sábado, março 03, 2007

Saturno pela Sonda Cassini



Pensata

Drogas e violência

Fernando Gabeira, na Folha de São Paulo
No auge do debate sobre violência, Sérgio Cabral mencionou a legalização das drogas como um tema importante. Aparentemente, todos os que acreditam nesta saída futura deveriam lançar-se na batalha. Mas quem conhece o processo de legalização fora daqui sabe que ele tem premissas que não foram cumpridas no Brasil. Uma delas é uma polícia mais ética e competente. Enquanto não se fizer uma reforma profunda nos organismos policiais, a mudança pode contribuir com a violência.
Com o tempo e observação internacional, passei a ver a legalização não como como uma renúncia ao controle, mas um salto de qualidade no próprio controle. Aqui, no Brasil, é evidente que a súbita retirada dos mercados clandestinos jogaria os criminosos em outros tipos de crime. Logo, é preciso estar preparado para esse deslocamento, de um modo geral para seqüestros e roubos de carro.
Um brasileiro entrou num bar holandês onde se vende maconha. Estava de gorro, e o gerente do bar se assustou. Chamou os seguranças que cuidam da entrada e os advertiu seriamente. Tinham esquecido da norma? É proibido entrar de gorro. Isto significa que os lugares são monitorados por câmeras.
Os armazéns suecos que vendem bebida possuem um grande fichário de clientes que não podem usar álcool. O fichário é consultado e uma luz vermelha se acende no caixa, indicando que, naquele caso, era proibido vender. Quando a Inglaterra decidiu liberar o uso de maconha numa região de Londres, o fez aconselhada pela polícia. Argumento: quatro horas para abrir inquérito contra um usuário, é tempo preciso para realizar tarefas mais importantes de segurança pública.
Passei tantos anos falando em legalização e agora, que um jovem e corajoso governador levanta a tese, não posso abandoná-lo. Mas a melhor forma de concordar com ele é apontar e contribuir com a premissa que, realmente, pode nos aproximar, como outros países, da fase experimental: a reforma da polícia.
Mesmo a Colômbia, com os avanços em Bogotá, está mais perto da legalização do que nós, pois, do ponto de vista urbano, torna a violência administrável.A tarefa de reformar a polícia não pode ser feita sem apoio da sociedade. Mas o importante é contar com as forças especiais e o Exército. Isso protege contra bolas pelas costas quando se tocam nos pontos mais sensíveis da corporação. Pensem no Haiti. Em situação muito mais difícil, abriu-se um caminho em Bel Air e, nesta semana, Cité Soleil caiu nas mãos dos brasileiros. De que adianta correr o mundo se não aprendemos as lições?

Arquitetura



"Momento é de revisão das cidades", diz arquiteto Paulo Mendes da Rocha

Por Fernanda Ezabella
SÃO PAULO (Reuters) - Para o arquiteto Paulo Mendes da Rocha, vencedor do prêmio Pritzker de Arquitetura deste ano, o momento atual é de desviar as metrópoles da rota de degradação.
"Estamos numa época de rever tudo. Acho que a arquitetura, cada vez mais, terá muita importância como opinião influente nas políticas de desenvolvimento, nas decisões sobre o que será a nossa cidade do futuro", disse o arquiteto de 77 anos à Reuters, em entrevista na quarta-feira.
Para o arquiteto, a ideologia colonialista de um passado recente deixou como herança um "caminho de discriminação e exclusão" que precisa ser revista.
"Estamos em um momento em que se considera nitidamente uma visão crítica do colonialismo e a construção da paz entre os homens através da questão da cidade, um recinto da convivência. A França enfrenta problemas com seu passado junto à Argélia, a Espanha junto ao Marrocos, a Holanda com Sumatre e Bornéu, e assim por diante."
Mendes da Rocha é o segundo brasileiro a receber o prêmio Pritzker, considerado um Nobel da Arquitetura, depois de Oscar Niemeyer, agraciado em 1988. A cerimônia de entrega acontecerá no dia 30 de maio, em Istambul.
Nascido em Vitória (ES), Mendes da Rocha passou grande parte de sua vida em São Paulo, onde começou a carreira nos anos 1950. Fez parte do grupo modernista liderado por Vilanova Artigas, no movimento conhecido como Escola Paulista de Arquitetura, nos anos 1960 e 1970, e foi professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.
Tem no currículo projetos polêmicos, como o pórtico de entrada da Galeria Prestes Maia, na Praça do Patriarca, e trabalhos unânimes, como a reforma na Pinacoteca do Estado de SP. Entre outros projetos na cidade estão a Galeria Vermelho, o Museu Brasileiro da Escultura, a loja de design Forma, além de algumas residências particulares.


Desastre?

Questionado então sobre o futuro da cidade caótica que é palco de tantos projetos seus, Mendes da Rocha não vacila. "São Paulo não pode ser um desastre", afirma.
"De tão recente e de tão rápido com que tudo isso foi edificado, em um espaço ainda in natura, não faz muito sentido dizer que a cidade então é um desastre, com tudo o que estamos vendo, congestionamento, falta de habitação", disse Mendes da Rocha. "Temos que transformar tudo isso, andar numa rota de correção sobre esses erros que são patentes. Nós temos muitos recursos hoje. Então uma cidade como São Paulo deve ser reestruturada, recomposta. Imagino possível reverter essa rota do desastre."
Sobre projetos recentes na capital paulista como os realizados no rio Tietê ou as propostas de demolição do Elevado Costa e Silva, o famoso Minhocão, e de uma área central conhecida como Cracolândia, o arquiteto observa que "são momentos de reflexão".
"De qualquer maneira, ninguém tem solução direta para certas coisas. O Minhocão é um instrumento útil, cuja utilidade pode ser sempre discutida", pondera.
"Em princípio, essas áreas se degradam porque são abandonadas. Nós temos que corrigir tudo isso e reocupar essas áreas com atividades fundamentais da cidade."
Para a revitalização do centro da cidade, um debate que vem sendo discutido há anos por prefeituras e Ongs, o arquiteto aposta na necessidade da volta imediata de empresas que deixaram a região.
"Creio que as instituições devem retomar as suas sedes para essas áreas centrais, na medida do possível o mais rápido possível", disse. "Não há razão para se estranhar que elas (áreas centrais) entrem em degradação. Não são os arquitetos que podem fazer milagre, é uma questão eminentemente política."
Entre os próximos projetos de peso de Mendes da Rocha está uma nova sede do Sesc no antigo prédio da Mesbla, no centro, para programações esportivas e culturais. Há também um projeto na Galícia, no noroeste da Espanha, na Universidade de Vigo.


Jamais verás...

Os segredos para fazer um “pibinho”

Por Giuliano Guandalini em Veja:
Os brasileiros conheceram na semana passada o balanço econômico do primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Entre 2003 e 2006, o PIB (a soma de todos os bens e serviços produzidos pelo país) avançou lentamente, em um ritmo de 2,6% ao ano, bem abaixo da média mundial. Um primeiro olhar mostra um resultado tíbio, mas sem surpresas. Essa tem sido a toada da economia brasileira há duas décadas, desde que a Constituição de 1988 instituiu, por decreto, uma sociedade do bem-estar de nível europeu financiada pela porção produtiva de um país de nível de renda brasileiro. No entanto, dois fatos fazem do resultado do PIB do primeiro mandato de Lula um número especialmente desalentador na história econômica brasileira. O primeiro diz respeito ao contexto internacional. Ao contrário de governos anteriores, Lula presidiu o país durante quatro anos de rara prosperidade global. O governo petista não deparou com crises a debelar, não enfrentou choques financeiros de proporções sísmicas como a crise asiática, em 1997, nem os atentados terroristas de 11 de setembro, em 2001. Nos últimos quatro anos, houve apenas uma ou outra chacoalhada momentânea, como a turbulência nos mercados ocorrida na semana passada. Mas não se viu nenhum evento internacional que justificasse o marasmo interno. Ele foi exclusivamente made in Brazil. O segundo fato foi que o Estado voltou a inchar nos últimos quatro anos, revertendo várias tentativas, feitas nos anos 90, de desarmar a bomba do gasto público colocada no colo dos brasileiros pela Constituição de 1988.Entre 2003 e 2006, o governo Lula fortaleceu o assistencialismo, contratou 182.000 funcionários públicos e criou 27 estatais. Quem pagou a conta foi a sociedade, na forma de cargas recordes de impostos. Com muito imposto, falta dinheiro para investimento e poupança. Resultado: mini-PIBs, PIBs envergonhados ou "pibinhos", como escreveu, com rara felicidade, o jornal O Globo. No mesmo período, a carga tributária subiu de 35% para 39% do PIB.

Ubatuba em foco

Batalhas jurídicas

A Assessoria de Imprensa da Prefeitura enviou a notícia abaixo, dando conta de que a Justiça não acatou três ações contra o prefeito Eduardo Cesar e alguns secretários, enquanto o jornal eletrônico “O Guaruçá” publicava que uma quarta ação, proposta pelo vereador Jairo dos Santos, também contra o Prefeito, foi acatada e terá prosseguimento. Guardadas as devidas distâncias, há semelhanças entre a ação do vereador Jairo e o processo que condenou o deputado Gil Arantes por improbidade administrativa durante sua gestão na prefeitura de Barueri. (Sidney Borges)


Justiça não acata três ações sobre saúde movidas contra o prefeito Eduardo Cesar

De autores diferentes, as três ações pediam sanções e até o afastamento do prefeito de Ubatuba e de alguns secretários por supostas irregularidades na área da saúde; Justiça não acolheu nenhum dos pedidos

O mandado de segurança movido pelo Comus contra o prefeito Eduardo Cesar, em função da Oscip/Ciap, a ação civil pública contra o prefeito e alguns secretários também com relação ao processo da Oscip movido pelo PMN (que tem como presidente Robson da Chagas, assessor de Rogério Frediani) e também a ação popular proposta por Rogério Frediani, versando sobre assuntos da área da Saúde no Município (Prefeitura e Santa Casa), não foram acolhidas pela Justiça de Ubatuba.
Segundo o Secretário de Assuntos Jurídicos da Prefeitura, Marcelo Mourão, em cada uma das ações, a Justiça entendeu que não houve ilegalidade nem tampouco dilapidação do patrimônio público.
Com relação ao mandado de segurança impetrado pelo Comus contra o prefeito, a Justiça reconheceu a ilegitimidade do Comus para mover tal ação, já que a entidade não tem caráter representativo dos agentes comunitários da saúde, nem personalidade ou capacidade jurídica, sendo apenas um órgão interno do Poder Executivo local. “Em razão disto, o mandado de segurança perdeu seu objeto e foi julgado extinto”, explica Marcelo Mourão.
A ação civil pública movida pelo PMN – Partido da Mobilização Nacional – contra o prefeito de Ubatuba e alguns secretários municipais teve seu pedido de liminar rejeitado pela Justiça. Na decisão é ressaltado que não houve demonstração inequívoca de existência de risco concreto para a administração em razão da permanência dos requeridos em suas funções, até porque ocorreu a revogação dos atos administrativos referentes a Oscip/Ciap noticiada no mandado de segurança.
Já a ação popular proposta por Rogério Frediani, que manisfestava-se contra as atividades administrativas na área da saúde, recebeu parecer contrário do Ministério Público para concessão da liminar pleiteada. “Foi determinado pelo Poder Judiciário a apreciação da mesma após a formação da relação jurídica processual”, explica o secretário de Assuntos Jurídicos da Prefeitura.
Para o prefeito Eduardo Cesar, a decisão da Justiça demonstra que, mais uma vez, os políticos de oposição não conseguiram atingir o objetivo de prejudicar a administração e conseqüentemente, o município de Ubatuba. PMU


Ministério Público investiga Eduardo César

Em razão de indícios de irregularidades encontrados em documentos constantes na representação apresentada pelo vereador Jairo Felipe Félix dos Santos (PT), o Ministério Público do Estado de São Paulo, através da Procuradoria de Justiça de Ubatuba - Promotoria de Justiça dos Direitos Constitucionais do Cidadão instaurou o Inquérito Civil nº 29/07 para "Averiguação de irregularidade referente à utilização de panfletos informativos e propaganda em jornal de circulação local, custeados pelos cofres públicos, para promoção pessoal do atual Prefeito Municipal". A "propaganda em jornal local" foi veiculada no jornal "A Cidade" (edição do dia 10 de junho de 2006, página 11) e foi objeto do "
De olho em Ubatuba - 12/06/06".
Eduardo de Souza César (sem partido) é o prefeito apontado como suspeito de praticar as irregularidades documentadas na representação. (O Guaruçá)

Notícias da Prefeitura

Notícias do dia 03 / 03 / 2007
  • Pedro Bismarck passeia pela cidade e visita prefeito Eduardo Cesar
  • Eleição define cinco novos conselheiros tutelares de Ubatuba
  • Unidade Móvel de Esterilização de Cães e Gatos inicia suas atividades dia 5, na Maranduba
  • Brinquedistas de Pindamonhangaba visitam Casa do Brinquedo de Ubatuba
  • Escolas municipais da região oeste discutem agenda 21
  • Comércio comemora sucesso da temporada 2006/2007
Leia aqui

Manchetes do dia

Sábado, 03 / 03 / 2007

Folha de São Paulo:
"Governo quer impedir greve em setor essencial"
O governo quer proibir alguns setores essenciais do funcionalismo de fazer greves. A Constituição diz que os servidores civis têm direito a greve, mas não estipula como ele pode ser exercido. "Primeiro, a Constituição diz que o servidor tem o direito de fazer greve. Segundo, nós temos de preservar o atendimento ao cidadão. Então tem de ver qual é o limite', disse Paulo Bernardo, ministro do Planejamento.

O Globo:
"Lula tentará proibir greve nos serviços essenciais"
Ex-sindicalista, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai propor a regulamentação do direito de greve no serviço público para proibir a paralisação em setores essenciais. O anúncio foi feito ontem pelo ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, depois de reunião com Lula. "Em alguns serviços, em setores considerados essenciais, a greve tem de ser proibida", disse o ministro petista, sem especificar, porém, que serviços seriam atingidos. A Força Sindical e a CUT, aliada do governo, reagiram, dizendo ser necessária a regulamentação da greve em setores essenciais, mas sem proibição. "São questões que precisam ser enfrentadas, e com isso concordamos. No entanto, falar em proibir greve em determinados setores é absurdo", disse a CUT em nota. Para Paulo Bernardo, é preciso fazer a regulamentação por lei, para "impor limites".

O Estado de São Paulo:
"Bovespa perde mais de R$ 70 bi em três dias"
A turbulência dos últimos dias no mercado financeiro 'queimou' mais de R$ 70 bilhões na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), o equivalente a um Bradesco, o maior banco privado brasileiro. Os R$ 70 bilhões são a diferença entre os valores de mercado das 355 empresas que têm ações negociadas na bolsa paulista, calculados nos dias 23 de fevereiro e 1° de março. Os dados são da própria Bovespa. Por razões técnicas, o cálculo não pôde ser atualizado até ontem, quando a bolsa aumentou as perdas e caiu mais 2,64%. A desvalorização não é exclusividade brasileira. O banco de investimentos americano Morgan Stanley calcula que os prejuízos em bolsas de todo o mundo tenham alcançado US$ 1,5 trilhão nesta semana. A Bovespa terminou a semana com desvalorização de quase 8%. No mercado financeiro americano, o nervosismo imperou durante todo o dia: a Nasdaq caiu 1,51%; o Índice Dow Jones, 0,98%; o Standard & Poor's 500, 1,14%. Na Europa, as bolsas também fecharam o dia no vermelho. Já a Bolsa de Xangai, que na terça-feira deu início à turbulência mundial, ontem fechou em alta de 1,23%.

Jornal do Brasil:
"Lula vai restringir direito de greve para o servidor"
Nascido do sindicalismo, o governo pretende proibir greves de funcionários públicos em áreas essenciais e, para os demais, limitar esse direito. A proposta de decreto será mostrada a entidades sindicais e inclui o percentual de servidores que devem continuar em atividade durante paralisações, bem como a restrição para áreas como saúde e segurança pública. Para o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, "é preciso atender o cidadão".

sexta-feira, março 02, 2007

Sem sentido...

Um baú sem fundo de embromações

No dia 3 de março de 2006, os jornais brasileiros transcreveram os principais trechos de uma extensa entrevista do presidente Lula à revista londrina The Economist, incluída, juntamente com um editorial elogioso, na edição que começava a circular naquela sexta-feira, às vésperas de sua visita de Estado à Grã-Bretanha. Numa passagem, perguntado por que o PIB brasileiro cresceu apenas 2,3% no ano anterior, ele respondeu: “No Brasil, não estamos com pressa de fazer a economia decolar imediatamente. Primeiro, cuidamos de consolidar a base macroeconômica. Não quero um crescimento de 10% ou 15% ao ano. Quero um ciclo de crescimento sustentável de 4% ou 5%.” Passados 12 meses, confrontado com mais uma evidência de que a realidade teima em negar o que ele quer - o PIB de 2006 não chegou nem a 3% -, Lula não se deu por achado e ligou o piloto automático.

Começou por dizer que o crescimento econômico não depende da vontade do presidente ou do governo - o que é parte obviedade, parte mistificação. E elaborou, se é que o verbo se aplica: “O PIB só vai crescer na medida em que se crie uma dinâmica no País em que as pessoas acreditem que as coisas estão sendo feitas com seriedade.” Que quer dizer isso? O mesmo que quer dizer “não quero um crescimento de 10% ou 15% ao ano”. Ou seja, rigorosamente nada, afora expressar um movimento defensivo reflexo, típico de quem está desprovido de argumentos objetivos diante de verdades incômodas. Na frase de agora do presidente, substitua-se “o PIB só vai crescer na medida em que…” pelo que venha à cabeça, e não fará a menor diferença: fatos positivos de qualquer espécie só ocorrem “quando as coisas estiverem sendo feitas com seriedade”. Para tanto, porém, Lula precisaria antes de tudo falar sério.
Leia mais

Conjuntura

Alalaô ô ô ô ô...

Vamos prestar atenção aos números. Alguns sobem de forma avassaladora, aqueles que expressam os lucros dos bancos Itaú e Bradesco, em eterno fla-flu pra ver quem fica com a taça. Outros descem de forma também avassaladora, o PIB brasileiro e os resultados das avaliações de nossos estudantes, cada ano piores. Em termos de crescimento devemos dar graças aos deuses pela existência do Haiti. A lanterninha é terrível, embora o compositor Gilberto Veloso, ôps, Caetano Gil, tanto faz, é quase a mesma pessoa, tenha cantado que o Haiti é aqui. Aqui não cara-pálida, aqui a economia é um sucesso. Lá, o Haiti é lá. Outros números que estão subindo são os da temperatura ambiente. Dizem que é só o começo. Imagino quando estiver quente de verdade. Em tempos difíceis para icebergs, leva vantagem quem é pé-frio. Lula disse que não vai haver outra reeleição e o Zé Simão aproveitou a polêmica do ministério e sapecou na boca de Nosso Guia: “Independência ou Marta”. Eu que sou fã da Marta fico triste, apesar dela também estar triste com o aquecimento. O que fazer com os casacos de pele de marta? O maridão trotskista da Marta chama-se Felipe Belisário Wermus, mas adotou Luis Favre. Deve ter entrado na clandestinidade, anda sumido. Ele fez bem em mudar de nome. Luis Favre é mais comercial. (Sidney Borges)

Vai um sorvete?

Planeta registra janeiro mais quente da história, diz cientista

France Presse / Nova York
A média das temperaturas mundiais registradas em janeiro foi a mais alta da história já registrada neste período do ano, anunciaram cientistas da Administração Oceânica e Atmosférica americana (NOAA, sigla em inglês) - há registros da temperatura do planeta desde 1880. "As temperaturas mundiais terrestres e da superfície dos oceanos foram as mais elevadas registradas para um mês de janeiro", disse o organismo em um comunicado, citando cientistas de seu centro de dados climáticos. De acordo com relatórios preliminares, em janeiro, as temperaturas ficaram 0,85ºC acima da média do século 20, batendo o recorde estabelecido em 2002, de 0,71ºC sobre a média. Em particular, as temperaturas terrestres estavam 1,89ºC acima da sua média em janeiro, um nível recorde, enquanto as temperaturas oceânicas eram as quartas mais quentes já registradas em 128 anos, ou seja 0,1ºC abaixo do recorde estabelecido em 1998, no auge do fenômeno El Niño. "O fenômeno El Niño e a tendência contínua para o aquecimento climático contribuíram para que o mês de janeiro de 2007 fosse o mais quente já conhecido", explicou a NOAA em sua declaração. No último século, as temperaturas mundiais na superfície subiram a um ritmo de 0,06ºC a cada dez anos, mas o aumento foi três vezes mais elevado desde 1976, a 0,18ºC a cada década, com alguns dos mais fortes aumentos de temperatura nas elevadas latitudes do hemisfério Norte ou perto do pólo Norte.

Palestra?

Crimes de prefeitos, nem sempre perfeitos...

Por solicitação do Presidente da Câmara, Dr. Ricardo Cortez, o vereador Charles Medeiros e o Assessor Jurídico, Luiz Gustavo, compareceram neste último dia 28 à Procuradoria de Justiça Itinerante, que se encontrava no Fórum de São Sebastião.
O convite foi formulado à Câmara Municipal de Ubatuba, através do Excelentíssimo Sr. Drº Procurador de Justiça Luiz Roque Lombardo Barbosa.
O evento contou com a presença de membros do Setor de Crimes de Prefeitos, da Assessoria do Procurador-Geral de Justiça do Estado de São Paulo. Compareceram membros da sociedade civil, autoridades e convidados da Região. Os membros estiveram à disposição para atendimentos de interessados e esclarecimentos relativos à matéria sobre assuntos relacionados ao tema no Litoral Norte. No período da tarde a equipe compareceu a Delegacia Seccional de Polícia para os devidos atendimentos á população.

Fonte: Assessoria Charles Medeiros

Futuro radiante...

Transatlânticos no horizonte

Ontem tive a satisfação de ler um comunicado da Prefeitura dando conta que o cais do Itaguá vai ser reformado. Vai receber lanchas de transatlânticos que em breve estarão fundeando em nossas águas. Palavra do Prefeito, que participou de uma reunião em Ilhabela. Tais lanchas trarão os tão almejados turistas, que aqui desembarcarão com os bolsos transbordantes de ouro, prata, incenso e mirra, para gáudio dos ubatubenses. A prefeitura certamente vai construir uma área de espera, coberta, com banheiros e ar condicionado. Nossos hóspedes não ficarão debaixo de sol e sob a mira do Aedes, jamais. Uma vez reunidos, os turistas poderão sobrevoar Ubatuba, como fizeram os técnicos que aqui estiveram para dar o pontapé inicial nos trabalhos e ficaram impressionados com tanta beleza, segundo afirmou o secretário de Turismo. Depois do vôo poderão conhecer o Shopping Center, o Projeto Tamar e o Aquário, além de fazer um tour pela obras. Quem viver verá. (Sidney Borges)

BBC informa:

Planeta azul

A notícia da BBC nesta manhã de que a Igreja irá liberar o uso da camisinha (no casamento) traz boas novas. Finalmente a Igreja se curva aos dois vilões da humanidade. A AIDS e, indiretamente, o crescimento populacional. O primeiro, diminuirá o flagelo humano e, o segundo, os índices de natalidade. A diminuição da população contribuirá decisivamente com a diminiução do aquecimento global e, com a preservação do planeta (ainda) azul. Vivas à razão!

Ronaldo Dias

Esse PAC vai dar certo

PAC

Programa Amigos Caminhantes
Promoção de Saúde através de Caminhada e Ciclismo

REUNIÃO
Quarta-feira, 7 março - 9:30 h
UPS Maranduba - Posto de Saúde
Convidamos a todos os Moradores da Região Sul para as Palestras sobre Saúde, Caminhada e Ciclismo.

Com Profissionais da Saúde e Educação Física
Informações: UPS 3849-5001
Por Melhores Condições de Vida dos Moradores

Fonte: Luiz Carlos - Maranduba

Luiz Inácio falou...

Sucesso? Que sucesso?

Um dia depois do anúncio de que a economia do Brasil só cresceu 2,9% em 2006, bem abaixo da média global de 5,1% e da média dos emergentes, de 6,5%, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou claro nesta quinta-feira que não vai mudar o comando da economia e elogiou: "A área econômica está blindada pelo sucesso". (Eliane Cantanhede)

Nota do Editor - Fico imaginando como seria o fracasso...

Visão estrangeira

Lula deve descumprir prazo para nomear equipe, diz "Financial Times"

da Folha Online
O "Financial Times" destaca em sua edição desta sexta o atraso na formação da equipe do segundo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para o jornal, Lula deve perder nesta sexta outro prazo que se impôs para formar sua equipe de governo.
"Os atrasos, causados por negociações políticas, deixaram grandes partes de seu governo patinando e vão desafiar a promessa de Lula de crescimento econômico anual de 5%. Analistas já dizem que o segundo mandato de Lula não começou correndo, mas tropeçando", escreve o jornal.
O "Financial Times" lembra que o país cresceu apenas 2,9% no ano passado - "muito atrás dos outros países em desenvolvimento". Diz ainda que o FMI (Fundo Monetário Internacional) espera um crescimento médio para mercados emergentes em 2006 de 6,5%.
Em seguida, o jornal relembra a série de atrasos e os motivos que levaram Lula a adiar a formação de seu ministério. "Reeleito em outubro do ano passado, [Lula] adiou a nomeação de seus ministros até sua posse, e novamente para depois das eleições dos líderes das duas Câmaras do Congresso, no dia 1º de fevereiro. Depois, adiou a decisão para após o Carnaval da semana passada e novamente para esta sexta", diz o jornal.
Leia mais

Pane

Problemas técnicos

Estamos com dificuldades para colocar notícias no ar. Deu pane no provedor. Em breve, esperamos, tudo voltará aos conformes. Pedimos desculpas aos leitores, o problema foge à nossa alçada e competência. (Sidney Borges)

Notícias da Prefeitura

Notícias do dia 02 / 03 / 2007

Mutirão contra dengue no Centro prossegue na próxima semana
Defeso do camarão rosa teve início neste dia 1º de março
Curso de Agregação de Valor ao Pescado traz informações importantes aos pescadores
Prefeitura de Ubatuba oferece vagas nos cursos de geração de renda
Ubatuba se prepara para receber delegações para os Jogos Regionais
Prova de Triatlo em Ubatuba tem data alterada


Leia aqui

Manchetes do dia

Sexta-feira, 02 / 03 / 2007

Folha de São Paulo:
"Incerteza sobre China e EUA deixa mercados instáveis"
Os mercados financeiros brasileiro e internacional viveram mais um dia de instabilidade. As Bolsas dos EUA e da Europa fecharam em baixa após grande oscilação. A Bovespa chegou a cair mais de 4% e encerrou o pregão em queda de 0,86%. Na terça-feira, dia de maior nervosismo, houve uma saída líquida de R$ 222,5 milhões em recursos estrangeiros da Bovespa.


O Globo:
"Baixo crescimento derruba o principal diretor do BC"
Um dia após o IBGE ter anunciado uma expansão de apenas 2,9% no Produto Interno Bruto (PIB) em 2006, o mais forte diretor do Banco Central e considerado o fiador da política conservadora de juros, Afonso Bevilaqua, anunciou que está deixando o cargo. Ele tem sido, nos últimos meses, o fiel escudeiro do presidente do BC, Henrique Meirelles, e o principal alvo do setor produtivo e do "fogo amigo" - aliados do governo puxados pelo PT que criticam a política monetária. Em seu lugar, assume o atual diretor de Estudos Especiais Mário Mesquita, que acumulará as funções. A substituição ocorre no momento em que a atuação do BC está sob forte questionamento.


O Estado de São Paulo:
"Sucesso blinda equipe econômica, diz Lula"
No momento em que os mercados passam por turbulência e a política monetária conduzida pelo Banco Central (BC) enfrenta críticas, o presidente Lula assegurou que não haverá mudanças na equipe econômica. "A área econômica está blindada pelo sucesso dela", disse, deixando claro que serão mantidos o presidente do BC, Henrique Meirelles, e os ministros da Fazenda, Guido Mantega, e do Planejamento, Paulo Bernardo. Lula recebeu um grupo de jornalistas para o café da manhã e reafirmou a intenção de ampliar as despesas do governo, mas garantiu que não fará isso de forma irresponsável: "Não vou gastar mais, vou investir mais". Ele descartou disputar um 3° mandato em 2010. Primeiro disse que seria "muito improvável, inexeqüível". Os repórteres insistiram: "É improvável, mas não impossível?" O presidente foi, então, enfático: "Coloquem que é impossível. Seria brincar com a democracia".


Jornal do Brasil:
"Governo reconhece epidemia de dengue"
O governo federal admitiu que o surto de dengue assumiu dimensões de epidemia. O maior dos focos está no Centro-Oeste, com mais de 27 mil casos registrados. No país, o número aumentou 17% desde o início do ano. No Rio, houve 1.381 registros entre janeiro e fevereiro, a maioria dos quais na Zona Oeste. Prevê-se um aumento significativo de casos em março, provocado pela conjunção de altas temperaturas e chuvas fortes.

quinta-feira, março 01, 2007

Conflito de interesses

Ubatuba e a ética

Na votação da última terça-feira, na Câmara Municipal de Ubatuba, que impediu a instalação de um processo de cassação contra o Prefeito, havia pelo menos três vereadores com parentes próximos na administração municipal. Todos trabalhando em cargos comissionados, portanto de confiança do Prefeito. Com interesse direto no resultado, teriam tais edis a isenção que a democracia exige? (Sidney Borges)

Opinião

“As poções da Corte”

Corsino Aliste Mezquita
POÇÃO: “Hidrólio que contém medicamento dissolvido ou em suspensão e administrado por via oral”. (Aurélio)
CORTE: “Conjunto de aduladores”. “Assembléia legislativa”. “Participantes da administração do palácio real”. (Aurélio, entre outras dezenas de significados”.
Nossos cortesãos ubatubenses, nem sempre corteses nas atitudes, mesmo que o sejam no nome, cada pouco, nos brindam com novo capítulo de folclore político ubatubense. Pode ser a troca das “lentilhas do título de cidadão ubatubense” pela “primogenitura da presidência da Câmara de Vereadores”, o disfarce e a ocultação da problemática da Santa Casa, leis inconstitucionais e prejudiciais a toda a sociedade ubatubense, ou atentado à saúde pública com “a poção milagrosa” a título de vacina contra a dengue. Haja folclore!.
Qualificamos a “poção” de “milagrosa” porque em conversa descontraída, carinhosa e amiga recebemos o testemunho de fiel devoto. A seguir: “O apostolo (.......) recomendou a vacina no culto da 5ª feira. No culto da 6ª feira pediu perdão, após a Vigilância Sanitária ter autuado os promotores do atentado contra a saúde pública e lacrado a Clínica Ubaclin. Pediu desculpas por ter sido levado a erro por uma autoridade. Não disse quem era a autoridade”.
Essa informação pode indicar o envolvimento de outras forças no rumoroso, indecente, vergonhoso atentado contra a fé pública de uma população sofrida e desprotegida, ministrado como “VACINA CONTRA A DENGUE”. São hipóteses que podem ajudar a entender o momento político que o município está vivendo.
Vislumbra-se, neste e noutros acontecimentos, processos e ações, preocupante conluio, dos poderes, com forças ocultas que estão levando, nosso município, ao estado falimentar: no respeito à Constituição, à ética política, à moral administrativa e à economia.
As “poções” que, à comunidade ubatubense, está recebendo da “CORTE”, assemelham-se, às servidas pelos “cortesãos porcos”, aos outros bichos, enquanto eles (cortesãos porcos) se refocilavam em banquetes, na “REVOLUÇÃO DOS BICHOS”, de George Orwell.
Vacinemo-nos contra as poções da “CORTE” e dos “CORTESÃOS”. Corteses ou não.

Editorial



Dengue, problema de todos nós

Convém lembrar que a epidemia de Dengue é uma realidade. Não vou embarcar na onda oportunista de culpar unicamente as autoridades locais. O que está acontecendo vem sendo anunciado há muito tempo. O Brasil, por suas características tropicais, que facilitam a proliferação do vetor mosquito, já deveria ter desenvolvido uma vacina. É difícil, mas é possível, basta vontade política, o que se traduz em verbas para as instituições de pesquisa. Desde 1982 estou familiarizado com o Aedes aegypti. Na época, trabalhando na Editoria de Arte da CGJ-SP (Central Globo de Jornalismo de São Paulo), era minha tarefa mostrar o mosquito em detalhes nos diversos jornais da casa. As campanhas de prevenção continuam iguais, mas não surtiram efeito. O problema persiste e começa a assumir proporções incontroláveis. Quem já teve Dengue, corre o risco de contrair a forma mais perigosa da doença. A Dengue Hemorrágica, que se não for tratada de forma conveniente pode levar à morte. Vamos continuar fazendo a lição de casa, cuidando de evitar a proliferação do mosquito, mas vamos também cobrar das autoridades federais, que têm a chave do cofre, as verbas para a tão necessária vacina.

Sidney Borges

Conjuntura política

Duas caras, a mesma face

Comparar os governos Eduardo Cesar e Paulo Ramos não custa nada e se faz necessário para que possamos refletir sobre o passado, tendo em vista que estes personagens, sempre vem à tona. Quando se aproximam as eleições a memória curta da população deixa de funcionar e aflora o sentimento da troca do pior pelo menos pior.
Não encontrei razão para tantos contra-sensos do vereador Eduardo Cesar com o prefeito Eduardo Cesar. O Prefeito em tempos recentes de vereador fazia oposição ferrenha e mesquinha. Hoje reclama da oposição. Também é preciso lembrar aos que andam falando por ai que Paulo Ramos não perseguia. Perseguia sim, igualzinho ao que acontece hoje. Eduardo Cesar não é original, só sabe copiar. E copia mal.
O prefeito de Ubatuba faz a política do violino praticada por Perón na década de 70 na Argentina, do “pega com a esquerda e toca com direita” enquanto que Paulo, sabendo do desgaste da direita, que ao lado dele atrasou a vida de Ubatuba ao longo dos anos e o Brasil há 500 anos, busca formas intrusas e oportunistas de se aproximar da esquerda. Não é por menos que ele hoje está filiado ao PDT.
Eduardo Cesar se recusa a receber representantes da comunidade, vereadores combativos e lideres comunitários. Ele teme aqueles que fortalecem a democracia com mobilização popular. Paulo Ramos também se recusou a receber o ex-vereador Domingos dos Santos.
Paulo, em sua avarenta administração fechava a cidade, espantava o turista e baixava a estima da população, que se sentia envergonhada em ter votado em um colecionador de processos. O prefeito Eduardo Cesar, que só sabe copiar, começa também a colecionar processos. Um atrás do outro. Além disso, da mesma forma que seu antecessor, continua assustando a população com a imobilidade das obras e a exploração do turista, fonte de renda de Ubatuba. A extinção da cobrança da COMTUR era só fachada para enrolar o povo e a imprensa. Esta tudo ai, igualzinho ao governo Paulo Ramos.
Cesar faz uma política de pesca mesquinha e cheia de intrigas com vários representantes da pesca e da agricultura. Paulo jogou R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais) na Boca da Barra dos Pescadores com a proposta de desassoreamento e não resolveu nada. Em seu governo a pesca também só andou para trás.
No governo do Paulo a Santa Casa e a Saúde estavam doentes. No governo de Cesar a saúde é o caos. Irregularidades administrativas, Dengue, etc.
No governo do Paulo as obras de asfalto duravam seis meses, no governo do Eduardo chegam a levar 20 dias para esburacar, enquanto os homens públicos ao fazer uma obra deveriam pensar nos próximos 30 a 50 anos.
Paulo Ramos utilizava-se do mesmo discurso conservador, que por não ter argumentos para sair de suas encalacradas dizia que tudo não passava de política, como se o seu cargo fosse jurídico ou técnico. Eduardo Cesar, que nada cria e tudo copia, também faz a mesma coisa. “Direitinho”. Renega o cargo que exerce embora seja o titular de um dos três poderes. Age de forma preguiçosa e acomodada a se esconde dos problemas.
Paulo Ramos nos seus primeiros seis meses de gestão, entrava e saia escondido pela porta dos fundos da Prefeitura. Ele temia os traídos, correligionários que ansiavam pelo emprego prometido em campanha. Eduardo Cesar traiu o partido ao qual se filiou, traiu o PT e o eleitorado. Faz exatamente o contrario do que havia prometido em campanha.
Paulo Ramos não pensava em conseqüências ao promover a gastança do dinheiro publico. Comprou um Passat importado para suas viagens. Eduardo Cesar não tem mais dinheiro para suprir as demandas sociais do governo e fala em tom de baixaria, acusando a oposição, a quem culpa por sua própria falta de capacidade gerencial.
Não existiriam dois lados se não tivesse um, porém tanto Paulo, quanto Cesar se completam. O desgoverno atual é de continuidade. Representa aquilo que temos de pior na política de Ubatuba. Parece coincidência, mas até mesmo na história do Império Romano o CESAR perseguia quem se opunha à sua política e por isso Herodes quase sacrificou Jesus Cristo. Aqui é o Ramos quem ainda manda, pois seu time esta bem armado e estão todos lá com suas atribuições cumprindo o papel da política da “farinha do mesmo saco”.


Gerson Florindo de Souza
Vice-Presidente do PT de Ubatuba, Diretor do Sindicato dos Bancários de Taubaté e Região, membro do Núcleo Municipal do Plano Diretor Participativo de Ubatuba

Cidadania

Reconhecimento de Culturas Tradicionais

Preocupado com as adversidades enfrentadas pelas comunidades tradicionais de Ubatuba, o Vereador Charles Medeiros encaminhou ao Executivo Federal documento solicitando a criação de estudos para a elaboração de um programa de reconhecimento das culturas tradicionais brasileiras.
Para o vereador, muitas oportunidades são perdidas por conta do não reconhecimento de comunidades tradicionais, um exemplo em Ubatuba é a questão do parque e outros locais que ainda não receberam benefícios por conta de não serem reconhecidos, como acontece na Praia do Perez em relação à implantação do programa federal de extensão de rede elétrica.
No estado do Rio de Janeiro, segundo Charles Medeiros, existe uma lei que mais se aproxima das necessidades das comunidades tradicionais, ela dispõe sobre a permanência de populações nativas residentes em unidades de conservação. Lá o executivo estadual, para minimizar os conflitos dentro de áreas de parques e reconhecer a tradicionalidade do povo criou em abril de 95 uma lei que resguarda e reconhece a população nativa.
A lei assegura aos nativos o direito real de uso das áreas em unidades de conservação, desde que dependam dela para sua sobrevivência, garante ainda a transferência apenas aos descendentes diretos. Como contrapartida eles participam de recuperação, preservação, defesa e manutenção do local. Os mecanismos de proteção não só protegem as unidades de conservação como as populações nativas, utilizando-se ferramentas que possam compatibilizar a melhoria da qualidade devida da população beneficiada.
Existem várias Comunidades de Culturas Tradicionais no Brasil, em havendo reconhecimento destas comunidades, existe a possibilidade real da mudança, para melhor, da qualidade de vida destes cidadãos, assim como acontece com as comunidades quilombolas e indígenas, comenta o vereador.
“Solicitamos urgência na elaboração deste programa, pois cada localidade tem sua particularidade, e tem que ser respeitada, nossas comunidades poderão ser amplamente beneficiadas, queremos realmente a valorização de Ubatuba como ente federado”, afirma Charles Medeiros.

Fonte: Assessoria Charles Medeiros

Fundart

PROGRAMAÇÃO
Março - 2007

02 e 03 - SEXTA / SÁBADO
NEVERSÁRIO DO NERSO
Salão de eventos da Igreja
São Francisco - 20h
NERSO DA CAPITINGA

02 a 18
VI EXPOSIÇÃO DO DIA
INTERNACIONAL DA MULHER

Sobradão do Porto - Seg. a Sexta das 8 às 12h.
e das 14 às 18h. Sab. E Dom. das 16 às 22h.
Participação: Quarteto SAIA JUSTA

03 - SÁBADO
APRESENTAÇÃO MUSICAL

Maranduba - 20h
Apresentação da Banda Sinfônica
Lira “PADRE ANCHIETA”

10 - SÁBADO
HOMENAGEM AO DIA
INTERNACIONAL DA MULHER
FUNDART - 20h
Apresentações Musicais:
Quarteto Saia Justa, Canoá,
The Power Grils, Grupo Solsticio Maior

17 - SÁBADO
APRESENTAÇÃO MUSICAL
Igreja Exaltação à Santa Cruz - 20:45h
Quarteto SAIA JUSTA

18 - DOMINGO
APRESENTAÇÃO MUSICAL
Associação Abaetuba do Ipiranguinha - 16h
SEXTETO CAIÇARA

18 - DOMINGO
APRESENTAÇÃO MUSICAL

Praça Exaltação à Santa Cruz - 21h
Retreta “MAESTRO PEDRINHO”


24 - SÁBADO
SARAU CAIÇARA

FUNDART - 20h
Apresentações Culturais / Musicais

24 - SÁBADO
APRESENTAÇÃO MUSICAL
FUNDART - 20h
Grupo TUPINAMBRÁS

31 - SÁBADO
SERESTAS E SERESTEIROS

Sobradão do Porto - Auditório - 20h

PRESTIGIE O ARTISTA DE UBATUBA

Adquira e indique obras da Praça das Artes Plásticas.
DE QUINTA A DOMINGO, A PARTIR DAS 15H.
Praça das Artes Plásticas
Av. Iperoig – Centro
Grupo Setorial de Artes Plásticas da FUNDART

PARTICIPE DAS REUNIÕES DOS GRUPOS
SETORIAIS DA FUNDART

01 - QUINTA FEIRA
Grupo Setorial de Folclore

FUNDART - 18:30h

05 - SEGUNDA FEIRA
Grupo Setorial de Fotografia, Cinema e Vídeo
FUNDART - 18:30h

07 - QUARTA FEIRA
Grupo Setorial de História e Geografia
FUNDART - 18:30h

12 - SEGUNDA FEIRA
Grupo Setorial de Artes Senicas de Dança
FUNDART - 18:30h

30 - SEXTA FEIRA
Grupo Setorial de Artes Plásticas

FUNDART - 18:00h
Fonte: Eventos Fundart

Manchetes do dia

Quinta-feira, 01 / 03 / 2007

Folha de São Paulo:
"PIB de Lula empata com o de FHC"
O PIB brasileiro cresceu 2,9% em 2006, segundo o IBGE. A expansão média foi de 2,6% ao ano no primeiro governo Lula, igual à da primeira gestão FHC (95-98). No segundo governo tucano (99-2002), a expansão média da economia foi menor: 2,1%. Em oito anos de governo do PSDB, o Brasil cresceu 2,3%, em média. O país cresceu em 2006 menos que a média mundial _5,1%, segundo projeção do FMI.


O Globo:
"Brasil cresceu em 2006 metade da média mundial"
O espetáculo do crescimento prometido pelo presidente Lula não aconteceu. O IBGE divulgou ontem uma expansão, em 2006, de apenas 2,9% do Produto Interno Bruto (PIB), quase metade da média mundial de 5,1%. Com o resultado, o governo Lula ficou com 2,6% de média de expansão do PIB em quatro anos, exatamente a mesma do primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso. Entre os emergentes, o Brasil só não teve, de novo, pior resultado do que o Haiti, devastado pela guerra civil. O investimento e o consumo das famílias, graças a ganhos salariais e a oferta maior de crédito, puxaram a economia no ano passado, mas as importações impediram um resultado melhor. O presidente Lula disse que desejava um crescimento maior, mas que, ao menos, a economia agora está "arrumada". A oposição criticou o resultado.


O Estado de São Paulo:
"Brasil cresce só 2,9%, bem abaixo da média mundial"
O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 2,9% no ano passado, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. O resultado superou um pouco as estimativas do mercado, que eram de 2,7%, e foi puxado pelo crescimento do consumo das famílias (3,8%) e pelo investimento (6,3%) - itens que estão em ascensão há três anos, diz o coordenador de contas nacionais do IBGE, Roberto Olinto. O consumo foi estimulado pelo crescimento da massa salarial (5,6%). O desempenho do quarto trimestre foi o melhor, o que aponta para retomada em 2007, mas ainda sem garantir a expansão de 4,5% a 5% esperada pelo governo - as projeções do mercado são de aumento do PIB entre 3,5% e 4% para este ano. Com a taxa de 2006, o crescimento médio do PIB brasileiro no primeiro governo Lula foi de 2,6%, idêntico ao do primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso. Nos últimos quatro anos, contudo, aumentou a diferença entre o crescimento brasileiro e o da economia mundial. A estimativa para a média mundial é de 5,1% em 2006. Para o conjunto dos países emergentes, o Fundo Monetário Internacional estima um crescimento de 6,5%.


Jornal do Brasil:
"Até o próximo João Hélio"
Os menores assassinos obtiveram ontem mais uma vitória no Senado. A Comissão de Constituição e Justiça engavetou de novo o exame do projeto que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos. Foi criada uma comissão dentro da comissão para discutir o assunto por um período de 45 dias. Na prática, foi uma manobra dos senadores que não querem ver o projeto aprovado. Demóstenes Torres, relator do texto, ficou irritado com a artimanha: "Desconfio dessas teses que querem colocar na pobreza a culpa pela criminalidade. Se a pobreza fosse responsável pelo crime, não teríamos deputados e senadores ladrões".

quarta-feira, fevereiro 28, 2007


Editorial

Fuzuê

Esse é o termo que melhor expressa o que aconteceu ontem na Câmara. Antes de ir ao cerne da questão, fica evidente a necessidade de um plenário mais amplo. Ubatuba está crescendo. A democracia está evoluindo, o que significa maior interesse do povo. Está na hora de construir instalações adequadas à realidade, uma casa de leis que possa abrigar os contribuintes. É direito do povo saber o que fazem os seus representantes. Com um mínimo de conforto. A noite estava quente e abafada, sem uma brisa sequer para movimentar as folhas das árvores, quietas como velhas beatas em missa solene. Isso do lado de fora do hospíc..., ato falho, da Câmara. Dentro a coisa fervia. Parecia inferninho da rua Augusta de outrora, quando Clodovil alfinetava o Denner. A sessão começou com a casa lotada, muito calor e muito barulho. Depois da praxe inicial, do discurso da Bruxinha e das desculpas do Doutor Ricardo, entrou em votação o pedido de cassação do mandato do vereador Jairo dos Santos e em seguida do prefeito Eduardo César. Cassação de prefeito constitui terrível quebra de protocolo. Guardadas as distâncias é uma espécie de regicídio. Oliver Cromwell, herói da Inglaterra carrega uma mácula perpétua na reputação. Jamais será perdoado pela morte de Carlos I. Rei é rei, pode ser preso, exilado, odiado, mas não pode ser executado. Cassar um prefeito é equivalente a matar um rei. Não fiquem bravos comigo, eu não crio os costumes, apenas relato. O prefeito ocupa hoje o lugar do rei no imaginário popular. E também no imaginário das cortes que apreciam seus atos. É difícil derrubar um prefeito, ainda que o sinal tenha sido avançado. É dificílimo derrubar um prefeito na casa das leis. Ontem não foi diferente. Alguém me falou de provas contundentes que não poderiam ser ignoradas. Eu respondi dizendo que o pedido não seria apreciado tecnicamente. Bingo. Acertei na mosca. Foi uma queda de braço política, que o prefeito venceu por sete votos a três. Charles Medeiros, Edílson Félix e Jairo dos Santos votaram pela cassação. Houve um certo vacilo da base aliada, é prudente colocar as barbas de molho. O fuzuê aumentou com a manifestação ruidosa da platéia que não gostou do resultado. Houve um incidente com o vereador Edílson Félix, que passou mal e teve de ser retirado às pressas. Enfim, estamos vivendo momentos nada alvissareiros. De um lado a administração, acuada por denúncias e pedidos de afastamento de seu titular e assessores. Do outro lado, a oposição colocando lente de aumento em cada ato do governo, buscando, procurando e sendo alvo de represálias jurídico-administrativas de eficácia duvidosa. No meio a população assustada com a epidemia de Dengue, obras inconclusas e promessas que nunca se concretizam. Dias melhores virão quando a população entender que votar é importante e que o voto não pode ser trocado por camisetas e alguns reais. Em dois mil e oito vamos pensar em algo novo, capaz de trazer Ubatuba para o século XXI. Está na hora.

Sidney Borges

Epidemia



Sobre a Dengue

Coisas da vida. Percepção e falta dela podem ser decisivas, não é mesmo? Às vezes a visão política errada e o medo de admitir um problema podem atrapalhar tomadas de decisão que vão refletir direta ou indiretamente na vida de toda uma população. Vivemos atualmente uma epidemia de dengue. Ela está batendo à porta de cada um de nós e de forma galopante. Alguém em Ubatuba não conhece pessoa próxima que tenha tido dengue nos últimos dias? Esta é uma medida fácil de entender. Se o leitor não conhece ninguém que tenha tido, pode parar de ler agora. Epidemias requerem sistemas de saúde, sanitários e de controle de zoonoses eficientes e com metodologia padronizada. Infelizmente este não parece ser o caso de nossa cidade cuja Santa Casa está absolutamente à míngua. Não que os trabalhadores públicos do setor de saúde não sejam dedicados. O problema está na gestão destas questões. É como uma guerra. Quem se organiza melhor e trabalha duro tem mais chance de vencer. Diagnóstico e estratégia de ação são ferramentas fundamentais . Estou escrevendo estas linhas sem qualquer conotação política mas como cidadão. Cidadão que há um ano e 2 meses atrás ofereceu gratuitamente à cidade na pessoa de seu secretário de saúde, um método moderno e eficaz de diagnóstico e combate à dengue. Naquela época, entre Natal e Reveillon de 2005/06, tive a grata felicidade de receber em Ubatuba 2 grandes amigos, irmãos de sangue entre si. Dizem que intelecto não é genético, mas em certas situações tenho que discordar. Este parece ser um caso. Dois irmãos de uma mesma família, ambos cientistas brasileiros reconhecidos internacionalmente. O primeiro, Carlos Alberto Eiras Garcia, Físico e Oceanógrafo, foi Reitor da Universidade Federal do Rio Grande e uma espécie de padrinho para mim no início de minha vida acadêmica. Me recebeu em sua casa e ela me confiou enquanto se afastava do país para um Doutorado na Inglaterra. O segundo, irmão mais novo, Álvaro Eiras Garcia, Biólogo, professor titular da Universidade Federal de Minas Gerais parece ter seguido a veia da família e na ocasião estava por concluir seu Doutorado, justamente sobre o nosso flagelo: Aedes aegypti. Álvaro e seus colegas de equipe inventaram um método simples e revolucionário de monitoramento e controle da dengue que se baseia na captura sistemática dos mosquitos em armadilhas (que se utilizam de um atrator sexual) estratégicamente colocadas pela cidade e que dão ao gestor de saúde, através de um moderno programa de computador, informações estratégicas para a concentração das “tropas” na guerra contra a dengue. Com este monitoramento, o gestor de saúde localiza os focos e concentra as ações educativas, de campo e médicas. Naquele momento, como teste metodológico para comprovar sua tese financiada pelo Governo Federal, Álvaro tinha que eleger 10 cidades para testar gratuitamente a metodologia e comprovar sua eficácia. Dentro mais uma vez de uma visão estratégica, era sua intenção priorizar cidades turísticas pois são focos disseminadores deste tipo de doença. Recebemos aqui, milhares de visitantes por ano oriundos de outros locais. Estas pessoas se contaminam ou até dentro de seus automóveis transportam os mosquitos e chegam às cidades de origem “carregando” o problema. Uma cadeia de contaminação. Me perguntou se eu tinha contato com a Prefeitura e se achava que haveria interesse. Me prontifiquei imediatamente e contatei o Secretário que não demonstrou nenhum interesse. Uma pena. De qualquer forma, pela urgência do assunto acho que nunca é tarde para corrigir erros, ainda mais um deste tamanho. Infelizmente, acho que o método não é mais disponível de graça. Os pesquisadores patentearam o método, montaram uma empresa que já foi premiada internacionalmente e ao lado de Bill Clinton da Microsoft, foram à Califórnia receber um prêmio conceituado pelos benefícios à humanidade (visitem o site :
www.midengue.com.br ) Acontece que o método também é aplicável à malária, doença de veiculação semelhante e que é a campeã absoluta de mortalidade no mundo, deixando outros flagelos como a Aids para trás. Tenho orgulho deste meu amigo. Um brasileiro e tanto. Se pararmos para pensar nos prejuízos à saúde e financeiros pela sobrecarga do sistema de saúde e pela fuga dos turistas de zonas contaminadas, devemos imediatamente nos mobilizar contra esta doença. Em minha empresa já são 1 funcionário e 1 estagiária contaminados e outros com certeza estão por vir. Esperar por uma segunda infecção é alarmante.Depois de contaminado uma vez, o que fazer? Mudar de cidade ou agir? Como cidadão, me coloco à disposição para ajudar o atual secretário de saúde no que preciso for, incluindo contatar novamente meu amigo. De qualquer forma, todos devemos nos mobilizar. A asa do vizinho turista que está fechada pode ser um foco. Atenção especial às que tem piscinas sem manutenção, vasos, calhas que acumulam água, embarcações que não foram devidamente drenadas ao serem guardadas, etc. Estratégia, mobilização e organização são as palavras de ordem. Podem contar comigo, com o Aquário de Ubatuba e com o PSDB no que for preciso.

Hugo Gallo

PV (Denúncia)


Ao
Exmo. Sr. Deputado Federal Fernando Paulo Nagle Gabeira

Ref.: Denúncia sobre utilização indevida da imagem do Partido


Exmo. Sr. Gabeira,


Na última semana, em Ubatuba (município do litoral norte dos Estado de São Paulo), nós cidadãos, fomos surpreendidos com a distribuição de um complexo homeopático, o qual, destinava-se à imunização da Dengue. O texto do folheto explicativo (cópia acima) afirmava que todas as pessoas, contaminadas ou não, poderiam utilizar-se desse complexo.
Surpreendentemente o doador desse complexo é o atual Presidente da Câmara Municipal de Ubatuba, Sr. Ricardo Cortes, o qual atua, também, como médico na clínica UBACLIN e na Santa Casa de Ubatuba.
Apesar de as medidas iniciais terem sido tomadas pela Vigilância Sanitária (Estadual e Municipal), no que tange ao recolhimento das doses do referido complexo, considero que V.Exa. na qualidade de representante do Partido Verde deva tomar conhecimento de mais alguns dados da presente denúncia, para a sua avaliação.
No folheto, já citado, foi indicado o endereço eletrônico
http://drricardocortes.com.br, para que informações adicionais sobre o referido complexo pudessem ser apresentadas. Como tal endereço não conduzia a nenhuma página optei por efetuar uma pesquisa no Google. Dessa pesquisa obtive o seguinte endereço válido http://www.drricardocortes.com.br/contato . Além de uma belíssima paisagem de nosso município, percebi que o logotipo do Partido Verde é apresentado em todas as páginas do site.
Tendo em vista que o Sr. Ricardo Cortes não mais representa o Partido Verde pois, conforme o site
http://www.camaraubatuba.sp.gov.br/legislatura/vereadores.php o mesmo encontra-se atualmente no PP, considero que a utilização da imagem do PV é indevida e ilegal. Creio também que o PV não concorda com a utilização de seu nome em campanhas de distribuição de complexos medicamentosos de origem e eficácia duvidosa.
Cabe ressaltar que existe uma preocupação muito grande da população de Ubatuba com uma suposta epidemia de Dengue e que soluções como a apresentada pelo Sr. Ricardo Cortes podem levar a um prejuízo muito maior pois as pessoas infectadas podem abrir mão do tratamento convencional e ou não acreditarem que estão infectadas em função da pseudo imunização, hipótese esta que pode dar origem a uma interpretação errônea dos sintomas e a utilização de medicamentos, como o AAS, totalmente inapropriados para a doença em questão.
Por fim saliento que a presente denúncia, independentemente das demais medidas judiciais cabíveis, é apresentada à V.Exa. porque o Sr. Ricardo Cortes continua utilizando-se do nome do PV, mesmo após ter desligado-se do mesmo.
Aproveito, ainda, para cumprimentá-lo por sua atuação na qualidade de representante dos cidadãos e solicito-lhe que as providências cabíveis sejam tomadas para que a imagem do PV não seja denegrida e ou utilizada de forma inidônea.
À disposição para a apresentação de outras provas que possam ser necessárias, agradeço antecipadamente.

Atenciosamente,

Marcos Leopoldo Guerra

Ubatuba, 27 de fevereiro de 2007
(12) 3835-2137
(12) 3835-3923

Opinião

Falem mal, mas falem de mim

Paulo de Oliveira Barros
Parece ser este o lema que impera na Câmara Municipal de Ubatuba. Os nobres edis, com suas atitudes, nos fazem crer que não consultam os advogados que têm à disposição na casa, e por isso vivem cometendo erros um atrás do outro, tornando-se motivo de chacota na boca do povo. Não raramente aprovam "por unanimidade" leis esdrúxulas, inócuas, sem sentido, sem conteúdo, isentas de quaisquer benefícios para o município; outras, em flagrante contraste com leis anteriores em vigor, em confronto com leis estaduais e federais, aprovando até leis inconstitucionais que perdoam o ilegal, que dão anistia às obras irregulares, tornam válido e legal o oportunismo e o ilícito. Muito embora saibamos que o "lobo perde o pêlo, mas não perde o vício", devido também à falta de consultas jurídicas, 04 (quatro) deles estão às voltas com a Justiça, podendo ser cassados por improbidade administrativa, mesmo que, para sua defesa, se utilizem das falas do presidente Luiz Inácio Eu Não Sei De Nada Lula da Silva, e seus comandados, ou de outros meios e costumes pouco ortodoxos.
Em Ubatuba, tornou-se raro uma gestão sem envolvimento com o judiciário. É fácil notar o porquê. O posicionamento de alguns vereadores, faz dos advogados da Câmara Municipal, figuras decorativas, pois raramente são consultados. Ficamos aqui do "lado de fora", sem saber se esses profissionais liberais reclamam sem sucesso da dispensa e isolamento que lhes impõem o legislativo, ou simplesmente se calam, se acomodam, o que é pior, arriscando-se ao constrangimento pela inutilidade imposta ou pela culpa "in vigilando" e "in omittendo".
Quando acontecem fatos graves como os da vacina para dengue, "fabricada" pelo único laboratório do mundo que detém tal fórmula, localizado nesta cidade, de propriedade do médico, "cientista" e presidente da Câmara Municipal de Ubatuba, Dr. Ricardo Cortes, as notícias voam, os comentários se alastram e vem a pergunta: Porquê os advogados da Câmara não são consultados? Porquê um vereador, mesmo tendo um diploma de curso superior, mormente sendo médico, arrisca-se a cometer tamanho despautério, ter que aceitar a presença constrangedora e intimidadora da polícia, da fiscalização municipal, da vigilância sanitária e o fechamento mesmo que temporário de seu estabelecimento, sujeito ainda a passividade por crime contra a fé pública, usurpação de função pública, processo disciplinar por conduta anti-ética, dentre outros?
Na verdade, se formos olhar atentamente para a fotografia no jornal, para a tal vacinação gratuita em massa ali enfileiraram-se muitas pessoas, inclusive da classe média local, aparentemente cultas, com seus filhos e netos no colo que, com sua presença, por inocência ou por ignorância ou as duas coisas juntas, contribuíram para o embuste. Na verdade, são pessoas que só assistem a televisão e ouvem, mas não lêem. Se lessem, saberiam que ainda não foi fabricada em lugar nenhum do mundo, uma vacina para a dengue, a não ser, talvez, o tal laboratório. Aparecer na fotografia do jornal, acreditando na eficácia e imunidade da tal vacina é no mínimo constrangedor, dando corpo, aprovação e um ar de austeridade e seriedade às pretensões ilícitas do autor do desmando.
Prestem atenção, vem aí as eleições de 2008. FALEM MAL, MAS FALEM DE MIM! Este é o lema do baixo clero. O interesse próprio como objetivo principal. No entanto, existe um meio mais seguro que a justiça, que não raramente falha. Trata-se do voto. Se a justiça não cassa, o povo cassa.

Notícias da Prefeitura

Notícias do dia 28 / 02 / 2007
  • Prefeitura realiza novo mutirão contra dengue
  • Sertão da Quina recebe atividades para a Melhor Idade a partir de 5 de março
  • Unidade de Saúde da Família da Estufa I tem novo médico
  • Prefeito Eduardo Cesar participa de reunião sobre cruzeiros marítimos
  • Beach Soccer feminino de Ubatuba estréia com vitória no municipal de Caraguá
  • Natação de Ubatuba conquista bons resultados na abertura do Paulista de Águas Abertas
  • Ubatuba recebe Regata do Inverso neste sábado
  • Atletas de Ubatuba se destacam em Biathlon de Caraguá
Leia aqui

Manchetes do dia

Quarta-feira, 28 / 02 / 2007

Folha de São Paulo:
"China derruba Bolsas no mundo"
Os mercados de todo o mundo registraram quedas expressivas depois que a Bolsa de Xangai (China) desabou 8,84%. O efeito dominó atingiu a Ásia, a Europa, os EUA e os emergentes. A Bovespa caiu 6, 63%, e o risco-país subiu 12%, para 204 pontos. Em Nova York, o Dow Jones recuou 3,29%. As quedas foram as maiores desde a semana dos ataques de 11 de setembro de 2001.


O Globo:
"Número de homicídios cresce mais no interior"
Um estudo divulgado ontem mostra que a violência urbana, depois de atingir índices explosivos nas capitais e regiões metropolitanas do Brasil, está agora se espalhando rapidamente pelo interior do país. O Mapa da Violência dos Municípios Brasileiros revela que, entre 1999 e 2004, as taxas de homicídios cresceram 5,4% por ano nas cidades do interior, contra 0,8% nas áreas metropolitanas. Em 2004, os 556 municípios com as mais altas taxas de homicídios registraram 81,9% das mortes de jovens entre 15 e 24 anos, e 96,6% dos assassinatos ao se levar em conta a população como um todo. O Estado do Rio tem 42 cidades nesta relação de 556, sendo que, proporcionalmente ao número de habitantes, Itaguaí é a quarta, e Macaé a quinta cidade do país com mais jovens assassinados. O Estado do Rio tem ainda 49 cidades entre as 556 com mais homicídios por armas de fogo.


O Estado de São Paulo:
"China derruba mercados mundiais"
A Bolsa de Xangai despencou ontem quase 9%, maior queda em uma década, e arrastou o mercado acionário mundial. O impacto foi especialmente forte na Bolsa de São Paulo, que caiu 6,63%. E Nova York, a baixa foi de 3,24%, a maior em cinco anos, e a Nasdaq recuou 3,86%. Houve quedas fortes também na Europa, na Ásia e no restante da América Latina. Segundo analistas, dois fatores determinaram o movimento. O primeiro é o receio de que a economia chinesa se desacelere - nos últimos seis anos, o PIB do país se expandiu a 10% ao ano e foi o principal motor da economia mundial; na próxima semana a Assembléia Popular Nacional chinesa se reúne e teme-se por suas decisões econômicas. O segundo fator é o medo de que haja uma bolha no mercado acionário chinês - o Índice Xangai Composto teve 130% de alta no ano passado. A colunista Sonia Racy informa que os mercados reagiram ainda á decisão chinesa de investigar atividades ilegais com ações e à divulgação de que a economia americana está enfraquecendo. Títulos e moedas de países emergentes também se desvalorizaram.


Jornal do Brasil:
"Três vidas por R$ 2 mil"
Társio Wilson Ramirez era tratado como um filho pelo casal francês Christian Doupes e Delphine Duyére, que conhecia há uma década. Era amigo, ainda, do também francês Jerôme Faure. Ontem de manhã, matou os três a facadas no prédio em que moravam na Ronald de Carvalho, em Copacabana. Pagou R$ 2 mil peara que dois outros criminosos o ajudassem. Társio era coordenador de um projeto de dança da ONG dirigida pelo casal, Terr'Ativa, da qual havia roubado R$ 80 mil.

terça-feira, fevereiro 27, 2007


Política

Os dois “pês” da Política

A Administração pública não pode agir, nem deixar de agir, senão de acordo com a Lei (princípios administrativos do interesse público e da moralidade)

Dobrando como as canas


Marcelo Pascoal Mungioli
Na maioria das atividades humanas, a experiência conta muitos pontos. São as chamadas “horas de vôo”, que fazem com que o “ator de um determinado drama” mantenha-se calmo diante de uma situação totalmente adversa, daquelas em que o mundo desmorona na sua frente. Mas é na política e nos negócios, onde a experiência conta muito, vez que situações limites se apresentam com muita frequência. É a experiência que vai permitir ao “ator” manter-se calmo, equilibrado e racional.
Na política, o correto é evitar a todo custo situações limite, vez ser esta a “arte da negociação”, do consenso. O adversário (no plano das idéias) de hoje pode ser o aliado estratégico de amanhã. O interesse maior da política é (ou deveria ser) o bem comum. Já nos negócios, situações limite apresentam-se, muitas vezes, como oportunidades, pois o que se busca é lucro (objeto imediato de qualquer sociedade empresarial), melhores posições ou mesmo, a completa destruição da concorrência.
Mas existem momentos em que estas duas lógicas, totalmente opostas, podem tocar-se.
Leia mais

Whyz quer a verdade



O Universo está de olho...

Parece um toco de giz com um alfinete em cima e dois percevejos ao lado, colocado sobre um cinzeiro de cabeça para baixo. Só parece, na verdade é um comunicador intergaláctico de 300 zilhões de gigas, com o qual me conecto à dimensão Whyz. Acabo de receber de lá um pedido de informações. Querem saber detalhes da sessão da Câmara de hoje. Relato completo, com fotos e o escambau. Há estranhos rumores sobre um pedido de cassação do prefeito. Será? Não seja pego de surpresa, vacine-se contra o inusitado. Vá à Câmara hoje à noite. Os baixinhos verdes de Whyz perguntam sobre o Góis. Está com Dengue. Bobeou, podia ter aproveitado a vacinação gratuita. Antes eram nove casos comprovados, como deu no rádio. Com o pujante homem de imprensa são dez. Xô Aedes, vá voar em outras plagas coisa ruim... (Sidney Borges)

Luiz Inácio prometeu...

Adiamentos

Na campanha eleitoral, Lula disse que desejava realizar uma reforma ministerial em novembro, compondo rapidamente com os aliados. Adiou as mudanças para dezembro. Falou publicamente que as realizaria em janeiro. Depois, em entrevista, afirmou que aguardaria a eleição para as presidências das Câmara e do Senado, que aconteceriam em 1º fevereiro.
Terminadas as eleições, adiou a reforma para depois do Carnaval. Agora, o novo prazo é o começo de março, na versão de alguns, e o final da primeira quinzena, na de outros. Contrariado, um peemedebista do grupo neolulista, que tenta realizar a reforma antes da convenção do partido, diz: "Talvez ela faça a reforma em 1º de abril [dia da mentira]".
A frase é um sinal de que a confiança na palavra do presidente poderá sair bastante abalada da reforma. O principal trunfo do presidente para acalmar sua base aliada é uma caneta com tinta até o topo e o "Diário Oficial" da União à espera da publicação dos novos ministros. Quem ficar descontente com a perda de um ministério aqui, pode ganhar uma suculenta estatal ali.
O tempo dirá se o risco Lula causará grandes prejuízos ou se, no final, ele se sairá bem da tarefa de montar sua nova equipe sem contar com a ajuda de ministros como José Dirceu e Antonio Palocci. (Waldo Cruz)

Editorial

Ionesco é fichinha...

Hoje à noite o programa é assistir in loco a sessão da Câmara Municipal. A cidade aguarda ansiosa por explicações sobre o fiasco da “Vacinação contra a Dengue”. Sou partidário da tese de que para toda ação humana há uma intenção motivadora. Hoje saberemos detalhes. Isto é, se algum dos senhores vereadores perguntar. Nossos bravos edis podem não estar totalmente inteirados, ocupados que estão na labuta diária em prol de uma cidade melhor. O povo sabe de tudo e no ano que vem vai se manifestar. Nas urnas. Por falar em vereadores, a comissão que investiga a crise da Santa Casa ainda não tem números para a imprensa. Segundo Charles Medeiros, que preside os trabalhos, existe a necessidade de aporte de perto de três milhões de reais para sanar dívidas contraídas após a intervenção da Prefeitura. Ele pediu que aguardássemos detalhes, afirmando que parte da dívida total é administrável, podendo ser negociada. Vamos continuar esperando. Até abril a comissão deverá ter um parecer definitivo e os números serão publicados. Para finalizar reitero o convite. Hoje à noite, na Câmara Municipal de Ubatuba, sensacional e reveladora sessão em que tudo o que você sempre quis saber sobre vacinação, mas tinha medo de perguntar, virá à luz. Ainda que falte luz.

Sidney Borges

Manchetes do dia

Terça-feira, 27 / 02 / 2007

Folha de São Paulo:
"Lula oferece vantagens e Uruguai fica no Mercosul"
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi ao Uruguai e provocou um recuo da intenção do governo do país de fazer um tratado de livre comércio com os EUA, informa Eliane Cantanhêde. Na visita, 12 dias antes da chegada do presidente George W. Bush, Lula propôs um generoso pacote de vantagens ao país vizinho. Para Lula, o acordo com os EUA feriria as normas do Mercosul.


O Globo:
"Sem conservação, marquise cai e mata 2 em Copacabana"
Peritos da Polícia Civil revelaram que a queda da marquise do Hotel Canadá, em Copacabana, às 11h de ontem, foi provocada por excesso de peso. Para o presidente do Crea-RJ, Reynaldo Barros, que vistoriou o local ontem, a conservação da marquise era inadequada e o excesso de peso foi provocado por alguma obra antiga para conter infiltração. O desabamento matou duas mulheres e feriu nove pessoas na calçada. O Corpo de Bombeiros calculou que a estrutura, com cerca de 15 metros de extensão, desmoronou com um impacto de duas toneladas. O trânsito no local ficou interditado por três horas e meia. A Defesa Civil do município descobriu que 30% das 900 marquises já vistoriadas este ano no Rio ofereciam perigo.


O Estado de São Paulo:
"Lula cede para Uruguai não rachar Mercosul"
Em um encontro de seis horas com seu colega uruguaio, Tabaré Vázquez, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou ontem três acordos, comprometeu-se com parte da construção de uma ponte na fronteira e conseguiu arrancar uma declaração de que o Uruguai não sairá do Mercosul. Um dos grandes temores da diplomacia brasileira é que os uruguaios abandonem o bloco econômico regional, se levarem adiante a intenção de assinar um acordo comercial com os Estados Unidos. Na prática, os uruguaios poderão receber algumas concessões dos americanos, mas não chegarão a assinar com eles um tratado de livre comércio - o que significaria sua saída do Mercosul. Em troca, o Brasil fez concessões, como considerar nas negociações do Mercosul a necessidade de o Uruguai ampliar seus mercados. Lula também assinou acordos que facilitam investimentos brasileiros no Uruguai, um deles para a produção de biocombustíveis. O encontro Lula-Vázquez ocorre a menos de duas semanas da visita do presidente americano, George W. Bush, aos dois países. Vázquez e Lula se encontraram na residência rural do presidente uruguaio, perto da cidade de Colônia.


Jornal do Brasil:
"Marquise desaba e mata duas mulheres"
A marquise do Hotel Canadá, na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, desabou sobre 14 pessoas ontem de manhã. Duas senhoras morreram esmagadas. Levantamento da Defesa Civil constatou que quase 60 por cento das marquises dos prédios do Centro, Copacabana e Tijuca estão em más condições e oferecem risco à população.

segunda-feira, fevereiro 26, 2007

Representantes do povo...

Justiça afasta oito vereadores do Guarujá acusados de receber "mensalinho"

da Folha Online
O Tribunal de Justiça de São Paulo determinou nesta segunda-feira o afastamento de oito vereadores da Câmara do Guarujá, no litoral paulista, acusados de participar de suposto esquema de corrupção que ficou conhecido como mensalinho.
Nilson de Oliveira Fontes (PMDB), Marcos Evandro Ferreira (sem partido), Mario Lucio da Conceição (sem partido), Joaci Cidade Alves (PTB), Honorato Tardelli Filho (sem partido), Sirana Bosonkian (PDT), Helder Saraiva de Albuquerque (PP) e Gilson Fidalgo Salgado (PMDB) foram denunciados pelo Ministério Público por supostamente terem recebido pagamentos mensais para aprovar projetos de lei de interesse da prefeitura.
Em outubro passado eles já haviam sido afastados pela Justiça do Guarujá, mas recorreram ao Tribunal e conseguiram suspender a decisão inicial. Com isso, os vereadores puderam voltar à Câmara até o julgamento do recurso, o que ocorreu hoje.
Em decisão unânime, os desembargadores do tribunal entenderam que o afastamento foi necessário para "assegurar a confiabilidade na produção das provas do processo".
Na mesma sessão, os desembargadores negaram o pedido do Ministério Público que pedia o afastamento do prefeito, Farid Said Madi (PDT). Segundo sua assessoria, o prefeito não vai se manifestar sobre o caso.
A assessoria de imprensa da Câmara informou que os vereadores ainda não foram notificados oficialmente da decisão e, por isso, não vão se pronunciar.

Um fundo de verdade...

Chávez bate forte no jornal "O Globo"

O presidente Hugo Chávez, fez duras críticas ao jornal "O Globo" durante entrevista coletiva neste sábado, ao responder a uma pergunta de um repórter da publicação brasileira sobre o destino de uma televisão e um diário de Caracas. "Dou as boas-vindas a você como cidadão sul-americano. Não dou boas-vindas é ao 'O Globo'", começou dizendo Chávez. "Estão te pagando para você dizer coisas, em função da oligarquia brasileira, que é o plano do império dos Estados Unidos. Tristemente você pode acabar como um cachorrinho do império (...) escrevendo o que seus donos, do jornal 'O Globo', querem que você diga", afirmou o governante.
Sobre "O Globo", Chávez reiterou que seus proprietários "são da mais rançosa extrema direita" e "vem agredindo há anos a verdade, o povo venezuelano, a mim, chegando a sabotar a integração com o Brasil". O presidente venezuelano lembrou que seu colega brasileiro, Lula da Silva, recentemente disse que os dois eram agredidos pela imprensa de seus países e que "O Globo" foi o maior representante da "imoral agressão contra Lula e contra o Brasil", ao supostamente ter sugerido que ele ordenasse um ataque militar ou uma invasão armada à Bolívia. "É o que queriam os donos d'O Globo', que fazem parte da feroz oligarquia que aplaudiu" quedas de presidentes e reúne pessoas que "roubaram, saquearam e abriram as portas aos gorilas e ao império". "Não têm ética nenhuma", afirmou Chávez. Uma ditadura é o que há em meios de comunicação como 'O Globo'".
Fonte: Ex-Blog do Cesar Maia
 
Free counter and web stats