobe. Preocupado com o consumo e a pressão sobre os preços, o BC anunciou ontem mesmo medidas para reduzir oferta de crédito: foi criado o recolhimento compulsório de até 25% sobre o que empresas de leasing aplicam nos bancos. Com isso, devem ser "enxugados" do mercado R$ 40 bilhões, reduzindo empréstimos.


O Estado de São Paulo
"Pacote limita a farra com cartões do governo"
O governo baixou ontem pacote para moralizar o uso de cartões corporativos por ministros e outras autoridades. Os saques em espécie ficarão restritos a 30% do limite de crédito de cada cartão e só poderão ser efetuados com autorização prévia. No ano passado, do total de R$ 78 milhões gastos com esses cartões, R$ 58 milhões foram sacados na boca do caixa. Ficará vetado, ainda, o uso de cartão para o pagamento de passagens aéreas e diárias de viagem. O aluguel de carros também não deverá mais ser quitado com cartão, a não ser quitado com cartão, a não ser em casos excepcionais. Entre agosto de 2006 e dezembro de 2007, só a ministra da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro, usou o cartão para pagar R$ 175 mil em aluguel de veículos. No Planalto, a situação de Matilde é considerada insustentável e aguarda-se que ela peça demissão. Como medida complementar, servidores ficarão proibidos de pagar despesas com dinheiro ou cheque e depois apresentar nota fiscal para ressarcimento. O pacote foi anunciado 18 dias após o Estado revelar que o gasto com cartões bateu recorde no governo Lula.


Jornal do Brasil
"Presidente da Comissão de Ética dá ultimato a Lula"
O presidente da Comissão de Ética Pública, Marcílio Marques Moreira, dá prazo até o fim de fevereiro para o presidente Lula afastar do cargo o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, que se nega a deixar a presidência nacional do PDT. A comissão declarou que o exercício das duas funções é incompatível: "Nós estamos repensando o que fazer para garantir o fortalecimento da ética pública em todo o governo. Mas se não houver uma posição (do presidente) sobre este caso, avalio a possibilidade de deixar o cargo", disse.

quinta-feira, janeiro 31, 2008

TV Víbora: Clássicos

As Time Goes By

Ubatuba

O uso de drogas em Ubatuba

O Conselho Municipal Antidrogas de Ubatuba (Comad) está realizando um levantamento sobre a situação do município de Ubatuba no que diz respeito ao uso de drogas lícitas - álcool e tabaco - e as ilícitas - maconha, crack e cocaína. O objetivo da pesquisa é desenvolver ações pontuais, voltadas para a prevenção, redução de danos à Saúde, que contempla o tratamento e reinserção social, além da redução da oferta, atuando na repressão ao tráfico de drogas e fiscalização. Para cada uma dessas ações, o Comad possui grupos de trabalho específicos.
Para termos uma idéia, ainda que aproximada, dos padrões de consumo de drogas na população de Ubatuba, esse levantamento está sendo realizado de modo a contemplar a maior diversidade de público possível. Para tanto, os dados estão sendo coletados em escolas, na Santa Casa de Misericórdia, através do registro das entradas, na Delegacia de Polícia, por meio das ocorrências, bem como com a população em geral.
Nessas circunstâncias, objetivando o levantamento dos dados relativos à população geral, firmamos no ano passado uma parceria com o Programa Saúde da Família pela qual seus agentes gentilmente foram disponibilizados para a aplicação de um questionário sobre drogas nos diversos bairros atendidos pelo PSF. O Centro de Atenção Psicossocial e Saúde Mental do município também colabora com a pesquisa, disseminando-a entre seus pacientes. Nossos agradecimentos aos coordenadores dos respectivos setores da Prefeitura, Sheila da Silveira Barbosa (PSF) e Arnaldo Batista Alves (Saúde Mental).
Vale ressaltar que este é um trabalho inicial e, de certa forma, superficial tendo em vista que obedece a uma metodologia simplória, mas possível nesse momento. Na medida em que o próprio Conselho for amadurecendo em suas ações, a credibilidade e a possibilidade de obtermos verbas consistentes permitirão a realização de um diagnóstico aprofundado mediante a utilização de metodologias mais complexas.

Os resultados


O resultado desse levantamento, ainda que parcial, é alarmante. Foram entrevistadas 147 pessoas no total. Desse total, 76,8% são do sexo masculino, 85% acima de 20 anos e somente 47,6% trabalham. Com relação ao uso de álcool, 69,3% usam, 27% não usam e 3,4% não responderam. Quanto ao tabaco, 76,8% são fumantes contra 23,2% não fumantes. Em relação às drogas ilícitas, 23,8% dos entrevistados declararam-se usuários, 62,5 % não usuários e 13,6% não responderam. Dos entrevistados que se declararam usuários de drogas, 54,2% declaram fazer uso de maconha, 2,7% declaram usar maconha e cocaína, 2,0% usam maconha e crack e 2,8% são usuários de maconha, crack e cocaína.
Com relação aos dados referentes às drogas ilícitas os números são altíssimos. No caso da maconha, o número expressivo de uso declarado pode ser indício da permanência do tabu e equívoco segundo o qual a maconha não é considerada droga por ser uma substância “natural”. Cabe ressaltar que, há tempos, a maconha está longe de ser uma droga natural. Estudos recentes apontam uma quantidade enorme de substâncias químicas agregadas ao fumo produzido com a planta cannabis sativa. Conceber a maconha como uma droga natural também conduz à idéia de que é inofensiva ao organismo, que é outro equívoco. Nesse caso também são fundamentais ações de esclarecimento e conscientização da população.
Embora seja apenas parcial, os dados acima seguem a tendência brasileira e mundial, nas quais podemos observar um número bastante elevado de usuários das drogas lícitas. Vale lembrar que, embora tendo consumo legalizado, causam danos à saúde do usuário, danos graves à sociedade e custos significativos para os serviços públicos de saúde.
Campanhas de esclarecimento e conscientização acerca dos malefícios provocados por ambas as drogas serão sempre bem vindas. No caso do tabaco, além dos esclarecimentos sempre necessários, podemos tentar implementar programas de tratamento visando o rompimento do hábito do tabagismo. No caso do álcool, as políticas públicas atuais estão direcionadas no sentido de promover o chamado uso responsável (para maiores de 18 anos, evidentemente), pois são concebidas tendo como pressuposto uma visão realista e possível.

O Comad


Projetos e programas interessantes, ações pontuais ou permanentes, são inúmeras as estratégias de atuação nessa área e exemplos bem sucedidos no Brasil e no mundo não faltam. O Conselho Municipal Antidrogas de Ubatuba está funcionando regularmente desde agosto de 2006. Estamos caminhando para ampliar tanto a ação deste COMAD, quanto a adesão e envolvimento do maior número possível de pessoas e entidades compromissadas com uma sociedade livre dos danos causados pelo uso abusivo de drogas.
Para que todos conheçam um pouco esse novo Conselho, ele se subdivide em três Grupos de Trabalho Permanente, ligados às ações de Prevenção, Redução de Danos à Saúde (tratamento e reinserção social) e Redução da Oferta (repressão ao tráfico de drogas e fiscalização). Além desses grupos que contemplam ações contínuas, estão previstos Grupos de Trabalho Temporário, de caráter eventual, montados na medida em que determinadas ações pontuais se fazem necessárias, muitas vezes inclusive para subsidiar as ações dos Grupos Permanentes.

Luciana Nunes
Presidente do Conselho Municipal Antidrogas de Ubatuba

Casa própria

Ubatuba terá novo conjunto habitacional

Foi aprovada no dia 29 de janeiro deste ano, a abertura do processo licitatório para a realização do empreendimento Ubatuba “F”. A pedido do Governador JOSÉ SERRA, todas as 144 unidades habitacionais que serão construídas terão 2 dormitórios e a infra-estrutura dos conjuntos será completa: calçadas, muros, quadra de esportes equipadas, ruas pavimentadas, paisagismo, energia elétrica, água e centro de apoio comunitário.
As obras serão executadas no bairro do Taquaral e todos os moradores poderão participar dos sorteios da casa própria, desde que preencham os requisitos exigidos pela CDHU, disponibilizado na página
www.cdhu.com.br. Dependendo do andamento das licitações, a construção do Conjunto Habitacional do Taquaral poderá ser iniciada ainda em maio deste ano.
Parabéns ao Governo do Estado que tem determinação e coragem de trabalhar para todos, inclusive para os carentes e necessitados. Ao nosso povo de Ubatuba que, após várias administrações municipais, não vê perspectivas de melhor saúde, mais empregos e moradias, fica aqui uma esperança de participar de um sorteio que poderá mudar suas vidas para sempre e “resgatar” de verdade um pouco de felicidade.


Boa sorte a todos!

Tato
Presidente do PTB de Ubatuba

www.ptbubatuba14.blogspot.com

Tríduo momesco

Carnaval de Ubatuba 2008: Vamos lapapraia, pessoal

Julinho Mendes
O Grupo O Guaruçá - Folclórico e Alegórico, que o ano inteiro faz folclore e cultura popular se apresentando nas festas comemorativas da cidade, escolas municipais e estaduais, em ruas, capelas, festas de bairros... sempre de forma voluntária, apresentando e cantando as lendas e a cultura de Ubatuba, neste carnaval vai reviver a "Lenda do Boi de Conchas", numa apresentação de apreciação fantástica, tanto para turistas como para locais.

- Em que lugar do mundo acontece de um boi sair do fundo do mar, coberto com conchas e seres marinhos?

Respondo:

- Somente aqui em Ubatuba!

Isso, se levado a sério pela Fundação de Arte e Cultura de Ubatuba (Fundart) e principalmente pela Secretaria Municipal de Turismo, numa visão inteligente, sem sombras de dívidas seria um grande e forte atrativo turístico para o Município. Por isso faço aqui um convite ao amigo prefeito Eduardo Cesar, ao secretário municipal de Turismo Luiz Felipe e ao presidente da Fundart Pedro Paulo Teixeira Pinto, para que venham presenciar um boi sair do mar: "O Boi de Conchas". Fico pensando que um dia a Baía de Ubatuba, navios transatlânticos irão aportar com turistas do mundo inteiro só para ver o Boi de Conchas saindo do mar, num grande espetáculo teatro-musical ao ar livre, com encenações no mar e em terra! Pensam que eu estou ficando louco? Isso acontece em Parintins - Amazonas (bois Caprichoso e Garantido), e em diversos lugares que investem nos valores culturais de suas terras. É só acreditar e investir de verdade no artista e na cultura local.

"Vamos Lapapraia, lapapraia pessoal. Hoje é domingo é noite de carnaval." Com esse refrão, a turma d'O Guaruçá, convida a população para brincar com o Boi de Conchas nesse domingo de carnaval (03/02). O boi vai aparecer por volta das 21horas, na praia de Iperoig, frente ao Cruzeiro, Centro, e sairá dançando pelas ruas da cidade, chegando ao coreto da Praça Matriz. Vamos!

Marchinhas Carnaval - 2008

Lapapraia
Julinho Mendes

Vamos lapapraia, lapapraia pessoal
Hoje é domingo é noite de carnaval bis

O guaruçá é um caranguejo amarelinho
Vive na praia dentro de seu buraquinho
E nessa noite vai cantar no lagamá bis
E esperar o BOI de CONCHAS pra dançar

Boi, boi, boi, BOI de CONCHAS
Saia do mar, faz o povo se alegrar
bis
Boi, boi, boi, BOI de CONCHAS
Traga consigo, a benção de Iemanjá


Todo mundo viu
Mariza Taguada

O Boi de Conchas saiu do mar
O povo pediu pro mundo alegrar

Todo mundo viu
Quando o Boi saiu
Do fundo do mar
Pro mundo alegrar

Vem, vem, vem, Boi de Conchas sai do mar
Vem, vem, vem, a criançada quer brincar

Todo mundo viu
Quando o boi saiu

Do fundo do mar

Ubatuba em foco

Deprimente

O triste fato ocorrido com o cidadão Ubatubense Bruno Carneiro Bastos, descrito no BO nº 0360, em muito entristece nossa comunidade. Uma desinteligência no trânsito, proporcionou um fato deprimente de agressão física, onde segundo o relato, o agressor é Secretário Municipal em Ubatuba, detentor da Pasta do Turismo. Aos familiares do Bruno, hipoteco meu apoio, e repudío de forma veemente a agressão ocorrida. Agressão física é uma das formas mais sórdidas de demonstração de força, é pura ignorância do ser humano.

Charles Medeiros
Vereador

Ser dialético

Juíza rejeita ação de Dirceu contra repórter da Veja

por Aline Pinheiro
Como homem público, José Dirceu tem obrigação de ser mais tolerante a críticas. Não se trata simplesmente de um conselho mas do entendimento da juíza Sirley Claus Prado Tonello, da 1ª Vara Criminal do Fórum de Pinheiro, em São Paulo, para rejeitar queixa-crime do ex-ministro contra o jornalista Fábio Portela Savietto, da revista Veja.
O jornalista é autor da reportagem intitulada O quadrilheiro no Banco Suíço, publicada em Veja de 10 de maio de 2006. Nela, ao tratar do mensalão, o jornalista chama Dirceu de “quadrilheiro” e atribui a ele a chefia da quadrilha do mensalão.
Para a juíza, não há crime de calúnia na conduta do jornalista. Primeiro porque há interesse público no caso relatado na reportagem. Além disso, reconheceu a juíza (
clique aqui para ler a decisão), para configurar crime de calúnia, o jornalista teria de imputar a Dirceu fato criminoso falso, o que não é o caso, já que ele se baseia na própria denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República.
Leia mais

TV Víbora: "Saudades de Londres"

Lighthouse Family - High

Brasil

Ainda o desmatamento

No diário britânico The Independent , o colunista Johann Hari defende uma versão amazônica do "plano Marshall" (numa referência ao esforço americano de reconstrução da Europa depois da Segunda Guerra). "A floresta não ficará de pé por discursos moralistas (e hipócritas). Vai ser preservada somente se os países pobres puderem receber dinheiro por isso", afirma. (Thomas Traumann)


Nota do Editor - Não seria má idéia a vinda de alguns bilhões de dólares para poupar nossas florestas. O problema em encontrar soluções é que o homem nasce com defeitos de fabricação e prefere guerrear. No decorrer das dificuldades inerentes aos conflitos o progresso surge, tem sido assim e assim será. Darwin tinha razão na evolução morfológica, não levou em conta a estagnação mental, quando não o retrocesso. No mundo "desenvolvido" há falcões que advogam ser a Amazônia uma região vital ao planeta e que deve ser internacionalizada. (Sidney Borges)

TV Víbora: Desmatamento

Ambientalista registra imagens de queimadas na Amazônia

Pense bem

Um último dia em sua vida

Caro leitor, hoje é o último 31 de janeiro de 2008 de sua vida. Talvez haja outros 31 de janeiro para você desfrutar, a vida é cheia de incertezas, quando menos se espera, catapimba e lá vamos nós rolando a escada abaixo, de forma homônima ao filho de Oswald. Confiando na máxima que coisas estranhas acontecem com os outros, aproveite este 31 de janeiro e compre flores para a namorada, afague o cachorro, tome sorvete e sorria. Não custa nada, as pessoas em sua volta vão gostar e acredite, isso fará bem a você. Essa é a melhor forma de se despedir de janeiro e começar fevereiro de 2008, ano importante em que teremos eleições. Não se esqueça disso, 2008 é ano eleitoral. Você está gostando? (Sidney Borges)

Opinião

Rejeição social ao tributo no Brasil

Ives Gandra da Silva Martins *
O recente pacote tributário - cuja constitucionalidade já se encontra em discussão perante o Supremo Tribunal Federal, em ação direta de inconstitucionalidade proposta por partido político - merece algumas considerações à luz da realidade tributária brasileira, das distorções do sistema, da viabilidade de uma autêntica reforma, sem prévia redução da esclerosada administração, e da falta de controle das despesas públicas de custeio.Em relação às medidas do início do ano, há pouco o que dizer, a não ser que terminaram por desmoralizar o presidente da República e sua equipe: esta, por se ter comprometido com a oposição a não aumentar tributos em troca da aprovação da Desvinculação de Receitas da União (DRU) e aquele, por ter declarado que não o faria. O aumento de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) é formalmente constitucional (pode o Executivo por decreto e sem respeito a princípio da anterioridade elevar os tributos, conforme o artigo 153, @ 1º, da Constituição federal), mas materialmente inconstitucional, pois foi esquecida a função regulatória do tributo, transformado em arrecadatório.

Leia mais

Tempos de aviação

Conversando com amigos

Olá caro Peter, como vão as coisas desse lado do planeta? Recebi o seu cartão de natal, estou respondendo quase no carnaval, o que se não é uma solução, pelo menos é uma rima. Quando você vier ao Brasil e tiver um tempinho, apareça em Ubatuba, mas venha antes da inundação. Dizem os fiéis de uma igreja local que o fim se aproxima. Felizmente não para todos, mediante a módica quantia de 10% dos rendimentos qualquer um pode ser salvo. Antes da onda, que não sei se divina ou diabólica, - o fim será através de uma onda - ainda estaremos por aqui, depois ninguém sabe. Há chopp. E varanda. E tempo. E disposição para falar... E ouvir...

Sidney Borges


A resposta

Meu caro e prezado amigo Sidão, que ótimo saber de você!

Você tem voado alguma coisa, ou só escrevendo?

Eu estou bastante contente com a minha decisão de voar e viver por estes lados, em TODOS os sentidos. Ninguém fala no fim do mundo por aqui, embora a religião seja referência para TUDO na vida Islâmica. O bom é que aqui nos Emirados Árabes são bastante liberais, ao contrário da Arábia Saudita, por exemplo, onde a vida de um Ocidental fica bem restrita.

Vendo este país progredir de uma Cultura Beduína analfabeta para o que é hoje em apenas 36 anos é um exemplo de que é possível conciliar o Islamismo com o mundo moderno, mas acima de tudo de que é possível enriquecer e também proporcionar justiça e progresso social para o povo. Estou completamente encantado com o cara que fez isso aqui, o Xeique Zayed Al Nahyan.

No mais estou voando B-777-300 novinho, um maquinão, com destinos no Sudeste Asiático e Austrália. Aliás, para a Brisbane (Austrália) farei o meu primeiro vôo semana que vem, um grande marco para mim, pois então poderei finalmente dizer que voei para todos os 5 continentes ao longo da minha carreira!

Mas é isso meu caro, como está a Susan? O que andas fazendo? Tem visto conhecidos? Eu tenho um GRANDE amigo ai em Ubatuba, Giuseppe Parini, que mora no Gaivotas e tem uma pousadinha a San Marino pertinho da casa dele. Ex-fazendeiro e ex-piloto e ex-cunhado do nosso amigo Cmte. Frank, que aliás adoraria um telefonema seu, se você tiver um tempinho.

Abraços e me mande os seus telefones, passei por aí com os meus filhos ano passado mas não tinha mais os seus tels...

Peter

Celebridades

No que se parecem

Luis Fernando Veríssimo no Blog do Noblat
No que Kaká e Tom Cruise se parecem? Os dois são admirados pelo que fazem e criticados pelo que acreditam. Não seriam criticados pelo que acreditam se não fossem artistas conhecidos com caras de bons moços. Um declara que pertence a Jesus, o que não deixa de ser elogiável nesta época em que tantos jogadores de futebol pertencem a empresários nem sempre escrupulosos, mas os líderes da sua igreja, a Renascer em Cristo, estão tendo que explicar à Justiça americana o que fazem com o dinheiro dos fiéis. O outro é hoje o mais conhecido adepto da cientologia, uma mistura de religião, filosofia e negócio de auto-ajuda que saiu pronta da cabeça de um escritor de ficção científica, entre outras coisas, chamado L. Ron Hubbard, nos anos 50. Ninguém teria nada a ver com a religião dos moços se eles não fossem celebridades e sua notoriedade não servisse para propagar suas crenças no mínimo discutíveis. Mas a discussão é boa: o que torna uma crença mais, digamos, exótica do que outra? É fácil lamentar a exploração da fé de certas seitas neopentecostais e ridicularizar as esquisitices da cientologia, mas todas as religiões do mundo exigem a mesma suspensão do bom senso dos seus seguidores. O que católicos, protestantes históricos, muçulmanos e judeus precisam acreditar para serem fiéis sinceros só perde em estranheza para as novas igrejas porque suas religiões são mais antigas. A mais jovem delas tem quatro séculos. Todas têm a respeitabilidade indiscutível que vem com a idade.
Leia mais

Desmatamento

Ministra e governador têm encontro tenso

De Anselmo Carvalho Pinto em "O Globo"
Em sua viagem a Mato Grosso, a ministra Marina Silva enfrentou uma saia justa numa reunião com o governador Blairo Maggi, ainda no Aeroporto de Sinop (MT). A polêmica se estabeleceu porque o governo de Mato Grosso não aceita os números divulgados pelo Inpe. O encontro foi tenso. Enquanto o governador insistia que não houve aumento no desmatamento, Marina afirmava que não mudará o decreto que estabeleceu 36 municípios onde está proibida a derrubada de árvores. Durante a entrevista, Maggi interrompeu Marina:
— Preciso falar agora, se não vou ficar com o chapéu na mão. Os dados de abril a setembro não estão corretos. Isso dá a Mato Grosso o direito de achar que os para frente também estarão errados.
— Não adianta essa discussão, e o governador tem a consciência do trabalho que ele fez para reduzir o desmatamento no estado — contemporizou a ministra.


Nota do Editor - Não vou entrar no mérito da questão, há variáveis que desconheço, apenas uma constante salta aos olhos, o ataque "xiita" ao agronegócio. Outrora se atacou com a mesma fúria os transgênicos, hoje comuns na paisagem agrícola da Banânia. O que me faz pensar que há fogo abaixo da fumaça é que não vejo dificuldade em evitar a devastação. Ontem visitei as áreas críticas via Google Earth, programa gratuito e instrutivo que qualquer cidadão pode baixar. Cabe ao governo contratar serviços semelhantes, há satélites que permitem a leitura de bulas de remédio soltas no chão da floresta. Parte do problema é herança da esquizofrenia representada pelo discurso que levou o PT ao poder e a realidade que é exercer o poder. Lula tem se saído bem, espero que encontre uma solução. (Sidney Borges)

Manchetes do dia

Quinta-feira, 31 / 01 / 2008

Folha de São Paulo
"Coronéis da PM afrontam governo do Rio"
Um dia após o governador Sérgio Cabral (PMDB) ter demitido a cúpula da Polícia Militar do Rio de Janeiro, um grupo de oficiais da PM reagiu e pediu exoneração de cargos de comando, ampliando a crise interna da instituição no Estado. Segundo o Grupo dos Barbonos -referência ao antigo nome da rua Evaristo da Veiga, onde fica o quartel-general da PM- 45 oficiais da PM de diversas patentes entregaram ontem cartas pedindo para deixar as chefias que ocupam. Querem a saída do secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, e a volta do coronel Ubiratan Ângelo ao comando da corporação. Em reunião no final da noite de ontem, em uma sala com cerca de 300 pessoas (entre oficiais, parlamentares e familiares de PMs), a Associação dos Militares Oficiais Estaduais do Rio, que congrega os líderes do movimento, amenizou o tom contra Beltrame, em carta a ser enviada ao governador. Enquanto na reunião de anteontem a saída de Beltrame era "exigida" no texto, na de ontem era "recomendada". A carta abre a possibilidade ainda de que, caso o secretário não seja demitido, fique fora das discussões sobre reajuste dos PMs. Os líderes do movimento dizem que no grupo há pelo menos 14 coronéis (posto máximo da hierarquia da PM) e 13 tenentes-coronéis que comandam batalhões. No total, a PM tem em seus quadros 2.631 oficiais, e cerca de 70 coronéis e mais de cem postos de chefia.


O Globo
"Coronéis mantêm o desafio com renúncia coletiva na PM"
A mudança no comando geral da PM não conseguiu contornar a crise na corporação. Um dia após a queda do seu comandante-geral, 45 coronéis e tenentes-coronéis desafiaram o governo do estado e entregaram seus cargos, de um total de 90 postos de comando. O governo do estado garantiu que o policiamento no carnaval não será prejudicado, mas pela manhã policiais de quatro batalhões ameaçaram cruzar os braços. O governador Sérgio Cabral negou que haja crise na PM e disse que "não é meia dúzia de membros que vai atrapalhar". Diante da persistência do clima de insubordinação, a posse do novo comandante, coronel Gilson Pitta, foi antecipada e pela primeira vez ocorreu a portas fechadas. Pitta não quis adiantar as mudanças que fará.


O Estado de São Paulo
"União Européia suspende compras de carne do Brasil"
A União Européia (UE) suspendeu ontem por tempo indeterminado a compra de carne bovina brasileira. O motivo foi a lista preparada pelo governo do Brasil de 2,6 mil fazendas supostamente aptas a atender às condições sanitárias exigidas pela UE. Após inspeções, veterinários europeus haviam concluído que apenas 3% das fazendas brasileiras estão nessas condições - cerca de 300. Entre as exigências está a necessidade de comprovação de que o gado esteja há mais de 90 dias em um Estado livre de febre aftosa. Paraná, Mato Grosso do Sul e São Paulo já estão fora da lista por causa da aftosa detectada há dois anos. Uma nova missão da UE será enviada ao País. O governo alega que todas as 2,6 mil fazendas cumprem as exigências e que não poderia eliminar a maior parte delas da lista. Relatório da Organização Mundial da Saúde Animal prestes a ser publicado deve agravar a situação dos exportadores, por apontar alto risco de aftosa no Brasil.


Jornal do Brasil
"Expurgo na PM"
Na posse do novo comandante da PM, coronel Gilson Pitta Lopes, a crise interna e a renúncia de 47 oficiais, 17 deles à frente de batalhões, forçaram a suspensão da tradicional formatura no QG. Para o governador Sérgio Cabral, o desafio forneceu a oportunidade para iniciar um expurgo, abrindo caminho para um conceito de segurança pública baseado em planejamento, redução de confrontos e aperfeiçoamento da tropa. Enquanto a PM discutia, 200 agentes da Polícia Civil ocuparam o Jacarezinho e a Mangueira. Na ação, nove suspeitos morreram, cinco ficaram feridos, 31 motos e quatro carros foram recuperados, armas, drogas e 650 engradados de cerveja falsificada apreendidos.

quarta-feira, janeiro 30, 2008

TV Víbora: "Musas de outrora"

Françoise Hardy - Ma jeunesse fout l camp


Dólares na mala

Casal Renascer responde no Brasil por evasão de divisas

O juiz Márcio Rached Millani, da 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, acolheu denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal contra Sônia e Estevam Hernandes, líderes da Igreja Renascer. Os dois responderão por evasão de divisas. A Igreja Renascer em Cristo divulgou nota na qual afirma que “não procede” a acusação do MPF.
Sônia e Estavam Hernandes foram presos no aeroporto de Miami, Estados Unidos, em janeiro de 2007. O casal entrou no país alegando que não levava moeda americana. Depois, segundo a denúncia do Ministério Público Federal, a bagagem foi revistada e a Polícia encontrou US$ 56 mil com o casal, escondidos entre os pertences.

Leia mais

Cultura

Polivalente, Ruy Castro fala de sua aventura pela ficção e do futuro da música

Jonas Lopes
“Saudades do século 20”, proclama o título de um dos livros de Ruy Castro, uma deliciosa coletânea de perfis de músicos, atores e atrizes que marcaram o século passado. Grande parte da obra do escritor e jornalista (nascido em Caratinga, Minas Gerais, mas carioca de adoção e paixão), na verdade, poderia ganhar esse epíteto. As principais manifestações artísticas e culturais do período, principalmente as de Brasil e Estados Unidos, passaram pela pena de Ruy: a bossa nova (“Chega de saudade”, “A onda que se ergueu no mar”), a literatura (“O anjo pornográfico”), o futebol (“Estrela solitária”, “O vermelho e o negro”), o Rio de Janeiro (“Ela é carioca”, “Carnaval no fogo”), Carmem Miranda (“Carmem”), a música dos grandes compositores americanos e o cinema de Hollywood (“Saudades do século 20”).


No romance “Era no tempo do rei”, lançado em novembro de 2007 pela Objetiva/Alfaguara, Ruy Castro viaja um pouco mais, até a chegada da corte portuguesa ao Brasil, e imagina um encontro entre um imberbe D. Pedro I e Leonardo, personagem eternizado por Manuel Antônio de Almeida em “Memórias de um sargento de milícias”. Em território mais conhecido de Ruy, chegou às lojas também no ano passado “Tempestade de ritmos” (Companhia das Letras), compilação de artigos sobre jazz e música popular brasileira e norte-americana que abrange cerca de três décadas de produção na grande imprensa.

Em entrevista ao Último Segundo, o jornalista fala sobre os dois livros mais recentes e sobre o futuro da indústria musical.
Leia mais

Tempo

Chuvoso, com melhora no decorrer do período...

O título lembra dois ingleses conversando, eles que têm no tempo um dos temas prediletos. Quando digo eles, incluo escoceses e irlandeses, que por favor ninguém confunda com ingleses, não é polido, na Escócia, depois de alguns uísques, não é sensato. Quem mandou Cromwell cortar a cabeça do Rei? Há boas razões para se falar do tempo nas Ilhas Britânicas, onde chove tanto quanto na Ubatuba de outrora, aquela idílica Ubatuba do final da década de 1960, quando comecei a visitar a cidade. Uma vez tive a petulância de conhecer Inverness no inverno, parece poesia concreta, mas não é, Inverness é a capital das Terras Altas da Escócia, as Highlands dos rótulos de uísque. O operador da agência de turismo disse baixinho para a moça do café:
- Esse brasileiro é maluco, vai para Inverness. A garota soltou um suspiro profundo e me olhou com ar de misericórdia.
Coisa de ingleses, pois Inverness é uma cidade muito bonita e fica perto do Lago Ness onde vive o monstro, que infelizmente não foi visto naqueles dias, dizem que no auge do inverno ele prefere as Bahamas. Bem, tudo o que foi escrito acima é conhecido na imprensa como nariz-de-cera, pois não vai direto aos porquês, aos quando, aos onde. O que eu queria dizer é que na noite passada tive de usar cobertor. Onde já se viu isso? Cobertor em janeiro em Ubatuba? Os tempos estão mudando, talvez com velocidade acima de minha percepção. Sou contra isso, eu preferia a Ubatuba de outrora, quente, calorosa, piscosa e chuvosa. Sinto saudades, não sei se da velha Ubatuba ou de mim quarenta anos antes das mudanças climáticas. Bom tema para refletir em dias chovosos... (Sidney Borges)

A ponderar...

Ratzinger: entre a fé e a liberdade de expressão

Juan Guillermo Tejeda - Direto de Santiago, Chile
Joseph Ratzinger é - a um só tempo - Papa e intelectual, duas condições que quase nunca se aplicam à mesma pessoa. Um pastor é uma coisa, um cérebro crítico ou ácido é outra muito diferente. Enquanto um Papa conhece a verdade e está seguro dela graças à fé, para um intelectual tudo está sujeito a revisão. Se Bento 16 é ou não um bom Papa, cabe aos fiéis decidirem. Já um intelectual, por sua vez, é avaliado por todos aqueles que pensam racionalmente.
O Ratzinger intelectual enfrentou muito debilmente os desafios que a defesa de suas idéias impõe. Convidado para falar pela universidade romana Sapienza, sua anunciada visita desatou a ira de um grupo de cientistas e estudantes. Já se sabe como são as coisas nas universidades públicas. Todos podem entrar e dizer o que querem, mas devem se arriscar a cometer erros, e talvez a receber alguns empurrões e tomates. Dentro das aulas da universidade não valem os cargos, sobrenomes, ou riqueza. O que conta são os argumentos. Pois bem, diante dos anúncios de que talvez nem tudo fosse aplauso, Ratzinger decidiu suspender a visita. Medida prudente para um Papa, mas complicada para um intelectual.

Leia mais

Política



'Exorcismo': suplente pede cassação de vereador

Fernando Diniz
O suplente de vereador Marcus Cunha (PSB), de Pelotas (RS), informou, nesta quarta-feira, que entrou com um pedido de cassação contra o vereador Cláudio Insaurriaga (PV), o Cururu, por falta de decoro parlamentar. No último dia 22, Cururu subiu à tribuna da Câmara de Vereadores com uma coroa de espinhos e fez um suposto ritual de exorcismo.
O ritual, segundo Cururu, era em protesto ao trabalho de magia negra colocado no porão da Câmara do município, quando foi colocado um caixão de 30 cm com bonecos de vodu, representando os membros da mesa diretora da câmara. O vereador subiu à tribuna e retirou os alfinetes cravados nos bonecos.
"Sou primeiro suplente e estava na sessão (da Câmara) quando ele fez aquele espetáculo triste. Todos vereadores falaram que iam protocolar o pedido de cassação e ninguém fez", disse Cunha. "Entrei com o pedido de falta de decoro como um cidadão; qualquer eleitor também poderia pedir", completou.

Leia mais

Justiça Eleitoral

Infidelidade em jogo

Diretório municipal pode pedir cassação de vereador

Como o diretório municipal é o principal interessado no mandato do vereador que saiu do partido, ele é parte legítima para pedir na Justiça a vaga de volta. O entendimento é do ministro Carlos Ayres Britto, do Tribunal Superior Eleitoral, que concedeu liminar, solicitada pelo DEM de Hidrolina (GO). Ele determinou que prossiga o julgamento da ação no Tribunal Regional Eleitoral de Goiás.
O diretório de Hidrolina, que ainda é apenas uma comissão provisória, havia entrado no TRE de Goiás para requerer o mandato do infiel Nilson Moreira Alves. O vereador saiu do partido no dia 24 de setembro de 2007, posterior a data-base do instituto da fidelidade estabelecida pelo Supremo Tribunal Federal.
O Tribunal regional arquivou o processo sem entrar no mérito. Alegou que o autor não tinha legitimidade ativa para pleitear a vaga.

Leia mais

Conectado

Golpe na rede

Site é responsável por e-mail falso enviado em seu nome

Ao oferecer um endereço de e-mail para se comunicar com seus usuários, o site assume o risco de esse e-mail ser falsificado. Por isso, pode ser responsabilizado quando há fraude. O entendimento é da 9ª Vara Cível de Brasília, que condenou o Mercado Livre a indenizar um de seus usuários, que caiu em uma armadilha na rede. Cabe recurso.
Segundo o juiz, apesar de o comunicado recebido pelo usuário ser falso, o e-mail era muito semelhante aos enviados pelo site quando é efetivada a compra ou venda de produto. A mensagem tinha a descrição e o código do objeto colocado à venda pelo usuário, portanto poderia facilmente enganá-lo. Para o juiz, o consumidor agiu com certa ingenuidade, baseado em propaganda do Mercado Livre, quanto à segurança, responsabilidade e invulnerabilidade da intermediação de compra e venda pela internet.
O autor da ação afirmou que pretendia vender um equipamento de áudio e o anunciou por R$ 2,8 mil no site. Ele contou que recebeu um e-mail informando o recebimento do pagamento e solicitando o envio da mercadoria para o endereço especificado. Surpreendeu-se, no entanto, quando o Mercado Livre comunicou-lhe que não havia sido feita nenhuma negociação relativa ao bem e que a mensagem recebida era falsa, pois não fora enviada pelo site.

Leia mais

Opinião

O ''''socialismo petroleiro'''' e a bolha das bolsas

Elie Habalián Dumat
Na segunda-feira 21 de janeiro, as bolsas de valores de todo o mundo viveram um dia de pânico. A crise sobre a qual se vem falando nos últimos meses parece ter sofrido o seu primeiro "pequeno" estouro. Quando à Venezuela, não obstante parecer que o fenômeno foi muito pouco sentido, os efeitos desta crise global em gestação prometem para o momento do parto realidades dramáticas que poderão produzir sobressaltados nos promotores do "socialismo petroleiro".

Com a receita produzida pelo petróleo foi possível realizar as chamadas "missões sociais" (Robinson, Barrio Adentro, Identidad, etc.) que se constituíram em fator-chave no resultado do referendo de 15 de agosto de 2004, pelo qual se buscava revogar o mandato constitucional do presidente Hugo Chávez. Tais "missões", juntamente com vários negócios na área petrolífera feitos com Cuba, tornaram possível transferir uma parte da receita para o resgate do socialismo do país irmão. Com a renda do petróleo, Chávez importa todo tipo de produtos e serviços que os "oligarcas" se negam a fornecer-lhe. Mas a receita petrolífera e o petróleo - tão caro para as populações da América Latina e do Caribe - podem acabar comprometendo lealdades na realização da "grande revolução regional".
Por isso é que, diante do fracasso dos partidos comunistas e operários na implementação do socialismo na União Soviética, na Europa Oriental, na China e na Indochina, Hugo Chávez e seus teóricos em economia e desenvolvimento socialistas (Jorge Giordani, Alí Rodríguez e Alberto Müller Rojas, passando por Heinz Dieterich, Rodrigo Cabezas e Haiman el Troudi, até chegar a Mari Pili Hernández, que também empreendeu um grande esforço, entre outros) dão uma "extraordinária contribuição" à formulação desse socialismo, acrescentando-lhe uma categoria mágica. Isto é, a receita do petróleo. Mas com uma condição: os preços do petróleo cru não podem baixar até 2021.
Leia mais

Ditadura

O assassinato de Jango na memória

Bruno Lima Rocha no Blog do Noblat
Uma história mal acabada ciclicamente sofre abalos. Um fato novo ou uma abordagem do assunto põe sobre a mesa as mazelas de um país sem memória, verdade e justiça. O pavio da Operação Condor foi novamente aceso a partir de uma repetição daquilo que já se sabia. Desta vez o mote foi o assassinato do ex-presidente João Goulart (Jango), ocorrido em 6 de dezembro de 1976, em uma de suas estâncias, localizada na cidade de Mercedes, província de Corrientes, região do litoral argentino. A forma de difusão foi um fato jornalístico com o potencial de se tornar um julgamento político. O tema ganhou mídia nacional no domingo 27 de janeiro, quando a Folha de São Paulo publicou a entrevista feita pela repórter da Agência Folha em Porto Alegre, Simone Iglesias, com o uruguaio Mario Ronald Barreiro Neira. Barreiro é ex-membro do grupo fascista Juventud Uruguaya de Pie (JUP), da falange paramilitar Garra 33, foi agente da ditadura e incorporado a polícia da Banda Oriental. Pertencia a um grupo de tareas, Gamma, encarregado da repressão política e utilizado na coordenação repressiva do Cone Sul. Em tese seu depoimento é válido.
Como muitos de seus colegas nos porões latino-americanos, Barreiro devotou-se a praticar como civil os conhecimentos que aprendera como homem de serviços. Eis o motivo de a entrevista haver sido realizada na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (PASC), localizada na Região Carbonífera, próxima de Porto Alegre. O ex-agente de inteligência deixara a polícia uruguaia, viveu alguns anos na fronteira seca entre a Banda Oriental e o Rio Grande mudando-se depois para Gravataí, na Grande Porto Alegre. Está preso por crimes comuns desde 1999.
Leia mais
 
Free counter and web stats