sábado, maio 26, 2007

Pra inglês ver

O prende-e-solta

Por André Petry na revista Veja deste fim de semana:
"Um bando de gente vai para a cadeia, o bando inteiro é libertado e não há condenação de ninguém. O que isso significa?"
O leitor há de se lembrar da Operação Vampiro, promovida pela Polícia Federal em maio de 2004. A operação estourou uma quadrilha que fraudava licitações em órgãos federais e prendeu dezessete suspeitos. Passados três anos, não tem ninguém na cadeia e não tem ninguém condenado. O leitor também há de se lembrar da Operação Sanguessuga, mais famosa que a outra por ter revelado o envolvimento de dezenas de parlamentares. Realizada em maio do ano passado, a operação descobriu a existência de um propinoduto na compra de ambulâncias com recursos públicos. No dia em que foi deflagrada, a operação prendeu 48 pessoas. Um ano depois, o número de presos é zero. O de condenados também. Dos 72 parlamentares suspeitos, nenhum foi cassado.
Os vampiros e sanguessugas são dois exemplos de uma regra: as operações da Polícia Federal sempre prendem muita gente, que logo é libertada e nunca é condenada. Em novembro passado, o jornal O Globo fez um levantamento sobre vinte grandes operações de combate à corrupção e organizações criminosas desde 2003. Descobriu que 785 pessoas haviam sido presas, mas apenas quarenta permaneciam atrás das grades. O saldo: 94% dos presos estavam soltos. Claro que é melhor 6% de ladrões presos do que nada, mas há uma constante incômoda: um bando de gente vai para a cadeia, o bando inteiro é libertado e não há condenação de ninguém. O que isso significa?
Na semana passada, doze advogados criminalistas entregaram uma carta ao presidente do Superior Tribunal de Justiça, o ministro Raphael de Barros Monteiro Filho, na qual reclamam, entre outras coisas, da "forma açodada e descriteriosa com que o Judiciário tem deferido medidas de força" – entre elas, as prisões temporárias. Os advogados estão dizendo que o prende-e-solta é resultado de uma Justiça destrambelhada. Talvez tenham razão, talvez não tenham, mas uma coisa é inegável: o festival de prisões, seguido do festival de solturas, autorizadas sempre depois da simples tomada de depoimento do preso, mostra que algo está errado. Ou as prisões ou as solturas.
O pior é que as operações policiais, que no início foram como um sopro de alento para uma sociedade exausta de tanta impunidade, começam a disseminar uma atmosfera de folia inconseqüente. À impressão de que as prisões de tubarões da corrupção podiam ser o começo de um combate efetivo à corrupção segue-se a sensação de que tudo não passa de pirotecnia. Afinal, qual o efeito concreto de fazer uma saraivada de prisões e, logo em seguida, uma saraivada de solturas?
A Operação Sanguessuga flagrou um sistema de propina em torno de emendas ao Orçamento – no caso, para trambicar com ambulâncias. Agora, a Operação Navalha descobriu um esquema semelhante – no caso, para roubar em obras públicas. Ou seja: quando os sanguessugas estavam sendo presos (e soltos), os navalhentos encontravam-se em plena roubalheira. O prende-e-solta pode fazer a festa da polícia, mas parece que não intimida ninguém. Será que querem nos iludir, simulando que se disparam mísseis contra a corrupção, quando na verdade são apenas fogos de artifício?

Zuzu para os íntimos

Nome e destino

O budista Zuleido, dono da empreiteira Gautama, nome apropriado à empresa de um budista, está preso por falcatruas múltiplas. Gautama Sidarta ou Sakea Muni ou Buda, o Iluminado, comia apenas uma xícara de arroz por dia e, apesar da dieta espartana, ficou gordão e luzidio qual um capado. Paulo Francis discordava, dizia que Buda morreu engasgado com carne de porco em uma orgia gastronômica. Agora, convenhamos, é preciso coragem para pespegar Zuleido em um pobre bebê indefeso. Com tantos nomes. Só podia dar errado. (Sidney Borges)

Silicone não

Quem sabe?

Hoje, neste dia ensolarado, depois de mais de um mês de jejum de clientes, desaparecidos, pelo clima e, principalmente pela dengue recebi um casal de 1/2 idade de hóspedes europeus. Praia deserta, sol forte (pare eles) a senhora, procurando um canto (discreto) da frente do Refúgio, ousou (imagine) tirar a parte superior do biquíni. Ali permaneceu o casal ele, lendo e admirando a paisagem ela na espreguiçadeira ao sol coberta pelo chapéu. Eis que der repente surge pela praia, desviando apenas dos cachorros (pitt bulls e labradores) uma viatura policial "reluzente" com o giroflex ligado. Aborda o casal de gringos, com a linguagem dos sinais (é claro). O casal, fechou a conta e, foi embora. Tente imaginar tudo o que ocorreu, durante esta "ocorrência". Depois, Imagine também os navios chegando, repleto de turistas e a recepção pela tropa de choque da PM. Quem sabe, virá também a Ambiental, argumentando que todos aqueles peitões (de silicone) não são naturais!!! Tejem presos! Pobre Ubatuba pobre! Para onde estaremos indo? Um bom domingo!


Ronaldo Dias

Editorial

A hora e a vez de Renan Calheiros

Caros leitores do Ubatuba Víbora, como é de conhecimento geral, o senador Renan Calheiros foi denunciado pela revista Veja por ter recebido favores do lobista de uma conhecida empreiteira. Favores nada desprezíveis. Muito bem, sabem o que vai acontecer com ele? Nada, vai dar uma desculpa esfarrapada e continuar dando o que as empreiteiras quiserem em troca de alguns caraminguás. Dará do nosso dinheiro, ele não é bobo. Esta não é uma opinião baseada em “achismo”, o que estou afirmando tem como fundamento acontecimentos recentes da vida brasileira. Waldomiro Diniz. Alguém se lembra desse nome? Foi mostrado em rede nacional achacando um bicheiro. Está solto, nunca foi preso e tenham a mais absoluta certeza de que nunca será. Talvez até se torne ministro. Ele sabe demais. Renan também sabe demais, se abrir a boca a república dos bananas cai. Renan vai continuar rindo de quem um dia imaginou vencer na vida estudando e trabalhando. Na falta de perspectivas, conclamo os leitores à ação. Vamos entrar para a política, nos filiar em partidos e exigir a nossa parte. Se não derem abriremos o bico, contaremos tudo. É isso aí brothers, vamos ficar ricos. O futuro se mostra radiante.

Sidney Borges

Brasil

Corrupção afeta grau de investimento

Da Folha de S.Paulo, hoje:
"A economia brasileira vai bem, e isso sensibiliza as agências de classificação de risco, mas escândalos de corrupção -como o da Operação Navalha e o do mensalão- que de tempos em tempos despontam no cenário político podem atrasar a ambição brasileira de obter o grau de investimento, selo de qualidade de bom pagador que abriria o país para a entrada de dinheiro farto e barato para financiar seu crescimento.
Estudo do Ibmec-SP desenvolvido pelo professor José Luiz Rossi, obtido pela Folha, mostra que, além das variáveis econômicas, as agências de classificação de risco estão de olho em fatores como percepção de corrupção, respeito a liberdades individuais, fragilidade no marco regulatório, indústria de liminares e mesmo a formação educacional deficiente-variáveis que podem limitar o crescimento do país."

Santa Casa

Funcionários demitidos da Santa Casa exigem providências urgentes

Somos mais de quarenta funcionários demitidos da Santa Casa Irmandade do Senhor dos Passos de Ubatuba, de onde fomos dispensados, sem justa causa, após trabalharmos por até mais de trinta anos, em alguns casos, ocupando cargos nos mais variados setores: administrativo, faturamento, recepção, portaria, limpeza, serviços de enfermagem e serviços médicos... serviços estes necessários para o funcionamento do hospital já tão sobrecarregado pela procura da população que cresce a cada dia.
A partir de janeiro deste ano, começaram a nos dispensar, informando que não temos o perfil da empresa (antes Entidade Filantrópica) ou que a dispensa era por motivo de contenção de despesas, embora saibamos que outros funcionários nos substituíram com salários super faturados.
O atual administrador contratado para atuar por seis meses (seu prazo deve terminar em julho), tempo inábel para salvar uma entidade filantrópica, não tem comprometimento com a cidade, nós sim. Este tem a intenção de fazer com que a Santa Casa saia do vermelho, dispensando funcionários que não chegam a ganhar R$ 500,00 e aumenta salários de seu grupo de confiança. Mas existe ainda a possibilidade de entregar o hospital para uma empresa que não assumirá as dividas feitas e nós não receberemos um tostão dos nossos direitos, enquanto o administrador após missão cumprida, irá embora.
Queremos apenas receber o que nos é de direito, assegurados na Legislação Trabalhista, pois não recebemos nossas rescisões, avisos prévios, FGTS recolhido e não depositado, o que nos tira o direito ao seguro desemprego, o qual nesse momento nos faz muita falta pois nos daria condições de suprir nossas necessidades básicas e dos nossos dependentes (esposa, filhos, pai, mãe...)
A falta de justificativas concretas e a orientação da empresa de que se quisermos receber teremos que entrar com processo na justiça do trabalho, além das ofensas morais e humilhação, que vem nos indignando e aos familiares e amigos que temos nessa cidade, por uma administração, nos causa repuldia também e não a dispensa.
Pedimos apoio para que esse impasse seja resolvido de forma mais respeitosa e humana.

Fonte: Funcionários demitidos

Ubachuva? Onde?

Chove chuva, chove sem parar!

Se o mundo se preocupa com a futura falta de água em nosso planeta. Nós, ubatubenses, não podemos reclamar, pois esse elemento da natureza está em abundância em nossa terra. Alguns gostam, entretanto a maioria se incomoda por ter de ouvir sempre o jargão “ubachuva”. Mas será que sabemos explicar aos conterrâneos e turistas a razão de tanta chuva?
Em entrevista, a adorável e atenciosa doutora Luci Hidalgo Nunes, coordenadora do Laboratório de Estudos Climáticos do Instituto de Geociências e professora da UNICAMP, especialista em mudanças climáticas, eventos atmosféricos extremos e desastres naturais ocasionados por condições climáticas, nos apresenta informações sobre o clima de nossa cidade,
Para quem pensa que Ubatuba é a cidade mais chuvosa do litoral paulista está enganado. A primeirona é a cidade de Bertioga, ou para os engraçadinhos “bertiágua”. Sua média anual de precipitação de chuva é de 4500 mm, enquanto que Ubatuba apresenta aproximadamente 2600 mm o que significa que a cada ano chove o suficiente para encher 26 caixas d’água de 1000 litros em cada metro quadrado de nosso município. Sem dúvida, nossa cidade está entre as 10 cidades mais chuvosas do país. A impressão de que chove tanto é devido as precipitações de chuva serem mais constantes ao longo do ano. Enquanto que em outras cidades 72 % das chuvas se concentra no período primavera-verão.
O fato de nossa cidade ter alta umidade e ser quente (o que significa ter constante energia) propicia o excesso de chuva. Mas devemos lembrar de um fator que contribui enormemente para esse clima, a Serra do Mar. Quem conhece o litoral paulista, observou que a cidade de Ubatuba está muito próxima da Serra do Mar, enquanto que cidades como Santos e São Vicente estão mais distantes. A Serra do Mar é uma barreira, que favorece a grande quantidade de chuva por impedir a distribuição de umidade e frentes de chuva para o interior. Em São Luiz do Paraitinga que é nosso vizinho chove muito menos, pois está atrás da barreira.
Entretanto para que chova não basta ter somente nuvens, é necessário a presença de núcleos de condensação (micropartículas, tais como pólen, microorganismos, sal marinho, etc). Imagine que com o calor do dia o vapor d’água vai se acumulando, o ar quente é mais leve e portanto sobe, o ar frio mais pesado desce. A Serra do Mar impede que esse “sobe e desce do ar” se disperse para o interior, e a Mata Atlântica fornece pólen e microorganismos e o Oceano Atlântico o sal marinho. Essas micropartículas vão para o ar e as gotículas de água, que são levinhas e incapazes de cair, vão se juntando nessas partículas, até que quando várias gotículas se juntam nesses núcleos de condensação, ficam pesados e cai a chuvarada.
Graças a isso é que possuímos a mais exuberante paisagem do litoral paulista. Nossa Mata tem sua biodiversidade tão importante por conta do clima. Aqui podemos observar por todos os cantos bromélias e orquídeas. Além disso, se não chovesse tanto para encher nossos reservatórios de água, a cidade viraria um caos incontrolável durante a temporada de verão, quando a população do município aumenta muito. Contudo, o excesso de chuva, tem ações negativas, pois favorece o escorregamento de encosta e facilita o surgimento de criadouros de mosquito da dengue.
Resta lembrar que convivemos com a chuva e que ela permanecerá nas gerações futuras. Cabe a nós sabermos tirar proveito dela, enxergá-la como algo positivo que contribui para beleza de nosso paraíso, e impedir ações destruidoras do homem. Como diz a professora Luci, “A chuva é a deflagradora (dos fenômenos de escorregamento de encosta e do acúmulo de água), a culpa é do processo de ocupação.”


Camilo de Lellis Santos - Biólogo

Manchetes do dia

Sábado, 26 / 05 / 2007

Folha de São Paulo:
"Acusação complica situação de Renan"
O lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior, fazia pagamentos de despesas pessoais para o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). O senador diz que o dinheiro usado era dele próprio. O gasto seria de R$ 16,5 mil mensais, destinado a uma filha do senador, de dois anos, e ao aluguel do apartamento onde ela mora com a mãe. (...)


O Globo:
"Renan dá explicações confusas sobre lobista"
Acuado em reportagem da revista "Veja" de ter parte de suas despesas paga por Cláudio Gontijo, funcionário e lobista da empreiteira Mendes Júnior, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), negou veementemente em nota oficial, mas deu explicações confusas. Para justificar o fato de ganhar R$ 12.600 como senador e pagar só para a mãe de sua filha de 3 anos, R$ 16.500 por mês, Renan disse que tem também rendimentos agropecuários. Na declaração de bens à Justiça Eleitoral, em 2002, ele diz, porém, ter uma casa, dois apartamentos e dois carros, sem se referir a empreendimentos agropecuários. Segundo a revista, os R$ 16.500 pagos à jornalista Mônica Veloso eram entregues por Gontijo. O senador diz que o dinheiro é seu. Ontem, Renan e Mônica tiveram audiência na Justiça e teriam feito um acordo. A notícia provocou tensão no Senado.

O Estado de São Paulo:
"Ligação com lobista leva Renan ao Conselho de Ética"
Denúncia de que a construtora Mendes Júnior custeava suas despesas pessoais ameaça fazer do presidente do Senado, Renan Calheiros, alvo de processo no Conselho de Ética da Casa. Segundo reportagem da revista Veja, um funcionários da empreiteira, Cláudio Gontijo, custeava pensão mensal de R$ 12 mil para uma filha do senador com a jornalista Mônica Veloso. Além disso, desembolsava R$ 4,5 mil de aluguel pela casa de quatro quartos onde a jornalista morava. Para completar, Gontijo colocou um flat à disposição do parlamentar. Criado em 6 de março, o Conselho de Ética do Senado jamais tinha se reunido e, diante da notícia, foi convocado para realizar seu primeiro encontro na quarta-feira. O presidente do Senado divulgou nota afirmando que nunca teve gastos bancados por nenhuma empresa. "É intolerável que de uma turbulência circunscrita se queiram extrair ilações desarrazoadas e conclusões perversas". Em nota, a empreiteira diz que "sobre os pagamentos mencionados, não existe, nem nunca existiu, qualquer participação da Mendes Júnior".


Jornal do Brasil:
"Denúncia abala Renan e ameaça coalizão governista"
As denúncias em torno de relações promíscuas entre parlamentares e empreiteiras chegaram ao gabinete mais importante do Congresso. A revista Veja antecipou a distribuição da edição cuja reportagem de capa acusa o lobista Cláudio Gontijo, ligado à construtora Mendes Júnior, de pagar contas pessoais do presidente do Senado, Renan Calheiros, entre elas a pensão de R$ 12 mil para uma filha de três anos de idade. Renan tentou defender-se com uma nota oficial. Negou as acusações e declarou-se vítima de invasão de privacidade. À coluna Informe JB, afirmou ter provas de que pagou as despesas da menina e avisou que pretende convocar uma cadeia de rádio e TV para explicar-se ao país. Os parlamentares da ala governista temem pelo futuro do governo de coalizão, alicerçado pelo PMDB de Renan. Segundo aliados, a Operação Navalha tomou rumos incontroláveis.

sexta-feira, maio 25, 2007

Movimentação partidária



Chega de conversa
Acabando com a polêmica, Julião não sairá do PTB

Sou homem, dei a minha palavra ao TATO e aos amigos do PTB e não volto atrás, fui recordista de votos justamente porque sou homem de palavra, existem pessoas de má índole, que tentam denegrir minha imagem, mais tá para nascer o político que tem a ética na condução da coisa pública como eu tenho, coloquei-me a disposição do partido para concorrer ao pleito de 2008, e já recebi convite antecipado do Presidente TATO, para ser o representante do PTB nas eleições de 2010, como pré-candidato a Deputado Estadual, representado o Litoral Norte e o povo Caiçara, quando eu era Vereador, trabalhei incansavelmente pelo povo da minha cidade, nunca mais parei de trabalhar, tudo com amor e pensando no ser humano, nunca pensando no retorno financeiro, como muitos dos que falam de minha pessoa fazem.

Benedito Julião M. Sousa

Pensata

Parar de roubar

Kennedy Alencar na Folha Online
Duas obviedades necessárias. Eventuais abusos da PF (Polícia Federal) em qualquer investigação, não apenas na Operação Navalha, devem ser apurados, punidos, evitados etc. É importante ainda que a produção de provas sustente processos judiciais que punam corruptos e corruptores.
Ressalva feita, a saraivada de críticas que a PF vem recebendo devido à Operação Navalha é um manjado estratagema. Políticos dos mais variados partidos estão morrendo de medo de que alguma mutreta que os envolva venha à tona. Solução: partir para o ataque.
As pontes que ligam o nada a lugar nenhum, as gravações com menções explícitas e implícitas a propinas, as liberações-relâmpago de verbas para obras, o estilo Zuleido de fazer amigos e influenciar pessoas são revelações mais do que suficientes para dar os parabéns à Polícia Federal.
Leia mais

Cultura



Celso Teixeira Leite e Flávio Girão visitam a Fundart

Na última quarta-feira o ex-prefeito Celso Teixeira Leite e o escritor e primeiro presidente da FUNDART, Flávio Girão visitaram a Fundação de Arte e Cultura de Ubatuba, onde foram recebidos pelo atual presidente, Pedro Paulo Teixeira Pinto.
Na ocasião, Teixeira Leite abordou questões que está tratando para a criação do Memorial “Ciccilo Matarazzo”, em Ubatuba. Girão elogiou a iniciativa da Prefeitura e da FUNDART em relação a pontos importantes da nossa cultura, salientando a satisfação que marcou sua passagem pela FUNDART, por duas vezes, tendo sido o primeiro presidente.

Foto: Paulo Zumbi
Fonte: Fundart

Velhos hábitos republicanos

Lobista pagou contas de Renan, diz a VEJA

A VEJA que começa a circular hoje publica reportagem de Policarpo Junior sob o título "O senador e o lobista". Segue a abertura da reportagem:

"Desde que a Operação Navalha foi deflagrada, o senador Renan Calheiros, do PMDB de Alagoas, tem sido instado a explicar suas relações com o empreiteiro Zuleido Veras, dono da Gautama. O senador tem dito que são apenas conhecidos, mas são mais do que isso. Em 1990, o empreiteiro bancou sorrateiramente a campanha do senador ao governo de Alagoas e, embora tenha terminado em derrota, a eleição serviu como marco de uma amizade sólida. Sólida mesmo, a ponto de o empreiteiro freqüentar a residência oficial do presidente do Senado. A situação de Renan Calheiros, porém, é mais complicada do que sua intimidade com Zuleido Veras. É que o senador tem outro amigo explosivo no submundo da empreita que, tal como Zuleido, freqüenta sua casa e, tal como Zuleido, é seu dileto amigo. O amigo de alta octanagem é Cláudio Gontijo, lobista da construtora Mendes Júnior, uma das maiores do país. Nos últimos anos, Gontijo, mais do que um amigo, tem se apresentado no papel de mantenedor do senador. VEJA apurou os laços financeiros entre os dois:


• O lobista da Mendes Júnior coloca à disposição do senador um flat num dos melhores hotéis de Brasília, o Blue Tree. O flat, número 2 018, é usado para compromissos que exijam discrição. Está em nome de Cláudio Gontijo.

• O lobista da Mendes Júnior pagou, até março passado, o aluguel de um apartamento em Brasília para o senador. O imóvel tem quatro quartos e fica em uma área nobre da capital federal. O aluguel saía por 4.500 reais.

• O lobista pagava 12.000 reais mensais de pensão para uma filha do senador, de 3 anos de idade. A pensão foi bancada por Cláudio Gontijo de janeiro de 2004 a dezembro do ano passado.

• O lobista ajuda nas campanhas do senador Renan Calheiros e nas de sua família. Já ajudou o próprio senador, seu filho e seu irmão.

Tal como Zuleido, Gontijo opera nas sombras. Oficialmente, ele é assessor da Diretoria de Desenvolvimento da Área de Tecnologia da Mendes Júnior há quinze anos. Na realidade, sua função é defender os interesses da empresa junto ao governo. A Mendes Júnior constrói aeroportos, metrôs, linhas de transmissão de energia e estradas. Tem fortes interesses no governo. Hoje, participa, entre outras obras, de um consórcio responsável pela construção do aeroporto de Vitória e fechou vários contratos com a Petrobras para a construção de tubulações e manutenção industrial. Tal como a Gautama, a Mendes Júnior também orbita no Ministério de Minas e Energia, do qual foi demitido o ministro Silas Rondeau. Foi a partir desse ministério que Gontijo estendeu sua área de influência a outros setores do governo nos últimos anos. Com a ajuda de Renan, chegou a indicar nomes para cargos públicos, como o do engenheiro Aloísio Vasconcelos Novais, que assumiu a Eletrobrás quando Rondeau deixou o cargo para ser ministro de Minas e Energia.
O senador Renan Calheiros caiu nas graças do lobista. Nos últimos três anos, a pedido de Renan, o lobista pagou os 4.500 reais de aluguel do apartamento de quatro quartos. No imóvel, até recentemente, morava a jornalista Mônica Veloso, com quem o senador tem uma filha de 3 anos, que recebe a pensão do lobista. Todos os meses, a jornalista ia ao escritório da Mendes Júnior, no 11º andar do Edifício OAB, situado na Asa Sul, onde pegava um envelope branco, timbrado, com o endereço, os telefones e o nome de Cláudio Gontijo. O envelope era identificado com suas iniciais – MV. Dentro havia sempre 16.500 reais. Era o aluguel mais a pensão de 12.000 reais para a criança. VEJA teve acesso ao contrato de locação do imóvel. Nele, Gontijo assina como fiador. Seguindo orientação do senador, o lobista contratou uma empresa de vigilância para garantir a segurança de Mônica Veloso e sua filha. A direção da Mendes Júnior diz que isso tudo é "questão pessoal" de Gontijo e que desconhece esses pagamentos. Procurada por VEJA, Mônica Veloso preferiu não se manifestar". (Do Blog do Noblat)

Assinante da VEJA leia mais aqui

Perigo nos céus

FAB admite que dois aviões quase colidiram

De Maria Lima em O Globo Online:
"Em nota divulgada na tarde desta quinta-feira, a Força Aérea Brasileira (FAB) admite a ocorrência de um incidente envolvendo dois aviões, um deles de grande porte, no dia 11 de maio, com risco real de acidente. Em depoimento à CPI do Apagão Aéreo da Câmara, na terça-feira, o presidente da Associação Brasileira dos Controladores de Tráfego Aéreo (ABCTA), Wellington Rodrigues, disse ter tomado conhecimento de um incidente envolvendo dois aviões, ambos de grande porte. Rodrigues voltou a confirmar o incidente em depoimento à CPI do Apagão do Senado, nesta quinta-feira.
A FAB chegou a divulgar uma nota negando a informação, mas nesta quinta-feira informou que fez uma nova busca em seus registros e constatou a ocorrência de dois incidentes envolvendo aviões comerciais, um deles com risco. A FAB afirma, porém, que o incidente do dia 11 envolvia um avião de grande porte, e outro menor, provocado por falha no controle aéreo.
Segundo a FAB, nesta quinta-feira o diretor do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), brigadeiro Ramon Borges Cardoso, determinou uma verificação nas outras duas áreas de controle do Cindacta I, de Brasília, e confirmou a ocorrência de um incidente parecido com o relato de Wellington Rodrigues, porém um deles era de pequeno porte, um modelo Sêneca. A outra aeronave era um Airbus. Rodrigues disse que o incidente teria envolvido um Boeing e um Airbus.
"No dia 5 de maio, ocorreu uma aproximação entre uma aeronave comercial e um avião-laboratório da Força Aérea Brasileira (FAB) que realizava aferição em equipamentos do aeroporto e que estava em contato visual com o jato comercial, não representando qualquer perigo; e, no dia 11 de maio, um Airbus (grande porte) e um Sêneca (pequeno porte) se aproximaram a uma distância de 1.300 metros na separação lateral e 200 metros na separação de altitude. Feita análise, constatou-se falha do controle em garantir a separação vertical prevista de 300 metros nesse setor", diz a nota da FAB".

Prêmio de Comunicação

Diocese de Caraguatatuba
Pastoral da Comunicação e Assessoria de Imprensa
Prêmio Francisco de Sales e Dom Bosco de Comunicação


A Diocese de Caraguatatuba lança oficialmente o 1º Prêmio Francisco de Sales e Dom Bosco de Comunicação., no Plenária da Câmara Municipal de Caraguatatuba


O objetivo desta iniciativa é o de suscitar no profissional de imprensa um comprometimento com a sociedade, resgatando seu compromisso social, produzindo matérias e fotografias que, a partir de um tema central faça emergir ações de promoção humana. O tema central deve estar voltado para o contexto SOCIAL em todos os seus aspectos.
Podem participar e concorrer aos Prêmios, todos os profissionais de comunicação – jornalistas e fotógrafos - residentes no âmbito geográfico da Diocese de Caraguatatuba (São Sebastião – Ilhabela – Ubatuba – Caraguatatuba) e que tenham suas matérias publicadas em qualquer um dos veículos de comunicação impressa do Litoral Norte Paulista.
Aos profissionais não vinculados a um jornal será oferecido espaço e oportunidade de publicação através do Jornal De Praia em Praia. Aos demais veículos de imprensa a Diocese de Caraguatatuba está solicitando parceria e espaço para publicação de matérias, sem vínculo financeiro.
Cada profissional poderá concorrer com até três matérias e três fotos, publicadas ao longo dos seis meses do concurso - junho a novembro de 2007.
Quanto à publicação das matérias a Diocese de Caraguatatuba através da Assessoria de Imprensa e Pastoral da Comunicação estará divulgando o evento para todos os jornais da região, a eles solicitando parceria para o bom êxito deste evento, contribuindo com o objetivo ao qual se destina.
Não haverá, por conta das publicações, nenhum vínculo financeiro entre as partes – Diocese de Caraguatatuba – Jornal – Profissional, ficando a critério do veículo de o eventual pagamento pela matéria publicada, já que a solicitação de publicação deve partir do concorrente ao prêmio.
As matérias publicadas pelos jornais deverão ser encaminhadas pelo autor à Cúria Diocesana de Caraguatatuba, em envelope fechado contendo os dados pessoais do autor da matéria/fotografia e uma via original da publicação. Não será permitida a inscrição de matéria antiga ou republicação.
Todas as matérias inscritas serão encaminhadas a uma Comissão Julgadora a ser formada pela equipe de organização.
Cada matéria será avaliada individualmente por cada um dos membros do júri e receberá uma nota de 5 a 10. A soma dos pontos selecionará as 10 melhores classificadas que passarão pela Comissão para a escolha conjunta das 3 melhores – 1º. 2º e 3º lugar.
Serão avaliados, além do contexto ético, a apresentação, conteúdo jornalístico e o cumprimento do objetivo principal que é suscitar os valores humanos. Não serão permitidas críticas diretas ou nominais a pessoas ou governos. Dados estatísticos poderão fazer parte da matéria desde que citadas as fontes.
Os vencedores receberão prêmios a serem definidos no valor de R$600,00 – R$300,00 – R$200,00 respectivamente pelos 1º, 2º e 3º lugares, além de troféus. Receberão certificados de participação os selecionados na última etapa. A entrega dos prêmios acontecerá no dia 24 de janeiro de 2008, Dia de São Francisco de Sales, patrono dos jornalistas..
Esses valores poderão ser superiores ou mesmo substituídos por prêmios de valores respectivos.
A organização do 1º Prêmio Francisco de Sales e Dom Bosco de Comunicação é de inteira responsabilidade da Diocese de Caraguatatuba através da Pastoral da Comunicação e Assessoria de Imprensa a quem compete divulgar e dar todas as orientações aos participantes.


Considerações não constantes nesta apresentação serão avaliadas pela organização.


O Prêmio Dom Bosco de Comunicação premiara as fotografias publicadas através das matérias concorrentes, de forma independente. Para esta categoria será acrescido à comissão julgadora um profissional da área para avaliação das especificações técnicas dos recursos utilizados.
A premiação acompanha os critérios e formas do Prêmio Francisco de Sales de Comunicação.
Fonte: Diocese de Caraguatatuba

Cultura

Excursão cultural

Teatro Gazeta – SP
Peça: Toalete de Walcyr Carrasco
Direção de Cininha de Paula
Um dia no banheiro feminino de um hotel de luxo
Você vai fazer xixi de tanto rir!!!


Dia 30 de junho
Saída 16h da São José Turismo
Ônibus com Ar Condicionado, TV, DVD, WC e Geladeira
Informações e reservas: 3832 1746 ou 9723 1281

Fonte: Giasone

Teatro no Litoral Norte - Programe-se!


"ENFIM, NÓS"
Com Bruno Mazzeo e Fernanda Rodrigues
Texto de Bruno Mazzeo e Cláudio Torres Gonzaga
Direção de Claudio Torres Gonzaga
Dias 16 e 17 de junho, em Caraguatuba
Teatro Mário Covas

Produção local: Flor de Nan - Coletivo de Arte
Informações e Disque-ingressos:
(12) 8154-1952 / 8113-1008
Fernando Moreno & Maria Rita Zahra


Enfim, nós
Uma Comédia Romântica.
A comédia romântica é um dos gêneros mais consagrados do mundo cultural. Seja no cinema, no teatro ou até mesmo na televisão, não são raros os sucessos obtidos com esse filão. ENFIM, NÓS é um espetáculo teatral escrito por dois experientes redatores da TV, Bruno Mazzeo e Cláudio Torres Gonzaga; o primeiro, responsável pelo programa A Diarista; o segundo, pelo Zorra Total, ambos sucessos atuais da Rede Globo de Televisão.
Como se não bastasse esse "atestado" de competência, ENFIM, NÓS conta em cena com a presença de Fernanda Rodrigues, atriz conhecida do grande público por diversos trabalhos em televisão, e que estava na recém-acabada novela das 18h da Rede Globo, O Profeta.
Por tudo isso, ENFIM, NÓS vem sendo um grande sucesso por onde passa!
ENFIM, NÓS ficou em cartaz por dois meses na Casa de Cultura Laura Alvim, em Ipanema, Rio de Janeiro, com grande sucesso de público e crítica.

A história

Zeca e Fernanda estão prestes a passar o seu primeiro Dia dos Namorados juntos desde que começaram a dividir o mesmo teto. A noite promete ser cheia de surpresas, afinal os dois têm novidades para contar.
Tudo seria perfeito se... um pequeno acidente doméstico não fizesse com que os dois fossem obrigados a passar a noite trancados no banheiro.
A solidão a dois, entre aquelas quatro paredes de azulejos, faz com que Zeca e Fernanda reflitam sobre a relação. Após um ano morando juntos, é a primeira vez que eles ficam colados sem sequer um intervalo.
Ciúmes, cobranças, manias, amor, tesão, segredos, passado... todos os sentimentos vêm à tona, elevados à quarta potência.
As tentativas de fuga quase levam os dois à loucura. Dentre outros contratempos, a casa é assaltada pela própria empregada sem que Zeca e Fernanda possam reagir; e uma tentativa em vão de contato com o mundo exterior, através da janelinha do banheiro, causa um acidente de trânsito.
Para quem sonhava com uma noite inesquecível, Zeca e Fernanda não podem reclamar. Mesmo que o "inesquecível" não tenha sido da maneira como eles imaginaram.
Definitivamente, todo casal, antes de unir os trapos, deveria passar pelo menos uma noite trancado no banheiro!
Fonte: Rita Zahra

Manchetes do dia

Sexta-feira, 25 / 05 / 2007

Folha de São Paulo:
"Governo reconhece "excessos" da PF"
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro Tarso Genro (Justiça) admitiram "excessos" da Polícia Federal na Operação Navalha, após líderes aliados atacarem a ação da PF em reunião do conselho político. Segundo alguns deles, Lula criticou o vazamento do inquérito. Ele teria dito, em alusão ao ex-ministro Silas Rondeau, que teve de demitir um "homem de bem" para que ele não ficasse "sangrando até a última gota".


O Globo:
"Congresso, Judiciário e Lula reclamam de abusos da PF"
Uma onda de críticas à atuação da Polícia Federal na Operação Navalha surgiu ontem após reuniões no Palácio do Planalto e no Congresso. De manhã, no Conselho Político do governo, líderes aliados se queixaram ao presidente Lula e ao ministro da Justiça, Tarso Genro, de supostos excessos cometidos pelos agentes federais, principalmente o vazamento de informações sobre conversas gravadas e da lista de congressistas que ganharam mimos da empreiteira Gautama. Três ministros do STF e a Associação dos Magistrados do Brasil saíram em defesa de Gilmar Mendes, ministro do STF que teve seu nome citado indevidamente na lista. Lula manifestou apoio à operação, mas determinou ao ministro que eventuais excessos sejam coibidos. Tarso admitiu os excessos, ressalvando que eles não desqualificam o trabalho da instituição. A PF divulgou nota em defesa de seu trabalho.


O Estado de São Paulo:
"Ministério vai apurar se PF cometeu abuso na operação"
Diante dos protestos de políticos e integrantes do Judiciário contra o comportamento da Polícia Federal na Operação Navalha, o presidente Lula determinou ao Ministério da Justiça que apure se houve abusos na prisão de suspeitos e no vazamento de informações. Durante reunião com seus conselheiros políticos, Lula pediu explicações ao ministro da Justiça, Tarso Genro. "A existência de excesso não desqualifica a instituição nem a operação", disse Tarso. Após o encontro, o ministro das Relações Institucionais, Walfrido dos Mares Guia, afirmou que a PF continuará a realizar operações, mas ressalvou: "O que queremos é cumprir a Constituição. As pessoas têm direito à identidade preservada". A PF divulgou nota na qual refuta críticas do ministro do STF Gilmar Mendes, que se diz vítima de tentativa de intimidação com a divulgação de que seu nome estaria numa lista de autoridades que receberam presentes da construtora Gautama. A dirigentes do PMDB, Lula disse que aceitará a indicação de Márcio Zimmermann para o Ministério de Minas e Energia, cujo último titular, Silas Rondeau, foi derrubado pelo escândalo.


Jornal do Brasil:
"Aliança contra PF"
A ação da Polícia Federal virou alvo de críticas de políticos, autoridades do Judiciário e integrantes da OAB. Prisões e vazamentos de informações que correm em segredo de Justiça causaram protestos e foram taxadas de "excessos". O ministro do STF, Gilmar Mendes, acusou a PF de tentar intimidá-lo e repudiou o que chamou de "estado policialesco". Acuados pelas suspeitas que rondam o Congresso, de envolvimento com a máfia das obras, deputados e senadores subiram à tribuna para queixarem-se das operações. Na reunião do Conselho Político, o presidente Lula prometeu conter possíveis desmandos, mas chancelou as ações de combate à corrupção.

quinta-feira, maio 24, 2007

Velhos tempos

E la nave va...

Em 2002 e 2003 o Ubatuba Víbora não existia e eu escrevia no jornal A Semana e no Litoral Virtual. Lembro-me dos textos de uma leitora da região sul, Bel Derghan, que fazia críticas pertinentes e lúcidas. Eu comentava com amigos que ela estava dando as coordenadas para o Prefeito ganhar as eleições. Bastava fazer o que estava sendo indicado, não tudo, pois seria impossível, mas mostrar boa vontade, dar as caras, falar com o povo. Acabei me acostumando a ouvir que o Prefeito não gostava de ler. Não se interessava por notícias de jornais, ou Internet. No dia da eleição o Ubatuba Víbora fez a cobertura, usando os boletins da rádio Costa Azul. Paulo Ramos vencia por ampla margem quando começou a apuração dos votos do sul. O jogo virou de forma radical. Em praticamente todas as urnas Paulo perdeu, quase sempre ficando em último lugar. Eduardo Cesar recuperou a diferença e venceu a eleição, embora no sul Pedro Tuzino tenha sido o mais votado. Até hoje fico imaginando o que teria acontecido se o então prefeito Paulo Ramos tivesse dado um mínimo de atenção aos reclamos bem intencionados de dona Bel. (Sidney Borges)

Política

Acima da Lei

Na Primeira Guerra Mundial os combates eram na base das trincheiras. Todos agachados, quem levantasse a cabeça levava bala. Um desconforto terrível assolava os combatentes, que se não morressem de bala acabavam vítimas de tifo ou diarréia crônica. As condições sanitárias das trincheiras estavam longe do que podemos considerar razoável. A aviação estava no começo e os tanques eram apenas uma curiosidade. Quando a guerra terminou os franceses cuidaram de impedir futuras invasões alemãs. Construíram a Linha Maginot, uma imensa fortificação de concreto para guarnecer as fronteiras com a Alemanha. Na época a fortaleza foi considerada intransponível e os franceses dormiram tranqüilos esperando rir da cara dos alemães quando cavalos e carroças germânicos não conseguissem entrar em território francês. Os alemães é que riram da cara dos franceses quando contornaram a fortificação e puseram a França a nocaute em 1940. A guerra moderna usou aviões e blindados e os franceses ainda pensavam em cavalos, o que fez com que caíssem do mesmo. Por falar em mesmice, ouço muito e falo pouco e do muito que ouço, muito pouco é aproveitável. Em Ubatuba há quem imagine repetir a estratégia de boca de urna da eleição passada. Trinta reais e uma camiseta e os candidatos já se imaginam prefeitos. Podem ir tirando o cavalinho da chuva. Tentar burlar a legislação eleitoral vai redundar em cassação certa. Na eleição passada uma câmera digital custava caro, um gravador também. Hoje dois em cada três adolescentes têm celulares com câmeras e gravadores. A vigilância ficou mais fácil, o risco para quem usa do expediente de comprar votos aumentou, insistir na prática vai requerer criatividade. E como é sabido, esse é um artigo escasso nestas plagas, onde nada se cria e tudo se copia. E se copia mal... (Sidney Borges)

Turismo



Atração turística

O “Caminho do Cais” é um dos Pontos de Maior freqüência turística na região central da cidade.
Infelizmente, a falta de manutenção e cuidado da prefeitura com a região já são notórios.
Talvez devêssemos mudar o nome da estrada para “ Caminho da Lua “ tantas e tão grandes são as crateras presentes no local.
Muitos turistas iriam ali só para ver o fenômeno, até mesmo porque com a quantidade de mato na costeira , não dá para ver a paisagem...
O passeio está completo com a principal atração: a “ Ponte de Barro”.
Tamanha é o descaso e a falta de manutenção da Prefeitura no Jardim Alice, que literalmente as ruas descem o morro e se depositam na Ponte quando não vão parar no mar.
Desta forma, a foto retrata bem o estado da nossa mais nova atração turística:
“A Ponte de Barro”
Quem sabe a Setur não começa logo a divulgar???!!


Hugo Gallo

Luz para Todos

Quilombo da Fazenda

A comunidade quilombola da Fazenda da Caixa, região norte de Ubatuba realizou no último dia 20 de maio, uma festa para comemorar a chegada da energia elétrica em suas residências.
O vereador Jairo dos Santos, sempre presente, ajudou na organização da festa e participou dos ensaios das danças folclóricas.
As lideranças da comunidade, Laura, Zé Pedro e Roberto Braga, juntamente com o vereador Jairo, agradeceram ao Governo Federal, que iniciou em 2004 o “Programa Nacional de Universalização do Acesso e Uso da Energia Elétrica - Luz para Todos" que tem como objetivo de levar energia elétrica gratuita para a população do meio rural, para que elas a utilizem como vetor de desenvolvimento social e econômico, contribuindo para a redução da pobreza e aumento da renda familiar.
O vereador disse também, que com a chegada da energia elétrica na comunidade, será facilitada a integração de outros programas sociais, como o acesso a serviços de saúde, educação, abastecimento de água e saneamento.

Fonte: ADPC

Pensata

No fio da navalha

Ainda não estão totalmente claros a dimensão e o alcance da chamada Operação Navalha, mas já é certo que se trata de coisa grande. Entre os implicados contam-se governadores, ex-governador, filho de governador, ex-ministro de Estado, políticos de diversos calibres, amigos, assessores de políticos de diversos calibres e o indefectível setor privado, na forma de empreiteiras como a Gautama.
A desfaçatez com que o esquema operava é típica de grupos que se sentem ao abrigo da lei. Eu julgara já ter visto quase tudo em matéria de corrupção: fraude em processos licitatórios, aditamentos suspeitos, superfaturamento e até obras fictícias, que jamais saíam do papel, mas eram integralmente pagas, proporcionando um "lucro" de 100% para seus "engenheiros". Essa quadrilha, entretanto, conforme relata a Polícia Federal, conseguiu ir além, ao "realizar" empreendimentos-fantasma em cidades que não existiam. Essa eu só tinha visto em piadas, cuja graça residia naquilo que se supunha ser uma inverossimilhança absoluta. As atividades desse sindicato do crime não conspiram apenas contra as burras públicas, mas, ao estragar o que era uma boa anedota, também contra o humor, o que é um crime imperdoável.
Leia mais

Ipiranguinha

6ª Festa de Nossa Senhora de Fátima reúne milhares de pessoas na Paróquia do Ipiranguinha

Durante três dias de extensa programação, aconteceram atrações que envolveram a comunidade, os festeiros ficaram felizes com a realização

A tradicional Festa de Nossa Senhora de Fátima do Bairro Ipiranguinha aconteceu entre os dia 11 e 20 de maio, trazendo milhares de pessoas para a praça de eventos. A festa é realizada pela Paróquia do bairro, e conta com o apoio da Prefeitura de Ubatuba e de diversos comerciantes do bairro e da cidade. Durante os dias da festa, várias atrações aconteceram para os moradores da comunidade e visitantes, dentre as atrações podemos destacar, na parte religiosa as missas paroquiais, coroação e procissão de carros, já a parte social os shows musicais fizeram a alegria de todos e o já tradicional Bingão que atrai milhares de pessoas.

A festa

Teve iniciou no dia 11 com a Banda Impacto do Forró, dia 12 Banda Criativa, dia 13 Marv 80, dia 18 Filhos D´Jah e Xapados de Forró, no dia 19 o show da Banda Blecaute foi cancelado devido ao mau tempo e dia 20 aconteceu o bingo de uma moto 0 km, onde milhares de pessoas apostaram a sorte, depois de 20 rodadas o Sr. Luiz, morador do bairro do Perequê Açu, foi o felizardo e levou para casa um linda moto.

Festeiros

Os casais Serjão e Madalena, Prof. Adilson Lopes e Josiane foram os responsáveis pela realizam da festa. “A responsabilidade é muito grande em realizar uma festa para milhares de pessoas, começamos a organizar tudo a três meses atrás, porém graças a Deus tudo de certo, só temos que agradecer a confiança que a nós foi depositada, procuramos fazer o melhor”. Disse Serjão. Já o Prof. Adilson disse que estar muito feliz pelo sucesso do evento, “Estou realmente muito feliz em poder ter feito parte desta equipe, só temos que agradecer a todos que nos ajudaram, aos Padres Mauro e Mateus, patrocinadores, colaboradores, as equipes que trabalharam, a imprensa, ao público e principalmente a Deus”.

Adilson Lopes
prof.adilsonlopes@hotmail.com

Local

Comunidade da Sesmaria em ação

No último dia 18 de maio, estivemos reunidos na sede da Namaskar, no bairro da Sesmaria, para tratar de assuntos referentes a projetos de regularização fundiária, habitações populares, saneamento básico e urbanização de nossas vias, bem como cobrar do poder executivo, investimentos em infra-estrutura de saúde, educação, área de lazer e esportiva.
O vereador Jairo dos Santos, como sempre, esteve novamente presente e colocou seu mandato à disposição da comunidade.

Amado Conceição dos Santos
Presidente

Ubatuba

Comunidade do Camburi

Na tarde do último dia 23, o Vereador Charles esteve no bairro do Camburi, Região Norte do Município, informando moradores sobre o andamento do processo de implantação do Programa Luz Para Todos em nosso município. Na visita pessoal à Brasília, Charles Medeiros compareceu ao DNIT solicitando o andamento e agilização na liberação de autorização para que a Elektro possa dar continuidade ao processo de implantação do Projeto Federal no bairro do Camburi.
Na ocasião o vereador empreendeu esforços em defesa da comunidade do Camburi, lutando pela Garantia Constitucional da comunidade possuir energia elétrica em suas residências.
Em resposta, o Dr. Luiz Cláudio dos Santos Varejão – Coordenador Geral de Operações Rodoviárias do DNIT, informa ao vereador que o processo foi encaminhado à Diretoria para os procedimentos finais e após publicada no Diário Oficial da União será realizada a lavradura de contrato entre as partes. Segundo Charles Medeiros, os esforços tem dado resultado por conta da união da comunidade e do apoio que tem encontrado junto ao representante do Luz Para Todos, Sr. Shinji Yoshino e dos representantes da Elektro em nosso município.

Fonte: Assessoria Charles Medeiros

Manchetes do dia

Quinta-feira, 24 / 05 / 2007

Folha de São Paulo:
"Mauá decreta intervenção em empresa da Gautama"
O prefeito de Mauá (SP), Leonel Damo (PV), decidiu intervir na Ecosama, a concessionária do serviço de esgoto do município, relatam Rubens Valente e José Alberto Bombig A empresa pertence a Zuleido Veras, alvo da Operação Navalha. A Ecosama fatura entre R$ 1,7 milhão e R$ 1,8 milhão por mês.


O Globo:
"Ministro demitido por corrupção ajuda a escolher seu sucessor"
Um dia após deixar o Ministério de Minas e Energia acusado pela Polícia Federal de receber propina de R$ 100 mil da empreiteira Gautama, Silas Rondeau participou da escolha de seu sucessor. Em reunião dele com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e com o senador José Sarney (PMDB-AP), foi indicado o nome de Márcio Zimmermann, atual secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do ministério. Sarney e Renan, fragilizados pelo escândalo que resultou na demissão de Silas, optaram por um técnico ligado à ministra Dilma Rousseff (Casa Civil). O anúncio oficial da nomeação deverá ser feito pelo presidente Lula até amanhã.


O Estado de São Paulo:
"Máfia cobiçava verbas de seis obras do PAC"
Conversas telefônicas gravadas pela Polícia Federal na Operação Navalha mostram que a máfia das obras públicas se movimentava para incluir empreendimentos não planejados no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) ou alterar locais de obras previstas. Segundo a PF, houve negociações em torno de pelo menos seis obras, nos municípios de São João de Meriti (RJ), Maceió (AL) e Camaçari (BA) e nos Estados do Amapá e Piauí. Carro-chefe do segundo governo Lula, o PAC prevê investimentos de R$ 503,9 bilhões até 2010. A ordem na administração federal é que o PAC não tenha recursos retidos - privilégio que nenhum ministério, isoladamente, tem. Em Camaçari, a construtora Gautama já negociava pagamento de propinas para vencer a licitação de obras no valor de R$ 11,5 milhões. A Controladoria-Geral da União estuda uma saída jurídica para declarar a empreiteira inidônea, o que a impediria de participar de disputas que envolvam recursos federais. A Gautama concorre na licitação da transposição do Rio São Francisco e poderia ser excluída do processo.


Jornal do Brasil:
"Líder do governo é recordista de emendas para a Gautama"
O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), destinou em 2005, quando era relator do Orçamento, R$ 94,3 milhões em emendas para a construtora Gautama. Mais da metade do valor reservado à empreiteira por todas as emendas de bancada. Jucá só se lembra de ter assegurado R$ 64,3 milhões para obras da empresa, acusada pela Operação Navalha de ser a beneficiária do esquema de fraudes em licitações de obras públicas, e seguido orientação do Ministério do Planejamento. A assessoria nega a versão do senador. Jucá se afastou do Ministério da Previdência, no primeiro mandato de Lula, depois de ser acusado de oferecer fazendas fantasmas como garantia de um empréstimo bancário.

quarta-feira, maio 23, 2007


Mais uma pizza no forno...

Escândalo choca nação do "rouba, mas faz", diz "Financial Times"

da BBC Brasil
O recente escândalo de corrupção no Brasil que levou à demissão do ministro das Minas e Energia, Silas Rondeau, provocou uma crescente indignação popular com a classe política num país "onde a frase 'rouba, mas faz' é comumente usada como sinal de aprovação", afirma reportagem publicada nesta quarta-feira pelo jornal britânico "Financial Times". A reportagem observa que "o escândalo é mais um de uma série de acusações de corrupção no alto-escalão a atingir o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva".
Mas o jornal comenta que, ao contrário do principal escândalo de corrupção a atingir o governo no primeiro mandato de Lula, pelo qual membros do Partido dos Trabalhadores eram acusados, desta vez ele atinge "tanto a oposição quanto membros do governo".
O "Financial Times" conclui afirmando que "os escândalos provocaram pedidos por uma reforma do sistema político brasileiro, pelo qual os legisladores não têm de prestar contas nem aos eleitores nem aos seus partidos e têm garantida ampla imunidade de processos".
Leia mais

Gente fina

Operação Navalha

"Zuleido Veras liga para o jornalista Cláudio Humberto em 7 de julho de 2006 para agradecer a publicação de uma nota em sua coluna que o favorece.
Zuleido: Cláudio?
Humberto: É.
Zuleido: Parabéns, tá?
Humberto: Ficou bom?
Zuleido: Muito bom.
Humberto: Você não imagina a choradeira, viu?
Zuleido: Foi (risos).
Humberto: Rapaz, mas foi pela madrugada.
Zuleido: A hora que bateu na internet, foi?
Humberto: Foi. Rapaz, a coisa é mais grave. O cara tá lá comprando ministros, foi expulso de uma sala. Eu dei a coisa mais amena possível.
Zuleido: Aquela frase final foi terrível.
Humberto: É bom porque constrange, né?
Zuleido: Tá bom, meu amigo. Parabéns, obrigado.
Humberto: Às suas ordens, viu?" (O Globo)

Quem tem c..., tem medo!

Juiz anula a própria sentença

Do Jornal do Brasil, hoje:
"Em tempos de navalhas afiadas, o desembargador Rogério de Vieira Carvalho, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (Rio e Espírito Santo), não resistiu aos fortes ventos da Operação Furacão. Depois de ver os colegas de tribunal José Eduardo Carreira Alvim e José Ricardo de Siqueira Regueira sendo presos por suposta venda de decisões judiciais, resolveu anular uma sentença que ele mesmo havia proferido menos de dois meses antes.
Em fevereiro, Rogério Carvalho autorizara a empresa Tecno Turfe a importar máquinas de bingo para o país. Na sessão de 25 de abril, no entanto, atribuiu à operação da Polícia Federal, duas semanas antes, a mudança de idéia. Em despacho, acolheu o recurso da Procuradoria da República."

Leia mais

Brasil

As misérias da política nacional

Editorial de O Estado de S.Paulo, hoje:
"O que menos importa a esta altura dos desdobramentos da Operação Navalha é o destino pessoal do engenheiro Silas Rondeau, o fidelíssimo afilhado político do senador José Sarney, a quem deve a ida para o Ministério de Minas e Energia, numa indicação compartilhada com o atual presidente do Senado, Renan Calheiros. O mais graduado suspeito, no âmbito do Executivo, de participar da máfia tentacular identificada pela Polícia Federal, Rondeau teria recebido da Construtora Gautama, do agora notório Zuleido Veras, propina de R$ 100 mil por tê-la ajudado a vencer uma licitação viciada no programa Luz para Todos. O seu afastamento do cargo era previsível desde a primeira hora, apesar das suas juras de inocência em relação a ambas as acusações."

Leia mais

Ubatuba

Uma política melhor para Ubatuba

Reuniram-se na tarde de Sábado nas dependências do Aquário de Ubatuba os Presidentes de 7 partidos políticos com relevante atuação na cidade.
O objetivo principal da reunião foi o de discutir os problemas que o município enfrenta, a crise econômica que passamos, suas soluções e de que forma os partidos que deverão entrar na disputa pelo executivo nas próximas eleições devem tratar estas questões.
A idéia de se discutir os problemas da cidade, ao nosso ver, passa obrigatóriamente pelos quesitos política e ética, que deveriam nortear todas as ações públicas e que infelizmente na maioria das vezes estão colocados de forma antagônica.
Como resultado, foi montada uma agenda de reuniões em que deverão ser discutidos, os problemas do município divididos por temas.
Na próxima reunião, serão convidados os presidentes de outros partidos políticos presentes na cidade e que queiram participar de forma positiva.
Alguns dos temas já levantados são Saúde, Turismo, Educação, Segurança dentre outros.
O que se pretende é criar um foro de discussões onde independentemente de candidatos e ideologias, se encontre um entendimento comum e de consenso sobre os principais problemas de nossa cidade e sobre as soluções propostas para resolvê-los. (O resultado ideal é que se consiga chegar ao final do processo em uma espécie de pacto político aonde as questões fundamentais do município sejam tratadas com a mesma importância e ética, independentemente de quem chegue ou esteja no poder).
Desta forma, pretende-se construir uma ação propositiva que culmine no desenvolvimento econômico e social sustentável de nosso município.Na reunião, como exemplo de que antagonismos podem e devem ser colocados de lado quando o assunto é de interesse comum, estiveram presentes os presidentes do PT, PSDB, PV, PR, PTB, PP e PMN.
Informações sobre a próxima reunião com Maurício Moromizato (PT) 9718-4647, Hugo Gallo (PSDB) 3832 1382, Ana Barone (PR) 9714 5969, Wagner Nogueira (PV) 9792 9696, Robson das Chagas (PMN) 97385985 , Tato (PTB) 9708 9683, Beto (PP) 9715 6477. (Hugo Gallo Neto)

Obras

Máquina do DAEE no Rio Acaraú

No inicio de 2005 o vereador Charles Medeiros solicitou através de requerimento a visita de técnicos do DAEE - Departamento de Águas e Energia Elétrica da Secretaria Estadual de Saneamento e Energia do Governo Paulista em rios da região.
Na ocasião, o DAEE enviou membros da Diretoria da Bacia do Paraíba e Litoral Norte – BPB onde foram realizadas vistorias em rios do Centro e entorno, Região Sul e Região Norte. Após firmar convênio com o executivo municipal, moradores presenciaram a máquina trabalhando no Rio Acaraú, garantindo assim segurança aos munícipes.

Fonte: Assessoria Charles Medeiros

Análise

Exterminadores do futuro II

Se não cuidarmos não irá sobrar nada! A degradação ambiental está célere e, se não houver uma reversão, pouco sobrará para os nossos netos. É preciso preservar. Para preservar é preciso conscientizar. Para conscientizar é preciso, muito antes, educar. São muitas as organizações, são severas as legislações, são inúmeras as propostas. O clamor pela defesa da natureza é uma boa bandeira para qualquer outro objetivo, até mesmo os mais escusos. A fundamentação científica dos argumentos torna-se imprescindível. As paixões “a primeira vista” precisam ser abandonadas em nome da razão. A negação do crescimento vegetativo e migratório das populações tem causado “baixas” irrecuperáveis, tanto quanto a falta de uma política realística e corajosa, que produza e coloque a disposição dos atores as ferramentas necessárias para o enfrentamento do problema. A negação da existência deste fator (crescimento das populações) transfere e adia soluções tornando-os cada vez mais insolúveis em qualquer meio, muito mais nos quais se pretende “preservar”. Na prática, o modelo existente atesta sua incompatibilidade. Funciona como uma foto e, não como um filme. Como uma represa, contém um demanda (reprimida), sem propor alternativas, tapa os olhos para a realidade latente. Vide Manifestações pela regularização fundiária. Serão os manifestantes impedidos de procriar? Onde, dentro no município, nos oferecem espaços físicos disponíveis (suficientes) para a ocupação humana ( a garantir os direitos constitucionais de4 ir e vir, moradia, sustento etc) com alguma infra-estrutura? Qual as alternativas econômicas (sustentáveis) que nos propõe, para o “ganha pão”? Irão nos oferecer alguma ( como tantas outras) “bolsa preservação”? Toda preservação precisa priorizar o homem. Ele é o foco e a sua razão de existir. Imposições legais e as pressões de toda ordem das não governamentais do segmento que não levarem em conta a simples existência do homem local, suas necessidades matérias, espaciais e aspirações, estão fadadas ao fracasso. O resultado prático das restrições de ocupação existente é tapar o sol com a peneira. A punição radical tem sido tanto maior, quanto maior for o “IBOPE” alcançado com a ação. É circense. É preciso democratizar as decisões tomadas nos gabinetes refrigerados e trazê-las a tona da realidade. Aos locais (moradores) além das restrições é preciso oferecer alternativas exeqüíveis de sobrevivência e, um mínimo de qualidade de vida. Vamos parar de escrever, de ler e ouvir “poesias”. A nossa realidade é outra. Compatibilizar o uso com a preservação e a proteção ambiental, de forma realística e racional é sensato. Vamos priorizar o homem, principalmente aquele que vive no, e do local que se pretenda preservar. O que queremos (afinal) preservar para o futuro? A arquitetura de quatro andares dos prédinhos mal ajambrados da Praia Grande? Os quiosques embargados? O novo Prédio (nas Toninhas) da Colônia de Férias da Associação. Dos Funcionários do Estado de São Paulo (um verdadeiro CPD, um monumento ao mau gosto)? As disposições urbanas dos (já incontáveis) carrinhos de lanche? As esquinas tomadas por Churrasquinhos de Gato? A “nova” Feirinha Hippie? As incontáveis lojinhas de maiôs? Este é o modelo ( que recebemos pronto e frio) de desenvolvimento “sustentável” que nos é oferecido pelo estado? O que se pretende? A o pouco que resta da economia do município está combalida. Os meses de inverno são “congelantes”. Falta dinheiro para tudo. E como preservar o palmito com filhos pedindo pão? É preciso termos certeza de que estamos construindo um futuro melhor para os filhos desta terra. É preciso refletir sobre discursos inflamados de “haoles” oficiais ( ou não), que tem empregos e salários garantidos (pagos pelo estado) que acenam, impingem e propõe ações inexeqüíveis e inconseqüentes. Vamos olhar para o mundo ou para outros estados da União e, baseado em suas experiências de sucesso escolher e planejar nosso o melhor caminho. O caminho da preservação responsável. O nosso caminho. Somos menores? Incapazes? Precisamos de tanta tutela? Afinal, ainda não sabemos caminhar? O Plano Diretor poderá ser um marco de novos e melhores tempos.

Ronaldo Dias

A reportagem abaixo, na Revista Náutica deste mês, merece muita reflexão!

Onde vamos parar?
Já estão faltando vagas nas marinas, e não há outras sendo construídas.
Jets, veleirinhos, infláveis e lanchas pequenas podem ser rebocados e guardados em casa, sem maiores problemas. Mas, onde guardar os barcos maiores? Para quem não sabe, as vagas nas marinas e iates clubes do Brasil estão quase esgotadas, ao mesmo tempo em que a legislação ambiental praticamente proíbe a construção de novas marinas. Resultado: a indústria nacional cresce em ritmo acelerado, mas completamente fora de compasso do surgimento de vagas para seus produtos. Com isso, o mercado incha, e a indústria, inevitavelmente, se retrai. O motivo para tanto rigor na legislação deve-se à intransigência de parte das autoridades ambientais, que julgam as marinas como degradadoras do meio ambiente. Mas, será verdade? Ao que tudo indica, não... Pelo contrário, uma marina bem nascida até enriquece a vida aquática à sua volta. Além disso, aquelas ambientalmente corretas tratam todo o seu esgoto e têm estações de coleta de combustível e óleo, para evitar que, no caso de vazamento, eles acabem indo para na água. E isto não é difícil de fazer. Complicado mesmo é entender as obscuras regras da legislação. Tenho visto muitos exageros, principalmente no estado de São Paulo. Em Ubatuba, uma marina – que trata de toda água drenada de seu pátio e é equipada para permitir o fluxo normal das águas do mangue – foi condenada a ser implodida! O curioso é que essas autoridades que mostram os dentes quando os assuntos são novas marinas, mostram-se impotente à devastação nas encostas e à pesca predatória. Ou seja, alguém está condenando o réu errado. Um setor que emprega e faz expandir o mercado, não pode ser foco de perseguições preconceituosas.

Mario Dottori é consultor de náutica

Manchetes do dia

Quarta-feira, 23 / 05 / 2007

Folha de São Paulo:
"Escândalo derruba ministro de Lula"
Suspeito de ter recebido R$ 100 mil de propina, Silas Rondeau pediu demissão. Apesar de achar que a PF não tinha provas, o presidente Lula aceitou por entender que o ministro perdera as condições políticas de continuar. Filmagens mostraram Ivo Almeida Costa, assessor de Rondeau e um dos presos na Operação Navalha, recebendo dinheiro, segundo a PF, no andar do gabinete do ministro.


O Globo:
"Escândalo de propina derruba o ministro de Minas e Energia"
Acusado pela Polícia Federal de corrupção passiva, pelo suposto recebimento de R$ 100 mil de propina da empreiteira Gautama, o ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, formalizou ontem à noite o pedido de demissão ao presidente Lula. Antes estiveram no Planalto o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o senador José Sarney (PMDB-AP), a quem Lula teria pedido a indicação do substituto. Sarney, que apadrinhava a nomeação de Silas, foi quem o aconselhou a se afastar. O ministro deixou o governo cinco dias após a PF desencadear a Operação Navalha, que revelou esquema de desvio de recursos públicos operado pela Gautama. Na audiência com Lula, Silas disse que não poderia ficar "sangrando no cargo" e que, diante da acusação que sofrera, perdera autoridade para tocar a pasta, sobretudo obras e projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A nota confirmando a demissão só foi divulgada às 20h35m. Nela, o ex-ministro afirma sua "completa e absoluta inocência" em relação às acusações levantadas pela PF, diz acreditar que tudo será esclarecido e que ficarão comprovadas "a injustiça e a crueldade das mentiras e insinuações" a seu respeito. Assumirá interinamente o secretário-executivo do ministério, Nelson Hubner. Até ontem, pelo menos metade dos 48 suspeitos presos na quinta-feira passada pela PF já estava solta por ordem do Superior Tribunal de Justiça (STJ).


O Estado de São Paulo:
"Escândalo derruba ministro"
Apontado pela Polícia Federal como suspeito de ter recebido propina de R$ 100 mil da construtora Gautama, o ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, não resistiu ao escândalo e teve de deixar o governo. Formalmente, Rondeau entregou ao presidente Lula uma carta de demissão na qual alega que se afasta do cargo para poder se defender das acusações de envolvimento com a máfia das obras públicas coordenada pelo dono da Gautama, Zuleido Veras. No texto, alega "total inocência". A saída do ministro foi defendida até mesmo por seu principal padrinho político, o senador José Sarney (PMDB-AP), que argumentou ser necessário "abreviar a pancadaria". Mas o parlamentar sugeriu a Lula que Rondeau tirasse apenas uma licença, idéia rejeitada pelo presidente. A preocupação de Sarney agora é neutralizar petistas que já se movimentam para tentar assumir o controle do Ministério de Minas e Energia. O senador tratou de apresentar duas sugestões para o lugar de Rondeau: José Antonio Muniz, que foi da Eletronorte e está na iniciativa privada, e Astrogildo Quental, atual diretor financeiro da estatal.


Jornal do Brasil:

"Ministro pede demissão"
Silas Rondeau entregou ao presidente Lula o cargo de ministro das Minas e Energia depois de abandonado pelo próprio partido. O PMDB desistiu de defende-lo das denúncias da PF, segundo as quais recebeu R$ 100 mil para favorecer a construtora Gautama. Antes de se reunir com Rondeau, o presidente esteve com os senadores José Sarney e Renan Calheiros. As mesas da Câmara e do Senado pediram ao STJ a cópia do inquérito da Operação Navalha, para saber quais são os parlamentares sob suspeita.

terça-feira, maio 22, 2007


Eleitores

Utilidade Pública

Ultimas noticias informam que foram suspensos mais de mil (1.000) títulos de eleitores em Ubatuba, por falta de justificativa de ausência nas ultimas três eleições, estando incluso o referendo do Desarmamento realizado em 2005.
Importante frisar, que o eleitor que tiver seu titulo cancelado não poderá inscrever-se em concurso público, obter passaporte ou CPF, renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial, obter empréstimos em estabelecimento de crédito mantido pelo governo, participar de concorrência e praticar qualquer ato para o qual exija quitação de serviço militar ou imposto de renda.
Para verificar sua situação eleitoral, entre nos sites
www.tre.gov.br e www.tse.gov.br,.

Charles Medeiros
Vereador

Justiça tardia

Pela primeira vez, conselho pune procuradores

De O Globo, hoje:
"O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) suspendeu ontem, por 45 dias, o procurador regional da República Luiz Francisco de Souza e aplicou pena de censura contra o também procurador Guilherme Schelb, acusados de perseguição política contra Eduardo Jorge Caldas Pereira, que foi ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência no governo Fernando Henrique. É a primeira vez que o conselho suspende, em caráter definitivo, um membro do Ministério Público. Luiz Francisco divulgou nota informando que vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal contra a decisão. A punição foi aprovada por seis votos a três, embora os nove conselheiros fossem favoráveis à sanção. Dos três votos contrários, um — o de Alberto Cascais — defendia a abertura de processo na Justiça para demitir Luiz Francisco e Schelb. Os outros dois conselheiros queriam que a suspensão durasse 30 dias e não 45, como foi aprovado. Os demais quatro conselheiros declararam-se impedidos de votar, além do presidente do CNMP, o procurador-geral da República, Antônio Fernando de Souza, que só se manifesta em caso de empate."

Denúncia

Abaixo o Nepotismo!

Eu, Carlos Alberto Gonçalves Leite, também conhecido como "Bacurau", denúnciei na última sexta-feira (18/05) no Ministério Público Estadual (protocolo 938/07) por prática de nepotismo, o Prefeito EDUARDO DE SOUZA CÉSAR, o Secretário Municipal de administração SILVIO BONFIGLIOLI NETO, os Vereadores GERSON DE OLIVEIRA, CLAÚDIO FRANCISCO GULLI, LUCIANA MACHADO RESENDE, ROMERSON DE OLIVEIRA, MARCOS FRANCISCO DEMO, CHARLES ALVES MEDEIROS e OSMAR DIAS DE SOUZA. Também na data de hoje (21/05) denúnciei na Câmara Municipal os vereadores acima, solicitando o afastamento dos mesmos e convocando os vereadores suplentes para julga-los. Estou de olho! O povo vai cobra-los em 2008. Abaixo o nepotismo!

Carlos Alberto Gonçalves Leite

Conjuntura

À espera do próximo escândalo

Editorial de O Estado de S.Paulo, hoje:
"Cada vez que se toma conhecimento de um novo e disseminado esquema de corrupção envolvendo empreiteiros, políticos e administradores, como este lancetado pela Operação Navalha, cujo pivô é uma certa Construtora Gautama, de um tal Zuleido Veras, tem-se uma poderosa razão adicional para acreditar que outras bandalheiras, tão ou ainda mais cabeludas, continuam a ocorrer, com os mesmos tipos de personagens, pelo território nacional. Por dois motivos entrelaçados, dos quais difícil é distinguir o pior. O primeiro é que essa tende ser a regra e não a exceção no relacionamento - ou melhor, no contubérnio - entre, de um lado, vendedores de bens e prestadores de serviços ao poder público e, de outro, os seus agentes municipais, estaduais e federais: prefeitos, governadores, deputados, senadores, ministros, assessores, ad nauseam."

Leia mais

Ubatuba

“Desrespeito e desperdício”

Corsino Aliste Mezquita
Aproximadamente trinta cidadãos compraram imóveis no entorno da Praça Roque Graciliano dos Santos, no Centro-Silop. Área tranqüila, sossegada, sem grandes agitações e barulhos. Não existia atrativo para concentrações e ou mercado para produtos ilegais e menos recomendáveis para a juventude.
Na praça foi instalado um campinho de futebol que tirou a tranqüilidade dos moradores. Estes tiveram e tem que suportar a quebra de telhas, vidros, bolas sobre seus telhados e os palavrões e falta de educação dos usuários. As reclamações nunca foram ouvidas.
A administração 1997-2000 construiu uma mureta e instalou redes atrás das tabelas de gol.
Entre outras finalidades, a mureta, serve para esconderijo de ações menos nobres e necessidades fisiológicas, já que a praça não possui serviços.
Até 2005 o campinho era usado, unicamente, durante o período diurno. Nesse período, aos dias letivos, tinha e tem atualmente, atividades organizadas pela Secretaria de Esportes e Lazer, entre as 08:00 e as 11:00 e as 14:00 e as 17:00 H. Estas atividades, por serem organizadas e supervisionadas, contam com o apoio e a colaboração da comunidade. A maior parte do tempo, o campinho, fica ao deus-dará e, seus ocupantes, por estarem sem controles, supervisão ou responsável pela organização, apresentam comportamentos agressivos, insolentes, desrespeitosos e, às vezes, suspeitos.
Na mureta da rua Amapá, frente ao N° 62, o Sr. Eduardo de Souza César mandou instalar um padrão de água. Agora aproveitado pelos moradores de rua para tomar banho e lavar suas roupas. O desperdício de água é constante. Não satisfeito, mandou iluminar o campinho com potentes holofotes que, tenha jogadores ou não, acendem às 18:00 H e, (se ninguém alterar o automático) desligam às 23:00 H. Isso tenha esportistas ou não, esteja o tempo seco ou chuvoso. Escrevo estas linhas às 22:30 do dia 19-05-07 (sábado), chuva intensa cai sobre o campinho, está todo tomado por poças de água, não tem ninguém e visualizo, desde a sacada de casa, o desperdício dos impostos que paguei no início do ano.
Ontem, (18-05-07) repetiram-se as mesmas condições, estado do tempo e desperdício.
O tempo estando bom é imprevisível o que vai acontecer. Grupos de adolescentes e adultos aglomeram-se em volta do campinho e os insultos, gritos, palavrões não permitem que os vizinhos ouçam a televisão, durmam ou tenham o silêncio a que tem direito, no recesso de seus lares. Ninguém é respeitado. O linguajar chulo perturba os ouvidos mais moucos. Vizinhos, tem reclamado seus direitos. Ninguém os atende. Não são tomadas providências.
Um vizinho comentava: “Construí minha casa frente a uma praça. Não é mais praça. É campinho de futebol. A casa desvalorizou-se por causa do campinho e ninguém quer comprar ou alugar. Pagará o Prefeito meu prejuízo?”.
Transformar praças em campinhos de futebol ou quadras esportivas é desvia-las de suas funções e finalidade e prejudicar todos os moradores de seu entorno.
Iluminar esses campinhos e quadras esportivas e deixa-los ao deus-dará é um desperdício de energia, que estamos convidados a economizar, um custo sem benefício e criar condições para toda série de desmandos. Podem ser escolas do crime.
Deixar os holofotes ligados a serviço de turmas desorganizadas, sem controles, sem vigilância, é um desrespeito, violenta ofensa, agravo a todos que pagamos impostos.
Permitir que essas hordas indisciplinadas e sem controle permaneçam, noite adentro, perturbando vizinhos, desqualifica as autoridades que o permitem.
Será pedir demais, ao Sr. Prefeito Municipal, que mande desligar os holofotes às 22:00 H e solicite da Polícia Militar a dispersão desses grupos a partir desse horário. Os cidadãos trabalhadores precisam descansar.
 
Free counter and web stats