sábado, abril 09, 2005

Charles Medeiros em Araribá.


O vereador Charles Medeiros chegando para visitar a estrada de Araribá

No último dia 4, o vereador Charles Medeiros visitou a estrada do Araribá. Em sua companhia estiveram os engenheiros Rafael Irineu e Glauco Faria de Almeida. A visita teve por finalidade iniciar levantamentos técnicos, visando às obras que em breve terão início. O engenheiro Glauco pertence aos quadros da Codasp (Companhia de Desenvolvimento Agrícola do Estado de São Paulo), cujo presidente é o ex-prefeito de Taubaté, José Bernardo Ortiz. No último dia 21, em São Paulo, Medeiros e Ortiz estiveram reunidos para tratar de problemas referentes às estradas do Cambury, Sertão da Quina e Araribá, sendo que na ocasião o vereador, através do ofício 167/05, solicitou pavimentação para as estradas referidas. A recepção ao pedido do vereador não poderia ter sido melhor. Ortiz é um político com profundo conhecimento de Ubatuba. Ele sabe que essas estradas terão papel significativo no desenvolvimento da região Sul do município. Durante a visita o engenheiro Glauco tirou fotos e vistoriou pontos críticos da estrada. O administrador da Regional Sul, Mário Clarassoti também foi procurado pelo vereador e participou das conversas. Aproveitando o ensejo o engenheiro Glauco fez esclarecimentos da maior importância sobre o funcionamento da parceria prefeitura-estado, cujo bom funcionamento só trará benefícios à comunidade. Voltando ao tema das obras, o administrador Mário mostrou uma área onde será retirado material de apoio e onde poderá, no futuro, ser erguido um novo cemitério para a região. A propósito dessa intenção, o vereador Charles Medeiros enviou, no dia 10 de janeiro de 2005, o ofício 14/05 endereçado à secretária da promoção social, Sra. Kátia Regina Gomes Nunes. Neste é solicitada a construção do cemitério visando atender às necessidades mais prementes da região. Nas conversas que se seguiram foi tocado num tema doloroso para Ubatuba. A procrastinação da administração anterior fez com que perdêssemos a oportunidade da construção de pontes metálicas na região. Havia verbas e disposição por parte do Estado. A Prefeitura, cujo único trabalho era a entrega de documentos, não o fez em tempo hábil. Charles lamentou e reafirmou sua vontade de trabalhar para que situações como essa não voltem a acontecer. “A cidade não pode perder oportunidades de desenvolvimento, nosso trabalho será sempre no sentido de construir. Jamais deixaremos de cumprir nossas obrigações. Temos um compromisso com o povo, dele nunca abriremos mão”.
Fonte: Assessoria Charles Medeiros

Notícias da Prefeitura

Fundart oferece aulas de canto coral.

O projeto “CANTO CAIÇARA”, do instrutor Rodrigo Lopes da Silva – músico, regente e pianista, propõe, no seu início, formar cidadãos conscientes de sua história e de sua cultura, resgatando canções regionais, de festas populares e folclóricas transmitidas de geração para geração. No decorrer do curso os participantes também experimentarão canções do repertório popular brasileiro – Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Toquinho, Ivan Lins, Milton Nascimento, Chico Buarque, Luiz Gonzaga, Dorival Caymmi entre outros. A idéia é fazer da prática musical uma atividade feliz, divertida onde os participantes se expressem criativamente, explorando recursos corporais e materiais.

Inscrições: a partir de 11 de abril de 2005.
Para alunos a partir de 16 anos de idade.
Aulas às quartas-feiras, das 19h00 às 22h00.
Turma com até 50 componentes.
Inscrição: R$15,00.
Mensalidade: R$15,00.

Informações:
Praça Anchieta, 38 – Centro
(12)3033-7000 / 7001 / 3832-4584 PMU

sexta-feira, abril 08, 2005

Humor



Isso meu filho, são as multinacionais celebrando o aniversário de sua independência. Foi num dia como hoje que tiveram êxito em se libertar de qualquer escrúpulo ético.
Quino ( tradução livre)

Editorial

Começamos mal!
Na eleição municipal de São Paulo em que Jânio Quadros derrotou FHC, pela primeira vez foram usados computadores na redação onde eu trabalhava. Serviram para informar o público interno, a cada instante era fornecido um panorama detalhado da votação. Na minha sala, na praça Marechal Deodoro, redação da Central Globo de Jornalismo, foi instalado um terminal. Era um artefato desajeitado e feio, mas muito eficiente. Três horas depois de iniciada a apuração a primeira prévia abrangente apareceu na tela. Exibia números que computavam votos apurados em todas as urnas. Deu para fazer a projeção que contrariou os colegas do partidão, que comemoravam ruidosamente a vitória de FHC. Jânio levaria a melhor, números não são passíveis de interpretações cabalísticas. São exatos, claros e cristalinos. Não deu outra. Eleito, Jânio pintou os ônibus de vermelho e fabricou alguns de dois andares, para matar as saudades de Londres. Aqui em Ubatuba, iniciado o mês de abril, já dá para fazer projeções sobre o governo. Com base nos primeiros cem dias, é possivel antever como serão os próximos. Terminou a fase inicial, o fantasma da herança já não pode ser mencionado. O panorama não é dos mais alvissareiros. Pouca ação, empreguismo de pessoas desqualificadas, falta de planejamento e excesso de publicidade sobre atos banais. Ainda estamos esperando o governo começar. A população evoca o fantasma de Paulo Ramos, comparando as duas administrações. Paulo Ramos foi péssimo. Se voltasse seria péssimo novamente. Não sabe fazer diferente. Eduardo César ainda tem tempo para começar a governar. Se não fizer isso logo, cairá em descrédito. Ao atender os compromissos de campanha, demasiadamente onerosos, está colocando em risco sua carreira política. Deveria ter em mente que se tiver sucesso não haverá limites para sua ascenção. Se, no entanto, continuar como está, agradando a gregos e troianos, poderá ir por água abaixo, como foi a ponte da Ressaca. Se isso acontecer será abandonado pelos que hoje o cercam, que certamente partirão em busca de um novo amo. O poder sempre é rodeado de oportunistas. Na sua imensa maioria, um bando de incompetentes. A cidade contempla com expectativa. E de olho!

Sidney Borges

Vereador visitou Picinguaba


Charles Medeiros e lideres da Picinguaba discutem problemas da região

Charles Medeiros visitou Picinguaba na companhia do Administrador Regional

Na última sexta-feira, o vereador Charles Medeiros convidou José Roberto Júnior, administrador da Regional Norte, para uma reunião com a comunidade da Picinguaba. Na ocasião compareceram doze representantes locais que reivindicaram melhorias para o acesso à vila. Segundo afirmaram, o asfalto está deteriorado e em alguns pontos a chuva está tirando a terra que serve de sustentação para a estrada. A comunidade perguntou ao administrador se há planos de melhorias para a região norte. A localidade tem recebido, nos últimos anos, pouca atenção do poder público. Júnior disse que esteve com o prefeito e este se colocou à inteira disposição da comunidade. Segundo ele, será dado andamento emergencial à operação tapa-buracos. Charles também esteve com o Secretário de Obras, engenheiro João Paulo, conversando sobre a situação do acesso da Picinguaba, bem como dos problemas trazidos pelas chuvas recentes. O vereador falou da necessidade de serem colocados tubulões em alguns pontos da estrada. Pontos críticos, que necessitam de tratamento urgente. O administrador convidou alguns participantes da reunião para que acompanhassem a visita dos engenheiros José Carlos Vital e Ibiapara Romero aos locais com necessidade de ação imediata. Charles Medeiros explicou à comunidade que "na impossibilidade de um recapeamento imediato, as ações prometidas pelo executivo irão dar condições para que a população transite em segurança." Segundo Medeiros, “não é o ideal, é o possível, mas é uma ação que resolverá o problema, um avanço face aos descasos de outrora.” Continuando, Charles afirmou que “a comunidade pede apenas o básico, sempre.” Na reunião também foram levantadas outras questões. A comunidade necessita da construção de uma quadra poli-esportiva, de um muro de arrimo, da limpeza do campo de futebol e da pavimentação da rua ao lado da igreja.
Fonte: Assessoria Charles Medeiros

Tédio...

Sexta-feira, 8 de abril de 2005. Quem diria, estou em 2005, quantas vezes ouvi que o mundo não chegaria ao ano 2000. Chegou e passou. Mas, em 2005, em pleno terceiro milênio, no estado mais rico do país do futuro, distante apenas 240 km da maior cidade do Hemisfério Sul, fiquei sem comunicação com o mundo desde a noite de segunda-feira. Não, não foi um tsunami, nem tampouco um furacão. Foi uma chuva forte! Apenas isso. No país tropical, de belezas mil, não há vulcões nem manifestações das placas tectônicas. Fico imaginando se houvesse. Caso Londres fosse brasileira ainda estaria destruída pelos bombardeios de 1940. Nomeariam comissões para estudar o assunto, depois outras comissões e o tempo iria passar até o fim do Universo, se é que o Universo um dia terá um fim. Será que teve um começo? Falam do Big-Bang, eu não acredito que antes do evento nada existia. Como seria o nada? Nem adianta tentar imaginar, o cérebro binário do qual somos portadores dificilmente criará um modelo físico para o Universo. Vamos descobrir através da linguagem matemática, nossa maior e melhor criação. Infinitamente superior aos deuses que criamos e que se parecem conosco, isto é, têm cérebros binários. O deus judaico-cristão é um bom exemplo. Um grande barganhador, parecido na essência com qualquer mercador do Oriente Médio. Por falar em deuses, o avião do Lula, o aerolula, carregou um time de notáveis como há muito não se via. Presidente, ex-presidentes, ministros, rabino, chefe da seita de Maomé, enfim, a nata dos que mandam, são obedecidos, e não trabalham. Na acepção do termo. A caravana foi ver o enterro do Papa. A igreja chegou a cogitar da possibilidade de empalhar o cadáver. Cobrando entradas poderia voltar aos tempos esplendorosos da idade média, onde tem a cabeça. Faltaram dois notáveis na caravana presidencial. Collor e Itamar. Dizem que foi oferecido o Sucatão. Nada melhor para transportar sucata. Com serviço de bordo composto de água, cafézinho, pão, banana e 51. Recusaram. Bem que o aerolula poderia retornar pelo Triângulo das Bermudas. Quem sabe...

Sidney Borges

Estação Click

Jorge Lee*
Uma questão que me fascina é o acesso à informação que a galerinha jovem tem atualmente. É muito comum ouvir por aí: - ... no meu tempo, eu não tinha a liberdade que os jovens têm hoje. É verdade que há um preço alto a se pagar por toda essa suposta "liberdade" e "acesso ilimitado" à informação. Toda pessoa, com mais de 13 anos de idade, sabe que é só entrar na primeira Lan House, entre tantas em um único quarteirão, para se conectar com o mundo. Não levo em consideração, nesta constatação, a qualidade da informação. Quantos ÃOS...
Conseguirão nossos heróis terem um Click de consciência humanitária? Eis aí uma indagação que só terá resposta daqui a alguns anos, quando a galerinha estará adulta e exercendo cidadania em sua plenitude. A partir desta edição, estou propondo trazer assuntos ligados aos jovens que sejam pertinentes e impertinentes também. Afinal, o que é a juventude sem a irreverência, a impetuosidade e o entusiasmo? ESTAÇÃO CLICK, como o nome sugere, é uma leitura dos movimentos juvenis desde as bandas de garagem até os grêmios estudantis. Um fanzine de variedades dos seres antenados, conectados na Rede Internacional, fissurados por HQs e Games. Calma... há espaço também para os jovens que são antenados, porém, ainda sem contatos imediatos com a high technology. Estar antenado não é necessariamente estar vinculado a um determinado tipo de movimento ou moda. Estar antenado é participar do meio social, questionar desigualdades, participar voluntariamente de programas de interesse comum, enfim, compreender o mundo em que se vive e fazer parte dele sem sofrimentos ou revoltas. ESTAÇÃO CLICK é o início de um projeto maior que já reúne profissionais preocupados com a formação dos futuros cidadãos. Talvez, eu seja mesmo um artista sonhador, como querem me fazer crer meus melhores amigos, pessoas que ocupam cargos importantes e de decisão política. O que eles não sabem ainda (ou não querem aceitar), é que o sonho é a semente da realidade. Todos nós só estamos onde estamos porque um dia sonhamos em chegar a algum lugar. Pode ser que ainda não estejamos onde consideramos ser o ideal, mas sem sonhar, talvez nunca cheguemos onde queremos realmente estar. Filosofias à parte, espero que todos CLICKem neste site a partir de agora. Por favor, não enviem mensagens TIPO ASSIM... Q.F. - Queimação de Filme, S.N. - Sem Noção ou P.V. - Piração Viajante. Sejam normais em suas sugestões e opiniões sem perderem a originalidade e a ousadia. Elas são importantes para a manutenção deste espaço precioso que, gentilmente, seus idealizadores me concedem. Forte abraço a todos que pacientemente acompanham minha trajetória no Litoral Norte.
* Consultor de Planejamento de Vida, Entusiasmo e Motivação
jorgesinglee@yahoo.com.br

Ciclismo


Ana Carolina, 3º lugar em Marília

Atleta de Ubatuba é convidada a integrar a seleção brasileira

Laura Valesi Ennes
A atleta Ana Carolina Ennes Houdjakoff, integrante da Equipe de Ciclismo de Ubatuba e já consagrada tri campeã do Vale do Paraíba, bi campeã Inter-Estadual e vice-campeã da Copa América, conquistou mais dois importantes títulos, o de vice-campeã na prova de contra relógio e terceira colocada na prova de resistência do Campeonato Brasileiro, realizado na cidade de Marília (SP), de 31 de março a 3 de maio. Além de trazer estes títulos, Ana Carolina foi convidada a integrar a pré-seleção brasileira júnior para o Pan-americano da Guatemala, em 27 de maio deste ano.
A partir de agora a atleta se dedicará a treinamentos mais rigorosos para poder buscar um bom resultado dentro da seleção brasileira.
Ana Carolina agradece o patrocínio do Aquário de Ubatuba e o apoio da diretoria e amigos da Escola Estadual Capitão Deolindo e da Prefeitura de Ubatuba.
O atleta Brenno Poyares Telles, também da Equipe de Ciclismo de Ubatuba, participou da prova do campeonato Brasileiro, pela categoria Mountain Bike Asfalto, finalizando o circuito entre os 10 primeiros colocados.
Demonstrando excelentes resultados a cada competição, os atletas solicitam a colaboração de empresários e comerciantes para que possam crescer ainda mais no esporte e elevar o nome de Ubatuba no lugar mais alto do pódio.

“Haja paciência!”

Corsino Aliste Mezquita - Professor*
Na imprensa local, o Exmo. Sr. Prefeito, pediu que: “Os funcionários da administração (Prefeitura) tenham paciência com relação ao reajuste, pois Ubatuba tem hoje um mar de desempregados que trabalhariam pela metade dos salários recebidos atualmente pelos servidores municipais”.
A existência de desempregados é um fato social inquestionável e doloroso. A qualidade dessa mão de obra desempregada é assunto que deverá ser discutido com profundidade antes de ser contratada e, em hipótese alguma, serve como justificativa, já que eles não prestaram concurso para poderem ser contratados e remunerados.
O Exmo. Sr. Prefeito deve ter consciência de que a máquina da Prefeitura está inchada, pela quantidade de pessoas inexperientes, sem formação adequada e sem histórico profissional e laborioso que os habilitem para ocupar os cargos para os quais foram nomeados, servindo-se de um nepotismo nunca antes praticado em Ubatuba. Para resolver esse problema não se pode pedir paciência nem aos funcionários, nem à sociedade consciente e cidadã. Haja paciência!
A frase: “desempregados trabalhariam pela metade dos salários recebidos atualmente pelos servidores municipais” deve levar, ao Exmo Sr. Prefeito, a fazer uma análise de seu quadro de gratificações para cargos de provimento em comissão. Pessoas de pouca formação profissional ocupam cargos em comissão e além dos salários superiores a R$ 1.300,00 ou a R$ 1.700,00 recebem vultosas gratificações. Nunca esses cargos, mesmo que ocupados por pessoas bem mais qualificadas que as atuais ocupantes, foram remunerados com gratificação. Certamente para ocupá-los, sem gratificação, encontraria dezenas de profissionais mais qualificados, de melhor relacionamento e mais dedicados ao serviço público, dentro e fora dos quadros da Prefeitura. No mínimo, estão se invertendo valores. Essas pessoas não necessariamente, seriam desempregadas. A mudança de cargo, dentro da própria Prefeitura, aumentaria seus rendimentos mensais e não solicitariam gratificação. Também esses, digamos, abusos de apadrinhamento, não são passíveis de pedido de paciência. Haja paciência!
Antes de pedir paciência, o Exmo. Sr. Prefeito poderia analisar e resolver um problema que sua administração criou. A Folha de Pagamento da Prefeitura, dos últimos doze meses ou “anualizada”, encerrou dezembro de 2004, com o comprometimento de 46,59%. do orçamento da Prefeitura. Observamos que em dezembro houve 13º salário, um terço de férias de todo o quadro do magistério, pagamento de férias de todos os comissionados, etc.
Com a saída de janeiro de 2004 e a entrada de janeiro de 2005 a folha anual pulou para 48,51%. Aumento preocupante. A saída de fevereiro de 2004 e a entrada de fevereiro de 2005 a fez pular para 50,46%. A preocupação aumenta. Que terá acontecido com a entrada de março de 2005?. Todos sabemos que a partir do comprometimento de 51,30% a Prefeitura fica limitada em várias de suas ações pela Lei de Responsabilidade Fiscal - Lei n°101-2000.
São fatos que não se resolvem pedindo paciência. Os administradores deverão agir com urgência para que o município e os munícipes não sejam prejudicados.
Não prejudicar o município e os munícipes é o desejo destas reflexões. Não existem outras pretensões.
* Ex-secretário da Educação de Ubatuba

AOS POUCOS...

Miriam Tabarro
Aos poucos, numa total desobediência às leis, o som amplificado está de volta aos quiosques da praia do Itaguá. Principalmente nos finais de semana.
Eu e outros moradores do bairro, sofrendo diretamente as conseqüências da intensidade das ondas sonoras, acompanhamos com o maior interesse as medidas tomadas pelo Ministério Público em fevereiro de 2002. Na ocasião, as promotoras, Dra. Elaine Taborda e Dra. Karina Mori, puseram em prática a lei sobre ruídos urbanos, tomando providências rigorosas contra o abuso, não só no volume do som, como no horário determinado para essa prática.
Agora, passados 3 anos, parece que tudo foi esquecido e o som alto, com amplificadores, está de volta. Não sou contra o som nos quiosques, só acho que ele deveria ser ouvido por quem ESTÁ lá. Não precisa ser ouvido pela cidade inteira, pelos cidadãos que decidiram ficar em casa e descansar para pegar no batente cedo, no dia seguinte.
Seria muito bom se os proprietários de quiosques, tentassem praticar o jogo que em psicoterapia é chamado de “inversão de papéis”. É simples: é só eles imaginarem o incômodo que sentiriam quando, ao deitar a cabeça no travesseiro para descansar, depois de uma longa noite de trabalho, um carro barulhento, com som altíssimo, estacionasse na frente de suas casas. O que será que eles iriam sentir? Será que gostariam?
Mais uma vez, como cidadã, peço ao Ministério Público e ao executivo municipal providências. Tomem conta de nossa cidade, fiscalizando e punindo os infratores que, tudo indica, têm a memória bem curta.

Notícias da Prefeitura

Prefeitura de Ubatuba apresenta 100 primeiros dias de governo

A comunidade está convidada a assistir às apresentações de todas as secretarias do novo governo

Na próxima terça-feira, 12, a partir das 18h30, a nova administração municipal fará uma apresentação dos 100 primeiros dias de governo. A população de Ubatuba está convidada a assistir a apresentação que acontecerá na Câmara Municipal. Todos os secretários estarão presentes, juntamente com o prefeito Eduardo César e o vice-prefeito Domingos dos Santos, para mostrar as principais ações realizadas nesse período.
Essa apresentação faz parte do plano de governo do prefeito Eduardo César, que propõe transparência administrativa e participação popular. Segundo ele, é importante que a população esteja ciente dos acontecimentos no município, para poder opinar e direcionar as ações da prefeitura. “Nós estamos colocando as informações da prefeitura à disposição e ao alcance da população. Gostaríamos que todos participassem desse processo democrático para podermos administrar a cidade de acordo com os anseios da comunidade”, disse o prefeito, reforçando o convite à população: “Gostaríamos de poder contar com um grande número de cidadãos de Ubatuba, na próxima terça-feira, na Câmara Municipal, para assistir à nossa apresentação”. PMU



Recreando em seu bairro começa neste domingo na Estufa 2

O evento terá práticas esportivas, gincanas, atividades artísticas e culturais

A Secretaria de Esporte e Lazer promove neste domingo, 10, a primeira edição do “Recreando em Seu Bairro”. O bairro da Estufa 2 foi o escolhido para o início das atividades e a comunidade poderá se divertir a valer com quadras de vôlei, futebol e queimada.
Além dessas atividades os monitores promoverão gincanas e coordenarão a participação nos jogos de mesa. Uma tenda será montada para a garotada soltar a criatividade através de colagens, desenhos, modelagem de bexigas e pintura facial. Entre as atividades mais concorridas devem estar a cama elástica e a confecção de brinquedos com material reciclado.
Através de parcerias firmadas com a Fundart e academias de esportes da cidade, as crianças ainda poderão contar com atividades que darão noções de teatro, dança e artes marciais.
A Secretaria de Saúde participará com equipe do PSF aferindo pressão dos adultos e prestando outros esclarecimentos. O “Recreando em Seu Bairro” começa as 8 da manhã na praça Maracanã. O próximo bairro que receberá evento é o Ipiranguinha, no dia 8 de maio. PMU



Vigilância Sanitária promove treinamento para vendedores de caldo-de-cana

O Ministério da Saúde registrou em março, 28 casos de doença de chagas relacionados ao consumo de caldo-de-cana no Brasil

A incidência de casos de Mal de Chagas provocados pelo caldo cana contaminado tem preocupado comerciantes e consumidores em Ubatuba. Por essa razão, a Vigilância Sanitária realizará, na sede da Secretaria de Saúde, dia 15 de abril, um curso de treinamento para os vendedores de caldo de cana do município. O objetivo do curso é orientar os comerciantes sobre a melhor forma de armazenamento e métodos de desinfecção da cana e da moenda.
A contaminação está ocorrendo em alguns locais do Brasil, devido à incidência de barbeiros contaminados pelo protozoário trypanosoma cruzi e à má higienização da matéria-prima e das máquinas utilizadas no processo. Em Ubatuba, a vigilância sanitária não tem notícias de barbeiros infectados, mas parte da cana utilizada vem de outros municípios, o que pode ocasionar a migração da doença.
Por essa razão, o município está tomando uma medida preventiva. A saúde coletiva orienta à população a não consumir o produto, até que os comerciantes sejam orientados. A nutricionista da vigilância sanitária, Claudia Raffaelli explica que os estabelecimentos estão sendo vistoriados. “Nós estamos visitando todos os pontos de venda e convocando os comerciantes a participarem do treinamento, para que o produto possa ser vendido com segurança e tranqüilidade.” O treinamento acontecerá às 9h do dia 15, no piso superior da Secretaria de Saúde, localizado na av. Rio Grande do Sul, 710. Para maiores informações ligue para o número: 3832-6810 PMU

Direto da redação



Essa é a redação do Ubatuba Víbora, tendo em primeiro plano a figura do sempre atento Brasil. Todos os dias ele avança ao comando do dono, ao contrário do país homônimo que patina um pouco.

Sidney Borges

Olhe bem. Já não existe!



Essa é ponte que foi para o beleléu. Um dia construirão outra. Um dia. Enquanto isso as garotas do bairro correrão risco de estupro no caminho escuro e tortuoso que há. Paciência, Jesus está olhando por nós. Jesus e os apóstolos!

Sidney Borges

Coincidência...



Quando tirei essa foto, em Londres, no ano 2000, não imaginava que um dia iria morar em Ubatuba. Nem poderia supor que o guarda tinha um sósia na cidade. Não é parecido?

Sidney Borges

quinta-feira, abril 07, 2005

Socorro!

Pois é gente, depois de dois dias sem banho fiquei esperançoso quando vi que estavam trabalhando para religar a água. Finalmente, pensei. Quando o trabalho terminou, néca de água. Tinham feito a ligação num ramal desativado. Acontece né? Igual ao cara que foi parar na Santa Casa com a perna direita quebrada e engessaram a esquerda. Logo mais eu falo do encontro do Papa com Roberto Marinho. Pedro Bial cobriu tudo!

Sidney Borges

terça-feira, abril 05, 2005

Pane geral!

Senhores leitores. Pedimos desculpas pelas falhas alheias que impedem que façamos o nosso trabalho. Em Ubatuba cada vez que chove um pouco mais forte é uma calamidade. O bairro da Ressaca, onde fica a redação do Ubatuba Víbora está isolado do mundo virtual. Os telefones estão mudos. Também não há água e a ponte que serve o bairro foi levada pela enxurrada. Fotografamos tudo. Colocaremos no ar assim que for possivel.

Sidney Borges

segunda-feira, abril 04, 2005

O Turismo na voz do povo!

Ronaldo Dias
O Turismo é uma excelente atividade econômica por suas características intrínsecas. Porém suas ações de suporte não podem e, não devem, causar danos e incômodos para a população local. Assim, não são compatíveis o lixo, sujeira, trânsito, barulho, desrespeito, uso abusivo dos espaços e, principalmente, a falta de educação com o povo que o recebe. A população não pode ser prejudicada, muita menos preterida. Ela tem de ser a principal beneficiária. A desorganização da atividade turística somada à sua equivocada identificação com o veraneio, têm causado prejuízos imensuráveis. A falta de conhecimento técnico e de planejamento coíbe seu desenvolvimento, dando amplo espaço aos espertalhões de plantão para tirar todo tipo de “vantagens”, boicotando ordenamentos legais, morais e éticos, alinhando-se aos que ”assediam” turistas com insistentes ofertas de produtos ou serviços de qualidade ou legalidade duvidosa. A protelação desta organização nos tem mostrado que, a cada ano perdemos um bom pedaço do que temos de melhor para usar e, para oferecer: A nossa natureza. A cada ano o desgaste é maior, por muito menos. A cada ano, principalmente a relação custo benefício para a população, piora. Muito! Assim vamos “abaixando a nossa bola”? Até quando? Até onde? A população fica cada vez mais impaciente pela falta de resultados efetivos. Difama, pela falta de capacidade política e administrativa os governantes. Questiona suas escolhas quando estes são incapazes de ordenar uma atividade tão benéfica, tão lucrativa, de sucesso comprovado nos quatro cantos do mundo! Esta é a voz do povo.

Reflexões atlânticas

Aos poucos Ubatuba amadurece.
O cenário político ubatubense se mostra alvissareiro. Apesar das naturais desconfianças quanto aos propósitos dos mutantes, é por demais saudável ver articulações políticas num começo de mandato. Eu me lembro do panorama de há quatro anos. Era totalmente diferente. Havia apatia e conformismo, a população olhava os acontecimentos com determinismo passivo. Ninguém mostrava interesse em tentar alguma coisa, salvo três vereadores que batalhavam na oposição. Um é o atual prefeito, outro é seu vice e o terceiro é o vereador de maior destaque da cidade, com atuação parlamentar muito superior à de seus pares. Há outros atores, além dos que estão trocando de partido. Eles terão papel importante no processo sucessório, mas por enquanto ainda não se manifestaram. Cito dois, Paulo Ramos e Sérgio Caribé. Paulo é figura conhecida, esteve na prefeitura por duas vezes. É polêmico, tem defensores ardorosos e detratores de porte. Pratica um tipo de política que parecia estar em declínio no país. Com o toma lá dá cá de Lula e com a eleição de Severino para a presidência da Câmara, o populismo carismático de Paulo Ramos ainda se mostra válido. Ele sempre será um candidato a ser respeitado. Caribé tem a vantagem do novo. É inteligente, bem preparado e possui o elemento fundamental para se construir alguma coisa. Dinheiro. Resta a ele fazer um trabalho de formiguinha e fixar o nome no imaginário da população. Será um candidato forte, não tenham dúvidas. Por enquanto esses são os nomes mais consistentes para se opor a Eduardo César, que trabalha para dar forma ao seu governo. Ainda é cedo dirão alguns. Nunca é cedo em política, ouso retrucar. O resultado de amanhã é reflexo do que se faz hoje. Observem o trabalho do vereador Charles Medeiros, que está construindo um conceito em torno de seu nome com base unicamente em ações. Assim se faz política! É exatamente por isso que eu vejo com simpatia as mudanças em curso. Desde que seja respeitada a ética e que não aconteçam manobras de bastidores, Ubatuba vai ganhar. Tenho absoluta certeza.


Sidney Borges

Editorial

A hipocrisia e seu alto custo
A chacina da Baixada Fluminense foi tão hedionda como a matança dos judeus na Segunda Guerra Mundial ou o genocídio do Camboja. A repercussão será pequena. Morreram apenas parias, gente do povo, amanhã estarão esquecidos. Os assassinos agiram com a certeza da impunidade. Ainda que sejam descobertos não receberão castigo à altura do crime cometido. No Brasil as coisas vão mal, apesar da propaganda oficial dizer o contrário. É apenas tática para manter Lula no poder e os banqueiros cada vez mais ricos. Quem tem contato com o mundo real sabe que os indicadores estão piorando. O festival de hipocrisia que campeia é inacreditável. Provoca enjôos cada vez que algum assunto polêmico ganha as manchetes. Por exemplo, o aborto. Quem pensa que o aborto é proibido no Brasil se engana. Ele é livre e praticado nos melhores hospitais, por médicos conceituados. Basta ter dinheiro. O mesmo acontece com a eutanásia. Para os pobres, fazer aborto significa ir para o inferno. Ricos não têm esse problema. As drogas também são tratadas de forma a enganar ingleses. No Brasil os donos do poder se orgulharam de ter enganado os ingleses na época do tráfico negreiro. Como conseqüência da esperteza a Inglaterra ficou mais rica e o Brasil nunca saiu da condição de devedor. Quem enganou quem? A classe média é a grande consumidora de drogas. O morro se encarrega de fornecer. A burguesia finge indignação com a violência, mas não para de se drogar e financiar traficantes. Seria mais lógico mudar as regras do jogo. Se alguém vai ganhar com a venda das chamadas substâncias ilegais, que seja o governo. As drogas devem ser liberadas e taxadas pesadamente. Os preços altos vão inibir o consumo. O Brasil precisa encarar a realidade antes que a guerra civil se instale definitivamente. É preciso avaliar se a relação custo-benefício da hipocrisia compensa. Tudo indica que não. Um dia as chacinas acontecerão em shopping centers da burguesia. Aí haverá choro e ranger de dentes.

Sidney Borges

domingo, abril 03, 2005

Veículo novo!



Essa é uma foto do Paraíso, no exato momento em que o Papa recebia seu novo veículo, a "Papabike". Com ela João Paulo II vai poder esquadrinhar o Universo. Segundo informações de fontes confiáveis, é mais rápida do que a luz!

Sidney Borges

Generosidade, Confiança e Grandeza

Corsino Aliste Mezquita – Professor*
A entrevista publicada, pela última revista VEJA, com o administrador de empresas e assessor internacional de empresários e governos, Stephen Covey, nos levaram a refletir sobre pontos que sempre manifestamos como essências para os ocupantes de cargos de chefia e ou liderança institucionais e que em certas circunstâncias provamos sua necessidade convidando palestrantes e apresentando fitas e textos.
Stephen Covey fala da importância de despertar a confiança nos liderados e da necessidade do líder ser generoso e agir com grandeza com aqueles que participam das equipes de trabalho. Abaixo algumas de suas afirmativas.
"Digo sempre que só é bom chefe quem sabe comemorar a vitória de um chefiado como se fosse sua. E, na verdade, é dele mesmo".
"Fazendo palestra para uma platéia internacional de executivos perguntei a eles quantos haviam ascendido na carreira porque tiveram como chefe um sujeito generoso. Quase todos levantaram o braço".
"É necessário inspirar os liderados valendo-se de uma conduta moral exemplar. A força de um chefe vem da admiração que ele desperta e não do medo que inspira. Uma gestão inspirada no medo leva a conseqüências fatais para a produtividade".
"Defendo a tese de que o importante para um chefe não é esbanjar carisma nem exibir força... mas inspirar confiança e respeito".
Salvo exceções não é essa a mentalidade predominante em nossa cultura. Nossas chefias consideram que todos devem estar a seu serviço e que o chefe deve ser reverenciado, honrado, obedecido e temido, mesmo quando é um fiasco, não conhece as funções de seu cargo e não desenvolve os serviços que lhe são atribuídos. "O resultado disso é desastroso porque os funcionários, inseguros, passam a relatar ao chefe apenas o que acham que ele quer ouvir", disse Stephen Covey.
A falta de generosidade não é característica só dos chefes. Aparece como evidente traço nacional de nossa sociedade quando alguém se considera com autoridade. O problema é tão sério que quando, um ou outro, age de forma diferente sempre se procuram interesses particulares naquelas ações.
A maioria de nossos patrícios pensa que todos os outros estamos a serviço de seu "EU", só ele tem direitos e o "OUTRO" só deveres.
Imbuído dessa mentalidade ou traço cultural exige, dos poderes públicos, soluções para todos os problemas da vida, até para aqueles que não são públicos e que devem ser resolvidos por particulares, pessoas físicas ou jurídicas.
Nesse espírito do "eu" sou "eu", só eu tenho direito, o "outro" só tem obrigações ou deveres não se pensa em agradecimento do chefe generoso. Para os possuidores desse traço cultural, o chefe, só cumpriu com o seu dever e não há porque agradecer. Isso quando não se avalia que nem cumpriu com o seu dever.Também não podemos querer exigir que filosofem com José Ortega e Gasset: "Yo soy yo y mi circunstancia" (Eu sou eu e minha circunstância), já que na circunstância entraria o "outro", o tempo, o espaço, o comportamento do grupo e, conseqüentemente pode ser alterada dependendo da grandeza, da generosidade e do espírito cívico de seus integrantes.
Estou levando meu raciocínio por esses caminhos para dizer a todos que sempre que se trata de repasses voluntários de dinheiro público para Organizações não Governamentais -ONG- ou para outros níveis inferiores de governo, a generosidade do que repassa costuma estar na dependência de ter feito a lição de casa por parte de quem vai receber, de sua história, de sua organização e da importância que dá à parceria, aos atos cooperativos e às ações conjuntas. É óbvio que o nível superior de governo (seja Estado ou União) terá predisposição para ser mais generoso com quem recebe com 10.000 (dez mil) cidadãos portando faixas de agradecimento, por tudo o que tem feito, que aquele que o faz com apenas 200 (duzentos) sem nada na mão e com enormes listas de novos pedidos.
Sejamos generosos e agradeçamos com grandeza sem nos importar com o que os outros recebem. O agradecimento é atitude de espíritos nobres. Geralmente quem agradece em nome da cidadania não está à procura de benesses.
Sendo generosos e agindo com grandeza inspiraremos confiança.
* Ex-secretário da Educação de Ubatuba

O papel do sofrimento

Mario Luiz de Camargo - Médico Oftalmologista
Uma das questões mais cruciais para nós, seres humanos, é compreender qual é o papel que o sofrimento tem em nossa vida.
Não é sem razão que os alicerces fundamentais de um trabalho interior espiritual são: trabalho consciente e sofrimento voluntário.
No Cristianismo o sofrimento é a espinha dorsal da história de Jesus Cristo no Calvário.
No Budismo também é manifestado explicitamente nas "Quatro Sagradas Verdades" que resumem toda a doutrina de Buda exposta no Sermão de Benares.
Antes de tudo, precisamos dar-nos conta de que o sofrimento é inevitável. Ele é inerente ao próprio fato de estar vivo. A raiz da dor universal é a impermanência de todas as coisas no mundo dos fenômenos.

Esta parábola do nascimento da borboleta ilustra bem o assunto:

"Um dia, passeando por um bosque, um homem percebeu um casulo de borboleta com uma pequena abertura na casca e, tomado de curiosidade, sentou-se para observar o nascimento da borboleta. Ficou ali entretido durante um longo tempo, enquanto a pequenina borboleta se esforçava para fazer com que seu corpo passasse através daquele estreito buraco. Ela tentou inúmeras vezes, mas o avanço foi muito pequeno. Continuou tentando sair com grande esforço, até que chegou uma hora em que parou. Parecia extenuada e dava a impressão de que tinha ido o mais longe possível.
Então o homem, compadecido, decidiu ajudar a borboleta. Pegou seu canivete e, cuidadosamente, cortou o restante do casulo. A borboleta então saiu facilmente, mas seu corpo estava murcho, pouco desenvolvido, e com as asas amassadas. O homem continuou a observar a borboleta esperando que, a qualquer momento, as asas se abrissem e se firmassem para serem capazes de suportar o corpo, que, por sua vez, se desenvolveria no seu devido tempo.
Nada aconteceu!
Na verdade, a borboleta passou o resto de sua vida rastejando com um corpo murcho e asas encolhidas. Ela nunca foi capaz de voar."

O que o homem, em sua gentileza e vontade de ajudar, não compreendeu era que o casulo apertado e o esforço para passar pela pequena abertura era o modo determinado por Deus para que as borboletas se tomassem aptas a voar, uma vez livres do casulo.
Algumas vezes, o esforço é justamente aquilo de que precisamos em nossa vida. Se Deus nos permitisse viver sem qualquer obstáculo, Ele nos deixaria atrofiados. Não nos tornaríamos fortes o suficiente e nunca poderíamos desenvolver toda nossa potencialidade.
É bem verdade que todos temos, em maior ou menor grau, o mesmo sentimento do homem da borboleta. Às vezes achamos que a vida da humanidade não se desenrola como deveria. Para qualquer lado que olhamos, encontramos desigualdade e sofrimento. E aí, inconformados, queremos ajudar e interferir à nossa maneira.
É claro que sofrer e não compreender sua razão e sentido é revoltante e odioso. Aliás, essa incompreensão é a matriz de nossas mágoas e rancores. É ela que nega o perdão.
Mas, para Deus, tudo tem sua meta e sentido, tanto a desigualdade do homem quanto o seu sofrimento. Eliminar a desigualdade seria impedir toda possibilidade de evolução. Excluir o sofrimento seria destruir a própria trama da vida. A evolução estagnaria, desprovida da única força realmente capaz de mudar a situação. As adversidades funcionam como um trampolim que nos joga para o alto, provocando o desenvolvimento e a manifestação de nossas forças latentes.
O que devemos fazer não é fugir do sofrimento, nem tentar eliminá-lo, pois ele é inevitável. O que é possível é tentar liberar-se do apego aos nossos próprios sofrimentos pessoais. É aceitar a vontade do mais Alto. Pois o alívio, a consolação e a paz começam a brotar quando realmente aceitamos pagar o preço do sofrimento voluntário.

"Eu pedi Força... e Deus me deu dificuldades, para me fazer forte.
Eu pedi Sabedoria... e Deus me deu problemas para resolver.
Eu pedi Prosperidade... e Deus me deu cérebro e músculos para trabalhar.
Eu pedi Coragem... e Deus me deu perigos para superar.
Eu pedi Amor... e Deus me deu pessoas necessitadas para ajudar.
Eu pedi Favores... e Deus me deu oportunidades.
Eu não recebi nada do que pedi... mas recebi tudo de que precisava."

Dr. Ricardo conseguiu telefones especiais


Dr. Ricardo Cortez trouxe melhorias para Ubatuba

Ubatuba já conta com 5 aparelhos telefônicos para deficientes auditivos
Graças ao empenho do vereador Dr. Ricardo (PFL) a cidade de Ubatuba conta agora com cinco aparelhos telefônicos para deficientes auditivos que estão instalados na Santa Casa, ADUBA, Delegacia de Policia, Câmara Municipal e Escola Tancredo Neves.
Para o vereador esta é uma grande conquista que vai beneficiar a comunidade local e aos turistas, que terão acesso a vários locais para poderem se comunicar com parentes ou amigos distantes. "Nossa luta dentro do Legislativo é para buscar cada vez mais benefícios para a população em todos os setores. A instalação desses aparelhos foi uma grande conquista, agora estamos tentando consolidar os projetos que a gente fez, solicitando que o prefeito aplique esse projetos e tenho certeza que estamos caminhando para um futuro melhor, uma vez que o nosso relacionamento com o prefeito é bastante amigável, que ele tem atendido a várias reivindicações nossas e que o relacionamento com a presidência da Câmara está melhorando, visto que já passou aquele momento de eleição para presidência, onde os grupos se fazem oposição", esclareceu Dr. Ricardo.
A divulgação dos telefones será feita por diversos meios de comunicação, pela internet e no site do vereador, www.drricardocortes.com.br que está em construção. Além disso o vereador estará solicitando à prefeitura que sinalize os locais onde os aparelhos estão instalados.
Fonte: Laura Valesi Ennes
 
Free counter and web stats