sábado, agosto 13, 2005

Chega de ética, Nassif

Diogo Mainardi em Veja
Sou um conspirador. Um conspirador da elite. Quero derrubar Lula. Só não quero ter muito trabalho. Quero derrubar Lula sem sair de casa. Quase deu certo na semana passada. Telefonei para o deputado José Janene. Ele reconheceu que José Dirceu comandou o esquema de compra de deputados por parte do governo. Foi a primeira vez que um dos envolvidos nas denúncias do mensalão acusou o Palácio do Planalto de distribuir dinheiro sujo a parlamentares. Janene pediu que eu publicasse a notícia em off, sem citá-lo. Não aceitei. Não sou padre, que ouve confissão calado. Dedurei Janene. O Jornal Nacional procurou-o na segunda-feira, para confirmar o conteúdo da entrevista. Janene preferiu não se manifestar. Como não gravei nossa conversa, o assunto morreu. O maior sucesso de minha atividade como conspirador falhou miseravelmente. Decidi começar a gravar meus telefonemas. Virei o Juruna da imprensa. Gravo tudo no aparelho de karaokê de meu filho. Quero derrubar Lula, mas só vale se for desse jeito: sem sair de casa e com o karaokê da Chicco. Derrubar Lula de qualquer outra maneira seria conferir-lhe um crédito exagerado.
O deputado Janene reprovou minha atitude. Disse que quebrei o código de ética do jornalismo. Outra autoridade em matéria de ética, que se sentiu no direito de me passar um pito, foi Luis Nassif, colunista de economia da Folha de S.Paulo. Ele escreveu: "Para combater a falta de escrúpulos do governo, agora, chega-se a atropelar até valores sagrados da imprensa, como o instituto do off the record. Em uma coluna, em revista de larga circulação, o autor se vangloria de ter passado a perna em um deputado, prometendo-lhe manter uma declaração em off e não cumprindo a promessa". Isso foi publicado na última quinta-feira. Na quinta-feira da semana anterior, Nassif deu um perfeito exemplo de ética jornalística. Num artigo sobre Daniel Dantas, ele reproduziu palavra por palavra, sem citar o autor, uma mensagem enviada a diversos jornalistas por Luiz Roberto Demarco. Demarco não é o que se poderia definir como uma fonte isenta. Pelo contrário: ele está processando Dantas na Justiça, numa ação bilionária. Como se pode notar, Nassif é um jornalista ético, que sabe preservar suas fontes. Ele é tão cioso de sua responsabilidade que decidiu copiar até mesmo os erros de grafia da mensagem original de Demarco, como o nome do presidente da Portugal Telecom no Brasil, Shakhaf Wine, chamado por ambos de Shakaf Wine.
Além da coluna na Folha de S.Paulo, Nassif tem também um site de notícias, que foi financiado com empréstimos do BNDES. Um dos patrocinadores do site é o próprio BNDES, coincidentemente o maior acionista da Telemar, concorrente direta de Dantas. Não surpreende que um paladino da ética como Nassif tenha defendido a compra, por parte da Telemar, da produtora de fundo de quintal do filho de Lula, Fábio Luís. Outro importante patrocinador do site de Nassif é a Odebrecht, cujo fundador mereceu um panegírico apaixonado numa coluna recente. Nassif me deu uma lição de ética. Janene me deu uma lição de ética. Lula afirmou que não existe ninguém mais ético do que ele. Eu não aceito lição dessa gente. O Brasil tem off demais. Tudo o que se faz aqui é em off. Esta não é a hora do off. É a hora de abrir o jogo, de contar tudo, de falar a verdade.

Miguel Arraes em três tempos


No rumo do exílio após o golpe de 64

Com FHC e Marco Maciel

Com Lula e Brizola na campanha das diretas

Ele quer falar

De Policarpo Junior na VEJA desta semana:

"De onde saiu o dinheiro que o PT mandou para o exterior e que pode ter desembarcado na campanha de Lula? A resposta está numa penitenciária de segurança máxima em Avaré, no interior de São Paulo. Ali, preso numa cela de castigo, com a cabeça raspada e 10 quilos mais magro, está o doleiro Antonio Oliveira Claramunt, o Toninho da Barcelona, considerado o maior do país. Ele quer falar.

Em cartas e contatos mantidos com a família e com seus advogados, Toninho já mandou dizer que está disposto a depor na CPI dos Correios para contar o que sabe sobre as remessas clandestinas que operou durante anos para políticos e partidos, entre eles o PT. E Toninho sabe muito. Sabe inclusive o nome de pessoas e instituições envolvidas na fraude.

Nas cartas que escreve, às quais VEJA teve acesso, Toninho diz que o PT envia dinheiro ao exterior desde a preparação da primeira campanha de Lula, em 1989. As remessas se multiplicaram na década de 90 e, desde então, concentraram-se em duas pontas: no Trade Link Bank, instituição ligada ao Banco Rural nas Ilhas Cayman, e numa empresa offshore criada no Panamá, que também funciona como um paraíso fiscal.

Em seu depoimento, o publicitário Duda Mendonça, calçado por vinte comprovantes de depósitos bancários, mostrou que a maior parte do dinheiro que recebeu lá fora saiu de uma conta no Trade Link, em Cayman. Os segredos de Toninho da Barcelona podem mostrar de onde saíram esses recursos.

Os doleiros, normalmente, recebem dinheiro frio no Brasil – das mãos do dono do dinheiro ou de seu representante – e se encarregam de enviá-lo ao exterior por meio de uma cadeia de laranjas. Toninho da Barcelona afirma saber o nome do responsável pelas transações entre o PT e o Banco Rural. Nas cartas enviadas à família, o doleiro dá algumas pistas sobre os caminhos do dinheiro.

As informações, porém, são cifradas para fugir à censura do presídio. Ele está com medo de morrer, diz-se vítima de uma brutal perseguição e conta que sua vida virou um inferno desde que surgiu a informação de que ele operou para o PT."

Engolindo quitutes

Ronaldo Dias
Nada pior do que acreditar e deixar-se seduzir, pela boa aparência e pelo "cheirinho" irresistível daqueles quitutes (maravilhosos) que estavam expostos, na verdade (fora das normas sanitárias) no carrinho de lanche da porta da fábrica. A empada, a coxinha, o ovo com massinha, a salsicha empanada, o torresmo a pururuca, o pedaço de frango e, o sanduíche de pernil, Aaaah!!! O sanduíche de pernil com molho! Para completar, uma copo duplo de garapa com limão, geladinho da garrafa térmica! Tudo de bom! O sistema político que nos sugere "escolher" bem o candidato, não nos dá (com tantas coligações) opções além do verde claro e do verde um pouco mais escuro. Esta falta de opção (e da reforma política) cria ilusões e, fazem mal tanto quanto os bolinhos "cansados" do carrinho. Os resultados para os eleitores, tem sido desalentadores. Companheiros de "luta" (que luta?) tem dificuldades para crer na indignação coletiva. Bem, voltando aos quitutes, posso afirmar que, depois de um certo tempo de "engolidos" é que o mal estar geral se manifesta. A partir deste momento é necessário passar pelo processo da difícil e, complicadíssima (in) digestão. Lenta, dolorida, repletas de sensações explosivas, cheia de flatulências, azias, arrotos e eructações... Um incômodo infernal que, jurando nunca mais nos deixarmos seduzir pelos pecados da gula.

Miguel Arraes de Alencar

noblat

(16/12/1917 - 13/08/2005)
Acaba de morrer no Recife o deputado Miguel Arraes, presidente do Partido Socialista Brasileiro e por três vezes governador de Pernambuco. Era o último representante ainda vivo da geração de políticos que marcou fortemente a história do Brasil nos últimos 50 anos - entre eles, Leonel Brizola, Ulysses Guimarães e Tancredo Neves.
Fonte: Noblat

Tempo perdido

No meio dos anos da década de 1970 não havia opção política. Era o MDB ou o MDB. Eu abominava a ditadura. Mais por razões estéticas. Que horror a figura de Costa e Silva. O país da bossa-nova merecia alguém menos caricato. Nossos governantes pareciam os ogros da União Soviética. Eu queria que a ditadura acabasse. No entanto não tinha idéia de como agir. Os gorilas eram truculentos, não convinha afrontá-los. Para os insatisfeitos a solução era o caminho do voto. Depois de assistir “Os companheiros”, de Mário Monicelli, pela quarta vez na mesma semana, decidi que votaria contra as ditaduras. Para sempre. Contra-senso. Não se vota em ditaduras. Existe um jogo de faz-de-conta, mas votar pra valer nunca. Como em Cuba, desde que o mundo deixou a forma cúbica o comandante Fidel está no poder. Querendo fazer alguma coisa, tentei o partidão. Foi horrível. Rompido com a igreja, não era o caso de substituir a santíssima trindade pela infalibilidade do determinismo histórico. E além do mais, como engolir Ceauscescu e Henver Hoxa? Por falta de opção passei a acreditar no MDB. Moderadamente, sem fanatismo. Era o único instrumento disponível contra o arbítrio. Até que surgiu Quércia e o sonho do MDB acabou. Quando o PT apareceu, pensei que haveria luz no fim do túnel. Durou pouco. A decepção veio com a forma não científica, dogmática e insensata do pensamento petista em ação. A ficha caiu na eleição de Jânio Quadros para a prefeitura de São Paulo. Foi o primeiro tiro no pé dado pelo partido da estrela. Depois dele aconteceram outros. O primeiro a gente nunca esquece. Encurtando a história. Sou um crédulo, acabo de entender que serei sempre enganado. Embora tendo sérias restrições ao politburo petista de Dirceu, Genoino, Mercadante e Gushiken, confesso que se acendeu em meu coração uma chama de esperança quando o “Sapo Barbudo” ganhou. Teríamos finalmente austeridade no comando. A educação seria tratada como nunca. Com seriedade. O mercado interno fortalecido. Eu sabia que haveria um longo caminho a ser trilhado, mas desta vez a coisa parecia destinada a entrar nos eixos. Errei. Fazer o quê? De erro em erro me aproximo do encontro com o nada absoluto e o Brasil segue qual vaca no brejo. Atolado na incompetência, na mediocridade, na hipocrisia. Filhos da contra-reforma, sempre conviveremos com a mentira, cuja máxima é: faça o que eu digo, não o que eu faço. Será que um dia isso muda? Tenho sérias dúvidas.

Sidney Borges

Notícias da Prefeitura

Festival da Paz termina neste sábado

O 1º Festival da Paz de Ubatuba teve sua abertura oficial ocorrida na noite de quinta-feira, 11, quando centenas de pessoas puderam se deliciar com quitutes caiçaras, preparados por comunidades locais.
A tainha assada esteve presente na barraca comandada pela Sociedade Amigos do Bairro da Estufa, enquanto a Almada apresentava Bobó, espetinhos, bolinhos e outras delícias preparadas com camarão e a Enseada comparecia com deliciosos mexilhões. Da terra do Ubatumirim veio a mandioca, base do nhoque e da saborosa vaca atolada. O Pólo Produtivo de Ubatuba trouxe a banana, em forma de diferentes tipos de bolo e até uma curiosa coxinha de banana. O gengibre, também muito, produzido na cidade, veio através de balas e do quentão sem álcool. Todas essas e outras delícias poderão ser conferidas neste sábado, 13, último dia da festa. Da terra também vieram as helicôneas e alpíneas, plantas tropicais que são cultivadas em Ubatuba e estão em exposição e venda. A Secretaria de Agricultura, Pesca e Abastecimento montou um stand onde apresenta o cultivo de hortas suspensas, que vem fazendo muito sucesso entre a comunidade.
O secretário de Turismo, Luiz Felipe Azevedo acredita o evento permanecerá no calendário turístico do município. “É a primeira vez que reunimos em uma festa as comunidades com seus pratos típicos. Tudo isso com muita tranqüilidade. Fico feliz pois Ubatuba ganha uma nova data em seu calendário turístico a partir de agora”, disse o secretário.
O prefeito Eduardo César também vê o turismo favorecido com essa nova festa. “Ubatuba precisa criar eventos diferenciados. Esse festival vai atender em pouco tempo um novo tipo de turista para a cidade, que não vem apenas buscar as praias, mas a tranqüilidade e a culinária local”, disse Eduardo.
O 1º Festival da paz de Ubatuba termina neste sábado, 13, com a apresentação de Grupos de Louvor. A partir das 20h apresenta-se o Ministério de louvor da Igreja Beulah e para fechar a festa o Ministério Vento do Espírito da Igreja Ágape. O evento acontece na avenida Iperoig, ao lado do parque de diversões, a entrada é franca e a organização é da Prefeitura Municipal de Ubatuba, com o apoio do Conselho de Pastores de Ubatuba. PMU

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Na qualidade de gestor dos recursos Municipais, sinto-me no dever de expor à população Ubatubense, os motivos principais que me conduziram à decisão de não atender à CONVOCAÇÃO da Câmara Municipal para que, na qualidade de Prefeito Municipal, preste depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito instaurada para apurar os desvios na folha de pagamento da Municipalidade ocorridos nos últimos anos.
Inicialmente, deixo bem claro que até o presente momento, sempre me manifestei perante a sociedade local com a maior franqueza possível, não omitindo fatos, números ou nomes. Trato tal matéria com a responsabilidade e austeridade que a lei me permite. Quando ciente dos fatos, determinei a imediata exoneração do principal envolvido, bem como que a Secretaria de Assuntos Jurídicos não poupasse meios a fim de que o erário fosse integralmente ressarcido. Solicitei a decretação da prisão preventiva do principal suspeito, o que não foi atendido pela justiça, pelos motivos que não me cabe discutir. Não tratei com leviandade tão importante afronta ao cidadão que, com tanta labuta recolhe seus tributos aos cofres municipais, tampouco, em nenhum momento, intentei o desfrute político de tal fato tão caótico do ponto de vista moral.
Porém, o que não posso aceitar, tampouco ser conivente, é que a lei e a ordem sejam violadas. A Constituição Federal é o diploma que regula a conduta principal dos Poderes constituídos. Inegavelmente, a CONVOCAÇÃO do Prefeito Municipal para depor numa Comissão, sendo que o mesmo sequer é parte nas investigações, constitui-se flagrante inconstitucionalidade e ofensa ao princípio Constitucional da Harmonia e Independência dos Poderes.
A Câmara Municipal editou emenda à Lei Orgânica, inserindo o artigo 57, XIII/A, o qual previa a possibilidade do Prefeito Municipal ser convocado para prestar esclarecimentos. É digno de nota que tal artigo foi declarado inconstitucional pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, através da ADIN 105.284.0/0.
Friso o fato de que jamais me furtei e jamais me furtarei de prestar quaisquer esclarecimentos que a sociedade Ubatubense necessite. Porém, não posso permitir que questões pessoais ou políticas sobreponham-se às legais. Todos os Poderes, Judiciário, Executivo e o Legislativo têm de, obrigatoriamente, observar a lei como limites de suas ações, pois, caso não façam, observaremos o caos administrativo e societário.
Comunicarei à Câmara Municipal, através do Ofício que, apesar de não atender à convocação efetuado, pois tal é inconstitucional, desde já, declaro aceito um eventual CONVITE para que possa contribuir, de alguma forma com as investigações, pois nada, absolutamente nada tenho a omitir em relação aos fatos. Estou a prezar apenas e tão somente pela lei e pela ordem e ao mesmo tempo contribuindo para que os Poderes constituídos e seus representantes sejam respeitados e tratados com a dignidade que a lei lhes confere.
À sociedade Ubatubense, ofereço total garantia de que, não pouparei meios para que todos os envolvidos sejam severamente punidos e incansavelmente buscarei formas legais para que os recursos desviados sejam repostos aos cofres Municipais. Este é meu compromisso com a sociedade que me delegou a responsabilidade de gerir os seus recursos, e para mim, tal compromisso está acima de toda e qualquer discussão mesquinha, política ou partidária.
Tenho a mais absoluta certeza de que, o forte senso democrático que impere nos membros daquela Comissão Parlamentar, a firme adesão aos princípios democráticos e, sobretudo, o respeito à ordem e aos Poderes Constituídos, serão relevantes marcos para o entendimento do posicionamento deste Chefe do Executivo e para o acolhimento do sugerido no citado Ofício.

EDUARDO CÉSAR
PREFEITO MUNICIPAL

“SERÁ QUE PODE?”

Corsino Aliste Mezquita - Professor*
O teor ameaçador do “DIREITO DE RESPOSTA” com acréscimo de fotografia promocional do Sr. Prefeito, publicado na edição do jornal A CIDADE de 30 de julho de 2005, página 02, e reproduzido nas revistas virtuais: Ubatuba Víbora, Litoral Virtual e Guaruçá, merece alguns comentários.
A seguir a introdução do “Direito de resposta”:“A Prefeitura Municipal de Ubatuba e o Prefeito Eduardo César, vêm a público exercer o direito de resposta, prévio à ação de indenização pelos danos morais, provocados pela publicação de matéria de responsabilidade do Vereador Edílson Félix, intitulada “PEDIDO DE INFORMAÇÕES SOBRE EMPRESAS TERCEIRIÇADAS RESPONDIDO DE FORMA INCOMPLETA PELO EXECUTIVO”.
Tivemos o cuidado de ler os reclamos e queixumes do nobre vereador, Edílson Félix, tanto quando solicitou as portarias de nomeação dos cargos em comissão, juntamente com as habilitações para os exercer produtivamente visando o progresso do município de Ubatuba e que, segundo informações do nobre Vereador, simplesmente não foi respondido, quanto a lamentações apresentadas no pedido de informação agora comentado. Em ambas reclamações não encontramos indício de delito praticado pelo Vereador.
Supostas omissões, respostas incompletas e pouco convincentes, por parte do Executivo, frente a supostos fortes indícios de irregularidades podem levar a concluir, tanto ao nobre Vereador Edílson Félix, quanto aos cidadãos, que existe algo a ser ocultado. Nas portarias não são só indícios. Provas existem. As portarias acabam sendo públicas mesmo não sendo publicadas. A falta de habilitação e de conhecimentos técnicos de alguns dos nomeados para ocupar os cargos de forma produtiva também se torna pública. A cidade já está sofrendo as conseqüências. Em alguns casos bastante graves.
O questionamento do título tem base em dispositivo legal. O Artigo 16 da Lei Orgânica do Município de Ubatuba determina: “Os Vereadores gozam de inviolabilidade por suas opiniões, palavras e votos, no exercício do mandato”. Conseqüentemente não tem cabimento ameaça com “ação de indenização pelos danos morais” contra quem está cumprindo seu dever fiscalizador e goza de imunidade parlamentar.
Aqui em Ubatuba costuma ser verdadeiro o provérbio popular: “O boi esquece que um dia foi bezerro”. Terá o Sr. Prefeito esquecido as expressões (para sermos politicamente corretos diremos) menos elegantes que, repetidamente, utilizou, quando Vereador, referindo-se a cidadãos supostamente desafetos e ao prefeito anterior?
Vereadores, imprensa e cidadãos devem ter liberdade para exercer funções fiscalizadoras e críticas sem serem intimidados com processos, cujos custos são pagos com dinheiro público, para manter supostos consensos únicos impostos pelos ocupantes circunstanciais do poder.
Não havendo nada a ocultar porque não informar as portarias dos comissionados, as habilitações e experiências que possuem para desenvolver os cargos de forma eficiente e que contribua com o progresso do município? Não informando, o que deveria ser publicado, para que a cidadania conheça quem são os responsáveis pelas diversas ações da administração, está se dando a entender que há mazelas a serem encobertas.
Por que não informar, por exemplo, o contrato do lixo e dizer qual a tonelagem que é recolhida diariamente, quem é responsável pela pesagem e qual a influência que teve a coleta seletiva na diminuição do lixo coletado?
Havendo fiscalização e crítica as falhas administrativas serão apontadas e os ocupantes do poder conhecerão suas deficiências e os anseios do povo.
Nem Vereadores nem cidadãos devem deixar-se intimidar. Não fosse o destemor de alguns parlamentares e o trabalho determinado da imprensa livre, os escândalos que provocam indignação e pasmo, no povo brasileiro, não teriam vindo à luz do dia.
Cientistas e analistas políticos afirmam que os agentes municipais não são melhores que os estaduais e federais. Sua formação ocorre na mesma escola dos partidos. Quando políticos de níveis superiores, provada e assumidamente corruptos, os apoiaram ou apóiam, a população, desses municípios, deve ficar vigilantes e acompanhar todos os passos dos que exercem o poder para não serem surpreendidos com malas de dinheiro partindo em helicópteros e jatinhos, em operação retorno. Estará Ubatuba blindada contra essas misérias?. É bom se cuidar!.“É dever dos Vereadores fiscalizar e controlar os atos do Executivo, inclusive da Administração Indireta”.(LOMU, inciso IX do Artigo 13). Por exercer essa função com zelo e coragem não podem ser processados. Será que em Ubatuba podem?
* Ex-secretário da Educação de Ubatuba

Jairo dos Santos em ação

Jairo dos Santos, presidente da Câmara de Ubatuba, atende comunidades de Norte a Sul da cidade

Logo no começo da semana, Jairo dos Santos, PT, presidente da Câmara de Ubatuba, esteve no bairro do Camburi, com Antonio Jorge Araujo, da Vigilância Sanitária, Alessandra Mahu, enferneira do PSF, Sandra Maria Nogueira, da Secretaria da Promoção Social e José Roberto Júnior, presidente da Administração Regional Norte. Eles foram verificar a situação da comunidade quilombola que está sendo vítima de um surto de escabiose (sarna). Antonio Jorge Araújo já comunicou que a Vigilância Sanitária está providenciando a medicação para uso oral e externo, que deverá ser aplicada a partir da próxima semana. Com o presidente da Regional, José Roberto Júnior, Jairo vistoriou várias ruas e estrada de acesso ao bairro, que estão precisando de melhorias. Sandra Maria Nogueira, da Promoção Social, percebeu a necessidade de levar cestas básicas e colchões para as famílias do local. Além disso, o presidente da Câmara observou que algumas casas de moradores estão em péssimo estado, com risco de desabamento. Jairo dos Santos já está em contato com a direção do Parque Picinguaba para obter uma autorização e efetuar a reforma das casas.O trabalho deverá ser feito pela comunidade, com o apoio da Prefeitura.No Vale do Sol, região do Ipiranguinha, o vereador e o presidente da AMBAVAS - Associação dos Moradores do Bairro Vale do Sol, Luciano Lima, vistoriaram várias ruas, valetas de águas pluviais e o campo de futebol. De acordo com Jairo, já está no cronograma de obras da Prefeitura a canalização dos córregos, limpeza das valetas, das ruas e o nivelamento do campo. Sobre a regularização fundiária da região, uma reivindicação antiga dos moradores, o presidente da Câmara informou que já está prevista uma reunião que vai tratar do assunto, para meados de setembro, com as comunidades do Vale do Sol, Jardim Ipiranga e Parque das Rosas com a Assessoria Jurídica da Prefeitura, Câmara Municipal e Secretaria de Arquitetura e Urbanismo.Com o representante da Regional Sul, Vital Moreira, e a presidente da Associação do Bairro do Rio da Prata, Maria do Carmo, Jairo dos Santos constatou a necessidade de limpeza nas valetas de águas pluviais e calçamento nas ladeiras. O presidente da Regional Sul, Mário Clarassoti, marcou uma reunião para a próxima segunda-feira, dia 15, quando deverá marcar uma data para o início das obras que serão executadas com a participação da comunidade.
Fonte: ASCOM

Caramujo Africano

Vereador Osmar de Souza pede severidade no combate ao caramujo africano

Preocupado com a infestação de caramujos africanos em todo o município de Ubatuba, o vereador Osmar de Souza, PFL, encaminhou ao prefeito Eduardo César um programa que visa o combate e a erradicação do molusco. Osmar considera a ocorrência uma praga que põe em risco a saúde pública, uma vez que o caramujo africano pode ser portador e transmissor de várias doenças infecciosas. "Além do problema da saúde, que é grave, há ainda, a ameaça para a economia do município, com a infestação nas lavouras, plantações, jardins e terrenos baldios, sem contar a repercussão negativa para o Turismo de Ubatuba", explica Osmar. De acordo com o vereador, o caramujo causa medo e repulsa às pessoas que freqüentam ou visitam a cidade. Osmar acredita que o programa encaminhado à Prefeitura venha resolver definitivamente a situação e que poderá ainda servir de exemplo para outros municípios que estejam passando pelo mesmo problema.
Fonte: ASCOM

sexta-feira, agosto 12, 2005

Golpismo

O deputado José Dirceu afirmou que a abertura de um processo de impeachment poderá trazer convulsão social ao país. Não é o que as ruas mostram. O país está calmo, esperando que a crise tenha um desfecho. Não há clima para mobilizações de massas. Dirceu parece fora da realidade. Sua tentativa de plantar uma lista com nomes de deputados e senadores supostamente comprometidos com o esquema Delúbio-Valério falhou. Foi uma manobra de desespero, uma espécie de Dossiê Cayman redivivo. Dirceu sente que a guilhotina se aproxima. Tramou como nos velhos tempos da Maria Antonia. Patético. Dirceu será jogado às feras. Plantou e agora está colhendo o fruto da insensatez.

Sidney Borges

Notícias da Prefeitura

Avenida Guarani passará por modificações

Projeto prevê criação de estacionamentos e mudança de mão-de-direção; árvores retiradas do local foram replantadas

Um projeto da SAU (Secretaria de Arquitetura e Urbanismo) de Ubatuba irá readequar o trânsito na avenida Guarani, no centro da cidade. Na tarde de quarta-feira, 10, secretários municipais apresentaram os detalhes do projeto aos comerciantes do local, que não se opuseram as modificações. O projeto foi elaborado tendo em vista o trânsito caótico em dias de festividades na Praça de Eventos, ao lado do Aeroporto.
Nas modificações, o sentido Centro-Itaguá será permitido apenas pelo prolongamento da Guarani, que passa ao lado da Praça de Eventos. A rua Antonio Carlos Ribeiro, que compreende o Restaurante Rei do Peixe até a Imobiliária Gobbo será utilizada como retorno para o centro para quem sai do prolongamento da Guarani.
Ainda de acordo com o projeto, a avenida será reurbanizada em todo o seu trecho, onde serão criados cerca de 30 estacionamentos a 45º graus. Os bloquetes já estão sendo retirados e será executada a nivelação de pavimento. Serão construídas calçadas e há um estudo de projeto para ajardinamento no local. Placas de sinalização serão colocadas no local informando as mudanças ocorridas. O serviço, executado pela Secretaria de Obras, deverá ser concluído dentro de 30 dias.


Replantio de árvores

As árvores que foram retiradas do canteiro central da avenida Guarani, foram replantadas pelas secretarias de Meio Ambiente e Obras. Segundo a Secretaria de Meio Ambiente, foram replantadas mudas frutíferas e nativas, entre elas flamboyant, baulínea, cibipirúna, ypê e mudas de cerca viva. O replantio já ocorreu na praça que fica na rua Marechal Pilsudsky, no Perequê-Açu. Uma parte das mudas foi levada para um viveiro para serem recuperadas e agora será iniciado o replantio na rua Liberdade. PMU
Vôlei de Ubatuba aquece as turbinas para o segundo semestre da LIVOVALI

O vôlei de Ubatuba já conhece os adversários que enfrentará neste segundo semestre na LIVOVALI (Liga de Vôlei do Vale do Paraíba e Litoral Norte). As equipes de Ubatuba participarão nas categorias Mirim, masculino e feminino, e Juvenil masculino.
A equipe Mirim feminino, treinada por Geraldo Vanoni terá como adversários os times de Pinda, Jacareí, Atleta Cidadão (S.J.C.), Jambeiro, São Sebastião, Mogi, Taubaté e Tênis Clube (S.J.C.). O Mirim Masculino enfrentará Jacareí, Taubaté, Pinda, São Sebastião, Mogi, Taubaté e Atleta Cidadão. A equipe Juvenil masculino fará três jogos na primeira fase, enfrentando Pinda, São Sebastião e Atleta Cidadão.
A partida estréia do segundo semestre acontece no dia 21, quando o time mirim feminino irá a Pinda enfrentar o time da casa. As partidas da primeira fase da LIVOVALI para as equipes de Ubatuba terminam no dia 29 de outubro, com uma super rodada no Ginásio de Esportes Tubão, que começa às 11h30 e terá jogos das três equipes. PMU
Ubatuba terá unidade SAM

Policiais rodoviários passaram por treinamento para atuarem na unidade

A Prefeitura de Ubatuba deverá firmar convênio com a Polícia Rodoviária Federal para que o município receba uma unidade da SAMU (Serviço de Atendimento Médico de Urgência), que será uma viatura de resgate. A Polícia Rodoviária disponibilizará motorista e a base da viatura e a Prefeitura um médico e um enfermeiro.
Ubatuba não possuiu sede do Corpo de Bombeiros para atendimento de resgate em acidente, por isso agentes da Polícia Rodoviária Federal de Ubatuba participaram de curso dos bombeiros, durante 45 dias, em Franco da Rocha. Os policiais rodoviários federais D’Angelo, Salles, Moyses e Bono foram capacitados no curso e hoje podem trabalhar diretamente no atendimento de primeiros socorros a vítima de acidentes de trânsito, quedas de cachoeiras, atendimento de parto, intoxicações, traumatismos específicos, retirada de vítima em ferragens, entre outros. O curso visou a atuação dos policiais na Samu.
Durante o período de treinamento dos policiais, no Centro de Ensino e Instrução de Bombeiros em Franco da Rocha, José Roberto Júnior, representando o prefeito de Ubatuba Eduardo César, acompanhou as aulas dos policiais. PMU
Fundart promove seminário sobre cultura popular em Ubatuba

“O aniquilamento de um povo, começa pelo desamor, menosprezo e esquecimento de suas tradições”

Ubatuba será o ponto de um grande encontro cultural durante os dias 2 e 3 de setembro. Pesquisadores e estudantes de diversas áreas, tais como história, arqueologia, cultura, geografia, entre outras, estarão reunidos no auditório da Unitau em mesas redondas abertas ao público.
O objetivo do encontro é promover uma reflexão sobre a situação cultural e sócio-ambiental das comunidades caiçaras. Além das palestras com especialistas, estão previstas conferências, apresentações de trabalhos acadêmicos, painéis e vídeos. O folclorista Nei Martins diz que a proposta do seminário nasceu da necessidade de revitalizar as manifestações culturais e não deixá-las morrer.
“A nossa intenção é incentivar a valorização e a preservação da cultura espontânea do povo caiçara. Esse é só o começo. Muitos eventos nesse sentido virão”.
O seminário “Território e Cultura Caiçara” é uma realização da Fundart (Fundação de Arte e Cultura), em parceria com a USP e a Unitau. A USP possui um grupo de estudos denominado NUPAUB (Núcleo de Apoio à Pesquisa Sobre Populações Humanas em Áreas Úmidas Brasileiras), que tem o objetivo específico de estudar as relações humanas em áreas em que a diversidade biológica e cultural é intensa. Esse grupo está colaborando com a Fundart para organizar o evento. PMU

Recado para o Prefeito

Madeiras de má qualidade

Jânio Quadros estava em campanha para a prefeitura de São Paulo, em 1985, quando recebeu seu vice para uma conversa. Artur Alves Pinto estava preocupado com os oportunistas que cercavam a campanha.:
- A eleição, meu caro – respondeu Jânio – é uma grande fogueira. Nela, há lugar para madeira de toda qualidade...
Pinto permaneceu calado e Jânio completou:
- ...mas fique tranqüilo: na administração, a gente separa as madeiras.

Fonte: Cláudio Humberto

Lula sabia (Revista Época - agosto de 2005)

Por Thomas Traumann e Gustavo Krieger:

Às 13h42 da quinta-feira 11, o ex-deputado e presidente do Partido Liberal, Valdemar Costa Neto, recebeu uma ligação de feliz aniversário do vice-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PFL). "Ninguém vai sair bonito desta crise, mas a gente vai sair menos feio", disse Valdemar ao telefone. Pouco mais tarde, atendeu um telefonema do ministro Alfredo Nascimento, cheio de preocupações: "Vai dar tudo certo no final", disse. Minutos depois, Valdemar iniciou sua primeira entrevista desde que renunciou ao mandato, no dia 1o, acusado pelo deputado Roberto Jefferson (PTB) de receber mensalão para defender o governo Lula.
"Recebi dinheiro, sim, mas não os R$ 10,8 milhões que diz o Marcos Valério. Foram R$ 6,5 milhões do caixa dois da campanha de Lula", revelou Valdemar a ÉPOCA. O dinheiro viria de um acordo, fechado em junho de 2002, em que José Dirceu e Delúbio Soares prometeram R$ 10 milhões em troca do apoio do PL. "O Lula estava na sala ao lado. Ele sabia que estávamos negociando números", contou ele. A versão de Valdemar tem algumas contradições, vários pontos obscuros, mas lança luzes sobre como Marcos Valério operava o caixa dois do PT.
"O Lula, o José Dirceu e o Delúbio faziam parte da mesma família. Não dá para crucificar só um", disse Valdemar, na sala da presidência do PL em Brasília, decorada com uma reprodução do Cristo Crucificado de Salvador Dalí. Na noite anterior à entrevista, ele falou com o vice-presidente, José Alencar. Segundo ele, Alencar o aconselhou: "Fala a verdade, Valdemar. Confessa". A seguir trechos da entrevista

ÉPOCA - Por que o senhor renunciou?
Valdemar Costa Neto - Eu cometi um erro fiscal. Não declarei o dinheiro que recebi do PT. Não tinha motivo para duvidar da origem do dinheiro do PT. Para mim, o PT sempre foi um partido sério, de gente decente. Mas cometi um erro e renunciei para continuar sendo respeitado por meus colegas do partido. A história do PL é ruim, mas é a menos pior.

ÉPOCA - Qual é a história do dinheiro que o senhor recebeu do PT?
Valdemar - Tudo começou nas negociações para fechar o apoio a Lula em 2002, com José Alencar, do PL, como vice. Tivemos muitas reuniões, em Brasília, na casa do José Dirceu. Sempre participavam o (deputado) João Paulo (PT), quase sempre o (ex-secretário-geral do PT) Silvio Pereira, sempre o (ex-tesoureiro do PT) Delúbio Soares, além do José Alencar. Estava tudo indo bem, até que a Justiça aprovou a verticalização (permitindo apenas as coligações com os aliados nacionais). Daí fui ao Zé Dirceu e avisei: "Tudo mudou".

ÉPOCA - Foi aí que o PL pediu dinheiro ao PT?
Valdemar - A questão é que o PL precisava ter 5% dos votos para ter as verbas do fundo partidário. Com a verticalização, as nossas chances de chegar a 5% eram pequenas, porque só poderíamos nos coligar com o PT. Falei para o Zé: "Para isso, preciso de uma estrutura muito maior para segurar meu pessoal". Ele falou: "Mas quanto?". Eu falei: "R$ 15 milhões, R$ 20 milhões".

ÉPOCA - Como se chegou ao acordo?
Valdemar - Foi uma discussão muito grande. No dia 18 de junho de 2002, tive uma reunião com o Dirceu. Ele disse que não tinha jeito de fazer o aporte de dinheiro. Eu respondi: "Então me libera (para fazer outra coligação)". Ele respondeu: "Está liberado". Já estávamos fazendo uma nota conjunta dizendo que a coligação PT-PL não ia sair quando me liga o Zé Alencar. Eu contei a ele que não conseguimos chegar a um número. "Não vou prejudicar nosso pessoal todo em troca de uma aliança", falei. O Zé Alencar disse para eu não assinar a nota conjunta. Daí a 15 minutos, ele ligou e disse que o Lula viria no dia seguinte a Brasília resolver o assunto.

ÉPOCA - Resolveu?
Valdemar - A reunião foi no apartamento do deputado Paulo Rocha (PT). Estavam lá o Lula, o José Alencar, o Dirceu e o Delúbio. O Lula chegou para mim e disse: "Quer dizer então que você é o nosso problema?". "Não posso matar o nosso pessoal", respondi. O Zé Dirceu não queria falar de dinheiro, queria negociar a participação no governo: "Valdemar, vamos governar juntos?". Respondi: "Mas, desse jeito, não vai sobrar ninguém na Câmara para governar junto com vocês". Depois o Lula até falou para o Zé Alencar: "Vamos sair porque esta conversa é entre partidos, não entre candidatos". Daí o Delúbio chegou perto de mim e disse: "Vamos conversar".

ÉPOCA - E vocês falaram de números...
Valdemar - O Lula e o Alencar ficaram na sala e fomos para o quarto eu, o Delúbio e o Dirceu. Eu comecei pedindo R$ 20 milhões para levar uns R$ 15 milhões. Daí, ficou aquela discussão. Uma hora, o Zé Alencar entrou e falou: "E aí, já resolveram?". Eles (o PT) achavam que iam arrecadar R$ 40 milhões. Eu falei: "Tira R$ 15 milhões para a gente. É justo". Eles ameaçaram ir embora. O Lula mandou ligar para o (hoje ministro) Patrus Ananias e avisou que, se a conversa não desse certo, ele seria o candidato a vice na chapa. Uma hora, o Dirceu chegou a dizer "acabou". Eles batiam tanto o pé comigo que eu pensei "ô povo firme. Esses vão me pagar rigorosamente em dia". Daí chamei o Zé Dirceu de volta para o quarto. O Zé Alencar veio junto. Falei: "Vamos acertar por R$ 10 milhões". Voltamos para a sala e avisamos: "Está fechado". Lembro ainda que o Zé Alencar falou "peça tudo por dentro" (doação legal).

ÉPOCA - Lula sabia que a conversa no quarto era sobre dinheiro?
Valdemar - Ele sabia. O presidente sabia o que a gente estava negociando. Olha, ele e o Zé Dirceu construíram o PT juntos. O Lula sabia o que o Dirceu estava fazendo. O Lula foi lá para bater o martelo. Tudo que o Zé Dirceu fez foi para construir o partido.

ÉPOCA - O vice-presidente José Alencar falava "tudo por dentro". E o presidente Lula dizia o quê?
Valdemar - Nunca falou. Quando saí, ele me falou: "Então está liquidado o assunto". O Lula foi lá para autorizar a operação. E não vejo nada demais. O que ninguém esperava é que desse essa lambança.

ÉPOCA - Quando vocês receberam?
Valdemar - Na campanha, nem um centavo. Vi que a coisa estava ruim quando um dia fui a uma reunião no comitê de campanha e vi o Duda Mendonça cabisbaixo (conta rindo). Ele reclamava: "Eles não pagam meu pessoal. E eu não consigo criar sem dinheiro". Imagine se eu ia receber, quando atrasavam até para o Duda? Eu ia para as reuniões, reclamava com o Zé Dirceu, com o Delúbio. O Delúbio dizia: "Valdemar, eu vou pagar, você pode assumir com os deputados, eu vou atrasar, mas pago". Eu não acreditei. Eu ia para o Delúbio, ia para o Zé Dirceu, e dizia: "A gente não está vencendo pagar as contas". Eles receberam R$ 40 milhões. Foram R$ 20 milhões do Lula e R$ 20 milhões do PT, mas misturaram as contas dos Estados com a nacional. Fizeram uma bagunça.

ÉPOCA - Como o PL reagiu?
Valdemar - Os deputados me pressionavam. Então, veio a eleição e o PL teve só 4,7% dos votos. Isso me arrebentou. Só conseguimos entrar no Fundo Partidário porque fiz a fusão com o PGT e o PST. Porque não tive a estrutura que me prometeram. Eu procurava o Delúbio e o Zé Dirceu. Falei com o Zé Alencar e ele me disse que estava fazendo uma doação oficial, de R$ 2 milhões. Quando fui tentar esse dinheiro para o PL, o Delúbio falou: "Xii, já gastei por conta". Achei que eles podiam ter facilidade. Iam ganhar a eleição. Decidi ficar quieto. E nunca pensei que eles iam ter dificuldade em conseguir o dinheiro.

ÉPOCA - E depois da eleição, o dinheiro veio?
Valdemar - Eu fiquei cobrando. Eles tiveram uma mudança grande comigo. Houve um boato de que "o PL já estava acertado". E a bancada me pressionava pensando que eu tinha embolsado algum. Tive de colocar uns dois deputados no pau.

ÉPOCA - Quando o Delúbio lhe disse que pagaria essas dívidas de campanha?
Valdemar - O Delúbio chegou a falar para mim que ia fazer um empréstimo. Eu perguntei: "Mas emprestar como, Delúbio?" Aí foi que eu fiquei mais apavorado. Ele disse: "Eu vou dar um jeito. Você fique sossegado". Isso era no começo do governo Lula. Não demorou muito. Em fevereiro de 2003, ele falou que ia me dar a primeira parcela. Falou para eu mandar meu pessoal até a SMP&B, em Belo Horizonte, para pegar o dinheiro. Perguntei quanto era. Ele disse: "Eu não sei, vai lá". Mandei o Jacinto (Lamas, tesoureiro do PL). Chegou lá, o Jacinto me liga: "Não é dinheiro, me deram um envelope". Eu falei: "Nem abre" e liguei para o Delúbio. Falei: "Delúbio, é um envelope!". Ele falou: "Não tem problema, pode trazer". Mandei o Jacinto levar o envelope fechado para São Paulo, até o flat onde eu morava. Quando abri o envelope, eram cheques. O total era de R$ 800 mil. Todos cheques da SMP&B, para uma empresa chamada Garanhuns. Eu liguei de novo para o Delúbio. Ele falou: "Fica tranqüilo, que eu vou mandar buscar o cheque aí". Passa uma hora, vem um segurança, desse pessoal que mexe com dinheiro, e falou assim: "Vim resgatar". E me deixou o dinheiro. Dinheiro vivo, cash. Estava numa daquelas malinhas com rodinhas, de levar no aeroporto. Chamei alguns fornecedores de campanha e eles pegaram todo o dinheiro.

ÉPOCA - Esse procedimento, de pegar cheques na SMP&B e trocar por dinheiro em São Paulo, se repetiu?
Valdemar - Duas ou três vezes. O sujeito chegava, colocava o dinheiro na mesa e pedia que eu conferisse. Separava direitinho nos pacotes.

ÉPOCA - E esse dinheiro não ia para os deputados do PL?
Valdemar - Nunca. Apenas para os fornecedores de campanha.

ÉPOCA - O senhor diz que pagava as contas. Mas não pedia nenhum recibo ou prova? Ele contava o dinheiro e ia embora?
Valdemar - Não. O camarada falava: "Vou tirar nota fiscal". Eu dizia: "Não tira, não". Eles me perguntavam o motivo, se o dinheiro era do PT. Eu achava que o dinheiro era do PT, mas não estava oficializado.

ÉPOCA - Um esquema de pagamentos como esse não lhe causou nenhuma desconfiança?
Valdemar - Eu não gostei, e fiquei preocupado. Mas só repetimos esse procedimento de mandar o Jacinto para Minas Gerais umas poucas vezes. Totalizou R$ 3,2 milhões, sempre em nome da Garanhuns. Depois, fui falar com o Delúbio. Porque eu esperava que o cheque fosse nominal ao PL e era para a Garanhuns.

ÉPOCA - Mas o senhor não pensou em checar que empresa era essa que lhe repassava tanto dinheiro?
Valdemar - Não. Agora que eu vi, no depoimento do Valério na Polícia Federal, que havia um contrato entre a Garanhuns e a SMP&B. Mas eu procurei o Delúbio e falei: "Eu preciso oficializar este dinheiro. Senão, vou ficar na mão dos meus fornecedores. E deixa eu te pedir uma coisa. Me dá em dinheiro. Não me dá mais cheque não".

ÉPOCA - O Delúbio perguntou por que o senhor não queria cheques?
Valdemar - Não. Quando você está no governo, você é dono do mundo. Você não tem preocupação com nada. Eu disse para ele: "Você está me mandando em cheque e eu tenho em dinheiro. Pára com isto. Me tira desse negócio lá de Minas Gerais, que está ficando ruim para mim". Aí, eles inventaram aquele negócio do Banco Rural. Mas foi só em setembro. De abril a setembro de 2003, não recebi nada.

ÉPOCA - O dinheiro era sempre entregue na SMP&B ou no Banco Rural?
Valdemar - Não, teve dinheiro que eles entregaram para mim. Entregaram para o Jacinto em Brasília... O Jacinto chegou a receber em hotéis. Uma vez, em São Paulo, mandaram ele pegar o dinheiro num restaurante. Era sempre o Delúbio quem me avisava que o dinheiro estava liberado.

ÉPOCA - Em cheque ou dinheiro, o senhor não achou no mínimo esquisito que os pagamentos do PT viessem de uma empresa privada?
Valdemar - Não achei esquisito. Palavra de honra. Porque o cheque era de uma empresa grande, a SMP&B. Se fosse uma empresa da qual eu nunca tivesse ouvido falar, eu ia até ter preocupação de pegar. Como era da SMP&B, não vi problema. Até porque o Delúbio tinha me apresentado o Marcos Valério.

ÉPOCA - Como foi isso?
Valdemar - O Delúbio trouxe o Marcos Valério, mas não falou nada desse dinheiro. Disse: "Este aqui é o Marcos, trabalha para a gente e quer fazer um trabalho para o PL". Isso aconteceu logo depois de o Delúbio me pagar aquela primeira parcela. O Valério queria um contrato em torno de R$ 250 mil por mês para cuidar de todo o marketing do PL. Eu contratei um estudo para mudar a marca do PL. Paguei, mas não pedi mais nenhum trabalho para ele. Achei o serviço muito ruim.

ÉPOCA - Quanto o senhor recebeu por esse esquema do Marcos Valério?
Valdemar - Foram R$ 6,5 milhões. Não chegou aos R$ 10,8 milhões que estão falando. Estão botando R$ 4 milhões a mais na minha conta. Dinheiro que foi repassado para a Garanhuns e um outro cheque, que não é nosso.

ÉPOCA - E para quem foi o dinheiro?
Valdemar - Aí é que está. Da Garanhuns, não vai ser difícil descobrir. A CPI já pediu para abrir as contas da Garanhuns. Vai aparecer alguma coisa. Eles podem ter dado outra direção ao dinheiro.

ÉPOCA - Quando os pagamentos passaram a ser feitos no Banco Rural?
Valdemar - O Delúbio falou: "Vou mandar o dinheiro para Brasília. Pega no Banco Rural". Isso me atrapalhava, porque os credores do PL estão em São Paulo. O Jacinto Lamas deixava o dinheiro comigo, e os credores iam receber lá em casa. Primeiro no hotel Academia de Tênis, onde eu morava. Depois, na minha casa, em Brasília.

ÉPOCA - Mesmo com todas as denúncias sobre o mensalão, o senhor insiste em que nunca repassou o dinheiro aos deputados do PL.
Valdemar - Nunca. Foi só para pagar as dívidas da campanha de 2002. E o pagamento acabou em janeiro de 2004, quando o PT quitou a dívida que fizemos na campanha. Não cometi a irresponsabilidade de envolver os deputados do PL.

ÉPOCA - Esse dinheiro não pagou a campanha dos deputados do PL?
Valdemar - Não. Foi tudo gasto na campanha presidencial de 2002.

ÉPOCA - Como o senhor espera provar isso sem ter nenhuma nota fiscal dos fornecedores?
Valdemar - Estou procurando o pessoal. Acho que eu consigo comprovar tudo isso. Os fornecedores não têm como não me atender. Se não me atenderem, na próxima campanha não faço mais material com eles. Estou enfrentando uma confusão, porque ninguém pagou imposto quando recebeu.

ÉPOCA - O senhor ficou com parte do dinheiro?
Valdemar - Nenhum centavo. Só fiquei com as reclamações.

ÉPOCA - Suas contas eram pagas pelo PL, como denunciou sua ex-mulher Maria Cristina Mendes Caldeira?
Valdemar - Não. Tanto é que pedi ao TCU que investigasse. Nós nunca fizemos nada com verba pública, e sim com a contribuição dos deputados do PL, que dá R$ 700 mil por ano, que eu uso para fazer as reuniões, para pagar aluguel da casa. Tenho tudo regularizado e documentado. A Maria Cristina precisa de cuidados médicos. Eu não quero falar porque ela já falou tanta coisa de mim que eu não quero nem reproduzir. Não falo de mulher. É mal.

ÉPOCA - Delúbio Soares diz ter montado o caixa dois sozinho. É possível que o ex-ministro José Dirceu não soubesse do que estava acontecendo?
Valdemar - O Zé Dirceu sempre comandou o PT. O Zé e o Lula. Eu cheguei a cobrar o Zé diversas vezes no Planalto. Falei: "Zé, meu dinheiro está vindo pingado, em conta-gotas". Falei que eu queria receber tudo de uma vez. O Zé disse: "Calma que o Delúbio está providenciando o dinheiro para te pagar. Ele vai arrumar o dinheiro e resolver tudo".

ÉPOCA - Ele sabia o que o Delúbio estava fazendo?
Valdemar - É gente deles. Esse pessoal construiu o PT junto. Delúbio, Lula e José Dirceu são a mesma família. Por que, agora, na desgraça, só um vai pagar?. Tenho certeza de que o Dirceu nunca fez nada que o presidente não aprovasse.

ÉPOCA - Como era seu relacionamento com o Planalto?
Valdemar - Tive um problema político. Quando o governo começou, a imprensa pressionava muito, dizendo que o governo não estava fazendo nada. Aí, resolveram fazer a reforma da Previdência. Numa reunião de líderes eu falei para o Zé Dirceu: "Eu tenho um problema. Eu sou contra o subteto para os juízes". E apresentei um destaque em plenário contra a proposta do governo. O Zé Dirceu me falou: "Você vai comprar uma briga com o governo". Mas eu agüentei firme e o governo teve de me atender. O Zé Dirceu me deu uma geladeira de um ano. E começou a empurrar deputados para o PTB e o PP. Eu não quis comprar a briga. Passei um ano no sal, quieto. O Zé Dirceu escolheu operar com o Roberto Jefferson. O Jefferson era o cara que estava sempre com eles, que andava com o Lula. Eles entraram nesta porque quiseram. Jefferson é um sujeito conhecido na praça.

ÉPOCA - Conhecido como?
Valdemar - Conhecido. Como um camarada mal-intencionado, perigoso. Para indicar diretor de estatal... Ele diz que indicava diretores de estatais para arrecadar dinheiro para o PTB. Em dois anos de governo Lula, o PTB arrecadou oficialmente R$ 200 mil. Ele diz que arrecadava R$ 400 mil por mês em uma estatal. Onde ele punha esse dinheiro? Ia para o bolso dele. Eles (o governo Lula) acabaram como tinham de acabar. Em Brasília, você é obrigado a conviver com pessoas de que você não gosta. Mas não precisa colocar dentro de sua casa. Eles escolheram conviver com um cidadão assim. Eles indicavam aos deputados para ir para o PTB. Tem de perguntar para eles por que esta preferência.

ÉPOCA - O líder de sua bancada, Sandro Mabel, enfrenta um processo de cassação, acusado de tentar comprar a filiação da deputada Raquel Teixeira (PSDB-GO). Este não é um sinal do mensalão?
Valdemar - Esse episódio foi uma maldade, uma questão pessoal. É a palavra da deputada contra a dele. O Sandro jamais oferecia dinheiro a qualquer pessoa. Ele é um camarada miserável, pão-duro. E ninguém ia oferecer R$ 1 milhão para ganhar uma deputada. Foi um desentendimento entre eles. E a Raquel, que se disse chocada com a oferta, três meses depois foi pedir um emprego na Mabel (empresa do deputado). E, pior, o Sandro deu.

ÉPOCA - O senhor continua negando que o PL tenha tentado um "acordão" para livrar o partido e o deputado Roberto Jefferson da cassação?
Valdemar - O Roberto Jefferson deu a entrevista para a Folha de S.Paulo falando no mensalão numa segunda-feira. Na terça, eu entrei com o processo de cassação contra ele. E ele foi covarde. No mesmo dia, mandou um deputado procurar o Sandro Mabel. Ele se ofereceu para assinar um documento desmentindo as acusações contra o PL, se eu retirasse o pedido de cassação. Eu recusei. Agora, uma semana antes de eu renunciar, houve uma pressão violenta de muitos deputados para que eu retirasse o processo.

ÉPOCA - Como foi seu acordo para apoiar Marta Suplicy (PT) em São Paulo, em 2004? O presidente Lula entrou pessoalmente nisso?
Valdemar - O Lula fez um jantar. Porque ele sabia que não íamos apoiar a Marta. Nós não conseguíamos tocar nosso ministério (Transportes). Nosso ministério estava muito ruim, a estrutura não era nossa. Eu falei com o Lula que a gente não tinha liberdade. Mudamos alguns cargos e a coisa melhorou. Eu bati o pé até o final para liberar o nosso ministério. O PT queria dizer em que estradas era para colocar dinheiro.

ÉPOCA - Na campanha para a prefeitura de São Paulo, também houve oferta de dinheiro?
Valdemar - Deram material para a gente em São Paulo. Nosso pessoal recebeu material. E, mesmo assim, não pagavam tudo. Eu pedi ao Delúbio um show do Zezé Di Camargo e Luciano em apoio a meu candidato em Mogi das Cruzes. O Delúbio chamou os dois e, na hora do show, queria que eu pagasse a conta! Eu falei: "Nem morto", e até hoje não paguei.

ÉPOCA - O ministro dos Transportes, Anderson Adauto, mantinha uma relação muito próxima com Valério.
Valdemar - Ele andava por todo lugar. Uma vez, Valério me fez um pedido. Um amigo dele tinha perdido uma concorrência para reformar uma estrada. Ele queria que o cara que ganhou cedesse uma parte para ele. Falou comigo umas três vezes. Mas não deu para ajudar.

ÉPOCA - No governo, todo mundo sabia que Valério era tão forte?
Valdemar - Quem era o tesoureiro do PT? Delúbio. O camarada que estava com ele tem força.

ÉPOCA - O senhor acha que os eleitores vão acreditar que esse dinheiro todo era para caixa dois de campanha?
Valdemar - Cada um explica o seu. No meu caso, vou ter como provar.

ÉPOCA - Esta crise pode derrubar o presidente Lula?
Valdemar - Não quero que o Lula se dê mal.Mas tem de ver como as coisas vão estar em outubro, novembro. Esta crise só piora. Tem de ver as explicações que eles vão dar"

Lula

Em pronunciamento na televisão o Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva disse estar perplexo com as denúncias de corrupção. Afirmou ainda que foi traído e que os culpados serão punidos. Não especificou quem o traiu. Amanhã de manhã, ao escovar os dentes verá a cara do traidor. Na sua frente, refletida no espelho. Falta grandeza a Lula.

Sidney Borges

Trechos do depoimento:

“- Quero dizer ao povo brasileiro que não tenho vergonha de dizer que temos que pedir desculpas. O PT tem que pedir desculpas. O governo, onde errou, tem que pedir desculpas porque o povo, que tem esperança no país, não pode em momento algum ficar satisfeito com a situação que vivemos. Quero dizer a vocês para não perderem a esperança. Sei que vocês estão indignados e eu certamente estou tão ou mais indignado que qualquer brasileiro. Tenho certeza que posso contar com o povo brasileiro.

- Eu me sinto traído por práticas inaceitáveis das quais nunca tive conhecimento. Sinto-me indignado pelas revelações que aparecem todo dia e que chocam a população. Não mudei e tenho certeza de que a mesma indignação que sinto é partilhada pela população.

- Se estivesse a meu alcance já teria identificado os responsáveis. Determinei desde o início que ninguém fosse poupado.

- O país está mudando para melhor. Esse país não pode parar e tenho certeza que esse é o desejo da sociedade brasileira”.

Ique

Charles Medeiros em ação

divulgação

Deputado Marcelo Bueno e Charles Medeiros reunidos em São Paulo

Em visita ao deputado estadual Marcelo Bueno, o vereador Charles Medeiros protocolou ofício (nº 319/05) solicitando a possibilidade de ser implantada em Ubatuba uma Casa de Passagem para moradores de rua. Tal solicitação é uma briga antiga que o vereador vem costurando a pedido da comunidade. "Parabenizo a iniciativa do vereador e coloco-me a disposição desta municipalidade, no caso da Casa de Passagem, cuidarei desta questão com muito carinho", comentou Bueno.
Outra questão abordada foi o agendamento de uma reunião com o secretário estadual de Recursos Hídricos, Mauro Arce, e os vereadores de Ubatuba. Na ocasião, Medeiros comentou sobre a preocupação dos vereadores com a questão da falta de saneamento básico. Existem obras da Sabesp que estão paradas, embora estejam setenta por cento concluídas. "Tenho um carinho especial pelo Litoral de São Paulo. Saneamento básico é sinônimo de qualidade de vida e lutarei com todas as minhas forças para que isto seja implantado em Ubatuba", finalizou o deputado Marcelo Bueno.
Fonte: Assessoria Charles Medeiros

ADEUS LULA

Fernando Barbosa Lima
Votei no Lula. Não voto mais. Acreditei nele, acreditei num Brasil melhor, mais justo. Como ele mesmo falava, sem medo de ser feliz.
Achei que tudo poderia mudar. Sonhei com as crianças na escola, os velhos tratados com respeito. Imaginei a reforma agrária, o fim da seca no sertão, Vi, imaginei, uma verdadeira revolução na saúde pública. Todo mundo respeitando a natureza, o verde.
Pensei num Brasil socialista, nacionalista, um Brasil forte.
Um Brasil grande para um povo feliz.
Todos esses meus sonhos foram se desfazendo diante da tela da minha televisão transmitindo a TV Senado.
A televisão é a máquina da verdade. Um close no José Dirceu ou no Delúbio revela o que é verdade ou mentira.
Eu vi uma grande mentira. Vi a corrupção, vi uma quadrilha.
O Brasil inteiro se ligou na TV Senado. De tudo, fica uma imensa indagação: - Será que o Lula sabia?
Tinha que saber. Dirceu, Delúbio, Genuíno e Silvio Pereira eram seus homens de confiança. A sala de Dirceu era ao lado da sua.
Ele tinha que saber.
O sociólogo e escritor César Benjamin, fundador do PT e seu dirigente até 1995, acha que o PT está morrendo. Ele escreveu na Folha de São Paulo: “O fim do ciclo PT nos coloca o desafio de construir uma nova interpretação, uma nova organização política e uma nova visão estratégica”.
Depois do depoimento de hoje de Duda Mendonça na CPI dos Correios, só existe um caminho para Lula: ir para a televisão, olhar o nosso povo nos olhos, confessar seus erros, prometer culpar os corruptos e ter a humildade e sabedoria de dizer: - “É verdade, eu errei.”Nenhum brasileiro quer dizer “adeus Lula”. Todos querem dar bom dia a um novo Brasil, sem vergonha de ser feliz.

Sem resposta

Momentos antes de começar a campanha vitoriosa que levaria Lula à presidência, houve um almoço na “Folha de São Paulo” com a presença do candidato. Tinha como finalidade aparar arestas entre o PT e a direção do maior jornal do país. Durante o encontro o dono da Folha, Otávio Frias Filho, perguntou como Lula havia se preparado para a presidência. Perguntou diretamente ao candidato, que se ofendeu e abandonou o recinto. Sem responder. Jornalistas petistas escreveram inúmeras matérias falando em provocação, afronta, preconceito e outros adjetivos, colocados de forma a esconder o principal. Lula não respondeu. A verdade veio tardiamente por vias transversas. Não respondeu porque não havia resposta. Lula nunca se preparou para governar. Deu no que deu.

Sidney Borges

quinta-feira, agosto 11, 2005

A esperança foi traída

Nota divulgada pela "esquerda" do PT, 22 deputados federais e dois senadores:

"Os Deputados Federais e Senadores integrantes do Bloco de Esquerda Parlamentar do PT , expressam de público seu mais veemente repúdio ao criminoso esquema de financiamento de campanha progressivamente revelado após sucessivos depoimentos colhidos nas CPIs em curso no Congresso Nacional, sobretudo nesta data.

Tais procedimentos afrontam a ética na política,traem a esperança de mais de 52 milhões de votos concedidos em 2002, frustam e impedem a realização dos verdadeiros compromissos historicamente assumidos pelo PT em sua trajetória política no País.

Por isso comunicamos que estamos exigindo, junto ao Diretório Nacional do PT, as seguintes providências:

* a imediata convocação extraordinária do Diretório Nacional para discussão e tomada de providências enérgicas em relação aos fatos já conhecidos;

* o imediato afastamento da condição de membros do diretório nacional dos dirigentes envolvidos nas denúncias, com apuração de todos os fatos mediante abertura de processos na Comissão de Ética do Partido, o afastamento da bancada federal do PT e das instâncias partidárias das quais por ventura sejam membros, dos parlamentares cujos nomes foram denunciados após as seguidas sessões de depoimentos nas CPIs e encontrados em provas documentais já reunidas até este momento.

O afastamento dos deputados atualmente integrantes das CPIs em curso, cujos nomes foram denunciados bem como dos que tenham incorrido em falso testemunho nos trabalhos das CPIs.

Nesta ocasião comunicamos que estão entregues à Coordenação da Bancada todas as Vice-Lideranças que haviam sido preenchidas com parlamentares integrantes do Bloco de Esquerda."

Batom na cueca

"Enquanto ouvem o depoimento do publicitário Duda Mendonça, membros da CPI dos Correios, representantes de diversos partidos, concordam em um ponto: apareceu, finalmente, a marca de batom na cueca de Lula". Talvez esteja explicado o mutismo do presidente da CPI, senador Delcídio Amaral. Desde que soube do depoimento do publicitário Duda Mendonça, o calmo e polido senador tornou-se taciturno e monossilábico. Lula vai ter muito para explicar. Começou a fase decisiva da crise.

Sidney Borges
com o Blog do Noblat

Carta de uma leitora

De: Uma cidadã
Para: O senhor Prefeito


Em virtude dos desmandos que vêm acontecendo nesta cidade e por acreditar não serem os mesmos de vosso conhecimento, como cidadã cumpridora de meus deveres municipais, sinto-me no dever de pedir esclarecimento de fatos que estão indignando não somente a mim como a muitos outros cidadãos cônscios de seus deveres.
A cada dia a população torna-se mais revoltada com o uso indevido da máquina municipal na contratação de mais e mais funcionários incapacitados para desempenhar a função. Estes ainda tornam-se arrogantes e presunçosos, sentindo-se superiores, julgando-se os escolhidos do próprio Deus, entoando vosso nome pelos corredores como se fosse um mantra sagrado de proteção, preterindo aqueles a quem no mínimo deveriam olhar como irmãos. Tudo isso calcado apenas em suas “costas quentes”, passam causando transtorno àqueles que procuram realizar um trabalho bem feito, bem orientado e direcionado à conquista de frutos colhidos a duras penas.
Sei da importância primaz da religião ao bom desenvolvimento do ser humano, eu própria professo minha fé, mas, também sei que no mundo a política é o pai e a religião é a mãe e que devem andar paralelamente, olhando para a mesma direção, ou seja, o bem estar de seus filhos. Todas as vezes que a religião tentou sobrepujar a política os resultados foram catastróficos, como nos mostra a História do mundo.
Sabemos que o pai nos dá a direção, nos habilita a andar e também que o caminho do crescimento é árduo... Doloroso... É por isso que a presença da Mãe é tão necessária para dar-nos “colo”, suporte que nos ampara durante a jornada, assim como somos cônscios de que a interferência da mãe nas determinações do pai faz com que o filho se perca.
Portanto, tendo convicção do caráter reto e inabalável dos senhores, espero explicações, da mesma forma que a população que apoiou seu nome independente de credo ou partido político e sim por acreditar em sua promessa de resgate.
Lembrando ainda que um resgate origina-se da raiz, da história, da dignidade, da cultura e da auto-estima, esperamos providências, pois a história de um povo o faz nobre e o torna digno de proteger seu lar.
...”A César o que é de César, a Deus o que é de Deus...”

Grata, atenciosamente,

Sandra Begotti
sansp_3@hotmail.com

PS – Aguardo resposta.

Reciprocidades sem medo

Ronaldo Dias
Nos bons tempos, quando os bancos precisavam dos clientes e, os valorizavam, esta era a palavra que sempre estava na ponta da língua dos gentis (naquela época eram genais) gerentes. A palavra "empurrava" delicadamente, goelas abaixo, produtos e serviços bancários com sutileza; principalmente nas ocasiões em que os correntistas, necessitavam de empréstimos e papagaios "salvadores". Hoje tudo mudou! Nos sujeitamos a "falar" com as máquinas mudas (a maioria carentes de manutenção) enfileiradas no (nem sempre) pronto atendimento. Modernidades! Destas mudanças todas, ainda vigora a regra que os cheques acima de R$ 100,00 devem ser nominativos (todos) mesmo os que são sacados na "boca" do caixa. Outra regra (jurídica) é: ninguém pode sacar da conta corrente de outrem, apenas com sua autorização. Imaginem: " ALô, é do banco? Olha, eu to autorizando o Mané a sacar um milhão e duzentos mil reais da minha conta tá? e, o beltrano, quinhentos mil, falou belezinha do titio?" "depois te dou um docinho tá?" . Para movimentar uma conta corrente, ou há uma procuração depositada na agência bancária que ampare a movimentação ou, para saque, um cheque. Outra regra (administrativa) é com relação ao limite diário de saques e transferências de valores. As agências não ficam (por medida de segurança) com valores acima da média de suas respectivas movimentações diárias. Assim, algumas perguntas simples incomodam e, viram assunto, até dos boys nas longas e intermináveis filas de espera: como sacar R$ milhões na "boca" do caixa, apenas com uma autorização? Como sacar milhões acima do limite de segurança (R$ 5.000,00) diários, sem prévio pedido (que deverá ser justificado) para que o caminhão de valores o tragam a agência? Em quer lugar, além do banco, o carro forte pode (ou é autorizado, sob responsabilidade de quem) fazer entregas a domicilio? Se pilhas de cheques foram assinadas, não eram nominais? "Pede aí cópias dos cheques para ver os endossos"! Riem os boys. Estariam, as instituições bancárias (e/ou seus dirigentes) envolvidas nos escândalos financeiros, oferecendo o que sempre cobraram: reciprocidades? Estariam "autorizadas" (aos desmandos) pelos próprios sacadores? Pela forma cínica e simplista das "explicações" e, "justificativas" dos depoentes das CPÍS, imaginam que somos 180.000.000 de idiotas. No mínimo, a recíproca é verdadeira. E o Lula, que não crê que eterno é o país e, que a nossa esperança sobreviverá a ele, sem medo, continua "viajando" .

Tucanos em marcha!

Tucanos sobrevivem na Mata Atlântica e passam novamente a repovoar o Brasil

Engº Pedro Tuzino - Tucano de Ubatuba
Reunidos com as lideranças do PSDB de nossa cidade, o assunto “boatos da ida do prefeito para o PSDB” veio à baila, e é fato que nenhum documento ou manifestação por parte do suposto pretendente chegou à direção do partido. Sabemos das dificuldades enfrentadas pelo PL e da renúncia do seu Presidente que “pousou” nesta cidade na semana da Eleição Municipal, coincidência ou não estamos cientes que alguns parlamentares que integravam a Comissão de Ética da Câmara estiveram buscando em nossa cidade cópias do processo ou de processos que poderiam ligar este último pleito municipal á rede de apoio á candidaturas originários do mensalão. Ainda bem que houve a renúncia o líder do PL e Ubatuba ficou fora deste triste episódio, ainda bem, pois nossa cidade não suportaria mais um escândalo, queremos uma cidade desenvolvida e harmônica que possa acabar com a pobreza e que os empresários possam pelo menos cumprir seus compromissos.
Voltando ao ingresso de novas lideranças neste partido, e o momento não podia ser melhor para o PSDB, queremos enfatizar que esta legenda está aberta a todo cidadão de bem de nossa cidade, seja ele o mais humilde dos trabalhadores como a maior autoridade estabelecida, mais independente do que escrevem alguns, os Tucanos têm mandamentos básicos, que devem ser assumidos pelos seus líderes e colaboradores, que passo a decifrá-los:


1º - Abominarás o nepotismo e o compadrio. Formarás tua equipe de governo com os melhores homens e mulheres de tua cidade, íntegros, trabalhadores e bem preparados.

2º - Perguntarás, sempre, em cada programa, em cada ação de governo, como ampliar a participação popular na gestão e nas decisões públicas.

3º - Serás obcecado no zelo pela honestidade e transparência de toda administração governamental.

4º - Obedecerás às prioridades essenciais da população e da cidade, garantindo que não faltem recursos para essas prioridades. Jamais comprarás “elefantes de louça”, mesmo que pela metade do preço.

5º - Cuidarás, acima de tudo, da vida dos moradores de seu município e da formação de seus recursos humanos. Entre tuas prioridades máximas deverão estar sempre a educação básica e a saúde.

6º - Usarás sempre de franqueza e sinceridade. È melhor dizer não e explicar o porquê, do que prometer e não cumprir. Só prometerás o que puder cumprir.

7º - Não descuidarás da comunicação, pois não bastará fazer as coisas corretamente. Todos os cidadãos têm o direito de saber que elas estão sendo bem feitas.

8º - Farás, logo no começo da gestão, um planejamento do município (planos diretores) deverá ser debatido com toda a população e na Câmara dos Vereadores. Lembra-te sempre que o navegante que não planeja como chegar ao porto distante naufraga no meio do caminho.

9º - Abominarás a atitude de pedir com o pires na mão aos governos. Fugirás também das trocas fisiológicas. Fundamentarás bem os pleitos, envolvendo a população nas causas do município e buscando parcerias pra valer nos governos.

10º- Repudiarás o débito fiscal e não endividarás irresponsavelmente teu município. Terás sempre presente que o dinheiro vai embora quando menos se espera. Serás, acima de tudo, pão duro com o dinheiro público.

Os prefeitos que estão no PSDB e os que pretendem vir para este partido devem assumir não só os mandamentos deste partido, como o firme compromisso com a gestão pública responsável e democrática. Além dos princípios éticos e ideológicos, que caracterizam a social democracia, há experiência suficiente acumulada nas administrações tucanas de sucesso, para se formular um “modo tucano de governar”, e além do mais o quadro técnico-político que constitui e constituirá o novo diretório municipal têm condição ampla e capacitação para administra qualquer cidade.
Já se falando em eleições internas do partido, como não poderia deixar de ser, participo de um grupo coeso e capaz, que aglutina diversas e reais lideranças deste partido e que disputará legitimamente a próxima eleição prevista para o dia 11 de Setembro.
Para também elucidar os fatos o nobre Vereador e grande liderança de nosso partido no município, faz parte de qualquer chapa que venha ser eleita, por justiça e pelo seu empenho e trabalho. Não queremos dominar esta “batata”, pois todo o foco do grupo esta voltado para o bem estar de nossa querida Ubatuba e além de nos prepararmos para o enfrentamento político tanto em nível Estadual como Federal ao nossos opositores da legenda do PT. Entendemos também que houve uma importante vitória do PSDB-Ubatuba no último pleito, onde elegemos quatro dos dez vereadores e dobramos o número de votos ao candidato majoritário, e, diga-se de passagem, com toda honradez e ética que é marca deste grupo. As picuinhas, ameaças e promessas de emprego por parte de uma suposta chapa, que tem objetivos escusos não representa a ampla maioria de nossos quase 500 filiados, e dos mais de dez mil eleitores de nossa legenda.
Podemos admitir disputas sadias e democráticas, sempre observando nossa responsabilidade social e nossos valores, mais vamos lutar contra a corrupção, o nepotismo e o vale tudo da política profana, abaixo a Lei de Gerson e a tradicional estratégia de marketing “Marcos Valério”.

Orgulho do vovô!

Quem diria? Salvo pelos neoliberais!

Oposição e política neoliberal devem salvar Lula, diz Larry Rohter

da BBC Brasil
A oposição e a política econômica conservadora são os principais fatores que devem ajudar a salvar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva de um impeachment, afirma um artigo desta quinta-feira do jornal "Herald Tribune", do mesmo grupo do "New York Times".
No longo artigo, o jornalista Larry Rohter - o mesmo que quase foi expulso do Brasil por dizer que o presidente tinha problemas com bebida - afirma que, se por um lado, "foi a disposição de Lula em jogar seguindo as regras tradicionais da política que o levou a problemas, é seu fracasso em desafiar as políticas econômicas neoliberais de seu predecessor que devem salvá-lo de um impeachment".
O articulista afirma que a política econômica do PT deveria ser o ponto fraco da presidência, mas que o Partido dos Trabalhadores "deu as costas às críticas ao capitalismo" e seu governo "se transformou em um favorito do Fundo Monetário Internacional (FMI)", adotando políticas ainda mais severas do que as recomendadas pela instituição.
Rohter descreve em detalhes o que está envolvido no escândalo do mensalão e do montante de dinheiro movimentado por pessoas ligadas ao governo.
Ele diz também que em contraste com a política econômica conservadora, o discurso político de Lula se aproxima cada vez mais do populismo ao estilo de Hugo Chávez, presidente da Venezuela, e que o presidente brasileiro está falando em um conspiração da elite contra ele.
Para o americano, no entanto, "se há uma conspiração ocorrendo no país ela é comandada pela oposição e por grandes empresários de São Paulo" e tem como objetivo "manter Lula no poder e não tirá-lo".


Nota do editor - Será que é preciso um americano para dizer o óbvio. O "mercado e as elites econômicas" amam Lula. O Bradesco acaba de obter o maior lucro da história dos bancos brasileiros. Socialismo estranho esse do PT, só os ricos ganham.

Notícias da Prefeitura

arquivo


Concurso de Pipas alegra manhã de pais e filhos em Ubatuba

O departamento de Recreação da Secretaria de Esporte e Lazer de Ubatuba realiza neste domingo, dia 14, na Praia do Perequê-Açu, o Concurso de Pipas. A idéia é aproveitar o dia especial onde pais e filhos poderão curtir juntos momentos agradáveis, com recreação sadia. As pipas serão premiadas nas categorias Maior, Beleza e Originalidade. As inscrições podem ser feitas no local do evento, à partir das 9h e cada categoria será julgada em separado, devendo as pipas permanecer no ar durante todo o período de julgamento e o uso de cerol é proibido. O Concurso de Pipas tem o apoio do Quiosque São Lourenço, Restaurante Senzala, Ótica Alvorada, Cia do Suco, Restaurante Tortilhão, Hlera Vídeo Bar e Vereador Mico. PMU
Artista das conchas visita Coordenadoria da Mulher

O artesão Luiz Roberto de Carvalho mostrou seu talento na Prefeitura Municipal, no último dia 5, quando de sua visita à Coordenadoria da Mulher. Seu trabalho é feito com conchas, galhos, ossos, carcaças e outros materiais naturais encontrados nas praias. Com muito talento e imaginação, Luiz transforma os materiais que encontra em elefantes, cobras, índios e outras artes.
O preço do seu trabalho varia de R$ 2,00 a R$100. Luiz é servente de pedreiro e sonha um dia poder sustentar sua família vendendo os artesanatos que produz. A coordenadora da mulher, Nalva Barbosa, aconselhou o artista a procurar o Grupo Setorial de Artesanato, que hoje reúne mais de 100 artesãos da cidade. “Essa união proporciona aos profissionais oportunidades de expor seus trabalhos dentro e fora de Ubatuba e trocar informações entre artistas. Essa pode ser a chance de Luiz iniciar sua carreira", explica Nalva. PMU
Perequê-Açu ganha 50 novas vagas em creche

O prefeito Eduardo César e a Secretária de Educação, Isabel Roseli Leite inauguraram no último fim de semana, um novo espaço dentro da Emei Maria Alice da Silva, que irá atender 50 novas crianças, de três anos e meio a quatro anos. A nova área, que consiste em uma sala de aula, uma sala de jogos e uma área coberta foi o resultado de uma reforma de um antigo postinho que existia no local. “Com essa iniciativa, de transformar um local sem uso em salas de aula, estamos conseguindo atender uma grande reivindicação da população que é o aumento do número de vagas em creches em Ubatuba”, afirmou Eduardo César, parabenizando toda a comunidade do Perequê-Açu envolvida nessa conquista, além do pessoal da Secretaria da Educação. PMU
Melhor Idade realiza baile e doa arrecadação ao Fundo Social

Evento arrecadou mais de 200 quilos de alimentos não perecíveis

O Baile da Melhor Idade, realizado no último dia 5, no ginásio de Esporte Tubão, em Ubatuba foi um sucesso. Promovido pela equipe do Projeto Atividade Física e Cidadania, o baile, animado pela banda Tribaltos, só terminou por volta da meia-noite. Os participantes puderam se divertir e também colaborar com o Fundo Social de Solidariedade, pois o ingresso era um quilo de alimento não perecível. No total foram arrecadados 214 quilos de alimentos, que foram entregues à Presidente do Fundo Social, Denise César.


Miss e Mister

No dia 19, à partir das 18h30, acontece o concurso de Miss e Mister Melhor Idade. O concurso definirá os representantes de Ubatuba para a disputa estadual de 2006. Os candidatos serão avaliados em beleza, elegância, simpatia e desenvoltura em duas categorias, 50 a 59 anos e acima de 60 anos. O ingresso é um quilo de alimento não perecível.
Jogos da Melhor Idade
Continuam abertas as inscrições para a fase municipal dos Jogos da Melhor Idade. As inscrições podem ser feitas nos bairros onde o projeto está implantado e na Secretaria de Esporte e Lazer. As modalidades em disputa são: atletismo, bocha, buraco, dança de salão, damas, dominó, malha, natação, tênis de mesa, truco, vôlei adaptado e xadrez. Não é necessário participar do projeto para competir nos jogos. Informações podem ser obtidas através do telefone 3833-3818. PMU
Inscrições para Salão de Belas Artes de Ubatuba será de 1 a 30 de setembro

Artistas plásticos de Ubatuba e região interessados em participar do III Salão de Belas Artes de Ubatuba 2005 terão de 1 a 30 de setembro para efeturarem suas inscrições. Para Paulo Alves, coordenador do Grupo Setorial de Artes Plásticas da Fundart, o Salão de Belas Artes de Ubatuba, em sua terceira edição, continua oferecendo ao povo da cidade e região, um maior contato com os valores locais e o conhecimento de artistas de outras cidades que, comparecem mostrando sua arte nas mais variadas formas de expressão. “Criamos com o evento, um espaço propício, não só para o desenvolvimento de nossos conhecimentos no campo das belas artes, mas também, um momento de bem-estar e entretenimento”, afirma Paulo. Mais informações podem ser obtidas pelos telefones (12) 3833-7000/7001 ou pelo site da Fundart (
www.fundart.com.br) onde estão disponíveis o regulamento e ficha de inscrição.

Novos espaços

Ainda segundo Paulo Alves, o Grupo Setorial de Artes Plásticas da Fundart partiu novamente em busca de novas participações em Salões do Vale do Paraíba e Interior de São Paulo e no último dia 5 foram entregues 36 obras de 18 artistas no 5º Salão de Artes Plásticas de Lorena e 37 obras no 55º Salão Ararense de Artes Plásticas (Antônio Rodini) Contemporâneo.O Grupo Setorial de Artes Plásticas avista também que estão abertas as inscrições para o 27º Salão Valdemar Belisário de Ilha Bela e os interessados (artistas cadastrados na Fundart) deverão entregar os trabalhos na Fundart até o dia 25 de Agosto de 2005 para o Grupo Setorial efetuar o transporte. PMU

Ubatuba participa do 15º Encontro Nacional do Meio Ambiente

O Secretário de Meio Ambiente de Ubatuba, Paulo Roberto Pires (Sri), participou do 15° Encontro Nacional do Meio Ambiente, realizado em Santo André (SP), de 2 a 4 de agosto com o tema “Integrar para Fortalecer o Poder Local”. Foram inscritos 584 participantes, de 147 municípios de 20 estados. O evento foi realizado pela Anamma (Associação Nacional de Municípios e Meio Ambiente) e contou com a presença da Ministra do Meio Ambiente, Marina Silva e do Ministro das Cidades, Olívio Dutra.
O encontro teve como objetivo trocar experiências e discutir as dificuldades de se regionalizar os problemas e soluções ambientais. Foram feitas propostas de uma união entre estados e municípios, para agir de acordo com as leis estaduais e federais. O secretário municipal de Meio Ambiente, Paulo Pires diz que essa proposta é muito boa para o município. “Nós, que estamos aqui, sabemos mais o que acontece no nosso meio ambiente e por isso, precisamos de autonomia para fiscalizar e licenciar ações. Dessa maneira, poderemos ter mais controle e poderemos gerar recursos para realizar uma administração auto-sustentável. Além disso, a descentralização agiliza e torna o processo mais transparente para o cidadão”.
A Associação Nacional de Municípios e Meio Ambiente - ANAMMA, é uma entidade civil, sem fins lucrativos ou vínculos partidários, representativa do poder municipal na área ambiental, tem desenvolvido atividades no sentido de fortalecer os Sistemas Municipais de Meio Ambiente para implementação de políticas ambientais que venham a preservar os recursos naturais e melhorar a qualidade de vida dos cidadãos. PMU
Campeonato Dentinho vai a campo pela segunda rodada em Ubatuba

Os jogadores da categoria Dentinho da Escolinha Municipal de Futebol Rubens Salles voltam a campo neste sábado para a segunda rodada do campeonato. Todos esperam que seja mais uma rodada com muitos gols, já que na rodada de abertura, foram assinalados 43 gols, média de 6,14 por jogo.
Os jogos da chave “A” serão disputados no campo do Horto, à partir das 9h. A Secretaria de Esporte e Lazer colocará ônibus à disposição dos jogadores e acompanhantes. A chave “B”, terá as partidas realizadas no Estádio Municipal Ciccillo Matarazzo, à partir das 10h. O destaque da chave B será a estréia da equipe do Auto Posto Jija, que folgou na primeira rodada.
Estatística - Na primeira rodada todos os times marcaram gols, sendo o time do Chaveiro Ligeirinho o grande destaque, balançando a rede da Pousada Ubatuba Paradise por 9 vezes. A chave “A” teve 6,75 gols de média por Jogo, enquanto a chave “B”, 5,33 gols de média. Orlando da equipe Quiosque Pica Pau e Ricardo, do Ligeirinho, são os artilheiros do torneio, com 4 gols cada.
Confira os jogos: Chave “A” : Porto Marina X Ismael Comida Caseira, Quisque Pica Pau X Ubadesklimp, Kutelak X Chaveiro Ligeirinho e Pousada Ubatuba Paradise X Casa Globo. Chave “B”: Mercado 24 horas X Calçados Fernandes, Smidi calçados X Restaurante Baleia Branca e Papelaria do Estudante X Auto Posto Jija PMU
Governador do Rotary visita Ubatuba

O prefeito Eduardo César recebeu em seu gabinete, na tarde desta terça-feira, 9, a visita de Murilo Mário Pulig Veiga, Governador do Distrito 4600 do Rotary International. “Podemos ver a atuação participativa de pessoas do Rotary em diversas áreas no município de Ubatuba. A disposição em colaborar dessas pessoas é enorme. O Rotary sempre foi um grande parceiro da administração municipal”, disse o prefeito Eduardo César. Na ocasião foi entregue uma cópia da Lei que declarava o Governador, sua esposa, Sônia Regina Werneck Veiga e os demais membros de sua comitiva, hóspedes oficiais do município.
Acompanharam a visita a presidente do Rotary Ubatuba, Zelma Landi, o presidente da Câmara, Jairo dos Santos e os vereadores Claudinho, Mico e Osmar. PMU

quarta-feira, agosto 10, 2005

Social democracia uma doutrina do PSDB

Marco Antônio Machado de Alcântara*
A social-democracia propõe uma sociedade em que os ideais da igualdade e da justiça social convivam com a preservação das liberdades democráticas e individuais, no contexto de uma economia de mercado. Os social-democratas se distinguem tanto dos liberais quanto dos comunistas. Dizem não à economia estatizada assim como rejeitam a soberania do mercado.
Existem dois elementos centrais na doutrina social-democrata: primeiro, a existência de um sistema político livre, democrático, com partidos fortes e organizados. É no jogo aberto da política que se promovem às mudanças na sociedade, feitas com liberdade, através do convencimento, nunca com imposição de idéias, nem pela força. Além disso, a social-democracia valoriza e respeita a organização da sociedade civil, como forma de participação popular. Sindicatos, cooperativas e ONGs em geral constituem força básica da democracia moderna, exigindo transparência nas decisões de governo.
A doutrina social-democrata também afirma ser imperativo o controle social do mercado e a submissão da propriedade privada à sua função social. A social-democracia não aceita a tese neoliberal de "quanto menos governo melhor". As chamadas leis do mercado, manifestando-se livremente, podem ocasionar danos ao conjunto da sociedade. Especialmente em países onde as desigualdades são enormes, cabe ao Estado garantir os direitos sociais básicos.
Nem mínimo nem máximo: a social-democracia defende o Estado necessário, eficiente e operativo. Assume como falso, portanto, o dilema entre estatal e privado. Fundamental será sempre o caráter público dos órgãos e das políticas governamentais. O governo pode ser forte sem ser grande, reforçando seu poder regulador mesmo quando se reduz o patrimônio estatal.
No espectro ideológico tradicional, a social-democracia coloca-se como força de centro-esquerda, preocupada com a correção das desigualdades sociais. Nas tendências do mundo contemporâneo, os social-democratas ajudam a construção da chamada "terceira via", uma sociedade empreendedora e justa, globalizada - porém defensora da cultura nacional -, progressista e sustentável.
Partindo dessa doutrina como Presidente do PSDB de Ubatuba convoco a todos os filiados que participem no dia 11 de Setembro próximo da Convenção Partidária imbuídos deste espírito de social democracia, atuando todos em prol de nossa sociedade.
* Presidente do PSDB de Ubatuba

Pergunta sem resposta

Você sabe quem é o carequinha da foto? Parece o empresário Marcos Valério mais jovem. Apenas parece. As aparências enganam. Trata-se do arquiinimigo do Superman, Lex Luthor. Por falar nisso, em Kripton está dando a maior confusão. É que lá, nas últimas eleições, dois partidos se coligaram. O WW e o WX. O WW ficou com o trono. O WX com o vice-trono, que é um cargo bom, com direito a festinhas, bolinhos e suquinhos. Na hora de compor o time de auxiliares intergalácticos, o supremo chefe de todos os chefes e comandante-mor da constelação, deu apenas um planetinha para os membros do WX. Houve protestos, até ameaças de rompimento. No entanto, na casa dos sacerdotes, onde trabalham os sábios, a cadeira suprema foi conquistada pelo partido WX. Duramente conquistada. Uma vez instalado no poder o supremo-sábio contratou para sentar-se ao seu lado um habitante do planeta ARGH, que não é do partido e trabalhou contra a eleição da coligação vencedora. É por isso que está havendo confusão em Kripton. Se nem o WX dá emprego aos seus militantes, por que faria diferente o WW? É a pergunta que ecoa nas galáxias do universo infinito.

Sidney Borges
 
Free counter and web stats