sábado, junho 30, 2007

Aviação




The-Jet by Cirrus Design

A Norte-americana Cirrus Design, acaba de mostrar ao público, o 1º mockup do seu "The-Jet" como ela mesmo o chama. Trata-se de uma aeronave totalmente inovadora, pois será o primeiro jato, com pára-quedas balístico, igual aos seus irmão menores, SRV, SR20 e SR22.

O jatinho da Cirrus, também impressiona pelos números, pois com 7 lugares (confortáveis), cruzará no mínimo a 25.000 ft com velocidade de 300 kt = 558 km/h. Está é uma garantia mínima para o comprador, tendo em vista a turbina escolhida com 3.000 lb de empuxo da Williams International. Provavelmente estes números serão ainda melhores, embora a fábrica ainda não tenha divulgado os números da performance.

Aos que quiserem entrar na fila é só desembolsar U$100 mil de deposito inicial. O custo final da aeronave ficará na faixa entre U$1.0 milhão e U$1.2 milhão.

Certamente o The-Jet Cirrus desbancará os rivais diretos. (Diamond Jet com apenas 5 lugares e o Eclipse com 6)

Lembrando também que o custo operacional esperado é extremamente baixo tendo em vista a inovadora utilização de apenas uma Turbofan. (Celso Pedrosa de Melo Filho)

Edificante...

Na lista de compras de Roriz: uma bezerra e dois juízes

Da VEJA desta semana:
"O senador Joaquim Roriz, flagrado em uma conversa telefônica combinando a partilha de 2,2 milhões de reais, finalmente subiu à tribuna para explicar-se na semana passada. Com um discurso pronunciado à semelhança de Odorico Paraguaçu, o inesquecível personagem de folhetim que encarnava o aspecto folclórico da política, Joaquim Roriz repetiu o que dissera antes – só que, da tribuna, adicionou algumas lágrimas e muita retórica. "Quem em sua vida nunca pediu um empréstimo a um amigo?", disse. "Será que um senador não poderia pedir um empréstimo a um amigo de longa data?", repetiu. "Imaginem se pedir dinheiro emprestado é falta de decoro. Meu Deus! A que ponto chegamos?" No discurso, Roriz disse que pediu 300.000 reais ao seu amigo e empresário Nenê Constantino, dono da Gol Linhas Aéreas, para pagar uma bezerra. Constantino entregou um cheque de 2,2 milhões, Roriz sacou o dinheiro, reteve 300.000 reais e devolveu o restante, 1,9 milhão, ao empresário. A novidade é que, se parte do dinheiro foi mesmo usada para pagar uma bezerra, outra parte teve destino explosivo – serviu para subornar juízes do Tribunal Regional Eleitoral que livraram Roriz de cassação em 2006.
Na semana passada, VEJA conversou com um político que priva da intimidade do senador e que ouviu a confissão do pagamento da propina do próprio senador – e não de terceiros. Ele conta que, no começo de fevereiro passado, Joaquim Roriz recebeu seu suplente, o ex-deputado distrital Gim Argello, em sua casa. Conversaram sobre os boatos de que a decisão pró-Roriz do TRE teria sido comprada. A certa altura, travou-se o seguinte diálogo:
Argello – O Agnelo (refere-se a Agnelo Queiroz, ex-ministro e candidato derrotado ao Senado) me disse que a decisão foi comprada. É isso mesmo?
Roriz – É isso mesmo. Achei que o processo não ia dar em nada, mas tivemos de resolver. Tivemos de comprar dois.
Conforme o relato do político que detalhou o assunto a VEJA sob a condição de manter-se anônimo, "comprar dois" significa subornar dois juízes do TRE. Na mesma conversa, Roriz lembrou ao interlocutor que o mandato de senador também lhe pertencia. "O mandato também é seu, você precisa me ajudar", apelou. "Tem de levantar 1,2 milhão", detalhou. Roriz não explicou se 1,2 milhão de reais era o valor total da propina dos dois juízes ou se era a parte que faltava pagar. A solução não demorou a surgir. No dia 13 de março, conforme aparece no diálogo telefônico capturado pela polícia, Roriz descontou o cheque de 2,2 milhões de Nenê Constantino e, sabe-se agora, repassou pelo menos 1,2 milhão aos juízes subornados. Isso explica por que, na conversa grampeada, Roriz se recusa a receber o dinheiro em sua própria casa, num carro-forte, e explica que a partilha dos recursos envolve outras pessoas. "O dinheiro é de muita gente", diz ele."
Leia mais

Cabra macho...

Protesto original

Xico Sá
Tudo bem, a Justiça brasileira é tudo aquilo que já sabemos, mas o escriturário Romildo Giachini Filho, aqui da aprazível e caliente Jaú, interiorzão paulita, exagerou no seu protesto. Condenado pelo crime de porte ilegal de arma ainda em 2005, todo mês ele tinha como obrigação comparecer ao fórum da cidade para assinar o processo. Nesta terça (26), saiu de casa assobiando, feliz da vida, daria o seu derradeiro autógrafo e estaria com o nome limpo outra vez.
Mas reparem só o que é o ser humano, essa criatura complexa e indecifrável… O pobre escriturário teve uma brusca recaída na fase anal, como diria o freudianismo mais vulgar, e, depois que assinou a papelada, não satisfeito, desabafou de uma forma, digamos assim, heterodoxa. Sim, senhores e senhoritas, Romildo arriou as calças e defecou sobre o processo em plena 5ª Vara de Jaú. Incrédulos, os barnabés do Judiciário deram ordem de prisão ao rapaz, que, mais uma vez, encontra-se em situação complicada.
Agora vai respondender por crime de inutilização de documento público, que pode render de dois até cinco anos de prisão. O mais genial é que, diante do pedido para que limpasse a sujeira, o nosso personagem disse algo bem parecido com o bordão de um colega de profissão famoso na literatura, o escriturário Bartleby, de Melville: “Prefiro não !”

Fonte: Xico Sá - No Mínimo

Ponto de vista

Festa da Tainha

Não tenho tido muito tempo para escrever. Mas às vezes há situações que me movem a ligar o computador, abrir as páginas virtuais das revistas eletrônicas (UbaWeb, Ubatuba Víbora, Litoral Virtual) para ler as matérias de nossa região. Depois de muito fingir que esse assunto não me importunava, resolvi ceder à pressão da consciência e escrever sobre a vaidade humana.
Segundo o honesto Houaiss, a etimologia da palavra é latina. Vaidade vem de vanitatis, que quer dizer vacuidade, futilidade, orgulho vão. Uma grande pista.
Cada vez me convenço mais de que os grandes problemas da humanidade são causados por essa característica inata do ser humano. Querer ser sempre mais. Isso explica desde o garotinho que se acha o centro do mundo, ignorando pai e mãe, até o espetáculo grotesco de Eduardo César et caterva, que orfanou muita gente politicamente. Com isso, levanto a tese de que todos nós temos nossa cota de vaidade. Há graus de vaidade que vão desde sua quase ausência até sua presença ostensiva, indo da humildade à arrogância.
Qualquer coisa na vida pode ser remédio ou veneno. Depende sempre da dosagem e do paciente. Tudo tem seu lado bom e seu lado ruim. Até o inferno é bom para que possamos valorizar o Céu. Sem o grão-tinhoso, o que seria dos padres e pastores? Então, vou primeiro falar sobre o lado bom da vaidade.
O grau zero da vaidade é o altruísmo e a humildade. Nada melhor do que conviver com alguém que é verdadeiramente altruísta e humilde. Alguém que se percebe como parte de um todo social e que, como parte desse todo, faz sem muito fuzuê o que tem que ser feito sem se preocupar com as alterações que sua ação poderá trazer para si. Pelo menos como preocupação primeira, já que se esvaziar totalmente das conseqüências também ou é leseira baré ou é um desprendimento de São Francisco de Assis. Conheço e trabalho com pessoas que se enquadram no altruísmo humilde, como é o caso da Maria Cruz, presidente da Associação de Moradores da Maranduba.
Há pessoas também como a Maria do Carmo do Rio da Prata, Gidalva do Parque Guarani, Jerry do Núcleo Botafogo, seu Cido da Folha Seca, Binato da Sasari, Higino da Barra Seca, Laura do Quilombo da Fazenda, Seu Genésio, Isaias e Moisés da Praia do Camburi, Maria Gabriel da Praia do Pulso etc., que verdadeiramente cumprem sua parte no jogo das relações pessoais e profissionais de forma exemplar. Antecipam problemas, propõem soluções e jogam mesmo o positivo jogo da melhoria do todo. Pessoas que se alegram com uma sinceridade pueril com a vitória dos outros porque conseguem ver nessas vitórias as vitórias do coletivo. Pessoas que não têm medo de desfazer o malfeito, ainda que isso lhes valha antipatias e olhares fulminantes de ódio pela extrema ousadia de deslocar o status quo petrificado, produto de anos de uma política de vaidades e personalismos.
Tenho me assombrado com algumas pessoas que no dia-a-dia das associações buscam só e somente só o seu ganho pessoal. Tanto no aspecto financeiro quanto no aspecto simbólico. Há uma disputa surda de poder que chega, muitas das vezes, a ser irritante e desmotivadora para quem tem por ofício gerenciar os conflitos, por mais zen que se tente ser. Ainda que de forma inconsciente, em nome da vaidade essas pessoas bloqueiam ações, procrastinam projetos e tarefas, sabotam o trabalho alheio. E são pessoas, pasmem, com a dita qualificação acadêmica e até com cursos superiores. Batendo na ponta máxima da escala Richter das vaidades, elas resistem a se mover por acharem, erroneamente, que nada mais têm a aprender, que nem um centímetro a mais podem crescer, seja com os outros, seja com elas próprias. Desdenham das oportunidades de crescimento que lhes aparecem por conta da imexibilidade do seu autoconceito, pronto e finalizado.
Esse lado ruim da vaidade é que corrói e que me enche o saco. O fato do trabalho alheio aparecer e ser valorizado desperta no indivíduo vaidoso uma tremenda vontade de fazer algo que marque uma posição e que lembre ao mundo que ele também existe, não importando para isso quão ridícula seja sua atitude. São puros atos de mesquinharia, de sabotagem, em que são investidas todas as forças do vaidoso. O vaidoso, vejam só, faz uso de toda autoridade possível que esteja a seu alcance para tentar elevar-se à altura daquele que disparou em si seu instinto de vaidade, sua vacuidade, seu orgulho vão.
É bobo ver disputas pequenas de vaidades que sacrificam as relações afetivas, sociais e profissionais. É deprimente saber - porque se acaba sabendo, não se iludam - que a pessoa que elogia seu desempenho profissional na segunda à tarde, na terça de manhã lhe apunhala com a mais maldosa pernada, atingido de morte pela inveja, irmã da vaidade.
Tal qual o pior cego, o pior vaidoso é aquele que não quer ver. O vaidoso cego é tão fortemente movido por recalques inconscientes que apaga as razões que o movem. A razão fica cega, como uma faca que não corta. O buscar do fim - mostrar que ele existe - justifica seus meios, nada éticos, pequenos, minúsculos, ridículos.
Nada mais ridículo, amigo leitor, do que o ser humano querer-se maior do que é. Um juiz que se acha acima da lei, um professor que já sabe tudo, um político que acha que pode com um jeitinho passar por cima das leis etc. Vaidade e falta de semancol são irmãs.
As coisas vão funcionar melhor no dia em que olharmos seriamente (e não retoricamente) para o próprio buraco do umbigo e fizermos algumas perguntas. Será que só faço isso porque ganho algo? Será que só faço isso porque perco algo? Será que só faço isso para ter meus 15 minutos de fama, aqueles mesmos previstos por Andy Warhol? Será que sou vaidoso? Será que sou invejoso? Será que não preciso de dois comprimidos de semancol, de duas em duas horas para ver se fico menos travoso?
A vaidade humana é a ferrugem do elo social. É a areia na engrenagem do coletivo. Sinceramente, nessa semana que passou percebi como somos vulneráveis à vaidade, a sermos vítimas da vaidade, tanto da nossa quanto da dos outros. Perdi um pouco de fé na humanidade, confesso, pelo acúmulo de situações limites recorrentes num curto espaço de tempo. Mas os vaidosos nem se aperceberam.
Provérbio: Zangam-se as comadres, descobrem-se as verdades.


Jairo dos Santos
Vereador - PT

Editorial

Cotidiano recorrente

Junho deu às de Vila-Diogo, quer dizer, partiu, foi-se, ou foice como escrevem os bacharéis da novilíngua. Tenho falado pouco de acontecimentos locais, em breve isso mudará, fontes me dão conta de que vai começar uma nova caça ao pato. Dizem que desta vez o pato não será o habitual, há outro na berlinda. Vai chover chumbo, tantos serão os disparos para o alto. Aliás, uma curiosidade, o chumbo de caça tem de ser esférico, caso a forma não seja perfeita o tiro será impreciso, não chegando, claro, a sair pela culatra. Falta de pontaria é comum em nossas plagas austrais, há quem mire no gato e acerte o peixe, o presidente Kirchner é um exemplo. Eis-me à deriva em divagação, provavelmente pelo impacto das declarações do novo prefeito de Buenos Aires, Mauricio Macri, tão lúcido que me fez sentir simpatias pelo Boca. Fiquei extasiado ao ver fotos do senador Joaquim Roriz rezando na catedral de Brasília. No Brasil os políticos são intocáveis, tem foro privilegiado, ou melhor, privilegiadíssimo, são julgados em um tribunal que nunca condenou, o que deve ser inédito no mundo, quiçá em outros mundos, caso existam. Quanto às leis divinas, a coisa é mais complicada, nos tribunais celestes não existem casuísmos, os julgamentos são baseados em fatos e, como todos sabem, contra fatos não há argumentos. Os arapongas divinos, com o devido respeito, sabem de tudo, vêem tudo, ouvem tudo e são incorruptíveis. No julgamento final está estabelecido que quem deve paga. Se eu fosse o Senador, que acredita na continuidade da existência, começaria a comprar roupas de amianto. Em futuro não distante ele terá assento privilegiado num lugar tão quente quanto a superfície do Sol. Para toda a eternidade. Na terça-feira começam os Jogos Regionais. É grande a torcida para que tudo dê certo. Ubatuba está precisando.

Sidney Borges

Brasil@lheira.com.br

O odor que emana do Senado

Estadão, hoje:
Já não tivesse dito na véspera que “o que não pode é o Senado ficar sangrando e, mais do que isso, fedendo”, o representante de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos, teria motivos de sobra para dizê-lo, em tom ainda mais enfático, na quinta-feira. Até os mais calejados observadores dos costumes políticos nacionais hão de ter sentido vergonha pelas novas demonstrações de cinismo e ignomínia que enxovalharam nesse dia a Casa, sangrando há cinco semanas em razão das jogadas do seu presidente Renan Calheiros para enterrar, custe o que custar, as denúncias contra ele. O vexame mais espetaculoso foi proporcionado pelo senador peemedebista Joaquim Roriz, que está para o Distrito Federal (DF) - onde exerceu quatro mandatos de governador - como os velhos coronéis do voto de cabresto e do assistencialismo estão para os grotões do Brasil arcaico.

Leia mais

Interesse geral

Reunião

Participantes:
Eduardo de Souza Cesar, prefeito de Ubatuba
Clodovil Hernandes, deputado federal
Elias Leopoldo Guerra, coordenador do Conselho Gestor da Santa Casa
Assunto:
O futuro da Santa Casa de Ubatuba

Elias Guerra
No dia 21 de junho de 2007 o Deputado Clodovil Hernandes e Elias Penteado Leopoldo Guerra, coordenador do Conselho Gestor da Santa Casa e assessores do deputado estiveram em reunião com o Prefeito. O tema da reunião foi a situação da Santa Casa e a possibilidade de o Deputado destinar verba de R$ 3 milhões para obra de revitalização e modernização das instalações do hospital e equipamentos. O propósito dessa reforma é adequar e eliminar as condições inadequadas do prédio antigo, para que esteja preparado para, em breve futuro, receber o investimento da Secretaria de Saúde do Estado para a instalação de leitos de UTI , transformando o hospital em referência regional. O deputado Clodovil Hernandes manifestou sua opinião sobre a situação e sua preocupação pela aplicação da verba que necessita ser sabiamente aplicada e que seja adequadamente administrada.
O Deputado iniciou a reunião expondo o que sentia e pensava sobre a situação, mas retirou-se para atender outro assunto importante, ao ter recebido uma ligação telefônica urgente. A reunião continuou com o Prefeito, Elias Penteado Leopoldo Guerra e os assessores do Deputado.
Elias Guerra explicou ao Prefeito que acompanhou, como coordenador do Conselho Gestor da Santa Casa, desde o início, os trabalhos de consultoria do Sr. Álvaro Mesquita Spínola e da empresa e consultoria em gestão hospitalar Consaúde, dirigida pelo Dr. Arthur Chioro, que foram realizados na instituição e que a sua experiência e conhecimentos profissionais permitem-lhe afirmar que os resultados apresentados pela equipe de gerência do Hospital, por seu Diretor Técnico e pelo Sr. Spínola, apoiados pela Empresa Consaúde, demonstram que o projeto de reconstrução, modernização e profissionalização da Santa Casa estão tendo sucesso até agora e que certamente essa é a direção adequada para os seus propósitos. Elias pode perceber como é importante a carta branca, ou seja, a não intervenção externa, dada pelo Prefeito, aos consultores e a equipe para que possam realizar o processo de profissionalização da Santa Casa, adotando as decisões adequadas para que se atinjam os objetivos estabelecidos .
A continuação do projeto até seu final é, assim, imprescindível para que se assegure o futuro da Santa Casa, que, sem a conclusão desse projeto de desenvolvimento e profissionalização, que foi contratado peloPrefeito, não há futuro para a Santa Casa, ou seja, não há condições para seu funcionamento, significando o fechamento do hospital, com enorme prejuízo para a população da cidade e da região.
Embora a verba de R$ 400,000,00, recebida pelo acordo com o Banco Banespa tenha permitido o inicio dos trabalhos da modernização e revitalização do prédio. do hospital, é necessário ainda investimento para complementar a adequação das instalações, assim como para os equipamentos necessários para substituição dos antigos e de novos equipamentos para a realização de trabalhos que atualmente não podem ser realizados no hospital por falta de condições.
A conclusão da reforma permitirá ao hospital ter instalações e equipamentos modernos e adequados, para que a UTI possa ser instalada, tornar-se referência regional e servir de maneira adequada a população de Ubatuba.
Considerando a longa história de enormes dificuldades financeiras que a instituição tem passado, que resultou na decadência de seus recursos e instalações, a realização deste projeto, certamente será um marco definitivo na saúde na cidade de Ubatuba e um marco distintivo de uma nova era na prestação de serviços hospitalares à comunidade, o que incentiva a conjugação de esforços para que essa obra tão necessária para a comunidade se realize.
Desta forma, o papel do Conselho Gestor da Santa Casa no acompanhamento desses trabalhos é vital para que seja dada garantia à população que este Conselho, que representa a participação na comunidade no controle social da gestão da Santa Casa, seja uma garantia da continuidade do projeto. Permite que a população também esteja acompanhando o desenvolvimento dos trabalhos desse projeto de reconstrução, revitalização e modernização da Santa Casa.
O Conselho Gestor da Santa em sua missão de representar a população na gestão do hospital, que é da comunidade, continuará acompanhando passo a passo o projeto, para manter a presença dos usuários nesse acompanhamento e fiscalização e assim fazer que seja cumprido o que está determinado na constituição Federal da República, em seu artigo 198, que os serviços de saúde tenham, conforme o “inciso III – a participação da comunidade“.
O Prefeito declarou que concordava plenamente com o que foi exposto por Elias Guerra e que é sua intenção continuar apoiando esse projeto, que também aprova, acreditando ser esta a solução mais adequada para a reconstrução da nova Santa Casa de Ubatuba e portanto, endossando o que foi dito e dando toda sua aprovação.

Festival de Inverno "Beira Mar"

Praia da Maranduba
Ubatuba– SP

A Abamvitur, Associação da Baía do Mar Virado de Turismo da Região Sul de Ubatuba, com o apoio da Prefeitura Municipal de Ubatuba, Secretaria de Turismo - SETUR e a Fundação de Arte e Cultura - FUNDART, promoverá nos quatro finais de semana do mês de Julho o 2º Festival de Inverno “Beira Mar” da Praia da Maranduba, na Praça de Eventos da Maranduba km. 76,5 da Rodovia Caraguá-Ubatuba (Manoel Hipólito do Rego).

Programação:

Dia 06/07/07 – Sexta-feira
Banda do Tinno
Grupo de Dança Conexão Brasil

Dia 07/07/07 – Sábado
Banda Garden All
Grupo Swing Ubatuba


Dia 13/07/07 – Sexta-feira
Banda do Contato Imediato
Grupo Swing Ubatuba


Dia 14/07/07 – Sábado
Banda do Beto
Grupo de Dança Conexão Brasil
Dança da Fita – Quadrilha Itaguá


Dia 20/07/07 – Sexta-feira
Banda Paxá e os Cabeludos
Grupo de Dança Conexão Brasil


Dia 21/07/07 – Sábado
Banda João Terra
Grupo Swing Ubatuba


Dia 27/07/07 – Sexta-feira
Banda Versão Brasileira
Grupo Swing Ubatuba


Dia 28/07/07 – Sábado
Banda Versão Brasileira
Grupo de Dança conexão Brasil


Datas a confirmar
Apresentações de Capoeira com Grupo Guelê
Quadrilha dos Jovens


Serão quatro finais de semana consecutivos de muita diversão e entretenimento, o evento contará com uma incrível área de alimentação, com muitas apresentações de cultura e arte – A partir das 20 horas.

CONTATOS

abamvitur@hotmail.com
adrigrammont@terra.com.br
adrigrammont@hotmail.com
lick01@hotmail.com

Brasil

Manual de sobrevivência no Congresso

Por Fernando Gabeira (PV-RJ), na Folha de S.Paulo, hoje:
"O Congresso brasileiro é um dos mais caros do mundo. É presidido por um homem que não quer largar o osso, perdidas todas as condições políticas de representá-lo.
Como explicar tudo isso? Calheiros começou abordando seu drama com categorias psicológicas. Um processo esquizofrênico. Passou em seguida para as categorias políticas: uma perseguição fascista.
Isso indica pelo menos que têm conhecimentos de psicologia e de política, embora os tenha manipulado. Por que resiste em deixar o cargo, depois de passada a hora?
Há muitos pontos que explicam essa resistência. Quem vive aqui sabe que as pessoas voltadas para o poder pessoal têm uma visão particular dele. Não consideram que o poder seja resultado do respeito e admiração de seu povo. Acham o contrário: uma vez tendo poder, admiração e respeito acabam se agregando como conseqüência.
(...)A resistência de Renan, execrado pela mídia, condenado pela opinião pública, contém uma dose de sabedoria. É expectativa de que as coisas se acalmem, novos temas subam às manchetes. Todos sabem que a mídia depende das notícias; não é, profissionalmente, uma cruzada moral. Novas notícias, novas manchetes.
(...) A verdade é esta: o Brasil é refém de uma categoria de políticos que está de costas para os anseios da opinião pública. Seu argumento é o de que a classe média é moralista.
Os pobres sim, esses o conhecem e vão consagrá-los nas urnas. Roriz encarna essa política." (Noblat)

Manchetes do dia

Sábado, 30 / 06 / 2007

Folha de São Paulo
"Polícia de Londres diz ter encontrado dois carros-bomba"
A polícia britânica afirmou ter encontrado dois carros com material explosivo na região central de Londres. O episódio ocorreu no segundo dia de Gordon Brown no cargo de premiê e quase dois anos depois dos atentados suicidas que mataram 52 pessoas na cidade. Segundo autoridades, os dois veículos, da marca Mercedes, tinham a mistura letal de gasolina, cilindros de gás, pregos e detonadores.


O Globo
"PM fica de prontidão para impedir represália do tráfico"
Todos os 16 batalhões da PM na cidade do Rio entraram ontem em prontidão diante da possibilidade de retaliação da facção criminosa que domina o tráfico no Complexo do Alemão, após a ofensiva policial que resultou em 19 mortos, quarta-feira. A polícia soube que os bandidos planejaram invadir outras favelas da cidade. A quadrilha do Alemão recebeu reforços de traficantes aliados, de outras favelas, que conseguiram entrar lá, disfarçados de moradores. O estado já tem um plano detalhado para cada favela onde haverá novas operações, como Rocinha e Mangueira. O clima nessas áreas é de apreensão e medo. A Força Nacional aceitou permanecer no Rio no segundo semestre para participar do cerco a favelas. A Humans Wright Watch, entidade americana de direitos humanos, pediu que o estado investigue se houve excessos da polícia no Alemão. Pelo menos seis dos mortos identificados têm antecedentes criminais.


O Estado de São Paulo
"Londres desarma ataques do terror"
A Polícia britânica desarmou ontem dois carros-bomba no centro de Londres. Segundo o governo, o atentado terrorista poderia matar milhares de pessoas. Médicos avisaram a polícia ao ver fumaça saindo de um Mercedes, próximo a Picadilly Circus. O outro veículo foi descoberto horas depois, em West End, região dos principais teatros de Londres. Os dois carros-bomba, carregados com galões de gás propano, gasolina e pregos, seriam detonados à distância, por um comando de celular. Autoridades acreditam que a preparação do ataque tenha ligações com a Al-Qaeda ou com outros grupos terroristas estrangeiros, já que os carros-bomba eram semelhantes aos utilizados no Iraque. Até a noite de ontem, ninguém havia sido preso. Foi lançada uma grande operação de contraterrorismo. O nível de ameaça de atentado foi elevado para 'severo' - o segundo mais alto na escala. Em 7 de julho de 2005, atentados no metrô londrino mataram 52 pessoas.


Jornal do Brasil
"Urbanização de favelas virá com ações contra o tráfico"
A operação contra o tráfico no Complexo do Alemão foi o primeiro passo: completando amanhã seis meses de mandato, o governador Sérgio Cabral precisou retomar a presença do Estado nas favelas antes de passar às ações sociais. A estratégia agora é investir em urbanização para consolidar a cidadania. Os primeiros alvos serão o Alemão, que terá R$ 495 milhões em investimentos, Manguinhos, com R$ 385 milhões, e a Rocinha, com R$ 110 milhões. Nas duas últimas, as obras vão começar em outubro. As melhorias incluem saneamento, abertura de ruas e remoção de barracos em áreas de risco.

sexta-feira, junho 29, 2007


Nosso homem em Brasília

Após derrame, Clodovil se prepara para retomar atividades na Câmara

RENATA GIRALDI da Folha Online, em Brasília
Recuperando-se de uma paralisia causada por um
AVC (Acidente Vascular Cerebral), o deputado Clodovil Hernandes (PTC-SP) deve voltar à Câmara na próxima semana. Segundo assessores, ele está reagindo bem aos medicamentos e já não reclama mais de dores nem mal-estar. Na segunda-feira, ele será submetido a uma nova bateria de exames para verificar se pode retornar às atividades parlamentares.
Clodovil está seguindo as orientações médicas na casa dele, em Ubatuba. Recebe alguns amigos, mas evita atividades mais intensas, de acordo com assessores. No começo do mês, ele foi internado no Hospital Sírio-Libanês, onde foi atendido, e depois seguiu para uma temporada em um
hotel.
Leia mais

Brasil@lheira.com.br

"A chulice apropriada"

Editorial de O Estado de S.Paulo, hoje:
"Todo cuidado é pouco para não tomar ao pé da letra o que os políticos dizem. Ou porque muitos deles mantêm um relacionamento difícil com a verdade, ou porque o prazo de validade da maioria de suas declarações varia conforme as conveniências que as ditaram, ou ainda porque, na presença de câmaras e microfones, são possuídos por surtos de arrebatamento, que cessam tão logo se desligam os equipamentos. No entanto, vez por outra, quando a fala de um político retrata inquestionavelmente e sem rebuços uma realidade do momento, toda atenção há de lhe ser dada. É o que se aplica a uma das mais chocantes afirmações já ouvidas no plenário de uma casa legislativa federal brasileira - com a reveladora agravante de não ter sido rebatida por nenhum dos pares de quem a proferiu, o senador pernambucano Jarbas Vasconcelos, do PMDB.
Na sessão da quarta-feira, em aparte ao ex-presidente do Conselho de Ética Sibá Machado, que subira à tribuna para dar a sua versão da renúncia ao cargo, Vasconcelos disse que pedira o afastamento de Renan Calheiros da presidência do Senado “para não nos causar o constrangimento que causa hoje, presidindo a sessão em que o senhor explica as razões que o levaram a renunciar”. E pôs o dedo na ferida: “O Senado não pode ficar nessa perplexidade em que se encontra, sob pena de se desmoralizar. O que não pode é o Senado ficar sangrando e, mais do que isso, fedendo. Essa situação está ficando insustentável.” Nada poderia definir melhor a atmosfera em que vive hoje a Câmara Alta do que o termo chulo. Vasconcelos não é nenhum boquirroto ou irresponsável. Com 64 anos de idade e 37 de vida política, foi três vezes deputado, duas vezes prefeito e duas vezes governador - sempre pelo mesmo partido. É um dos poucos peemedebistas de nomeada que não aderiram ao governo Lula."

Leia mais

Opinião

“Efeitos do exercício da cidadania”

Corsino Aliste Mezquita
Reivindicações feitas, no exercício da cidadania, respeitando a lei e as pessoas, vez por outra, são atendidas pelos poderes públicos que ocasionaram o desrespeito aos cidadãos e os desperdícios causados ao erário público.
Em artigo publicado nos órgãos de imprensa virtuais: Ubatuba Víbora, O´Guaruçá e Litoral Virtual, de 22-05-07, e no jornal “A SEMANA”, de 25-05-07, pg 02, sob o título “DESRESPEITO E DESPERDÍCIO”, após registrar os imensos desperdícios de luz e água e os desrespeitos à população com barulho, gritos , insultos e palavrões que ocorriam e, em parte continuam a ocorrer, no campinho existente, na Praça Roque Graciliano dos Santos, no Centro-Silop, até altas horas da noite, concluímos com o apelo: “Será pedir demais ao Sr. Prefeito Municipal, que mande desligar os holofotes às 22:00 H. e solicite, da Polícia Militar, a dispersão desses grupos a partir desse horário?. Os cidadãos trabalhadores precisam descansar”.
Seguindo aquela máxima, segundo a qual : “os donos do poder não se preocupam demasiado com as coisas públicas e se apavoram com as publicadas”, três dias após a publicação, o apelo foi atendido e o automático programado para desligar às 22:00 H, como a lei do silêncio determina.
Registramos que, anteriormente, vizinhos tinham reclamado, insistente e repetidamente, sem serem ouvidos.
Não sabemos de quem foi a ordem. O pedido atendido, os vizinhos do campinho agradecem. O desrespeito diminuiu e podem descansar mais cedo.
Resta aos administradores se organizarem e mudar de mentalidade para evitar o imenso desperdício de água e energia elétrica que lá, e, em outros locais, é praticado sem benefício para a sociedade ubatubense. Sublinhamos: “SEM BENEFÍCIO PARA A SOCIEDADE UBATUBENSE”.
Dias de chuva, os holofotes iluminam, unicamente, as poças de água. As torneiras, vez por outra, são deixadas abertas e jorrando água na rua Amapá, até que, algum vizinho ou transeunte, percebe o desperdício e, cidadão consciente, fecha o registro. Esse desperdício de água e energia não poderia ocorrer, nas atuais circunstâncias históricas. Nossos administradores estão agindo na contramão da história e do seu discurso. Constantemente os ouvimos solicitar dos cidadãos a participação da Agenda 21, economizar energia e água, cuidar do ambiente e do aquecimento global. Os discursos, para não terem efeitos contrários, deveriam estar acompanhados do exemplo.
Não pode justificar-se a frase: “Isso é feito para facilitar a prática do esporte”. Ninguém, de bom senso, é contra facilitar a prática do esporte, desde que em lugares adequados, (campos e quadras esportivas, em praças, não são lugares adequados), de modo organizado, disciplinado, coordenado, dirigido e sem ocasionar prejuízos, perturbações e despesas à sociedade. A prática do esporte deve fazer parte do processo educativo e disciplinar dos cidadãos. Nas circunstâncias vividas nas quadras esportivas e campinhos das praças da cidade, os prejuízos para a sociedade são enormes e, esses locais vão se tornando ambientes de desrespeito, indisciplina e, supostamente, do crime.
Aguardamos solução para esses problemas. A cidadania consciente agradecerá.

De onde vem o exemplo?


Do Blog do Noblat

Manchetes do dia

Sexta-feira, 29 /06 / 2007

Folha de São Paulo
"Entidades acusam polícia de abusos em ação no Rio"
Entidades de direitos humanos e parentes de vítimas dos 19 mortos em ação policial anteontem no complexo do Alemão, no Rio, acusaram a polícia de ter matado inocentes e pessoas feridas, incapazes de reagir. Com base em relatos de moradores, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, João Tancredo, disse que a polícia cometeu "um massacre de civis".


O Globo
"Polícia já planeja cerco a Rocinha e mais 4 favelas"
O secretário de Segurança do estado, José Mariano Beltrame, afirmou ontem que vai estender à Rocinha e a outras quatro favelas do Rio a mesma estratégia de uso da força empregada no Complexo do Alemão. Ele informou que estão sendo planejadas megaoperações em comunidades onde o tráfico se impõe pela força, como Rocinha, Cidade de Deus, Jacarezinho, Mangueira e Complexo da Maré. "Temos que agir, garantir o direito de ir e vir dos moradores", disse o secretário. As cinco favelas apontadas como os próximos alvos teriam juntas um exército formado por cerca de 850 homens bem armados. Considerado um dos alvos mais difíceis, por sua localização, só a Rocinha teria 200 traficantes e cem fuzis automáticos. Apesar do duro golpe sofrido anteontem durante a operação da polícia, o tráfico de drogas resiste no Complexo do Alemão. Os bandidos reagiram ontem a tiros e bombas, quando policiais militares retornaram ao Morro da Fazendinha. Várias escolas continuavam fechadas e imperava a lei do silêncio entre moradores e comerciantes. A batalha do Alemão contou com levantamento aerofotográfico da região e o auxílio de 150 informantes. A atuação da Força Nacional foi considerada tão importante que o estado vai pedir ao governo federal a permanência da tropa de elite no Rio até o fim do ano.


O Estado de São Paulo
"Lula e ministros saem em defesa de Renan"
O presidente Lula e dois de seus principais ministros saíram em defesa do presidente do Senado, Renan Calheiros, acusado de usar dinheiro do lobista de uma empreiteira para pagar despesas pessoais. Durante cerimônia de recondução de Antonio Fernando de Souza ao cargo de procurador-geral da República, Lula criticou a forma como o Ministério Público e a Polícia Federal divulgam informações sobre suspeitos. "É não termos o cuidado de pessoas serem execradas publicamente antes de serem julgadas", disse, ao lado de Renan, que participou da solenidade. A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou que a preocupação de Lula é defender "os princípios democráticos e os direitos individuais". E o ministro da Justiça, Tarso Genro, declarou desejar que Renan seja inocente: "É isso o que todos nós queremos e que o povo brasileiro quer".


Jornal do Brasil
"Confronto vai continuar"
Operações militares planejadas e de grande porte, como a realizada no Complexo do Alemão, vão continuar. O governo do Rio, afinado com a política federal de segurança pública, já prepara novas incursões para combater o tráfico e reassumir o controle dos morros. Com ações cirúrgicas, a polícia pretende enfraquecer o primeiro escalão da droga carioca. A população apóia e pede que se continue a agir após os Jogos Pan-Americanos. A decisão das autoridades é pôr fim ao pacto de não-agressão. Por outro lado, os bandidos anunciam, na letra de um funk, que têm poder de fogo e vão reagir às operações.

quinta-feira, junho 28, 2007


Comunicado do Partido Verde

Ética, transparência, coerência, coragem

O Partido Verde de Ubatuba foi convidado pelo Prefeito Eduardo César para ajudá-lo a implantar as conquistas do Plano Diretor elaborado no início de seu mandato.
Tarefa difícil por dois motivos.
O primeiro porque para isso devemos lidar com mudanças de mentalidade tanto na administração pública quanto na própria comunidade. Velhos vícios instalados historicamente no poder público e velhas desconfianças entre os cidadãos dificultam a inovação de métodos.
O Plano Diretor de Ubatuba foi elaborado seguindo as determinações da lei federal que instituiu o Estatuto da Cidade segundo as quais o desenvolvimento urbano não poderá mais ficar na dependência de prioridades políticas ou conveniências pessoais. A lei parte do princípio que o improviso é caro para o país e penoso para o povo, portanto, as ações administrativas do município devem ser decorrentes de políticas públicas geradas a partir de debates com a comunidade e aprovadas no Conselho da Cidade. Consequentemente, para implantar o Plano Diretor deverão ser criados todos os mecanismos e instâncias de participação popular nele previstos e obrigatórios por lei.
O segundo motivo com que nos deparamos é menos nobre, mas igualmente real. Trata-se da destruição política dos concorrentes ao pleito de 2008. O ano pré eleitoral que estamos vivendo contém todas as armações preparatórias para esse desfecho, ou seja, em setembro próximo encerra-se o prazo das filiações partidárias para aqueles que pretendem ser candidatos a algum cargo eletivo. Os espaços políticos dentro dos partidos eleitoralmente mais interessantes estão sendo disputados e as possíveis coligações e candidaturas já fazem parte da movimentação administrativa da cidade. A tendência agora é associar todas as ações ao objetivo eleitoral que se avizinha, desvalorizando-se aquelas que possam se constituir em expressivo ganho para o adversário.
O PV analisou o convite do prefeito dentro desse contexto. A própria história do partido orientou nossa decisão. A independência de ações e o forte compromisso com a qualidade de vida e o interesse público são, reconhecidamente, a marca da presença do PV quer no plano internacional, quer nos debates do Congresso ou nas pequenas comunidades. Não vemos, assim, qualquer sentido em excluir-nos da possibilidade de ajudar na construção do progresso do nosso município.
Não temos compromisso com a sucessão, não nos foi pedido. Queremos cooperar com um governo, e não trabalhar para uma eleição.
O trabalho proposto ao PV dentro da administração Eduardo César tem um objetivo específico, ou seja, vincular a estrutura de planejamento do Plano Diretor a um instrumento executivo, ágil, capaz de realizar as obras necessárias ao desenvolvimento urbano e às metas das políticas públicas formuladas nas instâncias de participação popular.
Sabemos que poderemos dar conta dessa tarefa, mas sabemos também que não podemos fazer isso sozinhos. Somos poucos de um único partido, precisamos de muitos de vários partidos, e para isso o que se precisa é apenas de ética, transparência, coerência e muita coragem.

A Comissão Executiva do Partido Verde de Ubatuba
Ubatuba 28 de junho de 2007

Aviação




Cirrus lança nova aeronave no Brasil

Empresa organiza evento na Pousada do Broa para apresentar ao mercado brasileiro a terceira geração do SR22

Reconhecida como a líder global na comercialização de aeronaves para a aviação pessoal, a Cirrus está se preparando para lançar no Brasil a terceira geração do SR22. Para isso, a empresa irá promover um evento na Pousada do Broa (Itirapina/SP), nos dias 14 e 15 de julho, voltado apenas para convidados.
Famoso por seu desempenho, qualidade e segurança - a Cirrus é a única empresa do mundo que disponibiliza sistema salva-vidas de pára-quedas (CAPS) em todos os seus modelos - o SR22 conseguiu ficar ainda melhor. Batizada como SR22-G3, a nova versão é 24 quilos mais leve do que a anterior e ganhou inúmeras inovações, tais como: asas mais leves; está mais alto, o que melhora a visibilidade do solo; ganhou luzes de reconhecimento embutidas no bordo de ataque na ponta da asa; passou por melhorias em sua manobrabilidade, aerodinâmica e na proteção contra o gelo, além de alterações no desenho do sistema de circulação de ar.
E para quem deseja adquirir uma das aeronaves mais seguras e modernas do mundo, a Cirrus disponibilizará quatro versões desta terceira geração. Os interessados poderão escolher, por exemplo, entre o SR22-GTS, modelo top de linha com motor de 310 HP e sistema online de recebimento de informações meteorológicas por satélite, ou até mesmo o SR22-GTS Turbo, indicado para aqueles que querem voar mais alto, mais longe e mais rápido.
O SR22-G3 foi apresentado no Sun' n Fun Air Show, em Lakeland, Flórida (EUA), e lançado internacionalmente na Aero 2007, em Friedrichshafen, Alemanha, no dia 19 de abril.

Sobre a Pousado do Broa – A Pousada do Broa está localizada na cidade de Itirapina, a 220km da capital paulista e a 15 minutos da cidade de São Carlos, às margens da Represa do Broa, uma das maiores do Estado de São Paulo, com cerca de 16 km de orla e em uma área de preservação permanente, ao lado da estação Ecológica do Estado e do Instituto Florestal. Nela, o visitante tem à sua disposição a estrutura necessária para quem busca conforto, tranqüilidade, contato com a natureza e diversão para toda a família.

Além de uma opção de lazer, a Pousada do Broa garante toda infra-estrutura e ambiente adequado para eventos corporativos, como exposições, feiras, convenções, workshops, cursos ou treinamentos, além de encontros de amigos, reuniões de família, festas, torneios, entre outros.

Completando a infra-estrutura do local, o Aeródromo Dr. José Augusto de Arruda Botelho, reúne todas as condições técnicas para pouso e decolagem de aeronaves de até médio porte, com pista de 1.050m, torre de controle, biruta, farol rotativo e balizamento e classe de operação H24 (Homologado Visual diurno/noturno).

Serviço


Pousada do Broa
Rodovia Ayrton Senna, km 8 – Itirapina (SP)
Reservas: (19) 3575-1136 / Grupos & Eventos: (11) 3528-9320 e (19) 3575-1136
E-mail:
reservas@broa.com.br e pousada@broa.com.br
www.broa.com.br

ACIU em movimento



A inauguração do Clube ACIU será na próxima terça-feira

A Associação Comercial de Ubatuba, informa que por causa da chuva, a data da festa de inauguração de sua Sede Social- o "Clube da ACIU" foi alterada para o próximo dia 03 de julho- 3a feira, a partir das 20h00.
O clube está localizado à Rua Maria Madalena 454- estrada do Taquaral- (antiga Apresul)
A inauguração terá como tema a I Festa Junina da ACIU, e segundo os diretores da entidade o Arraiá ACIU será um “festão”. O evento contará com barracas típicas, show de banda ao vivo e claro a famosa quadrilha.
A ACIU disponibilizará aos convidados gratuitamente quentão, vinho-quente, pipoca, doces típicos, churrasco, refrigerante e cachorro quente. “É coisa que num acaba mais sô”, brinca um diretor da ACIU.
A ACIU informa que toda a renda das barracas da Pescaria e da Cerveja será destinada à entidades carentes.
O presidente da ACIU, Ahmad Khalil Barakat, conta com a presença de todos os associados e diz que a expectativa para a inauguração da sede social é grande. “Agora teremos uma sede social de verdade, com espaço amplo, uma infra-estrutura maravilhosa para recepcionar os nossos associados e seus familiares, um espaço em que o empresário poderá também organizar confraternizações com seus funcionários, festas, cursos, além claro de envolver os empresários da cidade. Esta conquista veio graças a sede própria que inauguramos recentemente”, diz Ahmad.


Convites

Cada empresa filiada à entidade terá direito a dois convites gratuitos, os convites adicionais custam R$ 10,00. Crianças menores de 10 anos não pagam.
Os convites devem ser retirados até às 12h00 da próxima 2a feira- 02/07, na Sede da ACIU, à Rua Esteves da Silva, 51, na Assessoria de Comunicação da entidade e falar com Cristiane.
Esperamos por vocês!!!

Estrutura do Clube

A estrutura do clube conta com uma área de aproximadamente 31.000 m2, que contém churrasqueira, salão de festas, cozinha, campo de futebol, quadra de volley, sala de jogos, piscina, playground e muita área verde.
De acordo com o presidente da ACIU, o clube conta com 22 apartamentos que serão transformados em uma pousada-escola. "A nossa intenção é buscar parceiros para este novo projeto, para capacitar a nossa mão de obra, como cursos de camareira, recepcionista entre outros", diz Ahmad.
O presidente acrescentou ainda, que há a intenção de realizar na cozinha do clube, cursos de manipulação de alimentos transformando-a também em uma cozinha-escola.
Fonte: Cristiane Zarpelão

Ludopédio

Brasil decepciona e perde para o México na estréia da Copa América

da Folha Online
A primeira partida oficial do técnico Dunga no comando da seleção brasileira terminou em decepção. Sem as estrelas Ronaldinho e Kaká, que pediram férias, o Brasil perdeu para o México por 2 a 0, nesta quarta-feira, na cidade de Puerto Ordaz, na Venezuela, pela Copa América-2007.

Leia mais

Guerra civil

Um dia no Alemão, 13 mortes

Do Jornal do Brasil, hoje:
"A manhã de ontem parecia tranqüila para Bruna, 6 anos, até chegar ao principal acesso à Favela da Grota, no Complexo do Alemão, em Ramos. Ali, a cena de recentes confrontos na região se repetia, depois de uma trégua de pouco mais de uma semana. Cinco horas depois, uma das maiores operações da polícia no conjunto de favelas terminou com pelo menos 13 traficantes mortos, nove pessoas feridas por balas perdidas e armas, munição e drogas apreendidas. O complexo ficou sitiado por 1.200 policiais civis e militares e 150 homens da Força Nacional de Segurança (FNS) durante mais de oito horas. Desde o início da ocupação no Alemão, em 1º de maio, 38 pessoas foram mortas e outras 77, feridas."

Leia mais
"Os confrontos de ontem no Complexo do Alemão voltaram a deixar um rastro de sangue entre os moradores da região. Nas favelas da Grota e da Fazendinha, principais alvos da megaoperação, nove pessoas ficaram feridas, entre as quais uma menina de 8 anos. Luana Lorenço da Silva foi atingida por uma bala perdida na Avenida dos Democráticos, em Bonsucesso, nas proximidades do conjunto de favelas. Os tiroteios também deixaram feridos um traficante e um policial da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core)."
Leia mais
"Planejada há pelo menos seis meses, a tomada do Complexo do Alemão por 1.350 policiais ocorreu quase no fim do prazo estipulado pela Secretaria Estadual de Segurança. Com a proximidade dos Jogos Pan-Americanos, a ordem é evitar que megaoperações como a feita ontem ocorram antes do fim da competição."
Leia mais

Brasil@lheira.com.br

O caso Joaquim Roriz

Editorial de O Estado de S.Paulo, hoje:
"No cenário político brasileiro tantos têm sido os casos de carreiras que se iniciaram em situação econômica bem modesta e ao cabo de alguns anos transformaram em milionários políticos que têm se servido da função pública como meio de vida, que pode até parecer a coisa mais natural do mundo a grande fortuna acumulada por quem foi vereador, deputado, prefeito, ministro, governador do Distrito Federal (DF) por quatro vezes e senador da República, especialmente se dedicado, paralelamente, a um dos negócios que nas mãos de políticos se têm tornado de uma rentabilidade mágica, acima de quaisquer valores de mercado, a saber, os negócios com gado. No entanto, graças à escuta telefônica - já que os políticos caboclos ainda não descobriram que hoje a forma de contato mais segura para suas transações “pouco transparentes” talvez seja a utilização do Correio -, às vezes vêm à tona rastros de exuberantes operações com dinheiro suspeitíssimo, que exibem, de forma acachapante, o grau da gangrena moral que atinge a vida pública neste país.
O senador Joaquim Roriz (PMDB-DF) foi flagrado, no curso de uma operação da Polícia Civil do DF que investigava desvios de recursos públicos no Banco Regional de Brasília (BRB, instituição financeira estatal do DF), em diálogos com um dos presos na operação, o ex-presidente do banco Tarcísio Franklin de Moura, que com Roriz combinava a entrega de R$ 2,2 milhões em moeda sonante. (...)
É verdade que o Senado da República tem outro assunto muito grave para resolver. Mas, pela evolução dos dois casos, até agora, o que temem os brasileiros, que não perderam a esperança de ver a decência prevalecer sobre a imoralidade na vida pública deste país, é que uma indecência venha servir para abafar outra."

Leia mais

Manchetes do dia

Quinta-feira, 28 / 06 / 2007

Folha de São Paulo
"Ação policial mata ao menos 19 no Rio"
Pelo menos 19 pessoas morreram em dez horas de combates na maior mobilização policial já ocorrida em uma única área do Rio. A ação envolveu 1.350 homens das polícias Civil e Militar e da Força Nacional de Segurança no complexo de favelas do Alemão, na zona norte, alvo de operações diárias há quase dois meses. Até a noite, o governo do Rio falava em 13 mortos.

O Globo
"Polícia invade Alemão e mata 19"
Numa das maiores mobilizações de policiais do país, com um total de 1.350 agentes, a Secretaria de Segurança do estado coordenou ontem a mais forte ofensiva contra o tráfico no Complexo do Alemão, desde o início da guerra que já dura quase dois meses. Após vários confrontos, 19 pessoas morreram, sete foram vítimas de balas perdidas, um policial ficou ferido e cinco traficantes, baleados. A ação mobilizou policiais civis, militares e da Força Nacional, em carros blindados e com apoio de helicóptero. Com todo o morro ocupado, bandidos diziam pelo rádio que tinham de fugir devido ao grande número de policiais no local. A polícia descobriu esconderijos onde os bandidos guardavam armas (entre as quais duas metralhadoras antiaéreas), munição, explosivos e drogas. "A Secretaria de Segurança quebrou um pacto silencioso de não-agressão", disse o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, admitindo que o complexo ainda está dominado pelos traficantes. O cerco vai continuar.


O Estado de São Paulo
"Operação no Rio deixa 13 mortos"
Uma das maiores operações de combate ao tráfico no Rio terminou com 13 mortes ontem. Nove pessoas foram feridas por balas perdidas. Cerca de 1.200 policiais civis e militares e 150 agentes da Força Nacional de Segurança ocuparam o complexo de favelas do Alemão, na zona norte. A operação foi planejada pelo Centro de Informação da Polícia Civil, que recebeu informação de que traficantes se reuniriam em uma casa que era na verdade um paiol de armas e drogas. Os policiais foram recebidos a bala e o tiroteio durou mais de 7 horas. Houve apreensão de 40 quilos de cocaína, 115 quilos de maconha, 50 explosivos, 5 fuzis, 5 pistolas, 2 metralhadoras antiaéreas ponto 30 e munição. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, que chegou a divulgar que havia de 18 a 20 mortos, todas as vítimas eram criminosos. Às 16h30, três blindados da PM desceram com os primeiros corpos. Parentes iniciaram um protesto, logo interrompido pela polícia com gás pimenta.


Jornal do Brasil
"Guerra sem fim"
Depois de 57 dias de ocupação e dois meses de planejamento, a polícia realizou uma das maiores operações da história no Complexo do Alemão, com 1.350 homens. Houve intenso tiroteio e 13 criminosos, segundo a Secretaria de Segurança, foram mortos. Inocentes, como um estudante de 13 anos, ficaram feridos no confronto. O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, confirmou a disposição da polícia de manter a política do confronto. "É uma ação sem data para terminar. Temos condição de reunir o dobro do efetivo para uma nova operação". Foram apreendidos 30kg de cocaína, 115kg de maconha e duas metralhadoras ponto 30. A 15 dias do Pan, a Força Nacional de Segurança, que participou da ação no Alemão, só enviou 2 mil homens. A promessa era de 6 mil.

quarta-feira, junho 27, 2007


Ubatuba em foco

Sociedade Amigos do Saco da Ribeira retoma Projeto Social nos bairros do Lázaro e Saco da Ribeira

Esse projeto é uma peça fundamental para conduzir as “massas” para uma visão positiva do futuro. O esporte é fato concreto para trazer de volta a saúde, a união, o amor ao próximo e a esperança para um futuro melhor, resgatando a cidadania e proporcionando lazer para a comunidade. Esse projeto é um sonho realizado pelo presidente da SASARI. Foi uma tarefa difícil, pelo fato de não termos estrutura financeira, mas, com a parceria de homens de boa vontade derrubamos mais uma barreira que nosso bairro vinha enfrentando. As aulas são ministradas na quadra comunitária do Saco da Ribeira e Lázaro pelo professor Íris Henrique, no qual nos orgulhamos muito que esteja à frente de nossos alunos. Agradecemos de coração aos colaboradores, pois sem eles seria impossível dar continuação a essas atividades tão importantes para a comunidade. Queremos ressaltar ainda que o objetivo do projeto é reduzir diversos tipos de enfermidades que atinge muitas donas de casa no seu dia a dia, ocupar as crianças com atividades esportivas e quem sabe no futuro formar algum atleta. Contamos com o apoio de outros patrocinadores para que possamos ministrar aulas de caratê, música e outras atividades educativas, desenvolvendo ao nosso bairro e adjacências o direito de ser um pouco mais feliz, cuidando da mente e do corpo.
Já está em posse da Sasari duas máquinas industriais que serão usadas nas aulas de tapeçaria náutica e confecção de bolsas e só aguarda a resposta do Sr. Prefeito Municipal ao pedido da Associação sobre a utilização de duas salas do antigo posto do PSF do Saco da Ribeira para que as aulas tenham inicio. Agradecimentos aos colaboradores: Sérgio Caribe, Mané motores, Mecânica Santa Bárbara motores de popa e centro, Escola Velho Capitão, Porto Marina Saco da Ribeira, Anglo Imóveis, Açougue Nael, Telesmar, Tapeçaria Porto Ribeira, Mercado do Lázaro, Cássia e Daniel. Obrigado à todos aqueles que confiam em nosso trabalho.


Vanderlei Carlos Graça
Presidente da SASARI

Faz sentido...

Prezado Editor

Há quem sugira que o endereço eletrônico do senado passe a ser o seguinte:

senado.federal@lheira.gov.br

Thomas De Carle

Ubatuba, SP

Brasil

Cidade maravilhosa

Os meninos resolveram por bem espancar uma prostituta. Mero divertimento, não confundir com crimes graves. Apenas um osso da face trincado, um braço quebrado e escoriações gerais. A prostituta escolhida não era prostituta, era apenas uma empregada doméstica. Para eles tanto faz, prostitutas, empregadas domésticas e professores são seres a serviço, vassalos, inferiores, que podem ser pisados, espancados, espezinhados. Além do absurdo do ocorrido, há a covardia embutida. Se o que os meninos buscavam era emoção, poderiam ter agredido um traficante. Há tantos nos morros do Rio. O infeliz pai de um deles vai ficar para a história. Disse que o filho não é bandido, apenas cometeu um deslize, um pecado venial. Quem não erra? Daqui a alguns dias estarão livres e rindo. Enquanto o assassino confesso Pimenta Neves, julgado e condenado, continuar livre, toda e qualquer transgressão da ordem será permitida. Aos do andar de cima, por óbvio. Se você é pobre ou preto, cuidado. Os ricos rapazes travessos vão ficar impunes, porém mais pobres. A liberdade vai custar caro, muito caro e vai doer na única parte sensível que possuem. O bolso. (Sidney Borges)

Locais

Ubatuba poderá receber Kit Telecentro Comunitário

Ubatuba poderá receber um kit Telecentro Comunitário, a solicitação havia sido encaminhada ao Sr. Carlos Roberto Paiva da Silva - Coordenador Geral do Ministério das Comunicações pelo Vereador Charles Medeiros através do Requerimento 129/07. Paiva é um dos coordenadores do Programa Telecomunidade e Inclusão Digital do Ministério. Segundo o vereador, o programa, proveniente do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações – FUST tem por objetivo dotar algumas escolas de equipamentos digitais, além de treinar professores com intuito de melhorar a qualidade de vida dos alunos e da comunidade envolvida.
Segundo o Coordenador, basta agora o Executivo Municipal realizar a adesão e o cadastro no Programa Digital a cargo do Ministério das Comunicações, objetivando o recebimento de um Kit Telecentro Comunitário. Charles informa que o kit é composto por 01 servidor de informática, 10 microcomputadores, 01 câmera de vídeo, 01 impressora a laser, 11 estabilizadores, 01 projetor multimídia, uma televisão de 29 polegadas, 01 aparelho de DVD, conjunto de móveis, um armário e internet banda larga, caso haja a inexistência dessa tecnologia no município.
“Mais uma resposta positiva ao nosso município advindo dos encaminhamentos efetuados junto ao governo federal. Após tomar ciência de projetos federais que possam beneficiar o município, encaminhamos o documentos e fizemos visitas pessoais aos Ministérios para cobrar benefícios a comunidade”, afirma Charles Medeiros.

Fonte: Assessoria Charles Medeiros

A teoria do canalha

Estamos sob o ataque de um enxame de malfeitores

'Eu não sou um canalha, eu sou o canalha. Tenho orgulho de minha cara-de-pau, de minha capacidade de sobrevivência, contra todas as intempéries. Enquanto houver 20 mil cargos de confiança no país, eu estarei vivo, enquanto houver autarquias dando empréstimos a fundo perdido, eu estarei firme e forte. Não adianta as CPIs querendo me punir. Eu saio sempre bem. Enquanto houver este bendito código de processo penal, eu sempre renascerei como um rabo de lagartixa, como um retrovírus, fugindo dos antibióticos. Eu sei chorar diante de uma investigação, ostentando arrependimento, usando meus filhos, pais, pátria, tudo para me livrar. Eu declaro com voz serena: Tudo isso é uma infâmia de meus inimigos políticos. Eu não me lembro se esta loura de coxas douradas foi minha secretária ou não. Eu explico o Brasil de hoje. Eu tenho 400 anos: avô ladrão, bisavô negreiro e tataravô degredado. Eu tenho raízes, tradição. E eu sou também 'pós-moderno', sou arte contemporânea: eu encarno a real-politik do crime, a frieza do Eu, a impávida lógica do egoísmo.
No imaginário brasileiro, eu tenho algo de heróico. São heranças da colônia, quando era belo roubar a Coroa. Só eu sei do delicioso arrepio de me saber olhado nos restaurantes e bordéis. Homens e mulheres vêem-me com gula: 'Olha, lá vai o canalha....!' - sussurram fascinados por meu cinismo sorridente, os maîtres se arremessando nas churrascarias de Brasília, e eu flutuando entre picanhas e chuletas, orgulhoso de minha superioridade sobre o ridículo bom-mocismo dos corretos. Eu defendo a tradição endêmica da escrotidão verde-e-amarela. Sem mim, ninguém governa. Sem uma ponta de sordidez, não há progresso.
Eu criei o Sistema, que, em troca, recria-me persistentemente: meus meneios, seus ademanes, meus galeios foram construindo um emaranhado de instituições que regem o processo do país. Eu sou necessário para mantê-las funcionando. O Brasil precisa de mim.
Eu tenho um cinismo tão sólido, um rosto tão límpido que me emociono no espelho; chego a convencer a mim mesmo de minha honestidade, ah! ah!... Como é bom negar as obviedades mais sólidas e ver a cara de impotência de inquisidores. E amo a adrenalina que me acende o sangue quando a mala preta voa em minha direção, cheia de dólares. Eu vibro quando vejo os olhos covardes dos juízes me dando ganho de causa, ostentando honestidade, fingindo não perceber minha piscadela maligna e cúmplice na hora da emissão da liminar... Adoro a sensação de me sentir superior aos otários que me compram, aos empreiteiros que me corrompem, eles humilhados em vez de mim.
Eu sou muito mais complexo que o bom sujeito. O bom é reto, com princípio e fim; eu sou um caleidoscópio, uma constelação.
Sou mais educativo. O homem de bem é um mistério solene, oculto sob sua gravidade, com cenho franzido, testa pura. O honesto é triste, anda de cabeça baixa, tem úlcera.
Eu sou uma aula pública. Eu faço mais sucesso com as mulheres. Elas se perdem diante de meu mistério, elas não conseguem prender-me em teias de aranha, eu viro um desafio perpétuo, coisa que elas amam em vez do bondoso chato previsível. A mulher só ama o inconquistável. Eu conheço o deleite de vê-las me olhando como um James Bond do mal, excitadas, pensando nos colares de pérolas ou nos envelopes de euros. Eu desorganizo seu universo mental, muitas vezes elas se vingam de mim depois, me denunciando - claro - mas só eu sei dos gritos de prazer que lhes proporcionei com as delícias do mal que elas adivinhavam. Eu fascino também os executivos de bem, porque, por mais que eles se esforcem, competentes, dedicados, sempre sentir-se-ão injustiçados por algum patrão ingrato ou por salários insuficientes. Eu, não, eu não espero recompensas, eu me premio. Eu tenho o infinito prazer do plano de ataque, o orgasmo na falcatrua, a adrenalina na apropriação indébita. Eu tenho o orgulho de suportar a culpa, anestesiá-la - suprema inveja dos neuróticos. Eu sempre arranjo uma razão que me explica para mim mesmo. Eu sempre estou certo ou sou vítima de algum mal antigo: uma vingança pela humilhação infantil, pela mãe lavadeira ou prostituta que trabalhou duro para comprar meu diploma falso de advogado.
Eu posso roubar verbas de cancerosos e chegar feliz em casa e ver meus filhos assistindo a desenho na TV. Eu sou bom pai e penso muito no futuro de minha família, que graças a Deus está bem. Eu sou fiel a uma mulher só, que vai se consumindo em plásticas e murchando sob pilhas de Botox, mas nunca as abandono, apesar das amantes nas lanchas, dos filhos bastardos.
Eu não sou um malandro - não confundir. O malandro é romântico, boa-praça; eu sou minimalista, seco, mais para poesia concreta do que para o samba-canção. Eu tenho turbo-carros, gargalho em Miami e entendo muito de vinho. Sei tudo. Ultimamente, apareceram os
canalhas revolucionários, que roubam 'em nome do povo'. Mas eu, não. Sou sério, não preciso de uma ideologia que me absolva e justifique. Não sou de esquerda nem de direita, nem porra nenhuma. Eu sou a pasta essencial de que tudo é feito, eu tenho a grandeza da vista curta, o encanto dos interesses mesquinhos, eu tenho a sabedoria dos roedores.
Eu confio na Justiça cega do país, no manto negro dos desembargadores que sempre me acolherão. Eu sou mais que a verdade, eu sou a realidade. Eu acho a democracia uma delícia. Eu fico protegido por um emaranhado de leis malandras forjadas pelos meus avós. E esses babacas desses jornalistas pensam que adianta esta festa de arromba de grampos e escândalos. Esses shows periódicos dão ao povo apenas a impressão de transparência, têm a vantagem de desviar a atenção para longe das reformas essenciais e mantêm as oligarquias intactas. Este país foi criado na vala entre o público e o privado. Florescem ricos cogumelos na lama das maracutaias. A bosta não produz flores magníficas? Pois é. O que vocês chamam de corrupção, eu chamo de progresso. Eu sou antes de tudo um forte!."
Artigo de Arnaldo Jabor transcrito de O Globo, dia 26 de junho de 2007 (Do Blog do Noblat)

Manchetes do dia

Quarta-feira, 27 / 06 / 2007

Folha de São Paulo
"Presidente do Conselho de Ética Renuncia"
Pressionado e sem conseguir dar andamento ao processo contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o senador Siba Machado (PT-AC) anunciou ontem à noite sua renúncia da presidência do Conselho de Ética da Casa. Durante o dia, sem conseguir um novo relator para o processo, Sibá afirmou que colocaria em votação hoje o arquivamento do caso.


O Globo
"Nova renúncia emperra a investigação sobre Renan"
O presidente do Conselho de Ética do Senado, Siba Machado (PT-AC), renunciou ontem à noite ao cargo, paralisando o julgamento do processo contra o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). Haverá nova eleição para a presidência do conselho. Pressionado para livrar Renan, Siba vinha ameaçando com a renúncia, e formalizou a decisão após reunião noturna com a bancada do PT. É a terceira renúncia relacionada ao caso, depois da desistência de dois relatores. Mais cedo, líderes do PMDB e do PT, inclusive Siba, boicotaram reunião para indicar novo relator para o caso. A Executiva do DEM pediu o afastamento de Renan até o fim das investigações, alegando que sua presença na presidência abala a imagem do Congresso. Renan se disse vítima de um esquadrão da morte moral e reafirmou que não deixará o cargo. A oposição cobra também investigação das denúncias contra o senador Joaquim Roriz (PMDB-DF).


O Estado de São Paulo
"Governo resolve adotar meta paralela de inflação"
O Conselho Monetário Nacional (CMN) fixou ontem em 4,5% a meta de inflação para 2009, com tolerância de dois pontos porcentuais para cima ou para baixo - mesmos valores para 2007 e 2008. Mas, surpreendentemente, autorizou o Banco Central a perseguir 4% como objetivo. A decisão desagradou a economistas, que preferiram a redução pura e simples da meta e consideraram confusas as explicações do conselho para a novidade. Para eles, ficou difícil o entendimento sobre os reais objetivos da política monetária do governo daqui para a frente. O anúncio do conselho foi entendido com uma forma de atender ao presidente Lula, que na semana passada disse que não aceitaria mais sacrifícios no combate à inflação - quanto menor a meta definida, maior o aperto na economia para evitar escalada dos preços.


Jornal do Brasil

"Corrupção e violência vergonha nacional"
A corrupção e a violência são os problemas que mais envergonham o brasileiro, aponta pesquisa CNT/Sensus divulgada ontem. O estudo ouviu 2 mil pessoas em 136 municípios. Para 41,3% dos entrevistados, a corrupção é o principal motivo desse sentimento. A violência aparece em segundo lugar, assinalada por 17,1%. A pobreza é o terceiro item, citado por 12,7%. A percepção de que a criminalidade está fora de controle aumentou em 4,6 pontos percentuais em relação a dezembro, atingindo a casa dos 76,1%. No campo político, 75,2% disseram ser contrários ao financiamento público de campanha. As causas da vergonha para o brasileiro não atingiram a imagem do presidente. É a segunda melhor avaliação desde 2005: de acordo com o estudo, 64% aprovam Lula.

terça-feira, junho 26, 2007

Editorial

Pânico em Carson City

Começou na última sexta-feira quando o editor do prestigiado jornal virtual “The Carson City Snake”, ou melhor, Ubatuba Víbora, se preparava para postar uma matéria de interesse coletivo. Subitamente, sem que ninguém notasse sinais de anormalidade, o modem abriu o bico, pifou, deixou de funcionar. A Telefônica foi consultada e, pelo telefone, confirmou o óbito. O impetuoso D-Link 500G que tantos e bons serviços prestara à comunidade do Arizona, nada mais era do que um objeto inútil. Agora provavelmente será guardado em alguma gaveta, ao lado de quinquilharias de pouca serventia, a não ser encher gavetas, que de outro modo poderiam ser usadas como moradia por fantasmas, ou traças, ou mesmo baratas albinas. Sem modem, neca de Internet. A solução encontrada foi comprar outro modem, o que se deu via Internet. Um prestativo amigo, notando a angústia que se apossou da alma do velho homem de imprensa, cedeu um aparelho para que o jornal continuasse sendo publicado. Infelizmente o modem emprestado não funcionou. Consultada a Telefônica, disse que seria necessária a visita de um técnico, marcada para a manhã de sábado e acontecida pontualmente na tarde de domingo. O técnico fez os testes de praxe e encontrou tudo em ordem. Segundo ele, o novo modem também estava queimado. Ziquizira, dois modens queimados é muita coincidência, há fortes sinais de que o trânsito de Saturno pelas proximidades de Sirius-Vega trouxe maus fluidos aos que não aderiram ao plano Bresser. Devolvido o modem foi ligado na casa do proprietário e funcionou, dando a impressão de ter piscado de propósito antes de sincronizar. Antes de partir da redação do Víbora o técnico da Telefônica experimentou um modem novinho em folha, que funcionou perfeitamente. Na segunda-feira cedo outro amigo resolveu prestar ajuda. Dono de um modem sem uso ele o colocou à disposição até a chegada do novo, que supostamente deveria acontecer na terça ou na quarta-feira. Infelizmente o artefato estava sem a fonte, o que fez com que o editor do Ubatuba Víbora percorresse as lojas de eletrônica da cidade em vão. Sem modem e sem fonte, é difícil a vida de internauta no Arizona. Devolvido o aparelho, só restava esperar pela chegada da diligência da terça, o que em Carson City acontece pela manhã. Eis que outro amigo cheio de compaixão pela desdita eletrônico-informática, disse que tinha um modem sem uso e que poderia emprestar. Ele e o velho jornalista partiram em busca da caixa de Pandora, que diga-se de passagem, não estava tão perto. Chegando ao local, pasmem, não havia modem. A faxineira o guardou tão bem que só será encontrado na próxima semana, quando ela voltar ao trabalho, isto é, caso não seja abduzida. Decididamente, não é fácil a vida dos sem modem, principalmente quando manifestam intenção de se conectar à Internet. Finalmente o modem comprado pela rede deu o ar da graça, está instalado e funcionando. Assim, depois de um longo e tenebroso período de silêncio o Ubatuba Víbora retorna ao éter, para gáudio dos leitores. Continue nos prestigiando e não se esqueça, se o Ubatuba Víbora não deu, ninguém sabe o que aconteceu. Neste exato momento outro amigo ligou para colocar outro modem à disposição. Desgraças são como os seios, andam aos pares.

Sidney Borges
 
Free counter and web stats