sábado, julho 28, 2007





Editorial

Novidades no ar

Já se vão três anos... O tempo é curto, a vida é curta. O Ubatuba Víbora faz aniversário na próxima terça-feira. Fará outros enquanto o editor estiver no planeta, sempre exibindo a posição independente com que foi criado. Os avanços tecnológicos nos dão a satisfação de oferecer dois novos serviços. A TV Víbora, que estreou sem alarde com a entrevista da Dona Maria Papuda e o Podcast Víbora, que ainda não estreou, mas em breve estará no ar. A TV começa com uma programação pequena, discreta, mas que irá crescer à medida que novos equipamentos forem incorporados ao "parque tecnológico" do blog. Por enquanto forneceremos além de vídeos locais, clipes musicais selecionados para pessoas de fino trato como você, que lê o Ubatuba Víbora diariamente. Sempre é bom lembrar que se o Ubatuba Víbora não deu, ninguém sabe o que aconteceu.

Sidney Borges

Tommy Emmanuel - Borsalino

Quem se lembra do filme que tinha esta música como tema?


Utilidade pública

TJ suspende isenção de IPTU

O TJ-SP concedeu liminares para suspender a eficácia de duas Leis de Ubatuba, sob números 2931/07 e 2909/07. Para saber mais clique no site:
www.tj.sp.gov.br e confira o nome da parte: “Presidente da Câmara Municipal de Ubatuba”. As Leis suspensas referem-se à isenção de IPTU. (Sidney Borges)

Aniversário do Víbora

Caro professor Sidney Borges:

Diz o artigo XIX da Declaração Universal dos Direitos Humanos: "Todo homem tem direito à liberdade de opinião e expressão. Este direito inclui a liberdade de, sem interferências, ter opiniões e de procurar receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras." Por três anos, com muito talento, o Ubatuba Víbora tem praticado e estimulado este direito. Parabéns!

Celso de Almeida Jr
Colégio Dominique

Tragédia em Congonhas

Foi erro do piloto

Da VEJA deste fim de semana:
"Um erro humano está na origem do pior acidente aéreo da história da aviação brasileira. As informações já obtidas por meio da análise das caixas-pretas do Airbus A320 da TAM – que no último dia 17 se chocou contra um prédio da companhia, causando a morte de 199 pessoas – indicam que o avião, ao pousar, não conseguiu desacelerar o suficiente por causa de um erro do comandante do vôo.
Essas informações, ainda mantidas em sigilo pela comissão da Aeronáutica que investiga o acidente, mostram que uma das duas alavancas que regulam o funcionamento das turbinas, chamadas de manetes, estava fora de posição quando o avião tocou a pista principal do Aeroporto de Congonhas. O erro fez com que as turbinas do Airbus funcionassem em sentidos opostos: enquanto a esquerda ajudava o avião a frear, como era desejado, a direita o fazia acelerar.
Com isso, o avião, que pousou a cerca de 240 quilômetros por hora, não conseguiu parar. As investigações revelam ainda que, apesar da chuva, não houve aquaplanagem na pista nem falha no sistema de freios dos pneus. A reportagem de VEJA apurou também que quem pilotava o Airbus no momento do acidente era o comandante Kleyber Lima, e não, como suspeitava a Aeronáutica, o co-piloto Henrique Stephanini Di Sacco, que fora demitido da Gol depois de três meses de trabalho e estava na TAM havia pouco tempo.
A investigação completa do acidente deverá durar ainda dez meses. No entanto, já se chegou à conclusão de que o erro do piloto foi mesmo a causa inicial do acidente – que, não fosse pelas características da pista do Aeroporto de Congonhas, poderia ter tido conseqüências muito menores. Os motivos que levaram à queda do Airbus da TAM têm relação indireta com o fato de a aeronave estar voando naquele dia com o reverso direito travado.
Reverso é um mecanismo que, ao inverter o fluxo de ar das turbinas, ajuda a desacelerar o avião. Como o sistema de frenagem de uma aeronave é composto de um conjunto de recursos, um aparelho pode voar sem problemas com um dos reversos desativados ou até com dois. Só que, quando isso acontece, o piloto, ao pousar, tem de operar os manetes de forma diferente da rotineira (veja quadro). E isso é o que pode ter confundido o comandante do vôo.
Ao manter o manete da turbina direita – que estava com o reverso travado – em posição de aceleração, e não na posição "marcha lenta", ele impediu a frenagem completa do avião, que atravessou o fim da pista a uma velocidade próxima a 200 quilômetros por hora. Não se trata de um erro inédito. Ele foi cometido pelos pilotos de ao menos outras duas aeronaves do mesmo modelo, o A320 da Airbus. Tanto no desastre ocorrido em março de 1998, nas Filipinas, quanto no acidente que houve em 2004, no aeroporto de Taipei, em Taiwan, concluiu-se que houve falhas na operação dos manetes.
As coincidências vão além: nos dois casos, os aviões estavam com uma das turbinas travadas, exatamente como no acidente da TAM. Nas Filipinas, um vôo da Philippine Airlines passou direto pela pista e só parou após se chocar com barracos de madeira nas proximidades. Em 2004, o fato se repetiu com rigorosa exatidão. Dessa vez, um A320 atravessou a pista do aeroporto de Taipei. Novamente as investigações mostraram que o manete da turbina que tinha o reverso travado estava na posição errada, empurrando o A320 para a frente.
Na quinta-feira, o brigadeiro Jorge Kersul Filho, chefe das investigações do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) do Ministério da Defesa, disse que a aterrissagem com o reverso travado pode ter "influenciado psicologicamente" os pilotos. Disse ainda ser improvável que a ausência de ranhuras para escoamento de água em Congonhas, o grooving, tenha tido alguma relação com o acidente (chovia em São Paulo na noite do dia 17).
A conclusão é que não houve aquaplanagem no dia da tragédia. Ela apóia-se em três evidências. A primeira delas é a ausência de marcas específicas na pista do aeroporto. Essas marcas são formadas quando a água sob os pneus de uma aeronave que está derrapando esquenta até o ponto de fervura. Elas são claras, muito diferentes das marcas negras causadas por frenagens normais. Na pista de Congonhas, tais marcas não foram encontradas. Os dados já colhidos nas caixas-pretas e a análise do que restou dos pneus do Airbus, encontrados nos escombros do prédio da TAM, afastaram de vez essa hipótese".


Nota do editor - O acidente de 1996 com o Fokker foi causado por um problema no reversor agravado pela falta de treinamento dos pilotos, que pulavam esse ítem no simulador. Medida de economia. Quando o evento deplorável ocorreu eu conversei horas depois no extinto Aeroclube de Ubatuba com um comandante da Varig, comandante Richieri, que disse que o piloto deveria ter decolado com um motor só e depois, em altitude segura verificado a origem do problema. Havia potência de sobra para isso. Na Varig, cujos pilotos eram treinados para se livrar de qualquer tipo de pane era assim. Agora vem essa notícia de que o piloto foi induzido ao erro por causa do reversor travado. Conhecendo as cabeças que comandam o país dá para estranhar, mas como os dados da caixa-preta devem se tornar públicos, não há o que contestar. O piloto foi induzido ao erro. Falha da TAM, que deveria enviar técnicos à Austrália para um estágio na Quantas, que nunca derrubou um avião desde a fundação, em 1927. Vai ficar por isso mesmo, a TAM é a preferida do comissário-milionário Dirceu, que logo deve ir a Cuba colocar ordem na casa. Estão querendo aderir ao mercado. Quem diria? (Sidney Borges)

Manchetes do dia

Sábado, 28 / 07 / 2007

Folha de São Paulo
"Comando da Anac articula renúncia"
Os diretores da Agência Nacional de Aviação Civil articulam pedido de renúncia coletiva. A medida seria tomada na próxima semana. Desgastada desde o início da crise aérea, há dez meses, a Anac sofreu fortes críticas depois do acidente com o Airbus da TAM no dia 17 no aeroporto de Congonhas. A diretoria, aprovada pelo Congresso, assumiu em 2006 e tem mandato até 2011.


O Globo
"Órgãos não se entendem no abre-e-fecha de Congonhas"
Conflitos burocráticos entre a Infraero, a Anac e o Comando da Aeronáutica provocaram um abre-e-fecha na pista principal de Congonhas ontem. A pista foi liberada às 12h20m, pela Infraero. Cinco minutos depois, os militares da torre de controle de vôo ordenaram a suspensão de pousos e decolagens. A aeronáutica só autorizou a reabertura às 14h43m. A pista foi fechada pela segunda vez entre 16h40m e 16h57m, por decisão da Infraero, que queria vistoriar obras. Às 20h40m, a pista parou de receber aviões pela terceira vez, devido à neblina. As conversas gravadas entre os controladores da torre de Congonhas e os pilotos do Airbus A-320 da TAM que se acidentou no dia 17 mostram que o comandante da aeronave foi informado sobre o estado da pista, que estava molhada e escorregadia.


O Estado de São Paulo
"Governo articula renúncia de toda a Anac"
Na impossibilidade legal de demitir os cinco diretores da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o Planalto montou uma operação para convencê-los a apresentar a renúncia coletiva até terça-feira. Ministros foram escalados para procurar os integrantes na Anac e negociar uma "saída honrosa" para cada um deles. O presidente da agência, Milton Zuanazzi, deverá conversar durante o fim de semana com a madrinha de sua indicação - a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Roussef. A idéia é que ele seja acomodado em algum cargo no Rio Grande do Sul, Estado do qual já foi secretário de Turismo. O mais cotado para assumir seu lugar é o brigadeiro Jorge Godinho Barreto Nery, que já presidiu o Departamento de Aviação Civil (DAC) e tem perfil considerado eminentemente técnico. Na cúpula da Anac, as maiores resistências à idéia de renúncia vêm da diretora Denise Abreu, cuja indicação foi patrocinada pelo ex-ministro José Dirceu e para a qual ainda não foi encontrada uma solução.


Jornal do Brasil
"Governo exige renúncia do comando da Anac"
O comando da Anac não resistiu às pressões do Planalto e do novo ministro da Defesa, Nelson Jobim. A direção, inclusive o presidente Milton Zuanazzi, teria optado por uma renúncia coletiva, a ser anunciada terça-feira. A única que resiste a deixar o cargo é Denise Abreu, indicada pelo ex-ministro José Dirceu. Pela lei, a direção da agência tem mandato até 2001. O mais cotado para assumir o lugar de Zuanazzi é o brigadeiro Jorge Godinho Barreto Nery, ex-presidente do DAC. Ele assessorou Waldir Pires e continua na pasta com Jobim. Outro nome cotado para a diretoria é o de Ozires Silva, ex-presidente da Varig e da Embraer.

sexta-feira, julho 27, 2007


Ubatuba em foco

"Nota de esclarecimento

Segundo consta nos últimos dias têm transitado pela internet e-mails de conteúdos caluniosos - porque estariam a denunciar fatos inexistentes e outros que, embora reais, foram intencionalmente deturpados - com o nítido intento de denegrir a honra de funcionários vinculados à Câmara Municipal de Ubatuba e, o que é pior, tentar extorquir vultosas quantias dos nomes citados com o fim de obter o silêncio do denunciante.
O objetivo do autor das falsas denúncias, qual seja, o enriquecimento por via ilícita, não será alcançado, na medida em que os atos que configuram crimes de calúnia e extorsão foram formalmente comunicados à Delegacia Seccional de Polícia de São Sebastião, com a subseqüente intervenção da Delegacia Especializada em Crimes pela Internet, e ao Gabinete do Ministério Público, em Ubatuba.
É de conhecimento geral que todos os atos praticados pelos funcionários da Câmara Municipal são fiscalizados diretamente pelo Tribunal de Contas do Estado, e em caráter pontual pela Polícia Civil, Ministério Público e Poder Judiciário.
Denúncias acerca de eventuais irregularidades ou crimes devem ser feitas aos representantes dos órgãos referidos, com o que, sendo verdadeiras, irão possibilitar a responsabilização administrativa, civil e criminal do funcionário público infrator.

Rodrigo de Oliveira Alksnins
Diretor GeraL – Câmara Municipal de Ubatuba..."




"New socialism"

Raúl Castro promete reformas

Às vésperas de completar seu primeiro aniversário no cargo, o presidente em exercício de Cuba, Raúl Castro, irmão mais novo do líder Fidel Castro, fez ontem um discurso surpreendente no qual reconheceu erros, prometeu "mudanças estruturais" na economia da ilha e ofereceu diálogo aos EUA. "Temos o dever de questionar o que fazemos para fazer cada vez melhor; para transformar concepções e métodos que eram apropriados em certo momento, mas foram superados pela própria vida", disse Raúl, aplaudido por 100 mil pessoas.
Leia mais

Congonhas

Lula conversa com pilotos e ouve queixas sobre a pista

Claudia Safatle no Valor Econômico - 26/07/2007
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve, ontem, reunião com três pilotos para ouvir um relato técnico sobre a pista de Congonhas. Lula pediu ao ex-presidente do Sindicato dos Aeronautas, José Caetano Lavorato Alves, de quem é amigo, que convidasse pilotos experientes e sem ligação com o movimento sindical para encontro em seu gabinete. Estiveram no Palácio do Planalto, além de Lavorato, os comandantes Sérgio Quito, da Gol, especialista em segurança de vôo, José Stuppiello e Ricardo Rodrigues Amares, ambos da TAM e pilotos de Airbus. Estava presente, também, o novo ministro da Defesa, Nelson Jobim.Os pilotos deram ao presidente um elemento novo na apuração sobre as causas do acidente com o vôo 3054 da TAM. Quito falou sobre os sucessivos recapeamentos da pista 35 - pista principal, que, segundo Lavorato, sempre causou desconforto nos pilotos. Segundo ele, quando há o recapeamento de asfalto, é preciso um prazo de maturação até que se possa fazer as ranhuras ("grooving"). Durante esse período de maturação, a água, quando chove, se infiltra no asfalto, que começa a soltar uma oleosidade, tornando a pista extremamente escorregadia. Isso o exame da lâmina d'água não detecta.Há um equipamento, usado nos aeroportos de vários países, inclusive o Ezeiza, em Buenos Aires, que faz o "break-action" (ação de freagem). É um veículo que mede, na pista, a capacidade de freagem naquele momento e repassa as informações para os pilotos. "Todos sabem disso, os pilotos, a Infraero", comentou Lavorato, ao que o presidente reagiu: "Ninguém nunca me falou disso antes aqui".Foi essa oleosidade, não detectada na medição da lâmina d'água, que foi reportada pelos pilotos à partir do dia 16, antes do acidente com o vôo da TAM, exatamente quando começaram as chuvas. Até então, a pista havia sido reaberta há duas semanas e não havia relato de problemas.Lula contou que perguntou ao brigadeiro Jose Carlos Pereira, presidente da Infraero, por que a Infraero havia optado pelo recapeamento com asfalto e não com concreto, que seria bem mais seguro. Ele respondeu que não fez, porque é mais caro e demoraria mais. Ao que Lula conta que indagou: "Não era preferível esperar um pouco mais?" A concretagem evitaria o aparecimento da oleosidade, conforme informação dos pilotos.Os pilotos, segundo relato de Lavorato, descreveram para o presidente as peculiaridades da pista principal de Congonhas. Diferentemente da maioria das pistas, a pista 35 tem, no início da cabeceira, pequeno aclive seguido de suave declive. No topo dessa elevação está a área de toque, onde o piloto deve iniciar o pouso. Se a aeronave toca numa área posterior, o pouso tende a se alongar mais do que deveria. "Todo piloto sabe que é preciso ter mais atenção quando o pouso é na pista 35. Se tenho uma pista molhada e ela é a 35, há certo desconforto por parte dos pilotos", explica Lavorato.Ele conta que essa pista sempre foi problemática. Em 1981 o Sindicato dos Aeronautas fez um movimento exigindo que se fizesse o "grooving". Aquelas foram as primeiras ranhuras da pista de Congonhas. Ao longo dos anos, o aeroporto intercalou períodos em que havia "grooving" com outros em que a pista era lisa. De lá para cá, porém, as aeronaves mudaram e os parâmetros de segurança também foram se alterando.Também ontem os ministros do Planejamento, Paulo Bernardo, e da Casa Civil, Dilma Rousseff, reuniram-se com os presidentes Marco Antônio Bologna, da TAM, e Constantino Júnior, da Gol). No encontro, foi discutida a implementação das medidas anunciadas sexta-feira pelo Conselho de Aviação Civil (Conac).

Saúde em pauta

COMUS e Secretaria de Saúde realizarão V Conferência Municipal de Saúde

Obedecendo orientação do Ministério da Saúde, do Conselho Nacional e Estadual de Saúde, o COMUS de Ubatuba, em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde realizarão a V Conferência Municipal de Saúde, no dia 05 de Agosto de 2007, no Salão da Igreja de São Francisco, das 08:ooh às 18:00h.
O tema da conferência será "Saúde e Qualidade de Vida", dividindo as discussões e propostas em três eixos temáticos, a saber:


Eixo I: Desafios para efetivação do direito humano à saúde no Século XXI - Estado, Sociedade e Padrões de Desenvolvimento - o objetivo é avaliar a situação da saúde no País, levando em conta os problemas prioritários, as possíveis causas e também as formas de enfrentamento, nos municípios, estados e Distrito Federal, tendo como perspectiva a atuação intersetorial;

Eixo II: Políticas Públicas parra a Saúde e Qualidade de Vida - o SUS na Seguridade Social - tem como meta a defesa do Sistema Único de Saúde como Política de Estado e a afirmação da atenção à saúde como um direito de seguridade social. Outro aspecto importante será a avaliação do processo de consolidação do SUS, considerando seus princípios constitucionais e também as proposições do novo Pacto pela Saúde;

Eixo III: A participação da Sociedade na Efetivação do Direito à Saúde - busca refletir a construção de caminhos para a integração das diversas instâncias de controle social e a formulação de propostas para reorganizar e aprimorar os conselhos e conferências de saúde.

Como Ubatuba realizou a IV Conferência Municipal de Saúde em 2006, e como há a prerrogativa de na fase municipal serem discutidos problemas municipais, o COMUS, em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde colocarão como base das discussões as propostas consolidadas na referida IV Conferência Municipal de Saúde, acrescidas de propostas que aprovadas nas discussões da V conferência municipal de Saúde.
Os delegados com direito a voto serão os mesmos escolhidos para a IV conferência Municipal, sendo que toda a população está convidada para as discussões, pois todos têm direito a voz.
Os interessados em conhecer as propostas aprovadas na IV conferência e que servirão de base para as discussões na V conferência podem solicitar cópia por meio eletrônico para
mauriciomoromizato@uol.com.br .
A situação da saúde no município, na assistência hospitalar, na saúde bucal, na distribuição de medicamentos, a oferta de exames, a qualidade e a quantidade de assistência médica entre outros, são assuntos importantes e que serão abordados publicamente.


Informações com:


Guaracira Santos (9149-8795)
Maurício Moromizato (9718-4647)

SASSARI

Sociedade Amigos do Saco da Ribeira

Projeto Resgatando a Cidadania promove seu primeiro evento esportivo no Lázaro


Mais uma vez a SASSARI surpreendeu as comunidades do Lázaro, Saco da Ribeira e região, ao realizar o primeiro evento através do Projeto Resgatando a Cidadania, criado para alavancar a integração entre os moradores da região, turistas e comunidades visitantes do município.
Durante os dias 21, 22 e 23 de julho, foram realizados torneios de vôlei de praia, resgata monotipo, recreação e aeróbica.
O evento veio restaurar a identidade das pessoas com o bairro que há muito tempo não apresentava qualquer tipo de atividade que pudesse levar a todos alegria e divertimento.
Para Vanderlei Graça, esse foi um evento que deverá marcar por muito tempo a harmonia e a integração que tanto defendemos. “O evento foi coroado de êxito, mas poderia ter sido melhor, pelo fato de não ter sido patrocinado por qualquer tipo de segmento, mas tivemos apoios de grande importância de pessoas que sempre acreditaram em nosso trabalho. Portanto, quero nesta oportunidade agradecer à prefeitura municipal e os seguintes apoios: Trópico Imóveis, Big Lanches, Mane Motores, Lanchonete do Leme, Rose´s Bar, Supermercado Paulista, Quiosque Pantanal, Padaria Lázaro, Enseada Maré Eco Resort, Mercado Santa Rita, Restaurante 100 Miséria, Quitanda do Daúca, Casa de Carnes Maranduba, Restaurante Alecrim e Esquina das Modas. Somente com o apoio desses comerciantes conseguimos atingir este objetivo e esperamos que mais pessoas se sensibilizem com esse tipo de trabalho que somente vem trazer progresso e bem estar às crianças, adolescentes e outras faixas estaria”, disse Vanderlei, contente com o resultado positivo do evento.

Fonte: Sassari

Cautela

ACIU alerta: Cuidado com as associações “fantasmas”

A Associação Comercial de Ubatuba está alertando novamente as empresas associadas, sobre a ação ilícita de entidades com nomes assemelhados que insistem em emitir cobrança bancária das taxas associativas, enviando correspondência e dizendo ser representante da classe comercial, oferecendo serviços de consultoria, assistência médica, departamento jurídico, entre outros.
“Na verdade essas associações não passam de entidades sem qualquer estrutura para o atendimento do que oferecem, e nem mesmo, podem atender as necessidades das empresas. A entidade que representa o comércio de Ubatuba é a ACIU, então, não pague nada para entidades estranhas, pois você estará jogando dinheiro fora, além de contribuir para a sobrevivência destas associações fantasmas.”, alerta o gerente executivo da ACIU, Célio Moraes Stéfani.
Segundo o gerente, no passado, a Associação Comercial de São Paulo e o Ministério Público cancelaram o nome e o registro da Associação Comercial e Industrial do Estado de São Paulo, que de forma enganosa usava deste expediente para lesar as empresas.
Célio ressalta ainda, que tais fichas de compensação, não podem ser protestadas por não caracterizarem títulos que habilitem o seu emitente a esse ato. “Ninguém poderá ser obrigado a associar-se ou permanecer associado” como consta no texto Constitucional – Artigo 5o – parágrafo XX.
“Portanto, não pague qualquer contribuição a entidades estranhas, redobrem a atenção antes de efetuarem quaisquer pagamentos, confirmando a legitimidade da cobrança”, enfatiza Célio.
Abaixo relacionamos algumas associações que enviam cobrança bancária. Anote e previna-se:


ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO
ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO
ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DO BRASIL
ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO
ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL E AUTÔNOMOS DO ESTADO DE SÃO PAULO
ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E AUTÔNOMOS DO ESTADO DE SÃO PAULO
ASSOCIAÇÃO DO SISTEMA UNIFICADO DO COMÉRCIO E INDUSTRIA DO ESTADO SP


Cristiane G. Zarpelão
Assessora de Comunicação da ACIU
MTB 43.357
www.aciubatuba.com.br
(12) 3834 1449

Caos aéreo

Airbus alertou pilotos sobre pousos sem reversor

De O Globo, hoje:
"A Airbus emitiu um comunicado às empresas que operam seus aviões, como o A- 320 da TAM que caiu semana passada em São Paulo, a fim de reforçar aos pilotos os procedimentos corretos para pousar suas aeronaves sem um dos reversores de turbina, como ocorreu com o avião que caiu no prédio da TAM Express na terça-feira da semana passada, matando pelo menos 199 pessoas. Segundo o comunicado chamado de AIT (Accident Information Telex), distribuído pela empresa com sede em Toulouse, na França, antes de tocar o solo, o piloto deve adotar a seguinte posição: "Durante o flare (procedimento de aproximação da pista durante o pouso, quando começa o processo de frenagem), selecione todos os manetes na posição IDLE (marcha lenta). Para o uso dos reversos no pouso com um deles inoperante, consulte revisões dos manuais do fabricante", diz o documento.
A empresa não diz se pode ter havido falha humana, com o piloto do Airbus da TAM acionando de forma incorreta o equipamento da aeronave, alegando que isso precisa ser investigado pelas autoridades brasileiras.
Os manetes (ou alavancas que controlam a aceleração das turbinas do avião) são semelhantes ao câmbio de um carro automático e, quando estão na posição neutra (IDLE), cortam a aceleração dos motores. Caso o piloto não respeite este procedimento, há um aviso sonoro na cabine. Segundo um piloto ouvido pelo GLOBO ontem, como o piloto recebe o aviso sonoro na cabine, é praticamente impossível que o comandante do Airbus que se acidentou em Congonhas, Kleyber Lima, não tenha adotado o procedimento correto. O piloto diz ser normal a distribuição desse tipo de comunicação da Airbus às companhias."
"Em depoimento de quatro horas ontem na CPI do Apagão Aéreo da Câmara, o brigadeiro Jorge Kersul Filho, chefe do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), admitiu que a manete (alavanca que controla potência das turbinas) da Airbus da TAM poderia estar em posição errada no momento do pouso. Isso poderia explicar o fato de o piloto não ter conseguido frear o Airbus A-320.
Kersul evitou adiantar outros dados da caixa-preta da aeronave que explodiu no último dia 17. E revelou que o Cenipa já havia previsto, em dezembro do ano passado, que poderia ocorrer um acidente em Congonhas, por causa dos problemas com a pista em dias de chuva, caso não fosse feita uma reforma.
No caso da manete, o militar disse que a hipótese foi reforçada após nota da Airbus em que a empresa reitera a importância de, em caso de reverso travado, manter a manete em posição como se fosse uma espécie de ponto morto. Ele disse que representantes da empresa participam da comissão que acompanha a degravação das caixas-pretas, nos EUA." (Noblat)


Nota do editor - O Brigadeiro Kersul supõe que a manete de potência estava em posição errada na hora do pouso. Talvez ele saiba mais do que é de conhecimento geral, talvez seja apenas "wishful thinking". Aos poucos o mordomo surge como o verdadeiro culpado diante de provas insfismáveis. O mordomo do avião, digo, o piloto do avião. O piloto do país não erra, nunca errou e jamais errará, ungido que foi pelos deuses. A única coisa que deve temer são os mercados que o avalisaram e cujos intestinos começam a rugir. Prenúncio de que pode dar m... (Sidney Borges)

Manchetes do dia

Sexta-feira, 27 / 07 / 2007

Folha de São Paulo
"Mercados caem; risco-país sobe 21%"
As Bolsas tiveram grandes perdas, em dia marcado por vendas pesadas de ações e títulos. A Bovespa caiu 3,76%, e o dólar saltou 3,27%, para R$ 1,927. O risco-país, que mede a confiança externa na economia brasileira, disparou 21% e foi a 222 pontos, maior patamar deste ano. Os pregões repercutiram dados decepcionantes sobre o mercado imobiliário dos EUA.


O Globo
"Jobim assume e Tarso agora manda investigar aeroportos"
Dez meses após o início da crise aérea, e no dia da transmissão do cargo de ministro da Defesa para Nelson Jobim, Tarso Genro, mandou a PF investigar os aeroportos. A decisão do petista Tarso, gaúcho como Jobim, atropela a Anac (Agência Nacional da Aviação Civil) e mostra falta de sintonia no governo. Jobim prometeu que a segurança, será a prioridade nos aeroportos. "Nossas prioridades começam pelo decolar, trafegar, para chegar à comodidade", disse, em discurso com tom de crítica ao governo. Ele disse que fará mudanças e que o novo presidente da Infraero terá perfil de gestor, seja civil ou militar. O modelo da Anac, segundo ele, poderá ser mudado.


O Estado de São Paulo
"Filas serão o preço de mais segurança, avisa Jobim"
O novo ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse que sua prioridade será garantir a segurança nos vôos, mesmo que isso sacrifique a comodidade dos passageiros. "Se o preço da segurança for manter por algum tempo a fila, ela será mantida", avisou. "Se o preço da segurança for o desconforto, será mantido o desconforto". Ele confirmou que fará mudanças na Infraero, criticou as reformas realizadas nos principais aeroportos do País e estimou em R$ 2 bilhões o custo das obras para melhorar as condições de segurança. "Não se teve nenhuma visão sobre as questões relativas às estruturas de pouso e de decolagem, mas houve grandes preocupações no que diz respeito a shoppings centers e cinemas". Durante cerimônia de transmissão de cargo no Ministério da Defesa, Jobim se dirigiu aos chefes militares, afirmando que não permitirá "comandos fora de regência". E resumiu: "A música é a do presidente Lula e o maestro sou eu".


Jornal do Brasil
"Começa a devassa nas empresas aéreas"
Depois de 10 meses de crise intensa no setor,o governo e o Ministério Público decidiram ignorar a Anac e dar início a uma devassa nas companhias aéreas. Insatisfeito com a atuação do órgão, o ministro da Justiça, Tarso Genro, determinou à PF que fiscalize oito empresas. O objetivo é saber e elas cumprem o Código de Defesa do Consumidor e se dão informações claras e corretas sobre os vôos e atrasos aos passageiros. Já a Procuradoria-Geral do Trabalho cria a partir de hoje uma força-tarefa para investigar se as empresas estão desrespeitando as leis trabalhistas ao obrigarem pilotos e comissários a excesso de trabalho. A OAB também está pondo em xeque a destituição de toda a diretoria da agência. O ministro Nelson Jobim, em sua primeira entrevista no cargo, disse que a prioridade será a segurança e admitiu que vai mudar o comando da Infraero.

quinta-feira, julho 26, 2007

Dona Maria Papuda

Maranduba

2º FESTIVAL DE INVERNO “BEIRA MAR” NA PRAIA DA MARANDUBA – UBATUBA – SP

A PMU, SETUR e FUNDART em parceria com a ABAMVITUR ASSOCIAÇÃO DA BAÍA DO MAR VIRADO PARA O TURISMO DA REGIÃO SUL DE UBATUBA, promoveram ao longo de todo o mês de julho o 2º Festival de Inverno “Beira Mar” da Praia da Maranduba, com encerramento neste final de semana, na Praça de Eventos da Maranduba km. 76,5 da Rodovia Caraguá-Ubatuba (Manoel Hipólito do Rego).

Programação:

Dia 27/07/07 – Sexta-feira
Banda SOS
Grupo de Dança Swing Ubatuba
Grupo de Dança Ubá - Mar
Dia 28/07/07 – Sábado
Banda Versão Brasileira
Grupo de Dança conexão Brasil
Das 20 horas até as 24 horas.

VENHAM PARTICIPAR!!!

CONTATOS:
abamvitur@hotmail.com
adrigrammont@terra.com.br
adrigrammont@hotmail.com
lick01@hotmail.com



Turbulência moderada na proa

Dólar dispara 3,27% e tem maior alta desde maio de 2006

No mês em que o dólar caiu para o menor patamar desde setembro de 2000, porém, a moeda ainda acumula leve baixa de 0,10%

SÃO PAULO - A fuga dos investidores de ativos mais arriscados fez o dólar disparar para a maior alta em mais de um ano nesta quinta-feira, 26, voltando a ser cotado acima do patamar de R$ 1,90.

Bovespa despenca até 6% e dólar dispara


A moeda norte-americana fechou a R$ 1,9280, com valorização de 3,27% - maior alta em um dia desde maio de 2006. No mês em que o dólar caiu para o menor patamar desde setembro de 2000, porém, a moeda ainda acumula leve baixa de 0,10%.
Leia mais

Pensata

Ares turbulentos

Hélio Schwartsman na Folha Online
Nós humanos não aceitamos bem o caráter fortuito de tragédias como o acidente com o Airbus da TAM, que provocou a morte de quase 200 pessoas. Temos uma necessidade quase física de encontrar explicações e, de preferência, apontar culpados.
Não estou evidentemente sugerindo que a queda do avião ocorreu "porque esta era a vontade do Senhor" e que devamos deixar tudo como está. Muito pelo contrário, precisamos tentar descobrir em detalhes o que aconteceu não apenas para aplacar nosso "desejo de entender" mas também para tomar as providências cabíveis a fim de que desastres semelhantes não se repitam. Há, contudo, uma diferença conceitual importante entre investigar cientificamente um acidente aéreo e erigir especulações feitas ainda sob o calor dos acontecimentos em acusações. Lamentavelmente, vamos ter de esperar ainda bastante tempo, talvez meses, antes de poder afirmar com alguma segurança o que saiu errado com o vôo 3054.
Para agravar um pouco mais as coisas, a aviação opera sob o primado dos sistemas redundantes. No caso das comunicações, há o rádio e o transponder. Eles se complementam, mas não se excluem. Um não "substitui" o outro --ou eliminaríamos a redundância. Para assegurar que o avião pare antes do fim da pista, existem os freios do trem de pouso, os freios aerodinâmicos e o reverso das turbinas, sem mencionar, é claro, as normas internacionais para o coeficiente de atrito do asfalto e o subitamente famoso "grooving", as ranhuras que auxiliam a drenagem do pavimento. Como nem sempre tudo está funcionando em 100%, é relativamente fácil para cada uma das partes envolvidas encontrar um problema na seara da outra e, com isso, tentar furtar-se a suas próprias responsabilidades. É o que vemos agora, com governo, companhia aérea, Infraero, Anac etc. dando início a um jogo de empurra-empurra.

Leia mais

Tragédia nos céus

Desabafo de um comandante

Amigos(as),

Abaixo o meu desabafo sobre a tragédia de ontem...
Abraços pesarosos aos que tiveram pessoas próximas entre as vítimas!

Peter

O desastre maior deste desastre de ontem é que ele é um desastre cuja ocorrência era apenas uma questão de cedo ou tarde. Infelizmente ficou trágicamente evidente que ocorreu ainda mais cedo do que o esperado...
Madruguei hoje assistindo estarrecido pela CNN e Internet aqui em Abu Dhabi, Emirados Árabes onde estou voando agora, as imagens das labaredas pintando de amarelo e ocre a cabeceira 17 de Congonhas (16 na minha época). Pousei lá inúmeras vezes de Boeing 727, Electra da Ponte Aérea e 737-200/300 quando eu ainda voava "na Nacional" na minha, na nossa, "velha" Varig. Hoje sou um dos inúmeros pilotos experientes "exilados" pela Babilônica incompetência Brasileira. Embora agora longe do Brasil, passei quase 30 anos voando na Varig no Brasil, 15 dos quais "na Internacional" nos mais de 20 como Comandante, e por isso assisto a estas imagens dominado por uma indigesta mistura de choque, tristeza e revolta como se ainda estivesse voando aí.
O choque é até previsível diante de imagens do inferno de chamas e corpos sendo retirados dos destroços, e a tristeza também é de certa forma natural, pois é consequencia dos dramas que sempre pontuarão as nossas vidas, salientado a falibilidade inerente à nossa condição de humanos. Mas a dor mais incômoda de todas para mim é a da revolta. Uma TREMENDA revolta diante deste absurdo "Apagão" aeronáutico brasileiro que até recentemente destruía apenas patrimônios como a Varig, mas agora avança célere ceifando vidas gerando perdas humanas irreparáveis, e ainda pior, na maior parte EVITÁVEIS!!!!!
Poucas outras atividades humanas brincam tanto com as nossas emoções quanto a aviação. Voar, viajar, cruzar o céu entre nuvens rumo a lugares exóticos, uma experiência fascinante possibilitada por tecnologias desenvolvidas e incorporadas a estas nossas máquinas maravilhosas, e normalmente trazendo conforto e segurança na "trip" dos nossos sonhos, ou apenas a uma trivial viagem de negócios.
Mas também poucas outras atividades são tão intensa e simultâneamente dependentes das forças da natureza, infraestrutura física e tecnologia, interesses econômicos, treinamento e fatores humanos, horários, e acima e tudo da capacidade de TODOS os responsáveis por cada setor em administrar tudo ao mesmo tempo, enquanto uma aeronave avança como uma flecha a 900km/h rumo ao seu destino. É um desafio contínuo, 24 horas por dia, 365 dias por ano, faça chuva ou sol, para que tudo isso não termine em tragédia...
Só que mais esta tragédia recente prova que este não é o caso no Brasil de hoje. E o cidadão Brasileiro necessita urgentemente exigir que o maestro maior desta "Orquestra" deveria estar executando a sua "partitura" com muita competência para que não tivessem morrido hoje os nossos colegas, familiares e amigos. E que este "Maestro" é, ou deveria ser, o Governo que elegemos democráticamente. Nós pilotos sabemos que ao nosso colega comandante do vôo de ontem caberá a sua parcela de "culpa". Sempre nos caberá algo como responsáveis últimos da operação de uma aeronave, jamais negamos este fato e muitas vezes também "pagamos" com as nossas vidas pelos êrros eventualmente cometidos! Mas o que os Brasileiros precisam urgentemente entender é que a segurança e a pontualidade do seu vôo depende de uma complexa e extensa "corrente" de diferentes eventos e responsabilidades que precisam funcionar uníssonos e com alto grau de profissionalismo. No Brasil quem implementa, administra, regulamenta e fiscaliza a infraestrutura dos aeroportos e das empresas, e controla o nosso espaço aéreo é o Governo; assim como é ele também o poder concedente das linhas para as empresas. E mais: este mesmo Governo ainda cobra UMA FORTUNA em taxas do já aviltado contribuinte-passageiro e das empresas pelo utilização de seus péssimos serviços. Ou seja, PAGAMOS duas vezes para brincarem com as nossas vidas!!!
Cabe a nós Brasileiros exigir que o Presidente pare de brincar com as nossas vidas perseguindo, processando e prendendo pilotos e controladores como se responsáveis fossem pelo estrondoso fracasso do Estado Brasileiro entregue ao seu comando. E a indignação de todos os comentários que ouvi ontem na Internet/CBN me reacendeu uma pequena esperança de que a sociedade talvez reagirá desta vez, a mais este descalabro governamental. A ÚNICA esperança de futuro para o nosso país é entendermos que cabe a todos nós Brasileiros reagir à sujeira política que destrói e mata no nosso país!
O Brasil é grande demais, lindo demais para deixarmos que um incompetente e seus asseclas partidários entranhados nos diferentes órgãos públicos, responsáveis pelos "assassinatos" de Congonhas continuem matando impunemente. Não podemos admitir que mais esta tragédia e sofrimento causado às famílias sejam em vão!!!!

Cmte. Peter Lessmann
Votec Linhas Aéreas - Varig S/A - Etihad Airways
18.07.2007

Nota do editor - É um prazer ler o texto do meu amigo Peter, com quem voei inúmeras vezes, de avião, planador, motoplanador e com quem passei horas e horas falando de aviação, paixão que nos uniu há quase trinta anos. Em política divergimos bastante, principalmente em 1989 quando votei em Lula. Hoje pensamos de forma mais próxima, ele tinha razão quando falava em incompetência...
Enfim, como dizem os especialistas na matéria que do G1 que postei hoje, o avião pousou no ponto certo, com velocidade certa, o piloto não tentou arremeter e mesmo assim deu no que deu.
Precisamos esperar o resultado das investigaçôes, ainda é cedo para culpar a pista, na verdade, esse acidente pode até não ter ocorrido, assim como não houve o mensalão e mais uma vez certamente Lula não sabia de nada, não tem culpa e está triste, ou melhor, indignado, petistas ficam indignados. (Sidney Borges)

Utilidade pública


Clique para ampliar

Início das aulas do Telecurso 2000

Atenção rapaziada que perdeu o bonde e vai no próximo. O Telecurso volta a pleno vapor no dia primeiro de agosto. Não percam, aprender é o caminho da vitória.

Equipe do Telecurso

Caos aéreo

Consultores dizem que avião não tentou arremeter

Do Globo.com:
"Consultores de segurança de vôo ouvidos pelo Jornal Nacional, já com a informação da velocidade do avião da TAM na hora do acidente, afirmam que o piloto tentou frear até o último instante. A reportagem é de José Roberto Burnier.
As primeiras informações vindas da caixa-preta confirmam o que as imagens das câmeras da Infraero já haviam mostrado. Ao pousar, o avião da TAM continuou veloz por toda a pista. Próximo da cabeceira, o Airbus derrapou para a esquerda, passou por cima da avenida e bateu no prédio a 175 quilômetros por hora.
Segundo a Aeronáutica, o pouso começou dentro da velocidade prevista. Ou seja, o Airbus A320, lotado e com cerca de 62 toneladas, tocou o solo em uma velocidade entre 231 e 240 quilômetros por hora.
Para dois consultores de segurança de vôo ouvidos pelo Jornal Nacional, essas primeiras informações da caixa-preta praticamente descartam a hipótese de o piloto ter tentado arremeter. Segundo eles, no fim da pista, a velocidade do avião era alta mas não o suficiente para fazer o Airbus subir de novo".

Leia mais

Manchetes do dia

Quinta-feira, 26 / 07 / 2007

Folha de São Paulo
"Quando viajo, entrego a Deus, diz Lula"
Após dez meses de caos aéreo e os dois maiores acidentes da história do país, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu existir uma "crise" no setor. Ele disse que entrega sua sorte a Deus sempre que viaja de avião. "Toda vez que o avião fecha a porta, entrego a minha sorte a Deus." As declarações foram dadas na posse do novo ministro da Defesa, Nelson Jobim, no lugar de Waldir Pires.


O Globo
"Jobim diz que quem manda é ele e vai mudar sistema aéreo"
O novo ministro da Defesa, Nelson Jobim, assumiu o lugar de Waldir Pires, ontem, dando demonstração de força: disse que quem manda é ele e que recebeu carta branca do presidente Lula para fazer mudanças profundas na estrutura do setor aéreo brasileiro. Segundo Jobim, que é filiado ao PMDB e foi ministro do governo FH, as mudanças não serão partidarizadas: "Só vou nomear técnicos". Jobim admitiu que o setor aéreo estava sem comando e prometeu que as primeiras mudanças serão decididas até o final de semana. Ele disse não ver problema no fato de não ser da área: "Uma coisa é a execução, outra é o comando". Amanhã, ele vai visitar o Aeroporto de Congonhas e o IML de SP, onde é feito o reconhecimento das vítimas do acidente da TAM. O ministro, que recusara convite anterior, mudou de idéia e, bem humorado, explicou a razão: "Minha mulher achou que eu devia aceitar".


O Estado de São Paulo
"Jobim assume a Defesa e critica falta de comando"
Dez meses depois do início da crise aérea, o presidente Luis Inácio Lula da Silva trocou ontem o ministro da Defesa, colocando Nelson Jobim no lugar de Waldir Pires. Ex-deputado e ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Jobim assumiu o cargo dizendo ter carta branca para promover mudanças e apontando a falta de comando como um dos problemas do setor aéreo. Suas críticas foram dirigidas principalmente à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). "As instituições foram feitas para ter resultados", afirmou. "Quero perguntar: esse poder (a Anac) funciona?" Ele classificou como um "problema legal" o fato de os diretores da agência terem mandatos fixos e com estabilidade absoluta. Informou ainda que o governo estuda como incluir no projeto de lei de reestruturação das agências reguladoras um dispositivo que permita a demissão dos integrantes da Anac. Ao dar posse a Jobim, em solenidade no Palácio do Planalto, Lula afirmou que tem medo de voar de avião.


Jornal do Brasil
"Até Lula tem medo de avião"
Em meio à mais grave crise da aviação brasileira, o presidente Lula disse ter medo de avião. A seguir, fez outra declaração que reforça a desconfiança da população sobre a segurança do sistema. Ao dar posse ao novo ministro da Defesa, Nelson Jobim, revelou que reza para não haver novos acidentes aéreos. E aconselhou o novo ocupante da pasta a repensá-la: "Ela está aquém daquilo que é exigência da sociedade brasileira, aquém do funcionamento necessário". Jobim, que foi presidente do STF, só aceitou o desafio depois de ouvir que teria carta branca para fazer mudanças na Infraero e na Anac. A estréia do substituto de Waldir Pires, que resistiu a inúmeros apagões e a dois desastres gravíssimos, acontece num dia em que dois aviões apresentaram problemas em pleno vôo, um pedaço do teto do aeroporto de Campinas desabou e Congonhas registrou seu recorde: 80% dos vôos cancelados.

quarta-feira, julho 25, 2007


Tragédia de Congonhas

Jornal espanhol faz a melhor reconstituição animada

Veja aqui a reconstituição animada da tragédia de Congonhas feita pelo jornal espanhol El Pais. Preste atenção que ela permite ver como foi o desastre de vários ângulos. Para isso, basta continuar clicando em um botão que tem lá. (Noblat)

Editorial

Políticos e popularidade

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab não é exatamente um político que pode ser classificado como simpático. Seu perfil está a anos-luz de distância dos “líderes” populistas que costumam vicejar ao sul do Equador. No entanto, apesar do recente entrevero com um “empresário” da área de faixas e cartazes, quando foi no mínimo grosseiro, sua popularidade está aumentando. Na verdade aumentando de forma avassaladora, o que começa a provocar urticárias no bom moço Geraldo Alckmin, que pretende voltar à prefeitura. Não é impossível, mas não será fácil, o povo já notou que governar passa longe de bom-mocismo. E de discursos raivosos contra as “elites”. Kassab está fechado com o melhor administrador público que este país possui que é o governador José Serra, que também não é simpático. Os dois estão mostrando serviço, o povo agradece. O ex-governador Alckmin perdeu o rumo quando deixou que a arenga estatizante do PT prevalecesse nos debates. O PSDB tem um perfil definido contra ditaduras, sejam de “esquerda” ou de “direitista”, é favorável à liberdade econômica e cultua a meritocracia. Não basta pertencer a um partido ou a uma religião para ocupar cargos que requeiram competência técnica. Alguém precisava dizer isso, o PSDB deve ser libertado da constante satanização do governo populista do presidente Lula, que nada faz além de dar esmolas e copiar a política econômica que tanto combateu. Alckmin perdeu a chance... E o meu voto. Definitivamente.

Sidney Borges

Tragédia de Congonhas

O presidente em seu reduto

O Estado de S. Paulo
"Às 20h30 de 17 de julho de 1996, um Jumbo da TWA explodiu sobre o Atlântico minutos depois de levantar vôo de Nova York. Todos os 212 passageiros e 18 tripulantes morreram. Nas caóticas horas que se seguiram, as famílias das vítimas que convergiram para o Aeroporto Kennedy reagiam com ira e desespero à falta de notícias sobre a tragédia. Levadas para um salão, viram a porta abrir-se para o presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton. O que se passou em seguida foi um dos momentos mais fortes dos seus oito anos na Casa Branca. Desacompanhado, ele foi de grupo em grupo, abraçando e confortando as pessoas em voz baixa. Ouviu protestos, cobranças, desabafos. Quando enfim se retirou, o ambiente era apenas de quieta resignação".

Leia mais



Santa Casa em pauta

Resposta a carta aberta do Sr. Eduardo César

Para esclarecimento da população sobre as considerações do Sr. Eduardo César sobre manifestação de Elias Guerra sobre eventual fechamento da Santa Casa de Ubatuba, cabe comentar:
Ignorante não é a pessoa que não sabe as coisas, mas é a que não sabe onde ou com quem procurar as informações, ou que se apóia em assessores tão ou mais ignorantes do que ela. Sugere-se, pois, que o Sr. Eduardo César leia atentamente e bem devagar, no exemplar da Imprensa Livre de 13 de julho de 2007, a parte superior da página A3, e as observações feitas com relação ao item 5 das suas considerações. Ele declarou que “convidou o Sr. Elias Guerra a assumir a administração da Santa Casa” apesar de ter afirmado que ele ““tem tal convicção pessimista e sem embasamento”,e “é alguém que não conhece o tema que aborda e mais, não reflete uma espírito de cooperação com a sociedade local...”. O Sr. Eduardo César desconhece quem é Elias Guerra e ignora que a entidade a que ele representa no Conselho Gestor da Santa Casa foi a mais votada em recente eleição realizada no dia 16 de julho de 2007, que significa que a população pensa diferente do Sr. Eduardo César, que ignora o que a população pensa.
As reações espasmódicas do Sr. Eduardo César aos problemas da Santa Casa evidenciam-se na demissão absurda e imotivada da Gerente de Enfermagem, da função que exercia com competência e sucesso, desenvolvendo a profissionalização da enfermagem da Santa Casa de Ubatuba, para readmiti-la no Pronto Atendimento da Maranduba, em um projeto que não se sabe como poderá contribuir para melhorar a situação da Santa Casa. Isto demonstra que a demissão foi feita sem se conhecer e considerar o trabalho que, com sucesso, ela estava realizando. Não há preocupação com o futuro do hospital, pois o cargo de Gerente de Enfermagem continua vago e o projeto de criação de manuais operacionais permanece incompleto e a equipe da enfermagem continua sem liderança.
Para que a população de Ubatuba faça suas considerações sobre o que o Sr. Eduardo César disse, apresenta-se o seguinte:
Item 1 – O sr. Eduardo César refere-se a Elias Guerra como “parecendo que tal pessoa é desconhecedora do contexto histórico a respeito do assunto”, e passa a fazer referências a FATOS PASSADOS sobre a Santa Casa, na tentativa de desviar a atenção da CALAMITOSA SITUAÇÃO ATUAL, criada por sua gestão, acreditando que a população possa ser tão ingenuamente enganada, tentando esconder o negro presente, do qual é o causador por ser irresponsável e incompetente.
Item 2 – O Sr. Eduardo César disse: “Em relação à “promessa” de verbas da União para a Entidade na ordem de três milhões de reais, isso é maravilhoso. Porém, pessoalmente, conheço a sistemática de destinação de recursos da União e DESCONHEÇO a figura técnica de recursos para deputados de primeiro mandato. Creio tratar-se de uma promessa, como tantas que presenciamos...”. Desta forma, reconhecendo que desconhece a sistemática, chama o Deputado Federal Clodovil Hernandes de mentiroso. Bastaria que o Sr. Eduardo César lesse atenta e devagar, para que possa entender, o texto na página A2, coluna “Curta”, do exemplar do jornal citado, para se informar do que ignora, que seus assessores também ignoram: “A verba já está prevista no orçamento da União e foi solicitada por parlamentares que não foram reeleitos. Neste caso, o recurso passa a ser prioridade de parlamentares eleitos pela primeira vez, caso de Clodovil”. O Deputado Federal Clodovil Hernandes declarou sua intenção de direcionar recursos de três milhões de reais para a Santa Casa de Ubatuba, por seu amor à Ubatuba. Esta atitude do Sr. Eduardo César justifica a dúvida do Deputado Federal Clodovil Hernandes e demonstra sua responsabilidade pela aplicação de verbas publicas, e sua preocupação sobre a gestão da Santa Casa de Ubatuba. Por desconhecer o que diz e chamar sem fundamentação o Deputado Federal Clodovil Hernandes de mentiroso, o que elimina qualquer credibilidade em sua pessoa, o Sr. Eduardo César poderá fazer que essa verba seja destinada para outra entidade. Assim, se a verba não for destinada à Santa Casa de Ubatuba, a população já sabe que a responsabilidade será do Sr. Eduardo César.
Item 3 – O Sr. Eduardo César disse que “a preocupação do Sr. Elias Guerra com as demissões efetuadas parece-me ser muito mais uma lamúria de ordem pessoal...”. Realmente, nesta única oportunidade em seu texto, o Sr. Eduardo César acertou, pois Elias Guerra lamuria-se intensamente com o descaso e desrespeito com pais de família, eleitores, que tinham em seus empregos na Santa Casa a única fonte de sustento de suas famílias e que não receberam sequer o pagamento de seus direitos trabalhistas. Não podem receber seu seguro desemprego por que não foram feitos os recolhimentos das contribuições previdenciárias, descontadas em seus salários, nem podem receber o FGTS, que também não foi recolhido. É uma enorme lástima para a população de Ubatuba que o Sr. Eduardo César não se lamurie também com tal situação. O Sr. Eduardo César disse “eu presumo que o Sr. Elias Guerra esteja atendendo a algum interesse de terceiro...”. O Sr. Eduardo César parece também ignorar que presunções são fundamentadas em conclusões que uma pessoa faz sem conhecer os fatos, inferindo que as pessoas ajam como elas, baseando-se naquilo que ele sempre faz, atender interesse de terceiros e não o da Santa Casa ou da população.
Item 4- O Sr. Eduardo César disse: “cabe destacar que, pessoalmente, convidei o Sr. Elias Guerra a assumir a administração da Santa Casa, sendo que o mesmo recusou o convite” e que “o mesmo é usado como instrumento político para plantar um verdadeiro clima de terror...” Entretanto o Sr. Eduardo deve esclarecer à população os critérios de escolha de seus assessores, pois se o Sr. Eduardo César tem os conceitos referidos a respeito de Elias Guerra, por qual razão convidou-o a assumir a administração da Santa Casa? Isto significa que o critério usado pelo Sr. Eduardo César para escolher pessoas para cargos de confiança é pela incompetência e o Sr. Eduardo César convida pessoas tão incompetentes como ele. O Sr. Eduardo César imagina, em sua ignorância em conhecer pessoas, que todas as pessoas agem como ele. Esta foi uma das razões pela qual Elias Guerra não aceitou e nem aceitará jamais qualquer convite semelhante do Sr. Eduardo César, porque não se considera incompetente igual a ele.
Item 6 – O Sr. Eduardo César menciona “discursos vazios, sem proposta de solução”, revelando outra característica sua : a de ter memória curta, quando lhe é conveniente. Em matérias veiculadas pela mídia em 16 de junho de 2007, referente ao afastamento do Sr. Alvaro Spínola, se enfatizou a importância da conclusão dos trabalhos de profissionalização e organização da Santa Casa de Ubatuba; em 19 de junho de 2007 foram feitas referências às obras que foram iniciadas de acordo com o projeto de modernização das instalações do Hospital da Santa e, novamente, se reafirmou a necessidade da continuidade do plano de profissionalização; em 30 de junho de 2007, foi relatado o conteúdo dos assuntos tratados na reunião da qual participaram o Sr. Eduardo César, o Deputado Federal Clodovil Hernandes, Elias Guerra e os três assessores do Deputado, Sra Maria Regina Nascimento Ramos, Sr. Maurício Petiz e Sr. René Gatti, quando foram ressaltadas as afirmações de Elias Guerra ao Sr. Eduardo César sobre a importância da conclusão do plano de profissionalização da Santa Casa, pelos resultados apresentados, e novamente foi o Sr. Eduardo César alertado para que o plano continuasse e que se preservasse a equipe de gerência que o vinha conduzindo com sucesso, com o que o Sr. Eduardo César afirmou concordar; em 6 de julho de 2007 revelou-se a grande preocupação com o futuro da Santa Casa causada pela demissão imotivada da Gerente de Enfermagem, causando a dúvida que o Sr. Eduardo César havia quebrado a sua palavra. Ficou a questão de que a demissão teria ocorrido por influência de terceiros, que, por alguma forma secreta, podem influenciar a decisão do Sr. Eduardo César, pois a decisão dessa demissão não atendeu aos interesses do desenvolvimento da Santa Casa. A “imagem negativa da cidade”, a que o Sr. Eduardo César se refere, não é causada por notícias que possam ser motivo de alarme para pessoas conscientes e preocupadas com as condições de atendimento à saúde da cidade, mas por sua gestão incompetente e não transparente, motivada por outros interesses que não são o bem da cidade e da população.
O Sr. Eduardo César parece ignorar que julgar os outros com referência a si próprio, acreditando que os outros sejam iguais a ele, expõe o tipo de pessoa que ele é, o que permite que a população faça seu próprio julgamento.


Elias Penteado Leopoldo Guerra
Coordenador do Conselho Gestor da Santa Casa de Ubatuba

Saia mais do que justa

Conta quem foi, César!

O prefeito César Maia divulgou ontem em seu ex-blog a seguinte nota:

""Transcrevo - mudando os termos para evitar identificação - informação recebida de um alto dirigente da TAM:
* Sobre a informação de um diretor da TAM acerca de um dos reversos da turbina, que foi divulgada pelo Jornal Nacional da TV Globo e que tanta polêmica gerou dando uma justificativa ao governo, posso afirmar -pois sou testemunha- que um alto personagem do governo contatou a alta direção da empresa (TAM) dizendo que ou eles davam uma boa saída ao governo, ou ele (alto personagem), garantia que baixada a poeira, o governo iria quebrar a TAM.
Foi um problema, pois admitir qualquer coisa dessas seria assumir o seguro dos passageiros sem seguradora, o que levaria a uma grave situação financeira. A saída encontrada foi dar uma explicação que do ponto de vista técnico e do mercado segurador, não muda nada. O governo com isso teria garantida uma saída "honrosa" e a TAM ficaria coberta, pois o não uso eventual de um dos reversos é fato regular".
(Comentário meu: Estou certo que o prefeito não é um político leviano. Se disse ter ouvido revelação tão grave feita por um diretor da TAM foi porque ouviu.
Está, portanto, na obrigação de revelar o nome do diretor. Trata-se de um episódio que resultou na morte trágica de duzentas pessoas, no mínimo. E da tentiva de um governo de fraudar o resultado de uma investigação para se livrar de eventual parcela de culpa.
Jornalista pode preservar a identidade das fontes de inforação. Padre tem de preservar segredo ouvido em confissão. Médico e alguns outros tipos de profissionais não podem contar o que ouviram de seus pacientes - salvo com autorização deles.
Mas político, não. O dever dele acima de tudo é com os interesses superiores do Estado - tanto mais em caso tão extraordinário quanto esse..
Se o prefeito insistir em calar sobre a identidade do seu confidente, estamos liberados para imaginar que ele mentiu.) (Transcrito do Blog do Noblat)

Manchetes do dia

Quarta-feira, 25 / 07 / 2007

Folha de São Paulo
"Anac veta venda de bilhetes de Congonhas"
A Agência Nacional de Aviação Civil vetou a venda de passagens para vôos com partida em Congonhas até avaliar que a situação no aeroporto esteja normalizada. A providência já foi tomada no final de 2006. O objetivo é garantir que os usuários com bilhete consigam viajar - há pessoas que tentam embarcar desde domingo.


O Globo
"Em colapso, Congonhas tem venda de passagens proibida"
O governo proibiu por tempo indeterminado as empresas aéreas de vender passagens para vôos que saiam de Congonhas, até que seja superada a situação de colapso no aeroporto de São Paulo. A TAM já havia suspendido as vendas com saída ou chegada por Congonhas, e a Gol recomendou que clientes adiem viagens até segunda-feira. Ontem, o aeroporto teve apenas 16 pousos e 26 decolagens até 19h, quando a média diária é de 600 operações. À tarde, três aeronaves tiveram que arremeter. As caixas-pretas do Airbus revelam que o avião pousou em velocidade normal e que o choque com o prédio da Tam ocorreu quando estava a 175km/h. As conversas gravadas na cabine dos pilotos, ainda não divulgadas, já conteriam informações relevantes sobre as causas do acidente.


O Estado de São Paulo
"Governo proíbe venda de passagem"
A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) determinou ontem a suspensão total da venda de passagens para vôos partindo de Congonhas, por 48 horas. A proibição poderá se estender a outros aeroportos, se houver necessidade. O objetivo é atender aos passageiros que não conseguiram viajar nos últimos dias. Após essas 48 horas, os vôos que saírem de Congonhas terão duração máxima de duas horas, para obrigar as companhias a fazer menos decolagens e com menos peso e poupar as pistas. Por falta de visibilidade, Congonhas foi fechado três vezes ontem e durante duas horas e meia não houve nenhuma operação. Por volta de 13h30 não havia quase aviões nos pátios. A TAM suspendeu também a venda de passagens para vôos com saída e chegada em Cumbica. Está recomendando ainda que qualquer viagem sem urgência seja adiada, mesma sugestão feita pela Gol. Muitos passageiros se queixaram de que as companhias estavam aconselhando a viajar de ônibus para evitar aborrecimentos nos aeroportos.


Jornal do Brasil
"Superlotação, tragédia e crise freiam Congonhas"
A Agência Nacional de Aviação Civil proibiu, por tempo indeterminado, a venda de passagens para vôos que partam de Congonhas. Fretamentos também estão proibidos até que a situação dos passageiros, que já têm bilhetes mas ainda não conseguiram viajar, seja resolvida. Ontem, o aeroporto mais movimentado do país viveu mais um dia caótico. Por causa do intenso nevoeiro, pilotos decidiram arremeter e pousar em Guarulhos. Os constantes fechamentos fizeram com que a Gol e a TAM suspendessem os atendimentos nos guichês. O pátio vazio de aeronaves contrastava com o saguão, onde dezenas de passageiros passaram a noite, amontoados, na tentativa de voltarem para casa. A confusão também foi registrada no Aeroporto Tom Jobim, no Rio de Janeiro. A Polícia Federal concentra investigações da tragédia com o vôo 3054 nas condições da pista. Para a PF, ela influenciou no acidente.

terça-feira, julho 24, 2007


Acidente aéreo

Ponto de vista de um piloto

Acabo de receber este e-mail que circula entre pilotos. O autor é comandante de Airbus. O e-mail me foi enviado por um ex-piloto da TAM, atualmente no comando de um jato executivo. (Sidney Borges)

Olá Amigos:

Em primeiro lugar gostaria de agradecer a todas as manifestações de preocupação comigo, tanto no momento daquela noite trágica, quanto nos dias seguintes. Agradeço de coração a todos. Informo também que estou bem, porém, bastante abalado, triste, indignado com o sacrifício inútil de 200 vidas.
No momento do acidente eu estava em Buenos Aires. Havia voado o PR-MBK na noite do dia 15 para o dia 16. Sim, o reversor do motor numero 2 estava inoperante, mas como eu já disse dezenas de vezes aqui na lista, quem para avião é FREIO, é o atrito do pneu na pista, e não reversor. Falarei mais sobre isso daqui a pouco. Na noite do dia 16, eu pousei em CGH. Não havia chuva, mas a pista estava bastante molhada. Estava com 90 pax no meu avião. Toquei na marca de 500, o avião aquaplanou e eu tomei susto. Um dos maiores sustos em meus 17 anos de aviação profissional.
Eu gostaria muito, na verdade eu daria tudo para ter no meu jump seat os (ir)responsáveis por esta crise que se arrasta há meses. Queria que eles vissem o anti-skid trabalhando, a aeronave escorregando para a lateral da pista. Queria que eles vissem as luzes da cabeceira oposta chegando rapidamente, e nós lá, sem poder fazer nada.
Queria que eles sentissem a tremedeira que eu e meu copiloto sentimos quando livramos a pista lá na taxiway "E" (a última). E, acima de tudo, QUERIA QUE ELES TIVESSEM A CARA DE PAU DE DIZER QUE A PISTA DE CONGONHAS NÃO TEM PROBLEMAS!!!!!!Não varei a pista naquela noite por sorte. Não foi por habilidade, foi pura e simples SORTE.
Sorte que meus colegas no MBK não tiveram. Eu não sou pai de santo, mas esta tragédia já era prevista há MUITO tempo, e eu escrevi aqui na lista por mais de uma vez. Agora que mais 200 pessoas morreram, será que vai acontecer alguma mudança? Claro que não!
Mas vamos aos fatos e aos comentários sobre a montanha de especulações que naturalmente apareceram nos últimos dias. Agora até arremetida é motivo de 1ª página nos sites. Aliás, belíssima arremetida daquele F-100...
Não vou especular sobre as causas do acidente. Estas especulações todas não levam a nada, só aumentam a desinformação e prejudicam a todos que trabalham na aviação. Tudo o que eu pude saber do acidente foi através da internet e de noticiários da TV. Ou seja, a credibilidade destas informações é próxima de zero. Só saberemos as prováveis (na verdade o conjunto de) causas após a análise do CVR/FDR. O que eu posso dizer aqui é:

1- Distância de parada

Vamos considerar as condições abaixo:
Elevação da Pista = 2600 ft
Peso de pouso = 66 toneladas (4 toneladas superior ao do avião acidentado e 1.5 ton acima do Max Landing Weight)
Pista contaminada com 6.3 mm de água (muito mais do que declarado pela twr)
Zero componente de vento de proa (havia uma pequena componente de proa, mas vamos desconsiderar)
Ambos os reversos INOPERANTES
A distância de pouso de um A-320 nestas condições seria de 1841 metros, sendo que a pista 35L de CGH tem 1940 metros, embora a LDA para a pista 35 seja de 1880m. Notem que esta distância de pouso assume o cruzamento da cabeceira a 50 ft, toque na marca de 1000 ft e parada total da aeronave. Como "bônus" o toque ocorreu um pouco antes da marca de 1000 ft segundo as filmagens e
1 reversor foi utilizado. Além disso a aeronave estava com 62.7 toneladas. Neste peso a aeronave precisaria de 1729 metros até sua parada total, sem usar reversores. A operação com 1 reversor inoperante em pistas molhadas/contaminadas é normal e prevista, mesmo porque nas análises de pouso o reverso nunca é considerado. Não existe uma grande assimetria direcional, desde é claro, que vc tenha uma boa aderência da aeronave na pista. E de fato, pela filmagem pode-se ver que a aeronave manteve o eixo até o terço final da pista, que é uma área bastante emborrachada e ainda mais escorregadia que a parte central.
A velocidade de aquaplanagem é função da pressão dos pneus, e para o A-320 é considerado que abaixo de 115 Kt não deveria haver aquaplanagem. Mas em uma pista coberta por uma lâmina de água e sem drenagem eficiente, a aquaplanagem pode acontecer a velocidades baixíssimas. Já tivemos casos de aeronaves que não tiveram o que chamamos de "cornering effect", ou seja, a capacidade do trem de nariz de mudar a direção da aeronave, a velocidades tão baixas quanto 20 kt. Tanto que o manual recomenda não tentar qualquer curva abaixo de 10 Kt em pistas escorregadias.
Pelo que vimos aqui, a aeronave tinha performance para parar com segurança na pista naquele dia. Mas todos nós vimos os trágicos resultados. Ta mais do que óbvio que a pista de CGH apresenta problemas. Foram 4 derrapagens e um acidente fatal, sem contar os inúmeros sustos que por sorte não viraram tragédia.
O problema é que a torre não informa nem o tipo de contaminação, nem o braking action, que poderia dar uma informação mais precisa. Pior, a pista apresenta contaminação irregular, ou seja, alguns pontos tem frenagem melhor do que outros.

2- Vídeos do acidente

A comparação que fizeram das velocidades da aeronave que precedeu o pouso do MBK e dele próprio é no mínimo ridícula! Quando pousamos nestas condições, procuramos parar a aeronave o mais rápido possível. Não se sabe o peso que estava o A-320 que o precedeu, e se ele aquaplanou ou não (certamente não). Se vc não aquaplanar, dá para se parar o A-320 em pouco mais da metade da pista, ou seja, vc vai estar em velocidade de táxi um pouco depois da interseção central (onde mostra a outra câmera). E vai taxiar até a interseção "F" a no máaaaximo 20 kt para não correr o risco de derrapar ao tentar livrar a pista. Note que o piloto da aeronave precedente já estava com os reversos fechados, ou seja, já estava em vel de táxi. O MBK passou bem mais rápido? Claro, mas simplesmente porque não tinha frenagem. Pelo que eu vi dos vídeos o reverso do motor 1 estava funcionando sim.

3- Automatismo da aeronave:

Outra afirmação ridícula de gente que nunca entrou em um jato comercial, quanto mais em um Airbus! Já disse e repito. A única coisa que não dá para se fazer em um Airbus é estolar a aeronave e/ou colocá-la em atitude anormal. O resto é igual a um avião convencional. No solo então, ele é um avião como qualquer outro... Os entendidos de plantão já se animaram a procurar no sistema de controles FBW a causa para o acidente. Estranho. Todas as outras aeronaves que derraparam em CGH NÃO eram FBW...
O 737-300 que varou a pista em POA não era FBW, o MD-11 que varou a pista em NAT NÃO era FBW. O Boeing 737-700 que varou a pista em NVT NÃO era FBW... Estes 3 exemplos só não resultaram em tragédias porque a pista não era CGH... Então este papo de que se fosse outra aeronave não teria acontecido, não cola. Amigos. Esta tragédia pode vir a ter várias causas e fatores contribuintes, só saberemos a verdade daqui a alguns meses. Eu espero que o (des)governo finalmente acorde e tenha um pingo de seriedade para com o setor aéreo. Espero que estas mortes, bem como as do vôo 1907 não tenham sido em vão. O momento agora é de profundo luto. Queria ter mandado uma msg antes, mas estou no meio de uma programação bem puxada. Devo tentar postar algo mais detalhado nos próximos dias. Um grande abraço a todos!

Tragédia em Congonhas

Airbus pousou 2 vezes em Congonhas antes do acidente

Avião chegou a aterrissar quando chovia 3 vezes mais do que na hora da tragédia. Em nenhuma das aterrissagens houve queixas de pista escorregadia.

Do G1, em São Paulo, com informações da Agência Estado
O Airbus A320 da TAM prefixo MBK já havia pousado duas vezes na pista principal do Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo, na terça-feira (17), dia do maior acidente aéreo da história do país. Em um dos pousos chovia quase três vezes mais do que no momento do desastre. Em nenhuma das aterrissagens houve queixa de pista escorregadia ou problemas mecânicos.
O primeiro pouso do Airbus em Congonhas ocorreu às 11h11 do dia 17. O avião, que fazia o vôo 3701, entre Brasília e São Paulo, encontrou muita chuva na chegada à capital. De fato, entre 11h e meio-dia, a estação meteorológica do aeroporto registrou, em média, 1,5 milímetro de precipitação na pista principal. A aeronave pousou normalmente, os passageiros desceram e, 40 minutos depois, ela já estava pronta para decolar rumo ao Aeroporto de Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde chegou às 12h48.
Em Confins, a parada foi mais uma vez breve. Depois de 33 minutos no solo, o Airbus decolou com destino a São Paulo. O vôo 3219 chegou no horário previsto - 14h32. A chuva havia parado, mas a pista principal de Congonhas continuava encharcada. Segundo registros do Serviço Regional de Proteção ao Vôo, entre 14h e 15h, o índice de chuva foi zero no aeroporto. Desta vez, o intervalo até a decolagem seguinte foi maior, para que houvesse a troca da tripulação do Airbus. Assumiam o comando os pilotos Kleyber Lima e Henrique Stefanini di Sacco.

Leia mais

Santa Casa em pauta

Cabe ao Sr. Ricardo Cortes esclarecer

É de fundamental importância que o Sr Ricardo Cortes esclareça à população de Ubatuba o abaixo apresentado:
- Há quanto tempo ocorre a falta dos materiais permanentes indicados pelo Sr. Ricardo?
- Quantos pacientes deixaram de ser atendidos e ou foram atendidos de maneira inadequada, em função da falta dos referidos materiais?
- É ético e profissional utilizar-se de “gambiarras”? Os pacientes foram informados da utilização das mesmas?
- Trabalhar em um hospital que não proporciona condições de trabalho também não é falta de ética profissional?
- O Sr. Ricardo se qualifica como responsável pelo setor de ortopedia e traumatologia e assim sendo não deveria o mesmo estar inscrito no CREMESP dentro dessa especialidade?
- Assinar como possuidor de uma especialidade que não possui não é falsidade ideológica?
- As deficiências denunciadas, com a devida documentação que as comprove foi enviada ao CREMESP e ao CFM?
- Se o Sr. Ricardo sempre foi base aliada da atual administração, por que o mesmo, na qualidade de Presidente da Câmara, não efetuou suas denúncias diretamente ao Prefeito Municipal? Será que a situação de nosso município é tão crítica que nem mesmo o Presidente da Câmara consegue agendar uma audiência com o Prefeito?
- As referidas denúncias foram anexadas ao relatório da comissão da câmara municipal que investigou a Saúde?
- Por que não foi instaurada a CPI?
Por fim e na qualidade de eleitor e morador do município de Ubatuba, solicito que o Sr. Ricardo apresente, publicamente, a documentação que comprove que o mesmo possui especialização em Ortopedia, bem como apresente o por que de não estar inscrito no CREMESP para essa especialidade. Cabe lembrar que é um direito do paciente saber se o médico que o atende possui formação acadêmica adequada.


Marcos Leopoldo Guerra
ac.tributaria@uol.com.br

Ubatuba em foco

Sobre o corte do Jundu no Itaguá

Na semana passada um e-mail meu, enviado à um grupo de Ambientalistas, sobre o corte do jundu na praia do Itaguá, acabou sendo publicado no blog Ubatuba Víbora.

Por se tratar de um e-mail particular e não uma manifestação pública, a matéria publicada acabou sendo precipitada. Como resposta a publicação recebi algumas explicações e considerações por parte da Secretaria de Municipal de Meio Ambiente.

A partir destas explicações e de uma reflexão maior, farei alguns comentários a seguir.

O corte do jundu da praia do Itaguá, por parte da Prefeitura na semana passada, tratava-se de uma poda periódica, realizada pela Secretaria de Obras, por solicitação de comerciantes locais e com acompanhamento técnico da Secretaria do Meio Ambiente.

Segundo informações da Secretária de Meio Ambiente, Sra. Cristiane Gil, a Secretaria elaborou um projeto para que a poda fosse realizada com os devidos cuidados, sendo observados: identificação, colheita, plantio, criação de um viveiro e disseminação de mudas para outros lugares.

Ainda segundo a Secretaria de Meio Ambiente, no decorrer das podas foram encontrados no local: roupas, seringas, preservativos, pranchas, etc; o que justificaria a solicitação dos Comerciantes, que alegam que o local é esconderijo de marginais e seus produtos furtados.

Por se tratar de uma Área de Preservação Permanente (APP), segundo a resolução CONAMA 303 de 2002, considero que tal poda deve ser mais debatida com a sociedade, especialmente através do CMD (Conselho Municipal de Desenvolvimento) e melhor ainda se já tivéssemos o tão desejado Conselho Municipal de Meio Ambiente, fórum mais adequado para tratar do tema.

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente vem fazendo um ótimo trabalho de Educação Ambiental sobre a importância do jundu, através de palestras nas escolas e em outros meios, o que resultou até na conquista de uma bolsa de estudos para um estudante de Ubatuba. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente vem fazendo um ótimo trabalho de Educação Ambiental sobre a importância do jundu, através de palestras nas escolas e em outros meios, o que resultou até na conquista de uma bolsa de estudos para um estudante de Ubatuba.

Tenho visto também muitas iniciativas da sociedade civil para a preservação do jundu, na praia Vermelha do Centro, na Itamambuca, inclusive no Itagua. Corrigindo uma informação precipitada, divulgada em meu e-mail, o reflorestamento do jundu no Itagua foi uma iniciativa da Sra. Vanice, dona do restaurante Papagalli.

Neste ato de cuidado a Sra. Vanice revela uma outra visão dos comerciantes sobre o jundu, que valoriza a preservação da paisagem natural como atrativo turístico.

A importância desta vegetação vai além da proteção da orla das ressacas (bastante relevante considerando o aquecimento global), passando pela retenção de água no solo, pela filtragem de poluentes do lençol freático e pela disponibilidade de alimento e abrigo para os animais das praias.

A iniciativa da Secretaria do Meio Ambiente para a valorização e proteção do jundu é um ato corajoso e muito importante, pois esta vegetação pioneira se desenvolve na restinga de frente à praia, uma das áreas mais especuladas e procuradas para empreendimentos turísticos e de veraneio.

É importante considerar também que esta área, ou parte dela, é de domínio da União (ou seja, é de todos os brasileiros), são as chamadas 'áreas de marinha', que vão da linha média da preamar (maré mais alta), considerada na prática em nossa região na cota 1, e se estendem por 33 m lineares em direção ao continente.

As 'áreas de marinha' são geridas pela Secretaria do Patrimônio da União (SPU) que nos estados é representada por uma Gerência Regional (GRPU).

Neste contexto, considerando a importância do jundu e a disposição da SPU em valorizar a função sócio-ambiental destas áreas (expressa nos fundamentos do Projeto Orla – iniciativa da SPU e do Ministério do Meio Ambiente); muitas construções (irregulares - por que em sua maioria não são cadastradas no GRPU) deverão recuar seus muros e cercas, liberando o espaço para o uso público e para o desenvolvimento desta rica vegetação.

Tal ação poderá proporcionar não só a melhoria da qualidade ambiental de nossas praias, mas também mais atrativo turístico, pois a vegetação atrai pássaros e outros animais admirados pelos turistas, além de contribuir para a balneabilidade de nossas praias e proporcionar mais área de lazer para a população.

Para quem quiser saber mais e contribuir com a preservação do jundu, a Secretaria de Meio Ambiente informa que está de portas abertas. Nós, voluntários das ONGs (Organizações Não Governamentais) do Coletivo de Entidades Ambientalistas de Ubatuba (CEAU) também informamos que estamos abertos ao debate e dispostos para a ação em prol de nossa cidade.

Para um município com mais de 80 % de área de preservação e que tem em suas riquezas naturais os principais atrativos turísticos já está mais do que na hora de valorizarmos e equiparmos nossa Secretaria de Meio Ambiente e Implantarmos o Conselho Municipal de Meio Ambiente, não é mesmo?

Saudações a
tod@s,

Henrique Luís de Almeida
ASSU-Ubatuba
Programa de Gestão Costeira

Nota do editor - A publicação não foi precipitada como alega o autor. Por se tratar de interesse da comunidade, o e-mail foi lido, analisado e publicado. Sugiro que nas próximas vezes seja colocada uma nota informando que o e-mail não é para publicação. (Sidney Borges)
 
Free counter and web stats