sábado, março 10, 2007

Fechamento da Câmara

Paradigmas não mudaram, mas mitos estão caindo

O requerimento abaixo (e ao lado) protocolado, às 11:30 do dia 09 p.p., na Câmara Municipal de Ubatuba demonstra que a população de Ubatuba além de possuir conhecimento de seus direitos constitucionais, resolveu cobrar de maneira mais incisiva e oficial que aqueles para quem outorgamos parte de nosso poder cumpram com suas obrigações. Atitudes como essa são, na realidade, mais que um direito de todo e qualquer cidadão. As mesmas devem ser encaradas como uma obrigação daqueles que pretendam auxiliar na construção de um município melhor, um estado melhor, um país melhor e conseqüentemente um mundo melhor. Enquanto alguns dizem que os paradigmas estão mudando outros tomam atitudes para que isso seja verdade. A população de Ubatuba, finalmente, percebeu o poder que possui.

“Para o exercício da democracia, a desmistificação dos pretensos grandes homens deve ser considerada um passo à frente”
M. T. Piacentini

Marcos Leopoldo Guerra


REQUERIMENTO

Eu, Benedito Moreira dos Santos, portador do RG. 9.889.217-4SSP/SP e do CPF/MF nº. 019.110.918-59, residente e domiciliado na Rua Paulino Elídio Ferreira, nº. 120, no bairro do Perequê-Açu, Ubatuba, São Paulo – CEP. 11680-000, venho através deste repudiar a atitude antidemocrática de Vossa Senhoria em fechar as portas e os portões desta casa de Leis, quando da realização da 4ª Sessão Ordinária, realizada no último dia 06 do corrente mês. Não poderia deixar de citar o quanto Vossa Senhoria é dependente e submisso ao chefe do Executivo Municipal. Pergunto-lhe então, onde está a independência entre os poderes?. O Senhor não deveria estar legislando e fiscalizando os gastos desmedidos, que estão sendo de feito de forma irresponsável pelo Sr. Prefeito Municipal.
Outro fato que me assustou bastante foi a ordem dada pelo Senhor, quando mandou reservar as cadeiras para os funcionários do Executivo, deixando o povo para fora.
Pergunto-lhe então ao Senhor: a malfadada “vacinação” realizada por Vossa Senhoria contra a dengue, no último dia 23 de fevereiro, fez o Senhor perder de vez o Juízo?

Atenciosamente,

Ubatuba, 08 de março de 2007

Benedito Moreira dos Santos

Ilmo. Senhor Doutor Ricardo Cortes
DD. Presidente da Câmara Municipal de Ubatuba

Da Boa Terra

A feijoada

A filha olhou para a mãe que olhou para a filha, que suspirou e continuou olhando para a mãe. Fazia muito calor. Ao lado da mãe, perto da janela com defeito, apenas entreaberta, sentava-se um cidadão afro-brasileiro, imenso, cuja cabeça parecia uma gigantesca jabuticaba, na cor, na forma e no brilho. Os olhos saltados também se assemelhavam a duas jabuticabas, e a boca, bem a boca era um caso à parte. Situada abaixo de um nariz que parecia ter sido amassado por uma motoniveladora, a boca era larga qual o Rio da Prata, o mais largo do mundo. Boca de garoupa. O lábio inferior era carnudo, lembrava um charuto disposto horizontalmente. O homem, de idade indefinida, entre quarenta e sessenta anos, vestia um terno branco muito limpo e cheirava a lavanda. A cabeça era totalmente raspada. O ônibus jogava. De pé, ao lado da mãe viajava Serginho Terrô, cujo terrô era uma abreviatura de terror, apelido jocoso de um bom rapaz, que morava com a mãe viúva e trabalhava no Banco do Brasil. Terrô voltava de uma feijoada na qual comeu como um animal, além de ter tomado cinco caipirinhas, uma dose de vodka e dois uísques sem gelo. O ônibus entrava veloz nas curvas, o calor era de rachar, Serginho ia de cá pra lá e voltava de lá pra cá. O mundo rodava. De vez em quando esbarrava na filha, que olhava para a mãe, que olhava para a filha. De repente o jato passou zumbindo ao lado da cabeça da filha e atingiu em cheio a cabeça africana do afro-cidadão. Depois escorreu pelo pescoço e pelos ombros, tingindo de preto o que antes era a mais pura alvura. Terrô, sem saber direito que atitude tomar tirou com a mão um pedaço de bacon e uma ligüicinha da sobrancelha direita do impassível boca de garoupa. A filha olhou pra mãe, que olhou pra filha que disse: - que cheiro ruim minha mãe. É sim minha filha, é feijoada. Vamos descer? Deram sinal, desceram e foram caminhando pela orla de Salvador, a filha olhando para a mãe, que também olhava para a filha. Calor arretado, de rachar pedra... (Sidney Borges)

A dengue e as gotinhas

Rio Preto vai combater dengue com homeopatia

terça-feira, 6 de fevereiro de 2007, 16:38h.

Nos próximos dias, prefeitura vai disponibilizar em todas as unidades de saúde 100 mil doses de um complexo para os dois tipos da doença.


Chico Siqueira, ESPECIAL PARA O ESTADO, ARAÇATUBA
São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, vai combater a dengue com homeopatia. Nos próximo dias, 100 mil doses de um complexo homeopático serão distribuídas nas 23 unidades de saúde da cidade. O objetivo é tentar bloquear a doença, evitando uma epidemia e tratando os moradores contra a dengue dos tipos clássica e hemorrágica. No ano passado, o município contabilizou mais de 12 mil casos de dengue. Neste ano, já há mais de 300 casos suspeitos e 60 confirmados. A aplicação será feita em uma dose sublingual. Qualquer morador poderá receber o complexo, formado por três tipos de medicamentos: o Eupatorium 30 CH, retirado de uma planta americana; o Crotalus horridus 30 CH (veneno de uma cobra cascavel americana) e o phosphoros 30 CH (fósforo mineral).“O Eupatorium já é usado e tem resultado comprovado contra a dengue clássica, o Crotalus é acrescentado para combater a dengue hemorrágica, e o fósforo mineral é usado no controle da coagulação do sangue”, explica o médico homeopata Renan Marino. No ano de 2001, em caráter experimental, 2 mil doses de Eupatorium 30 CH foram aplicadas no bairro Cristo Rei, que era o mais infectado, reduzindo os casos da doença drasticamente. Hoje, o Cristo Rei é dos bairros com menos casos de dengue na cidade. Segundo a Secretaria de Saúde municipal, o uso da homeopatia foi motivado pelos resultados observados em Cuba.

EXPERIÊNCIA

No ano passado, médicos cubanos usaram o modelo de aplicação do Eupatorium 30 CH desenvolvido por Marino para combater uma epidemia de dengue que lotou os leitos hospitalares de Havana. Além disso, o médico foi contratado para desenvolver uma vacina bioterápica contra a dengue no país a partir de abril. Marino havia apresentado o modelo no Congresso Pan-Americano de Homeopatia, em Havana, em 2003. O diretor técnico da secretaria, Antônio Caldeira, diz que a cidade já tem postos que disponibilizam remédios e tratamento homeopático, mas que esta será a primeira vez que ele estará em todas as unidades.
Segundo ele, enfermeiros e médicos da rede municipal foram treinados para aplicar o produto, cujo custo por unidade será de R$ 0,01. As 100 mil doses custarão apenas R$ 1 mil para os cofres públicos. Cada morador que receber a dose deixará registrados nome, endereço e outros dados na unidade. Esses dados serão usados posteriormente para elaboração de estatísticas sobre a doença no município. Outra cidade que poderá adotar o uso do complexo é Ribeirão Preto. A Secretaria de Saúde do município deverá assinar um convênio com o Instituto de Homeopatia Lamasson, do qual Marino é um dos pesquisadores responsáveis.

SUSPEITA

Ontem, uma menina de 10 anos e uma mulher de 44, ambas brasileiras, morreram em Assunção, no Paraguai, com sintomas de dengue hemorrágica. Com isso, o número de mortes provocadas pela doença no país deve chegar a seis.
Fonte: O Estado de São Paulo



Nota do editor - Estou publicando a matéria acima para dirimir dúvidas que pairam sobre a tão comentada “vacinação” ocorrida na cidade. O medicamento aplicado em Ubatuba, por iniciativa do Dr. Ricardo Cortes, é citado na matéria. Trata-se de um composto homeopático que teria a capacidade de atenuar os efeitos da dengue quando já instalada no organismo e de prevenir a manifestação da forma hemorrágica, muitas vezes fatal. O que é preciso deixar claro é que não é uma vacina. Vacinas são substâncias de origem microbiana (micróbios mortos ou de virulência abrandada) que se ministram a um indivíduo, com fim preventivo, curativo ou paliativo. As gotinhas homeopáticas não contém agentes que causam a dengue e não podem ser chamadas de vacina. Podem sim ser tratadas como “vacina”, entre aspas, sutileza necessária para que uma boa intenção não seja confundida com esperteza política. Como é de conhecimento geral, ainda não existe uma vacina contra a dengue. O que ocorreu em Ubatuba foi um erro de comunicação. Tivessem os panfletos deixado claro a natureza das gotas, o Dr. Ricardo estaria sendo aplaudido pela iniciativa. Sempre é tempo, se o medicamento não tem contra-indicação, então é o caso de distribuí-lo, agora que todos sabem que não é uma vacina, mas um possível atenuante da doença. E a doença precisa ser combatida de todas as formas. Ubatuba não está preparada para uma epidemia, se acontecer será o caos. Aproveitando coloco abaixo o link da matéria referente ao que está acontecendo em São José do Rio Preto, veiculada na Rede Globo de Televisão, que embora tenha tratado o tema corretamente, pisou na bola ao usar o termo vacina no título do vídeo. Nos velhos tempos os editores eram cuidadosos e essas escorregadelas não aconteciam. Rsssss. (Sidney Borges)http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM649319-7823-VACINA+HOMEOPATICA+PARA+TRATAR+A+DENGUE,00.html

A visita

Muito barulho por nada

Editorial de O Estado de S.Paulo, hoje:
"O giro de Bush pela região é essencialmente a tardia tentativa de um presidente politicamente desidratado de responder às críticas, de dentro e de fora dos Estados Unidos, segundo as quais a negligência, quando não a mão pesada da sua política externa em relação à América Latina, sem falar na rigidez da política comercial, contribuiu poderosamente para a expansão do populismo do coronel Hugo Chávez."

Leia mais

De ratos e políticos

Ratos sabem da própria ignorância, mostra estudo

RAFAEL GARCIA da Folha de S. Paulo
Ter conhecimento sobre a própria sabedoria (ou ignorância) é algo que todas as pessoas já experimentaram. Quando desistimos de responder a uma questão numa prova, por exemplo, nos deparamos com o fenômeno que ficou consagrado numa frase atribuída ao filósofo grego Sócrates ("Só sei que nada sei"). Essa habilidade - a metacognição - é considerada por muitos cientistas um componente essencial da consciência humana. Um experimento recente, porém, mostra que ratos também têm capacidade de avaliar a própria sabedoria.
Leia mais

Nota do editor - Muitas vezes políticos são chamados de ratos. Acontece quando o "chefe" está em dificuldades e eles mudam de "chefe". As pessoas dizem então que os ratos estão abandonando o navio. Raciocínio falacioso. Ratos, como mostra o estudo, conhecem suas limitações. Políticos não. Erram e persistem no erro. São "espertos".

Notícias da Prefeitura

Notícias do dia 10 / 03 / 2007
  • Prefeitura prossegue com as obras de calçamento na Avenida Iperoig
  • Flor de Nan traz mais duas peças teatrais de renome para Ubatuba
  • Mutirão contra dengue vistoria 2.375 casas na região central
  • Administração Regional Norte melhora condições em estradas da região
  • Ubatuba realiza Campeonato Top Tunning
  • Prefeitura executa projeto de paisagismo em diversos pontos da cidade
  • Trecho da Cunhambebe terá mão de direção alterada
  • Futevôlei de Ubatuba define primeira dupla para Jogos Regionais
  • Fundo Social de Ubatuba promove chá em comemoração ao Dia Internacional da Mulher
  • Prefeitura de Ubatuba abre inscrições para escolinha de futsal
  • Prefeitura realiza diversos serviços no Perequê-Açu
Leia aqui

Manchetes do dia

Sábado, 10 / 03 / 2007

Folha de São Paulo:
"Lula cobra de Bush mais investimento em vez de só ajuda"
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou de George W. Bush investimentos produtivos nos países pobres em vez de pacotes de ajuda como o anunciado antes de Bush vir ao Brasil. "Temos de discutir projetos que signifiquem desenvolvimento, que a gente veja o resultado do dinheiro investido", afirmou.


O Globo:
"Acordos entre Lula e Bush avançam, mas sem prazo"
A passagem de 24 horas do presidente George W. Bush pelo Brasil foi marcada por protestos e pela assinatura de uma parceria para aumentar a produção do etanol, mas ainda sem prazo definido nem perspectiva de redução das tarifas de importação cobradas pelos EUA. Bush disse que a tarifa permanecerá até 2009 e, "depois disso, o Congresso dará um jeito". Para ele, reduzir a dependência do petróleo é questão de segurança nacional. O presidente Lula disse que a parceria pode "mudar o mercado energético do mundo". Os dois se comprometeram a tentar destravar a Rodada de Doha com os países que formam o G-20.


O Estado de São Paulo:
"Lula e Bush assinam acordo do etanol e pedem avanço na OMC"
Os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e George W. Bush assinaram ontem em São Paulo compromisso de investimentos e pesquisa em biocombustíveis. Bush declarou interesse no álcool brasileiro e justificou isso como uma questão de segurança nacional, para reduzir a dependência em relação ao petróleo. Ele e Lula visitaram no final da manhã o terminal da Transpetro, uma subsidiária da Petrobras, em Guarulhos, na Grande São Paulo. O documento assinado é específico em relação a um ponto: a sobretaxação do etanol brasileiro nos EUA não está em negociação. "Questões relacionadas a comércio doméstico ou tarifas devem ser levantadas em outros fóruns", diz o texto. Bush também foi explícito: disse que o mercado americano de etanol não será aberto ao Brasil até pelo menos 2009, porque é o que uma lei prevê. Lula convidou Bush a trabalhar pela liberalização do comércio mundial, prevista pela Rodada Doha de negociações. "Se Estados Unidos e Brasil se entenderem, fica mais fácil convencermos aqueles que ainda não estão participando do acordo", disse Lula. Bush apoiou a negociação, mas não se comprometeu com prazo para finalização do acordo. Quase 90 quilômetros de ruas foram bloqueados para passagem da comitiva americana. No início da noite, Lula viajou para o Uruguai.


Jornal do Brasil:
"Simpatia 10, acordo 0"
O encontro entre os presidentes Lula e George Bush foi cordial, amistoso e com brincadeiras de parte a parte. Mas não resultou no acordo comercial que interessava ao Brasil. Bush, pressionado por agricultores de seu país, não concordou em reduzir a tarifa americana para importação do álcool e remeteu os problemas de barreira para reuniões internacionais futuras. Assinou apenas um acordo de cooperação tecnológica para produção de etanol.

sexta-feira, março 09, 2007

Unidos venceremos

Fora daqui seu pulha...

Acabo de expulsar George W. Bush. Foi fácil, sou especialista em vudu, com curso de capacitação no Haiti. Espetei cento e oito alfinetes e dois percevejos no cara, ou melhor, no boneco do cara, que é a cara do cara. O boneco eu comprei na 25 de março, a maior feira de produtos afins do Brasil. Ficou furadinho igual peneira. Bush sentiu uma coceira danada, daquela que dá quando o cara tem oxiurus. Hi, hi, hi... Mal sabe ele que é vudu. Do bravo. Sem saída o imperialista tratou de escafeder-se, dar o pira. Foi para o Uruguai. Abaixo o imperialismo. Viva Che. Viva Mao. Viva a Revolução Cultural. (Sidney Borges)

Apenas um cãozinho...



Divagações quase filosóficas

As ondas precisam de um suporte para se propagar. Essa idéia levou à criação teórica do éter, meio por onde supostamente trafegariam as ondas eletromagnéticas. Surpresa! Michelson e Morley fizeram uma experiência engenhosa para detectar a existência do éter e deram com os burros n’água. Não encontraram nada. Lembro-me disso quando penso na vida. O que é a vida? Um filhote de cachorro está morto em frente à minha casa. Não tinha dono. Cheguei a pensar na possibilidade de adotá-lo. Eu já tenho um cachorro e sei o quanto custa tratar um animal com a dignidade que os seres vivos merecem. Alguma coisa cortou a breve existência. O cachorrinho está lá, inerte, embora a matéria de seu corpo esteja intacta. Só não está presente a animação, a curiosidade, a vontade de brincar. O que é a vida? A mim parece ser um fluido que envolve a Terra e ao qual estamos ligados. Sutil, tão sutil que ainda não podemos detectá-lo fisicamente, restando apenas os sentimentos e a intuição. Um dia a conexão será rompida e restarão apenas átomos dispersos que a natureza usará para configurar outros seres, animados com vida ou apenas cenário do palco da vida. Tudo isso eu consigo intuir, só sinto que as limitações de meu cérebro binário jamais darão as respostas que busco. Não saberei nesta vida. Haverá outras? (Sidney Borges)

Viagem sobre viajantes

Go home

Ontem fiquei com vontade de protestar. Abaixo o Imperialismo, fora com Bush, viva a revolução, viva Stálin, viva Kruschev, a meia noite será domani i expulsaremos il americani, a meia noite céu estrelato e il santo papa será enforcato. Essa vai render e-mail de protesto, mas antes que aconteça, é apenas parte da canção Bandera Rossa dos comunistas italianos, tutti fanfarroni, Palmito Togliatti incluso. Conforme os leitores sabem, abri o baú das antiguidades e além de medalhas, condecorações, troféus, taças e da comenda de Miami, encontrei faixas enroladas. Embora desbotadas, ainda estão em condições de passeata. Em uma delas está escrito abaixo o acordo MEC-USAID. Não serve para nada, Bush não sabe o que é MEC, nem tampouco o que é USAID, embora soe familiar, e nem desconfia o que seja abaixo, sabe apenas que precisa de duas doses para não ficar por baixo. Coloquei de novo onde estava, just in case. A segunda talvez tenha alguma serventia, está grafada com letras vermelhas sombreadas em preto: Rockfeller, Go home! Vai deixar Bush assustado. Rockfeller veio? Onde está aquele son of a gun? Garçom põe mais uma, estou nervoso. Vai nessa Polvo, sorry, Lula? O Maluf está finalmente preso. Complô da direita contra um socialista histórico. Complô mundial. Maluf nunca teve contas no exterior. Caso o leitor não esteja por dentro, eu explico. A direita internacional, que antes se disfarçava de esquerda, depositou milhões de dólares em nome de Maluf em paraísos fiscais. Nosso bravo deputado, honestíssimo, que nunca pegou nada que não fosse seu, vendeu um terreninho e comprou um apartamento em Paris. Nada demais, quatro dormitórios com vista para a torre Eifell. Com as economias da esposa, que esperta só freqüentava sacolão, sobrava um troquinho para arriscar em Monte Carlo. Folguedos de um trabalhador incansável. Agora nosso bravo deputado, redentor de pobres e oprimidos está impossibilitado de visitar a Cidade Luz. De que vale viver sem ir a Paris? De que vale ser socialista sem poder refletir sobre a revolução no Café das Flores? Sinto muito leitores, lágrimas brotam de meus olhos e inundam o teclado, tenho de parar.
Antes devo advertir os gringos. O Brasil que nunca se curvou vai responder à altura. Vocês mandaram Bush, nós estamos enviando Eduardo Cesar e Felipão. Miami nunca mais será a mesma. (Sidney Borges)

Maluf: é tudo mentira!

Para promotor, com indiciamento, Maluf não poderá deixar o Brasil

Camilo Toscano
Um dos protagonistas das investigações contra o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP), ex-prefeito de São Paulo (1993-1996), o promotor de Justiça Silvio Marques afirmou nesta quinta-feira (8/3) que o indiciamento de Maluf e seu filho Flávio em Nova York (EUA) reforça a importância da apuração no Brasil.
“O indiciamento revela que as investigações brasileiras encontram substrato e sustentação nos documentos que foram encaminhados pelos EUA. Também é uma prova de que a cooperação internacional funciona quando existem pessoas interessadas em apurar os crimes”, afirmou com exclusividade a Última Instância. “É uma decisão do Grand Jury que revela que o ex-prefeito praticou crimes também em Nova York.”
De acordo com o promotor, o indiciamento nos EUA dificultará a saída de Maluf, e dos demais envolvidos, do Brasil. Isso porque, ao deixar o país, haveria boas possibilidades de as autoridades norte-americanas pedirem a prisão dos indiciados - o pedido vale para os países que têm acordo de extradição com os EUA. Sobre uma eventual condenação de Maluf, o promotor considera a hipótese remota, já que é preciso que o ex-prefeito se defenda perante a Justiça dos EUA - em nota, o ex-prefeito informou que já contratou advogado para o caso.
“Essa sentença condenatória não vai sair, porque o processo fica sobrestado [em suspenso] até o Maluf e o Flávio aparecerem lá [nos EUA]. E, como não vão aparecer, porque vão ser presos, obviamente essa possibilidade é remota”, afirma Silvio Marques. “Se [Maluf] deixar o país, os EUA podem emitir ordem internacional de prisão e ele ser preso em, por exemplo, Paris e ser extraditado para os EUA.”
Silvio Marques afirmou também que irá solicitar cópias dos documentos produzidos em Nova York e reputou o trabalho de colaboração entre as autoridades norte-americanas e brasileiras como fundamental para o andamento das investigações. Entre outras contribuições, os investigadores brasileiros levaram testemunhas para depor nos EUA.
Fonte: Última Instância

Ubatuba em foco

“Assustador”

Corsino Aliste Mezquita
Não estou em idade de ficar surpreso com acontecimentos sociais e políticos. Vivências nos mais diversos ambientes, situações, circunstâncias e contatos com as reações e intimidades das pessoas geraram uma certa experiência e blindagem que preparou-nos para a não surpresa. Vivemos duas grandes ditaduras: A espanhola –1936-1975 – e a brasileira –1964-1985. Até nas ditaduras as limitações ao povo eram ordenadas em leis.
A Ubatuba, dos últimos tempos, está insuperável, na criação de fatos surpreendentes, assustadores, próprios de ditaduras insolentes, prepotentes, corruptas e desrespeitadoras do povo. Tempos que parecem apocalípticos.
Fechar a CÂMARA, CASA DO POVO, AO POVO, SEU DONO, na terça feira 06-03-07 foi uma arbitrariedade insuportável, ato de improbidade política e falta de decoro parlamentar de todos que se prestaram a realizar a SESSÃO naquele ambiente com características lúgubres.
Após negado o acesso ao POVO, SEU DONO, abrir a casa, a portadores de crachá de comissionado, foi um atentado contra a democracia, contra os mais elementares princípios constitucionais, ato de cobardia, discriminatório do POVO e concessionário de privilégios absurdos a pessoas que lá se encontravam para atentar contra a transparência e a decência na administração pública.
Atos inconstitucionais, ímprobos, absurdos estão se repetindo e se encontram espalhados por todo o município. São as gotinhas da dengue, os títulos requentados de cidadão, os bancos com propaganda inconstitucional, os carros desviados de suas funções, obras superfaturadas, fundações de Feira Hippie enterradas, processos injustos e descabidos contra cidadãos, conluio com igrejas, termos aditivos de preço e prazo, Santa Casa em estado caótico, calúnias aos médicos, etc... etc... etc.
Esse quadro, que se afigura dantesco, só sete, dos dez Vereadores, não enxergam. Parece terem renunciado a suas funções de legisladores e fiscais do Executivo. Não cumprindo suas funções para que servem? A resposta com o leitor.
A situação é caótica e assustadora. A hemorragia democrática está desatada e se torna urgente contê-la, estancá-la. Já passou da hora de tomar providências legais. Até quando?

Notícias da Prefeitura

Notícias do dia 09 / 03 / 2007
  • Comitê Dirigente dos Jogos Regionais vistoria instalações esportivas de Ubatuba
  • Prefeito e secretário de Turismo participam de feira sobre cruzeiros marítimos em Miami
  • Prefeito de Ubatuba é homenageado pelo comando do Corpo de Bombeiros do Estado
  • Prefeitura discute futuro da Praça Alberto Santos com comerciantes do Itaguá
  • Fundart homenageia a mulher de Ubatuba
  • Recreando em seu bairro volta com força total em 2007
  • Equipe de Ginástica Rítmica de Ubatuba recebe dicas de Camila Ferezin
Leia aqui

Manchetes do dia

Sexta-feira, 09 / 03 / 2007

Folha de São Paulo:
"Lula ataca protecionismo dos EUA"
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que os subsídios norte-americanos para a agricultura são "nefastos para o livre comércio". Ele se reúne hoje com o presidente George W. Bush _que chegou às 20h04 de ontem no aeroporto de Cumbica, em São Paulo. "Queremos que os EUA possam diminuir subsídios", declarou, após encontro com o presidente alemão, Horst Köhler, em Brasília. (...)


O Globo:
"Lula diz que subsídios dos EUA são 'nefastos'"
No dia da chegada de Bush, o presidente Lula subiu o tom das críticas e chamou de "nefastos" os subsídios dados pelo governo americano a seus produtores agrícolas. "o que queremos é que os Estados Unidos possam diminuir os subsídios, tão importantes para os agricultores americanos, mas tão nefastos ao livre comércio", disse Lula, que hoje assina com Bush memorando de cooperação para produção de etanol que terá termos genéricos e não estabelecerá prazos. A chegada de Bush foi marcada por protestos em várias cidades do país e forte esquema de segurança. Na Avenida Paulista, houve confronto entre polícia e manifestantes. O ato de repúdio a Bush organizado por Chávez para hoje em Buenos Aires foi esvaziado: o boliviano Evo Morales e o argentino Néstor Kirchner não participarão. Na Colômbia, a polícia acusou as Farc de ter um plano para sabotar a visita de Bush, domingo.


O Estado de São Paulo:
"Lula insistirá com Bush na queda de barreira ao etanol"
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai pedir hoje ao presidente americano, George W. Bush, a redução da sobretaxa imposta pelos EUA ao álcool produzido no Brasil. O próprio Lula sinalizou essa disposição, confirmada por dois ministros, e chegou a dizer que está confiante, ao ser questionado ontem sobre o assunto. O ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, manifestou confiança na negociação. Para o ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, o melhor argumento do Brasil é a intenção americana de transformar o etanol em mercadoria padronizada e negociada em todo o mundo - uma commodity. Bush chegou ontem à noite a São Paulo e foi para o Hilton Hotel, no Morumbi. No encontro entre os dois presidentes, hoje, eles darão aval para seus governos trabalharem pela consolidação de democracias frágeis, especialmente da África. O governo americano daria a colaboração financeira; o Brasil, a informatização do processo eleitoral.


Jornal do Brasil:
"Visita inconveniente"
Hospedado no Brasil desde a noite de ontem, o presidente americano George Bush não viu o confronto entre policiais e 6 mil manifestantes que protestavam contra visita. A Avenida Paulista, principal rua de São Paulo, virou uma praça de guerra: de um lado, pedras e paus: de outro, bombas de gás e de borracha e gás de pimenta. Houve protestos contra Bush em todo o país.O presidente Lula vai propor hoje a George Bush que os ricos reduzam rapidamente o que chama de "subsídios nefastos" sobre produtos exportados por países pobres.

quinta-feira, março 08, 2007

Eu sou demais...

Homem do ano

Tia Isolina me condecorou quando fiz quatro anos. Teve solenidade com hino nacional e tudo. Eu, perfilado e emocionado fui muito aplaudido, enquanto tio Joaquim pregava a medalha em meu peito infantil. Fiquei muito orgulhoso por ter recebido a medalha de “sobrinho ilustre de quatro anos”. Depois ganhei a taça de campeão dos comedores de pudim, aos cinco anos, a medalha da primeira comunhão, aos seis e o troféu do jardim da infância, aos sete, quando me formei com honra ao mérito. Continuei sendo premiado e homenageado pela família até que o bonde Fernando Costa acertou o Prefect do tio Joaquim e tia Isolina deixou este vale de lágrimas. Nessa época meu peito já era juvenil e eu já tinha colecionado algumas medalhas por embocar a bola no cesto. Ontem abri um baú velho e encontrei minhas condecorações. É bom ser homenageado, no próximo fim-de-semana vou receber uma taça. Minha mulher é que vai ofertar. Homenagem ao escritor mais lido da Rua Pescada. Comigo é assim, homenagem em cima de homenagem. Qualquer dia conto como me tornei comendador em Miami. Por hoje chega de falar em prêmios. Até o sucesso, quando é demais, aborrece... (Sidney Borges)

Editorial

Crise de origem desconhecida

Ontem os médicos se manifestaram. Não admitem culpa na crise que afeta a Santa Casa. Estou com eles. Se, afirmam que não têm culpa, devo acreditar. Como defensor da transparência no trato da coisa pública, penso que discutir publicamente os problemas, quaisquer que sejam, com a participação dos envolvidos é de fundamental importância. Como estamos todos, pacientes, médicos e contribuintes, de acordo em relação ao fato de que soluções precisam ser encontradas, proponho que sejam abertos os números da Santa Casa. Receitas, despesas e salários. De todo mundo, de médicos a serventes de limpeza. Se o problema não está nos salários vamos descobrir onde está. Uma coisa é certa, há um “buraco negro” engolindo a energia vital de nosso único e necessário hospital. Isso, aos poucos, está inviabilizando o atendimento à população. As causas não podem permanecer em segredo, o problema não pode persistir. Cedo ou tarde, todos acabarão sabendo de tudo, como sempre acontece. Vamos lutar pela transparência, é a nossa função. Um abraço aos médicos. E aos serventes de limpeza, e também aos demais funcionários da Santa Casa, gente boa.

Sidney Borges

Democracia em tempo de verão




Noite de terça-feira

As janelas permaneciam cerradas. O povo, o que quer o povo? Não há pão? Que comam brioches. Uma rainha disse isso? Não sei. Há uma certa controvérsia. O que eu sei é que o que importa não são os fatos, mas as versões. Vendo as janelas cerradas, Renato Nunes, que um dia quase foi presidente da UEE, após ter sido presidente do GFAU, murmurou baixinho: “o povo, unido, jamais será vencido”. Concordei. Na hora me deu um ímpeto quase irrefreável de subir ao palanque do carro de som do Gerson e incendiar as massas. Como nos velhos tempos. Acabei desistindo. 1968. Que saudades de 1968. Eu era feliz e sabia e desejava que o tempo parasse, como pede a letra da música que Astrud Gilberto canta com a magia daqueles dias. “World stop turning”... (Sidney Borges)

Ondas eletromagnéticas no ar

Entrevistinha

Ontem fui entrevistado na TV Ubatuba. O tema foi o Ubatuba Víbora. Uma telespectadora ligou perguntando por que eu nunca fiz rádio. Foi uma risada geral no estúdio, as pessoas me vêem com alguém muito crítico, o que eu, a exemplo do que disse o ex-deputado José Dirceu, repilo. Sou apenas independente, talvez um pouco irônico, mas nunca crítico. Crítica é a forma como agem os políticos. Respondendo à telespectadora, eu até que gostaria de fazer rádio, um programa de variedades com músicas, comentários sobre a atualidade, um pouco de política, algumas pitadas de cultura e participação da população. Não é possível, o rádio em Ubatuba é uma ferramenta do poder, seja ele qual for. Mudam os governos e tudo continua como d’antes no quartel de Abrantes. Rei posto rei morto. Viva o novo rei que paga as contas. Isso fecha as portas das ondas hertzianas para mim. Eu não faço parte de correntes políticas, navego em rota própria, fora das aerovias oficiais. Ficarei restrito ao blog, embora para alegria de uns e desespero de outros, o rádio como é conhecido hoje tem vida curta. Vai para a Internet, assim como a televisão. Esta é um capítulo à parte. Televisão é o meio de comunicação mais dispendioso que existe. Com a digitalização, os meios de captação e edição de imagens tiveram o preço reduzido de forma significativa, o que deu a ilusão de que fazer televisão teria ficado mais barato. De fato, alguns elementos fundamentais da televisão ficaram acessíveis. Dou um exemplo. Uma “Ilha de Edição” no formato Beta, em 1990, custava 150 mil dólares, enquanto uma câmera de boa qualidade não ficava por menos de 30 mil. Uma mesa de som, fundamental em qualquer estúdio, podia, dependendo do modelo, chegar a 100 mil dólares. Era caro, muito caro. Hoje um computador Macintosh G-5, que custa por volta de 4 mil dólares faz todo o trabalho da ilha e da mesa de som, com qualidade digital. Câmeras de boa qualidade custam em torno de 2,5 mil dólares. Como os leitores podem ver, é só vender o Fiat usado e o estúdio está pronto, com o que há de melhor em equipamento. O problema vem depois. Quando Fernando Collor começou o “reich alagoano”, que duraria mil anos, cuidou de criar uma rede de comunicações. A TV Manchete estava à venda. PC Farias conversou com Adolfo Bloch que pediu 150 milhões de dólares. Convocado, Di Gênio, dono do Objetivo, topou participar. Foram pedir a opinião de Boni, em Angra dos Reis. Ele ouviu e aprovou o negócio. É um bom preço, disse. Comprem. Depois perguntou se eles tinham 300 milhões de dólares para rodar o negócio. Era o que iriam precisar para contratar as pessoas que fazem a televisão funcionar. O negócio com a Manchete não prosperou. De 1990 para cá os equipamentos baratearam, mas os salários não acompanharam a queda. A operação televisiva permaneceu dispendiosa. Desde que Chatô deu a "champanhada" na câmera, em 1950, televisão é coisa de rico. Vai continuar sendo. (Sidney Borges)

Tadinha...

Química

Da coluna Painel da Folha de São Paulo, hoje:
"De um peixe grande que já sentiu na pele a ingratidão de Lula, sobre a incógnita maior da reforma ministerial: "A Marta está sendo dissolvida no ácido. Não vai sobrar nem o Chanel."

Lula: o preferido dos banqueiros

Governo em conserva

Freio no rendimento da poupança é medida pífia, que atende aos bancos; pequeno poupador continua discriminado

Editorial da Folha de S.Paulo, dia 08 de março de 2007
A faceta conservadora do governo Luiz Inácio Lula da Silva vai se acentuando. A inaptidão para grandes projetos -não raro associada à indolência - e a opção pelos ajustes acomodatícios ao "statu quo" se revelaram mais uma vez na medida destinada a reduzir a rentabilidade da caderneta de poupança, anunciada anteontem.
A aplicação tradicional e popular ganha atratividade com a queda dos juros na economia. A caderneta -ao contrário do ocorrido com os investimentos em renda fixa e, em especial, os fundos DI, indexados à taxa Selic - não perdeu rentabilidade. Com remuneração de 6% ao ano mais a variação da TR (apurada a partir do rendimento dos CDBs), isenção de Imposto de Renda e garantia do governo, a poupança já é vantajosa em relação a alguns fundos do mercado.
Aos bancos não interessa manter atrativa a poupança - fator que ajudou o saldo das aplicações, hoje em R$ 190 bilhões, a aumentar R$ 6,5 bilhões apenas em 2006. De cada R$ 100 em depósitos nas cadernetas, as instituições são obrigadas a destinar R$ 65 para o crédito imobiliário, nas regras do Sistema Financeiro da Habitação. Trata-se de uma restrição que impede os bancos de aumentarem ainda mais seus lucros multibilionários.
Além disso, instituições financeiras estavam sendo pressionadas -algo decerto incômodo para seus interesses - a baixar as escorchantes taxas de administração que cobram em seus fundos de investimento. Pequenos aplicadores amargam tarifas de até 5% para que os bancos, com os recursos do poupador, administrem títulos pós-fixados do Tesouro, papéis cujo custo de gestão bancária é irrisório.
O interesse dos bancos, no entanto, não se confunde com o interesse público, que deveria nortear as ações do governo em relação à poupança. A caderneta, nas regras atuais, é de fato um anacronismo herdado de uma época em que prevaleciam a inflação alta e um mercado financeiro simplório e fechado. Não é exagero dizer que foi ludibriado o cidadão que manteve seus recursos aplicados na caderneta desde o advento do Plano Real.
Por conta de um modelo anacrônico, desenhado para garantir recursos à habitação -mas que não conseguiu tirar do rés-do-chão o crédito imobiliário no país-, foi mantido um sistema que pune os pequenos poupadores. Enquanto isso, a título de juros o setor público transfere 7% do PIB por ano aos credores de sua dívida, estes mais bem informados e aquinhoados.
O contexto de juros cadentes seria propício para emancipar do atraso o sistema de poupança popular no Brasil - e, com ele, o modelo de crédito à habitação. Pequenos investidores e trabalhadores, que também vêem seus recursos no FGTS minguarem ao longo dos anos, merecem partilhar os ganhos e também os riscos dessa revolução financeira por que passa o país.
Mas o governo preferiu uma mudança pontual na TR, reduzindo seu peso na correção da caderneta. Os bancos agradecem.

Luiz Inácio falou...

Massa encefálica

..."é preciso melhorar a massa encefálica dentro do cérebro para as pessoas compreenderem melhor que as mulheres devem ser respeitadas". (Cláudio Humberto)

Notícias da Prefeitura

Notícias do dia 08 / 03 / 2007
  • Comitê Dirigente dos 51º Jogos Regionais faz vistoria nas instalações esportivas em Ubatuba
  • Prefeitura consegue reforço do Estado para ações de combate à dengue
  • Vereadores rejeitam moção de repúdio a prefeito e secretários
  • Prefeitura realiza curso de Mecânica de Motores para setor produtivo
  • Juizado Especial Federal oferece serviços gratuitos para cidadãos de Ubatuba
  • Errata
Leia aqui

Manchetes do dia

Quinta-feira, 08 / 03 / 2007

Folha de São Paulo:
"Divergências precedem visita de Bush"
A véspera da chegada do presidente Bush ao país foi marcada pelo afloramento de divergências entre o Brasil e os EUA. O Departamento de Estado norte-americano reafirmou que a tarifa de importação do álcool brasileiro não cairá, contrariando pleito do Planalto. Em entrevista, Bush disse que não quer restringir as discussões com o Brasil à parceria para produção de álcool combustível.


O Globo:
"Preso por crime hediondo ficará mais tempo na cadeia"
O Congresso aprovou ontem projetos da área de segurança que, entre outras medidas, endurecem o cumprimento da pena de condenados por crimes hediondos. Nesses casos, o preso só poderá ser beneficiado com a progressão de regime se cumprir dois quintos da pena em regime fechado, caso seja primário. Se for reincidente, precisará cumprir três quintos. Hoje, os benefícios são permitidos apôs o cumprimento de um sexto da pena. Os senadores também aprovaram projeto que classifica como falta disciplinar grave o uso de telefones celulares. Diretores de penitencia´rias ou agentes públicos que facilitarem a entrada dos aparelhos poderão ser condenados a até um ano de prisão. Os dois projetos vão à sanção presidencial. Já os deputados aprovaram o uso de videoconferência em interrogatórios de acusados presos e agilizaram o funcionamento do Tribunal do Júri. As duas medidas ainda precisam ser aprovadas no Senado.


O Estado de São Paulo:
"São Paulo facilita o controle da gravidez"
O governo de São Paulo lançou ontem, véspera do Dia Internacional da Mulher, um pacote de iniciativas para a saúde feminina que até 2010 consumirá R$ 15 milhões. As medidas privilegiam o planejamento familiar, principalmente por meio da distribuição de pílulas anticoncepcionais e de DIUs e da realização de cirurgias que evitam a gravidez. O Estado vai complementar o serviço que já é oferecido no Sistema Único de Saúde pelo governo federal e pelos municípios. O anúncio das medidas foi feito pelo governador José Serra e por seu secretário da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata. Além do planejamento familiar, o pacote de saúde feminina anunciado inclui medidas para controlar os cânceres de mama e de útero, ampliar o atendimento às grávidas, atender mulheres vítimas de violência e ampliar o acesso a exames de média complexidade (como mamografia, ultrassonografia e densitometria). Barradas disse que regiões pobres, como o Pontal do Paranapanema, receberão atenção especial do programa.


Jornal do Brasil:
"Brasil reage à ingerência americana"
Por ordem expressa do presidente Lula, o Ministério das Relações Exteriores emitiu nota em que repudia o relatório do Departamento de Estado Americano sobre violações de Direitos humanos no Brasil. Lula ficou irritado como que considera ingerência indevida dos EUA em assuntos internos do Brasil. O governador de São Paulo, José Serra, desafiou os EUA a divulgarem relatório sobre as violências na sua prisão de Guantánamo.

quarta-feira, março 07, 2007

Santa Casa, uma outra visão...

A quem se interessar pela saúde

Há alguns meses estamos tendo que nos preocupar com uma nova situação em nosso local de trabalho. Além da conhecida falta de recursos e más condições, a qual a maioria dos serviços públicos apresenta, passamos a ser os culpados do “rombo financeiro” da Santa Casa de Ubatuba.
Esta culpa iniciou em julho de 2006, quando pela primeira vez em nossa história surgiu a oportunidade da legalização da prestação de serviços médicos neste hospital. Passamos assim, a termos direitos e deveres como quaisquer empregado de uma empresa; direito de adoecer, engravidar, tirarmos férias e outros que para a maioria das pessoas é normal, mas para os médicos era algo inimaginável.
Gostaríamos de ressaltar que esta contratação sob o regime CLT nunca foi uma imposição ou reivindicação deste Corpo Clínico, mas sim, algo que nos foi oferecido pelo então Secretário de Saúde, Dr. Marcos da Silveira Franco, após auditoria do DENASUS, onde era ressaltado irregularidade no vínculo empregatício dos médicos.
O que a princípio parecia uma segurança para nós, aos poucos começou a transformar-se numa “caça as bruxas”.
Além de ouvirmos os “buxixos” sobre nossos salários e forma de trabalho, começamos a vivenciar demissões e uma situação de ameaça constante.
Não recebemos nossos salários integrais, temos nossas carteiras de trabalho retidas, nossos encargos trabalhistas não recebem o destino correto, trabalhamos sem condições técnicas ideais, trabalhamos sem perspectiva futura e ainda temos de ouvir que somos os culpados por todos os problemas deste hospital.
Retomando, somos contratados desde julho de 2006, assim, antes deste período no hospital “não havia problemas financeiros”, e não havendo, não se justificaria requisição administrativa feita pelo Sr. Eduardo de Souza César, Prefeito Municipal, em novembro de 2005, quando nossos salários eram defasados.
O problema da Saúde Pública em Ubatuba são os médicos do Corpo Clínico da Santa Casa?
Quanto valor a um grupo que tem que gastar seu tempo “quebrando a cabeça” para conseguir dar o mínimo de atenção ao paciente tão desprezado pelos governantes públicos.
Nossos colegas são demitidos e pasmem! Somos os culpados pela falta de médicos para atender a população. Desculpem-nos, mas não temos um arquivo de médicos disponíveis para cada demissão arbitrária que sofremos.
Desassistência não é só falta de médicos. É falta de medicação, de exames, de estrutura física, e, falta de respeito a nós, funcionários da instituição, e aos usuários do Hospital.
Até que ponto somos responsáveis por tudo isso? Ah! Nós “gastamos muito” com quem chega a nossa porta!
Nós médicos nunca nos opusemos a negociar, apenas gostaríamos de saber as outras medidas tomadas para contenção de despesas.
Apenas nós incomodamos tanto? É, vendo deste modo, Ubatuba pode acalmar-se... recebemos proposta de redução do número de médicos no Hospital, e infelizmente isto já está acontecendo.Ubatuba irá começar a perder profissionais envolvidos com o serviço e queridos pela população, e assim logo os problemas dos governantes municipais acabarão...
as despesas serão diminuídas na mesma proporção que a desassistência cresce.
Abaixo fazemos algumas considerações em relação aos diversos ataques que temos sofrido pela imprensa:
- O Jornal Vale Paraibano publicou por duas vezes reportagem usando fotografia tirada durante a paralisação ocorrida em 2004, como se fosse atual. Até o momento não houve paralisação;
- Apesar deste Corpo Clínico ser acusado de desassistência em pleno pico da temporada, as estatísticas dos atendimentos mostram que:


Janeiro 2006- 8685 atendimentos / Janeiro 2007- 9458 atendimentos
Fevereiro 2006- 7108 atendimentos / Fevereiro 2007- 9475 atendimentos


- Quanto a atual epidemia de dengue que vem sobrecarregando o Pronto Socorro, informamos a população que os Postos de Saúde e Pronto Atendimento deveriam estar estruturados para este atendimento, já que o Pronto Socorro deveria destinar-se apenas ao serviço de Urgência e Emergência;
- Informamos que tivemos médicos em todas as escalas, inclusive nos dias em que seriam realizados plantões pelos médicos demitidos, sobrecarregando ainda mais aqueles que restam no hospital;
- Lamentamos que alguns órgãos da imprensa serviram de apoio ao constrangimento moral que este Corpo Clínico vem sofrendo, como a reportagem vinculada pelo Vale Paraibano em 06 de março de 2007.
Colocamo-nos a disposição de toda a imprensa, assim como, da população interessadas na veracidade dos motivos da atual crise.

Corpo Clínico da Santa Casa de Ubatuba

Vida social



Apenas um eleitor

Ele ficou do lado de fora da Câmara. Homem do povo, a tudo observava com fleuma britânica. Convidado a tomar café pelo ex-cabo eleitoral do prefeito e postulante ao cargo do mesmo, Josias Sabóia (Jija), ele prontamente aceitou. Acabamos tomando o café juntos, os três. Estava bom, forte e quente, nada melhor para combater o calor do que mais calor. Jija não tirava os olhos do boné, em certo momento pensei ter visto lágrimas em seus olhos. Foi apenas reflexo dos farois de um carro que passou, lançando impunemente gases na atmosfera. Do outro lado da rua um grupo de petistas falava mal de Bush. Noite de verão, típica noite de verão. No bar, funcionários e cervejas. Felizes funcionários... (Sidney Borges)

Quente, muito quente...

O Malfazejo

Ele chegou. Visitante indesejado e dissimulado, veio de mansinho, de um jeito que sua presença nem foi muito notada. Era uma visita prevista para mais tarde, bem mais tarde. Porém ele nos enganou. Chegou com uma antecedência e uma violência supreendentes.
Mas não podemos reclamar porque, de uma forma ou de outra somos todos responsáveis não só pela criação, como pela chegada antecipada deste belipotente Frankenstein. Perverso, sua aproximação traz perspectivas devastadoras para a humanidade. Senhoras e senhores, o Aquecimento Global já está entre nós.
Para discutir sobre esse nefasto comparecimento, de 29 de janeiro a 2 de fevereiro deste ano aconteceu em Paris mais um encontro de cientistas do mundo todo, reunidos no Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas.
Procurando fugir do tom naturalmente alarmista que o assunto carrega, eles partilharam opiniões mais amenas, sem discursos radicais, inclusive sem culpar o Grande Vilão, os Estados Unidos, o maior poluidor global, responsável por 25% das emissões de carbono. Entretanto, comprovaram todas as previsões do primeiro encontro que tiveram em 1990, data da primeira reunião. No relatório final, a triste conclusão: o bicho homem é, sim, de modo inequívoco, o grande culpado por essa catástrofe, tem, sim, TOTAL responsabilidade nas alterações climáticas, ao contrário dos que pregavam que nosso planeta apenas está entrando em mais um de seus ciclos naturais.
Um dos grandes destaques foi o cientista francês Hervé Le Treut, climatologista respeitado na Europa até por sua postura moderada e conciliadora, mais técnica, perfilado com a dos cientistas presentes. Mesmo assim, tentando deixar o radicalismo de lado, um dos exemplos usados por ele ilustra muito bem a calamidade já em curso. Para quem acha que a elevação da temperatura em “apenas” 3ºC não é assim uma Brastemp, ele faz uma analogia com a mesma alteração no organismo humano. Quem já teve febre alguma vez na vida conhece bem o mal estar que se instala em nosso corpo quando passamos de 37ºC para 40ºC. Com a Terra não é diferente. Esses “insignificantes” 3ºC a mais provocam uma transformação ambiental ameaçadora: o degelo dos pólos, a elevação do nível dos oceanos, inundações, chuvas torrenciais, furacões cada vez mais agressivos, a desertificação da Amazônia, falta de água potável, a extinção de várias espeécies animais, etc., etc., etc. E, eu ia quase esquecendo de citar, ONDAS DE CALOR CADA VEZ MAIS PROLONGADAS.


Maldito, não é que ele chegou mesmo?


Miriam Tabarro

Dengue em destaque




Desenvolvido um novo biocida para combater o dengue

Pablo Ferreira
Pesquisadores da Fiocruz acabam de patentear mais uma arma na guerra contra o mosquito do dengue. Trata-se de um biocida – feito unicamente a partir de uma substância de planta nativa brasileira – que, ao ser colocado em reservatório de água, mata 100% das larvas do inseto lá presentes, sem causar danos a qualquer outra forma de vida. O trabalho, em fase de publicação, foi desenvolvido pelos biólogos Marise Maleck e Anthony Érico Guimarães.
A principal vantagem do novo produto, em relação aos já existentes, é o fato de ser resultado de um produto natural de planta da Mata Atlântica, que apresenta toxicidade praticamente nula. Até aqui, os larvicidas utilizados apresentavam toxicidade (ainda que baixa) tanto para humanos quanto para outras espécies dependentes da água onde foram aplicados. Isso ocorre por serem eles ou químicos, ou biológicos (feitos com bactérias). “Nosso biocida mata somente as larvas do vetor do dengue, não afetando quaisquer outras vidas em contato com a água”, diz Marise. Além disso, ele não deixa resíduos, diferentemente dos larvicidas químicos, por exemplo, que podem alterar o equilíbrio ecológico quando usados no ambiente natural.
Envolvida em pesquisas com produtos de plantas brasileiras desde 1989, Marise começou a estudar as lignanas – moléculas lipídicas produzidas pelas plantas durante seu metabolismo. A pesquisadora interessou-se particularmente pela lignana isolada de uma planta, nativa da Mata Atlântica, chamada Piper solmsianum, já reconhecida pela sua ação tóxica contra o Trypanosoma cruzi (protozoário causador do mal de Chagas). A bióloga resolveu então se unir ao entomologista para verificar que efeito a mesma lignana teria sobre os mosquitos do dengue. ”Ela entrou com os testes de planta; eu, com os mosquitos”, diz Anthony.
Os dois pesquisadores começaram a trabalhar em conjunto a partir da segunda metade de 2003. Após uma série de testes em laboratório, eles confirmaram a toxicidade da lignana pesquisada por Marise contra as larvas do mosquito. O passo seguinte foi o registro da patente sob o número BR-PI-0604786-6 e o nome de Uso da lignana tetraidrofurânica grandisina como inseticida, composições inseticidas contendo a mesma e método inseticida, concluído em 13 de novembro de 2006.
Agora os biólogos pesquisarão o que exatamente a lignana causa na fisiologia das larvas do mosquito e a viabilidade comercial e econômica do novo produto. Por fim, Anthony destaca que o trabalho, feito a partir de uma planta nativa, só vem a confirmar a “importância de se preservar a biodiversidade brasileira, que sem dúvida, pode ser fonte de muito mais coisa no futuro”. E Marise reforça as palavras do biólogo lembrando que “diferentes lignanas já são conhecidas por suas ações antiinflamatórias, antioxidante e na prevenção do câncer”.
Marise Maleck e Anthony Érico Guimarães desenvolveram seu projeto todo na Fundação, em parceria com o pesquisador Massuo Kato, da Universidade de São Paulo (que foi quem isolou a lignana em questão). Os dois cientistas trabalham no Laboratório de Diptera, do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), uma unidade da Fiocruz. (
Enviado por Gilmar Rocha)

Fotos: Os biólogos Marise Maleck e Anthony Érico Guimarães (Foto: Ana Limp); e a planta Piper solmsianum, nativa da Mata Atlântica (Foto: Massuo Kato/USP)

Fora do ar

Nota à imprensa:

A TV Iperoig vem por meio desta informar o motivo de ter tirado do ar sua programação, no dia 6 de março, a partir das 19 horas. A TV Iperoig tinha um contrato assinado com a operadora Kaybee até o final do mês de janeiro. Para a renovação do contrato a operadora aumentou o valor pago pela TV para manter o canal no ar em 300%. Firmado verbalmente, esse contrato foi aceito pela TV Iperoig, mas quando um funcionário foi efetuar o pagamento, esse mesmo valor tinha sido aumentado para 400% a mais em relação ao contrato anterior.
A TV Iperoig não vai se submeter a esse aumento abusivo, pois nenhum índice inflacionário chegou a ter esse acréscimo. “Nossa estrutura hoje conta com 8 funcionários, fora os apresentadores, nós temos um custo a suprir, e essas pessoas perderão o emprego se esse acordo não for firmado. E eu me preocupo com as famílias dos meus colaboradores”, diz Eduardo Cury, Diretor da TV.
Com isso a cidade de Ubatuba também perde, no canal são 9 programas tratando de assuntos do nosso município, e ainda um telejornal com duas edições por semana, só com fatos de Ubatuba ou relevantes para a cidade, o que nunca tinha sido visto em Ubatuba. Uma programação preocupada em dar espaço ao caiçara, e tratá-lo com ética e respeito.A TV Iperoig agradece a audiência de seus telespectadores. E para mais informações você pode ligar para os telefones 3836-1211 ou 3833-4229.
Fonte: TV Iperoig

Editorial



Democracia em questão

A sessão da Câmara de ontem inovou. Mais uma vez Ubatuba mostrou ao Brasil – e por que não dizer, ao Mundo, que Democracia é um conceito relativo. A casa das leis foi fechada ao público, ficando a entrada restrita a funcionários da Prefeitura. Embora tendo a prerrogativa de entrar, por ser jornalista, saí e me juntei ao povo. Sou parte do povo. Tanta luta para derrubar a ditadura e aos poucos o desagradável cheiro do ranço autoritário toma conta da cidade. Dona Mia Mafalda, na foto, representante do povo, inscrita para falar na tribuna, foi barrada, não tinha crachá. Nada mais a acrescentar...

Sidney Borges

Ubatuba em foco

“Contexto x Discursos”

Corsino Aliste Mezquita
Há informações indicando ser precário e passar por falhas de controle o contexto econômico-financeiro da administração do “nunca antes”. Esse contexto econômico-financeiro foi o motivador dos conhecidos atrasos do fornecimento de cestas básicas e dos pagamentos do 13° e do salário de dezembro, aos servidores do PSF e da Santa Casa. O fato foi provado e reconhecido pelo Sr. Eduardo de Souza César. Outros procedimentos dos administradores como: atrasos nos pagamentos de fornecedores, anulação de empenhos, lamentações sobre a falta de materiais essências ao bom funcionamento das repartições, a justificativa de não existirem recursos, atrasos de todas as obras da administração municipal por não existir dinheiro para pagar as medições e os constantes termos aditivos de preço e prazo, são indicadores de contexto econômico-financeiro nada favorável. Pessimistas falam em descontrole e falência.
Os Senhores Vereadores, por dever de ofício, deveriam conhecer, em profundidade, esse suposto descontrole, do contexto econômico-financeiro e agir em conseqüência, para que, o município, não venha a sofrer danos irreparáveis. Certamente, esse conhecimento, teria evitado as sem-razões dos discursos dos Senhores Vereadores: Charles Medeiros e Gerson de Oliveira, precedentes, no dia 13-02-07, à aprovação do Projeto de Lei do Executivo n° 09/07, que se tornou Lei 2.911, de o2-03-07. Discursos e votos indicam que os Srs. Edis não conhecem, ou ignoram conscientemente, o que essa lei pode significar de peso morto para o Município de Ubatuba.
Os ouvidos e a inteligência, dos que possuem noções sobre “execução orçamentária”, foram agredidos com a repetida afirmativa de que, o cheque em branco, que estavam passando para o Executivo, seria pago com “EXCESSO DE ARRECADAÇÃO”. Não será, nenhuma ofensa, solicitar, dos Senhores Vereadores, respeito à sociedade consciente. É sabido que, em 2006, a receita não atingiu a previsão orçamentária. Não houve excesso de arrecadação. Como prever, em 13 de fevereiro de 2007, que Ubatuba terá excesso de arrecadação?. Teria sido mais prudente seguir o provérbio da supertição alistana: “Em treze y martes ni viajes ni tu hija cases”.(Em treze e terça feira não empreendas viagem e não cases tua filha). Mesmo sem conhecer o provérbio um solicitou o adiamento e tempo para conhecer a dívida. Agiu com prudência. Não foi ouvido.
Alguns dos Srs. Vereadores sob os arrulhos de promessas e benesses não enxergam que o cobertor do orçamento é curto. Para cobrir o pé descobre-se a cabeça. Usando a receita para pagar dívidas criadas por particulares, com procedimentos duvidosos e diuturnamente questionados, em entidade particular, certamente faltarão recursos para investimentos nas obrigações prioritárias do Município. Não seria mais prudente levantar as dívidas, seus responsáveis e estudar procedimentos transparentes para resolver o problema?.
Essa suposta irresponsabilidade de nossos agentes políticos, o fato de estarem mascarando e ocultando a realidade e mentindo descarada e vergonhosamente para a sociedade, poderá comprometer o futuro do município e o atendimento a suas necessidades básicas. O que está acontecendo com o surto epidêmico da dengue pode ser o aviso prévio de desastres maiores. Além de suportar a incapacidade administrativa e a suposta imprudência legislativa seremos responsabilizados por todo de ruim que venha a acontecer. Restar-nos-á o consolo de que os discursos não mudaram o contexto real e este será implacável com seus autores.

Alegorias litorâneas

1968 – O ano que não acabou

Enquanto em Ubatuba reina a paz, alegria, probidade administrativa com transparência, democracia com a mais ampla participação popular a espera dos transatlânticos e do resgate do desgaste do de novo jamais, na vizinha República dos Nóbregas os governantes editam leis para legitimar seus desmandos.
Abaixo integra do último ato do Presidente da República do Paço Nóbrega, ainda não publicado no Diário Oficial daquele país por falta de tempo.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA DO PAÇO NÓBREGA, ouvido o seu Conselho por vontade própria, e CONSIDERANDO que a REVOLUÇÃO DO NUNCA ANTES de 3 de outubro de 2004 teve, conforme decorre dos Atos com os quais se institucionalizou, fundamentos e propósitos que visavam a dar ao Município um regime que, atendendo às exigências de um sistema jurídico e político, assegurasse autêntica ordem anti-democrática, baseada na falta de liberdade, no desrespeito à dignidade da pessoa humana, no combate à subversão e às opiniões contrárias às do seu pensamento, na luta a favor da corrupção, buscando, deste modo, "os meios indispensáveis à obra de reconstrução econômica, financeira, política e (i)moral de alguns poucos privilegiados do Município, de maneira a poder enfrentar, de modo direito e imediato, os graves e urgentes problemas de que depende a restauração da ordem interna da casa e do prestígio de seu Presidente" (Preâmbulo modificado do Ato Institucional nº 1, de 9 de abril de 1964);
CONSIDERANDO que o Governo Municipal, responsável pela execução daqueles objetivos e pela ordem e segurança internas, não só não pode permitir que pessoas ou grupos políticos sejam contra ela, trabalhem, tramem ou ajam, sob pena de estar impedindo o progresso do seu povo, bem como porque o PODER REVOLUCIONÁRIO DO NUNCA ANTES, afirmou, categoricamente, que "não se disse que a Resolução foi, mas que é e continuará como nunca antes" e, portanto, o processo revolucionário em desenvolvimento não pode ser detido;
CONSIDERANDO, no entanto, que atos nitidamente subversivos, oriundos dos mais distintos setores políticos, jornalísticos e culturais da cidade, comprovam que os instrumentos jurídicos, que a Revolução vitoriosa DO NUNCA ANTES outorgou à cidade para sua defesa, desenvolvimento e bem-estar de seus parentes, amigos e apadrinhados, estão servindo de meios para combatê-la e destruí-la;

CONSIDERANDO que, assim, se torna imperiosa a adoção de medidas que impeçam sejam frustrados os ideais superiores da Revolução, preservando a ordem, a segurança, a tranqüilidade deste Presidente, o desenvolvimento econômico e cultural e a harmonia política e social da cidade comprometidos por processos subversivos e de guerra revolucionária;
CONSIDERANDO que todos esses fatos perturbadores, da ordem são contrários aos ideais e à consolidação do Movimento de outubro de 2004, obrigando os que por ele se responsabilizaram e juraram defendê-lo, a adotarem as providências necessárias, que evitem sua destruição,
Resolve editar o seguinte


ATO INSTITUCIONAL

Art 1º - São mantidas a Lei Orgânica do Município e todas as demais Leis Municipais, constitucionais ou não, com as modificações constantes deste Ato Institucional.
Art 2º - O Presidente da República do Paço Nóbrega poderá decretar o fechamento das galerias destinadas ao público, por ato próprio, só voltando o mesmo a ser aberto por vontade deste Presidente.
§ 1º - Decretado a abertura das galerias, somente a claque dos comissionados do Poder Executivo.
§ 2º - Durante o período de fechamento das galerias, os Vereadores só poderão se manifestar silenciosamente no Plenário.
§ 3º - Nos casos de fechamento das galerias da Câmara Municipal e ao amordaçamento do povo, os vereadores não poderão exercer o papel de fiscalizador do Poder Executivo.
§ 4º - A fiscalização financeira e orçamentária do Município será exercida pelo próprio Poder Executivo, estendendo sua ação às funções de auditoria, julgamento das contas dos administradores e demais responsáveis por bens e valores públicos.
Art 3º - O Presidente da República do Paço Nóbrega, no interesse municipal ou próprio, poderá indicar parentes, amigos e cabos eleitorais despreparados para ocupar cargos em comissão.
Parágrafo único - Os indicados exercerão todas as funções e atribuições que caibam, mesmo sem o preparo necessário para o cargo e gozarão das prerrogativas, vencimentos e vantagens fixados em lei.
Art 4º - No interesse de preservar a REVOLUÇÃO DO NUNCA ANTES, o Presidente da República do Paço Nóbrega, ouvido o Conselho de Segurança Municipal, e sem as limitações previstas nas Leis, poderá atrasar ou suspender os trabalhos da casa pelo tempo que bem quiser.
Art 5º - O fechamento das galerias, com base neste Ato, importa, simultaneamente, em:
I - cessação de privilégio de livre manifestação;
II - suspensão do direito de igualdade entre os cidadãos;
III - proibição da manifestação do pensamento;
IV - aplicação, quando necessária, das seguintes medidas de segurança:
a) proibição de freqüentar a calçada em frente ao Paço;
b) proibição de freqüentar a calçada lateral ao Paço;
c) proibição de freqüentar a calçada dos fundos ao Paço,
§ 1º - O ato que decretar a suspensão dos direitos políticos poderá fixar restrições ou proibições relativamente ao exercício de quaisquer outros direitos públicos ou privados.
§ 2º - As medidas de segurança de que trata o item IV deste artigo serão aplicadas pelo Presidente do Paço Nóbrega.
Art 6º - Ficam suspensas as garantias constitucionais ou legais de: vitaliciedade, inamovibilidade e estabilidade, bem como a de exercício em funções por prazo certo.
§ 1º - Fica assegurado ao comandante supremo da REVOLUÇÃO DO NUNCA ANTES mediante decreto, demitir, remover, aposentar ou pôr em disponibilidade quaisquer comissionados assim como empregado de autarquias, empresas públicas ou sociedades de economia mista, assegurados, quando for o caso, os vencimentos e vantagens proporcionais ao tempo de serviço não pagando os direitos trabalhistas, mesmo quando houver disponibilidade financeira para tal e não fazendo por incompetência administrativa.
§ 2º - O disposto neste artigo e seu § 1º aplica-se, também, ao Presidente do Paço Nóbrega.
Art 7º - O Presidente do Paço Nóbrega poderá baixar Atos Complementares para a execução deste Ato Institucional, bem como adotar, se necessário à defesa da Revolução, o emprego da força através da polícia militar.
Art 8º - Excluem-se de qualquer apreciação judicial todos os atos praticados de acordo com este Ato institucional e seus Atos Complementares, bem como os respectivos efeitos.
Art 9º - O presente Ato Institucional entra em vigor nesta data, revogadas as disposições em contrário.

República do Paço Nóbrega, 06 de março de 2007; 369º da República.

SUPER ICE DUDU MAN
Dr. ZÉ GOTINHA
“HIPPI” TEM QUE ENGULLI
MARCOS PIZZA SAM
G. CANHOTINHA DE OURO


Em Tempo: qualquer semelhança com o AI 5 implantado no Brasil em 13 de dezembro de 1968 é mera coincidência.


Afonso Ricca
Prof. De História da Rede Estadual
Conselheiro da APEOESP – Sindicato dos Professores

Notícias da Prefeitura

Notícias do dia 07 / 03 / 2007
  • Prefeitura pede que moradores aceitem a visita de agentes de combate à dengue
  • Prefeitura de Ubatuba oferece vagas nos cursos de geração de renda
  • Projeto “Toda Dança é para Todos” seleciona bolsistas para 2007
Leia aqui

Manchetes do dia

Quarta-feira, 07 / 03 / 2007

Folha de São Paulo:
"Governo corta rendimento da poupança"
O CMN fez uma mudança no cálculo da TR que vai reduzir o rendimento da poupança e das contas do FGTS quando os juros de mercado caírem para menos de 12% ao ano. A perda do rendimento é calculada em 0,5 ponto percentual ao ano. Já quem tem dívida corrigida pela TR, como na maioria dos financiamentos habitacionais, terá correção menor da prestação e do saldo devedor.


O Globo:
"Pacto de governadores com Lula dribla lei fiscal"
O governo federal ofereceu aos 27 governadores reunidos com o presidente Lula a possibilidade de driblar a Lei de Responsabilidade Fiscal, em vigor há apenas sete anos, ampliando sua capacidade de endividamento e abrindo caminho para os estados financiarem suas dívidas com a União. A forma legal de execução da proposta, que foi vista com reserva pro especialistas em contas públicas, ainda será detalhada. Alguns governadores reclamam por estarem impedidos de buscar novos créditos devido a dívidas do Judiciário ou do Legislativo de seus estados. Vários deles, inclusive da oposição, fizeram elogios a Lula na saída da reunião.


O Estado de São Paulo:
"Estatismo de Chávez só traz mais miséria, diz Bush"
O "socialismo bolivariano" pregado pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, baseado na estatização, vai trazer mais pobreza à América Latina. A advertência foi feita pelo presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, em entrevista a cinco jornalistas latino-americanos, um de cada país que visitará a partir de amanhã, o Estado entre eles. Segundo Bush, Brasil e Estados Unidos devem trabalhar juntos para disseminar a tecnologia de etanol na América Latina e reduzir a dependência de petróleo na região. É graças aos altos preços do petróleo que Chávez tem aumentado sua influência na região. "Reduzir a dependência do petróleo vai aumentar a segurança econômica da região - e nós queremos que nossos amigos e vizinhos sejam prósperos", disse. Bush jogou um balde de água fria nas pretensões uruguaias de assinar com os EUA uma acordo comercial: "As pessoas não deveriam dar como certo que os Estados Unidos querem fechar acordos de livre comércio. Há um forte protecionismo nos EUA". Ele disse que vai conversar com o presidente Lula sobre a Rodada Doha de negociação comercial.


Jornal do Brasil:
"EUA insultam o Brasil"
O Departamento de Estado americano pôs de lado o exercício da diplomacia ao tornar públicas suas críticas ao Brasil na véspera da chegada de Bush. Um relatório de 23 páginas, divulgado ontem, acusa as forças de segurança de cometerem "inúmeros e sérios" abusos. O país, por onde Bush começará uma cruzada latina contra Hugo Chávez, é criticado por não respeitar os direitos humanos e discriminar mulheres e crianças. Artistas e intelectuais brasileiros desconfiam das intenções da visita e, principalmente, da agenda de Bush.

terça-feira, março 06, 2007

Ubatuba em foco

Palavras ao vento, de novo...

Ai que calor. Logo cedo fui procurar um livro na estante e acabei dando de cara com “Caçadas de Pedrinho“ de Monteiro Lobato, que li de uma vez só quando tinha cinco anos. No rádio a música de Milton Nascimento falava em “caçador de mim”, enquanto minha empregada preparava uma surpresa para o almoço: frango à caçadora. De sobremesa sorvete: cassata. Comecei a suspeitar de um complô, felizmente não dirigido à minha pessoa. Para tirar qualquer dúvida hoje à noite irei à Câmara saborear as deliciosas balas de café da minha amiga Izildinha e assistir à tentativa de cassação do Prefeito. Desde já vou avisando a gregos e troianos: tirem o pequeno eqüino da precipitação pluviométrica. Não vai haver cassação, até arrisco um placar: sete a três. O mais curioso é que na televisão (a cabo) vai passar “Kirongozi, mestre caçador”. É isso aí. Vamos em frente, fortes rijos e vacinados. Todo cuidado é pouco, quem não se vacinou vai dengar, muitos estão dengando, inclusive notórios dengosos. Mudando um pouco de assunto, o prefeito falou, isso eu afirmo porque escutei, que não seria tirada nenhuma árvore da praça 13 de maio. Aos poucos fui entendendo. Aquela coisa com copa, raízes, folhas, galhos e alguns ninhos, arrancada da praça e depositada na calçada, não é uma árvore. Essa meia dúzia não entende. Se o prefeito diz que uma árvore não é uma árvore então a árvore que durante anos foi árvore, passa a não ser árvore? E estamos conversados. A realidade, o que é a realidade? É uma invenção da oposição. O que de fato existe são as quimeras. Quimeras azuis. Que vão ficar roxas em 2008. Vamos ter novidades em 2008.

Sidney Borges

Briga: com foice e martelo...

Ala do PT volta a atacar Campo Majoritário

Novo documento acusa outros setores de praticar“condutas incompatíveis com a ética republicana”


Wilson Tosta, RIO
Petistas que lançaram em fevereiro o manifesto Mensagem ao Partido retomam, no anteprojeto de sua tese para o 3º Congresso Nacional do PT, o tom crítico a setores do partido e fazem ataques ao Banco Central. Embora não volte a falar em “corrupção ética e programática”, como na primeira versão da Mensagem ao Partido, revelada pelo Estado em janeiro, o grupo - do qual faz parte o ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro - acusa setores do PT de “práticas e condutas incompatíveis com a ética republicana” e critica a impunidade dos “mensaleiros”. Já a gestão de Henrique Meirelles no BC é classificada de “anti-republicana” e ligada ao grande capital financeiro. “Se não aceitamos em geral a máxima de que o número de votos conferido a um político acusado de corrupção o anistia dos erros cometidos, não podemos aplicar este preceito dentro do PT”, diz o documento, que condena a “conivência, a desresponsabilização, a condescendência”, em menção velada aos envolvidos em escândalos.

Leia mais

Poderes além da imaginação...

Gelo de JK

JK se reunia no Catetinho, recém-construído, com jornalistas, engenheiros, arquitetos (como Niemeyer e o jovem repórter Murilo Melo Filho, da Manchete), que sorviam uísque quente no copo. Não tinha gelo porque não havia energia em Brasília. JK lamentou: "Não gosto de uísque, mas sei que uma pedrinha de gelo aí nos copos seria muito bem-vinda..." Mal acabara a frase, desabou uma chuva torrencial, com pedras de granizo, que os levou a tomarem uísque com o gelo, providenciado, lá no céu, por JK. (Cláudio Humberto)

Saúde na berlinda

A verdade sobre a ação judicial do COMUS

Marcelo Mourão e Eduardo César utilizam-se indevidamente dos meios de comunicação, com o único intuito de enganar a população (São os mesmos mentirosos ou incompetentes?).
Marcelo Mourão explica que a ação do COMUS contra a prefeitura foi extinta pois o COMUS não possui personalidade jurídica e que o mesmo não representa os agentes comunitários da saúde. Sendo assim, Marcelo, resume com a seguinte frase:

"Em razão disto, o mandado de segurança perdeu seu objeto e foi julgado extinto"

Dos fatos

O objetivo principal da ação impetrada foi o cancelamento do processo seletivo, efetuado de forma totalmente ilegal e imoral. A Promotoria de Justiça entendeu, da mesma forma que o COMUS, que o ato da Prefeitura era ilegal. Por fim temos a concessão da liminar.
Conforme consta na sentença, a qual Eduardo e Marcelo deixaram de divulgar por razões óbvias, a juiza declara que a Prefeitura revogou o ato que determinava a formalização da parceria e portanto o pedido do COMUS perdeu a razão de ser.
“Conforme as informações prestadas pela autoridade coatora o ato que determinou a formalização do Termo de Parceria inquinado foi revogado. Deste modo, o presente writ perdeu seu objeto, pelo que carece de interesse a profunda análise meritória. Inconteste que a contratação de agentes comunitários de saúde deve ser feita diretamente pela Administração Pública. Este é o comando constitucional que não cede às inventivas interpretativas do administrador público. O representante do Ministério Público bem destacou que não importa o nome dado à forma de contratação, mas sim sua natureza jurídica...”
Em nenhum momento a juíza indica que não houve ilegalidade ou utilização indevida do dinheiro público.
A questão da ilegitimidade do COMUS, citada por Marcelo, refere-se única e exclusivamente ao fato de o COMUS solicitar judicialmente direitos dos agentes comunitários, pois tais direitos são individuais e somente os mesmos podem pleiteá-los. Mesmo que assim não o fosse tal matéria somente poderia ser julgada na justiça trabalhista.
O mérito não foi julgado. Isso não significa que o Direito não exista.
A ação contra a Prefeitura perdeu a razão de ser porque a mesma cancelou o procedimento ilegal. Isso não significa que a ilegalidade não tenha ocorrido.
Nosso dinheiro foi gasto, mais uma vez, pelos incompetentes de plantão. Exijo como cidadão e eleitor nesse município a devolução do dinheiro gasto indevidamente e ilegalmente.
Eduardo e Marcelo tentam descaracterizar a importância do COMUS porque o mesmo cobra da Prefeitura que a mesma cumpra suas obrigações legais. Considero que se o COMUS tivesse cumprido seu papel de fiscalizador, desde o início, a saúde do município poderia estar muito melhor e provavelmente Eduardo teria mais tempo para cuidar da Eduardo de Souza César Ubatuba – ME.
Não devemos nos esquecer que o legislativo também possui a função de fiscalizar o Executivo. É possível que caso o Sr. Ricardo (médico e presidente da câmara) estivesse mais preocupado em estudar os impedimentos em votações (vereador não pode votar matéria de seu interesse) e fiscalizar efetivamente o Executivo (Secretário da Saúde tem que ser da área de Saúde – Constituição Estadual do Estado de São Paulo), nossa realidade seria muito diferente.
Mentirosos e incompetentes me deixam desgastado. Espero que a até amanhã chova pois é possível que encontremos o Sr. Ricardo executando a consagrada dança da chuva pois como o mesmo afirma o importante é fazer alguma coisa.


Marcos Leopoldo Guerra
 
Free counter and web stats