sábado, novembro 17, 2007

TV Víbora: "Hora do Mambo"

Homenagem aos quatro do PSDB, Caribé, Charles, Jija e Tuzino e também ao presidente Rogério Frediani e ao ex-prefeito Paulo Ramos. Avante tucanos...

Conjuntura

Que Dilma, que nada!

Paulo Ghiraldelli Jr
Terceiro mandato? O Estadão tem mostrado que há uma tendência entre os governantes da América Latina de sonhar com a reeleição. Hugo Chávez não vai fazer escola como viúva de Fidel Castro, pois ninguém mais quer saber de comunismo ou socialismo não-democrático, mas poderá influenciar outros colegas por algo bem mais atrativo: o continuísmo.A conjuntura mundial ajuda a América Latina a se imaginar menos pobre do que é e ilude todos os que querem ser iludidos - e quem não quer, não é? Então, não é difícil ver aqui e acolá alguns governantes, que estão grudados nas suas cadeiras também se iludirem. Pensam que não são tão ruins quanto verdadeiramente são e atribuem os índices de popularidade a si mesmos, e não ao contexto favorável em que vivem. Até os que prometeram que não seriam mais candidatos estão com uma terrível vontade de ver a população dizer que “em time que está ganhando não se mexe”. Isso vale para o Brasil?Lula vai jurar que isso não vale? Mas, entre quatro paredes, ele sabe que o PT não faz o sucessor. E sabe perfeitamente que, mantidas as condições atuais, só ele poderia salvar o PT não só da derrota eleitoral, mas de uma derrota que poderá ter implicações mais amplas. Pois, afinal, o desmando na administração pública continua e outro presidente pode não conseguir pôr tantos panos quentes quantos serão necessários para aplacar a vingança de várias pessoas que não foram bem tratadas pelo atual governo. E não é da oposição do PSDB que os governantes atuais devem ter medo no futuro. Nem mesmo dos mais à direita. Nem da extrema-direita, essa que fica fomentando preconceitos contra Lula em círculos de ricaços embalados pela falsa propaganda de si mesmos, pela qual se acham cultos diante de um presidente meio casca-grossa. O que pode acontecer com o PT fora do poder é outra coisa. Nossa sociedade não é mais tão controlável quanto Leonel Brizola imaginava que era. Pessoas simples podem estar guardando trunfos diante de um governo que não se poupou de escândalos.

Leia mais

Quizz



Premio acumulado

No próximo "Quizz com dois zês" serão dois cafés

Como ninguém ganhou a sorte grande, dou a resposta. Com vocês: Tim Maia... Difícil de acreditar, mas é a dura realidade, o tempo modifica... Ou seria melhor desconstrói? (Sidney Borges)

Em defesa do "democrata"...

PT critica "direita que planeja calar Chávez"

Brasília. Depois de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter saído em defesa do venezuelano, Hugo Chávez, no polêmico bate-boca com o rei da Espanha, ontem seu partido, o PT, atacou os críticos do ingresso da Venezuela no Mercosul e vinculou a monarquia espanhola ao fascismo.
Em artigo publicado no site do partido na internet, o secretário de Relações Internacionais do partido, Valter Pomar, frisa: "Para quem não lembra, a República espanhola foi esmagada por um levante fascista, que restaurou a monarquia":
"Depois da morte de Franco, Juan Carlos foi coroado e jogou um papel no mínimo controverso no processo de redemocratização", escreveu Pomar, que lidera a tendência mais à esquerda do PT.
Na Cúpula Ibero-Americana, ocorrida sábado no Chile, Juan Carlos mandou Chávez se calar quando o presidente venezuelano sustentava uma discussão com o primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, que defendia seu antecessor, José María Aznar, chamado de fascista por Chávez.
- Que autoridade moral tem um monarca para mandar calar a boca de alguém que foi eleito pelo povo? - perguntou o dirigente do PT. - Calar Chávez é o sonho de muita gente. Toda a direita, os reacionários do mundo, querem calar Chávez e se agarraram à frase do rei, um monarca que teve uma relação muito específica com o fascismo.
O dirigente do partido de Lula criticou ainda os parlamentares brasileiros que se manifestaram contrários ao ingresso da Venezuela no Mercosul, integrado por Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai. O processo de adesão venezuelana ainda não foi referendado pelos Congressos do Brasil e do Paraguai.

Leia mais

O perigo mora ao lado...

Lula: amor e temor a Chavez

Ruy Fabiano
O governo brasileiro – mais especificamente o presidente Lula - tem sido ambíguo em relação ao presidente da Venezuela, Hugo Chavez. Ao mesmo tempo em que o elogia e o classifica de democrata exemplar, determina ao ministro da Defesa, Nélson Jobim, que inicie em dezembro périplo pelo continente para desmontar a política armamentista venezuelana.
O receio é procedente. Num continente sem guerra, o que levaria um chefe de Estado – sobretudo um chefe de Estado com o perfil agressivo de Chavez - a investir a expressiva cifra de US$ 4 bilhões na aquisição de equipamentos bélicos de ponta?
Ao mesmo tempo em que assim age, Chavez anuncia que seu país entrará na corrida nuclear – e jura que é para fins pacíficos. O anúncio foi feito na França, esta semana. Na mesma entrevista, Chavez defendeu o programa nuclear iraniano, sustentando que tem também fins pacíficos, o que conferiu credibilidade ainda mais escassa às suas próprias juras antibelicistas.
A simultaneidade desses programas – o armamentista e o nuclear – é que os torna suspeitos. E Lula, que tem sido avalista político de Chavez no continente, põe suas barbas de molho, ao providenciar, discretamente, a Missão Jobim.
Ela consiste basicamente em “conter Chavez”, segundo confidenciou Jobim a um parlamentar amigo, que fez a inconfidência à Folha de S. Paulo. Numa palestra a militares no Rio, anteontem, por ocasião da celebração da Proclamação da República, Jobim sustentou a necessidade de uma política de defesa integratória no continente.
Não mencionou Chavez, mas claro está que não é essa a natureza da política armamentista do presidente da Venezuela, que se diz imbuído da missão de implantar no continente a revolução bolivariana, e que não hesita em intrometer-se na política interna de países vizinhos. Em relação ao Brasil mesmo, já fez referências desairosas ao Congresso que, ainda que merecidas, não lhe cabe, como governante de outro país, fazê-las.
É mais ou menos como o seu recente entrevero com o rei da Espanha. O rei, como chefe de Estado, não tem o direito de mandar outro chefe de Estado calar-se, sobretudo num fórum internacional, ainda que este esteja dizendo as mais cabeludas bobagens.
Compreende-se a fúria do rei espanhol, mas não lhe dá o direito de dirigir-se daquela forma a alguém que, goste-se ou não, representava ali a Venezuela e seu povo. Do ponto de vista diplomático, a gafe foi espanhola, possivelmente reflexo pavloviano de seu passado colonialista no continente.
Voltemos à ambigüidade do governo Lula. Tem sido a marca do presidente, sempre que se busca analogia entre seu projeto político pessoal e o de Chavez. Tudo o que Lula jura que não quer para si acha legítimo e democrático em seu colega venezuelano.
Diz, por exemplo, que é contra mais uma reeleição no Brasil, mas acha que Chavez tem todo o direito de pleiteá-las quantas vezes quiser, desde que obtenha aval popular. Basta haver consulta popular direta – por meio de referendo ou plebiscito – para que a democracia seja preservada. Se esse conceito vale para a Venezuela, como supor que ele, Lula, o rejeitaria se aplicado aqui?
Bastaria uma consulta popular para legitimar seja lá o que for - supressão de cláusulas pétreas constitucionais, inclusive. Para o presidente, democracia é isto: a vontade da maioria, o que, levado ao pé da letra, faria de Hitler e Mussolini democratas fervorosos. Não lhes faltaram maiorias – e ruidosas maiorias.
A mudança de regras no meio do jogo, valendo-se dos instrumentos de poder para garantir previamente o resultado de eventuais consultas populares, nada tem a ver com democracia. A coreografia pode até ser democrática, mas a essência não.
Democracia pressupõe liberdade de escolha, que, por sua vez, pressupõe que o eleitor dispõe de todas as informações para exercê-la. Chavez cassou a concessão da principal televisão venezuelana, constrangeu a imprensa, subjugou os poderes Judiciário e Legislativo e, nesse ambiente de terra arrasada, convocou plebiscitos e referendos para eternizar-se no poder.
Seu eleitor-padrão não dispôs de todas as informações para discernir e fazer uma efetiva e legítima opção. Agiu sob o influxo de intensa propaganda política. Chavez, com esse tipo de manipulação, inaugura uma modalidade inusitada de sistema de governo: a ditadura democrática. Perpetua-se no poder com o respaldo de um imenso curral eleitoral, mantido numa combinação de intensas ações populistas e assistencialistas e força militar.
Chavez não resolve o desafio da exclusão social. Serve-se dela. Investe no problema, não na solução. Nisso também guarda grande afinidade com as políticas sociais do governo brasileiro. Não se conhece, até aqui, o antídoto a esse veneno. (Do Blog do Noblat)

Manchetes do dia

Sábado, 17 / 11 / 2007

Folha de São Paulo
"Oferta cai e álcool sobe 9% em duas semanas"
A entressafra da cana-de-açúcar reduziu a oferta de álcool e já eleva os preços. Pesquisa da Folha aponta alta de 8,9% nos postos de São Paulo em novembro. Já o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da USP, indica alta média de 27% nas usinas. A pesquisa da Folha apontou ontem preço médio de R$ 1,245 por litro na bomba, ante R$ 1,143 no final de outubro.


O Globo
"Oposição convocará Pochmann para explicar expurgo no Ipea"
A oposição vai convocar o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Márcio Pochmann, para explicar no Senado o afastamento de quatro economistas da instituição. A cientista política Lucia Hippolito, co-organizadora do livro "Ipea - 40 anos apontando caminhos", classificou a decisão de Pochmann de "aparelhamento político e ideológico". O ex-ministro João Paulo dos Reis Velloso não quis comentar as mudanças, e defendeu que o órgão mantenha sua visão estratégica. Seu presidente, Márcio Pochmann, disse-se "ofendido" com interpretações de que há perseguição no órgão. Mas anunciou que está promovendo mudanças para "atualizar e reestruturar" o Ipea, a fim de que ele pense "a longo prazo". Pochmann afirmou que a diversidade de idéias no instituto poderá ser comprovada pelo conselho consultivo que vai implantar, com economistas de origens diversas - embora todos sejam ligados às idéias "desenvolvimentistas" que unem o PT ao pensamento econômico do regime militar: Delfim Netto, Maria da Conceição Tavares, Bresser Pereira e Gonzaga Belluzo.


O Estado de São Paulo
"Investimento estrangeiro sobe 81% em 6 anos"
Os investimentos estrangeiros no Brasil cresceram 81% nos últimos seis anos, período em que os investimentos brasileiros no exterior aumentaram 147%. Estudo da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet) revelou a tendência de forte internacionalização da economia brasileira, indicando que, no período de 2001 a 2007, os investimentos estrangeiros no Brasil passaram de US$ 372,06 bilhões para US$ 678,69 bilhões. Esse valor inclui investimentos diretos (IED, voltados para produção) e aplicações em ações e títulos de dívida, entre outros ativos. Em termos líquidos, porém, o chamado passivo externo do País avançou menos: 54,4%. Isso porque os investimentos de brasileiros no exterior mais que dobraram, passando de US$ 107,1 bilhões para US$ 264,6 bilhões em março de 2007, última posição divulgada pelo Banco Central. A Sobeet avalia que a vulnerabilidade externa brasileira se reduziu de forma "inegável".


Jornal do Brasil
"Governos não usam verba contra dengue"
A má gestão e a não-aplicação de recursos destinados à dengue estão entre as principais causas do aumento de casos da doença. Da verba nacional de R$ 64,2 milhões destinada pelo Ministério da Saúde ao combate à dengue, apenas 24,8% tinham sido efetivamente aplicados até o fim de setembro. No Rio, a situação é a mesma. A Secretaria Municipal de Saúde reteve verbas que poderiam minimizar a incidência do mosquito Aedes aegypti. Da despesa originalmente prevista - R$ 4,6 milhões - apenas um terço acabou sendo usado.

sexta-feira, novembro 16, 2007


Deu na Folha

Vale para Chávez, vale para Lula

Clóvis Rossi
Depois que Luiz Inácio Lula da Silva decretou que era "bravata" tudo o que passou a vida dizendo quando estava na oposição, o bom senso recomenda que se tomem com pinças todas as suas declarações. Podem ser desclassificadas depois, ao sabor das conveniências. É o que acaba de ocorrer com a sua tese -de resto correta- de que é "brincar com a democracia" a tentativa de seus bajuladores no PT de forçar um terceiro mandato.
Todas as declarações que Lula fez anteontem a propósito dos esforços de seu amigo Hugo Chávez para perpetuar-se no poder servem, à perfeição, para o próprio Lula.
Se ninguém reclamou de que François Mitterrand, por exemplo, ficou 14 anos na Presidência da França, por que deveria reclamar se Luiz Inácio Lula da Silva ficar 12 anos na Presidência do Brasil (ou 16 ou 20 ou até morrer)?
Claro que o argumento parte de uma premissa falsa. Mitterrand não mudou as regras do jogo com ele em andamento para permanecer 14 anos no Eliseu. A regra era um mandato de sete anos com direito à reeleição. Ponto.
Se também ninguém reclamou por Felipe González ter ficado 14 anos como presidente do governo espanhol, ninguém deveria reclamar se Lula ficar um pouco mais ou um pouco menos, certo?
De novo, a premissa é falsa. A regra do jogo na Espanha é o parlamentarismo que pressupõe, sim, reeleições indefinidas, mas com a hipótese de um voto de desconfiança derrubar o governante até no primeiro ano, sem qualquer trauma, o que não acontece no regime presidencialista.

Lulices

Presidente confunde alhos com bugalhos (de novo!)

Do blog da cientista política Lúcia Hippolito:
"As mais recentes declarações do presidente Lula merecem alguma reflexão, sem passionalismos nem partidarismos.
Esperamos todos que tenham sido palavras resultantes de boa-fé – e muita desinformação.
Em primeiro lugar, a tal democracia venezuelana. Afirma o presidente que não se pode criticar Hugo Chávez por falta de democracia na Venezuela: “...já teve três referendos, já teve três eleições não sei para quê, quatro plebiscitos, ou seja, o que não falta é discussão.”
Expurgando-se o exagero retórico do presidente, referendos e plebiscitos não são sinal de democracia. Ditaduras também convocam referendos e plebiscitos – o que vem mais rapidamente à memória é o convocado pelo general Pinochet, em meio à feroz ditadura chilena.
Quanto às eleições, basta lembrar a ditadura brasileira, que durante 21 anos manteve eleições para o Congresso, para as Assembléias Legislativas e Câmaras Municipais, além de eleições para milhares de prefeitos em todo o país.
Dessa forma, os militares brasileiros representavam para o mundo a mímica da democracia.
Sinais de democracia são, além evidentemente, de eleições livres e limpas; instituições sólidas; justiça ao alcance de todos; poderes harmoniosos e independentes; imprensa livre; ética no trato da coisa pública; impessoalidade na administração pública; meritocracia; respeito às posições da oposição; alternância no poder – entre outros atributos de um regime democrático.
Mas o presidente não parou aí, em sua confusão de alhos com bugalhos, de germano com gênero humano.
Misturando presidencialismo com parlamentarismo, sua Excelência afirmou que ninguém reclamou da longa permanência de Margareth Thatcher, Felipe González, François Mitterrand e Helmut Kohl no poder.
Só para não confundir ainda mais: Thatcher, González e Kohl foram primeiros-ministros em sistemas parlamentaristas.
Mitterrand foi presidente da República francesa (1981-1995).
Vamos por partes. No parlamentarismo, não há mandatos fixos. O primeiro-ministro permanece no poder enquanto conta com a confiança do Parlamento.
Há casos de primeiros-ministros eleitos pelo povo – são raros –, mas mesmo estes só permanecem no cargo enquanto contarem com a confiança do Parlamento. É da natureza do sistema parlamentar.
No presidencialismo, ao contrário, os mandatos são fixos. Têm data para começar e para terminar.
E os presidentes só podem ser apeados do poder por um golpe de Estado ou por um processo legítimo de impeachment – instrumento doloroso, que é utilizado muito raramente pelos países presidencialistas.
A duração do mandato presidencial (com reeleição ou não) varia muito, de país para país. Nos Estados Unidos, o presidente tem direito a dois mandatos de quatro anos – e é só. Depois, nunca mais poderá se candidatar a presidente novamente.
Na França, o presidente era eleito por sete anos – caso de Mitterrand –, mas podia ser reeleito quantas vezes quisesse, ou o eleitorado agüentasse.
Uma emenda constitucional votada em 2000 – e aprovada em referendo – diminuiu para cinco anos o mandato, mas a reeleição continua livre.
No Brasil, a população foi às urnas em 1993 escolher o sistema de governo. E escolheu o presidencialismo.
Escolheu que quer eleger seus governantes para um mandato fixo, com data para entrar e data para sair.
Por enquanto, a Constituição brasileira determina que o mandato seja de quatro anos, com direito a uma reeleição.
Portanto, se o presidente Lula gosta de mandatos longos, que proponha a mudança do sistema.
No parlamentarismo, o primeiro-ministro competente pode se eternizar no cargo.
Mas o incompetente pode ser apeado dele rapidinho.
Já no presidencialismo, o presidente pode ser incompetente à vontade, que só sai no dia marcado.
Impeachment é muito fácil de propor, mas muito difícil e doloroso de implementar". (Do Blog do Noblat)

Política

Folguedos democráticos

Ontem aconteceu uma reunião política na residência do senhor Messias, membro do diretório do PSDB de Ubatuba. No horário estipulado para o início dos trabalhos, 17:00h estavam presentes, além do anfitrião, os senhores: Arimar Vieira, membro do Diretório e da Comissão de Ética do PSDB, Cícero Assunção, membro do Diretório do PSDB e Paulo Ramos de Oliveira, ex-prefeito de Ubatuba, presidente do PDT local e pré-candidato à sucessão de Eduardo Cesar. Às 17:40h juntou-se ao grupo o senhor Sérgio Caribé, pré-candidato pelo PSDB, que tem também como pré-candidatos Charles Medeiros, Josias “ Jija” Sabóia e Pedro Tuzino, este um tanto ausente, mas deixando evidente sua influência na política local.
Também estiveram presentes, ainda que por alguns instantes, o vereador Charles Medeiros, líder da bancada e membro da Executiva do PSDB, Gilmar Rocha, secretário municipal do PSDB e Leonardo Rocha, membro do Diretório do PSDB e pré-candidato a vereador. Segundo o Ubatuba Víbora apurou estes últimos foram ao local verificar se a reunião aconteceria e qual a sua finalidade. A chegada provocou uma exclamação de Paulo Ramos: vazou, a reunião vazou. Assim que os três partiram juntou-se ao grupo o senhor Rogério Frediani, presidente do Diretório do PSDB de Ubatuba.
Sem entender o significado das palavras do ex-prefeito, - o quê teria vazado? - liguei para o senhor Sérgio Caribé para saber detalhes.
Ele disse que a reunião de fato aconteceu e tratou de problemas de Ubatuba e que não há nada demais nisso. Foi uma reunião pautada pela cidadania. O ex-prefeito Paulo Ramos é amigo de todos na cidade e estava lá para trocar idéias sobre governabilidade. Na verdade o que houve foi uma espécie de folguedo democrático, conversas amenas sem finalidade específica.
Aproveitando o telefonema o senhor Sérgio Caribé informou que no próximo dia 22, quinta-feira, vai reunir o diretório do PSDB no restaurante Oásis e lançar oficialmente o seu nome como pré-candidato.
Em tempo, a reunião foi na Rua da Cascata.


Sidney Borges

Opinião

A questão de Essequibo

José Sarney, ex-presidente da república, senador e integrante da Academia Brasileira de Letras


"Para que a Venezuela está se armando?". Esta é pergunta que está na cabeça de cada um de nós e constitui um enigma que ninguém responde nem entende.
Rio Branco, com sua extraordinária visão de estadista, tomou como principal tarefa do seu Ministério resolver todos os problemas de fronteiras do Brasil dentro de soluções pacíficas, a maioria delas através do mecanismo de arbitragem internacional. Foi o caso da Guiana, naquele tempo Guiana Inglesa. Defendíamos a tese de que nossas fronteiras iam até a foz do Orinoco. Foi Joaquim Nabuco o nosso advogado. O árbitro escolhido foi a Itália, e seu rei, Vítor Emanuel III, decidiu fazer uma divisão que não fora pedida entre o Brasil e a Inglaterra. Aceitamos o Laudo Arbitral. Perdemos território. A Venezuela, que disputava com a Inglaterra a região a Oeste do Rio Essequibo, não aceitou um outro Laudo Arbitral de Paris em 1899, e considera a área como uma "Zona en Reclamación" e nela não permite que nada seja feito.
Quando eu fui presidente, tentei fazer um acordo com a Guiana para termos um entreposto em Georgetown que nos daria acesso ao Caribe, como escoadouro da produção da Zona Franca de Manaus. Construiríamos uma estrada da fronteira até Georgetown. A Venezuela não permitiu, justamente questionando a soberania da Guiana nesse território. O ministro Gibson Barbosa, em suas memórias, fala de uma proposta venezuelana ao Brasil para reabrirmos a questão e, em troca, recebermos uma parte do território conquistado. O Brasil teria se recusado a tratar do assunto, em nome da paz no continente e a estabilidade de nossas fronteiras.
A América do Sul é o continente mais pacífico da face da Terra. A última guerra que tivemos foi a do Chaco, entre Bolívia e Paraguai, por volta de 1932. Nem chegou mesmo a ser uma guerra. Podia ser chamada de entrevero.
Há um equilíbrio estratégico na América do Sul que desestimula qualquer solução de força. Nossos orçamentos militares diminuem e nossas constituições pregam o pacifismo.
Assim, não podemos deixar de condenar o armamentismo e muito menos uma corrida às armas na América do Sul, o que ocorrerá caso haja um desequilíbrio que afete a defesa de nossos países.
Churchill, quando denunciou o rearmamento da Alemanha, foi acusado de ver fantasmas ao meio- dia. A Venezuela arma-se contra os Estados Unidos? Ninguém levaria a sério essa hipótese. Contra o Brasil, Argentina, Colômbia, Chile? Também não. Então, permanece o mistério dessa atitude e a necessidade de perguntar: "Contra quem?". (Jornal do Brasil)

Ubatuba

“O “x” do cemitério Santa Cruz de Ubatuba”

Corsino Aliste Mezquita
O caos

Faz tempo que estou impressionado com o caos existente no cemitério Santa Cruz de Ubatuba. Assistir a enterro e ver o esquife, materialmente, voando sobre os túmulos para poder leva-lo ao local de sepultamento, é espetáculo macabro. Além do pesar, pela perda de parentes e amigos, que já, naturalmente, acompanha às pessoas ao campo santo, em vários locais do cemitério, vivem-se cenas de dificuldade, precariedade e impotência para sepultar os entes queridos. Cenas dolorosas, tristes, lamentáveis.

Quem criou esse caos?
Só cabe uma afirmativa: certa, verdadeira, óbvia. “OS RESPONSÁVEIS PELA ADMINISTRAÇÃO DA PREFEITURA E DO CEMITÉRIO NOS ÚLTIMOS VINTE ANOS”. Cidadão algum pode fazer alguma coisa, no cemitério, sem passar pelos responsáveis. Os cidadãos agora atacados e ameaçados de perder seus túmulos, por supostas irregularidades, são vítimas dos criadores do caos.
Supostamente, uma grande responsabilidade, pelo caos existente, cabe ao Sr. Lúcio Flávio da Silva, autor confesso do “X”. Não sou eu quem o afirma. É ele quem assume essa responsabilidade quando escreve afirmando:

“Como funcionário da PMU, há exatamente dez anos e dez meses, neste mesmo cargo de 1993 a 2000 e novamente de 2005 até o momento”. (O´GUARUÇÁ, 10-11-07, “Esclarecimento, o “X” da questão”. Também publicado em outros órgãos de imprensa).

O acinte do “X” indica total falta de respeito à propriedade e aos sentimentos dos cidadãos. Prova também que, quem a colocou, sente-se dono absoluto do cemitério. É problema sério. Para o município e para as, aproximadamente, 1000 (mil) famílias que possuem túmulos.
Quatrocentas já foram desrespeitadas, maltratadas e tiveram seus registros dos túmulos, na Prefeitura Municipal de Ubatuba, ignorados.
Sendo fieis à verdade informamos que todos esses anos, o mencionado cidadão, acumulou o cargo de provimento em comissão, de Encarregado ou Gerente dos cemitérios de Ubatuba, com o de proprietário da Funerária Litorânea, que, a partir de certo momento, se tornou única em Ubatuba.
Legitimidade, legalidade e moralidade, desse acúmulo, são questionadas e contestadas por cidadãos e ridicularizadas, em rodas de amigos, com ditos populares que não cabem neste escrito. O Sr. Prefeito do mandato 2001 a 2004, a pedido de cidadãos e sarcasmo popular, interrompeu a nomeação dos mandatos anteriores.

Há solução para o caos?
Entendemos haver possibilidade de resolver o problema investindo, no cemitério Santa Cruz, com competência, respeito aos direitos adquiridos, aos sentimentos que impregnam nossa cultura em relação aos mortos e às Concessões Permanentes devidamente registradas nos arquivos da Prefeitura, com ficha, contrato, cadastro, endereço e telefone dos beneficiários. Todos com direitos adquiridos através de atos jurídicos perfeitos. As autoridades locais não podem ignorar que a Lei Magna determina: “A lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a causa julgada”. (CF 5°- XXXVI). Se a lei não pode prejudicar, como suportar, toda uma sociedade ubatubense, os prejuízos, apupos e desrespeitos ocasionados por um comissionado?. Como início de solução há que remover os obstáculos. O Sr. Prefeito não pode omitir-se.
Com esses princípios em mente e uma grande disposição para o diálogo e o respeito, a Prefeitura Municipal, poderá mandar elaborar, por técnicos competentes, um grande projeto de cemitério moderno, com velório, IML e crematório a ser construído por partes, após conseguir anuência, para transferência de local, dos direitos que cada família possui, no cipoal atual.. É projeto que exige: investimentos, tempo, paciência, diálogo e respeito. Muito respeito. Esse respeito que tem faltado no fatídico “X”.

Medidas urgentes
Providências exigidas pelo Sr. Promotor de Justiça e Direitos do Cidadão, Dr. Richard Gantus Encinas, no acordo do ajuste de conduta com a Prefeitura Municipal, são bem vindas como medidas urgentes de curto prazo. Entendemos serem insuficientes, considerando: a complexidade do assunto, a gravidade do desrespeito, os interesses em jogo e a quantidade de cidadãos (quatrocentas famílias) submetidos ao vexame, à ameaça e ao ludíbrio.
Análise profunda de supostos monopólios e mescla vergonhosa entre o público e o privado, deverão merecer deslindes e separações. Ouvindo o povo agredido e desrespeitado, o digníssimo Promotor de Justiça, ficará sabendo que há algo de podre no reino da Dinamarca, digo, “NO “X” DO CEMITÉRIO SANTA CRUZ DE UBATUBA.

Manchetes do dia

Sexta-feira, 16 / 11 / 2007

Folha de São Paulo
"SP lidera invasões de sem-terra"
São Paulo ultrapassou Pernambuco e se tornou o Estado com o maior número de invasões de terra no país no acumulado 2000-2007, de acordo com a Ouvidoria Agrária Nacional, que quantifica invasões e assassinatos no campo desde 2000. As invasões no Estado nordestino, que ocupava o topo do ranking até junho passado, caíram 16% entre janeiro de 2005 e agosto de 2007.


O Globo
"Número de pobres é o menor em 17 anos na América Latina"
O crescimento na América Latina tirou da pobreza 15 milhões de pessoas e permitiu que outros 10 milhões deixassem de ser indigentes em 2006. Segundo a Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal), a região terá em 2007 uma população pobre de 190 milhões de pessoas, o número mais baixo dos últimos 17 anos. Brasil, Argentina e Venezuela estão entre os países que registraram os maiores avanços, conseguidos por aumento da oferta de emprego, redução da natalidade e programas de transferência de renda. Mas a Cepal alerta que projetos assistenciais devem ser transitórios e é preciso investir mais em educação e capacitação profissional.


O Estado de São Paulo
"Jobim defende projeto do submarino nuclear"
O ministro da Justiça, Nelson Jobim, disse ontem que a recente descoberta de um megacampo de petróleo na Bacia de Santos reforça a necessidade de o Brasil ter um submarino nuclear para proteger a região. "Esse descobrimento aguça a necessidade de produzir energia nuclear para a produção de propulsores. Não para a área de guerra, de bomba atômica, essas coisas são bobagem", afirmou em conferência sobre segurança, no Rio. Segundo Jobim, as próximas compras de equipamento para as Forças Armadas no exterior exigirão transferência de tecnologia. Já o Secretário de Política, Estratégia e Relações Internacionais do Ministério da Defesa, general José Benedito de Barros Moreira, defendeu a tese de que o Brasil deve desenvolver a tecnologia necessária para a fabricação da bomba atômica.


Jornal do Brasil
"Dengue cresce"
O Estado do Rio já ocupa o terceiro lugar no ranking nacional da contaminação pela dengue, tendo registrado, só este ano, um aumento de 78,6% nos casos. Na capital, o crescimento foi de 48,4%. Com as chuvas fortes dos últimos dias, gerando criadouros de larvas por toda parte, o governo do Estado admite que uma nova epidemia está germinando e pode explodir quando a temperatura se elevar, com o início do verão. As maiores preocupações estão com a chegada do tipo 4 da doença e também com a possibilidade de recontaminação em muitos pacientes que tiverem o tipo 2, o que aumentará as ocorrências de dengue hemorrágica.

quinta-feira, novembro 15, 2007

Sem palavras


Parabéns...



Oscar Niemeyer festeja um ano de casamento na Região dos Lagos

Às vésperas do arquiteto completar 100 anos, o casal está feliz e apaixonado. Segundo a mulher, Niemeyer não gosta de comemorar aniversário. (Do site G1)

Nota do Editor - Faz sentido, eu que sou mais novo também não gosto. (Sidney Borges)

CPMF

Caro Sidney:

Obrigado por colocar o e-mail sobre cpmf no blog.
A intenção de distribuir o artigo é pelo interesse na saúde pública. Como nós bem conhecemos aqui em Ubatuba, na hora de uma epidemia, como a da dengue, não há plano de saúde ou conta bancária alta que livre o cidadão do mal. Por isso a importãncia da saúde pública e coletiva, que tem que ser financiada. Nesse quesito, a CPMF continua sendo usada pela saúde e o que houve foi que quando foi aumentada (não por Lula) para o,38%, o aumento não foi usado para a saúde. Sei com conhecimento de causa que a saúde pública precisa de financiamento (vide nossa Santa Casa, nossos postos de saúde, nossa falta de medicamentos, de saúde bucal, de exames e especialistas) e nesse momento, com qualquer ideologia que se esteja comprometido, é impossível e indefensável acabar com a cpmf de maneira abrupta. Para despartidarizar o assunto, vale ressaltar que o atual ministério da Saúde pertence ao PMDB, dentro da coligação de sustentação do mandato de Lula.
A fiscalização do uso dos impostos é que deve ser acirrada e para isso temos que exercer nossa cidadania. Aliás em Ubatuba, no Brasil e em todas as áreas. A resolução do problema da corrupção e do mal uso do dinheiro público passa pela punição de corruptos e principalmente de corruptores, com todo o direito a defesa que um regime democrático tem, além de controle social pelos cidadãos. O debate pela diminuição dos impostos prejudica essa questão (do combate á corrupção), na medida em que desvia o foco do assunto, distorcendo os fatos e confundindo corrupção com altos impostos.
Seu próprio comentário vai nesse sentido, ao não comentar o imposto e sua validade e sim o PT e suas ações. Por isso, focando no assunto CPMF e Saúde Pública, precisamos da aprovação CPMF, ao menos por enquanto. O fato de ser um imposto insonegável (cpmf), para ser usado na fiscalização da receita federal e do ministério da fazenda é também um fator positivo, apesar de secundário.
Ao Ubatuba Víbora e aos leitores que estiverem interessados em debater esses e outros assuntos, encontro-me sempre disponível e disposto para discussões sérias e que visem o real interesse público, de Ubatuba e/ou do Brasil enquanto nação.

Forte abraço,

Maurício Moromizato
(mauriciomoromizato@uol.com.br)
ex-presidente da Associação dos Cirurgiões Dentistas de Ubatuba
ex-presidente do Conselho Municipal de SaúdePresidente do PT em Ubatuba


Nota do Editor - Caro Maurício, o Ubatuba Víbora nasceu com a finalidade de instigar o debate. Eu não questiono a CPMF, sou e sempre fui a favor. Quem se posicionou contra o imposto foi o PT, que, aliás, se posicicionou contra quase tudo o que usa hoje. O poder muda homens e partidos. De um dia para outro o que era ruim ficou bom. Como cidadão defensor da democracia e como alguém que luta pela diminuição das desigualdades, pagarei o imposto sem opor objeções. Quanto ao fato da Saúde estar com problemas eu concordo, no tempo do Serra era bem melhor. Abraços e saiba que embora haja divergências em detalhes, nossas aspirações políticas têm muitos pontos em comum. (Sidney Borges)

Quizz



Essa é difícil...

Segunda pergunta da série Quizz com dois zês. A primeira questão formulada teve apenas um acertador. Vamos lá "Seu Abelha", quero ver esta. Quem é o garoto da foto? Vale um café no Café 27 do Bob. (Sidney Borges)

TV Víbora

Lisa Ekdahl - L'aurore

Sociais


O prefeito Eduardo Cesar e sua esposa Denise em evento recente.

Lulices

Democracia?

Podem criticar o Chávez por qualquer outra coisa. Inventem alguma coisa para criticar o Chávez. Agora, por falta de democracia na Venezuela, não.”

Lula

Nota do Editor - Democracia pressupõe alternância no poder e isso está loge de acontecer na Venezuela. Chávez é como Salazar, Papa Doc, Mussolini, Stálin, Hitler, Getúlio Vargas, Franco e outros de mesma lavra. Caro Presidente, o que Chávez está implantando na Venezuela chama-se ditadura, embora disfarçada de democracia. A brincadeira pode acabar mal, ditaduras sempre acabam mal. (Sidney Borges)

CPMF - para refletir

Amigos(as) e companheiras (os):Antes de criticar a CPMF e sua aprovação, acho que vale um pouco de reflexão e essa matéria põe um pouco de "lenha na fogueira".

Bom dia a todos,

Maurício Moromizato

Jatene defende a CPMF e diz que ricos têm que pagar mais impostos

O cardiologista e ex-ministro da Saúde, Adib Jatene, que criou a CPMF durante sua gestão no Ministério da Saúde, fez uma defesa veemente da manutenção do tributo na noite de segunda-feira (12) em discussão com o empresário Paulo Skaf, presidente da Fiesp, que comanda um movimento contrário à CPMF.
De acordo com informações publicadas na coluna da jornalista Mônica Bergamo, na edição do jornal Folha de São Paulo desta terça-feira (13), Adib Jatene afirmou que "no dia em que a riqueza e a herança forem taxadas no Brasil, nós concordamos com o fim da CPMF". Para ele, os ricos devem pagar impostos para que haja melhor distribuição de renda no país.Leia a íntegra da nota publicada na coluna da jornalista Mônica Bergamo, no jornal Folha de São Paulo:

Adib para Skaf: "Têm que pagar"
Dedo em riste, falando alto, o cardiologista Adib Jatene, "pai" da CPMF e um dos maiores defensores da contribuição, diz a Paulo Skaf, presidente da Fiesp e que defende o fim do imposto: "No dia em que a riqueza e a herança forem taxadas, nós concordamos com o fim da CPMF. Enquanto vocês não toparem, não concordamos. Os ricos não pagam imposto e por isso o Brasil é tão desigual. Têm que pagar! Os ricos têm que pagar para distribuir renda".
Numa das rodas formadas no jantar beneficente para arrecadar fundos para o Incor, no restaurante A Figueira Rubaiyat, Skaf, cercado por médicos e políticos do PT que apóiam o imposto do cheque, tenta rebater: "Mas, doutor Jatene, a carga no Brasil é muito alta!". E Jatene: "Não é, não! É baixa. Têm que pagar mais". Skaf continua: "A CPMF foi criada para financiar a saúde e o governo tirou o dinheiro da saúde. O senhor não se sente enganado?". E Jatene: "Eu, não! Por que vocês não combatem a Cofins (contribuição para financiamento da seguridade social), que tem alíquota de 9% e arrecada R$ 100 bilhões? A CPMF tem alíquiota de 0,38% e arrecada só R$ 30 bilhões". Skaf diz: "A Cofins não está em pauta. O que está em discussão é a CPMF". "É que a CPMF não dá para sonegar!", diz Jatene.Skaf circula. O deputado Adriano Diogo, do PT, levanta o dedo positivo para ele: "E aí, contente em detonar a saúde?". Nova discussão. "Não adianta. São visões de mundo diferentes", conforma-se o empresário. Em outra mesa, Tião Viana (PT-AC), presidente do Senado, diz que a votação da CPMF segue indefinida. "Está difícil para os dois lados."
Cada um dos 400 convidados do jantar desembolsou R$ 250, com direito a saladas, tortellis e carnes preparadas pelo médico David Uip, por José Aristodemo Pinotti e por Paulo Renato Souza. Em meio aos comes e bebes, uma boa notícia: o BNDES negociou a dívida do Incor: de R$ 140 milhões, ela caiu para R$ 80 milhões. O governo de SP pagará R$ 40 milhões. O próprio Incor, os outros R$ 40 milhões, em dez anos. Uma das últimas "missões" de David Uip, que deixará a presidência do Incor em dezembro, será a assinatura do acordo com o banco.

Nota do Editor - Quando o Plano Real foi criado o PT não teve dúvidas, tachou de "Plano do Inferno" que iria nos levar à ruína. Principais detratores do Real: Lula, José Dirceu e Aloísio Mercadante, este com embasamento técnico, é formado em Economia. Quando a CPMF foi criada no governo FHC, "aquele governo entreguista em que os bancos ganhavam muito dinheiro", Lula, Dirceu, Mercadante et caterva colocaram a boca no trombone e fizeram o maior barulho. O governo neoliberal e entreguista, inimigo do povo, estava roubando dos companheiros trabalhadores para fazer o que deveria ser feito com os impostos. Quando "Toninho Malvadeza" criou as benesses sociais hoje reunidas no "Bolsa-Família", base da popularidade de Lula, o democrata que elogia o ditador Chávez, foi tachado de populista. No governo socialista do PT não haveria esmolas, o partido não daria peixes, ensinaria a pescar. A realidade é bem diferente dos discursos, hoje os bancos estão mais ricos, os pobres dependentes de esmolas e o governo diz que quebra sem a CPMF, enquanto o partido trama nos bastidores para dar um golpe na democracia e perpetuar Lula no poder. Sou contra isso. Sou contra a mentira e a empulhação. A mim não enganam... (Sidney Borges)

Desmarketing explícito

Conta outra...

A GOL afirma na tevê que seus aviões são "novinhos". Quem viaja nos vôos 1716 e 1717 (Brasília-Recife-Brasília) conhece aviões bem velhinhos, com adesivos da American Airlines, luzes piscando e vigias que não abrem. (Cláudio Humberto)

Nota do Editor - Vigia? Avião tem vigia? O nobre jornalista "collorido" deve estar confundido as coisas, "pegou um ita no norte" e se imaginou voando. Se a tal vigia abrir o avião despressuriza e dá um tremendo forrobodó, a maior ventania. Comigo é assim, bateu, levou... (Sidney Borges)

Manchetes do dia

Quinta-feira, 15 / 11 / 2007

Folha de São Paulo
"Lula defende democracia de Chávez"
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que não é possível criticar seu colega Hugo Chávez por falta de democracia na Venezuela e afirmou que, naquele país, o que não falta é 'discussão'. 'Podem criticar o Chávez por qualquer outra coisa, inventem uma coisa para criticar. Por falta de democracia na Venezuela não é', afirmou o presidente, ao final de um evento no Itamaraty.


O Globo
"Malha aérea vai mudar de novo contra caos nas férias"
Pouco mais de três meses após determinar alterações na malha aérea do país para tentar pôr fim à crise aérea, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, informou que o governo vai autorizar novas mudanças. A partir de 1º de dezembro, entra em operação uma malha aérea especial, agora na tentativa de reduzir a confusão nos aeroportos no período de férias. A malha emergencial vai funcionar até 15 de março, e as principais mudanças serão nos vôos que chegam ou saem de Congonhas, em São Paulo. A pista principal do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, foi totalmente liberada para pousos e decolagens 15 dias antes do prazo previsto. Ela estava fechada para a segunda fase das reformas desde 20 de agosto. A terceira e última fase da obra só deve começar em abril, depois das férias. Para reduzir as filas de passageiros de vôos internacionais, a PF também deverá contratar agentes administrativos em caráter temporário.


O Estado de São Paulo
"Conselho pede que senadores cassem Renan"
O Conselho de Ética do Senado aprovou, por 11 votos a 8, o pedido de cassação do presidente licenciado da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). A decisão foi tomada com base em parecer do senador Jefferson Peres (PDT-AM) apontando sete indícios de que Renan usou testas-de-ferro para comprar duas rádios e um jornal em sociedade com o usineiro João Lyra. Na mesma reunião do Conselho, Renan foi considerado inocente, por 9 votos a 5, da acusação de ter favorecido a cervejaria Schincariol. O pedido de cassação pelo caso das rádios vai agora a votação no plenário do Senado, já que absolveu Renan uma vez - quando ele foi denunciado por recorrer ao lobista da empreiteira Mendes Júnior para repassar dinheiro à jornalista com quem tem uma filha. A situação de Renan é considerada mais difícil desta vez, pois ele perdeu muito apoio entre os aliados, especialmente na bancada do PT.


Jornal do Brasil
"Prefeitura recusa revisão de multas"
Levantamento obtido pelo JB mostra que, enquanto cresce anualmente o número de multas de trânsito emitidas, despenca o julgamento dos recursos impetrados pelos motoristas. De 2002 a 2005, o índice de infrações cresceu 40%, aproximando-se de 100 mil ocorrências. No mesmo período, no entanto, a quantidade de processos julgados diminui 66%. Cabe às Juntas Especiais Administrativas de Recursos de Infração (Jaris), vinculadas à prefeitura, analisar os recursos. Para o promotor Rodrigo Terra, a lentidão do órgão público é motivada pelo interesse da prefeitura em fazer caixa às custas do cidadão.

quarta-feira, novembro 14, 2007

Editorial

Da arte da política

Quais as qualidades que um político precisa ter para ganhar eleições? Se você fizer essa pergunta as respostas brotarão caudalosas como a água que sai dos canos furados da Sabesp. Há quem diga que é necessário dinheiro. Eu concordo, sem dinheiro não se faz nada. Outros falam em capacidade administrativa. Eu também concordo. Para fazer uma pequena reforma em minha casa procurei um pedreiro experiente, para gerir minha cidade vou querer um bom administrador. Muitos falam em capacidade de trabalho. Por óbvio. É fudamental que o futuro “dono do poder” tenha apetite para o basquete. Ninguém gostaria de ver a filha casada com um vagabundo. O perfil do vencedor, segundo a “Vox Populi”, pode ser assim definido:

a) Deve ter dinheiro suficiente para não cair em tentação;
b) Deve ter experiência em administração pública, se não o tiver ao menos que tenha experiência em administrar alguma coisa, ainda que seja a fortuna herdada.
c) Deve ser trabalhador.


Em 1986 Antônio Ermírio de Moraes foi candidato a governador de São Paulo. Dos postulantes era disparado o mais rico e tinha grande experiência administrativa. Sobre ser trabalhador nem é preciso comentar, é sabido que o homem é viciado na coisa. Dá expediente o dia inteiro em suas empresas e depois descansa gerindo a Beneficiência Portuguêsa, um dos maiores hospitais do país. Também vale ressaltar a reputação de homem honesto e dedicado à família que Antônio Ermírio granjeou ao longo da vida.
Antônio Ermírio de Moraes perdeu a eleição.

Ganhou Orestes Quércia que não era tão rico, não tinha experiência administrativa e sofria sérias desconfianças quanto ao quesito honestidade. Entre eles havia uma pequena diferença que resultou na vitória de um e no fim das pretensões políticas do outro.
Quércia é político, conhece os meandros da arte.
Política embora pareça fácil, não é, melhor dizer, não é coisa para principiantes. Política é jogo de equipe, não é praia de individualistas. Política é ouvir o que as pessoas têm a dizer e tirar o melhor de quem sabe. Política é esporte coletivo, ninguém vence sózinho. Enfim, quem pretende ser candidato e não se sente à altura dos adversários experientes, não deve esmorecer. Não saber é inerente à condição humana, todos somos ignorantes antes de aprender.
O que não é admissível é fazer o que Einstein classificava como burrice, ou seja, repetir a mesma experiência imaginando obter resultados diferentes. Pelo andar da carruagem é notório que Ubatuba sofre desse mal. Erra e quando percebe que fez lambança persiste no erro, imaginando que alguma coisa possa melhorar. Se não houver mudança no comando nada mudará, vai continuar tudo igual com grande chance de piorar. Pense em algo novo, não custa tentar.

Sidney Borges

TV Víbora

Cantores do Rádio - Nara Leão

Lixo, problema nacional

Justiça condena ex-prefeito maranhense

A Justiça Federal condenou o ex-prefeito de Aldeias Altas (MA), Antônio Torres da Silva, por improbidade administrativa. O ex-prefeito realizou convênio com a Secretaria de Qualidade Ambiental nos Assentamentos Humanos, do Ministério do Meio Ambiente, em junho de 2000, para implantação de aterro sanitário na cidade. A obra, entretanto, não foi realizada de acordo com o plano de trabalho estabelecido. O Tribunal de Contas da União constatou que no lugar do aterro havia um vazadouro de lixo sem qualquer cuidado ambiental. Antônio Torres da Silva foi condenado ao pagamento de R$ 319.342,35, a perda de função pública, caso exerça; a suspensão dos direitos políticos por cinco anos e ao pagamento de multa civil no valor de R$ 30 mil. (Cláudio Humberto)

Thomas

Thomas de Carli, grande figura, sempre bem-humorado e gentil. Vamos sentir sua falta.

Guilherme F. de Assis

Thomas

Olivia e Harumi e suas famílias convidam para a Missa de Sétimo Dia de

THOMAS DE CARLE GOTTHEINER
dia 16, 6ª feira, às 19h30, na Igreja Matriz.

Sejamos simples e calmos,
Como os regatos e as árvores,
E Deus amar-nos-á fazendo de nós
Belos como as árvores e os regatos,
E dar-nos-á verdor na sua primavera,
E um rio aonde ir ter quando acabemos!...


Fernando Pessoa

Thomas

Renda Portuguesa

Numa das fases difíceis da escola, liguei para o Thomas. Não demorou, o Gurgel estacionou no pátio. Expus minhas dificuldades financeiras e os planos que defini para buscar novos parceiros. Solidário, compartilhou seu pensamento confortando-me e incentivando-me. Sobre os negócios, o assunto parou aí. Bravo, como ainda não tinha visto, repreendeu-me pelo estado da Renda Portuguesa, abandonada num vaso no corredor principal. Com um canivete, afofou a terra, buscou uma jarra, deu a umidade que a planta implorava. Imediatamente, apresentei minhas desculpas. Foi o suficiente. Sorrisos, um abraço e um aperto de mão encerraram aquele encontro. Refleti muito sobre o gesto do Thomas. Estaria ali o meu problema? Mergulhado nas estratégias administrativas mais complexas, eu deixei de lado o zelo com as coisas que realmente importavam. Além daquela planta, quantas outras vidas estavam carentes dos meus cuidados, da minha atenção, incluindo a minha? Hoje, quando soube da morte do Thomas, não poderia deixar de alguma forma rememorar uma das passagens com o amigo querido. Na entrada da sala onde trabalho a Renda Portuguesa está lá, bonita. Ele, de certa forma, também.

Celso de Almeida Jr
Colégio Dominique

Política

Ubatuba tem jeito!

Charles Medeiros
Acredito na potencialidade de Ubatuba, e luto constantemente por um efetivo Programa de Desenvolvimento Sustentável em nosso Município, pois tenho convicção de que o planejamento é o carro chefe de qualquer ação governamental.
Os contatos que tenho feito em São Paulo e Brasília já dão bons frutos para nossa comunidade, com o Dep. Antonio Carlos conseguimos R$200 mil para Saúde na região Sul, com o Dep. Trípoli, R$750 mil para nossa querida Santa Casa, a Dep Aline pediu recursos para Casas Populares, e o Deputado federal Clodovil Hernandez sabedor das necessidades de nossa comunidade, dentre as ações empreendidas em defesa de Ubatuba, solicitou recursos para saneamento básico. Os itens acima mencionados foram solicitações protocoladas direto aos gabinetes das autoridades citadas, seja em SP ou Brasília. Junto ao Coordenador de Vicinais do Estado, meu amigo Evandro Lossaco, R$3,4 milhões para pavimentar as estradas do Corcovado e Sertão da Quina, pelo Programa Pró Vicinais. No DNIT em Brasília, com o carinho de bons amigos, viabilizamos os procedimentos administrativos para a tão sonhada chegada do programa Luz Para Todos no Camburi, dentre outras tantas ações que temos empreendido junto aos órgãos Federal e Estadual.
No uso de minhas funções de fiscalizador do gasto do dinheiro público, promovi diversos encaminhamentos ao MP, os quais tornaram se Inquéritos Civis de averiguação de responsabilidade.
O povo de Ubatuba esta cansado de administradores incompetentes, e de políticos oportunistas que teimam e povoar as bandas da Terra Tamoia.
Nossos cidadãos não pedem muito aos ditos “Homens Públicos”, querem apenas que eles trabalhem em defesa do desenvolvimento do Município e da melhoria da qualidade de vida da comunidade.
O que fiz faz parte de minhas obrigações, seria importante que todos fizessem.

Um fraternal abraço.
Charles Medeiros é Vereador em Ubatuba.

Outro visitante...


Volte sempre!

Ele não cala, nem com pedido do Rei...

Chávez propõe dobrar preço do petróleo para ricos

Chávez disse que barril do petróleo a US$ 200 seria "justo"


Claudia Jardim De Caracas
O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, propôs nesta terça-feira que o preço do barril de petróleo seja duplicado para a venda aos países ricos e reduzido para os países pobres.
"Seria maravilhoso vender o barril (de petróleo) a U$ 200 aos países ricos e aos pobres a U$ 5", disse Chávez durante uma coletiva no Palácio Miraflores, sede do governo venezuelano, em Caracas. "Isso seria uma maneira de distribuir a riqueza mundial."

Leia mais

Nota do Editor - A proposta faz sentido, energia barata é sinônimo de desenvolvimento. Sobrariam recursos para educação, saúde, saneamento e infra-estrutura viária e os países pobres poderiam trilhar o caminho da prosperidade. Todos viveriam felizes, os mocinhos se casariam com as mocinhas e os vilões seriam deportados para as luas de Saturno. Chávez usa com habilidade o imaginário para conquistar os corações e as mentes dos que acreditam em contos da carochinha. Em todo caso, agora há dois na Opep com a mesma intenção de salver o mundo, Lula também faz parte do seleto grupo dos sheiks do petróleo. (Sidney Borges)

Mutirão



Dia Mundial de Limpeza de Rios e Praias apresenta resultado

A organização do Dia Mundial de Limpeza de Rios e Praias, realizado no dia 15 de setembro em várias cidades do Estado de São Paulo, totalizou o resultado do trabalho de seus 2147 voluntários.
Em Ubatuba, 263 pessoas recolheram 114 quilos de lixo em diversas praias da cidade. Os itens mais encontrados foram os sacos plásticos (3992 unidades) e as bitucas de cigarro (5203), seguido por canudinhos plásticos (1558), embalagens de alimentos (667), e copos, pratos e talheres plásticos (665). Tampinhas de garrafa, garrafas PET, anéis de latinhas, palitos de sorvete e cordas de nylon também foram recolhidos em grande quantidade.
Nas outras cidades participantes (Bertioga, Praia Grande, Jundiaí, Caraguatatuba, Ilhabela, Ribeirão Preto, São Sebastião, São Vicente, Ubatuba, Cananéia, Santos e Itanhaém) foram recolhidas mais de 10 toneladas de lixo. Os itens mais encontrados também foram os sacos plásticos, bitucas de cigarro, palitos de sorvete, embalagens e utensílios plásticos. A área abrangida pelos voluntários totalizou 102 km. de extensão, entre praias, mangues, costeiras, rios, lagos e área submersa.
Para o coordenador estadual Caio Marco Antonio, presidente da ASSU-Ubatuba, “esse resultado mostra que a sociedade brasileira está distante de um padrão aceitável de respeito ao ambiente. Por outro lado, percebemos um interesse crescente em mudar essa situação”.
A promoção do evento deste ano, em Ubatuba, foi do Coletivo das Entidades Ambientalistas de Ubatuba (CEAU). Teve o patrocínio da Tetrapack, Coca-Cola e Johnson&Johnson, e o apoio da Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Secretaria de Turismo. A ASSU-Ubatuba coordenou o DMLRP no Estado de São Paulo.
Desde seu início, mais de 35 milhões de pessoas de 120 países participaram da campanha. E cerca de mil mutirões subaquáticos aconteceram em cem países, com 900 mil mergulhadores.
Os dados contabilizados serão enviados para o Centro de Conservação dos Oceanos para análises estatísticas e depois encaminhados a IOC - Comissão Intergovernamental Oceanográfica, da ONU. Com esses resultados mundiais, a IOC pode convencer os países a se tornarem signatários do Tratado Internacional de Controle de Poluição Marinha (Marpol Treaty). (
jrsegantini@terra.com.br)

Manchetes do dia

Quarta-feira, 14 / 11 / 2007

Folha de São Paulo
"Comissão aprova prorrogação da CPMF"
Após oferecer um pacote de concessões ao PMDB, o governo derrubou na Comissão de Constituição e Justiça o relatório da senadora Kátia Abreu (DEM-TO) que vetava a prorrogação da CPMF e aprovou um texto alternativo, estendendo a cobrança até 2011. Para formar maioria na comissão, o governo substituiu o senador Pedro Simon (PMDB-RS), contrário à CPMF.


O Globo
"Governo cede e tem primeira vitória para prorrogar CPMF"
O governo cedeu, aceitando reduzir progressivamente a alíquota da CPMF em 0,02 ponto percentual por ano, até que o imposto do cheque seja fixado em 0,30% em 2011 garantiu a aprovação da prorrogação da cobrança na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Em 2008, a alíquota será de 0,36%. O pacote negociado pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, prevê ainda a isenção dos gastos com CPMF para quem ganha até R$ 2.894, por meio de compensação no INSS. Para chegar ao placar de 12 a 9, os governistas substituíram integrantes da CCJ que votariam contra a proposta, como o senador Pedro Simon (PMDB-RS). Simon negou versão dos líderes do PMDB, Valdir Raupp, e do governo, Roseana Sarney, de que tivesse concordado em ser afastado da CCJ e afirmou que votará contra a CPMF no plenário. Às vésperas da votação, o governo liberou R$ 252 milhões para emendas das bancadas.


O Estado de São Paulo
"Governo quer mais de 50% das receitas da megajazida"
O governo quer ficar com mais da metade das receitas do petróleo da megajazida de Tupi, recém-descoberta na Bacia de Santos. Por isso, o leilão de 41 lotes da área, suspenso na semana passada, agora será feito com novas regras. As empresas que ganharem o direito de exploração terão de pagar mais pelo que conseguirem extrair. Hoje as concessionárias já estão sujeitas a recolher até 50% aos cofres públicos. São 10% de royalties, mais uma taxa de "participação especial" de até 40% cobrada apenas em reservatórios grandes e de alta produtividade. "É de se supor que o Estado esteja desejoso de fazer um contrato em que ganhe mais", disse o presidente da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Haroldo Lima, durante sabatina na Comissão de Infra-Estrutura do Senado, que aprovou sua recondução para mandato de mais quatro anos. Não está claro se será necessário alterar a Lei do Petróleo para garantir fatia maior do lucro para a União ou se bastará baixar decreto elevando a taxa de "participação especial". O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, classificou de positiva a idéia de que os contratos de exploração mudem de acordo com o potencial dos campos.


Jornal do Brasil
"Prefeitura programa mais multas e pardais"
A multiplicação de pardais está irrigando os cofres da prefeitura com o dinheiro arrecadado nas multas de trânsito. Quase metade do orçamento da Secretaria de Transportes vem de infrações que devem ser aplicadas aos motoristas cariocas em 2008. O valor estimado é de R$ 80 milhões para que o poder municipal cumpra o orçamento, uma quantia muito acima dos R$ 65 milhões previstos para a parte de multas em 2007. Até o fim de outubro, R$ 45 milhões tinham sido recolhidos. Nos últimos 10 meses, o número de radares controlados na cidade pela Guarda Municipal mais do que dobrou - eram 80, passaram para 165.

terça-feira, novembro 13, 2007


Ziquizira


Thomas

Agradecimento aos amigos do Thomas

Caros amigos,

Nesses últimos dois meses Thomas e eu recebemos a compreensão e a solidariedade de pessoas que não imaginávamos ter-nos tanto carinho.
Agradeço a todos que me deram a chance de estar junto ao Thomas nesses preciosos momentos, em que cada segundo vivido, foi intenso, selando nosso amor.
Ao pessoal do Fórum, que apesar de tantos processos e tanto trabalho não hesitaram em me liberar, meu muito obrigado.
Ao colégio Objetivo, ao prof. Sérgio Rorth que tão bem ministrou as aulas e aos alunos que compreenderam a minha ausência.
À toda minha família, em especial à minha mãe Hamako e ao meu filho Marcos, que mantiveram a estrutura familiar, apoiando-nos sempre. Meu amor incondicional.
À querida Olívia, que tornou-se minha irmãzinha, grande cúmplice e companheira. A sua existência é um acalento.
À toda família Gottheiner, que hoje faz parte da minha vida. Pelos afagos, pelo abraço confortante.
Aos amigos que fizeram tantas correntes de intenções, orações e preces que chegaram a Deus Pai Todo Poderoso, fazendo amenizar a dor e o sofrimento. Obrigada.
Às mensagens e telefonemas que recebi, às doces palavras publicadas na imprensa. Meu sincero agradecimento.

Harumi Honda

Sem palavras


OPEP


Timão

Corintiano Felipe sonha com trajetória de sucesso e rua com seu nome

Da Folha Online e
da Lancepress
As boas apresentações no Campeonato Brasileiro, com defesas decisivas, como o pênalti defendido no empate por 1 a 1 com o Goiás, no último domingo, mudaram a vida do goleiro corintiano Felipe. Tanto que ele já pensa até em uma rua com seu nome, caso confirme uma trajetória de sucesso no clube.


Nota do Editor - Aspiração estranha querer dar o nome a uma rua. Na infância tive um amigo cujo maior desejo era ter um afilhado homem. (Sidney Borges)

Dia de chuva



Visitante

Ele(a) chegou, olhou em volta, me encarou desafiador(a) e ao perceber que eu era de paz voou verdejante jardim afora. (Sidney Borges)

Novidade!

Brasil é o terceiro país que 'pior explora potencial turístico'

Pesquisa mundial também mostra Brasil como destaque de turismo pela vida noturna

BBC Brasil - BBC
- O Brasil é o terceiro país que pior explora seu potencial turístico, atrás apenas de China e Estados Unidos, segundo um índice compilado pela consultoria de imagem global Futurebrand. De acordo com 50 especialistas do setor de turismo ouvidos durante a pesquisa, incluindo escritores, editores, analistas e hoteleiros em várias partes do mundo, o Brasil não se promove tão bem como poderia como destino turístico. Entre os países que melhor "se vendem" estão Austrália, Cingapura e Espanha.

Leia mais

Política


Antonio Carlos, Emmanuel Fernandes, Charles Medeiros, Leonardo Rocha e Mendes Thame

PSDB promove seminário Regional

O Secretariado Estadual de Vereadores do PSDB, em conjunto com o Instituto Teotônio Vilela, o Deputado Estadual Antonio Carlos e o PSDB de Caraguatatuba promoveram, nos últimos dias 9 e 10, no Clube Ilha Morena, em Caraguatatuba, o Seminário para a formação de Vereadores.
O evento, que foi aberto a população, contou com a presença de filiados e dirigentes do PSDB das quatro cidades do Litoral Norte, ajudaram a abrilhantar o evento várias autoridades e membros de outros partidos.
Na abertura do seminário, 9, o Deputado Estadual Antonio Carlos agradeceu a presença de cerca de trezentas pessoas presentes, apresentando a todos o Deputado Federal Mendes Thame, Presidente do PSDB paulista que proferiu palestra sobre o Aquecimento Global e o importante papel que os políticos e os cidadãos devem desempenhar para a reversão do problema que atinge toda a humanidade.
No sábado, 10, o seminário contou com a presença do Deputado Federal Emmanuel Fernandes, que, em uníssono com o Deputado Mendes Thame, ressaltou a importância da ética na política e a necessidade de vocação para o exercício desta atividade, que deve ser usada como instrumento de melhoria da qualidade de vida da população, inclusive com o sacrifício da vida privada de seus agentes. Ambos fizeram questão de enfatizar que "o mau político pensa nas próximas eleições, enquanto que o bom político pensa nas próximas gerações". O seminário prosseguiu ainda com a palestra proferida por Rogelio Barcheti Urrea, do Diretório Estadual do PSDB, versando sobre Atividade Parlamentar e Planejamento de Campanha. Barcheti ressaltou principalmente o papel da Câmara Municipal e do Vereador como instrumentos de mobilização e melhoria da vida da comunidade.
Na parte da tarde do sábado, o Dr. Milton de Moraes Terra, advogado do PSDB-SP falou sobre Legislação Eleitoral, Fidelidade Partidária, Marketing Eleitoral e Prestação de Contas de Campanha, esclarecendo diversas dúvidas suscitadas pelos presentes. Em seguida, foi a vez de Evandro Luiz Losacco, Secretário Geral do PSDB paulista, apresentar excelente retrospectiva da vida política do país em palestra sobre Ética e História do PSDB, e proceder, com brilhantismo, o fechamento do evento, para o qual convidou também os dirigentes dos partidos políticos presentes, dentre eles Lúcio Fernandes, do PSDB de Caraguatatuba e Roberto Magliolino, do PSDB de São Sebastião e o Secretário do PSDB de Ubatuba, Gilmar Rocha. Vereador Charles Medeiros de Ubatuba, que é um dos fundadores do Secretariado de Vereadores do PSDB de São Paulo e Membro Titular do Diretório Estadual, junto com os amigos participou do seminário e ressaltou da importância do evento na formação política regional.
Leonardo Rocha
Caiçara, Ubatubense e Estudante de Direito

Disco voador

Movimento pede que EUA reabram pesquisa sobre ovnis

da Efe, em Washington
Um grupo de 14 cientistas, pilotos, militares e funcionários governamentais de sete países pediu aos Estados Unidos que reabram a investigação oficial sobre os ovnis encerrada em 1969.
"Queremos que o governo dos EUA deixe de publicar histórias que perpetuam o mito de que todos os objetos voadores não identificados (OVNIS) podem ser explicados em termos convencionais", assinalou em entrevista coletiva Fife Symington, ex-governador do Arizona.
Os Estados Unidos interromperam em 1969 o projeto conhecido como Blue Book, que teve início na Força Aérea em 1952, para investigar os ovnis. O motivo foram as críticas do Congresso ao rigor e a validade destas investigações.
Os especialistas que participaram da entrevista coletiva criticaram a falta de liderança dos EUA no terreno dos ovnis, assim como o sigilo governamental sobre o tema.
Todos eles afirmam ter experiências com ovnis e alguns, como o comandante e piloto aposentado da Força Aérea peruana Óscar Alfonso Santa María, diz ter "calafrios" ao pensar no assunto.

Leia mais

Nota do Editor - Só influência extraterrestre para explicar certos acontecimentos recentes de Ubatuba. Por falar nisso, caso os navios não cheguem no dia 18 de fevereiro, como está previsto, poderíamos fazer um discoporto, ou seja, um aeroporto de discos voadores. A melhor localização seria nas proximidades do centro de convenções, para atrair simpósios intergalácticos. (Sidney Borges)

Sociais


Hélio Camargo e Ditinho, amigos do Editor

Pois é...

Ubatubenses

Estava eu terminando a caminhada matinal quando um cão correu em minha direção. Parei, o bicho era grande, um labrador preto peludo e como todo labrador efusivo nas manifestações de apreço. "Presto" a dona chegou pedindo desculpas, elogiei o animal:
- Lindo cachorro.
-É cachórra.
- Como? Perguntei para ter certeza.
-Cachórra, é novinha...

Dito isso a simpática moça deu um largo sorriso e foi-se embora com a cachórra também sorridente...
Cachórra?!

Lulices



Saudades do PT

Ontem à tarde, no Senado, Heráclito Fortes (DEM-PI) contou que no último sábado foi abordado por um homem em desespero no aeroporto de Brasília. Ouviu dele que comprara sete passagens da BRA para viajar de férias no fim do ano com toda a sua família.
- Por que o senhor comprou com tanta antecipação passagens de uma companhia de terceiro nível para uma viagem de férias? - perguntou Heráclito.
- Por um motivo muito simples: há um mês e meio, eu vi o presidente da República sendo fotografado ao lado do presidente dessa companhia e anunciando o financiamento de vinte aviões pelo BNDES.

O Presidente, ali, avalizava. Era o garoto-propaganda não só da companhia aérea, mas também daquela negociação - respondeu o homem aflito.
Cadê o PT, gente?
Quanta falta ele faz ao país... (Do Blog do Noblat)



Trechos do discurso de Lula

Qualquer incoerência é fruto do acaso, "Nosso Guia" não se engana:

(...) Há pouco mais de 3 anos estive aqui para o lançamento da Família Embraer 170-190, que é um sucesso extraordinário da indústria nacional. Hoje, comemoramos a assinatura de um contrato entre a empresa BRA e a Embraer para a compra de 20 jatos Embraer 195, no valor de 730 milhões de dólares, ou cerca de 1 bilhão e meio de reais. O contrato se refere a mais de 20 opções do mesmo modelo, o que pode elevar o seu valor a 1 bilhão e 460 milhões de dólares.

(...) Este é um fato muito importante. Na verdade, e por várias razões, um marco na aviação brasileira. E, aqui, eu queria dizer à direção da BRA que possivelmente hoje ficará marcado como o dia em que as empresas aéreas brasileiras descobriram a Embraer.


(...) Pois bem, eu penso que a BRA está dizendo claramente o seguinte: nós temos uma empresa de ponta, que produz um produto de ponta e que atende plenamente os desejos do mercado nacional, com autonomia para voar de Porto Alegre ao Ceará em vôo direto e com conforto. E, possivelmente, o gesto que a BRA está fazendo neste momento será repetido por outras empresas.

(...) Então, essa combinação que a BRA está fazendo nesse instante [compra de aviões de médio porte e vôos regionais] pode significar uma novidade extraordinária e uma revolução no conceito da aviação brasileira. Eu tenho certeza de que nesses próximos anos a BRA vai colher com o lucro e com o crescimento do número de clientes pela aposta certa que está fazendo de acreditar cada vez mais na aviação regional.

(...) A BRA está dando uma demonstração de que não é apenas o coração que é brasileiro ou a cabeça que é brasileira, ela é uma empresa que acredita no crescimento da oferta de passageiros neste País para cumprir a demanda que eles vão oferecer.


Sobre o desgoverno

Reavaliação de métodos

Era uma vez um caçador que contratou um feiticeiro para ajudá-lo nas caçadas.
O feiticeiro lhe entregou uma flauta mágica que ao ser tocada enfeitiçava os animais, fazendo-os dançar.

Entusiasmado com o instrumento, o caçador foi para a África com dois amigos .
No primeiro dia africano o trio se deparou com um tigre. O caçador tocou a flauta e o animal começou a dançar. Foi abatido.
Horas depois a troupe foi atacada por um leopardo. Ao som da flauta o bicho transformou-se, dançou e "dançou", também foi abatido.
E assim a vida seguiu seu curso. A flauta soava, os animais dançavam e os caçadores matavam.
De repente um leão faminto. Rápido, a flauta, toque, toque... A flauta foi tocada, mas o leão não dançou. Atacou o primeiro caçador devorando-o. Também devorou o segundo e depois de um sonoro arroto matou o terceiro e usou seu femur para palitar os dentes.

Um macaco repórter - sempre há um repórter entre os macacos - 'falou' com sabedoria:
- Eu sabia que eles iam se dar mal quando encontrassem o surdinho...

Moral da Historia:

a) Não confie cegamente em métodos que um dia deram certo;
b) Tenha sempre planos de contingência;
c) Prepare alternativas para as situações imprevistas;
d) Preveja tudo que pode dar errado e prepare-se;
e) Esteja atento às mudanças e não espere as dificuldades para agir.

E, finalmente...

“Cuidado com os leões surdos" (Sidney Borges sobre e-mail de Cida Meca Campos)
 
Free counter and web stats