sábado, janeiro 21, 2006

Jorge

Diálogos II

Sidney

"A Prourb já ter assinado..." Deve ser "exagero" da tal notícia. Usaram para dar maior impacto. Vai ver, ela nem existe ainda. Vamos aguardar! Quanto a cobrança Sidney, você tem razão. Fiquei surpreso com a volta. Muitos me perguntam (e questionam) e não sei responder. Oficialmente a empresa não promoveu qualquer assembléia e não sofreu nenhuma auditoria ou organização interna que desse embasamento para a volta da tal cobrança. E extra oficialmente, o que é oficial não existe. A publicação e a divulgação de balanços e balancetes é obrigação formal das S/A. Para a COMTUR, devido ao histórico das acusações anteriores, além de formal, é também moral. Penso que (novamente) não pensam, que a empresa é um S/A. Quero crer, que estas ações, tratam-se do resultado de uma mistura de doses de boa vontade com garrafões de ingenuidades. O resultado é como assistir ao mesmo filme várias vezes. Alguém me contou que pediu, mas não recebeu, nota fiscal da cobrança da tal zona azul; pior que pagou o estacionamento duas vezes. Uma para a zona azul e a outra para o flanelinha "cadastrado" que (praticamente) o coagiu a desembolsar mais R$ 5,0 (com papelão). Que papelão!

Ronaldo Dias

Opus Dei (A Obra de Deus)

O governador e a Obra

Geraldo Alckmin, pré-candidato à Presidência pelo PSDB, recebe formação cristã do Opus Dei em encontros noturnos no Palácio dos Bandeirantes
O governador paulista, Geraldo Alckmin, é um dos políticos brasileiros com ligações mais estreitas com a Obra. Elegeu Caminho, o guia escrito pelo fundador Josemaría Escrivá, como seu livro de cabeceira. 'Acostuma-te a dizer que não' é um dos ensinamentos que mais aprecia, conforme contou em entrevistas à imprensa. Um popular sacerdote do Opus Dei, o padre José Teixeira, foi seu confessor. Nos últimos anos Alckmin tem recebido formação cristã no Palácio dos Bandeirantes de um influente numerário, o jornalista Carlos Alberto Di Franco. 'Laboriosidade' foi o tema de um dos últimos encontros.
Continua

Desejos explícitos...

COMTUR

Ao tomar conhecimento de um inquérito civil do Ministério Público que questiona a legalidade da cobrança da zona azul nas praias de Ubatuba, o prefeito eleito Eduardo César decidiu, ontem, dia 1º de janeiro, em seu primeiro ato administrativo, suspender temporariamente a cobrança do estacionamento nas praias Grande, Tenório, Lagoinha e Maranduba.

“Não podemos iniciar nossa administração repetindo os erros dos nossos antecessores, e o que é pior, praticando atos ilegais, já que a lei 1679/97 que criou a cobrança em estacionamentos públicos não foi devidamente regulamentada”.
“O nosso turista, ao pagar pelo estacionamento, deveria receber algum tipo de benfeitoria”.
“Ainda na condição de vereadores participamos – eu e o Domingos, meu vice – da CPI da Comtur e verificamos que além de grandes dívidas, os procedimentos adotados nessas cobranças não permitem um controle eficaz, o que pode favorecer a corrupção – prática que vamos combater do primeiro ao último dia do nosso governo”.

Eduardo César, prefeito de Ubatuba, em janeiro de 2001. Trecho de matéria publicada no Ubatuba Víbora com chancela oficial.


Porque o senhor reativou a cobrança de estacionamento nas praias, apesar de ter se posicionado contra desde a época em que era vereador?


César - Nunca fui contra a cobrança, mas da maneira como ela era feita. A Praia Grande sempre estará lotada cobrando R$ 1 ou R$ 10 pelo estacionamento. Porém, assumi a prefeitura com a Comtur devendo R$ 2 milhões. A empresa era um cabide de empregos políticos. Faziam o que queiram dela. A CPI deixou claro isso. Quando assumimos pretendíamos acabar coma empresa, mas isso não foi possível juridicamente. Decidimos conversar como os acionistas e retomar a cobrança até que consigamos pagar as dívidas. O acordo com os acionistas vale por dois anos, depois de quitar as dívidas aplicaremos o dinheiro na infra-estrutura turística. Acho a cobrança justa desde que ocorram benefícios para o turista e para a população.

Eduardo César, prefeito de Ubatuba, em entrevista ao jornalista Salim Burihan do jornal Vale Paraibano, publicada hoje.

Perguntas

A lei foi regulamentada?
Existe o controle eficaz que impede a corrupção? Se existe, gostaríamos de publicar para esclarecer nossos leitores.
Quais são as benfeitorias que o turista que pagava não recebia e agora certamente está recebendo?

Sidney Borges

Ainda a terceirização da merenda

A propósito da audiência de ontem, recebi um telefonema de um amigo dizendo que os ânimos se exaltaram quando o público percebeu que não poderia se manifestar, o que é diferente do que eu escrevi. Discordo. Estive ao lado de dois opositores do processo que sabiam desde o começo que não poderiam falar e mesmo assim acompanharam e anotaram o que foi dito. Para uso posterior. O que eu não disse e digo agora é não aconteceu exatamente uma Audiência Pública para buscar soluções, mas sim uma exposição de intenção por parte da Prefeitura. Segundo o que notei a decisão está tomada. Privatizar ou privatizar. Tudo o mais são atenuantes, perfumaria, uma forma de dar “transparência” ao que é apenas translúcido. Já assistimos a filmes parecidos recentemente. Ciclofaixas e feirinha ripe são dois exemplos. É fundamental examinar atentamente as planilhas, comparar custos. Todo o processo deve ser revestido de absoluta e total transparência. “Glasnost”. No final deverá prevalecer o interesse da cidade. Ou isso ou mais uma interminável briga na Justiça.

Sidney Borges

Jardim em dia ensolarado...

Fábula III

Rogério Frediani
E a nossa cidadezinha... Coitadinha, cada vez mais abandonadinha. Na última história descrevemos o que aconteceu com o turista que veio passear na cidade e faleceu por falta de atendimento necessário. Nada foi dito. Ninguém sabe, ninguém viu. Abafa o caso. Não é cobrança, é satisfação. Os homens da "Casa" estão de férias e ninguém tomou nenhuma atitude para questionar o que realmente aconteceu com o visitante. Que situação para a cidadezinha. Mas não parou por aí. Agora temos mais novidades na pequena cidade belíssima. A merenda escolar será terceirizada. O espantoso é que dados fantasiosos estão sendo divulgados para sustentar a terceirização. Como me disse um homem sábio da cidade: "Uma fraude imensa", já que um dado chamou a atenção. Eram gastos R$ 0,32 por aluno, agora serão R$ 4,50. O que será que essas crianças irão comer? Porque o aumento foi tão grande? Quais são as diferenças entre essa merenda escolar e a antiga para esse aumento? Que providências estão sendo tomadas para essa mudança? Tomara que as criancinhas tenham uma saudável refeição. Pena da cidadezinha. Segundo o homem do saber, o "SH" da pequena cidade afirmou que de 45% a 53% das crianças não se alimentam na escola. Misericórdia! Qualquer educador que conhece a rede pública e estadual de ensino sabe que a maioria das famílias da cidadezinha possui baixa renda e que muitas vezes as crianças só se alimentam adequadamente nas escolas. Cerca de 80% dos alunos são carentes. É o abandono é a miséria.
Reina o nepotismo. "Vamos ajudar aos nossos". "Os outros, são sempre os outros". E assim termina nossa história, pobres daqueles que dependem da boa vontade de seus governantes. A minha pobre e querida cidadezinha...

Diálogos...

Caro Sidney,

Li, no Víbora, notícias da Praia Grande...

"...a Prourb e a Prefeitura já teriam até celebrado um convênio. Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura,...

Você conhece, ou já havia ouvido falar de Prourb?

Ronaldo Dias


Ronaldo:

Não tenho a mínima idéia. Qual será o significado da sigla Prourb? Imagino que tenha algo a ver com urbanização. Quem são os acionistas? Quais os trabalhos feitos? Há quanto tempo existe? Se a “empresa” assinou convênio com a Prefeitura, essas informações certamente são de conhecimento do governo. Seria bom divulgar. Uma forma de evitar especulações. Saiba, caro amigo, que a melhor arma contra a fofoca é a transparência. Por exemplo, agora que a COMTUR está faturando alto, seria o momento de tornar pública a contabilidade da empresa. Você não acha?

Atenciosamente,

Sidney Borges

Praia Grande na berlinda

Parceria Público Privada para a Urbanização da Praia Grande

Edílson Félix considera uma boa idéia, mas alerta a Prefeitura: é preciso transparência em todo o processo.

Aconteceu na quarta-feira, a apresentação da Parceria Público-Privada para a urbanização da praia Grande, no plenário da Câmara Municipal de Ubatuba. Um projeto ambicioso, de mais de R$ 20 milhões de reais, que pode modificar inteiramente uma das mais importantes praias do município.
O arquiteto Renato Nunes apresentou um esboço do projeto, que prevê a eliminação completa do estacionamento de automóveis e a construção de jardins, ciclovia e sanitários. Quem vier de carro, vai chegar à praia através de um sistema integrado de transporte.
A triplicação da rodovia naquele trecho, com a implantação de um túnel no trecho que dá acesso à praia das Toninhas também faz parte do projeto, que prevê pontos de vendas e serviços em várias paradas de embarque e desembarque de passageiros.
O arquiteto Renato Nunes explicou que com a nova urbanização, os serviços têm que funcionar como um sistema, com horários pré-determinados para o abastecimento dos quiosques e a coleta de lixo.
o advogado André Luiz Stival representando a Abresi (Associação Brasileira de Restaurantes, Hotelaria, Turismo e Similares) e a Prourb, anunciou que a Prourb e a Prefeitura já teriam até celebrado um convênio. Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura, “A captação dos recursos necessários – na previsão inicial em torno de 20 milhões - e o gerenciamento das obras seriam feitos pela Prourb, uma entidade sem fins lucrativos, devidamente formalizada e legalizada”. O vereador Edílson Félix entende que parcerias público-privadas são uma excelente forma de realizar grandes obras, mas com a ressalva de que todo o processo deve ser completamente transparente: “Qual será, por exemplo, o risco das empresas que queiram participar da parceria? Qual será a remuneração que exigirão? A iniciativa privada não quer queimar dinheiro e por isso mesmo todos os aspectos devem ser analisados”, disse.
Segundo Edílson, a praia Grande é um dos grandes filões do município e captação de recursos para a execução do projeto deve acontecer de forma tranqüila: “Acho que o prazo de 10 anos para que as empresas participantes do pool possam explorar publicitariamente o local demasiado longo, que deve ser discutido com toda a comunidade. A Prefeitura e a Prourb devem explicar o porquê dos 10 anos”, afirmou.
Para Edílson é importante que o Prefeito convoque também o CMD – Conselho Municipal de Desenvolvimento – para que se ampliem as discussões técnicas sobre o assunto: “A população precisa conhecer o processo, mas há detalhes técnicos que devem ser discutidos com os membros escolhidos pela sociedade civil organizada para este fim”, disse.
Edílson também propõe que seja realizado um concurso para a escolha do projeto de urbanização da praia Grande, de acordo com a Lei 8666/93: “Todo o processo desta Parceria deve ser o mais transparente possível, com a Prefeitura informando de forma correta a população, com a participação do CMD, para que todo este processo se torne um grande sucesso e não mais um retumbante fracasso como as malfadadas cobertura da feirinha “ripe” ou remoção do parque Trombini”, explicou.
Fonte: Assessoria do vereador Edílson Félix

Dia Nacional do Aposentado

Dia 24 de janeiro é o Dia Nacional do Aposentado, uma data comemorativa em respeito aos cidadãos que construíram e constroem a Nação Brasileira.

Abaixo os benefícios da Previdência Social

Aposentadoria por idade - Têm direito ao benefício os trabalhadores urbanos do sexo masculino, aos 65 anos, e do sexo feminino, aos 60 anos de idade. Os trabalhadores rurais podem pedir aposentadoria por idade com cinco anos a menos: aos 60 anos, homens, e aos 55 anos, mulheres.

Aposentadoria por invalidez - Benefício concedido aos trabalhadores que, por doença ou acidente, forem considerados, pela perícia médica da Previdência Social, incapacitados para exercer suas atividades ou outro tipo de serviço que lhes garanta o sustento.

Aposentadoria por tempo de contribuição - Pode ser integral ou proporcional. Para ter direito à aposentadoria integral, o trabalhador homem deve comprovar pelo menos 35 anos de contribuição e a trabalhadora mulher, 30 anos. Para requerer a aposentadoria proporcional, o trabalhador tem que combinar dois requisitos: tempo de contribuição e a idade mínima.

Aposentadoria especial - Benefício concedido ao segurado que tenha trabalhado em condições prejudiciais à saúde ou à integridade física.
Apesar das dificuldades encontradas no dia-dia, da falta de respeito, dos salários vergonhosos, do alto preço dos medicamentos, o aposentado sobrevive em busca de sua dignidade,
“Parabéns aos Homens e Mulheres que prestaram relevantes serviços á Nação Brasileira, e hoje com a experiência adquirida, nos ensinam os caminhos das pedras”.

Charles Medeiros
1º Secretario da Câmara Municipal de Ubatuba
Fonte: Laura Ennes - ASCOM

Nota de Agradecimento

A Santa Casa de Misericórdia Irmandade Senhor dos Passos de Ubatuba, vem agradecer as empresas Lavanderia Soma, Maré Hotel de Ubatuba e Recanto das Toninhas, por sua boa vontade com relação a esta Instituição de Saúde e, a disposição que manifestou ao secarem todo o enxoval (lençóis, campos cirúrgicos, etc) do hospital.
Desde já com os nossos melhores cumprimentos agradecemos sua gentil atenção, com um pouco de cada um conseguiremos mudar nossa história.


Marcos Prates
Administrador

Notícias da Prefeitura


O conceituado guia abriu generoso espaço para Ubatuba

Cedro, de Ubatuba, está entre as 15 "praias de sonho" do Brasil

Já está nas bancas a nova edição do Guia Quatro Rodas Praias, o mais completo e conceituado guia de viagens do país. A boa notícia é que Ubatuba mereceu destaque nessa edição, com indicações de praias e diversas fotos. A Praia do Cedro, próxima à Praia da Fortaleza, na região Sul de Ubatuba, está entre as “15 praias de sonho”, de todo o Brasil, ao lado de Fernando de Noronha e cidades da Bahia, Ceará e Alagoas.
De todo o sudeste, só mesmo a Praia do Cedro e Castelhanos, na Ilhabela, foram consideradas praias de sonho. Além disso, uma bela foto de Ubatuba abre o capítulo referente às praias dos estados de Paraná e São Paulo. Tem também uma imagem do prato típico “azul-marinho”, o famoso peixe com banana. Para finalizar, um belíssimo pôr-do-sol na Baía do Ubatumirim, Praia Vermelha do Norte e a paisagem-símbolo de Ubatuba, no alto do Morro do Pinhão, que deixa à mostra a praia Domingas Dias e Lázaro, todas registradas pela fotógrafa e moradora de Ubatuba, Carolina da Riva. PMU

O prefeito Eduardo César no momento em que assinou o convênio

Secretaria de Cidadania e Desenvolvimento Social receberá verbas do Convênio Único de Proteção Social

O prefeito Eduardo César e a secretária de Cidadania e Desenvolvimento Social, Kátia Nunes participaram nesta semana, no Palácio dos Bandeirantes, da assinatura do Convênio Único de Proteção Social. Na mesma ocasião foram também repassadas verbas estaduais por meio dos programas de transferência de renda Ação Jovem e Renda Cidadã.
O Governador Geraldo Alckmin anunciou, durante a solenidade, um aumento de 18,4% em média no repasse de verbas, em relação a 2005. Os critérios para a seleção dos municípios que receberam aumento no investimento social, levaram em consideração os números do Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS), divulgados pela Fundação SEADE e a estimativa do gasto per capita pelas prefeituras com a população mais pobre, de acordo com os Planos Municipais de Assistência Social (PMAS).
Segundo a secretária Kátia Nunes, a verba destinada a Ubatuba, através do Convênio Único de Proteção Social, vai proporcionar maior proteção e conforto a segmentos sociais desfavorecidos ou em situação de risco, como famílias carentes, idosos e pessoas portadoras de deficiência.
As entidades que receberão o repasse estadual do convênio são: Associação dos Deficientes de Ubatuba (ADUBA), Associação Estrela do Litoral (ASEL), GAIATO e Lar Vicentino.
A Secretária Kátia Nunes informa que outras entidades podem ser atendidas por verbas, desde que regularizem sua documentação. “Ubatuba vem conseguindo grandes progressos na área de assistência social, inclusive auxiliando entidades a regularizar sua documentação para que passem a receber auxílio municipal, estadual e também federal. Aproveito para convidar as entidades que tenham alguma pendência em sua documentação, a procurar a secretaria para que juntos possamos dar andamento à papelada”, disse a secretária. PMU
Fotos: Marcelo Pimentel


Cartoon na Praia acontece no próximo final de semana na Praia Grande

Os personagens do Cartoon Network vão invadir a Praia Grande nos dias 27, 28 e 29, com o “Cartoon na Praia”. A garotada fará a festa nestas férias, num evento repleto de atividades divertidas em uma arena inflável a ser montada na praia. O espaço conta com um grande labirinto e um palco, onde monitores promoverão diversas atividades com as crianças, que poderão tirar fotos com os personagens de KND - A Turma do Bairro, Blu e Mac de A Mansão Foster para Amigos Imaginários, Johnny Bravo, As Meninas Superpoderosas e o Macaco Loco.
Ao percorrer o labirinto, os fãs passarão por seis etapas, cada um com uma atividade diferente. Confira:

Etapa 1 - As Meninas SuperpoderosasNesta atividade, as crianças mostrarão se têm talento para o surfe, passando por cima de ondas de 30 cm de altura.
Etapa 2 - A Mansão Foster para Amigos ImagináriosAqui, a garotada deverá passar pelo meio de arcos até chegar à etapa 3.
Etapa 3 - O Acampamento de Lazlo Na brincadeira do Lazlo e sua turma, a criançada terá que desviar dos obstáculos que saem das 'paredes' para chegar à próxima etapa.
Etapa 4 - KND - A Turma do BairroA garotada de KND - A Turma do Bairro inventou esta atividade que vai fazer a turma literalmente pular: para passar para a outra etapa, será necessário passar por vários pneus, pulando dentro deles.
Etapa 5 - A Vida e Aventuras de Juniper LeeJuniper Lee e sua turma aqui desafiam a garotada a passar entre as colunas e chegar à última etapa.

Etapa 6 - Ponte OFF KIDS. Nesta última etapa, as crianças passarão por um teste de equilíbrio. Na Ponte OFF KIDS, o objetivo é atravessar até o final, tentando não ser atingido pelos disparos de um canhão e, claro, não cair. As brincadeiras acontecerão das 10h às 18h e serão voltadas para crianças de 4 a 10 anos. PMU


Comtur promove cursos gratuitos neste mês

Inscrições começam amanhã; 70 vagas serão oferecidas

A COMTUR (Companhia Municipal de Turismo) de Ubatuba inicia neste mês os cursos de Telemarketing e LIBRAS (Linguagem Brasileira de Sinais). Os cursos serão gratuitos e todo material didático e o lanche serão fornecidos pela Companhia. Para o curso de telemarketing serão disponibilizadas 30 vagas e para o de libras 40.
Nos dois cursos as aulas acontecerão na Escola Tancredo Neves, de segunda a sexta-feira, das 19 às 23 horas. O período dos cursos será de 24 de janeiro a 24 de fevereiro. As inscrições, também gratuitas, podem ser feitas na sede da Comtur a partir desta sexta-feira 20, até o dia 24 deste mês.Os cursos serão ministrados por profissionais locais, qualificados em suas áreas.
Segundo Mara Franhani, diretora financeira e administrativa da Comtur, esses cursos buscam oferecer mais oportunidades para os municípes, formando profissionais qualificados para o mercado de trabalho. Qualquer morador de Ubatuba pode participar. A diretora ainda informa que para este ano ainda está prevista a realização de novos cursos gratuitos. PMU


Surfe
Itamambuca pronta para feras do aéreo

“Super Session Verão 2006” encerra temporada em Ubatuba

O Super Session Verão 2006 encerra sua temporada em Ubatuba neste sábado, 21, com a realização de mais um Air Show de Surfe. Disputada em baterias eliminatórias o Air Show, que começa às 15 horas, premia o surfista que executar o melhor Aéreo (quando o surfista decola sobre a onda e retorna com perfeição), valendo a altura, distância e radicalidade.
Para as mulheres é destinada a competição de melhor manobra. Se o mar não ajudar (como na semana passada na Vermelha do Norte), acontece a disputa da “Best Wave” (melhor onda, em uma bateria de 25 minutos).
As disputas são abertas aos surfistas de qualquer idade e as inscrições podem ser feitas no local, mediante a apresentação de dois quilos de alimento não perecível. Na primeira edição do evento, na Praia Vermelha do Norte, no sábado, 14, venceu Jole Leandro no melhor Aéreo e Camila Cássia na “Best Wave”.
Para o público que comparecer a Itamambuca neste sábado, 21, haverá sorteio de brindes e animação garantida com DJ’s e MC’s fazendo a trilha sonora do evento ao vivo. O Super Session Verão 2006 é organizado pela equipe do programa Super Session (Band Vale) com o apoio da Secretaria de Esportes e Lazer da Prefeitura de Ubatuba, Associação Ubatuba de Surf, e conta com o patrocínio de Red Nose Shoes, Natural Shape, Wave Cut e North Peak PMU

Terceirização da Merenda Escolar


A platéia, cuja maioria era de funcionários, acompanhou os trabalhos

A Audiência Pública que a Prefeitura de Ubatuba organizou para apresentar o projeto de terceirização da merenda escolar acabou sem que se chegasse a qualquer conclusão.
Mais uma vez, vou reclamar da escolha da Câmara para a realização de eventos que precisam de mais espaço do que o oferecido pelas acanhadas dependências da Casa das Leis. Os processos que envolvem a secretaria de Educação, a de maior dotação do Município, são da maior importância e precisam ser acompanhados atentamente por todos os setores da sociedade. Isso requer espaço. A audiência começou exatamente na hora marcada, com casa cheia. Grande parte da platéia era composta por funcionários da prefeitura, que chegaram cedo. Havia gente se acotovelando nas escadas de acesso. Muitos optaram por ficar nos jardins, acompanhando de longe. O calor também inibiu a vontade de enfrentar a multidão que se acomodou precariamente na parte posterior do plenário.
Apesar do interesse político que reveste a matéria, o problema é puramente técnico. Partindo da premissa que as crianças precisam ter o melhor, a decisão final deverá ser tomada a partir das planilhas de custos. O que for mais vantajoso para o município deverá prevalecer. Tudo deve ser muito claro e transparente.
Depois das colocações iniciais dos técnicos da secretaria da Educação haveria espaço para que os presentes se manifestassem. Infelizmente um incidente impediu que os trabalhos prosseguissem. Alguém lançou moedas sobre os membros da mesa, e isso esquentou os ânimos e a Audiência foi encerrada. Um mau momento para a democracia. Ninguém ganhou, na verdade todos perderam. A discussão deverá ser retomada, esperamos que desta vez num local mais amplo e com menos disposição para o confronto. Eu que busco esclarecimentos sobre a terceirização da merenda, ainda estou esperando informações. Vou repetir o que já disse outras vezes. Ubatuba não pode viver sub judice. As negociações devem ter preferência em relação ao arbitramento da Justiça. Do jeito que vamos, a cidade vai parar.

Sidney Borges

sexta-feira, janeiro 20, 2006

Asfalto novo


O asfalto eliminou as quase crateras que tanto irritavam os motoristas

A rua Nazarenos recebeu uma camada de asfalto novo, que acabou definitivamente com os buracos irritantes que lá existiam. Curiosamente, essa foi a primeira rua de Ubatuba a ser asfaltada. Aconteceu na administração de Pedro Paulo Teixeira Pinto, há mais de vinte anos. Pedro mora nessa rua e me disse que quando iniciou o programa de asfaltamento das ruas da cidade, o povo começou a fazer fofocas. Com os ouvidos aguçados ele ouviu dizerem que se asfaltasse primeiro a rua de sua casa, era um filho da p... Se começasse por outra rua, era fraco, trouxa. Ele preferiu a primeira opção. Um funcionário da prefeitura me garantiu que a rua dos Nazarenos foi a primeira de uma nova fase. Acabaram-se os remendos que não estavam dando conta do recado. Em breve o serviço de recapeamento abrangerá toda a cidade. Oxalá isso aconteça logo, Ubatuba está precisando.

Sidney Borges

Revolta

Ontem foi um dia terrivelmente quente. Um dia com as características do verão madrilenho. Quente e seco. Irritante, capaz de levar qualquer um ao ato insensato de matar o argelino de Camus. Exatamente nesse dia em que tudo o que eu queria era fazer a sesta, tive de levar meu sogro à delegacia de polícia para prestar depoimento. Há um ano ou mais ele colidiu com uma moto. Sem danos materiais, sem danos físicos, nada que justificasse uma demanda. Na delegacia um grande tumulto. As presas entraram em rebelião na hora da visita. Oitenta mulheres confinadas num espaço em que cabem vinte. O calor infernal, os menores de idade presos, aguardando remoção, gritando alucinados, tudo contribuiu para a revolta. O Brasil é medieval, tem alguns aspectos de modernidade, mas o arcabouço está no século XIII, se tanto. Qual a finalidade da cadeia? Se não é reconduzir o indivíduo ao convívio social, então não faz sentido usar esse tipo de punição. Que tal a fogueira ou o garrote vil de Espanha?

Sidney Borges

Espécies não nativas

VIGIAI!

Temos dezenas de praias, porém algumas delas exercem funções de suma importância para a economia da cidade e, principalmente, para a formação de emprego e renda de toda a população. Vou citar por enquanto apenas a Iperoyg, Grande e Itaguá. Diferentes de logradouros de outros municípios, estas praias precisam receber tratamento adequado as suas funções. Como assim? Projetar, construir ou mesmo urbanizar uma Praça em Taubaté, Campinas ou Ribeirão, é muito diferente do que propor qualquer destas ações em nossas praias. Por quê? Pelo tipo de uso. Pelo número de pessoas que irão usar. Pela forma e pela intensidade que a usarão. Pelo “astral” que domina as pretensões dos usuários, sem contar que os materiais precisam ter uma durabilidade compatível ao clima do local. Nos últimos anos, assistimos inertes, as degradações das duas primeiras (Iperoyg e Grande) e, a “maratona” para a degradação da terceira (Itaguá). È fácil qualquer um perceber como a natureza nos privilegiou! Mais fácil, perceber como abusamos e afrontamos esta natureza. A Iperoig, era o palco de todos os eventos da cidade, local de freqüência e, lazer das famílias; ponto de encontro noturno para quem chegava; restaurantes ativos; comercio promissor... um dos cartões de visita da cidade. Foi mortalmente atacada pelo câncer da informalidade. Foi abusada de todas as formas e, morreu. Morreu de morte “matada”. Foi morta a troco de nada. Quem a matou, não tem e, não teve a mínima consideração e respeito por ela. Apenas a usou, até seus últimos “suspiros”? Dane-se a Iperoyg! O que pensar da proposta de ressuscitá-la (com uma reurbanização) temperada com todos os mesmos ingredientes, do fortíssimo veneno que a matou? Se a intenção é ressuscitá-la e, novamente, prepara-la para a morte, por que submetê-la a este sádico sacrifício e, jogar tanto dinheiro (mesmo dado) fora? Melhor não seria, dar-lhe (ao dinheiro) um destino mais humanitário. Por exemplo, investi-lo na Santa Casa? Quanto à praia Grande, noticia-se também sua reurbanização. O que foi preciso acontecer para aparecer esta proposta? Chegar aonde chegou? No fundo do poço? Quem te viu quem te vê! Pobre praia Grande. Alguém explique, qual foi o (real) motivo de se impor restrições ao número de andares dos prédios em 3, 4 ou 5? Porque então, não liberar (geral) para 10, 15 20 pavimentos? No “quadro” atual, quais seriam os prejuízos? As restrições não foram para a preservação do espaço visual? A preservação ambiental? Não? Qual foi então a intenção? Criar dificuldades? Foi para reservar espaço pra a propagação do que lá esta? O que foi permitido e, o que foi feito, sem ser permitido, com ela para chegar na degradação que chegou? Que importância deram a sua beleza natural? Qual foi o custo para a cidade, e, principalmente para a população, que perdeu um dos seus melhores pontos de atração turística? Quais os benefícios à população pelo irreparável custo desta perda? Se a praia “se foi” e, não houve nenhum benefício à população, quem foram então os beneficiados? Quem foram os eleitos, os escolhidos, para receberem, não em um dia, mas por décadas, benesses, vantagens, botins, dinheirinhos e, dinheirões, em detrimento dos interesses da cidade e da população? Vamos agora reurbanizá-la? Vamos gastar milhões! Noticia-se que estes milhões nos serão doados! Que dádiva! Os interesses de quem serão e, estão sendo priorizados? A nossa vocação turística será respeitada? Estão pensando no futuro profissional dos nossos filhos, ou “lotearão” os espaços a escolhidos apadrinhados? Farão novamente “tabula rasa” da lei que rege as concessões de uso de áreas públicas? Farão as licitações? As desconfianças perguntam: quantas doses, e quantos venenos, estarão previstos neste cock-tail de pesadelos? Além de se esclarecer cada detalhe à população (que é a única proprietária da área) é imprescindível ouvir o trade turístico e, toda a economia formal do município. Não sou pessimista, muito menos sou ou estou contra qualquer projeto (sério) ou qualquer melhoria, que se pretenda para a cidade. Não sou e, não estou contra ninguém! Sou “gato”. Escaldado! Falo o que sinto, observando e, principalmente, ouvindo muitos outros “gatos escaldados”. Fazer a população ingerir, este cock-tail, cheio de venenos, goela abaixo, só se for em sonhos! Mas, sempre será preciso vigiar. A “vigilância” passou a ser a garantia do povo, para um futuro melhor para seus filhos. Por esta razão: Vigiai!

Ronaldo Dias

Carta do IAB / Ubatuba à Sociedade

Nós, profissionais de arquitetura em Ubatuba, preocupados com a total ausência de planejamento urbano no nosso município e seus efeitos nocivos à cidade, reunimo-nos e fundamos em Agosto de 2005, o Núcleo Ubatuba do Instituto de Arquitetos do Brasil – IAB/Ubatuba. Filiada à UIA – União Internacional dos Arquitetos e à ONU, tal instituição possui caráter nacional, com diretórios em cada Estado da União, e os diretórios compostos por núcleos municipais, como o que fundamos recentemente.
Desde nossa fundação vimos discutindo sobre a principal deficiência administrativa de nosso município: a ausência de planejamento para o desenvolvimento da cidade. Obras polêmicas, como a urbanização da rua Guarani, a cobertura da “feira hippie e afins”, são determinadas de acordo com o interesse particular de poucos envolvidos, sem nunca ter sido consultada a sociedade – a maior interessada.
Neste sentido é louvável, a atitude de abrir a debate em audiência pública, o projeto de uma obra de grande porte como a urbanização da Praia Grande. Consideramos fundamental que tal procedimento se repita em relação a todos os projetos de interesse público, tais como a urbanização da Av. Iperoig, o centro de convenções, a urbanização da praça 13 de maio, e quaisquer outros que vierem a surgir ( e por certo surgirão) e todos amarrados em um grande projeto que daria a todas as obras, toda a sinalização, todo paisagismo, enfim a toda intervenção no espaço da cidade a “cara” de Ubatuba, isso tudo com previsão de ocupação da cidade , no mínimo, de médio prazo. A isto chamamos de PLANEJAMENTO.
Neste contexto, cabe uma observação. Estamos a menos de nove meses do prazo final para entrega do nosso plano diretor, que serviria de linha mestra para este planejamento. Sabemos, por vias não oficiais, de algumas ações isoladas por parte da prefeitura neste sentido, mas o momento é de mais ação. Devemos lembrar que, ainda que o prefeito deva responder legalmente pela não elaboração do plano, caso isso aconteça, a maior prejudicada será a nossa cidade como um todo.
Por isso, acreditamos que a administração municipal deva concentrar seus esforços no sentido da elaboração do plano diretor, em caráter urgente, sob pena de, na data final, termos um plano mal elaborado, devido à pressa.
Deve-se considerar ainda, diante do exposto, que a estratégia básica para qualquer planejamento, é partir do todo para as partes, e não o contrário. E é exatamente o contrário o que está acontecendo aqui.
Estamos certos de ter muito a colaborar no processo de discussão e apresentação de alternativas, tanto na elaboração do plano diretor, quanto nos casos de projetos de interesse público, no que nos colocamos aqui à disposição do poder público e da sociedade à qualquer momento que se faça necessário.

Ubatuba, 20 de janeiro de 2006.

Arq. Daniel Corrêa – Presidente do IAB/Ubatuba

"Cuidado com os abutres"

Corsino Aliste Mezquita – Professor*
A recomendação do título recebi, quatro anos atrás, de um professor, técnico em aplicação das verbas da educação, que convidei para ministrar um curso, de oito horas, aos diretores das escolas municipais e a todos aqueles que teríamos responsabilidade na administração dos recursos destinados,por lei, para manutenção da educação As recomendações foram veementes e simpáticas, tanto durante as explicações do curso, quanto em conversa particular que mantivemos.Perguntei quem seriam os prováveis abutres. Antes de responder a minha pergunta explicou os que, provavelmente, não seriam. "Não serão abutres o Sr. Prefeito, o Secretário de Finanças, o de Administração e o Chefe do Serviço de Contabilidade. Na maioria das ações, serão responsáveis, junto com você, e te ajudarão a bem administrar os recursos da educação. Mesmo assim, cuidado também com eles.Possíveis abutres podem ser todos os outras secretários. O mais afoito e insistente, pela minha experiência, costuma ser o Secretário de Esportes. Pedirá que construas piscinas, com dinheiro da educação, para ele usar, quadras cobertas, ônibus e o que você possa se imaginar. Diga não às piscinas. Piscina na escola é um perigo, difícil de manter, vai onerar a educação para o resto da vida e criar problemas sérios para você. Afaste o abutre. Já com as quadras a coisa é diferente. A quadra, se possível coberta, deve fazer parte da estrutura da escola para atender os alunos e, nas horas vagas, outras atividades. A finalidade é o aluno. Tem muita gente querendo fazer festa com verba da educação e os municípios não atendem o essencial. Pedir-te-á também professores para atender atividades que ele não tem dinheiro para atender. Diga não. É desvio de função proibido pelo inciso VI, do artigo 71, da Lei 9394-96, Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Pode te ocasionar sérias dores de cabeça e até casar o Prefeito. O Secretário de Saúde também pode propor parcerias. Não vá nessa onda. "A assistência médico-odontológica, farmacêutica e psicológica, e outras formas de assistência social" estão proibidas, no inciso IV, do artigo e lei citados acima. O atendimento, à Saúde, está municipalizado e tem que cuidar também dos alunos com a sua verba própria. Vereadores, Associações Amigos de Bairros, Assuntos Comunitários, etc vão assedia-lo constantemente. Não ceda. Seja firme. A educação é mais importante. Igrejas pedirão ajuda para suas obras de caráter educacional e assistencial. Afaste-os da Secretaria.Donos de academias falidas, de piscinas sem movimento, de hotéis com instalações esportivas e dificuldade para as manter na baixa temporada proporão alugueis para a realização de atividades especiais. Diga não. Educação se pratica na escola. Não se iluda com ilusionistas. Você tem que cuidar daquilo que é essencial. Organizações não governamentais ambientalistas ou assistencialistas virão solicitar patrocínio, professores, prédios, etc. Não atenda. Os professores são contratados ou nomeados para estarem na sala de aula ou nas atividades diretamente ligadas à Secretaria. Mande os professores para a sala de aula. Afaste os outros. São abutres. Não devem faltar em Ubatuba aqueles professores que não querem dar aula, mas que desejam salvar o mundo com programas especiais (projetos) de educação ambiental para terceira idade, comunidades rurais, crianças em situação de rua etc. Nada disso é de sua responsabilidade e competência. Quaisquer ações, nesses campos, desviam pessoas e recursos de suas funções específicas. Não seja condescendente. São abutres. Abutre que é abutre tentará conseguir seus objetivos mesmo prejudicando você, a Educação, o Sr. Prefeito. Geralmente são pessoas sem escrúpulos. Afaste-os para longe. Tenha sempre presentes os artigos 70 e 71 da Lei 9394-96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. No artigo 70 explica o que pode ser feito. No 71 proíbe aqueles vícios mais arraigados na cultura brasileira e que são usados como desculpa para desviar o dinheiro da educação. Além dessas proibições outras terá que observar para impedir os desvios que, historicamente, tem impedido o desenvolvimento da educação e a sua qualidade. Seja vigilante. O dinheiro da educação é bastante cobiçado pelos abutres. Se a educação for mal atendida, por casa dos desvios, o responsável será você. O Tribunal de Contas do Estado tem um livrinho com orientações complementares. É bom. Siga suas orientações. "Esse curso foi nosso guia, nos processos educacionais, durante os quatro anos. Atitudes firmes, nos primeiros momentos, foram fundamentais para administrar, a Secretaria, mantendo os abutres afastados de nossos ambientes.Essas orientações podem ser úteis para quaisquer administradores da educação e para que diretores, professores e funcionários reivindiquem o afastamento imediato e urgente de possíveis abutres intrometidos ou, quem sabe, entronizados, na Secretária Municipal de Educação.Cuidar-se dos abutres é uma atitude saudável para todos que lidam com verbas da educação.
* Ex-secretário da Educação de Ubatuba

Nota do Editor – Este artigo fou publicado originalmente no dia 21 de março de 2005 e está sendo republicado a pedido do autor.

Resposta à carta do sr. Paulo Sri

Lamento muito a carta publicada pelo sr. Paulo Sri.
Mas eu como Jornalista, tenho obrigação de falar a verdade e ser totalmente imparcial.
Tenho a entrevista gravada para quem quiser ouvir.

Cordialmente.

Cristiane G. Zarpelão

CONVITE

O Movimento Contra a Terceirização da Merenda tem o prazer de convidá-lo a participar da manifestação contra a terceirização da merenda escolar que será realizada no dia 20 de janeiro de 2006, sexta-feira, às 12h00, no calçadão – Centro.
Enviado por Cristiane G. Zarpelão - Comunicação ACIU

Notícias da Prefeitura


O arquiteto Renato Nunes mostrando pormenores do projeto

Reurbanização da Praia Grande é discutida em audiência pública

O anteprojeto de reurbanização da orla da Praia Grande, de autoria do arquiteto Renato Nunes foi debatido ontem, 18, em audiência pública na Câmara Municipal reunindo mais de 100 pessoas. Durante a reunião, que durou mais de duas horas, foram debatidas questões como a legalidade e viabilidade do projeto, a localização dos estacionamentos, valor da obra, problema dos quiosques e detalhes técnicos do projeto.
Para o vereador Charles Medeiros, que foi o mediador representando o presidente da Câmara, Dr. Ricardo Cortes, a realização de uma audiência pública para discutir um projeto deste porte é de grande importância para garantir que o resultado final seja o melhor possível. “Para que seja a obra seja feita da melhor maneira, é importante a participação de toda a sociedade”, afirmou.

Projeto técnico

Na sua explicação técnica, o arquiteto Renato Nunes lembrou que Ubatuba tem sido, nos últimos 30 anos, um exemplo de crescimento desordenado, que pela falta de planejamento se transformou num caos. “Culpados há muitos, mas cabe a Justiça procurá-los e puni-los. Aos arquitetos compete a busca das soluções”, disse Renato ao introduzir as explicações técnicas do seu projeto. Na sua concepção, os estacionamentos que hoje margeiam a praia deveriam ser transferidos para áreas de estacionamento ao fundo do bairro da Praia Grande. Os passageiros seriam transportados até a praia através de carros elétricos (espécie de uma jardineira aberta, sem portas) que fariam o circuito ininterruptamente.
A rodovia estadual que margeia a Praia Grande passaria a ter três faixas de rolamento em cada um dos sentidos. Uma das faixas no sentido Toninhas/Itaguá, teria reentrâncias para carga e descarga de passageiros que teriam ainda pequenos agrupamentos de serviços, como ponto de ônibus (num total de 9), banco eletrônico, cabine telefônica, sanitários, posto médico, entre outros. Já a pista no sentido Itaguá/Toninhas teria um túnel cruzando o morrete que separa a Praia Grande das Toninhas. Além de um grande jardim, a orla contaria também com uma ciclovia em toda a sua extensão.
Todas os custos do projeto seriam arcados pela iniciativa privada que teria um período de 10 anos para explorar publicitariamente o local. A captação dos recursos necessários – na previsão inicial em torno de 20 milhões - e o gerenciamento das obras seriam feitos pela Prourb, uma entidade sem fins lucrativos, devidamente formalizada e legalizada. Participaram da mesa, além do vereador Charles, como mediador, o secretário de Assuntos Jurídicos da Prefeitura, Dr. Marcelo Mourão, representando o prefeito Eduardo César e o advogado André Luiz Stival representando a Abresi (Associação Brasileira de Restaurantes, Hotelaria, Turismo e Similares) e a Prourb. O advogado Clingel Frota coordenou a audiência.
A apresentação do projeto do arquiteto Renato Nunes à população revelou que existem pontos que ainda precisam ser mais debatidos. Novos projetos de reurbanização da orla da Praia Grande deverão também ser apresentados à comunidade a exemplo do anteprojeto do arquiteto Renato Nunes. PMU
Pacientes com Câncer recebem apoio no Centro de Referências e Especialidades

A Sapo-Uba, um grupo de apoio a pacientes com Câncer, está estruturada como Organização Social e Civil de Interesse Público (Oscip), um tipo de entidade que tem como característica fazer parcerias com o poder público e a iniciativa privada.

A Sociedade de Apoio aos Pacientes Oncológicos de Ubatuba (Sapo-Uba) está prestando atendimento em uma nova sede, no Centro de Referências e Especialidades da Secretaria Municipal de Saúde, na rua Cunhambebe, no centro da cidade. Esse grupo foi formalizado no ano passado, com o objetivo de dar assistência e amenizar o sofrimento dos pacientes com câncer no período do tratamento, pré e pós-operatório.
Diversos serviços estão sendo disponibilizados aos pacientes. Os voluntários da Sapo-Uba prestam informações relevantes sobre o tratamento, leis, benefícios e direitos, além de dar um suporte psicológico aos portadores de câncer. São fornecidos ainda suplementos alimentares, próteses mamárias de pano, fraldas e contribuições na compra de remédios e realização de exames para pacientes que estão sem condições financeiras. Além disso, campanhas e ações preventivas estão sendo desenvolvidas em parceria com outros órgãos.

Solidariedade e troca de experiências


A Associação é basicamente formada por pessoas que já passaram pela experiência do câncer, seja pessoalmente ou com algum membro da família. Por essa razão, a troca de informações é uma característica importante no grupo. A assistente social Maria Joana Montes Claros, voluntária da Sapo-Uba, explica que são diversos os tipos de câncer e, conseqüentemente, diferentes tipos de tratamento e cuidados. “Cada pessoa tem uma vivência para passar para o outro. São coisas que podem ser muito úteis a quem está passando por isso agora". Ela conta que sua experiência pessoal foi importante para poder entender o sentimento da pessoa que se descobre com a doença. “Quando eu soube que estava com câncer, fiquei me perguntando o porquê. Depois, comecei a perceber muitos casos da doença à minha volta, com parentes e amigos. Então, descobri que isso foi necessário, para que eu pudesse ajudar as pessoas a passarem por esse momento tão difícil.”
A bióloga Mônica Ciari é portadora da doença e uma das fundadoras da Sapo Uba. Ela conhece as dificuldades pelas quais os pacientes passam em uma cidade como Ubatuba, que não tem um serviço especializado. Apesar disso, Mônica se considera uma pessoa de sorte, porque possui recursos para o tratamento e para buscar informações. Além disso, Mônica conta que encontrou pessoas solidárias, que a apoiaram em momentos difíceis. “Sinto-me no dever de retribuir essa ajuda, até mesmo porque sei que muitas pessoas não têm a quem recorrer”.

Participação da Comunidade


A Sapo Uba está sendo mantida através de eventos, parcerias, venda de camisetas e contribuições de sócios. Ela está estruturada como Organização Social, Civil de Interesse Público (Oscip), um tipo de entidade que tem como característica fazer parcerias com o poder público e a iniciativa privada. Dentro dessa proposta, a Secretaria Municipal de Saúde disponibilizou uma sala com telefone para que o grupo possa trabalhar.
As pessoas que tiverem interesse em contribuir, conhecer ou participar da Sapo-Uba podem fazer uma visita ao Centro de Referências e Especialidades que fica na Rua Cunhambebe, 703, Centro. O telefone é 3832-1097 PMU
Foto: A presidente da Sapo Uba, Sônia Bergamasti e Maria Joana Montes Claros, voluntária da entidade.

quinta-feira, janeiro 19, 2006

D'après Irmãos Campos

Seção "Caras"



No último dia 17, Joe completou mais um aniversário, o vigésimo oitavo. Entrevistado pela coluna "Caras" do Ubatuba Víbora, ele afirmou que não sabe o que é um blog. Não tem importância Joe, como personagem marcante da cidade você merece as nossas homenagens. Perguntado se não gostaria de entrar para a política, Joe desconversou, mas deixou no ar a possibilidade de se candidatar na próxima eleição.

Sidney Borges

MITOS SOBRE A PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA

Luís Nassif - Folha Dinheiro - 2/9/2004
Há certa confusão sobre a PPP (Parceria Público-Privada). Pode existir PPP mal concebida e mal implementada. Mas é instrumento legítimo de contratação, exposto aos mesmos vícios inerentes a todos os processos de contratação públicos ou privados.
A primeira incompreensão sobre a PPP é que seria uma forma nova de repetir a velha prática de o Estado estatizar o prejuízo e privatizar o lucro. Depende da maneira como for utilizado. Revólver pode ser uma arma de defesa ou instrumento para assaltantes matarem velhinhas de madrugada.
A PPP é instrumento para o Estado entrar com recursos para reduzir o risco privado em obras que não são auto-sustentáveis ou cujo processo de maturação é indefinido. É uma forma de reduzir os riscos não-administráveis (que não dependem da empresa) do projeto.
Um empreendimento tem riscos da obra, da operação, do investimento. E há riscos que fogem ao controle da empresa, como políticos ou de outra natureza. Suponha que haja necessidade de uma estrada que ajude a desenvolver determinada região. No início de operação, como a região ainda não se desenvolveu, o tráfego de veículos será menor. Depois, o crescimento do fluxo dependerá do ritmo de crescimento da região. Quanto tempo levará para a região se desenvolver e o fluxo de veículos permitir atingir o ponto de equilíbrio?
Quanto maior o risco não-administrável, maior será a compensação exigida pelo capital, ou, no limite, simplesmente o capital não entrará na operação. Capital que busca infra-estrutura não é o especulativo e, em geral, troca menor rentabilidade por maior segurança no longo prazo.
Se o capital privado não entra, há dois caminhos: ou o Estado banca sozinho o empreendimento ou tenta bancar apenas parcela do risco não-administrável, para viabilizar a entrada do capital privado. Em vez de 100, banca, digamos, 20, que correspondem à parte dos riscos não-administráveis. Se bancar apenas parte do risco e houver uma concorrência transparente, será possível viabilizar cinco vezes mais obras.
Outro engano recorrente é supor que, pelo fato de parte preponderante do financiamento ser do BNDES -dinheiro público-, não haveria por que privatizar a obra. Para que os recursos do BNDES sejam aplicados, na ponta tomadora precisa necessariamente existir uma empresa -privada ou pública, mas com lógica privada, que irá receber, aplicar, operar o empreendimento e, com os lucros, pagar o financiamento.
Está-se falando obviamente do mundo ideal. Na prática, a PPP estará sujeita a todos os vícios aos quais estão expostas todas as formas de licitação pública. Há o risco de que sirva de subterfúgio para desonerar o Estado de qualquer obrigação de investimento - da mesma maneira que se tenta, hoje em dia, reduzir suas responsabilidades com saúde e educação. Há o risco de que seja aplicada indistintamente, de forma pouco transparente.
São riscos que têm que ser estudados e prevenidos. Mas seguramente não são intrínsecos à natureza das PPPs.

Enviado por Pedro Tuzino

Maré favorável

Destino Mundial

O jornal americano USA Daily publicou uma reportagem de turismo com a lista dos dez destinos mais quentes do momento e que devem ser os mais procurados pelos americanos em 2006. O Brasil ocupa o 3º lugar, ficando atrás da China e de Mali. A publicação é resultado do trabalho da Embratur, através do Escritório Brasileiro de Turismo de Nova York, que tem como objetivo promover e apoiar a comercialização de produtos e serviços turísticos no exterior.
Fonte: Estadão, 16 de janeiro

Editorial

Ordem natural...

Ontem aconteceu a Audiência Pública para expor o projeto de Urbanização da praia Grande. A Câmara esteve lotada, muitos ficaram de fora. Eventos desse quilate deveriam acontecer em locais mais amplos.
O arquiteto Renato Nunes fez a apresentação, mostrou desenhos, respondeu perguntas e depois atendeu às manifestações da platéia.
Pelo que pude ver o projeto vai de encontro às necessidades da comunidade. Caso seja viabilizado certamente configurará um ganho para a cidade.
Agora cabe cuidar para que a obtenção de recursos seja a mais transparente possível.
Ubatuba não pode viver sub judice.
A ordem natural das coisas é essa. Já temos o fundamental. Um projeto. Agora é o momento de captar recursos e dar seguimento à obra.

Sidney Borges

Nota do Editor – Sugiro aos leitores que me interpelam sobre leituras do que não escrevi, que atentem para os detalhes. Leiam com cuidado. Eu tenho procurado seguir a lição do mestre Cláudio Abramo. “O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter”. Minhas convicções políticas, minhas preferências pessoais estarão sempre em segundo plano. Só a verdade interessa. Ela deve prevalecer.

Ponto final

Caro Igor:

No intuito de trabalhar sempre junto com a imprensa para informar as pessoas sobre os fatos e os desdobramentos deles advindos, topei uma proposta de entrevista ao teu jornal (Imprensa Livre) sobre os recentes acontecimentos que envolveram minha saída da Prefeitura de Ubatuba. Entendendo que seria uma boa maneira de esclarecer algumas coisas mal colocadas, evitando julgamento de pessoas dentro da administração municipal com quem eu trabalhei num clima de cordialidade, especialmente o prefeito Eduardo Cesar que me convidou pra trabalhar em sua equipe, tentei passar informações que acreditei que seriam usadas adequadamente pela reporter de seu jornal. Manifestações pessoais de esclarecimento eu já as fiz diretamentepela midia, assumindo obviamente cada palavra ali escrita. Mas as pataquadas que sairam publicadas no seu jornal devido à leitura vesga e muito mal escrita de sua reporter me deixaram pasmo, gerando manifestação atravessada do prefeito, o que lamento. Esse tom de leviandade utilizado na matéria não faz parte de minha índole e nem do Eduardo César que eu conheço. A assessoria do governo municipal tentou responsabilizar a mim e à minha equipe publicamente por um erro por ela causado, o que me fez reclamar e exigir correção tambem publicamente. O prefeito resolveu me exonerar, o que é seu direito, eu resolvi botar os pingos nos is,o que é o meu direito. O resto é o resto. E ponto final.

Cordialmente,

Paulo Sri Pires

Opinião

Desrespeito à classe do magistério

Encaminhei à Secretaria Municipal de Educação o ofício nº 025/11-GJS, na data de 21 de novembro de 2005, onde estava anexado vários abaixo-assinados, onde vários professores da rede municipal de educação, solicitam ajuda no transporte mensal e no custeio de 50% (cinqüenta por cento) para ajudar no conclusão no curso de pedagogia no Centro Universitário Claretiano. Mas na data de hoje, 18 de janeiro de 2006, recebi a resposta, com os seguintes dizeres:Vimos através deste informar que esta Secretaria não poderá atender a solicitação, por não existir previsão orçamentária para este gasto... Assina a Secretária Patrícia Gomes Veloso Pereira. Fiquei abismado com a resposta da atual secretária; onde está sendo gasto o dinheiro da Secretaria da Educação, quando a lei permite-se gastar na formação e na capacitação de seus funcionários? Fica claro, que embora este vereador tenha encaminhado os abaixo-assinados, não vislumbrei qualquer retorno e promoção pessoal, mas sim o interesse dos professores do quadro do magistério municipal, buscando sua formação e capacitação.


Parabéns Paulo "Sri".


Sabia desde o primeiro momento que você não estaria acobertando esta prática sem vergonha de esconder a verdade sobre o laudo mentiroso acostado ao processo judicial, mentira esta que induziu a justiça ao erro, ao determinar o corte da amendoeira da Praia do Cruzeiro. Trata-se de um ato irresponsável e criminoso, tendo como mandatário, o atual assessor de governo Mauro Gilberto de Freitas. Verifica-se ainda, que em todos os cantos do município, que a prefeitura tem em seu governo e no quadro de secretariados, pessoas totalmente despreparadas, que não conseguem resolver nem os mais simples problemas; basta ver as condições precárias de nossas vias públicas. Diante deste seu desabafo, Paulo Sri, não resta dúvida, da sua competência, de seu caráter, da sua ética e da sua moral. Esperemos agora a conclusão da perícia que será feita na amendoeira cortada e após constatado a farsa do laudo, iremos responsabilizar criminalmente os culpados. Fiquem espertos senhor Prefeito Eduardo César e Mauzinho, digo Maurinho, vocês não são donos da cidade, portanto não podem fazer o que bem quiserem.

Jairo dos Santos - PT
Vereador

Merenda escolar

Caros editores:

Retornando das férias com um braço engessado e portanto catando milho no computador com a mão útil, confiro as edições dos jornais publicados durante minha ausência e não fico em nada surpreso com as tristezas acontecidas em nosso castigado município.
Triste a saída do competente amigo Sri, que parece ter tido o mesmo destino da árvore cuja exoneração não autorizou, e que foi motivo das sentidas respostas de diversos e destacados cidadãos como Jairo dos Santos, Rogério Freddiani, Gerson Florindo, Pedro Paulo, Sidney Borges, Edilson Félix, entre outros.
Mais triste ainda foi a resposta da Secretária de Educação à fundamentada carta assinada pelo companheiro Maurício sobre a infeliz idéia de terceirizar a merenda escolar, demostrando que árvores e crianças são consideradas, pela insensibilidade oficial, como objetos incômodos e descartáveis.
Meu caro Sidney, a merenda escolar é muito mais que uma questão de planilha, ou deveria ser, se a entendessemos como um investimento social não como despesa, como política pública incentivadora do desenvolvimento local e não como medida assistencial terceirizável.
Também não escapa ao analista institucional que a merenda é um analisador privilegiado para entender qual proposta pedagógica (e ideológica) se esconde por trás do aparentemente simples gesto de comprar feito e pagar caro por aquilo que , segundo a Secretária, é muito problemático fazer de em casa.
Foge à visão da administradora que para que fique barato e desafiante de fazer, precisa-se de iniciativa, criatividade, trabalho em equipe, inteligência , sensibilidade, muito estudo e muito trabalho, o que lamentavelmente a gente não vê por aqui.
Recomendo aos leitores, e também à desinformada ou mal intencionada Secretária, usando suas próprias palavras, pesquisar o que a gente pode ver por aí, de verdadeiramente “participativo” em matéria de merenda escolar. Basta consultar as experiências e os debates do 1º. e 2º Encontro Nacional de Experiências Inovadoras em Alimentação Escolar realizados no final de 2004 e 2005 em Brasília , organizados pelo PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar) em parceria com a FAO.
Para quem gosta de planilhas envio em anexo a lista dos projetos e municípios premiados em 2004 com o Prêmio Gestão Eficiente da Merenda Escolar, onde se observa que o custo médio das refeições vão de 15 a 80 centavos e que a luta contra a terceirização e uma meta possivel. Os anais do encontro de 2005 ainda não foram publicados, mas com certeza Ubatuba brilhará por sua ausência.
Um abraço, e voltarei em breve sobre o assunto com as duas mãos e os dez dedos, se Deus quiser.


Sergio Maida

Saiba mais sobre merenda escolar

Notícias da Prefeitura

Audiência Pública sobre Terceirização da Merenda Escolar

A Secretaria de Educação da Prefeitura de Ubatuba convida toda a população para a audiência pública sobre a terceirização da merenda escolar que será realizada nesta sexta-feira, 20, à partir das 19 horas, na Câmara Municipal. PMU
Agricultores terão diversos cursos em 2006

A Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento está programando diversos cursos para agricultores amadores e profissionais ubatubenses durante todo o ano de 2006. Os cursos serão oferecidos, tanto para pessoas leigas, que têm interesse em cultivar hortaliças em suas próprias casas, realizar hortas comunitárias, quanto para profissionais que desejam aprimorar as técnicas de manejo do solo, de forma sustentável e ecológica. A previsão para início das atividades é para o próximo mês, fevereiro. Todos os cursos são gratuitos.

Hortas Caseiras

A modalidade do curso de Hortas Caseiras teve início no ano passado com as hortas suspensas, que fizeram grande sucesso na comunidade. Trata-se de uma horta que pode ser cultivada em qualquer lugar, em uma estrutura de bambu, com as hortaliças plantadas em garrafas pet. Na versão de 2006, serão passadas informações para plantio no chão, indicado para casas com quintal. Associações de Bairro, escolas e agrupamentos que tenham interesse em realizar hortas comunitárias também podem solicitar o curso para ser ministrado na própria localidade. O curso tem o respaldo de uma nutricionista, que fala sobre questões relacionadas à saúde humana e alimentação saudável. Sob o aspecto agronômico serão passadas dicas sobre preparo da terra, nutrição das plantas, formas de plantio, hortaliças mais recomendadas e agricultura orgânica.

Manejo Ecológico dos Solos Tropicais

O curso de Manejo Ecológico dos Solos Tropicais é direcionado para agricultores profissionais, mas está aberto para qualquer pessoa que quiser participar. Ele está relacionado à melhor forma de se tratar o solo, levando em consideração o clima e o tipo de solo, respeitando assim, a natureza local. O engenheiro agrônomo da Smapa, Christian Bacci explica que muitas técnicas utilizadas atualmente são importadas de lugares frios.
“Venenos e máquinas comumente utilizados aqui não condizem com a alta umidade e o nível de insolação da nossa região. Tratamentos incompatíveis matam a biodiversidade e empobrecem o solo. Nosso objetivo é mostrar que existem alternativas simples e eficientes para se praticar uma agricultura ideal e adaptada à nossa realidade.”
Durante esse curso, serão passadas questões teóricas e históricas, de forma participativa, utilizando discussões e exemplos práticos. Christian explica que manter o sistema orgânico vivo e a biodiversidade interagindo com as raízes das plantas é um fator importante para se cultivar plantas saudáveis.

Biofertilizantes

O curso sobre biofertilizantes será o segundo módulo do curso anterior. Ele engloba informações mais específicas, dando alternativas para os produtores em seus problemas específicos. Segundo Bacci, muitas vezes, antes de remediar, ou seja, jogar pesticidas nas plantas e no solo para combater determinada praga, o produtor não pergunta o porquê do desequilíbrio.
“Nesse curso, nós vamos abordar formas de melhoria e manutenção da saúde do solo, através do uso de compostagem, vamos passar receitas práticas e banhos para as sementes, além de tirar dúvidas dos produtores.”

Agricultura sustentável


A Smapa está propondo levar informações a comunidades que têm a agricultura como fonte de renda, tais como o Camburi, Fazenda da Caixa, Ubatumirim e Maranduba. O objetivo é levar o conhecimento teórico e criar um elo com a prática já desenvolvida pelos produtores. Ubatuba é a cidade do Litoral Norte que tem a produção agrícola mais ativa e, por essa razão, segundo a secretária de agricultura, Valéria Gelli, a prefeitura está buscando proporcionar aos agricultores embasamento e capacitação que proporcionem a eles produções sustentáveis e ecológicas. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone: 3833-3500 PMU
Projeto Verão, Criando Cidadão se encerra em fevereiro

Termina, no próximo dia 4, o “Projeto Verão, Criando Cidadão”, promovido pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) de Ubatuba, em parceria com diversas secretarias da prefeitura e entidades municipais. O objetivo do projeto é tirar crianças e adolescentes de situações de risco, evitando que elas perambulem pelas ruas, guardando veículos ou exercendo outra atividade de trabalho irregular, cumprindo-se assim o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
Atualmente, mais de 70 crianças, de 7 a 17 anos, participam do projeto durante todos os dias da semana que envolve esporte, música, teatro e recreação. Segundo a presidente do CMDCA, Sônia Bonfim, a intenção do conselho é não permitir que as crianças voltem para as ruas. “Para isso, nós estamos batalhando para firmar parcerias e convênios que permitam encaminhar os menores para atividades que durem o ano todo”. A verba utilizada hoje para realizar o projeto Verão é proveniente do Fundo Municipal, mas Sônia explica que as pessoas podem destinar parte do seu Imposto de Renda ao Conselho, com o objetivo de ampliar o atendimento e atender as crianças durante o ano.


Para colaborar

Qualquer pessoa física ou jurídica pode colaborar com o Fundo Municipal. As destinações podem ser feitas junto ao Banco do Brasil, agência 2748-0, conta corrente 8726-2. Pessoas físicas podem destinar 1% enquanto pessoas jurídicas podem encaminhar até 6% do imposto devido. O CMDCA realiza reuniões todas as sextas-feiras, das 8:30 às 11h, na Casa dos Conselhos.
Um disque-denúncia foi criado, para que a população possa ajudar a tirar as crianças das ruas em Ubatuba. O telefone 3832-4186 atende de segunda a sexta-feira, das 8 às 18h. Após esse horário e nos fins de semana e feriados o disque-denúncia atende através do telefone 9793-8256. PMU

Avenida Jabaquara

Concluída obra de pavimentação do acesso ao novo Fórum

Foi concluída na última sexta-feira, 13, a obra de pavimentação da rua Sérgio Lucindo da Silva, no trecho entre o acesso a Rodovia Gov. Mário Covas e o novo Fórum. O trecho de 4.500 m2 recebeu 480 toneladas de CBUQ (Concreto Betuminoso Usinado Quente), aplicado por funcionários da empresa Latina, responsável pelo serviço de aplicação do asfalto. O CBUQ é uma das coberturas asfálticas mais utilizadas em obras de urbanização por reunir as vantagens de alta resistência à água, impermeabilidade e durabilidade.
Antes do asfalto, a área recebeu 600 m3 de brita graduada, 1.300 metros de guias e sarjetas e 7 aduelas, que aumentaram a vazão da galeria de águas pluviais em 300 por cento.
A pavimentação desse trecho é apenas uma das obras que vem sendo executadas no bairro da Estufa.
Outra obra acontece no trecho que engloba parte da praça Maracanã, avenida São Paulo, rua Jabaquara e rua Santa Cruz, até a rua Fluminense, totalizando 9.300 m2 de pavimentação. A drenagem da avenida São Paulo será a céu aberto. Um canteiro central rebaixado fará a separação das duas pistas e servirá para o escoamento das águas pluviais. No restante do trecho serão utilizados 800 tubos para a drenagem. Essa obra faz parte de um convênio com o DADE (Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias).
Para o prefeito Eduardo César as obras no bairro são reivindicações antigas dos moradores. “O bairro da Estufa está em constante expansão e a prefeitura acompanha esse crescimento, efetuando as obras necessárias”, disse o prefeito. PMU

Ney segura faixa durante toneio

Projeto melhora postura e auto-estima de alunos da rede municipal de ensino

Projeto EROI completa um ano e equipe já comemora resultados positivos

O projeto EROI - Educação Resgatando Oportunidades Inclusivas - da Secretaria de Educação de Ubatuba, inicia 2006 comemorando as conquistas do seu primeiro ano de implantação. Com o objetivo de oferecer oportunidade de inclusão para crianças e adolescentes que tenham atividades restritas ou sofram de algum tipo de limitação para a prática de esportes, o projeto EROI atende crianças obesas, com desvio de coluna vertebral, dificuldades de coordenação, deficiência visual, auditiva, dislexia e alunos de Salas Especiais.
Praticando exclusivamente atividades aquáticas como natação adaptada, hidroginástica, hidroterapia e recreação, associados a exercícios de respiração, alongamento e ginástica postural, o projeto visa proporcionar melhora do estado físico geral do aluno.
Para o desenvolvimento do projeto EROI foi criada uma equipe composta por um professor de Educação Física com habilitação em Fisioterapia e um professor de Educação Física com experiência em atividades aquáticas.
O professor Nei Barros, um dos coordenadores do EROI ao lado do professor Benedito de Almeida Fº, fala dos resultados obtidos no primeiro ano do projeto. “Muitos dos participantes perderam a vergonha que sentiam em relação aos seus casos específicos. Com isso houve melhoria nas relações sócio-afetivas, fato muito importante nessa idade”, informa Nei. “Alguns dos participantes do projeto alcançaram desempenhos tão bons que participam de competições regulares de natação, embora o objetivo não seja a formação de atletas”, completa o professor.
O projeto EROI iniciou suas atividades atendendo 102 alunos e no final de 2005 chegou a atender 350 crianças e adolescentes de Ubatuba. O número de atendimentos será ampliado em 2006. “Vamos atender o maior número possível de crianças, sem perder a qualidade dos atendimentos, que continuarão personalizados”, garante Nei. PMU

A "funny" bicicleta, além de produzir energia, emagrece quem pedala

Estação Elektro abre as portas em Ubatuba

Mostra apresenta de forma lúdica todas as formas da energia

A Elektro deu início nesta quarta-feira, 18, em Ubatuba, às atividades do projeto “Estação Elektro”, um projeto tem como objetivos despertar nas crianças o interesse científico pela eletricidade e ensinar medidas de segurança. Presentes à abertura do evento, Willelm Guilherme, gerente da Elektro em Ubatuba, Silvana Niel, chefe de gabinete da Prefeitura de Ubatuba, Patrícia Pereira, secretária de Educação, vereador Charles Medeiros, entre outras autoridades.
Composta por uma carreta-laboratório, onde monitores explicam a utilização correta da eletricidade a Estação Elektro apresenta várias atividades interativas mostrando a história da eletricidade e sua importância, uma tenda onde é exibido um filme e um espaço onde são ensinadas normas de segurança. Silvana Niel, que representou o prefeito durante a abertura do Estação, manifestou o desejo que mais eventos da empresa sejam trazidos à Ubatuba. “Espero que essa parceria possa resultar em outros eventos durante o ano. Ubatuba vai colaborar em tudo o que for necessário para que mais pessoas possam ter contato com uma exposição tão interessante como essa”, disse.
A secretária de Educação Patrícia Pereira, também demonstrou interesse em apresentar as experiências com eletricidade aos alunos da rede escolar de Ubatuba.“Solicitei à Elektro que esse tipo de trabalho fosse levado aos alunos da rede municipal de ensino durante o ano letivo e a empresa se comprometeu a estudar datas. Ela apenas não garantiu a presença da carreta”, disse Patrícia, que se aventurou nas experiências pedalando uma bicicleta que produz energia para fazer funcionar um rádio (foto).
A carreta da “Estação Elektro” estará estacionada até o próximo sábado, 21, ao lado do Centro de Informações Turísticas, na avenida Iperoig, das 13 às 18 horas.
Palestra – Nesta quinta-feira, 19, técnicos da Elektro estarão proferindo uma palestra, na Associação Comercial de Ubatuba, às 19h30, enfocando questões de segurança com eletricidade. A palestra é voltada diretamente para pessoas que trabalham com atividades que envolvam eletricidade.
Cine Elektro - Montado em um caminhão com um telão de 210 polegadas, com equipamento de alta tecnologia, o Cine Elektro tem o objetivo de promover a inserção cultural da população atendida pela empresa. Em Ubatuba, o Cine Elektro acontece no dia 28 na praça da Matriz e no dia 29 na praça da igreja, no Sertão da Quina. Em ambos locais o primeiro filme a ser exibido é Os Incríveis, às 20h; às 21h45 começa a exibição do filme Quarteto Fantástico. PMU

quarta-feira, janeiro 18, 2006

Lembrancinha


O Feio

Ditas e desditas

No dia 5 de janeiro de 2006, o Ubatuba Víbora publicou o texto abaixo, enviado pela Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Ubatuba.

Amendoeira doente

Prefeitura consegue autorização judicial para retirada de amendoeira
doente

Geraldo Fernandes Ribeiro do Vale, juiz substituto da 2ª Vara Cível de Ubatuba concedeu nesta quarta-feira, 4, o pedido de reconsideração solicitado pela Prefeitura de Ubatuba para a retirada de uma amendoeira, ou chapéu de sol, na praia do Cruzeiro. A Prefeitura entrou com pedido tendo em vista o laudo que aponta que a árvore está doente, oferecendo riscos à população que transita pelo local. O laudo foi elaborado pelo engenheiro Luciano Pradella, que assessora a Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Antes da reconsideração o juiz havia deferido a liminar impetrada pela Associação em Defesa do Povo Caiçara que solicitava que o corte de duas amendoeiras na praia do Cruzeiro fosse impedido. Com a nova decisão, apenas a amendoeira centenária permanece no local. PMU

Nota do editor - O Juiz Geraldo Fernandes Ribeiro do Vale autorizou a remoção da árvore por ela estar doente, isso está claro no texto.

Trecho de matéria publicada hoje no Ubatuba Víbora, de autoria de Cristina Zarpelão, do jornal Imprensa Livre.

...A árvore não foi retirada por motivo de doença e sim porque a obra precisa acontecer. A árvore não era tradicional ou centenária. Era uma amendoeira.
(Depoimento do prefeito Eduardo César)

Obedecendo aos princípios elementares da lógica percebe-se que há coisas mal contadas nessa história. Se a árvore não foi removida por estar doente, qual a razão de se usar a doença como argumento para obter a liminar? Será que o Juiz teria autorizado sem o laudo? A árvore está de fato doente? Qual é a doença? Se não estiver, então está caracterizada uma ardilosa manobra que induziu a Justiça ao erro. Como saber? Examinando a árvore. A verdade precisa ser conhecida. Qual é a doença da árvore e quais são os riscos que ela representa, ou representou, para a população?

Sidney Borges

Exoneração, demissão, enfim, confusão...

“Fui chutado”, diz Paulo “Sri”, ex-secretário do meio ambiente.

O engenheiro agrônomo Paulo Roberto Pires, deixou o cargo de secretário do meio ambiente da prefeitura de Ubatuba, no ultimo dia 12, em clima de confronto com a atual administração.
A primeira informação divulgada pela prefeitura foi que o ex-secretário teria apresentado um pedido de demissão. No dia seguinte, em nota oficial, a assessoria de imprensa apresentou uma nova versão para o fato. Pires teria sido exonerado.
Na tarde de ontem, em entrevista exclusiva ao Jornal Imprensa Livre, Paulo Roberto Pires, mais conhecido como “Sri”, esclareceu sobre os motivos que levaram a sua saída as Secretaria do Meio Ambiente. “O que aconteceu foi que levei um “pé na bunda”. Fui chutado porque não gosto de fazer as coisas erradas”. Disse.
O ex-secretário afirma que a administração pública tentou enganar os órgãos Estadual e Federal quando apresentou um laudo apontado que uma amendoeira estaria doente e causando problemas à população.
“O Condephat, o Ibama, a Policia Ambiental, todo mundo foi tapeado, inclusive eu. Pegaram um sujeito que não é nem da prefeitura, sequer é contratado para fazer um laudo esdrúxulo, onde afirma que tem uma amendoeira doente causando problemas à população. Depois manda replantar em outro lugar... Isso é palhaçada “! Acusa.
De acordo com ele, o conflito que levou a sua exoneração do cargo teve inicio quando a administração tentou passar a responsabilidade pelo corte da árvore para que a equipe da Secretaria do meio Ambiente. “Se fez a palhaçada, assume. Não vem colocar a culpa em mim e na minha equipe. Eles tinham que ter uma licença que nem eu nem o órgão publico demos. Esses são os motivos da minha bronca pessoal com a história” conta.
O ex-secretário explica que foi convidado a trabalhar na Prefeitura devido a sua prática e experiência adquiridas em trabalhos realizados em ONGs (Organizações Não Governamentais) na área ambiental.
“Nas gestões anteriores, a Prefeitura sempre teve uma prática, por conta de uma cultura daqui, de fazer tudo errado na área ambiental. E a idéia era de nós modificarmos esse comportamento. Afinal, foi o pedido de campanha do Prefeito, sendo exatamente o que fizemos”, afirma.
Sri diz que a sua exoneração foi uma tentativa de “tapar o sol com a peneira”.
“A minha função junto com a minha equipe é dar subsídios técnicos. Mostramos o que deveria ser feito em relação às obras, principalmente da feira hippie e da amendoeira, mas quem toma as decisões políticas é o Prefeito. Se ele escolher um lado ou o outro, o problema é dele. Ele que assuma isso politicamente”, diz.
O ex-secretário conta que, quando assumiu a Secretaria do Meio Ambiente, em janeiro de 2005, havia mais de 500 processos tramitando na Justiça, sendo a maior parte movido pelo Ministério Público.
“Era um monte de encrenca porque a Prefeitura tinha esse hábito de fazer tudo errado. Tanto que está como ré de vários processos. Então viemos para consertar, usando as diretrizes ambientais, mas não conseguimos. Para tomar alguma decisão é necessário discutir os assuntos com as pessoas da cidade e não atender apenas este ou aquele grupo desvirtuando todo um processo de planejamento da cidade.”
“Tem tanta coisa para ser feita, que em vez de ficar discutindo assuntos como feirinha hippie e amendoeira, seria melhor explicar o porquê disso ou daquilo e ver de que forma podemos negociar com os órgãos do Estado para fazer tudo direitinho e não, literalmente, tapear os órgãos públicos”
, acrescenta.

Outro lado

Segundo o Prefeito Eduardo César a demissão de Paulo Roberto Pires foi devida à “falta de confiança por parte do secretário”.
“Paulo é uma pessoa que eu respeito muito, acho um ótimo profissional, um incansável batalhador e defensor do meio ambiente em Ubatuba. Trabalhou conosco durante um ano, mas é muito importante a confiança ser mútua entre o prefeito e seu secretário. A partir do momento que o secretário não tem plena confiança em mim ele não pode mais ficar na minha equipe”
, diz o Prefeito.
Eduardo César ressalta que a secretaria continua funcionando normalmente, que dela não saiu mais nenhuma pessoa e diz ainda que não enganou ninguém. “Eu não “tapeei” ninguém. O Condephat não é formado por 20 crianças e sim por 20 conselheiros. Os outros órgãos citados são de pessoas extremamente capazes e responsáveis. Todas sabem muito bem o que estão fazendo e o que estamos fazendo. Se o secretário afirma que houve “tapeações” que entrem na justiça”.
Em relação à amendoeira o prefeito é enfático: “O engenheiro florestal que fez o laudo é contratado sim. Quero acreditar que o senhor Paulo esteja desinformado, pois caso contrário, ele está agindo de má fé. Uma pessoa que era da minha extrema confiança até ontem, hoje está falando tantas mentiras. A árvore não foi retirada por motivo de doença e sim porque a obra precisa acontecer. A árvore não era tradicional ou centenária. Era uma amendoeira. Tenho plena convicção que não estou fazendo nada que seja errado ou irregular.", garante Eduardo César.

Cristiane G. Zarpelão
Imprensa livre

Editorial

Negociar é preciso...

A obra da feirinha foi paralisada. Mais uma vez a Justiça teve de entrar em cena. Agora vamos assistir ao velho filme de sempre. Enquanto não se chegar a uma decisão, teremos o trambolho dos trambolhos dentro do tapume dos tapumes, produzindo a sujeira das sujeiras e a indignação das indignações. E a árvore caiu inutilmente. Ontem um amigo me ligou perguntando o que eu achei dos acontecimentos da Praia Grande. Referia-se à retirada das mesas. Respondi que não posso escrever com base em convicções idealistas. Antes de dar uma opinião preciso conversar com os envolvidos, saber deles o que há, como as mesas retiradas foram parar onde estavam e qual foi o impacto da retirada. Afortunadamente, tive o privilégio de viajar e conhecer outros países, outras culturas. Em todos os lugares que visitei, notei a existência de comerciantes que exploram negócios similares aos de Ubatuba. Do gênero dos quiosques. Só que com regras bem claras. Em Veneza você não compra cigarros depois do pôr-do-sol. Os quiosques que vendem tabaco fecham. E só eles podem vender tabaco. Assim manda a lei que é rigorosamente obedecida. A opção para tabagistas inveterados é comprar nos hotéis, que cobram dez dólares por um maço. Comerciantes são pessoas simples, querem apenas trabalhar e faturar. Se houver regras eles as respeitarão. Nasci numa família de comerciantes, sei como pensam, não passa pela cabeça deles afrontar autoridades ou ir contra a lei. Seria mau negócio. Alguém poderia me perguntar como chegamos ao estado atual, com a cidade praticamente sob intervenção da Justiça. Tenho absoluta convicção que foi fruto de omissão da sociedade. Os poderes constituídos nos conduziram ao impasse. Com a complacência de “quase” todos. Sempre há alguns que lutam pela verdade. Em Ubatuba as pessoas têm medo de se manifestar. Eu diria mais. Têm pavor. Calam, e ao fazer isso, consentem. Certamente poderíamos ter chegado a um acordo sobre como ocupar a Praia Grande sem recorrer à Justiça. Sei que costurar acordos não é tarefa fácil. Demandaria dias e dias de negociações. Mas teria sido mais produtivo. Vou arriscar um prognóstico, o que não é do meu feitio. Quando as partes ocuparem seus respectivos lugares ao redor de uma mesa, dispostas a lutar por soluções reais, aí a luz começará a clarear o fim do túnel. Ou isso ou continuarão as intermináveis demandas. E os desgastes decorrentes.

Sidney Borges

Perigo. "Laudus Esdruxulus".

Compareça, é importante!

Praia Grande

Hoje às 19h30, no prédio da Câmara Municipal de Ubatuba (avenida Iperoig, 218, Centro), acontecerá uma Audiência Pública relativa à Urbanização da praia Grande. O objetivo é mostrar e discutir o projeto elaborado para ordenar a ocupação do logradouro, de notória importância para a economia do município. A sociedade está convidada. A iniciativa é da Prefeitura Municipal de Ubatuba.

Sidney Borges

TERCEIRIZAÇÃO DA MERENDA

Afonso Ricca
Conforme vem sendo discutido nestes últimos dias tanto na imprensa local, como, por diversos setores da sociedade civil organizada o Sr. Prefeito Eduardo César esta querendo terceirizar o fornecimento da merenda escolar em nossa cidade. Diante desse ato lesivo à economia da cidade, aos cofres públicos e à nossa população, foi criado Movimento pela Transparência Administrativa e Contra a Forma de Terceirização da Merenda Escolar de Ubatuba, formado por diversos setores da sociedade civil organizada com o objetivo de ampliar as discussões sobre o tema, como vem sendo imposta a terceirização pela Prefeitura Municipal de Ubatuba e buscar soluções para fomentar o desenvolvimento local. Diante disso estamos convidando a população para um ato que será realizado no próximo dia 20 (sexta-feira), a partir das 11:00 h, no calçadão da Rua Maria Alves, onde a população será esclarecida dos prejuízos que podem advir dessa terceirização. Para maiores informações (12) 38324603 com Gláucia ou Ana Lúcia

Jacubatuba Circus

OITAVO MANDAMENTO

"Não prestarás falso testemunho"

A verdade é a virtude que consiste em mostrar-se verdadeiro no agir e no falar, afastando-se da duplicidade, simulação e hipocrisia. Toda falta cometida contra a verdade exige reparação. A mentira consiste em dizer o que é falso, com a intenção de querer enganar o irmão, que tem direito à verdade. A Igreja orienta para que os meios de comunicação social sejam usados com moderação e disciplina porque a sociedade tem direito a uma informação fundada na verdade, na liberdade e na justiça.

Ronaldo Dias

Conselho Comunitário de Segurança


Vereador Charles Medeiros discursando para as autoridades

Base Operacional de Grupamento Aéreo é tema de debate em Ubatuba

O vereador Charles Medeiros participou nesta manhã do último dia 17, de uma reunião realizada pelo Conselho Comunitário de Segurança de Ubatuba, na qual tratou de assuntos relacionados à implantação da Base Operacional do Grupamento Aéreo da Polícia Militar, bem como a devida homologação para uma base fixa no município. No evento estiveram várias autoridades da Polícia Militar, Civil, Rodoviária Federal, Guarda Municipal, Especialistas da Aeronáutica, representantes da Prefeitura e o Vereador Charles Medeiros, representando o Legislativo Municipal.
O objetivo é referente à adequação de espaço de pouso, manobra e guarda do helicóptero Águia da PM junto ao Aeroporto Gastão Madeira, de forma que facilite os trabalhos de resgate e salvamento, bem como outras operações necessárias. Militares da Aeronáutica estiveram realizando um estudo prévio do local em relação às mudanças pretendidas, segundo os militares a adequação é possível, bastando agora à coleta de dados mais específicos para o término dos estudos.
A Polícia Rodoviária possui em São José dos Campos, uma aeronave de resgate e salvamento, que em havendo local adequado, poderá atuar em Ubatuba em épocas de feriados e temporadas. “Trata-se de um projeto extremamente importante para o município e que para se tornar realidade tem que existir a soma de esforços, acredito que será uma benfeitoria considerável a nossa comunidade, principalmente por nossa cidade ser turística”, afirma Charles Medeiros.

Fonte: Assessoria Charles Medeiros
 
Free counter and web stats